Sábado, 30 de Abril de 2016

…PORQUE O QUE ANDA POR AÍ… É UMA VERGONHOSA MANEIRA DE ESCREVER…

 

Soube que o presidente da República pretende reabrir o debate sobre o Acordo Ortográfico de 1990

 

Só quero chamar a atenção para o facto de que quando alguém tem a intenção de resolver um problema, resolve-o, não o adia, através de debates inúteis, porque é chover no molhado, é malhar em ferro frio, é repetir tudo o que já foi dito e redito. É perder tempo, e urge acabar com esta farsa, porque as crianças, que estão a ser enganadas, não merecem que as enganem per omnia saecula saeculorum…

 

CALENDÁRIO.png

 

Origem da imagem: Tradutores contra o Acordo Ortográfico

 

Marcelo Rebelo de Sousa visitará Moçambique. E Moçambique, porque preza a língua que adoptou oficialmente, não ratificou, e muito bem, algo que é irratificável. Impraticável.

 

Marcelo diz querer relançar o debate sobre um acordo que mereceu o desacordo de todos os países lusófonos (exceptuando o Brasil, de onde partiu esta triste ideia).

 

Pedro Mexia, consultor cultural do PR, comentou que Marcelo Rebelo de Sousa tem recebido mensagens de cidadãos e instituições a contestar o acordo e que, caso Moçambique e Angola não o ratifiquem «impõem-se uma reflexão sobre a matéria, que é de competência governamental, mas o presidente não deixará de sublinhar a utilidade de reflexão».

 

Ora é mais do que evidente que essa reflexão já está mais do que feita.

 

O que é que andamos aqui todos a fazer, há tanto tempo?

 

Os maiores expoentes da Língua Portuguesa, brasileiros e portugueses, cidadãos comuns, professores, escritores e jornalistas não se têm cansado de expressar a repulsa que o AO/90 suscita, por estar assente exclusivamente em interesses económicos de editores e políticos pouco escrupulosos, de um e de outro lado do Atlântico, e ser uma autêntica aberração ortográfica.

 

Recordemos o vaivém de Marcelo Rebelo de Sousa: em 1991 foi contra o AO/90, mas em 2008, incompreensivelmente, ele que sempre lidou com a palavra escrita, manifestou-se a favor do dito acordo. Em 2014, nem foi “carne nem peixe”, admitindo na TVI, onde era comentador, que apesar de defender o AO, escrevia como sempre escreveu.

 

Durante a campanha eleitoral para PR, manteve o Português correcto. Contudo, não foi capaz de tomar uma posição pública que esclarecesse os portugueses quanto à sua posição.

 

Há pouco tempo, num ofício emanado da presidência da República, lê-se que “sem prejuízo de possíveis desenvolvimentos futuros, o presidente da República, como todas as instituições do Estado português, segue as regras do Acordo Ortográfico no exercício das suas funções”, ainda que ilegalmente e desrespeitando a Constituição da República Portuguesa.

 

Todos nós nos recordamos que MRS jurou, perante o País o seguinte: «Juro por minha honra desempenhar fielmente as funções em que fico investido e defender, cumprir e fazer cumprir a Constituição da República Portuguesa

 

Pois sendo o AO/90 ilegal e inconstitucional, dizem os juristas, como poderá o presidente da República seguir as regras do acordo ortográfico sem desrespeitar a Constituição?

 

Congratulamo-nos que o presidente da República queira trazer à baila o acordo, mas esperamos que seja para propor ao governo a sua eliminação, sem mais demandas e demoras, pois urge repor a Língua Portuguesa nas escolas portuguesas, no funcionalismo público, nos órgãos de informação que se vergaram, sem pestanejar, ao lobby editorial, para que a língua retome a sua dignidade de língua europeia e culta.

 

Porque o que anda por aí… é uma vergonhosa maneira de escrever…

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:19

link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
| partilhar
Quinta-feira, 28 de Abril de 2016

INQUÉRITO SOBRE O ACORDO ORTOGRÁFICO

 

Anda a circular no Facebook, um Inquérito sobre o (mal dito novo, que não é novo) Acordo Ortográfico, proposto em acordês, cujo link deixo no final deste texto para quem (ainda assim) quiser responder.

 

«A aplicação do novo (!!!) acordo ortográfico em Portugal provocou críticas e um certo desagrado na opinião pública. Dê-nos a sua opinião». Foi o que fiz.

 

Seguem-se as perguntas, e aqui vos deixo as minhas respostas às questões essenciais, como se estivesse a atirar achas para uma fogueira, onde espero ver arder, até se desfazer em cinzas, esta alienada ortografia, denominada AO/90.

 

FOGUEIRA1.jpg

Fotografia original © J. MACHADO photography

 

P - Sentiu dificuldades ao adaptar-se às novas regras?

R - Não.

Não senti a mínima dificuldade, porque não aplico um acordo que não está em vigor, é ilegal e inconstitucional, e ainda que fosse legal nunca o aplicaria, porque é um autêntico aborto ortográfico, sem o mínimo fundamento linguístico.

 

P - Concorda com a aplicação do novo acordo ortográfico?

R - Não.

Não concordo com a aplicação deste AO porque, como já disse, é um autêntico aborto ortográfico, sem pés nem cabeça, engendrado, sem qualquer fundamento linguístico, para encher os bolsos de editores e de políticos corruptos.

 

P - Continua a escrever como fazia antes do acordo?

R – Sim.

Obviamente que continuo a escrever segundo as alterações de 1945, cientificamente fundamentadas, e não segundo este AO/90, por não lhe reconhecer legitimidade, e nem sequer estar em vigor. E mesmo que estivesse em vigor, recusar-me-ia a aplicá-lo por ser num autêntico aborto ortográfico (repito), por não ter pés nem cabeça.

 

P - O novo acordo veio afetar a língua portuguesa:

R – Negativamente.

Apesar de desconhecer o significado de "af'tar", o acordo (que não é novo e é ilegal) só está a ser aplicado pelos ignorantes, pelos pouco esclarecidos, pelos medrosos, pelos acomodados, pelos comodistas e pelos lacaios do Poder, que está a vender Portugal ao desbarato.

Deste modo, quem o aplica só está a gerar confusão e a arrastar na lama a Língua culta e europeia, que é a Portuguesa.

 

P - O português de Portugal (o berçário da língua) perdeu de certa forma a sua identidade com este acordo!

R – Concordo.

Vou concordar, porque apesar de a pergunta ser descabida, o Português de Portugal (de onde mais poderia ser?) ao ser aplicado na versão AO/90, que mais não é do que o abrasileiramento da língua, perderá, não de certa forma mas obviamente, a identidade portuguesa,   perderá a sua raiz culta e europeia, além de ser um INSULTO a todos os Brasileiros e Portugueses cultos.

 

P - O acordo veio unir ainda mais os países lusófonos na língua comum!

R – Discordo.

O acordo não veio unir coisa nenhuma, até porque não está a ser aplicado em todos os países de Língua Portuguesa. Apenas o Brasil e Portugal (por interesses económicos) estão a fazer uma tentativa ILEGAL de o impingir ao povo que, maioritariamente, o rejeita com grande repulsa.

E apenas os idiotas cairão neste conto do vigário chamado “união”.

 

P - Uma língua está sempre em constante evolução, como prevê o futuro da língua portuguesa?

R - Uma língua até pode estar em constante evolução, mas EVOLUÇÃO não é sinónimo de MUTILAÇÃO, e o que o AO/90 propõe é a mutilação da língua, para facilitar a aprendizagem dos que têm dificuldades intelectuais para aprendê-la, portanto, prevejo que o futuro da Língua Portuguesa seja muito melhor, livre desta praga do AO/90 que castra as palavras, e que por ser um aborto, não é de todo viável.

 

P - Esteja à vontade para opinar mais sobre este assunto

R - O que tenho a acrescentar sobre este assunto é que assim como o pior cego é aquele que não quer ver, o pior ignorante é aquele que faz da ignorância uma opção.

 

Ora sendo este AO/90 um produto oriundo da mais profunda ignorância da Língua, sendo ele ilegal, e estando mais do que fundamentadas as suas incongruências, pelos mais abalizados e cultos mestres da Língua Portuguesa, e por juristas que sabem de leis, é da ignorância continuar a insistir na aplicação ilegal de um acordo que tem mais de desacordo do que de acordo, e é do foro da própria ignorância.

 

Além disso, há as crianças, que estão a ser enganadas na sua aprendizagem da Língua Materna.

 

E isto não configurará um crime de lesa-direito a um ensino de qualidade?

 

Link para o Inquérito:

https://docs.google.com/forms/d/1mPi0o9r9tyO4JciBpjf8PUSPqLhk_bNkbUTLqxSCvkU/viewform

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:58

link do post | comentar | ver comentários (8) | adicionar aos favoritos
| partilhar
Quarta-feira, 27 de Abril de 2016

NENHUM PORTUGUÊS É OBRIGADO A COOPERAR NA PERDA DA SUA PRÓPRIA LÍNGUA

 

Ainda mais quando o AO/90 foi imposto ilegalmente por governantes irresponsáveis, de um e de outro lado do Atlântico.

 

Todos os Portugueses têm o Direito de Resistência: Artigo nº 21 da Constituição da República Portuguesa.

 

DIREITO DE RESISTÊNCIA.jpg

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:30

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Quinta-feira, 21 de Abril de 2016

DOCUMENTO DA ANPROPORT PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SOBRE O ACORDO ORTOGRÁFICO

 

(Um texto que todos os portugueses conscienciosos, que amam a  Língua Portuguesa, subscrevem na íntegra).

 

ANPROPORT.jpg

 

A ortografia é um fenómeno da cultura, e portanto um fenómeno espiritual. O Estado nada tem com o espírito. O Estado não tem direito a compelir-me, em matéria estranha ao Estado, a escrever uma ortografia que repugno […].Fernando Pessoa

 

A decisão oficial de implementar o uso do novo Acordo Ortográfico de 90 (AO90), na Escola, anulando a norma até então vigente e resultante do acordo ortográfico luso-brasileiro, ratificado em 1945, e ao qual o Brasil, sublinhe-se, renunciou pouco depois, constituiu, e continua a constituir, uma violência imensa sobre os professores, mormente sobre os professores de Português. Com efeito, a aprendizagem da língua materna e a análise de textos, literários ou não, foi fortemente atingida por incoerências, absurdos e facultatividades que vieram desestabilizar a língua e pôr em causa a função normativa da ortografia, impedindo forçosamente os professores de ensinar porquanto não é admissível que se ensinem erros ou se justifiquem incoerências com a força de um decreto, aspectos que mais adiante exemplificaremos. A língua não se decreta, e daí a epígrafe que norteia o presente texto. A língua evolui muito naturalmente e quando necessário deve ser discutida com rigor, espírito científico e sensatez por quem sabe da matéria. Tudo o que, na verdade, falhou neste processo e pode ser confirmado pela leitura do único texto elaborado pelos autores do AO 90 para o justificar: a «Nota Explicativa Do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1990)».

 

O facto de nesta «Nota Explicativa» se invocar a «teimosia lusitana» para a manutenção de consoantes mudas que não se articulam, consideradas «dificuldades suplementares» para «professores e estudantes de português», e que os brasileiros «há muito» suprimiram, ou se justificar a sua supressão com a «facilidade da aprendizagem da língua» para as «crianças de 6/7 anos», aliviando a sua memória que, assim, será disponibilizada «para outras áreas de ensino» ou ainda se considerar essas alterações «pouco significativas em termos quantitativos», são aspectos que traem a competência científica de quem se arvorou, na realidade, em dono da língua e silenciou vozes críticas ignorando a sua opinião. Será oportuno transcrever as palavras do linguista António Emiliano, que em profundidade analisou este processo dando-o a conhecer em 3 obras que referiremos no ponto 3 deste texto: A função de uma ortografia não é nem facilitar o ensino da escrita nem reflectir a oralidade; a ortografia serve para codificar e garantir a coesão da língua escrita normalizada de uma comunidade nacional. (1)

 

Focando os exemplos que lesam uma reflexão sobre a língua que se pretende incutir nos alunos, encontramo-los em larga escala na supressão das consoantes mudas (c e p) resultante da imposição do critério não científico da «pronúncia», que levianamente menospreza a etimologia, componente cultural da ortografia, facto agravado pela generalização que se desencadeou dessa supressão, mesmo em vocábulos em que as ditas consoantes se pronunciam, aumentando a confusão que se vive na Escola e na sociedade em geral. Somam-se os «latentes» em vez de «lactentes», os «laticínios», em vez de «lacticínios», os «contatos», em vez de «contactos», o mesmo se passando com a conjugação do respectivo verbo, os «fatos», em vez de «factos», o «tato» em vez de «tacto», o «pato» e o «compato», em vez de «pacto» e «compacto».

 

Os erros de leitura e de compreensão do sentido tornam-se comuns, como nos casos de «receção» ou de «conceção» (por recepção e concepção) e que os alunos lêem como se se tratasse, respectivamente, de «recessão» e de «concessão». Aliás, na comunicação social televisiva é habitual.

 

Fonte de equívocos, contrariando a função da ortografia, será também para os alunos a supressão do acento gráfico em pára (flexão do verbo parar), confundindo-se com a preposição para, ou em péla (flexão do verbo pelar), confundindo-se com a contracção pela, ou ainda no substantivo pêlo, confundindo-se com a contracção pelo, mantendo-se, no entanto, o circunflexo em pôr para se distinguir da preposição por. Que lógica há em tudo isto?

 

A confusão temporal gerada pela imposição de facultatividade à acentuação da 1.ª pessoa do plural do Pretérito Perfeito do Indicativo, dos verbos da 1.ª conjugação, que desse modo se diferenciava do Presente do Indicativo, da mesma pessoa (pensámos/pensamos), pode ser visível na análise do sentido de um verso ou de uma frase, experiência que muitos professores podem testemunhar, nomeadamente no estudo da obra poética e em prosa de Fernando Pessoa e heteronímia. O que era norma gramatical passou para a designação de regionalismo.

 

Os exemplos apresentados, entre muitos que diariamente interferem negativamente no ensino da Língua Portuguesa e na análise de texto de autores literários, e não só, fundamentam a necessidade urgente de uma séria reflexão sobre o assunto, ouvindo pessoas de reconhecido mérito científico que publicamente se manifestaram e têm manifestado contra o AO90, e que poderão igualmente dar conta do caos ortográfico que a implementação do referido acordo está a ocasionar. Não é demais lembrar ainda o facto de, em 1991, o Ministério da Educação, nomeadamente a Direcção Geral do Ensino Básico e Secundário, ter apresentado parecer contrário à implementação deste AO que foi inadmissivelmente ignorado, arrastando os professores para uma obediência que põe em causa a sua inteligência, o seu estudo e a sua afectividade pela língua portuguesa: Há acordos assináveis, sem grandes problemas e há outros que são de não assinar. O acordo recentemente assinado tem pontos que merecem séria contestação e é, frequentemente, uma simples consagração de desacordos.

 

Espera a Associação Nacional de Professores de Português (ANPROPORT), constituída por profissionais dos vários níveis de ensino, do pré-escolar ao universitário, que Sua Excelência, o Presidente da República, garante da democracia e preocupado, como nos foi dado ver, com o património colectivo que representa a Língua Portuguesa, suscite as audições necessárias para que se efective finalmente a reflexão e o debate que se impõem. Além disso, dever-se-á ter em conta que nem todos os países de Língua oficial Portuguesa ratificaram o referido AO, situação que intensifica a confusão gerada, continuando a usar a norma padrão do português, em sintonia com o acordo luso-brasileiro de 1945.

 

Lisboa, 4 de Abril de 2016

 

A Presidente da Direcção

 

Rosário Andorinha

 

(1) António Emiliano, Apologia do Desacordo Ortográfico. Lisboa, Babel, 2010, pág. 141.

                                                                                                         

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:49

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Quarta-feira, 20 de Abril de 2016

QUESTIONÁRIO SOBRE A TEMÁTICA DO ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA (1990)

 

Fica aqui a ligação, para que todos lhe possamos cair em força!

https://docs.google.com/forms/d/1jq2cU1mKkVyWtN1-s7VTw6m8mQzeWbj6wnYUVLXYEu4/viewform

 

«Acabei de responder a um questionário e, a dada altura, "espetei-lhes" com o seguinte texto, escrito "à pressão", mas com muita raiva, convicção e motivação:

 

QUESTIONÁRIO.png

 

«É ilegal - trata-se de uma mera RCM - Resolução de Conselho de Ministros, não convertida em Lei ou Decreto-lei, logo, de acordo com a nossa Constituição, é nula, não existe. Também em termos de direito Internacional é ilegal, uma vez que não foi ratificada por todos os países signatários.

 

Em termos linguísticos é incoerente, acaba com a etimologia da palavra, é um atentado ao nosso legado cultural e linguístico, que nos identifica e do qual devemos ser fiéis depositários. A Língua evolui, mas de uma forma natural, não por decreto, ao sabor dos caprichos de meia-dúzia de "iluminados", movidos por protagonismos obscuros e interesses monetários. Além do mais, o pretenso AO, em vez de unificar, só criou mais divisões, mais desigualdades em termos de grafia qua as já existentes e nunca impeditivas da comunicação entre os seus vários utilizadores.

 

Finalmente (e só para não me alongar mais, pois muito mais haveria a dizer), afirmar que qualquer unificação é possível, ou é má-fé ou pura ignorância, pois o contexto geográfico e raízes culturais dos vários povos / nações, originarão sempre desvios, variações, diferentes variantes linguísticas, que derivam precisamente de uma evolução natural por parte dos seus falantes. Podem chover decretos... Deixo esta pergunta no ar: Porque é que esta matéria não foi ainda vertida em Lei? Porque será? Não será porque sabem que o não podem fazer?! » (Margarida Martins)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:08

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Segunda-feira, 18 de Abril de 2016

UMA ACÇÃO DE PROTESTO CONTRA O AO/90

 

A partir de hoje, passarei a escrever os nomes dos governantes portugueses em letras minúsculas, como protesto à vergonhosa submissão do governo português ao ilegal e inconstitucional AO/90.

Que respeito merecerão aqueles que não respeitam a minha Língua Materna?

 

PROTEST.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:40

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Domingo, 17 de Abril de 2016

«MESSI VAI PROCESSAR QUEM O ACUSA DE INVASÃO FISCAL…»

 

Este é o título de uma notícia online publicada no SAPO24.

 

A "invasão fiscal" realmente é um dos grandes e graves problemas da actualidade…

 

Pediram (na página) para partilhar tão importante notícia.

 

Eis o meu contributo:

Socorroooooo! Estão a assassinar a Língua Portuguesa… e quem de direito faz-se de morto…

 

O que está a valer à Língua Portuguesa é esta estar a ser bem escrita nos países africanos de expressão portuguesa.

 

B8KDBKSH MESSI.jpg

 

Fonte da notícia:

http://24.sapo.pt/article/desporto-sapo-pt_2016_04_03_1615194040_messi-vai-processar-quem-o-acusa-de-invasao-fiscal

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:40

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Sexta-feira, 15 de Abril de 2016

A MUTILAÇÃO DA LÍNGUA MATER

 

O desabafo de uma cidadã brasileira sobre o acordo do seu descontentamento…

 

DESCONTENTAMENTO.jpg

 

 Texto de Elizabeth Pereira Gabas

 

«Ando macambúzia, cabisbaixa e sorumbática, desde o dia 01/Janeiro, quando ouvi oficiosamente em dois jornais televisivos diferentes, que o AO entraria em vigor no Brasil, a partir de então...não pelo que representa aqui, tolices de meia dúzia (se tanto) de regras sem sentido, mas porque um aceite do Brasil, era a chancela de que "pulhíticos" de ambos os lados precisavam, para deflagrar a hecatombe nuclear da Língua Portuguesa, que como o próprio nome diz é a "Língua de Portugal"...dentro da enorme incompetência brasileira, ninguém, ou quase ninguém, está preocupado, nem sabendo, nem nunca ouviu falar, qualquer coisa que fosse, sôbre a MUTILAÇÃO-LÍNGUA-MATER que esse abôrto (com acento para diferenciar da 1ª pessoa do singular do presente do verbo abortar), como se apresenta, ou seja, monstruosamente, representa para a Nação Portugal...mas POR QUE justamente em cima da Cultura, da Identidade Secular de um Povo, em cima da cultura-identidade meio-secular de outras Nações, quando há infinitas outras formas (e imaginação é o que não lhes falta), para roubar, exercer a corrupção desmedidamente, usurpar, enriquecer desbragadamente e ilicitamente até à 20ª geração de cada ratazana-humanóide, que infelizmente não depende de inteligência para se reproduzir...

 

Como Amália Rodrigues, "Sinto Pena"...pena das crianças que serão forçadas a aprender um idioma-frankenstein, longe, muito longe, da "última flôr de Lácio, inculta e bela; que era a um só tempo: esplendor e sepultura; ouro nativo que na ganga impura, abruptamente minava entre os cascalhos e velava"...por mim, continuarei como aprendi e já que tudo enlouqueceu, abusarei dos acentos diferenciais a meu bel-prazer, dos hífens da maneira que quiser e só não "adoptarei" o trema, porque já não era do meu tempo...mas ainda vou pensar a respeito...e sempre que souber como se escreve em PT- PT, (pré-abôrto, é evidente), assim o farei.

 

Por hora e num último apêlo, conclamo-vos a reunir os penúltimos esforços (mesmo sabendo, que tudo em geral, está pra lá de difícil), em função da LUTA PELA DERRUBADA DO FAMIGERADO AO!!!

 

Sem esquecer, para pensar e repensar, parafraseando o livro do Apocalipse, sobre o Juízo Final: Deus vomitará os mornos!!!»

 

Elizabeth Pereira Gabas

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:55

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Quinta-feira, 14 de Abril de 2016

O AO/90 É A CARTILHA DOS MAIS BÁSICOS ERROS ORTOGRÁFICOS QUE AS CRIANÇAS ESTÃO A SER FORÇADAS A “APRENDER”

 

O grande e gravíssimo problema que se coloca actualmente é precisamente a imposição deste aborto às inocentes crianças.

 

Aqueles que, cegamente, aderiram à aplicação ilegal do AO/90, não deveriam ser processados criminalmente, primeiro, por serem cúmplices de uma ilegalidade; e segundo, por permitirem que as crianças aprendam pela Cartilha do AO/90, uma tosca colectânea dos mais básicos e graves erros ortográficos?

 

Pais deste país: as vossas inocentes crianças estão a ser ENGANADAS.

 

E isto não será grave? Isto não configurará, de facto, um crime?

 

MEC.png

Fonte da imagem:

https://www.facebook.com/TradutoresContraAO90/photos/a.212426635525679.35361.199515723483437/816580321776971/?type=3&theater 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:06

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Quarta-feira, 13 de Abril de 2016

E ASSIM VAI A LÍNGUA PORTUGUESA

 

O Acordo Ortográfico não altera a pronúncia, dizem. As chamadas consoantes mudas não têm qualquer função, dizem. Não abrem vogais, dizem. Pois o programador de um sintetizador de voz dirá a essas pessoas que isso não é verdade. Como é audível no texto lido, há palavras em que a vogal tem necessariamente de ser pronunciada fechada, pela ausência da consoante que o impediria. Trata-se de ciência da língua e de lógica que, em informática, não falha.

 

Fonte:

(Tradutores contra o Acordo Ortográfico)

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:53

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A NOTA EXPLICATIVA (DO AO...

. ANTÓNIO COSTA - O “TATICI...

. ESTAMOS TODOS MUITO CANSA...

. GRUPO EDITORIAL LEYA VEND...

. RESTAURAÇÃO DA MATRIZ DA ...

. ACÇÃO CONTRA O FALSO ACOR...

. «SOBRE O ACORDO ORTOGRÁFI...

. QUEREM APOIAR A CAUSA CON...

. QUAL A DIFERENÇA ENTRE O ...

. DESTA VEZ NÃO SOU EU QUE ...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.BLOGUES

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO