Quinta-feira, 30 de Junho de 2016

COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CHEIO DE ERROS ORTOGRÁFICOS

 

Exmo. Senhor Presidente da República,

 

Então foram os FATOS que estiveram na origem do inquérito ao director do Museu da presidência? Quais FATOS? Os dos senhores presidentes? Seriam de boa fazenda?

 

E que ATIVIDADES foram essas? E esses FATOS são anteriores ao ATUAL mandato presidencial? Que assim se escreva nos becos lisboetas... Agora num comunicado oriundo da Presidência da República Portuguesa é vergonhoso. E o museu é uma quê??? Uma DIREÇÃO???? O que será isto?

 

Isto é uma autêntica vergonha. 

Por isso, como Portuguesa, sinto-me INDIGNADA! Um texto tão pequenino, e com tantos erros ortográficos!!!

 

COMUNICADO1.jpg

 

Origem da imagem:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10209909097514676&set=a.1828568084563.106288.1551152957&type=3&theater

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:24

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Quinta-feira, 23 de Junho de 2016

O QUE OS POLÍTICOS PORTUGUESES PRECISAM DE SABER SOBRE O AO90

 

3003_200416124415_Palavras[1] AO90.jpg

 

Aqui há tempos, por ocasião das eleições legislativas, perguntei a um determinado líder político, qual a posição do seu Partido acerca do AO90.

 

A resposta veio assim: “Eu, pessoalmente, escrevo e continuarei a escrever como sempre escrevi, mas o Partido, constituído maioritariamente por gente mais jovem, entende que a língua é um organismo vivo em evolução, portanto, estando o AO90 nessa linha evolutiva, optaram por aplicá-lo».

 

Esta seria a resposta perfeita, se o AO90 tivesse alguma coisa (ainda que muito remota) a ver com a linha evolutiva da língua.

 

Acontece que o AO90 nada tem a ver, nem de perto nem de longe, nem pouco mais ou menos, com evolução alguma. Muito menos da língua.

 

E porquê?

 

Simplesmente porque o AO90 não foi engendrado a partir de motivações evolucionistas da língua, ou assente nas Ciências da Linguagem, mas tão-só em interesses económicos de uns tantos editores/livreiros brasileiros e portugueses (reparem que eu não incluo aqui os africanos de expressão portuguesa, porque esses não foram para ali chamados) e, por arrasto (porque nestas coisas de interesses económicos sempre se vai por arrasto), de uns tantos políticos portugueses que, sem o menor pejo, patriotismo ou sentido de Estado, decidiram vender a Língua Portuguesa, culta e europeia (é bom referir este detalhe, porque anda por aí uma imitação muito mal ataviada, a que chamam português do Brasil) e impor ilegalmente, vergonhosamente, impatrioticamente uma ortografia apelidada de AO90, tirada, à força, da ignorância mais profunda sobre a Língua Portuguesa, um dos maiores símbolos da Identidade de Portugal, aquele que exprime o ser e o sentir de todo um povo, porque sem a Língua, expressão oral e escrita, como saberíamos dos feitos tão excelentemente cantados por Luiz Vaz de Camões?

 

A Língua de um povo diz da dignidade desse povo. Não pode ser o simples linguajar que os iletrados utilizam para se comunicarem entre si.

 

Quis o destino que Portugal, por ser um pequeno país, entalado entre o Oceano Atlântico e a gigantesca Espanha, ousasse rasgar as águas do mar em busca de outros mundos, para poder sobreviver.

 

Quis igualmente o destino que os Portugueses fossem um povo destemido e dotado para as marinhagens, e que «navegando mares nunca dantes navegados», de légua em légua, foram descobrindo terras, nelas se fixando e deixando a “marca” de Portugal.

 

Não caberá aqui discutir o mérito ou o demérito da colonização portuguesa, que não foi nem pior nem melhor do que a dos outros povos colonizadores.

 

Chegados aqui, falemos da Língua que deixámos aos povos que foram sendo colonizados, e que, no caso do Brasil (o grande responsável pela disseminação do mau Português, perdoem-me os meus quase conterrâneos brasileiros) foram primeiramente os indígenas (os mais genuínos brasileiros), e depois os colonos portugueses e de muitas outras origens, que foram assentando arraiais no gigantesco território que os Portugueses conseguiram tornar seu.

 

Até 1822, o Brasil (achado em 1500) existiu sob o “domínio português”. Mas depois desta data, já com brasileiros de terceira geração, libertaram-se desse domínio, e o que fizeram com essa liberdade também não é agora para aqui chamado.

 

O que é para aqui chamado é que esses brasileiros, por vontade própria, adoptaram a Língua Portuguesa como língua oficial (e poderiam ter escolhido qualquer uma das muitas línguas indígenas que então existiam) a qual foi sendo enriquecida pelo léxico autóctone e dos vários povos que no Brasil se foram fixando.

 

E isso foi muito bom para a Língua Portuguesa.

 

O que não foi bom foi o facto de, a dada altura, os políticos brasileiros, para baixarem o elevado índice de analfabetismo, decidirem simplificar, arbitrariamente, a língua escrita, retirando-lhe as consoantes mudas, sem terem a mínima noção de que, ao fazerem-no, estavam pura e simplesmente a mutilar a língua, introduzindo palavras que antes tinham nexo e, bruscamente, por mera vontade política, deixaram de ter, e transformaram-se em erros ortográficos (e passo por cima dos outros erros, incluindo os da concordância, espelhados na linguagem oral).

 

E são precisamente essas palavras mutiladas, sem qualquer motivação científica, que os políticos portugueses impatriotas e completamente desinformados (se é que me entendem) querem impingir-nos, porque sim, por teimosia, por ignorância, por meros interesses económicos, por conveniências obscuras.

 

Concluindo: não existe, nem pode coexistir um Português de Portugal e um Português do Brasil.

 

O Português é Português em qualquer país lusófono. Ponto final.

 

Dentre os oito países que fazem parte da Lusofonia (Portugal, Brasil, Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Cabo Verde e Timor) apenas o Brasil desvirtuou a Língua Portuguesa, e não foi por motivos evolucionistas, como já referi.

 

O Português, dito do Brasil, não é mais do que o Português na sua versão mais pobre e inculta. E que me perdoem os Brasileiros, porque aprendi a ler e a escrever no Brasil e passei a minha infância, adolescência e juventude a aprender e a desaprender a minha própria língua, de cada vez que me mudava de cá para lá, e de lá para cá.

 

Não existe um Português de Angola, ou de Moçambique ou de Cabo Verde, ou da Guiné, ou de São Tomé e Príncipe, ou de Timor.

 

O que há é muitos modos de dizer. A expressão oral pode variar até de cidade para cidade, dentro de um mesmo país. Mas não a escrita.

 

Os brasileiros até podem dizer “mulé”, “muié”, “mulherrr”, mas se escreverem mulher, menos mal.

 

Não critico o modo de falar, se bem que falar bem não fica mal a ninguém.

 

Reduzir a língua escrita ao modo de dizer, não tendo em conta a etimologia das palavras, é um acto de incultura.

 

É trise, muito triste, vermos a nossa bela Língua Portuguesa escrita por aí, em documentos oficiais, em (algumas) estações televisivas, em (alguns) jornais e revistas, em (alguns) livros de escritores menores, com a puerilidade de uma criança que acaba de se sentar nos bancos da escola primária, para aprender as primeiras letras, e junta-as conforme as ouve:

 

«Çaberão voçax eisçelênciax u tamanhu da inurmidade da voça falta de cunheçimento da língua purtugeza

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:32

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Terça-feira, 21 de Junho de 2016

O AO45 É PARA AS PESSOAS CULTAS E O AO90 PARA AS OUTRAS…

 

Quem o diz não sou eu, é o Alexandre Carvalho, alguém que sabe da matéria, porque isto de dizer que o AO90 é Língua Portuguesa não é de quem saiba sequer o abecedário português.

 

HERRAR.jpg

(Frase interessante encontrada no Museu da Língua Portuguesa na cidade de São Paulo – Brasil)

 

A frase é interessante e curiosa, precisamente porque herrar até pode ser umano

 

Mas já não será humano errar, errar e tornar a errar depois de já se ter errado tanto

 

E os nossos políticos, responsáveis pela balbúrdia ortográfica que grassa por aí, dão muito mau exemplo às crianças que estão a aprender a ler e a escrever a Língua materna, ao teimar no erro crasso que é a imposição ilegal de uma ortografia torta e enfermiça, que nada tem a ver com a escorreita Língua Portuguesa.

 

É que nem sequer os governantes portugueses colocam a hipótese de reflectirem sobre o assunto. Eles afirmam que o AO90 é a consequência natural da evolução da língua.

 

Só que se esquecem de que evolução implica saber, e o AO90 está assente num monumental desconhecimento da Língua Portuguesa.

 

Por isso, enviamos aos governantes esta mensagem de Aristóteles: não afirmeis que o AO90 é a ortografia do futuro; duvidai como os sábios; e sobretudo reflecti como homens sensatos… E livrai-nos desta maldição ortográfica (amém)...

 

ARISTÓLETES.png

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:39

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Segunda-feira, 20 de Junho de 2016

ORTOGRAFIA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA É UMA VERGONHOSA BALBÚRDIA

 

Nem se escreve bem em Língua Portuguesa, nem se escreve bem em acordês.

 

Temos um presidente que não tem brio, nem vocação para defender Portugal.

 

Até agora tem-me parecido uma "Miss Portugal": faz o que qualquer Miss faz pelo país que a elegeu. Mais nada.

 

Envergonho-me desta figura, que nem sequer sabe utilizar uma Língua culta.

 

ORTOGRAFIA DA PR.png

 

Origem, da imagem:

https://www.facebook.com/TradutoresContraAO90/photos/a.212426635525679.35361.199515723483437/862379263863743/?type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:33

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Segunda-feira, 13 de Junho de 2016

O QUE OS AFRICANOS CULTOS DE EXPRESSÃO PORTUGUESA PENSAM SOBRE O ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990

 

Recados cultos para políticos incultos que se recusam a ver e ouvir o óbvio…

 

(Em actualização...)

 

Fonte das imagens: «Tradutores Contra o Acordo Ortográfico»:

https://www.facebook.com/TradutoresContraAO90/?fref=ts

 

 

 

10857979_578053075629698_4074096881293465016_n[1].

 

10906200_598248523610153_4963872232128187307_n[1].

 

 

15781686_1044630562305278_92898527873579933_n[1].p

 

 

10622948_1003804066387928_5684578126962449867_n[1]

 

 

 

 

AO253278_367638966671111_747935556_n[1].jpg

 

14713598_968264256608576_5107918172080346738_n[1]

 

 

14479630_961546290613706_8382979640969254781_n[1].

 

14088568_917497525018583_526592832818016492_n[1].p

 

13782171_882558435179159_5577124541586166099_n[1].

 

 

AO11176274_404361736332167_279376069_n[1].png

  

AO21459999_563456237089382_4353815209004108390_n[1

AO31505000_597934706974868_2409912067253984547_n[1

AO411406767_644862128948792_8420999471085454842_n[

AO513327404_1344007118957628_7240445168424893470_n

AO612715538_788875227880814_8218750520347426895_n[

AO712798824_798840746884262_1822748472355704086_n[

 

***

O QUE OS BRASILEIROS CULTOS PENSAM SOBRE O ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990

http://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/o-que-os-brasileiros-cultos-pensam-8246

 

O QUE OS PORTUGUESES CULTOS PENSAM SOBRE O ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990

http://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/o-que-os-portugueses-cultos-pensam-33885

 

Fonte das imagens: Tradutores Contra o Acordo Ortográfico

https://www.facebook.com/TradutoresContraAO90/photos/a.645082112260127.1073741829.199515723483437/652947688140236/?type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:30

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Sexta-feira, 10 de Junho de 2016

TORNO A REPETIR: A MELHOR FORMA DE COMEMORAR O DIA DE CAMÕES É DEVOLVER A PORTUGAL A LÍNGUA PORTUGUESA

 

(Torno a repetir, porque já o repeti muitas vezes)

 

Hoje, os políticos portugueses pretenderão celebrar o Dia de Camões, de Portugal e das Comunidades, com cerimónias hipócritas, umas em Paris, outras por aqui mesmo, e que em nada dignificam Camões, Portugal e as Comunidades, sendo feitas numa língua que não é a Língua que Luiz Vaz de Camões honrou, tornando, desse modo, grande um Portugal pequeno.

 

CAMÕES.png

 

Se pudesse falar, lá do limbo, onde com certeza se encontra, Luiz Vaz de Camões diria, desgostoso:

 

«Parai, ó (h)omens sem honra! Arrancastes as raízes da Língua, com a qual celebrei os feitos dos Portugueses, e agora só restam palavras adulteradas, afastadas das suas origens, para contar as proezas imperfeitas dos que venderam, por baixo preço, o meu País!»

 

***

Eu, como cidadã portuguesa, não serei cúmplice desta traição à minha Pátria.

 

Que acordo permitiu unificar que língua?

 

A língua escrita em Portugal transformou-se numa mixórdia de palavras mal escritas e mal ditas que os políticos portugueses pretendem impingir-nos à força.

 

Espero que quem ama verdadeiramente a sua Pátria e os seus valores culturais identitários, digam um rotundo NÃO a esta deslealdade para com os Homens (com H maiúsculo) que nos deixaram uma Língua Culta, e que omens (sem H nenhum – se não se lê, não se escreve, não é esta a nova regra?) a mataram por trinta dinheiros.

 

Hoje, em vez de flores, depositarei lágrimas no túmulo de Luiz Vaz de Camões.

 

Os políticos portugueses depositarão flores no túmulo de Luís Vás de Camões.

 

E isto não é a mesma coisa.»

 

***

Um ano é passado, e temos um novo presidente da República: Marcelo Rebelo de Sousa, que decidiu ir comemorar o Dia de Camões em Paris.

 

É chique comemorar o Dia de Camões em Paris.

 

Os emigrantes portugueses agradecerão, com toda a certeza.

 

Mas não seria muito mais digno comemorar o Dia de Camões com a notícia que todos nós esperamos – a exterminação do AO90 - o acordo do descontentamento de milhares de escreventes e falantes da Língua Portuguesa, pelos quatro cantos do mundo?

 

Porque a língua que estão a impor ilegalmente às inocentes crianças portuguesas, que não têm como dizer NÃO (os adultos têm o dever cívico de se opor a esta ilegalidade, e as crianças?...) não é a Língua Portuguesa.

 

Trata-se, como todos sabemos, da maior fraude de todos os tempos, de uma mixórdia ortográfica sem precedentes, na História da Língua, e que está a ser imposta aos Portugueses sub-repticiamente.

 

Por isso, hoje, vamos gritar bem alto: exigimos a exterminação do AO90, para que as celebrações do Dia de Camões, de Portugal e das Comunidades se cumpram.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 13:47

link do post | comentar | adicionar aos favoritos (1)
| partilhar
Quinta-feira, 9 de Junho de 2016

QUE INTERESSES OBSCUROS ESTÃO POR DETRÁS DA IMPOSIÇÃO ILEGAL DO AO90 NAS UNIVERSIDADES?

 

LÍNGUA.png

 

Este é um episódio da realidade portuguesa, numa universidade.

 

Mafalda (nome fictício), estudante na UL, solicitou os meus serviços para lhe rever o texto da sua dissertação. Aceitaria se não estivesse acordizado. Estava, porque era obrigada, embora não concordasse, informou-me ela. Então, a minha resposta foi não. Não corrijo textos acordizados. Se os corrigisse, teria de os “passar” a limpo, para Língua Portuguesa. A legítima. A única. A que se encontra em vigor.

 

Aguardei quase uma semana pela resposta da Mafalda:

 

«Peço desculpa por só lhe estar a responder agora, mas só hoje consegui ter uma resposta definitiva à minha última tentativa para não utilizar o novo AO.

 

A resposta não foi a que eu desejava, mas foi aquela que estava a prever. O que me disseram foi que sou mesmo obrigada a utilizar o novo acordo ortográfico. Isto porque, por um lado, a UL adoptou o novo AO e, por outro, existe legislação nacional, actualmente em vigor, que obriga as escolas a utilizarem o novo acordo ortográfico e a imporem a sua utilização aos seus alunos.

 

Quando disse à Isabel que a minha orientadora me disse para utilizar o novo AO, expliquei-me mal. A orientadora também é contra o novo AO, mas quis defender os meus interesses. Mesmo que ela fizesse de conta que não reparou, a dissertação não iria passar da secretaria após a entrega. E mesmo que na secretaria também não reparassem, do dia da defesa iam dizer-me para alterar e entregar novamente.

 

Como não estou a fazer o mestrado para ter esta graduação só porque sim e preciso mesmo dele por motivos profissionais e com urgência, e como também, embora sendo contra o novo AO, não estou tão acerrimamente envolvida nesta causa como a Isabel, não vou fazer mais nada e vou mesmo entregar a dissertação escrita com o novo AO.

Tenho pena de não poder contar com a sua colaboração (e também já nem vou contactar mais ninguém para fazer a revisão), mas entendo perfeitamente a sua postura e dou-lhe os meus sinceros parabéns pela sua coerência.

 

Pedindo-lhe desculpa pelo tempo que lhe tomei…»

 

***

Esta resposta deixou-me perplexa. A UL obriga os alunos a escreverem mal a Língua Materna? Por alma de quem?

Cara Mafalda,

 

Doeu-me a alma ao ler esta sua mensagem. Por si, que está a ser ENGANADA, e NÃO É OBRIGADA a aplicar o AO90 na sua dissertação, porque não existe nenhuma legislação nacional (não existe) que a obrigue a aplicá-lo.

 

E também me faz doer a alma, pelas mentiras que o sistema apregoa, ignorando e desrespeitando a Constituição da República Portuguesa.

 

A UL até poderia ter adoptado o AO90, por ignorância ou por INTERESSES DUVIDOSOS, só que a UL NÃO PODE EXIGIR que os alunos apliquem esta aberração. E se a Mafalda apelasse para a Justiça, teria ganho de causa.

 

A falta de informação ou a ignorância optativa, é que “obriga” as escolas a imporem uma norma ilegal.

 

A sua orientadora, desculpe que lhe diga, deveria informar-se melhor, e não induzir a Mafalda em erro. Fica mais fácil dizer «É obrigada» do que «Não é obrigada, mas isso implicaria algum incómodo, e os professores (hoje transformados em serviçais do ensino) optam por não se incomodarem».

 

Saiba que existe muitos alunos do Ensino Superior que se recusam a entregar as suas dissertações em AO90 e não lhes acontece nada.

 

Saiba também que existem alguns professores que não aplicam o AO90 nas escolas e não lhes acontece nada, porque legalmente ninguém pode fazer nada contra quem se recusar a escrever com erros ortográficos.

 

São poucos. E é nisso e no medo que alunos e professores têm de perder “algo” (ainda que hipoteticamente), que os políticos incompetentes e subservientes ao lobby editorial apostam, para impingir uma ortografia mutilada.

 

Se a sua dissertação não passasse na Secretaria, a Mafalda tinha todo o direito de apresentar uma queixa, porque a aplicação do AO90 é ilegal e inconstitucional (já lhe tinha dito e enviei-lhe um link, mas vou deixar aqui um outro para demonstrar-lhe o que digo:

http://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/em-portugal-a-imposicao-do-ao90-e-18730

 

 

Compreendo a sua situação. O sistema vale-se da necessidade dos jovens, para impor uma “coisa” ilegal, de lesa-língua e lesa-pátria.

Sim, eu estou empenhadíssima em defender a Língua Portuguesa, e aproveitarei este seu exemplo para agitar as águas estagnadas do ensino da Língua Portuguesa, em Portugal.

 

Estes casos têm de ser desmascarados, porque são ilegais. E a UL não pode obrigar ninguém a cometer uma ilegalidade. É ilegal.

 

Sinto muito, por si.

 

Gostaria que não pensasse que estou a “pressioná-la” por interesse.

Eu até estaria disposta a abdicar da minha remuneração pelo trabalho, se a Mafalda tivesse a coragem de romper as amarras. Essa seria a minha maior recompensa.

 

Mas compreendo que não queira arriscar. Mas se arriscasse, nada poderiam fazer contra si.

 

Sinto muito por si, pelo seu dilema e pela Língua Portuguesa, que está a ser atirada ao caixote do lixo, e os grandes culpados são os professores que deviam ser os primeiros a rejeitar esta aberração ortográfica, e não o fazem por medo, por ignorância, por comodismo, por ser mais fácil acomodarem-se e por subserviência.

 

Não pense que me fez perder tempo.

 

Obrigada, por ter-me escolhido. Valeu a pena, porque poderei ajudar a desmascarar todos os que obrigam os alunos a escrever incorrectamente a própria Língua, induzindo-os a cometer uma ilegalidade».

 

***

Esta foi a minha resposta à Mafalda.

 

A Mafalda entregou a sua dissertação de mestrado cheia de erros ortográficos.

 

E este é o exemplo perfeito da miséria educativa em que se encontra o ensino da Língua Portuguesa em Portugal.

 

E nem Marcelo Rebelo de Sousa, presidente da República, que jurou defender e cumprir e fazer cumprir a Constituição defende a Língua Oficial do País que representa.

 

Não é uma vergonha?

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:03

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Quarta-feira, 8 de Junho de 2016

«ATÉ "TU", ANTÓNIO!» APUNHALAS A LÍNGUA!

 

(Carta aberta a António Costa)

 

ANTÓNIO.png

Fonte da imagem Tradutores Contra o Acordo Ortográfico:

https://www.facebook.com/TradutoresContraAO90/photos/a.645077242260614.1073741827.199515723483437/818534008248269/?type=3&theater

 

Senhor primeiro-ministro, peço desculpa pelo tratamento informal, mas foi deste modo que o imperador romano Júlio César, vítima de uma conspiração de senadores para destituí-lo do cargo, se mostrou surpreendido com a atitude do seu filho adoptivo, Marcus Brutus, quando este também o apunhalou, entre tantos outros senadores, e o imperador, já moribundo, sussurrou perplexo: «Até tu, Brutus!»

 

E a frase, proferida no século I A.C., arrastou-se até aos dias de hoje, para indicar surpresa quando uma pessoa trai a confiança de outra.

 

Naturalmente, a circunstância aqui será outra.

 

Contudo, temos quase todos os ingredientes deste episódio romano, para reconstruirmos um cenário idêntico, agora no século XXI D.C., quando um grupo insignificante de impatriotas decidiu APUNHALAR a Língua Oficial Portuguesa.

 

António Costa, primeiro-ministro de Portugal, de costas voltadas para os Portugueses, Brasileiros e Africanos (de expressão portuguesa) mais cultos, teima em continuar a impingir-nos uma ortografia que nem é carne nem peixe (desculpando-me a expressão).

 

Depois que o AO90 começou a ser ilegalmente aplicado (como deve saber melhor do que eu), a Língua Portuguesa transformou-se numa salada russa, que nem é Português nem acordês.

 

E quem tem de escrever, escreve mal uma e outra coisa: políticos, governantes, jornalistas e até professores.

 

É vergonhoso receber um ofício de uma autoridade ministerial dizendo que “foram compridos os pressopostos do Despacho n.º tal … e mais adiante qure o “Serviço de Proteção” e “Direção Regional”… enfim, um texto que envergonha a escadaria do Palácio de São Bento.

 

Poucos serão os que, em Portugal, escrevem bem em Português, ou em acordês, a mescla de uma ortografia sem pés nem cabeça, que torna a língua escrita numa vergonhosa mixórdia.

 

Não há ninguém em Portugal que saiba escrever acordês correCtamente, nem os próprios engendradores deste aborto ortográfico.

 

E todos os países a sério têm um Língua Oficial, que deve ser preservada e aplicada pelos seus representantes máximos com o máximo rigor: no mínimo, sem erros ortográficos. Já não se pede que sejam exímios escritores.  

 

E o vírus AO90, que atacou a Língua Portuguesa que, como sabe, é o símbolo maior da Identidade de Portugal, assim como a Bandeira Nacional e o Hino Nacional, está a enxovalhar Portugal, sem que quem tem o dever de defender esses símbolos mexa uma palha para eliminar o mal que corrói a Língua.

 

E ainda pior: são os próprios governantes que dão o mau exemplo, não sabendo escrever nem em Português, nem em acordês, ou devo dizer como se diz por aí: bechara-malaquês, socratês, lulês, brasileirês, ou mixordês, todos os nomes em que se transformou a nossa amada Língua Portuguesa.

 

Está a ver onde isto já vai…?

 

Nós, que temos na Língua Portuguesa o nosso instrumento de trabalho, não podemos permitir que políticos avessos à Cultura Culta desestruturem, deste modo aviltante, este símbolo maior da nossa Identidade.

 

E muito menos um primeiro-ministro pode andar por aí a escrever numa língua descaracterizada. Ora é uma coisa. Ora é outra. Uma língua com duas caras.

 

«Até “tu”, António!» Apunhalas a Língua!

 

O primeiro-ministro de uma Nação, que se quer culta e moderna, não pode, não deve apunhalar a Língua Portuguesa, desta maneira. 

 

Os Portugueses, Brasileiros e Africanos de expressão portuguesa, que não se subjugaram ao lobby político-editorial vendilhão da Língua, estão de olhos voltados para a Assembleia da República Portuguesa, esperando que os políticos cumpram o seu dever: devolvam a Portugal a sua Língua Oficial, culta e europeia.

 

É uma vergonha o que está a passar-se na República Portuguesa, que não tem uma Língua Oficial aprumada, como o têm os restantes países europeus. Nenhum país jamais se rebaixou a tanto quanto se rebaixou Portugal.

 

Por alma de quem, senhor primeiro-ministro?

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:51

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Terça-feira, 7 de Junho de 2016

MEXERAM-LHES NOS BOLSOS… PROFESSORES, PAIS E ALUNOS PROTESTARAM… E EM DEFESA DA LÍNGUA?

 

Não vimos nenhum professor, pai ou aluno sair à rua a manifestar-se contra o AO90.

 

A Fenprof entregou 71 mil assinaturas em protesto pela escola pública, porque lhes mexeram nos bolsos…

 

E se estas assinaturas fossem aproveitadas para protestar contra a aberração ortográfica, chamada AO90, impingida ilegalmente nas escolas, e que está a formar ignorantezinhos?

 

Nunca vimos sair às ruas um protesto de professores, pais e alunos contra a maior fraude da História de Portugal: o AO90.

 

Era este o protesto que (também) deveria ser feito em defesa do símbolo maior da nossa identidade: a Língua Portuguesa.

 

EM DEFESA DA ESCOLA.jpg

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:05

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Segunda-feira, 6 de Junho de 2016

O AO90 CONFIGURA A NEGAÇÃO MAIS OBSCENA DE UM PENSAMENTO EQUILIBRADO E LIVRE…

 

Quem, o diz é Carlos António Machado Acabado, num pequeno texto bastante curioso.

 

DEVOLVAM A LÌNGUA.jpg

Fonte da imagem:

https://www.facebook.com/TestamentoPortugues/photos/a.498578963539612.1073741825.403903203007189/1109479659116203/?type=3&theater

 

«"Retardados mentais" e imbecis que não entendem sequer que cada espaço linguístico e cultu(r)al funciona naturalmente como um ecossistema e que tal como é estruturalmente irresponsável, destruidor e idiota tentar disciplinar de forma absurdamente autoritária e exógena a existência das espécies impondo discricionariamente "normas de gabinete" aos equilíbrios encontrados na relação entre as espécies e o próprio universo dialéctico onde elas proliferam, rompe equilíbrios cognitivos e linguísticos (que são o veículo e, em derradeira instância, o motor daqueles) básicos tentar criar a régua e esquadro na sombra dos gabinetes paradigmas eco-mentais de plástico introduzindo nuns espécies exógenas que tudo predam e levam indiscriminadamente diante de si.

 

O A.O. configura a negação mais escandalosamente obscena de um pensamento ecologicamente equilibrado e livre, comprometendo séria (e, a meu ver, irremediavelmente, caso não seja abandonado e posto no lixo de uma vez por todas!) a própria dinâmica da formação de pensamento nas sociedades suficientemente amorfas e acríticas que introduzam no seu seio esse cavalo de Tróia epistemológico, cozinhado por uns quantos iluminati de pacotilha!.

 

Só me surpreende que uma borracheira anti-científica como esta possa ter saído do espaço da Academia! Isso diz muito, sem dúvida, sobre o modo como funcionam as elites cultu(r)ais ainda hoje. Género magister dixit, como no "meu tempo" de faculdade quando empinar "conceitos de cultura" era mais importante do que ter um ou um ponto de vista sobre aqueles... O tempo dos "Albuquerques", dos Antunes e das sebentas que substituíam, invariavelmente, a desejável inteligência pessoal da realidade que define a boa e genuína Universidade...»

 

Carlos António Machado Acabado

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:16

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. SENHORES GOVERNANTES, VAM...

. «ORTOGRAFIA LUSÓFONA »

. O SILÊNCIO AO REDOR DO A...

. TODOS SABEMOS QUE O “BRAS...

. O ACORDO ORTOGRÁFICO SÓ D...

. OPOSIÇÃO EM PORTUGAL AO A...

. O UNIVERSO DOS RÉTEIS FIC...

. «É PRECISO EXIGIR A RESTI...

. ANTÓNIO COSTA DISSE: «HÁ ...

. «O ABORTO ORTOGRÁFICO DE ...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.BLOGUES

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO