Sexta-feira, 10 de Fevereiro de 2017

A PROPÓSITO DO AO90: MARIA SARAIVA DE MENEZES METE O “ARQUITÊTO” JOSÉ SARAIVA (DO JORNAL SOL) NUM CHINELO

 

Excelente argumentação que derruba os que se vergaram subservientemente aos obscuros interesses dos políticos e dos seus lacaios no que respeita à venda da Língua Portuguesa

 

LÍNGUA.jpg

 Fotografia de uma das manifestações contra o AO90, 10 Junho 2015, em Lisboa.

 

Texto de Maria Saraiva de Menezes

 

Ex.mo Sr. Arquitecto José Saraiva,

(Enviado hoje ao Sol)

 

Como utilizadora da Língua Portuguesa, vejo-me na necessidade de esclarecer alguns aspectos enunciados pelo Arquitecto José Saraiva no editorial da revista BI, Sol, de 1 Fevereiro 2017, intitulado 'A favor do Acordo', sob pena de caírem nas bocas do mundo como 'argumentos fast-food' para a defesa do AO90, isto é, argumentos sem cabimento e provindos de pouca reflexão científica sobre o assunto. Como o 'arquiteto' afirma: 'Francamente, não percebo tanta resistência' ao acordo', num Manifesto assinado por 100 intelectuais que pede a sua revogação, sinto o dever moral de salvar a honra destes intelectuais que, claramente, 'não sabem o que dizem', e esclarecer este equívoco encapotado por uma palavra magnífica chamada 'Lusofonia' e pelo nosso amor inquestionável aos irmãos brasileiros.

 

Parece-me superficial e tendencioso afirmar que "muitos intelectuais portugueses, em vez de ficarem satisfeitos pela obtenção de um acordo - que facilita obviamente a edição de livros portugueses no Brasil,e, sobretudo, salva o 'português de Portugal' de ser secularizado. (...) E porquê? Por uma atitude puramente reaccionária. Repito: a escrita é uma convenção. As pessoas que criticam o Acordo não o fazem por razões científicas - fazem-no porque estão habituadas a escrever de certa maneira e não querem mudar." ('arquiteto' dixit)

 

Permita-me dizer que este é um argumento de telenovela ou revista cor-de-rosa. Parece insinuar que os intelectuais portugueses, especialistas da Língua, estejam a 'fazer birra' e a dizer que 'não brincam mais a esse jogo porque os outros meninos são maus'. Remete para o argumento espirituoso de que quem rejeita esta simplificação da Língua é um 'velho do Restelo'. Mas o que é facto é que os linguistas falam com conhecimento de causa, fruto do estudo profundo da Língua, pretendendo preservá-la enquanto SISTEMA NORMATIVO (com regras não-arbitrárias), qual matriz de todas as variantes, mas naturalmente, respeitando-a como um SISTEMA ABERTO, EM EVOLUÇÃO, porquanto a Língua é um ORGANISMO VIVO, sujeito a evolução constante, quer por VIA ERUDITA, quer POPULAR. Todos os dias nascem neologismos, em Portugal e no Brasil, em Angola e em Cabo Verde, e por aí fora; expressões, fusões provindas de galicismos ou anglicismos, do crioulo ou fruto da globalização. Estes intelectuais têm a perfeita noção destes aspectos intrínsecos a qualquer sistema linguístico. Mas forçar uma Língua à EVOLUÇÃO POR DECRETO, parece-nos estultícia. Introduzir uma reforma linguística, como este AO90, por 'Resolução de Conselho de Ministros, não só me parece autoritário e néscio (e esqueçamos aqui a esquerda e a direita que o Arquitecto contempla com altivez), mas ainda, pelo que se prova, inconstitucional. Mais ainda, ouvindo do Professor Doutor Artur Anselmo, Presidente da Academia das Ciência, que o AO90 foi imposto de surpresa, sem se consultar ou ouvir os pareceres de linguistas reputados e da própria Academia. Necessita, no mínimo, de uma revisão. Com isto se prova não se tratar de simples teimosia. É conhecimento.

 

Com efeito, as coisas feitas à pressa nascem cabras sem olhos, e este acordo é bem a prova disso. Foi imposto às escolas, aos professores e aos funcionários públicos, numa urgência de negócio para um mercado brasileiro de 200 milhões de 'leitores' onde os livros portugueses não passaram a vender-se mais só porque não têm consoantes mudas. Já agora, por que razão os brasileiros puderam manter o 'p' de 'recepção' (entre outras palavras) e nós não? Não era para uniformizar? Então e a Lusofonia? Não lhes poderemos, por isso, chamar também 'reaccionários' ou 'velhos do... Corcovado'?

 

No seu editorial, o 'arquiteto' diz, e muito bem, que a Língua é uma convenção e que se convenciona escrever assim ou de outra maneira. Da mesma forma se convencionou escrever 'pharmacia' e mais tarde, na reforma de 1911 se convencionou o grafema 'farmácia'. Apesar de Fernando Pessoa ter feito birra nessa altura e ter-se recusado a acatar as novidades linguísticas, penso que actualmente os grupos de cidadãos no facebook 'Em Acção contra o acordo ortográfico (cerca de 75 mil membros) e 'Cidadãos contra o AO90 (cerca de 33 mil membros) não fazem uma birra pelas mesmas razões. Quando o 'arquiteto' afirma não compreender por que razão a supressão das consoantes mudas é tão problemática para o Portugal pequenino, está a escamotear uma questão de enorme importância na fonética e na linguística. Essa questão é a da FUNÇÃO DIACRÍTICA DAS CONSOANTES. Esta função de uma consoante que não se lê é fundamental, pois a sua presença ensina a abrir a vogal anterior. É algo que os brasileiros naturalmente não precisam pois abrem todas as vogais. Coisas de países quentes. Quanto a nós, tal como os ingleses que não uniformizaram as suas 18 variantes, fechamos as vogais a menos que lá esteja lá uma consoante muda a dizer para não o fazer. Por essa razão, 'espetador', 'diretor', 'fatura', 'letivo' e 'receção' são coisas totalmente diferentes de 'espectador', 'director', 'factura', 'lectivo' e 'recepção'.

 

Esta é a prova de que a GRAFIA DETERMINA A FONÉTICA e não o contrário, como este acordo quer fazer vender. Mas o grave é que este corte a eito DIVORCIA O PORTUGUÊS DAS GRANDES LÍNGUAS EUROPEIAS e consequentemente, afasta-o das RAÍZES ETIMOLÓGICAS latinas e gregas. E isso é caótico para a compreensão e explicação da família das palavras e do seu significado. Se em Inglês temos 'actor' e em Francês 'acteur', que diabo quer dizer 'ator'? Este acordo proclama um facilitismo pueril e uma simplificação traiçoeira de alguém que prefere cortar as pernas para andar mais rápido numa cadeira de rodas.

 

O 'arquiteto' também se questiona se "os adversários do acordo rejeitam apenas a actualização de 1990 ou todas as actualizações da Língua que foram feitas ao longo dos séculos? E, no caso de aceitarem as outras, por que rejeitam esta? Por ser pior do que as outras? Por embirração?" Ora, lá está novamente o 'arquiteto' a passar a imagem de que aqueles que verdadeiramente percebem da Língua são uns birrentos, teimosos e 'chatos como a potassa'. Repare que houve várias reformas que não causaram tanta celeuma na sociedade, embora antigamente houvesse um número esmagador de analfabetos e actualmente os Media (ou terei de escrever 'a mídia'?) se dediquem a silenciar as vozes de protesto dos especialistas, vendendo apenas o programa de governo. Em termos de ranking das reformas ortográficas, os 'birrentos' detestam mais esta e consideram-na inútil e nefasta pelas razões já longamente expostas atrás. Quanto à reforma de 1911, mudar o 'ph' para 'f' não mata nenhuma função diacrítica nem lança tamanha confusão quanto à fonética, apesar de se afastar do étimo. A reforma de 1971 de que nos lembramos por retirar a acentuação gráfica dos advérbios de modo (pràticamente) e de 'sózinho', também não demole nenhum monumento de sapiência linguística, embora haja sempre uns birrentos por aí. Mas o AO90 é um monumento do disparate, quer no desastre das consoantes mudas roubadas, quer no assalto ao acento de 'pára' para 'para', e tornando homófonas palavras como 'receção' e 'recessão', lançando a Língua num exercício de mutilação gratuita que gera aberrações.

 

Este acordo assume proporções de negociata, arrumando com os argumentos dos intelectuais e colando-lhes o epíteto de 'teimosos', 'reaccionários' e 'conservadores', que não querem mudar a forma como sempre escreveram, como afirma o 'arquiteto' neste editorial. Parece-me ligeiro e de ma-fé, dizê-lo, porque não é o cidadão comum que tem conhecimentos de Grego clássico e de Latim para poder compreender os argumentos científicos. Naturalmente que até simpatizará com os ventos de mudança que parecem soprar na direcção da evolução e de um promissor modernismo linguístico, embora seja uma falácia.

 

Por isso, a Lusofonia incorreu no erro do branqueamento, da formatação, metendo-nos a todos no mesmo saco e dizendo-nos que temos todos de ser iguais. Não é preciso ser conservador de esquerda nem reaccionário para não aceitar ser reduzido a uma fórmula vendável a um mercado que não sabemos se lê assim tanto e se quer mudar alguma coisa. Com tudo isto, o que teve efectivamente peso na sociedade foi o facto de, em pleno período prolongado de crise económica, este acordo absurdo ter obrigado as famílias portuguesas a deitar fora manuais escolares, dicionários, livros e gramáticas, e a comprar tudo de novo. Sr. 'arquiteto', não vejo aqui nenhuma maravilha. Os especialistas da Língua sabem porquê. As editoras também. E nada tem a ver com o argumento do 'ph'. Foi claramente o argumento do 'pilim'.

 

Maria Saraiva de Menezes

Professora de Filosofia e escritora

OBS: A autora deste artigo escreve de acordo com a antiga ortografia.

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10211752169389448&set=gm.1388362337875802&type=3&theater

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:39

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. SENHORES GOVERNANTES, VAM...

. «ORTOGRAFIA LUSÓFONA »

. O SILÊNCIO AO REDOR DO A...

. TODOS SABEMOS QUE O “BRAS...

. O ACORDO ORTOGRÁFICO SÓ D...

. OPOSIÇÃO EM PORTUGAL AO A...

. O UNIVERSO DOS RÉTEIS FIC...

. «É PRECISO EXIGIR A RESTI...

. ANTÓNIO COSTA DISSE: «HÁ ...

. «O ABORTO ORTOGRÁFICO DE ...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.BLOGUES

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO