Sexta-feira, 20 de Novembro de 2015

OS PORTUGUESES PRODUZEM FACTOS, E OS BRASILEIROS VESTEM TERNOS

 

 

12249768_720139231421081_341161871346056289_n[1].p

Fonte da imagem

https://www.facebook.com/TradutoresContraAO90/photos/a.645077242260614.1073741827.199515723483437/720139231421081/?type=3&theater

 

Por estas e por outras iguais a estas devemos lutar pela destruição do Acordo Ortográfico de 1990 e não pela sua revisão, que não serve para nada.

 

O que vemos na imagem está no Jornal de Letras, dirigido pelo acordista José Carlos de Vasconcelos.

 

(Deixei de comprar este jornal há muito).

 

Estas palavras, se o AO/1990 fosse legal e estivesse em vigor de FACTO, estariam MAL ESCRITAS, no Português de Portugal, e, à excePção de CONTATO, estariam também ERRADAS no “Português” do Brasil.

 

Mas para quê andarmos aqui a dizer isto assim: Português de Portugal e Português do Brasil?

 

Então a Língua Portuguesa não é só UMA?

 

Se não é então separemos as Línguas: Língua Portuguesa é a de Portugal. E a Língua Brasileira é a do Brasil.

 

Nós não dizemos a Língua Portuguesa de Angola, ou de Moçambique, ou de Cabo Verde… Dizemos?

 

E por que não dizemos?

 

Porque esses povos não estropiaram a Língua que HERDARAM.

 

Ficará mais fácil para todos, e Portugal não PERDERÁ a sua IDENTIDADE, se deixarmos a Língua do Brasil seguir o seu destino separada de Portugal.

 

DEIXEM o PORTUGUÊS DE PORTUGAL EM PAZ, e não andem a espalhar pelo mundo um Português mal escrito, com a chancela de Portugal. Se querem continuar a escrever mal o PORTUGUÊS, chamem-lhe LÍNGUA BRASILEIRA.

 

Houve uns senhores que se dirigiram a mim em termos menos simpáticos (para os quais estou-me nas tintas) na minha última publicação intitulada «A Portugal, o que é de Portugal! Ao Brasil, o que é do Brasil

 

E só depois descobri porquê.

 

E sabem, porquê? Porque há gente que só lê o que está à frente do nariz. O cartaz. O texto? Nem sequer o leram. Ou se leram não o entenderam, que é o mais certo e habitual. E depois sai destas coisas:

 

Tito Sanches de Magalhaes «A Língua Brasileira?!!! Que barbaridade é esta? Não existe Língua Brasileira. Existe sim Língua Portuguesa, que pode ser o Português do Brasil. Valha-nos Santa Ignorância.»

 

Pois valha ao senhor a Santa Ignorância!

 

Se tivesse lido o texto, não diria (ou diria? fico na dúvida…) tal coisa.

 

Existe uma Língua Brasileira, sim, derivada da Língua Portuguesa, mas não lhe chamem Língua Portuguesa, porque não é. De FACTO, não é.

 

E o outro senhor veio com esta:

 

Edward Luiz Ayres d'Abreu «Claro... E passa também a existir uma Língua Moçambicana, uma Língua Angolana, uma Língua Açoriana, uma Língua Madeirense, uma Língua Cabo-verdiana, uma Língua guineense, uma Língua timorense... ... Santa ignorância...»

 

Pois, outra vez a Santa Ignorância a valer a alguém que não leu ou não soube interpretar o meu texto.

 

Claramente. Cada um desses países tem uma linguagem muito própria e com características locais.

 

Por que não admitir a possibilidade de se livrarem da Língua dos ex-colonizadores, se não querem respeitá-la?

 

(O que não é o caso dos mencionados países da CPLP).

 

Eu aprendi a ler e a falar no Brasil. Tantas vezes o repito. E mais tarde aprendi a REESCREVER e a falar a minha Língua Materna, em Portugal - a Língua Portuguesa. Sei o que estou a dizer.

 

Oficialmente a Língua Brasileira é denominada PORTUGUESA.

 

Mas oficiosamente ela é Brasileira, porque não respeita a matriz e a Gramática da Língua Portuguesa.

 

Penso que este seria o momento certo para colocar os pontos nos is, e fazer esta divisão de uma vez por todas. Assim ficávamos LIVRES do AO/1990.

 

Então o senhor Edward disse-me isto:

 

Edward Luiz Ayres d'Abreu «Isabel A. Ferreira, o que diz é cientificamente discutível e, na prática, insustentável. Dizer que Machado de Assis ou Ariano Suassuna escrevem em brasileiro é patético. Supor que diferenças lexicais e sintácticas tornam uma "língua" "independente" é ainda mais patético.

 

Na Venezuela não se fala venezuelano, mas castelhano. Nos E.U.A. não se fala americano, mas inglês. No Burkina Faso não se fala burkinense, mas francês. No Taiwan não se fala taiwanense, mas mandarim. Além do mais, não faz sentido falar em "brasileiro" pelo simples facto de que em diferentes regiões do Brasil há tradições linguísticas muito diferentes. O português de São Luís do Maranhão é mais parecido em muitos aspectos com o de Lisboa do que com o de São Paulo. Em que ficamos? Em São Paulo fala-se "brasileiro" e em São Luís "português"? E no Rio de Janeiro? E no Rio Grande do Sul?...»

 

Pois é senhor Edward, tudo isso é muito bonito... mas não me convence.

 

Sabe porquê? Porque os Venezuelanos, os Norte-americanos, os Burquinenses, os Taiwaneses NÃO ESTROPIARAM o Castelhano, o Inglês, o Francês ou o Mandarim, como os Brasileiros estropiaram a Língua Portuguesa.

 

Mas os Brasileiros (os editores brasileiros) querem IMPINGIR-NOS uma língua que não é a PORTUGUESA de PORTUGAL.

 

Então que fiquem lá com a deles, e nós cá com a nossa.

 

E ATENÇÃO: gosto bastante do modo de dizer brasileiro e do riquíssimo léxico brasileiro, das expressões brasileiras, que até uso frequentemente, e penso que se não fosse esta DESUNIÃO LINGUÍSTICA, nós cá não ficaríamos pobres com expressões como esta: «estás com cara de sinhá mariquinha cadê o frade…» à qual acho bastante piada e é genial.

 

Mas ninguém me obrigue a escrever ANISTIA, CONTATO, FATO, ATO, DIRETOR, SETOR, AÇÃO, etc., etc., etc., Isto não é PORTUGUÊS. Se não é Português o que será? Francês, Inglês e mandarim também não é.

 

Só pode ser brasileiro.

 

Mas o senhor Edward não ficou satisfeito. E voltou à carga:

 

Edward Luiz Ayres d'Abreu «Acho sinceramente que está a confundir alhos com bugalhos e que definitivamente ainda não percebeu que quem tem interesse em "impingir" este AO90 não é o Brasil... mas uma meia dúzia de grandes editoras, brasileiras e portuguesas, que obtiveram lucros astronómicos com a reedição de dicionários, prontuários e gramáticas, fora o resto, coadjuvadas por uma vintena de linguistas e de políticos semi-analfabetos.»

 

Mas o senhor Edward não entendeu que eu não estou a confundir alhos com bugalhos.

 

E quando dois GOVERNOS se metem a fazer acordos... não são apenas os editores mercenários brasileiros e portugueses que têm as culpas.

 

É o Brasil que quer IMPINGIR uma língua mal-amanhada a um PORTUGAL que se VERGOU ao gigante (e nem sei porquê?) e este, por sua vez, tenta IMPINGIR aos Portugueses essa língua estropiadinha que ninguém quer.

 

É uma VERGONHA o que se passa: a LÍNGUA PORTUGUESA ABRASILEIRADA tomou conta da Internet, e os estrangeiros que a aprendem não aprendem a LÍNGUA PORTUGUESA, mas sim uma língua derivada da Portuguesa, mal escrita, fabricada no Brasil, para facilitar a aprendizagem de milhares de analfabetos.

 

Esta é que é a verdade.

Portanto, se querem continuar a escrever MAL a língua, chamem-lhe LÍNGUA BRASILEIRA, porque PORTUGUESA não é.

 

Mas o senhor Edward não ficou satisfeito:

 

Edward Luiz Ayres d'Abreu «Cara Isabel A. Ferreira: 1. Um pouco mais de prudência tê-la-ia feito estudar um pouco da história da reforma de 1911 e sucessivos acordos ortográficos. Chegaria rapidamente à conclusão de que a "vanguarda" dos pró-reforma e pró-acordistas foi quase sempre portuguesa; 2. O AO90 não foi impingido pelo Brasil, volto a explicá-lo, mas por um grupo de linguistas portugueses e brasileiros. Antes pelo contrário: o Brasil neste momento, ao contrário de Portugal, é o país que mais tem defendido uma revisão deste acordo tão mal amanhado. 3. É de uma ignorância profunda dizer que o AO90 "abrasileirou" o português... Do lado brasileiro poder-se-ia dizer que o AO90 "aportuguesou" o "brasileiro"... porque houve também do lado brasileiro danos lamentáveis como o da supressão do trema (que em Portugal já tinha também lamentavelmente sido extindo há algumas décadas atrás), instrumento fundamental para que os leitores saibam ler palavras como unguento, sequestro, seriguela, desmilinguido, líquido ou arguir, dentre tantas outras... Já para não falar de casos como "pára / para", que prejudicaram tanto brasileiros como portugueses de igual forma.

 

Antes de destilar os seus preconceitos e atestar publicamente o seu profundo desconhecimento, estude um pouco mais sobre o que de facto representa o AO90.

 

Atenção: eu sou também um acérrimo defensor da revogação deste AO90, que está efectivamente muito mal concebido... Mas, sinceramente, a causa anti-AO90 só tem a perder com "argumentos" néscios como os seus. Desculpe a sinceridade.»

 

Ah! Como este senhor Edward está enganado!

 

Como tenho repetido várias vezes, aprendi a ler e a escrever no Brasil. Mas o que sei hoje sobre a Língua Portuguesa foi em PORTUGAL que APRENDI, pois quando regressei ao meu país, tive de REAPRENDER a Língua que me ensinaram no Brasil, e que eu tinha por garantida, e por conta disso, ainda levei umas boas reguadas.

 

As reformas anteriores não são para aqui chamadas, porque foram elaboradas por ESPECIALISTAS, ao contrário dos do AO90, e não lhes chame a estes Linguistas, porque nada sabem da Língua, se soubessem nunca teriam proposto um tal acordo. NUNCA!

 

Claro que o AO/1990 foi IMPINGIDO pelo mercado livreiro brasileiro, e logo os vendilhões portugueses fizeram com que os governantes de lá e de cá se VERGASSEM a esse negócio, como é apanágio dos políticos.

 

Os Portugueses, que DEFENDEM a Língua portuguesa, não estão interessados numa REVISÃO deste AO, porque este AO não tem ponta por onde se lhe pegue, por ter sido FABRICADO por mercenários e não por ESPECIALISTAS da Língua, ao contrário dos acordos anteriores.

 

É ÓBVIO que o AO de 1990 ABRASILEIROU a LÍNGUA PORTUGUESA.

 

O Brasil herdou uma Língua Europeia Culta. O que fez com essa Língua? Estropiou-a. E de entre todos os países da CPLP é o único que EXIGE tradução para as obras escritas em Língua Portuguesa. PORQUÊ?

 

E não posso admitir que se confunda PRECONCEITO com a minha INDIGNAÇÃO por pretenderem que EU escreva com ERROS ORTOGRÁFICOS a MINHA Língua Materna.

 

Não tenho preconceito algum no que respeita ao Brasil. A maioria da minha família é BRASILEIRA.

 

O AO/90 representa tão-só um estropiamento da Língua elaborado por IGNORANTES com fins lucrativos.

 

É isto que representa o AO/1990.

 

O mais me irrita é a falta de LITERACIA que deturpa as palavras que escrevo a este respeito.

 

***

Depois veio a Loren, dizer-me esta coisa assim:

 

«Ao contrário do que pensa a sra. Isabel, não falamos PATO e não temos a necessidade de usar FACTO ( aí me parece que são os portugueses que não conhecem o brasileirês, nós temos o TERNO). Eu entendo perfeitamente a Língua Portuguesa falada e escrita em Portugal, ainda que muitos cidadãos portugueses insistam em não utilizá-la da melhor forma e culpabilizam o acordo por tal vergonha

Eu não penso nada sobre o que não existe.

 

Não, na realidade não falam, nem escrevem PATO, foi um modo exagerado de dizer, da minha parte; mas escrevem e dizem, por exemplo, CONTATO (em vez de contaCto); FATO (em vez de facto).

 

Claro que os Brasileiros não têm necessidade NEM PODEM vestir FACTOS, porque os FACTOS não se vestem, nem no Brasil, nem em parte alguma.

 

Os Brasileiros vestem TERNOS (indumentária composta por um trio: calças, colete e casaco) e vestem muito bem.

 

Os Portugueses vestem FATOS, de duas ou três peças.

 

Então que necessidade tiveram os Brasileiros de transformar um FACTO num FATO?

 

A Loren até pode entender perfeitamente a Língua Portuguesa, mas os EDITORES BRASILEIROS não entendem nem aceitam LIVROS ESCRITOS em PORTUGAL, e tinham de ser TRADUZIDOS, e claro, perdiam dinheiro.

 

Por isso os editores brasileiros e os editores portugueses INVENTARAM esta moda do acordo para encherem os bolsos.

 

E sendo assim, que cada país fique com a sua língua.

 

Os Brasileiros continuarão a usar os seus TERNOS, e os Portugueses a vestir FATOS, e a criar FACTOS ao redor deste famigerado AO/1990, que serve mais para DIVIDIR do que para UNIR.

 

E nós não queremos desunião.

 

Mas no que respeita à Língua estamos em DESACORDO, ou seja, não há ACORDO possível.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:39

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A NOTA EXPLICATIVA (DO AO...

. ANTÓNIO COSTA - O “TATICI...

. ESTAMOS TODOS MUITO CANSA...

. GRUPO EDITORIAL LEYA VEND...

. RESTAURAÇÃO DA MATRIZ DA ...

. ACÇÃO CONTRA O FALSO ACOR...

. «SOBRE O ACORDO ORTOGRÁFI...

. QUEREM APOIAR A CAUSA CON...

. QUAL A DIFERENÇA ENTRE O ...

. DESTA VEZ NÃO SOU EU QUE ...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.BLOGUES

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO