Segunda-feira, 2 de Novembro de 2015

POR ISSO ME REVOLTO…

 

REVOLTA.jpg

(Origem da imagem: Internet)

 

Por Pedro Barroso

 

Amigos

 

O assunto tornou-se muito sério.

 

Já nem me importa o que digam - pois, se preciso fosse, neste ponto, se calhar, seria até cripto nacionalista.

Mas não creio que tal se pegue a todo o nervo, entendimento e alma que ponho nos meus labores e criatividades.

 

Todos sabem - não tenho de o provar. Adiante.

 

Quem trabalha com a Língua Portuguesa, pura e simplesmente ganha-lhe amor. É uma língua antiga, sensível, expressiva, abrangente, riquíssima no vocabulário e falada em todos os Continentes do planeta!

Devia haver respeito. A começar por nós próprios.

 

E o desrespeito começou, afinal, provindo por iniciativa da pátria mãe!

A "unificação" pretendida, aliás, saiu completamente gorada; e é gozada por filólogos e entendidos de todos os sotaques e horizontes.

 

Esta imposição ditatorial que se aproxima é um atentado à nossa Literatura, aos nossos autores, à nossa sonoridade, e à nossa capacidade de comunicar; não só no mundo lusófono, mas com todo o mundo. Traduzir de e para português, com efeito, vai passar a ser uma babilónia de confusões e anacronismos.

 

Vejamos. Nenhuma língua se impôs ou eliminou por decreto. Evolui, desdobra-se, radica-se, adapta-se ao longo dos séculos.

 

Mas sem perder a matriz, o fundamento semântico, o sentido, as referências e a razão histórica.

 

É, portanto, imbecil. É culturalmente assassino o que, pelos vistos, estão a querer impor-nos a partir de 13 de Maio - um desacordo ortográfico total! O revoltante corte com toda a beleza que aprendemos a falar escrever e cultivar. Por isso me revolto, - como autor, como português e como homem de cultura.

 

Será preciso ir para a rua por uma causa tão nobre como essa? Vamos!

 

Fonte:

https://www.facebook.com/Maestro.Pedro.Barroso/posts/10204706062606060?fref=nf

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:16

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
17
18
19
20
21
22
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. OPOSIÇÃO EM PORTUGAL AO A...

. O UNIVERSO DOS RÉTEIS FIC...

. «É PRECISO EXIGIR A RESTI...

. ANTÓNIO COSTA DISSE: «HÁ ...

. «O ABORTO ORTOGRÁFICO DE ...

. «ACORDO ORTOGRÁFICO NÃO R...

. UMA EXCELENTE E IRREFUTÁV...

. «UMA TARA LUSO-BRASILEIRA...

. DIREITO DE RESPOSTA (A PR...

. ARTIGO DE MALACA CASTELEI...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.BLOGUES

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO