Segunda-feira, 4 de Setembro de 2017

PORTUGAL É CASO ÚNICO NO MUNDO QUANTO À VENDA DA SUA LÍNGUA OFICIAL

 

Nunca, jamais, em tempo algum, e em parte nenhuma do Planeta Terra, e quiçá, de todo o Universo, nenhum país independente trocou a sua própria Língua (Bela, Culta e Rica) por um farrapo de ortografia (feia, inculta e pobre), mal-amanhada, a pender para a parva, a que se convencionou chamar AO90, apenas porque um punhado de ignorantes sonhou engrossar a lista dos mal-falantes e mal-escreventes, no mundo, e, deste modo, encher os bolsos, quais Judas Iscariotes da Língua Portuguesa.

 

LÍNGUA INDO.png

Ao estudarmos a História das Línguas Indo-Europeias, na qual a Língua Portuguesa se inclui, verificamos que a nossa língua faz parte de uma grande e nobre família linguística com a mais longa e coesa cronografia, e que nada tem a ver com nenhuma das Américas.

 

Portugal é um país com uma dimensão territorial pequena, mas não é um país com uma História pequena. Se hoje está reduzido a uma quase insignificância, num mundo de gigantes, outrora foi um país que deu novos mundos ao mundo, epopeia imortalizada pelo nome maior da nossa Literatura, Luís de Camões, na sua imortal e universal obra Os Lusíadas.

 

Portugal já representou um papel importantíssimo no mundo. Teve prestígio. Os Portugueses eram conhecidos de ponta a ponta do mundo, pelos seus grandes feitos, associados a todos os defeitos dos restantes povos conquistadores da época (Ingleses, Espanhóis, Franceses, Holandeses).

 

Portugal tinha um povo destemido, que sempre defendeu, com unhas e dentes, o seu território, conquistado, palmo a palmo, por Reis aguerridos e empenhados em fundar o País que herdámos.

 

Nunca permitimos que estrangeiro nenhum cá assentasse arraiais. O povo unia-se, e, à paulada, à pedrada, fosse com o que fosse, corriam com eles…

 

E hoje, o que temos? Quem temos?

 

Temos uns governantes servis, desprovidos de espinha dorsal, comprometidos com a falta de excelência, que fazem o jogo sujo de um punhado de ignorantes que acha que milhões de mal-escreventes e mal-falantes do nosso Português pode sobrepor-se à longa e magnífica história da nobre Família Linguística Indo-Europeia, de que os Portugueses fazem parte.

 

Por isso, não podemos ir do Ouro (Língua Portuguesa) para a lata enferrujada (AO90), permitindo que passemos a integrar uma família “linguística” sem história, desenraizada, descaracterizada, desmembrada, pobrezinha, sem eira nem beira, apenas porque esse tal punhado de ignorantes (avessos ao conhecimento) simplistas (de lógica extremamente básica) e facilitistas (contrários à exigência) acham que teriam prestígio no mundo, por serem milhões…

 

Como se enganam!

 

A quantidade jamais suplantará a qualidade.

 

A Língua Portuguesa é a mais pura essência que se guarda num pequeno frasco (Portugal). O AO90 é um líquido viscoso acondicionado num bidão de milhões de litros.

 

O que preferirá um Português comprometido com a excelência: a pura essência ou o líquido viscoso?

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:04

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
comentários:
De Anónimo a 4 de Setembro de 2017 às 22:12
Muito bem Isabel! A luta contra o AO90 continua. Admiro a sua persistência! Vê-se que é Portuguesa e que defende a nossa língua porque está "aqui há 800 anos", ao contrário de muita gente que legisla sobre um património que não entende, porque vieram de outros continentes e não se identificam com ele. Bem haja!
De Isabel A. Ferreira a 5 de Setembro de 2017 às 10:29
Pois o problema é esse: vieram de outros continentes e não se identificam com a nossa História.
Mas há também quem seja português da gema, e não se identifique com nada que seja português.
De Francisco Franco Afonso a 6 de Setembro de 2017 às 08:30
Muitíssimo bem escrito. Dê-lhe Deus a força e determinação para mudar esta pouca vergonha.
De Isabel A. Ferreira a 6 de Setembro de 2017 às 14:28
Força e determinação Deus deu-mas de sobra, caro Francisco.

Mas PODER para mudar esta pouca vergonha, infelizmente não tenho. Se tivesse, o lixo ortográfico já teria sido incinerado há muito.

Mas mantenho a esperança no triunfo da lucidez.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. UMA IGNORÂNCIA MILITANTE ...

. QUEM ALIMENTA O MONSTRO C...

. AO CUIDADO DO PRIMEIRO-MI...

. PORTUGAL É CASO ÚNICO NO ...

. «O DES-ACORDO ORTOGRÁFICO...

. «UM SEGREDO: NINGUÉM GOST...

. ESCRITORES QUE SE OPÕEM A...

. SENHORES GOVERNANTES, VAM...

. «ORTOGRAFIA LUSÓFONA »

. O SILÊNCIO AO REDOR DO A...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.BLOGUES

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO