Quinta-feira, 22 de Junho de 2017

UMA EXCELENTE E IRREFUTÁVEL DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA DE A M PIRES CABRAL

 

Contributo do Escritor A M Pires Cabral no Grupo de Trabalho para Avaliação do Impacto do AO90, criado no âmbito da Comissão Parlamentar da Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, pelas mãos do PSD.

 

Se, depois desta grande defesa, este Grupo não ficar completamente elucidado e não disser: «BASTA! Não precisamos de ouvir mais nada, porque nada mais há a acrescentar. O assunto fica encerrado. O AO90 vai para o caixote do lixo», é porque tudo isto não passou de uma farsa, e ninguém está realmente interessado em ouvir a opinião dos sábios.

 

O que será preciso mais? Fazer um desenho?

 

PIRES CABRAL.jpg

A M Pires Cabral (origem da foto: Internet)

 

«POSIÇÃO SOBRE O ACORDO ORTOGRÁFICO E SUA APLICAÇÃO

 

Começo com uma prevenção: a de que fui, sou e serei sempre adversário do Acordo Ortográfico (AO).

 

Publiquei recentemente um texto de que repesco algumas linhas:

 

«A pendência que anda assanhada entre os antagonistas do AO e os seus defensores é insanável, porque radica em duas atitudes básicas inconciliáveis.

 

De um lado, temos os que olham para a língua acima de tudo como meio de comunicação. São sujeitos práticos e desempoeirados. Para eles, o Português é um instrumento como outro qualquer, uma navalha ou um isqueiro. Usa-se, é tudo — e tanto se lhes dá que se escreva desta como daquela maneira. Que mais dá escrever ‘insecto’ ou ‘inseto’? Desde que o receptor entenda... O importante é pois fazerem-se entender. A sua concepção da língua é utilitária: não lhe pedem mais nada — apenas que funcione.

 

Por outro lado, há os que olham para a língua como ferramenta comunicacional, sim, mas não apenas isso. Olham-na também amorosamente como se deve olhar uma verdadeira obra de arte, nos seus aspectos históricos e, porque não?, estéticos. Acarinham as aderências culturais de que a língua se vai revestindo à passagem dos séculos. A esses repugna escrever — e, se bem os conheço, nunca escreverão — ‘arquiteta’, ‘recetar’, ‘semirreta’, ‘espetador’, ‘ereção’.

 

Não há, nesta história, os bons e os maus. Cada um é como é. E a história terminou com a adopção do AO (com o seu quê de golpada, em boa verdade), porque, naquele momento, a relação de forças pendeu para o lado dos primeiros: os nossos políticos de então, desde os senhores deputados que o aprovaram, ao senhor presidente da República que o promulgou e ao senhor primeiro-ministro que o pôs em marcha, eram todos criaturas práticas, p’rafrentex, que não se deixavam embaraçar por considerações de ordem histórica e estética, isto é, cultural e afectiva. Foram surdos a tudo, excepto ao canto de sereia dos professores Malaca e Houaiss, a anunciar amanhãs que cantavam à língua portuguesa.»

 

Na verdade, o AO, que almejava unificar, acabou em muitos casos por diversificar: onde havia uma só grafia (‘recepção’, por exemplo), passou a haver duas: ‘recepção’ e ‘receção’ (esta correntemente confundida com ‘recessão’). Não vale a pena aduzir mais exemplos.

 

Por outro lado, o AO é um cúmulo de incoerências, que têm sido devidamente apontadas e exploradas. Não vale a pena enumerá-las a todas; bastará o exemplo da retirada do acento em ‘pára’ (do verbo ‘parar’), que era antes do AO justificado pela necessidade de distinguir de ‘para’ (preposição). Ora, se a necessidade de distinção cessou como por milagre (o mirífico contexto! — que estamos fartos de saber que funciona... quando funciona), porque se manteve o acento no verbo ‘pôr’? Incoerência. Ou que justificação séria pode ser encontrada para escrever com hífenes ‘cor-de-rosa’ e sem hífenes ‘cor de laranja’?

 

Não insistirei na enumeração de casos particulares. Direi apenas que o AO não tem qualquer justificação científica em que se apoie. Tem apenas a justificação política de que da sua aplicação resultariam benefícios para a língua portuguesa, a nível de prestígio e mais fácil utilização nos fóruns internacionais. Até hoje, creio que ninguém de boa fé poderá dizer que já notou alguma diferença.

 

Aproximando-nos agora um pouco mais dos objectivos do Grupo de Trabalho, julgo oportuno fazer uma única e definitiva consideração (transcrevendo também palavras já por mim publicadas algures):

 

«O Sr. Professor Malaca Casteleiro, escreveu recentemente, defendendo o AO, que o dito está a ser aplicado “sem problemas”. Santa ingenuidade! Não se dá conta o professor da chusma de ‘fatos’ (em vez de ‘factos’) que enxameia o próprio Diário da República? Se não se dá conta, em que país das maravilhas devaneia o professor? Se dá, não acha o professor que isso é um problema — e bem bicudo —, que rói o próprio cerne da língua portuguesa?»

 

Defendem os apoiantes do AO dizendo que isso não é culpa do acordo, mas do mau uso e ignorância de alguns utentes da língua. É claro que sim. Mas quando é que, antes do AO, se disse ‘fato’ em vez de ‘facto’, e ‘contato’ em vez de ‘contacto’, deste lado do Atlântico? Será arriscado afirmar que foi o AO que criou o ambiente propício para mutilações destas da língua portuguesa, as quais — água mole em pedra dura... — acabarão por se tornar irreversíveis?

 

Contrariamente ao que o Sr. Professor Malaca Casteleiro quer fazer crer, a aplicação do AO tem gerado inúmeros problemas (oiçam os professores!) e está a ser um factor de erosão do Português.

 

Termino, recomendando que Portugal se desvincule, e quanto antes, do tratado do Acordo Ortográfico de 1990.

 A. M. Pires Cabral»

 

Fonte:

http://app.parlamento.pt/webutils/docs/doc.pdf?path=6148523063446f764c324679626d56304c334e706447567a4c31684a53556c4d5a5763765130394e4c7a457951304e44536b5176523152425355464254793942636e463161585a765132397461584e7a595738765132397564484a70596e563062334d765132397564484a70596e5630627955794d47526c4a5449775157353077374e756157386c4d6a425161584a6c637955794d454e68596e4a68624639504a54497751574e76636d52764a54497754334a30623264797736466d61574e764c6e426b5a673d3d&fich=Contributo+de+Ant%C3%B3nio+Pires+Cabral_O+Acordo+Ortogr%C3%A1fico.pdf&Inline=true

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:33

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Quarta-feira, 7 de Junho de 2017

DIREITO DE RESPOSTA (A PROPÓSITO DO INFAME ARTIGO ASSINADO POR DOIS INTRAGÁVEIS ACADÉMICOS)

 

... Porque quem semeia ventos, merece colher tempestades…

Mais uma reacção, desta vez, em bom Português, ao vergonhoso artigo assinado por Malaca e Verdelho

 

MANIFESTO1.png

 

«MANIFESTO ANTI-CASTELEIRO E POR EXTENSO*

 

por Paulo César Gonçalves; filósofo às terças-feiras; Poeta assim-assim; 2017

 

Basta pum basta!!!

 

Uma geração que assente deixar-se estupidificar por um casteleiro é uma geração alarve. É uma chusma de patetinhas, contentinhos e nhónhós! É uma horda de passivos e de vendidos!

 

Abaixo a geração!

 

Morra a obra do casteleiro, morra! Pim!

 

Uma geração com um casteleiro não quer cavalo: já tem um burro!

Uma geração com um casteleiro ao leme é um titanic em potência!

O casteleiro é um cavaco!

 

O casteleiro é meio cavaco (e não se sabe o que é pior: se meio ou se inteiro)!

 

O casteleiro saberá gramática, saberá sintaxe, saberá até fonética (e fazer sopa de letras), saberá até as orações todas; saberá tudo menos escrever, e quer que os outros também não o saibam!

 

O casteleiro não é invejoso: quer a burrice para todos (e não apenas para si)!

 

O casteleiro é um frustrado!

O casteleiro queria ser consoante muda!

O casteleiro é menos que um 'h'!

O casteleiro é o acento circunflexo da palavra 'pênis'!

O casteleiro é malaca!

O casteleiro é joão!

 

Morra a obra do casteleiro, morra! Pim!

 

O casteleiro é a prova de que nem todos os que escrevem sabem escrever!

 

O casteleiro é uma canção pimba!

 

O casteleiro é um careto de Podence! Não! O casteleiro é uma tentativa de gárgula da igreja da Colegiada!

 

Morra a obra do casteleiro, morra! Pim!

 

O casteleiro é o esgoto da consciência!

Se o casteleiro escreve em português eu quero ser de Namek!

O casteleiro é a síncope da intelectualidade portuguesa e do mundo lusófono!

 

O casteleiro é a meta numa maratona asna!

Mas ainda há quem admire o casteleiro!

E ainda há quem lhe estenda a pata!

E quem lhe lamba o rego!

 

E ainda há quem ache que o casteleiro, por ser doutor, não é burro!

 

E o alucinado peixoto na Coreia do Norte! E o zink que parece um choque eléctrico! E o reis que devia lançar-se ao mondego para lavar o ânus! E as imbecilidades do Verdelho! E mais pedantices do casteleiro! E a vasconcelos, a casteleira da escultura! E a edite que é a paula bobone da escrita! E a Edviges, a groupie do casteleiro! E o jn e o expresso e todos, todos os jornais, revistas e publicações que seguem a obra do casteleiro! E os políticos e professores que o defendem! E o que se acha o Pessoa do século XXI! E a guiné equatorial na cplp! E o casteleiro, que é o casteleiro mais casteleiro de todos os casteleiros! E todos os artistas de Portugal de quem eu não gosto e que cheiram mal dos sovacos! E os workshops de escrita criativa! E as 'sinopses'! E as 'performances'! E as 'artes performativas'! E todo o lixo indie-hipster aligeirado! E todos os casteleiros que por aí houver!!!!!!!!!

 

E as ideias feitas! E os circuitos fechados! E o filão romélico-lamechas na literatura!

 

E os concertos de borla! E o gin, as selfies e as sapatilhas rotas! E tudo! Tudo o que remeta para o casteleiro!

 

Morra a obra do casteleiro, morra! Pim!

 

Portugal é o país menos português do mundo, por causa do casteleiro! Portugal há-de (haja esperança) gritar comigo, a meu lado, a frase mais asseada de sempre:

Morra a obra do casteleiro, morra! Pim!

 

*adaptação livre para o texto original de

José de Almada Negreiros

Poeta d'Orpheu

Futurista E Tudo

(1915)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:20

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar

ARTIGO DE MALACA CASTELEIRO E TELMO VERDELHO É UM «BELÍSSIMO HINO À SUBMISSÃO E À IMBECILIDADE»

 

Malaca e Verdelho escreveram aqui:

https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/artigos/rubricas/acordo/um-discurso-ignorante-e-retrogrado/3551

um artigo intitulado «Um discurso ignorante e retrógrado sobre a petição "Cidadãos contra o Acordo Ortográfico» que envergonha o mais analfabeto cidadão português, como se ignorantes e retrógrados fossem os que defendem a Língua Portuguesa dos predadores que se venderam ao estrangeiro, mediante uma negociata obscura, que há-de vir à luz do dia, mais dia, menos dia.

 

Sérgio Marques respondeu-lhes à letra.

Subscrevo tudo o que escreveu.

 

FERNANDO.jpg

 

Texto de Sérgio Marques

 

«O Professor Malaca Casteleiro, infame artífice do maior crime jamais cometido pelo Estado de um país contra a sua própria língua, entendeu colocar uma cereja envenenada em cima do bolo putrefacto que, sob a sua sábia orientação técnico-científica, uma geração de políticos curtos de inteligência e visão obrigou os portugueses a deglutir, de olhos e ouvidos fechados.

 

Deslumbrado com o superior legado à língua portuguesa que julga resultar do seu papel crucial no parto deste aborto que não é apenas ortográfico (se o AO90 prevalecer, as sequelas fonéticas e semânticas sobre a língua portuguesa falada em Portugal serão irreparáveis), o Senhor Professor Malaca Casteleiro resolveu insultar alarvemente os cidadãos deste país que não integram o outro grupo de cidadãos que reagiu "... com geral acatamento" [expressão usada pelo subtil Catedrático] à imposição do Acordo Ortográfico pelos governantes medíocres e corruptos que nos calharam em sorte.

 

Que belíssimo hino à submissão e à imbecilidade.

 

Pois permita-me que lhe diga, Senhor Professor, que "acatamento", embora pareça, não rima com liberdade de pensamento. Tampouco prepotência rima com ciência ou presunção com razão.

 

Nessa linha, é de uma delicadeza invulgar o rótulo de intelectualóide aplicado por V. Exa. a quem, fundamentadamente, de si discorda. Ao contrário de Vossa Senhoria, os homens e mulheres de bem - intelectuais ou não - não se prestam, quais mercenários, a assassinar, por encomenda, o património maior da cultura de qualquer povo à face da terra: a sua língua materna.

 

Permita-me, igualmente, que lhe devolva, merecidamente, o epíteto de reaccionário. É, no mínimo, com grande perplexidade, que assisto a este tipo de acusação proferida pela boca do homem que, indisfarçavelmente, quer ficar na História deste país como o arquitecto de uma Orwelliana "Novilíngua", uma língua truncada na sua etimologia greco-latina pela estapafúrdia e fascizante ambição de uniformizar a escrita de uma língua viva e livre, falada, naturalmente, de forma crescentemente diferenciada nos cinco continentes ao longo dos últimos 500 anos.

 

É nesta parte, desperdiçado lamentavelmente o tempo consumido a ler o aviltante texto por si dedicado ao "Movimento de Cidadãos contra o AO90", que confesso que o Senhor Professor Malaca Casteleiro - pelo imperdoável crime de lesa-pátria de que é o inspirador e ideólogo, pela sobranceria e pobreza dos argumentos pateticamente subjacentes aos insultos que brotam vorazmente da sua boca viperina - me envergonha perante o mundo por comigo partilhar a nacionalidade e, supremo desgosto, a nobre língua de Pessoa.

 

Voltemos à luta! O combate pela integridade e dignidade da língua portuguesa não pode morrer! Nunca!»

 

Fonte:

https://www.facebook.com/sergio.marques.37266?fref=hovercard

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:06

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Terça-feira, 27 de Dezembro de 2016

O "PÚTRIDO ACORDO ORTOGRÁFICO" NÃO PASSA DO ABRASILEIRAMENTO DO PORTUGUÊS

 

Os Brasileiros devem ficar com a Língua Brasileira. Ora aí está a grande verdade.

 

Os Portugueses devem ficar com a Língua Portuguesa. Essa é que é essa.

 

Apenas um reparo: a ortografia que a dupla evanildo bechara - malaca casteleiro engendrou não é mais do que o ABRASILEIRAMENTO do Português, rejeitado no Brasil.

 

Não foram os patetas portugueses que inventaram essa ortografia mutilada. Os patetas portugueses aceitaram entrar num jogo obscuro, e estão a tentar impingir-nos essa ortografia mutilada, abrasileirada. O que é diferente.

 

A cada país, a sua própria língua.

 

Concordo, Luiz Carlos Prates: continue a escrever em BRASILEIRO.

Nós por cá fazemos questão de continuar a escrever em PORTUGUÊS.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:28

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2016

GÉNESE DO ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990 (III)

 

 

É óbvio que os grandes, os maiores, os abissais e únicos responsáveis pelo caos ortográfico que se instalou em Portugal são os políticos portugueses (e as forças ocultas que os manipulam), desde Cavaco Silva e José Sócrates, passando por todos os que se lhes seguiram e estão instalados no Poder.

 

Mas também os portugueses que tão facilmente, tão servilmente se deixaram manipular pela classe política.

 

É óbvio.

 

BRASIL PORTUGAL.jpg

Origem da imagem: Internet

 

Porém, convém que fique bem claro o que está na origem de tudo isto e as intenções subsequentes, para que possamos entender os políticos portugueses que estão a cometer o maior linguicídio de toda a História de Portugal, e que pretendem fazer-nos de parvos, e pior do que isto, incutindo às nossas crianças a escrita incorrecta da Língua Materna.

 

Abram os olhos aqueles que os têm cerrados. Usem óculos com lentes de aumento, para poderem ver o que é visível a olho nu, pelas mentes saudáveis.

 

***

O que vou abordar hoje assenta nas crónicas escritas entre 1993 e 2001, compiladas no livro «A Brasilidade dos Portugueses» da autoria de A. Gomes da Costa (***), um homem que tem «o privilégio de estar na primeira fila do desenrolar dos acontecimentos que envolvem os dois países» que estão no centro de toda a polémica acordista: o Brasil, por estar a tentar impor ao mundo a versão inculta da Língua Portuguesa (isto era o que me diziam quando eu tive de reaprender a língua que me tinham ensinado no Brasil); e Portugal, por, analfabeticamente, ter assinado um tratado internacional que impõe essa versão inculta da língua e pretender, a todo o custo, impingi-la aos portugueses.

 

No Brasil, até meados do século XX, Portugal ainda esteve presente na cultura brasileira. Porém, verificaram-se mudanças profundas nas relações luso-brasileiras, a partir de então, com a influência norte-americana que «foi tão forte e devastadora que o desligamento com os valores europeus – e de modo especial com os portugueses – tonou-se inevitável».

 

Começou então a sentir-se uma quase irracional lusofobia, que se infiltrou no sistema de ensino com a dialéctica marxista, que culpa os colonizadores de tudo e mais alguma coisa. Porém, não é apenas no estudo da Língua e da Literatura que se nota esse afastamento entre os dois países. É também no estudo da História que «reduz a saga colonial à pilhagem e ao genocídio, ao tráfico negreiro e às oposições das Cortes».

 

Em 1999, ano em que Gomes da Costa escreveu a crónica «Começar de Novo», de onde retirei estas referências, o autor escrevia: «A esta altura temos de começar tudo pela escola se quisermos dar às relações luso-brasileiras uma outra essência (…) Hoje (…) completa-se o curso no 2º ciclo e não se aprende nada sobre a herança colonial, a não ser a exploração do pau-brasil, os horrores da escravatura e as derramas das Minas Gerais; e para o brasileiro comum, não existe a literatura portuguesa (…)».

 

Houve uma tentativa de ambos os países, para melhorar o “enquadramento histórico” e para que «em Portugal se aprendesse que o Brasil continuou a existir depois da Independência em 1822, e que aos jovens brasileiros não se transmitisse a ideia peregrina de que o português só veio para explorar as riquezas da colónia, perseguir os índios e explorar os negros» (isto, aliás, foi o que pretenderam “ensinar-me” quando lá estudei, depois de já ter estudado em Portugal e conhecer a realidade histórica.

 

E o que aconteceu? «Em Portugal a História do Brasil parou com a volta a Lisboa da corte joanina, e no Brasil a cartilha do CIMI (Conselho Indigenista Missionário) continua a jurar que da metrópole só vieram criminosos para nos levar o pau-brasil e o ouro (…)» e que a «“terra dos papagaios” antes de Cabral, era um paraíso; chegou o branco, e o branco saqueou, oprimiu e matou. E lá se foi o paraíso…».

 

No entanto, enquanto, por um lado, no Brasil, os brasileiros se afastavam de Portugal, com claras ou menos claras intenções, por outro, começaram a enviar para cá as telenovelas, em que os brasileiros são grandes mestres (quem não se deliciou com a “Gabriela, Cravo e Canela”?) e a música (quem não se encanta com a música brasileira, que já quase faz parte da nossa cultura, pois se até os nossos cantores já a cantam (se bem que não encantem tanto quanto encantam os cantores brasileiros), às quais os portugueses se renderam incondicionalmente.

 

Do Brasil, no ano 2000, também vieram as declarações lusófobas de Caetano Veloso, do tão venerado em Portugal, Caetano Veloso, que numa entrevista ao Expresso, em 1999, afirmou o seguinte: «A colonização portuguesa do Brasil foi a pior coisa que você pode imaginar. Foi o oposto dos Estados Unidos… Os portugueses foram a um lugar que não interessava para nada, apenas para sugar, sugar, sugar o que fosse possível e matar índios… Portugal já é uma piada, o Brasil é uma grande piada universal…» algo que ele, como brasileiro, aprendeu na escola, tal como eu, como portuguesa, também aprendi, quando lá estudei.

 

Terá Caetano Veloso, a quem foi atribuída a Grã-Cruz do Infante D. Henrique, culpa da sua tremenda ignorância? Talvez, porque poderia ter ido mais além nas suas leituras e não se ficar pelos manuais escolares.

 

Porém o grande mal «está na degradação dos níveis de ensino, nos textos envenenados dos livros didáticos, e no cultivo sistemático do estereótipo. (…) o resultado é que o jovem brasileiro sai do colégio com a “cabeça feita” contra o colonizador, a rir-se do bispo Sardinha que foi comido pelos índios, marcado pela tragédia dos quilombos, ou dos navios negreiros, a odiar a rainha (Dona Carlota Joaquina) que deixou, entre pragas e maldições, a terra boa que a acolheu» …

 

No Brasil, julga-se o passado à luz do presente, e isso, além de ser um grave erro, está impregnado de uma profunda ignorância, que conduz à lusofobia cravada na alma dos emigrantes portugueses.

 

Para a esmagadora maioria dos brasileiros, hoje, Portugal é o colonizador de má memória, é Cristiano Ronaldo, é o bacalhau, é   o padeiro (porque ainda os há muitos no Brasil), é Roberto Leal, é o fado…

 

Para os portugueses, o Brasil é o futebol (agora um pouco mais na mó de baixo), praias, mulheres bonitas, telenovelas, carnaval e música.

 

Todas as tentativas que brasileiros e portugueses cultos encetaram para unir os dois povos que já foram “irmãos” e que políticos incultos e adeptos da dialéctica marxista desuniu, foram infrutíferas, porque todos sabemos que, nas questões da cultura, quem manda é o Itamaraty (Ministério das Relações Exteriores do Brasil). E quando um órgão do Poder Executivo não é dirigido pelo político certo, a política incerta prevalece.

 

Em 2001, na crónica “Salvar o Português”, já tão maltratado no Brasil e entupido de expressões norte-americanas e neologismos americanizados, Gomes da Costa refere que «pior ainda é que não nos faltam intelectuais a exprimir um profundo desprezo pelo idioma (português)», a que chamam «o “sepulcro do pensamento”; e que «não tem a musicalidade do francês; falta-lhe a vibração canora do italiano; está longe da universalidade do inglês, por isso, não se importam nada com os vícios da linguagem, as mazelas da gramática e o decalque dos barbarismos», conclui Gomes da Costa.

 

Assiste-se no Brasil a uma americanização da linguagem (e não só) em detrimento do Português, que no contexto histórico, interpretado á luz da tal dialéctica marxista, é a língua do colonizador e, como tal, deve se banida.

 

A 16 de Abril de 2001, O Globo, um dos mais abalizados jornais do Brasil, publicou um artigo de João Ubaldo Ribeiro - um prestigiado escritor brasileiro, tendenciosamente burlesco (o que não será defeito), o qual os portugueses mais inclinados à Literatura conhecerão - intitulado «Escrevendo Muderno» em que diz o seguinte (assim, tal e qual): «Se não pudemos nos livrarmos de tantas mazelas herdadas da colonização portuguesa, pudemos pelo menos nos livrar de uma língua que nos isola do mundo e atrapalha a nossa ascensão como povo».

 

Sobre isto, Gomes da Costa, na crónica intitulada «O Português no Trinque» salienta que João Ubaldo Ribeiro não querendo ser feiticeiro com o verbo, foi desleal com a História, «e há limites para tudo (…) porque deve existir um mínimo de consideração seja por um valor permanente da nacionalidade, seja pela mãe que nos pariu. Não está em causa perder a piada e manter o amigo. Está em jogo, isso sim, o zelo em preservar um patrimônio comum, que é do povo tanto quanto dos escritores, que é de seis ou sete outros países tanto quanto do nosso».

 

Numa outra crónica de 2001, “Destratando o Português” Gomes da Costa dá-nos conta da mudança dos currículos e da metodologia do ensino da Língua Portuguesa no Brasil: «Até o nome da disciplina foi modificado oficialmente: saiu o Português dos programas e deu lugar à Comunicação e Expressão», e os clássicos foram substituídos pelas crónicas desportivas dos jornais e pelas transcrições da cartilha do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) impregnada de uma irracional lusofobia.

 

«As consequências dessa reforma, todos sabemos quais foram», salienta Gomes da Costa: «a linguagem degradou-se, o ensino do Português virou uma choldra e os alunos terminavam os cursos com uma pobreza de conhecimentos de meter dó, sem nunca terem ouvido falar de Camões ou Machado de Assis, incapazes de seguir as regras de concordância ou de conjugar um verbo defectivo».

 

Em Portugal passou-se mais ou menos o mesmo. O Ministério da Educação aboliu dos programas Os Lusíadas, Eça de Queiroz, Frei Luiz de Sousa, Padre Vieira, Garrett, substituindo-os por textos informativos, mas nada formativos, retirados dos jornais.

 

Resultado: a qualidade do ensino da Língua degradou-se, levando a um desinteresse pela leitura, e uma incultura e iliteracia pavorosas instalaram-se por aí, até entre os que conseguem completar um curso universitário.

 

(Temos o exemplo maior de muitos (mal) falantes e ainda mais (mal) escreventes entre os políticos portugueses).

 

E o AO90 só veio piorar o já tão degradante estado da Língua.

 

Os alunos saem das escolas com graves deficiências no conhecimento da gramática, do léxico e da interpretação de textos, mostrando um grande pavor pelo Português.

 

«E quem não adquirir na escola o gosto de ler, mais tarde dificilmente abrirá um livro…» diz Gomes da Costa.

 

Só sentirá o verdadeiro prazer da leitura aquele que conhecer bem a Língua, para poder saborear uma escrita escorreita assente na harmonia das palavras.

 

Penso que chegados aqui, ficou bem claro que o que moveu Evanildo Bechara ao convidar Malaca Casteleiro para, juntos, engendrarem o que veio a constituir a maior fraude linguística de todos os tempos, foi a aversão visceral de uma determinada elite brasileira, constituída por editores (veja-se o caso de Antônio Houaiss, que contribuiu para a deslusitanização do Português), escritores, jornalistas, artistas, intelectuais e políticos vergados à dialéctica marxista, pelo colonizador português, atacando o que ele tem de mais precioso e o que mais o identifica: a sua Língua, uma vez que não podem mudar o rumo da História que já foi escrita, e substituir o colonizador português pelo inglês (como se disso dependesse o sucesso ou o insucesso de um país livre).

Portanto, tendo em conta que na génese do AO90 está uma evidente lusofobia e um consequente desafecto pela língua do colonizador (a Língua Portuguesa), desafecto esse que originou o abrasileiramento americanizado do Português adoptado no Brasil, como língua oficial, e que foi desrespeitada, como tal, pela “necessidade” de se afastarem da língua do colonizador, e somando a isto a secreta intenção de transformar a Língua Portuguesa em Língua Brasileira, logo que o AO90 se instale, com o argumento da existência de milhões de (mal) falantes e (mal) escreventes da língua, prescindindo-se da qualidade em favor da quantidade, como se tal fosse o melhor para a Língua de Camões, temos que os portugueses devem rejeitar o AO90, para que o caos linguístico não se instale em Portugal, tal como já se instalou no Brasil, e principalmente para que a bela e culta Língua Portuguesa não vá parar ao esgoto onde corre a cultura inculta.

 

Foi apenas isto que pretendi salientar com esta «Génese do AO90».

 

E nada mais.

 

Até porque tenho muita consideração pela minha família brasileira e pelos meus bons amigos brasileiros.

 

Mas esses, não se comportam como trogloditas em relação a Portugal, nem pretendem que Portugal se afunde no brasileirismo americanizado.

 

Nada há aqui para unificar. Nem Língua, nem Cultura.

 

A Lusofonia não tem mais razão de existir. Cada ex-colónia deve ficar com a língua (e mais o resto) que bem entender. Daí que Portugal deva atirar ao caixote do lixo o AO90. Daí que se deva acabar, de uma vez por todas, com a farsa da CPLP, que não serve absolutamente para nada, a não ser para desunir ainda mais o que não tem união possível.

 

A Língua Portuguesa nasceu em Portugal. É de Portugal, país que já se separou das ex-colónias, há bastante tempo. Por que teremos de andar a arrastar-nos atrás delas, ou elas atrás de nós?

 

Afinal o que somos? Um país livre e soberano, ou um pedaço de terra onde todos mandam, excepto os portugueses?

 

A CPLP já não se justifica. Todos os países lusófonos são agora livres e autónomos. Senhores das suas escolhas. Não temos de estar ligados a eles pela Língua, como se fôssemos gémeos siameses.

 

Cada país deve escolher e seguir o seu próprio caminho, e não esperar que aquele que deu ao mundo novos mundos, se arraste   aos pés do gigante, como um condenado á morte.

 

Aqui não há nada para vingar. A História desenrola-se por épocas, caracterizadas por determinadas e específicas circunstâncias. Já não estamos em 1500, nem em 1822. Estamos em 2016. E o mundo evoluiu.

 

O Brasil tem as suas próprias pernas para andar. Então que ande e cresça, e esqueça que já foi colónia. Desde 1822 é um país livre. Não precisa de andar amuletado a Portugal e, muito menos, aos EUA.

 

Portugal, por sua vez, já deu ao mundo o que tinha a dar. Pariu países grandes, ricos e livres. Se não são potências, a culpa não será dos Portugueses, que já tiveram um grande império, que se estendeu por todos os continentes. Mas esse tempo já passou… e deve ficar no passado. Hoje, o imperialismo não tem mais razão de existir.

 

Hoje, o que resta a Portugal é a sua Língua, a sua Identidade, a sua Cultura Culta. A sua Honra. A sua Dignidade.

 

Não se pretenda destruir com um golpe baixo, o que levou séculos a construir.

 

De resto… amigos para sempre…

 

***

Fonte:

«A Brasilidade dos Portugueses», da autoria de A. Gomes da Costa, editado pela Editorial Nórdica Lda., em 2002.

 

*** A. Gomes da Costa (…) «ostenta, desde sempre um posicionamento declarado de amar desmedidamente tanto o Brasil quanto Portugal e sentir orgulho de ser brasileiro e de ser português», estando «por dedicação e mérito à frente das instituições lusas de cúpula no Brasil há mais de três décadas e é o actual presidente do Real Gabinete Português de Leitura».

 

«A Brasilidade dos Portugueses» é um livro que devia ser de leitura obrigatória em Portugal, nomeadamente entre os políticos portugueses que, levados pelo ocultismo e pelo obscurantismo estão a vender Portugal ao desbarato.

 

Tenham brio e saibam HONRAR Portugal e os cargos que ocupam.

 

 

Isabel A. Ferreira

 

***

A GÉNESE DO ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990 (I)

http://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/a-genese-do-acordo-ortografico-de-1990-52848

 

A GÉNESE DO ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990 (II)

http://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/a-genese-do-acordo-ortografico-de-1990-53853

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:25

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Sábado, 8 de Outubro de 2016

«AS PALAVRAS E OS (F)ACTOS»

 

 

Um magnífico texto de Viriato Teles para se reflectir o estado caótico em que se encontra a Língua Portuguesa, que quem pode e manda continua a trucidar irracionalmente.

 

VIRIATO TELES.png

 

Texto de Viriato Teles  

(Jornalista e escritor)

 

30/09/2016 - 07:30

 

Querer “unificar” a língua através da ortografia é um disparate incomensurável e só pode resultar no inverso do que pretende.

 

A ser verdade, como proclamava Fernando Pessoa, que a minha pátria é a língua portuguesa, não tenho grandes dúvidas de que, mesmo contra vontade, irei por certo terminar os meus dias como apátrida. Há pouco tempo, Alberto Pimenta – outro poeta maior a quem, como Pessoa, só tardiamente Portugal irá prestar tributo – vaticinava que “daqui a uma centena de anos (pode ser mais, pode ser menos), o português deverá ser uma língua meia morta”. A avaliar pelo que nos é dado ler, ver e ouvir, acho que esta premonição só peca por optimismo.

 

Quando, em Abril passado, o Presidente da República falou de “uma oportunidade para repensar” o impropriamente designado “acordo ortográfico”, não faltou quem achasse que, desta vez e por uma vez, o poder político pudesse ter, se não a sabedoria, pelo menos o bom senso de entender o mal que já foi feito pela imposição de uma norma que confunde e complica tudo o que se propõe simplificar. Um padrão que atropela e mutila a língua quando insiste em expurgá-la das raízes etimológicas, numa verdadeira manipulação genética sem outro sentido que não seja o do negócio, e mesmo esse só a curto prazo. Uma tolice que enfia o idioma numa jaula de inconsequências – afinal a mesma teoria-do-zoo que os comissários europeus usam com as nossas maçãs e as nossas vidas, com os resultados que se conhecem.

 

A questão da língua deveria, essa sim, ser considerada um “assunto de superior interesse nacional”, palavrosidade que tanto enche a boca de políticos e doutores, mas pela qual políticos e doutores tão pouco têm zelado. Não é por teimosia ou conservadorismo que há, felizmente, quem insista na insalubridade do “acordo” e na urgência de revertê-lo enquanto ainda é possível erradicar a moléstia. Porque ele é cientificamente mau, socialmente inútil e culturalmente nefasto. Não se trata de uma opinião, mas de factos, evidenciados pelos numerosos escritos e pareceres de reputados cientistas da língua, em Portugal e no Brasil. E não é coisa que passe com o tempo, como uma vulgar dor de cabeça. O que ficar disto será para sempre. Os efeitos, aliás, já se estão a sentir um pouco por toda a parte: nas escolas, nas empresas, nas instituições ou nos jornais, multiplicam-se as evidências de que o AO falhou em tudo e só complicou ainda mais aquilo que se propunha simplificar.

 

O problema do “acordo” é um problema de pessoas e é um problema de políticas. E de vaidades e interesses. Idealizado pelo lexicógrafo brasileiro António Houaiss com o apoio do colega português Malaca Casteleiro, o projecto nunca foi encarado como devia, isto é, como uma questão essencialmente linguística. Um hipotético “alargamento do mercado editorial” foi o argumento mais fortemente esgrimido pelos defensores da coisa, transformando uma discussão que deveria ser científica, num argumentário político-económico. E assim, demudado em trunfo politiqueiro, o “acordo” acabou por originar um problema político sério, e a sério. De que o poder-de-turno não sabe muito bem como sair sem perder a face.

 

Como era de se esperar, a fugaz esperança vislumbrada nas palavras presidenciais não foi além do soundbyte. Para ser diferente, era necessário que os agentes políticos tivessem consciência de que uma língua é muito mais do que o conjunto de palavras e expressões, códigos, sinais e regras que os dicionários e as gramáticas registam, com maior ou menor rigor. Uma língua, para mais uma língua já relativamente antiga como o português, tem uma história, um percurso e uma memória, é uma entidade viva sujeita às regras naturais da existência. E por isso não pode ser manipulada sem ter em conta tudo o que está nela e para além dela: a origem e razão de ser desta ou daquela palavra, o modo como é utilizada, os diferentes significados que pode ter num ou noutro lugar, etc., etc..

 

Os agentes políticos de que falo são, na realidade, quase todos, independentemente do lugar que ocupam, quer sejam ou tenham sido ou queiram vir a ser governo ou oposição. A leviandade com que a grande maioria deles olhou para este assunto é, aliás, reveladora da incultura geral que se espalhou pelos aparelhos partidários. É célebre a história de um secretário de estado (por acaso da Educação e, por acaso também, do CDS) que justificava os atentados frequentes à ortografia e à sintaxe, perpetrados pelo próprio no respectivo blogue pessoal, com o facto de utilizar um computador sem corrector ortográfico. E Cavaco ainda hoje não sabe quantos cantos têm Os Lusíadas, mas isso não o impediu de ocupar sucessivamente os cadeirões de São Bento e de Belém durante duas dezenas de anos. Não faltam, aliás, exemplos de ministros, secretários ou directores-gerais incapazes de alinhar correctamente duas frases. E poderíamos continuar por aí afora, pois que até professores, jornalistas e escritores contribuem com quotas significativas para o estado de apedeutismo geral a que o país chegou.

 

Particularmente desconfortável é o facto de, em todo o espectro político português, apenas um partido de extrema-direita ter assumido uma posição frontal contra o “acordo”. Fê-lo, é claro, pelas piores razões, como se a língua portuguesa fosse propriedade dos portugueses, quando na verdade pertence por igual a brasileiros, angolanos, moçambicanos, cabo-verdianos, santomenses, guineenses, timorenses. E aos portugueses também, é claro. A língua é de todos eles, de todos nós, e também dos outros, luso-descendentes ou simples admiradores e cultivadores deste nosso jeito de dizer e de escrever. Com mais ou menos colorido tropical, o português cresceu e desenvolveu-se ao longo de nove séculos, moldou-se e acrescentou-se, multiplicou-se em milhões de vocábulos, e tornou-se a terceira língua ocidental mais falada no mundo, logo após o espanhol e o inglês.

 

E é por isso que querer “unificar” a língua através da ortografia, abastardando a etimologia e impondo umas absurdas e inexplicáveis “facultatividades”, é um disparate incomensurável e só pode resultar no inverso do que pretende. Hoje já se escrevem em Portugal, pelo menos três variantes do idioma: as de antes e depois do “acordo”, e a dos que misturam as duas e lhes acrescentam até palavras que não estão em nenhum deles. O português que se falará e escreverá dentro de cem anos será, seguramente, um em Portugal, outro no Brasil, outro ainda em Angola, e em Moçambique, até talvez em Timor. E então? Até pode acontecer que, nessa altura, o português seja já uma língua meia morta, como diz Pimenta, mas isso acontecerá independentemente de haver ou não acordo ortográfico.

 

Creio mesmo que esse risco é bem maior com um acordo desta (contra) natureza do que sem ele – e os casos do inglês ou do espanhol, que vivem desafogadamente há séculos sem nenhum espartilho, são em grande medida prova disso. As línguas, como as pessoas, nascem e crescem, vivem e morrem. E reproduzem-se, também. Se, e quando, o português vier a ter o destino do latim, outras línguas aparecerão em seu lugar, e só poderemos dizer como o engenheiro Guterres, “é a vida”. Até lá, é nossa obrigação tratá-la com rigor e carinho, e fazer o que for possível para que continue a desenvolver-se harmoniosa e naturalmente, única garantia de que poderá sobreviver-nos por muitos séculos.

 

Só assim, também, sobreviveremos como povo, já que a língua é a essência da nossa identidade cultural. Ou seja, da nossa vida – que não deveria estar à mercê de tão pequenas vaidades e tão grandes ignorâncias. Porque a língua é nossa, a única coisa realmente nossa que temos, mas pertence também aos que nos precederam e aos que estão para vir. Uns e outros merecem e exigem que a cuidemos.

 

 

Fonte:

https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/as-palavras-e-os-factos-1745626?page=2#/follow

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:14

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Segunda-feira, 26 de Setembro de 2016

EXCELENTE ARGUMENTAÇÃO CONTRA O AO90

 

recepo-alunos-prescolar-1-728[1].jpg

Origem da imagem (adaptada): http://pt.slideshare.net/galegaencarnada/recepo-alunos-prescolar

 

Por João Pedro Forjaz Secca

 

Resolvi escrever um texto com as razões da minha discordância quanto ao famigerado AO90. Aqui fica:

 

Alguns argumentos contra o AO90

 

Infelizmente, deparamo-nos hoje com uma ortografia mutilada que não respeita a etimologia nem a fonética, já que as ditas consoantes mudas também lá estavam para abrirem a vogal precedente...

 

Este "aborto" ortográfico é baseado numa mentira - a da unificação da ortografia. De facto, que unificação é essa, se antes do AO a palavra "recepção", por exemplo, se escrevia do mesmo modo em Portugal e no Brasil e, após o acordo se escreve de modo diferente??? (e há muitos exemplos como este...). O critério fonético não pode servir de norma ortográfica, devido às variações regionais de pronúncia - senão a palavra "vaca" teria que ser escrita de modo diferente em Lisboa e no Porto, a palavra "assim" teria a grafia "achim" em Viseu, e a palavra "consciência" seria grafada "conciência" na Covilhã.

 

Ou então passamos a retirar também o H de homem, hoje, hospital, etc. ... O argumento da simplificação da escrita para facilitar a aprendizagem é absurdo. Como é que as criancinhas inglesas, coitadas, aprendem a escrever inglês, com aqueles F's e PH's e mais não sei quantas consoantes mudas...? Tudo isto me faz lembrar a "novilíngua" do romance de George Orwell, "1984", em que a língua vai sendo simplificada para se ir progressivamente dominando a população pela redução à estupidez. É preciso não esquecer que pensamos por associação de palavras e que a possibilidade de nos remetermos ao étimo é fundamental para uma correcta compreensão e elaboração de conceitos.

 

E o que este AO faz é ignorar completamente as questões etimológicas. É um absurdo, elaborado por um grupo de linguistas que teria na sua agenda interesses económicos (Malaca Casteleiro e António Houaiss) para a venda de livros e dicionários em ambos os lados do Atlântico, e cujas consequências da aplicação resultaram num total caos ortográfico, como se pode ver pelas notas de rodapé que aparecem na tv, cheias de gralhas, e até no Diário da República, em que começam a desaparecer consoantes que nem com o infame AO teriam desaparecido - com "fato" por facto, ou "contato" por contacto... (também há o episódio de uma edição recente de um livro do Saramago, já com o AO, em que uma personagem aparece como tendo feito um "pato" com o diabo...)

 

As modificações ortográficas da reforma ortográfica de 1945 foram feitas por gente muito mais inteligente do que este grupo do Malaca Casteleiro. É preciso também não esquecer quais as tristes figuras políticas que foram responsáveis pela aplicação apressada do "aborto" - Santana Lopes, Cavaco Silva e, mais tarde, José Sócrates - tudo gente que não prima, propriamente, pela cultura que possui... Mais de 80% dos nossos linguistas e escritores são, obviamente, contra este atabalhoado AO90 (que até os próprios proponentes começam a reconhecer que apresenta muitas falhas).

 

Mais alguns argumentos:

 

- o absurdo de haver palavras que, por pertencerem à mesma família semântica e, consequentemente, deverem apresentar grafias concordantes, agora aparecerem escritas de modo diferente, como "Egito"/egípcio e "ótico"/optometrista (...e com os medicamentos que agora aparecem designados como soluções "óticas" ficamos sem saber se é para pôr as gotas nos olhos ou nos ouvidos... na dúvida coloque no nariz!).

 

Se atentarmos ao rigor científico, temos de concluir que este AO é uma desgraça. E quanto ao critério fonético, há tanta gente que pronuncia o P de Egipto...! Quem é que decide como é que a palavra se pronuncia? Essa história de as letras desaparecerem porque não se pronunciam... há muita gente que não pronuncia e muita gente que pronuncia as tais letras!

- o manual de Ciências Naturais do 9º ano da Porto Editora, Cientic, fala em doenças "infeciosas"... só muito raramente se ouve alguém pronunciar a palavra como "inféSSiosas", sendo a pronúncia habitual "inféQsiosas". Escrevi para lá (linhaderigor@portoeditora.pt) e responderam-me dizendo que é um caso de dupla grafia e que "na pronúncia comum da palavra na variante europeia do português a consoante é muda" (o que é totalmente falso...). Esta história das duplas grafias, ou das facultatividades, só veio aumentar, e muito, a confusão generalizada e tornar mais difícil a aprendizagem do português pelas crianças. Já havia, claro, algumas duplas grafias, anteriormente, como ouro/oiro e touro/toiro. Mas não era necessário introduzir mais outras tantas!

 

- a duplicidade de sentido que aparece em palavras que antes eram objectivas e inequívocas e agora passam a ser dúbias, como "espetador" (ficamos sem saber se estamos em presença de um espectador ou de alguém que espeta coisas, como um toureiro) e "detetar" (referem-se ao verbo detectar ou ao acto de tirar a teta ?). Ou, em vez de recepção, "receção", em que a tendência natural é para lê-la como "recessão"...

 

Finalmente, há ainda a considerar que o AO90 é ilegal e inconstitucional, já que não foi ratificado por todos os países proponentes e "o governo não cumpriu os passos processuais que a sua aplicação implicava". Quanto a este ponto, têm toda uma argumentação muito bem fundamentada no livro: "O Acordo Ortográfico de 1990 não está em vigor", com o subtítulo "Prepotências do Governo de José Sócrates e do Presidente Cavaco Silva", do Embaixador Carlos Fernandes (Ed. Guerra e Paz, 2016).

 

Um dos argumentos disparatados dos defensores do acordo é que a língua tem que evoluir. Então, em vez de deixá-la evoluir naturalmente, toca a forçar a sua "evolução a todo o custo"! É o mesmo que um evolucionista querer provocar a evolução de seres vivos colocando-os em contacto com as radiações de Tchernobyl ou de Fukushima, para alterar o seu DNA... E depois dizer: "Mas os seres vivos têm que evoluir"...

 

Em jeito de conclusão deixo-vos três perguntas:

 

1 - Este AO era necessário? Não. Os vários países do mundo em que se fala inglês, francês, espanhol ou árabe nunca fizeram acordo algum entre si e, apesar das variantes regionais que cada um destes idiomas apresenta, entendem-se todos muito bem a nível linguístico.

 

2 - Este AO serviu para alguma coisa? Não. Absolutamente nada! Continuamos, e continuaremos, a escrever de modo diferente em Portugal e no Brasil, havendo até várias palavras que antes se escreviam do mesmo modo, como "recepção" e que agora têm grafias diferentes cá e lá. E continuarão a existir sempre enormes diferenças de vocabulário e de construção frásica entre o português de Portugal e o português do Brasil que nenhum acordo poderá jamais resolver (a não ser que o secreto objectivo por trás disto tudo seja mesmo ir transformando, aos poucos, o nosso português em brasileiro...).

 

3 - Trouxe vantagens? Foi positivo? Nem um pouco! Nunca se escreveu tão mal e com tantos erros ortográficos como actualmente, após a aplicação do AO (que ainda por cima, como já referi anteriormente, é ilegal e inconstitucional).

 

É por estas e por outras que eu me recuso, terminantemente, a escrever em acordês (prefiro o português)...

 Fonte:

https://www.facebook.com/joao.secca/posts/10206780174495385

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:23

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Quinta-feira, 8 de Setembro de 2016

PARA OS QUE DIZEM QUE TENHO PRECONCEITO EM RELAÇÃO AO BRASIL, POR CONTA DO AO90…

 

Não, não tenho preconceito algum. Como poderia ter, se o Brasil é a minha segunda pátria?

 

O que tenho é conhecimento de causa.

 

Por isso, frequentemente, digo bem alto, que foi o Brasil que nos impôs este acordo. Se o AO90 existe, o culpado é o Brasil, se bem que com a inacreditável cumplicidade demasiado servil de Portugal.

 

E a provar isso, aqui vos deixo um texto, publicado no jornal O Diabo que conta toda a história da engendração do AO90.

 

«O projecto, nascido da cabeça do intelectual esquerdista brasileiro Antônio Houaiss, foi desde o início um empreendimento com fins lucrativos, apoiado por uma poderosa máquina política e comercial com ramificações em Portugal

 

AO1.jpg

 

O Negócio

do Acordo Ortográfico

 

O português mais distraído talvez pense que um colégio de sábios bons e eminentes terá decidido um dia, após longos anos de estudo e investigação, proceder à reforma do sistema ortográfico da Língua Portuguesa – e que os governos dos países lusófonos, tendo-se debruçado sobre o assunto com o auxílio ponderado de gramáticos e lexicógrafos, terão conscienciosamente aprovado essa tão bem preparada reforma. Mas o português distraído estaria redondamente enganado.

 

Já se sabia que o acordo ortográfico foi preparado em cima do joelho, longe do debate público e do escrutínio do povo, dos mestres da Língua e dos especialistas da Gramática. Mas só agora começa a conhecer-se, em detalhe, todo o processo de promoção de um tratado internacional que, embora já esteja a ser aplicado em alguns países (como Portugal), só entrará plenamente em vigor, se algum dia entrar, quando todos os governos lusófonos o assinarem. E ainda falta um…

 

Em Portugal, no Brasil e em Angola, o acordo suscita enormes polémicas e tem contra si uma parte considerável do mundo académico e literário. Não obstante, governos e parlamentos dos PALOP têm vindo a ratificar consecutivamente o tratado, na ilusão “politicamente correcta” (estranhamente adoptada em Portugal por Executivos de centro-direita) de que ele representa “progresso” e “igualdade”.

 

A ideia, é certo, nasceu na cabeça de um académico esquerdista, o brasileiro Antônio Houaiss, que contou em Portugal com o providencial auxílio do linguista Malaca Casteleiro. Viajemos, então, no tempo e procuremos a génese de todo o processo, que nas últimas três décadas tem enchido os bolsos a um grupo restrito de autores e editores.

 

Segundo o testemunho do escritor português Ernesto Rodrigues, professor da Faculdade de Letras de Lisboa, publicado no seu ‘blog’ na internet, “Antônio Houaiss e Malaca Casteleiro dinamizavam, desde 1986, um projecto de acordo ortográfico”. Este fora sugerido, em primeiro lugar, no ano anterior, por Houaiss, que até aí fizera carreira como autor de versões brasileiras de dicionários enciclopédicos e dirigira, havia pouco, um “Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa” (1981).

 

O artigo é longo. Mas vale a pena ler, para que se tenha conhecimento de toda a tramóia ligada a este acordo que gerou o maior desacordo da História de Portugal.

 

Leiam o artigo completo neste link:

http://jornaldiabo.com/cultura/acordo-ortografico-negocio/

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:53

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Terça-feira, 2 de Agosto de 2016

«AO90, A FÓRMULA DO DESASTRE»

 

Este Acordo surgiu da ingénua convicção de que a grafia do português europeu era ordenável a nosso bel-prazer. Não é. Mas podem, e devem, atalhar-se desordens maiores. Hoje. Já. Cada dia perdido, o desastre aumenta.

 

FVENÂNCIO.jpgFernando Venâncio

 

 01/08/2016 - 07:30

 

1 - Alguma vez um anti-acordista disse sobre o Acordo Ortográfico de 1990 qualquer coisa boa, mesmo boa? Pois aqui vai uma magnífica. O AO90, ao qual se deseja uma rápida e humana morte, terá deixado um precedente deveras valioso. Pela primeira vez no nosso secular debate ortográfico, a Pronúncia é feita critério decisivo da grafia, assim destronando a Etimologia do topo do pódio, invertendo beneficamente a hierarquia. Mas foi mais sorte que esperteza, já que nunca os autores e promotores do Acordo reivindicaram o cometimento. Só que, no momento de ser aplicada a Portugal essa sã primazia da Pronúncia, as coisas correram mal. Já lá iremos.

 

2 - Houve um momento, por 1990, em que fomos colectivamente patetas. Ou, em versão atenuada, deixámos a patetice à solta. Tínhamos tido, é certo, o discernimento de rejeitar sem perdão o Acordo Ortográfico de 1986. Era um produto desconchavado, a pingar óleo por todos os lados, um absurdo de alto requinte. Mandava, pois, a mais singela chispa de inteligência que lembrássemos bem alto, a quem de direito, que nem um só dos artífices da façanha pensasse em propor mais o que quer que fosse. Quem concebera o monstro de 86 jamais seria de confiar. Sabe-se o que aconteceu. Aos mesmos exactos e impreparados senhores foi estendida de novo a passadeira vermelha, só se lhes pedindo, por deferência, que apresentassem qualquer coisinha menos repugnante. Pagámo-lo como se viu.

 

3 - A coisa ortográfica é, hoje, gerida por duas instituições de que não se conhecem mútuos entendimentos: o ILTEC (Instituto de Linguística Teórica e Computacional), encarregado pelo Estado de definir as formas a adoptar, e a ACL (Academia das Ciências de Lisboa), que se declara instância competente para "elaboração e publicação" do Vocabulário Ortográfico do idioma. As suas propostas divergem, às vezes do modo mais arbitrário. Dois exemplos, por recente consulta online.

 

Ambos os institutos admitem as grafias (e pronúncias) perfeccionismo, perfeccionista, perfectível, mas só o ILTEC patrocina perfecionismo, perfecionista, perfetível. Os dois dão a cara por conceptista, conceptual e conceptualizar, os dois negam a variante concepcional, mas conceptualmente e conceptível admitem-se só no ILTEC e conceptivo só na ACL.

 

4 - Não resolvendo nenhum real problema, o Acordo veio agravá-los. Mais alguns exemplos, sempre em estrito cenário europeu.

 

O vocabulário do ILTEC e o da ACL avançam conectar como forma única (excluindo portanto conetar). Mas, surpreendentemente, permitem conectividade e conetividade, conectivo e conetivo, conector e conetor. Não existirá, então, conetar? Os bem informados dicionários online da Priberam e da Porto Editora acham que sim, e neles figuram conectar e conetar.

 

Para nos orientarmos neste sombrio mundo, tomamos o Dicionário da ACL, organizado por João Malaca Casteleiro (um "dicionário de autor", no fino dizer de Ivo Castro), que fornece pronúncias e se pretende "normalizador", publicado em 2001, com o AO90 já no terreno. Aí achamos, sempre com som k, só conectar, conectivo, conector.

 

Agora em movimento contrário, pesquisamos os casos de séptico e asséptico. O dicionário de Malaca Casteleiro grafa-os assim, mas só em séptico o p aparece audível. A ACL de hoje apadrinha asséptico e assético, mas só inculca séptico. O oficial ILTEC, esse, avaliza todas as grafias (e portanto pronúncias): séptico e asséptico, sético e assético.

 

Situações destas multiplicam-se por dezenas. E recordemos que o panorama brasileiro (que o leitor português frequenta, mesmo quando só lhe cai sob os olhos) está longe de coincidir com qualquer destes. Que teria feito, pois, gente sensata? Não teria feito nada. Manter-se-ia longe deste vespeiro, e nunca certamente se meteria a esgaravatar nele.

 

Tudo isso se fez invocando uma "pronúncia culta", outra novidade conceptual do AO90, não decerto disparatada, mas de aplicação factualmente leviana. A simples realidade é esta: o sistema português das consoantes etimológicas encontra-se, desde há séculos, em profunda instabilidade, digamos tudo, em estado caótico, e não se lhe vislumbra melhoria. Podemos lamentá-lo, podemos tentar abrir aqui e ali corta-fogos, mas a instabilidade veio para ficar. E que fez este AO? Tirou-nos duma situação em si suportável, e introduziu-nos, sem ganho nenhum, num emaranhado de perplexidades.

 

5 - A indecisão da nossa pronúncia não pára no articular de consoantes. As vogais, também elas, e sobretudo o a, podem comportar-se caoticamente. Veja-se o caso da primeira vogal do prefixo para - no vocabulário do ILTEC. É aberta em para-brisas, para-choques, para-raios, para-sol, mas fechada (e repare-se na grafia) em paraquedas. O fechamento em paramédico ou paranormal, podendo explicar-se, continua da ordem do especioso.

 

Também as vogais que precedem consoantes etimológicas vêm sendo historicamente afectadas. De modo lento, decerto pontual, mas irreversível, mostram um processo de fechamento (de elevação, dizem os linguistas), também ele de tipo caótico. Pronunciamos àtor, mas âtuar e crescentemente âtriz. Dizemos olfáto mas olfâtivo, exáto mas exâtidão. O próprio dicionário de Malaca Casteleiro ensina as pronúncias àção e àcionamento, mas âcionado, âcionar, âcionista.

 

Mas há mais extraordinário ainda. Mesmo quando articulamos a consoante, a vogal precedente pode, contra toda a expectativa, fechar-se. Assim, a nossa pronúncia "culta" pede (são meros exemplos) lácteo mas lâcticínio, càpturar e càptura mas câptar, bàctéria (ou já bâctéria?) mas bâcteriano, fácto mas fâctual. É, de novo, o caos em todo o esplendor. Pois bem, num raro pronunciamento público, os fabricadores do AO mostram-se aqui triunfantes. "Estão a ver? As consoantes não fazem serviço nenhum". É uma elaborada forma de cinismo. Em vez de reconhecerem que em sistemas caóticos, ou não se interfere, ou se o faz com tino, apenas esfregam sal na ferida, numa satisfação alarve.

 

6 - Como se tudo isto não bastasse, a aplicação do AO entrou numa dinâmica perversa. Mal informados, desorientados, os utentes refugiam-se no excesso de zelo, cortando consoantes a torto e a direito, em patéticas violações do Acordo em nome do próprio Acordo. De dezenas de casos documentáveis, citem-se atidão, cócix, helicótero, núcias, oção, óvio, rétil, sução, tenológico. Nem faltam as soluções invencivelmente criativas como "os fatos consumados", "em idade proveta", "travagem abruta", "pato com o diabo" (em reedição de Saramago), "catação de investimento", "o entusiasmo elipsou-se", "a mulher latente".

 

E que fazem os procriadores do Acordo? Encolhem os ombros, sorriem distantes, não é com eles. Há-de passar. Hipercorrecções sempre as houve e haverá. Tirando isso o Acordo é um sucesso. Não lhes ouvimos um público e curial "Não foi isto o que quisemos!", como se até isso os humilhasse.

 

7 - Ao fim de anos e anos de queixas, denúncias, ataques, implorações, os inventores do AO continuam, pois, a festejá-lo. Nunca, porém, a protegê-lo. A sério: jamais se viu defenderem materialmente o seu produto. Não existe um simples artigo em que o AO90 veja defendidas as suas concretas opções, esclarecidas naturais dúvidas, expostas vantagens. Em horas de aperto, vêm promessas de não se negar uma revisãozinha, não senhor, mas só com todas as ratificações no bolso. É a mais transparente das chantagens. Se o empenho numa revisão deveras existisse, o racional seria oferecê-la desde já em troca das ratificações em falta. Mas a questão não se lhes põe sequer. Os guardiães do AO sabem que a mais ténue fresta conduziria à implosão do edifício. Chamem-lhes parvos.

 

8 - Hoje, e de há muito, a eficaz resistência ao Acordo é devedora a autores, a tradutores, a jornalistas e, sim, também a editores. É devedora a ensaístas como António Emiliano (O fim da ortografia, 2008) e Francisco Miguel Valada (Demanda, deriva, desastre, 2009), mais o saudoso Vasco Graça Moura, que puseram em crua luz os abismos de absurdo a que, em matéria de economia linguística, este AO conduzirá. É devedora a professores, gente na primeira linha de fogo, e a muitos, muitos cidadãos. É devedora a activistas na rede como o tradutor João Roque Dias e o colectivo "Tradutores contra o Acordo Ortográfico", que vêm cartografando desmandos, incongruências, arbitrariedades. É devedora ao Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, que, mesmo acordizante, se fez repositório de quanto sobre o AO se publica.

 

Este Acordo surgiu da ingénua convicção de que a grafia do português europeu era ordenável a nosso bel-prazer. Não é. Mas podem, e devem, atalhar-se desordens maiores. Hoje. Já. Cada dia perdido, o desastre aumenta.

 

Professor e linguista

 

Fonte:

https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/ao90-a-formula-do-desastre-1739935

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:22

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Quarta-feira, 25 de Maio de 2016

O INDEFENSÁVEL AO90

 

Um magnífico e conciso texto da escritora Teolinda Gersão, para reflectirmos sobre o absurdo que é defender o indefensável.

Vale a pena ler.

 

11393127_10200467481526472_5936057369534282772_n[1

 

Texto de Teolinda Gersão

 

«Os inventores do indefensável AO, (feito nas nossas costas, e com pareceres negativos de todos os linguistas, excepto o do seu "pai", Malaca Casteleiro), defendiam sobretudo que:

 

- simplificava a grafia, o que o tornaria bem aceite

 

- uniformizava a língua, em todos as suas variantes e em todos os continentes

 

- tornava a língua mais acessível a estrangeiros, atraindo cada vez mais falantes

 

- facilitava os negócios

 

- aproximava os países, sobretudo Portugal e o Brasil, em que as variantes da língua divergem mais.

 

Quase 30 anos depois, verifica-se que:

 

- O AO levantou e continua a levantar ondas de rejeição de protesto, a maioria da população recusa-o e continua ilegalmente imposto.

 

- a grafia tornou-se confusa, incongruente e absurda

 

- as raízes latinas foram rasuradas, o que é inaceitável no caso do português europeu

 

- nada se uniformizou nas variantes dos vários continentes, porque são impossíveis de uniformizar

 

- a língua franca dos negócios continua e continuará a ser o inglês.

 

- Portugal e Brasil continuam, como já estavam, de costas voltadas e é sobretudo o Brasil que levanta obstáculos. Os livros portugueses chegam ao Brasil a preços exorbitantes por causa das barreiras alfandegárias (que nós não temos), enquanto as nossas livrarias acolhem os autores brasileiros a preços normais.

 

- a literatura brasileira é estudada nas nossas escolas e universidades, mas o Brasil retirou ou pretende retirar a literatura portuguesa dos currículos escolares.

 

Então este "acordo" falhado serve para quê? Já se discutiu tudo, só falta rasgá-lo.

 

E não nos venham dizer que Portugal depende dos outros países lusófonos para existir, e que desaparecemos como língua sem o oxigénio do acordo! Não precisamos de acordos nem de autorização para existirmos e sermos como somos, uma língua de raiz latina. As ex-colónias são países independentes, usarão a língua como entenderem, são tão donas da língua como nós - mas dentro do seu território. Não somos mais do que elas, mas também não somos menos. No nosso país mandamos nós, e é a língua que temos que vamos escrever e falar.»

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:15

link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
| partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
16
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. UMA EXCELENTE E IRREFUTÁV...

. DIREITO DE RESPOSTA (A PR...

. ARTIGO DE MALACA CASTELEI...

. O "PÚTRIDO ACORDO ORTOGRÁ...

. GÉNESE DO ACORDO ORTOGRÁF...

. «AS PALAVRAS E OS (F)ACTO...

. EXCELENTE ARGUMENTAÇÃO CO...

. PARA OS QUE DIZEM QUE TEN...

. «AO90, A FÓRMULA DO DESAS...

. O INDEFENSÁVEL AO90

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.BLOGUES

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO