Sábado, 15 de Julho de 2017

ANTÓNIO COSTA DISSE: «HÁ ERROS QUE SE COMETEM E HÁ QUE TER A HUMILDADE DE OS SABER CORRIGIR»

 

ANTÓNIO COSTA.png

 

(Isto, quanto à questão dos fogos florestais).

 

Exactamente.

 

Ora aí está algo de que gostei: reconhecer os erros e corrigi-los, o que só fica bem a quem erra.

 

Então, senhor primeiro-ministro, faça o favor de corrigir o grande erro que foi o de adoptar uma ortografia que não nos diz respeito e só desrespeita Portugal: o disparatado AO90.

 

Reconheça este grande erro também, e terá o reconhecimento de milhares de Portugueses, por esse mundo fora.

 

(Enviado a todas as forças políticas com assento na Assembleia da República, Presidente da República, Primeiro-Ministro e para a Academia das Ciências de Lisboa).

 

Fonte:

http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/antonio-costa-ha-erros-que-se-cometem-e-ha-que-ter-a-humildade-de-os-saber-corrigir

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:09

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Sexta-feira, 30 de Junho de 2017

«ACORDO ORTOGRÁFICO NÃO RESOLVE ABSOLUTAMENTE NADA»...

 

Do que é que o governo PS está à espera para atirar ao lixo um acordo (AO90) alvo da chacota dos cidadãos cultos de cá... e de lá…?

 

Publicado (no YOUTUBE) a 29/06/2017

 

Ricardo Araújo Pereira e Gregorio Duvivier analisam o Acordo Ortográfico, satirizando o seu conteúdo e as justificações apontadas para a sua aplicação. Ambos consideram que as diferenças de ortografia foram sempre o menor dos problemas no entendimento entre Brasileiros e Portugueses, e o humorista brasileiro qualifica inclusivamente o AO como um crime que criou problemas que não existiam. RAP destaca ainda a fragmentação actual da ortografia e Duvivier elogia a resistência contra o acordo em Portugal.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:39

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Quinta-feira, 30 de Março de 2017

LATIM É LATIM… GALEGO É GALEGO… PORTUGUÊS É PORTUGUÊS…

 

Proponho uma pequena reflexão sobre esta matéria, para examinarmos a dimensão do disparate que o AO90 é.

 

COISAS DA LÍNGUA.jpg

 

Comecemos por definir o AO90: dizem que é um acordo, no entanto, sendo o acordo mais desacordado de todos os tempos, é um disparate chamar-lhe “acordo”. Além disso, é a cara chapada da ortografia brasileira, e quem diz o contrário não sabe nada de ortografia brasileira.

 

Ora, os Brasileiros, sendo brasileiros, têm todo o direito de escrever à moda deles. Optaram por desaportuguesar a Língua Portuguesa e não cumprir a convenção ortográfica assinada com Portugal em 1945, por motivos que não nos dizem respeito, afastando-se da lusofonia que, no entanto, se mantém em todas as outras ex-colónias, até aos dias de hoje (excepto em Cabo Verde, onde apesar de o Português ser língua estrangeira, aderiram cegamente ao AO90). Nada contra. O Brasil, nessa época, era (e continua a ser) um país livre.

 

Dizem que Portugal também é um país livre. Mas eu cá tenho grandes dúvidas. E porquê? Porque sendo o AO90 a cara chapada da ortografia brasileira, e tendo o governo português cedido servilmente à introdução em Portugal, dessa ortografia brasileira, não me parece que a isto se chame ser livre e senhor do seu nariz.

 

Entretanto, nós, Portugueses, temos o direito, mas principalmente o dever, de escrever na nossa própria Língua, na que está consignada na Constituição da República Portuguesa, ou seja, na Língua Portuguesa. Por muito que eu já procurasse, não encontrei nenhum documento oficial ou lei alguma que obrigue as escolas portuguesas a ensinar a ortografia brasileira às nossas crianças. E isto não é de um país livre e soberano.

 

O AO90, para o Brasil, significa apenas retirar o trema, um hífen ou um acento aqui e ali… E nada mais.

 

Para Portugal, o AO90 significa escrever incorreCtamente uma quantidade enorme de palavras, afastando-as das suas raízes latinas, que ao Brasil nada diz. Significa adoPtar literalmente o dialecto brasileiro, salvo algumas excePções, incluindo este vocábulo que no Brasil manterá o P, que em Portugal foi mandado às malvas, tal como em recePção.

 

De resto, com AO90 ou sem AO90, os Brasileiros continuarão a escrever CONTATO, e nós, contaCto. Eles, “FATO” e nós, faCto. Eles, ANISTIA, e nós aMnistia; eles, UMIDADE, e nós, humidade, apenas para referir uma percentagenzinha mínima das grandes diferenças que continuarão a existir.

 

Para além disto, os Brasileiros continuarão a andar de bonde, e nós, de eléctrico; a ter bunda, e nós, traseiro; a fazer esporte, e nós, desporto; a usar terno, e nós, fato; a ir ao banheiro ou ao mitório, e nós, ao quarto de banho (casa de banho era nos “antigamente” quando se ia “lá fora” … à “casinha” …) ou ao mictório; a ir NO médico (ou seja, encavalitados no médico), e nós, AO médico; a fazer turismo na Amazônia, e nós, na Amazónia; a andar de trem, e nós, de comboio; a ir ao açougue, e nós, ao talho; a tomar café-da-manhã, e nós, pequeno-almoço; eles continuarão a estressar, e nós, a stressar, por conta desta insanidade.

 

Segundo os acordistas, a isto chama-se UNIFICAR a Língua, e assim sendo, o termo unificar, com o AO90, também mudou de significado.

 

Penso que os Brasileiros não gostariam nada se lhes impusessem novamente HOJE a ortografia de 1945 (a que está em vigor em Portugal) e que o próprio Brasil rejeitou na altura, depois de ter assinado com Portugal essa mesma convenção.

 

Ora, como todos sabem, o Brasil nunca cumpriu os acordos que assinou com Portugal. Por alma de quem havemos nós de aceitar agora ESTE acordo, que tanto desacordo está a provocar, o governo português e os seus escravos aderiram às ceguinhas?

 

Outra coisa bastante grave é o que está a acontecer no Google: vendido ao Brasil, utiliza incorreCtamente nas traduções, nos textos, em tudo, o Português, que já não é europeu, passou a ser africano (e ainda se o fosse, seria bom, porque o Português africano é Português), mas é o dialecto brasileiro que predomina, disfarçado de Português, gramaticalmente um desastre, e o governo português está-se nas tintas para esta morte anunciada da identidade portuguesa.

 

Portugal nunca se impôs ao Google para separar as águas: Português é Português; dialecto brasileiro é dialecto brasileiro.

 

Assim como Latim é Latim, Galego é Galego e Português é Português.

 

Esta gente ainda não conseguiu entender algo muito importante e básico: Portugal é Portugal, e as ex-colónias são EX-colónias, têm vida própria e uma linguagem também própria.

 

Por que havemos nós de adoPtar a ortografia de uma delas, só porque tem mais (mal) escreventes? Nenhum país ex-colonizador o fez. Tinha de ser Portugal, sempre na cauda do mundo e servilmente, como o mais submisso dos subjugados.

 

E nós vamos deixar que isto aconteça?

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:43

link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
| partilhar
Quinta-feira, 23 de Março de 2017

RESISTAMOS À IGNORÂNCIA

 

Sobre o acordo ortográfico

Um texto de 2013, como se fosse de 2017, o que significa que o atraso de vida continua…

Portugal na senda da ignorância…

 

selosCTT.jpg

 

Por Maria do Carmo Vieira

 

«Entranhou-se em nós este gosto mórbido de reverenciar a ignorância e assistir ao absurdo, amplamente apregoados por fervorosos militantes que defendem o indefensável e optam também por silenciar críticas, consideradas perigosas, porque capazes de despertar incautos ou resignados. Outros há que, usando um discurso oco e de características labirínticas, tendem a confundir os mais ingénuos e pouco habituados a reflectir. Passa-se isto não só no campo político, mas também cultural. O Acordo Ortográfico é um entre muitos exemplos. Vejamos apenas alguns aspectos:

 

  1. Lendo os discursos do ex-presidente do Brasil, Lula da Silva, e do presidente de Portugal, Cavaco Silva, proferidos no Rio de Janeiro, a 7 de Março de 2008, neles encontramos subjacente a ideia da «projecção internacional da língua portuguesa» na base do Acordo Ortográfico, fortemente justificado pelo número de falantes brasileiros, num colonialismo linguístico inaceitável para Portugal e para os países africanos de expressão portuguesa. Num faz-de-conta de cultura, refere-se o nome de Fernando Pessoa e a sua frase escrita por Bernardo Soares, «Minha pátria é a língua portuguesa», ignorando que a mesma, no contexto em que se integra, se associa a uma outra frase que defende vigorosamente a vertente etimológica da língua, posta tão em causa pelo referido AO – «Sim, porque a ortografia também é gente. A palavra é completa vista e ouvida. E a gala da transliteração greco-romana veste-ma do seu vero manto régio, pelo qual é senhora e rainha». Num outro passo do discurso, Lula da Silva retoma a literatura portuguesa e foca o conceito de «Quinto Império» de Vieira, de novo evidenciando desconhecer o seu significado, mas sentindo sem dúvida o agradável cheiro a poder que depois mascara com pozinhos de «solidariedade entre povos e de justiça universal».

 

De acentuar que ambos os discursos, o de Lula da Silva e o de Cavaco Silva, diferenciam-se pela sua sintaxe e pela sua ortografia, disso não resultando qualquer problema na compreensão do sentido do texto nem qualquer confusão relativamente às palavras escritas de maneira diferente. Convivem sem qualquer ruído «projetar, projeto, efetivo, ação, proteção, respetivo com projectar, projecção, projecto, actuação, protecção, respectivo». No entanto, querem fazer-nos demagogicamente crer que estas diferenças dificultam a compreensão e a aprendizagem da língua, constituindo «divergências sérias» que são «largamente prejudiciais para o prestígio do português no Mundo».

 

  1. Em sintonia com o actual gosto de mastigar um vocabulário moderno, novo, que repudia o antigo e o velho, repete-se à exaustão «inovador» ou «inovação», pretendendo-se assim mostrar quão modernos e progressistas são os adeptos da mudança seja ela qual for, para o bem ou para o mal. Daí a estafada acusação de «Velho do Restelo» a quem resiste e reage a essa argumentação. A expressão camoniana, tão continuamente usada por ignorantes que, na verdade, desconhecem o significado desse «Velho de aspeito venerando», surgiu no debate de 17 de Maio de 2008, na Assembleia da República, cuja leitura das actas da referida sessão envergonhará qualquer português. Com efeito, alguns deputados, de partidos vários, adeptos convictos do «novo», do «moderno» e da «língua portuguesa do futuro», falaram assim:

 

– «A continuação da língua portuguesa deve ser o nosso desafio e essa deve ser a medida das posições de todos os que se preocupam com o futuro da língua portuguesa, recusando seguir posições e posicionamentos que Camões tão bem retratou e deu a conhecer como de “Velhos do Restelo.”»

 

– Os portugueses devem abandonar a «vocação para isolacionismos», sabendo «ser os legítimos herdeiros de quem não temia o novo, de quem ousava descobrir novos rumos de progresso.»

 

– «[…] não podemos deixar de perguntar aos que questionam este Acordo o que têm feito, por exemplo, para defender a língua portuguesa que é tão maltratada nas nossas escolas?»

 

– «[…] respeitando as opiniões de autores, de cientistas, de especialistas de que uma ou outra solução técnica possa não ter sido a mais perfeita, não é isso que pode impedir um olhar político e uma perspectiva de futuro acerca da língua portuguesa».

 

– «Como já foi dito, a ninguém fica castrada a liberdade de criar segundo as regras da sua própria escrita.»

 

Talvez também por inovação, querem agora obrigar-nos a pronunciar «dáblio» (w) no alfabeto, tal como aparece no AO, base I, 1º, em vez de «dâblio» na norma ortográfica portuguesa.

 

  1. A Nota Explicativa do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1990) apresenta argumentos que dificilmente acreditamos terem sido desenvolvidos por «peritos» e «especialistas» da Língua Portuguesa, como dificilmente podemos acreditar na aceitação do mesmo texto por parte de alguns professores universitários, cultos e inteligentes. Não referimos já os deputados que discutiram o AO na Assembleia da República porque lamentavelmente nenhum deles a terá lido. Com efeito, na argumentação usada nesta Nota Explicativa, ficamos, como Las Casas (1474-1566), sem saber se rir ou se chorar perante o absurdo e a ignorância das afirmações feitas. Por uma questão de espaço, exemplificaremos apenas três situações:

 

. Ponto 4.2 («Justificação da supressão de consoantes não articuladas»), alínea c), em que sobressai a compaixão pelas crianças de 6-7 anos face ao uso das consoantes mudas: «É indiscutível que a supressão deste tipo de consoantes vem facilitar a aprendizagem da grafia das palavras em que elas ocorriam. […] Só à custa de um enorme esforço de memorização» poderiam as crianças fazê-lo o «que poderá ser vantajosamente canalizado para outras áreas da aprendizagem da língua».

 

. Ponto 4.2 («Justificação da supressão de consoantes não articuladas»), alíneas d) e f), em que se refere a «teimosia lusitana em conservar consoantes que não se articulam» quando a «norma brasileira» já «há muito as suprimiu», acentuando-se o facto de não se dever tentar «impor a sua grafia àqueles que há muito as não escrevem, justamente por elas não se pronunciarem.»

 

. Ponto 4.4 («Casos de dupla grafia) em que erroneamente se afirma «Sendo a pronúncia um dos critérios em que assenta a ortografia da língua portuguesa […]». (sublinhado nosso).

 

São alguns dos exemplos sobejamente conhecidos, mas duvidando muitos da sua veracidade precisamente porque não se dão ao trabalho de ler a Nota Explicativa; outros, lamentavelmente, conhecem-nos, mas silenciam-nos tal como aconteceu com os vários pareceres contrários à aplicação do Acordo. Enquanto professora, não posso deixar de transcrever o parecer dado pela Direcção-Geral dos Ensinos Básico e Secundário: «Há acordos assináveis, sem grandes problemas e há outros que são de não assinar. O acordo recentemente assinado tem pontos que merecem séria contestação e é, frequentemente, uma simples consagração de desacordos».

 

Cansados certamente da falta de eficácia dos argumentos de influência «salazarista» e de «velhos do Restelo», os defensores do Acordo iniciam agora nova estratégia, aproveitando-se da chaga que representa o desemprego. Com efeito, chegam ao desplante de afirmar que o AO virá aumentar as possibilidades de emprego e, no mesmo âmbito miserabilista, apontado às crianças africanas, alega-se «que o acordo facilita a alfabetização das crianças pobres dos países africanos, o que aumenta o número de falantes/escreventes».

 

Gostaria de salientar que se quisermos podemos alterar esta situação. Basta que resistamos à ignorância e que não aceitemos ser passivos perante o absurdo. Podemos intervir, assinando por exemplo a Iniciativa Legislativa de Cidadãos, no endereço www.ilcao.cedilha.net ; solicitando uma audiência ao Grupo de Trabalho para Acompanhamento do AO, criado recentemente pela 8ª Comissão de Educação, Ciência e Cultura; participando activamente em debates e fóruns, podendo também organizá-los com outros amigos, como o que irá realizar-se no auditório 1 da Universidade Nova (FCSH), Av. de Berna, em Lisboa, no dia 20 de Março pelas 18.00 horas, intitulado «Onde Pára e Para Onde Vai a Língua Portuguesa», sendo intervenientes o deputado Mota Amaral, a professora Maria Alzira Seixo, o jornalista e escritor Miguel Sousa Tavares, o jornalista Nuno Pacheco do jornal Público, o jornalista António Guerreiro, a tradutora Hermínia Castro (ILC), a par de professores e alunos do ensino secundário e universitário.

 

Termino com Fernando Pessoa: O Estado nada tem a ver com o espírito. O Estado não tem direito a compelir-me, em matéria estranha ao Estado, a escrever numa ortografia que repugno […].

 

Maria do Carmo Vieira

 

Lisboa, 17 de Março de 2013

 

Fonte:

http://ilcao.cedilha.net/?p=10212

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:53

link do post | comentar | adicionar aos favoritos (1)
| partilhar
Quarta-feira, 15 de Março de 2017

«ORTOGRAFIA E IDENTIDADE»

Excelente reflexão sobre algo que os governantes portugueses desconhecem: que a ortografia de um país tem tudo a ver com a identidade desse mesmo país.

Só eles é que não sabem.

 

16641065_1134524876649179_8590712704754952287_n or

 

Texto de «Tradutores Contra o Acordo Ortográfico»

 

«Dizerem que a ortografia não faz parte da língua já é corriqueiro. Agora, dedicam-se a dizer que a escrita (e presume-se que o alfabeto) nada tem que ver com identidade. Isto corre na boca e na pena até de certos antropólogos da nossa praça. Pena é debruçarem-se sobre assuntos sobre os quais pouco sabem, com a sobranceria e o atrevimento dos ignorantes. Na verdade, até nem é preciso saber muito, basta pensar.

 

Todos conseguimos identificar determinadas línguas apenas ao olhar para a forma escrita, independentemente da compreensão. Quem não reconhece os caracteres chineses como sendo isso mesmo, chineses? Quem não associa imediatamente o alfabeto cirílico ao russo ou, em sentido mais lato, às línguas eslavas? De facto, no caso do sérvio e do búlgaro, por exemplo, o uso desse alfabeto é constitutivo de uma identidade nacional e da afiliação ao mundo eslavo e à Igreja Ortodoxa. Note-se como o croata, apesar de brotar do mesmo dialecto do sérvio, recorre ao alfabeto latino, sendo a Croácia um país maioritariamente católico romano. Se isto não é identidade, que é?

 

Outro exemplo mais próximo é o espanhol, com o seu tão típico "ñ". É certo que há outras (poucas) línguas que recorrem a essa letra, mas não a associamos imediatamente à língua de Cervantes? Repare-se, até, que, reportando-nos ao mundo do desporto, é frequente designar-se com "ÑBA" o contingente de jogadores hispânicos que disputam o campeonato norte-americano de basquetebol. Isto não forma uma identidade?

 

Atentemos ao caso português, novamente no campo desportivo. Com a nova grafia do Acordo Ortográfico, "selecção" passou a "seleção". Ou seja, o que anteriormente distinguia claramente as equipas nacionais de Portugal e do Brasil, passou a misturá-las. Repare-se como, até hoje, em alguma imprensa francesa, a designação da equipa portuguesa continua a grafar-se com "cç", distinguindo-se claramente da congénere brasileira para evitar confusões. Isto não faz uma identidade?

 

Alguém imagina os Gregos a abdicar do seu alfabeto próprio em favor do latino, que nada lhes diz? Já se pensou porque é que, apesar do jugo soviético (russo) durante décadas, tanto o georgiano como o arménio conservaram os seus próprios alfabetos? Quem se atreveria a retirar letras especiais do alfabeto islandês para o aproximar das restantes línguas nórdicas da Escandinávia? A lista de casos é infindável.

 

A grafia é língua, e a língua é sempre cultura e identidade. Mas ainda há quem se pergunte que tem uma convenção ortográfica que ver com isso...»

 

Fonte:

https://www.facebook.com/TradutoresContraAO90/photos/a.645118038923201.1073741833.199515723483437/1134524876649179/?type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:27

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Domingo, 12 de Fevereiro de 2017

QUANDO O TERMO “UNIFICAR” SIGNIFICA “CADA UM PARA O SEU LADO”…

 

Um dos argumentos de quem defende o AO90 é o delírio de se pretender unificar o que eles chamam de Português de Portugal e Português do Brasil, para que todos se entendam debaixo do mesmo “toldo” …

Dizem que o Acordo Ortográfico de 1990 se propõe a unificar a grafia das duas variantes da Língua Portuguesa (e as variantes africanas, não contam?) criando uma ortografia comum aos países lusófonos (entenda-se apenas Brasil e Portugal).

Isto é o que dizem quanto à grafia made in Brasil que nos querem impingir. E por que não a grafia made in Portugal, como seria mais natural, uma vez que a Língua Portuguesa (de Portugal) é a Matriz, e os Africanos de expressão portuguesa já a usam com elevado nível, apenas o Brasil se afastou dessa matriz?

 

UNIFICAÇÃO2.png

 O que vemos na imagem é um dos entraves à impossível unificação

 

Mas não é apenas a ortografia mutilada que está em causa, neste negócio fraudulento e obscuro do AO90.

 

Existem aquelas outras palavras (e são às centenas) que os brasileiros dizem e os Portugueses e Africanos de expressão portuguesa não dizem.

 

E se é para haver unificação, a unificação deveria ser total, ou o objectivo dos negócios estrangeiros não se concretizará jamais…  

 

Ora vejamos esta situação: escanção ou sommelier?

 

Ontem, numa reportagem da SIC, sobre vinhos alentejanos, que estão a ser promovidos no Brasil, fiquei a saber algo que desconhecia por completo, simplesmente porque de vinhos percebo o mínimo.

 

Mas sei que em Portugal existe o vocábulo escanção, oriundo do francês antigo eschanson, que por sua vez tem origem no latim medieval scantio, e que significa profissional especializado em vinhos, ou aquele que nos banquetes antigos deitava o vinho nas taças dos convidados, ou ainda o oficial da corte que estava encarregado de servir o vinho na taça e oferecê-lo ao rei nas refeições.

 

E qual não foi o meu espanto, quando o jornalista aplica a palavra sommelier, e explica que no Brasil, os brasileiros utilizam esta palavra francesa, para designar o que em Português é escanção.  

 

Ora se a Língua Portuguesa tem um termo específico para designar   profissional especializado em vinhos, haveria necessidade de se ir buscar um vocábulo francês?

 

Talvez sim… Talvez para esnobar a Língua do colonizador… É uma hipótese.

 

E agora das duas uma: com esta unificação pretendida pelo AO90, ou passamos nós e os Africanos de expressão portuguesa a dizer sommelier, ou passam os brasileiros a dizer escanção. Ou a unificação é apenas restrita à ortografia?

 

É que existem outras questões.

 

Aqui há tempos, um editor brasileiro pretendeu que eu traduzisse para brasileiro, um livro que escrevi em Língua Portuguesa, porque disse ele, no Brasil ninguém sabe o que é um quarto de banho (entre outros termos usados cá, mas não lá). Eles lá dizem banheiro, que em Portugal significa um vigilante ou instrutor de natação, nas praias.

 

Neste caso, mais depressa um português se baralharia com banheiro, do que um brasileiro, minimamente instruído, com quarto de banho, uma vez que, estando-se a falar de uma habitação, um quarto de banho não seria entendido como um compartimento para dormir… Ou seria…

 

O livro ficou por traduzir e por editar, obviamente.

 

Se cada um diz a sua, como fica a unificação para que todos se entendam debaixo do mesmo “toldo”?  

 

O pior é que como esta do sommelier, há centenas de outras palavras que os brasileiros adoptaram, ou americanizaram ou afrancesaram ou italianizaram, para se afastarem do Português. E então, ou eles lá, abdicam dessas palavras estrangeiradas e começam a utilizar o léxico Português, ou nós cá, abdicamos do nosso Português e adoptamos essa estrangeirice, em prol da tal pretendida unificação, para que todos se entendam…

 

Agora pergunta-se: por que é que cada país não fica com a sua própria diversidade linguística na oralidade e na escrita?

 

É que nós cá, também temos regionalismos, e nem por isso alguém se lembrou de unificar o Português, em Portugal.

 

É que no Norte existem termos que os do Sul desconhecem, e vice-versa. Como por exemplo: estrugido e refogado; garoto e pingo; imperial e fino; bica e cimbalino. Lá para o Sul é mais oiro, loiro, toiro, moiro… No Norte é mais ouro, louro, touro, mouro… Por que não deixar o léxico brasileiro ser brasileiro, e o léxico português ser português, e o léxico africano ser africano, na grafia e nas diversas pronúncias e nos preciosos regionalismos?

 

Os regionalismos brasileiros são riquíssimos (não estou a referir-me à estrangeirice) mas não estou a ver os Portugueses (ou os Angolanos ou Moçambicanos) a usá-los nem na escrita, nem na oralidade.

 

Na diversidade é que está a riqueza de uma Língua partilhada por oito países. Não na unicidade, que é redutora e anti-cultural.

 

Para se adoptar uma ortografia comum unificante, teria de se adoptar um léxico comum também unificante.

 

Que interesse terá Portugal (e o Brasil) em escrever teto, arquiteto, direto, setor, convição, rutura, invita, mas os Portugueses desconhecerem o que é um curumim ou uma cumbuca, e os Brasileiros não saberem o que é um brindeiro ou um bisalho?…

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:43

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Sexta-feira, 3 de Fevereiro de 2017

«O AO90 NÃO É PODA, É AMPUTAÇÃO»

 

 

Encontrei este comentário fabuloso sobre a ortografia aberrante que nos querem impingir.

 

Não resisti a partilhá-lo. Perde-se no meio de tantos. E diz tanto do que andamos a dizer… mas de um modo que nunca foi dito…

 

O comentário está aqui, na petição dos Cidadãos contra o “Acordo Ortográfico” de 1990» que todos os desacordistas devem assinar, por amor à Língua Portuguesa:

http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=acordoortografico90

 

O AO.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:33

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Quinta-feira, 2 de Fevereiro de 2017

SENHOR MINISTRO DA EDUCAÇÃO DE PORTUGAL: O SENHOR NÃO DISSE A VERDADE SOBRE O AO90

 

As suas declarações no Fórum da Juventude 2017 sobre a importância dos jovens portugueses na implementação dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável e ODSs foram absolutamente indignas de um representante do governo português.

 

Nada a que não estejamos habituados. Porém, o que declarou excede os limites de todo e qualquer bom senso e viola todas as regras da responsabilidade cívica e política do cargo que ocupa.

 

Ministro-Portugal.jpg

Ministro Tiago Brandão Rodrigues (à direita) e Hugo Carvalho. Foto: ONU News

 

Com que então o AO90 está em plena implementação nas escolas portuguesas e é visto pelo senhor como «um processo natural que não tem tido grandes controvérsias ou impedimentos»?????

 

A imposição quase pidesca do AO90 «tem sido algo que tem acontecido com muita naturalidade e a que as pessoas se têm habituado??????

 

«Este Acordo Ortográfico veio responder às vicissitudes da comunidade internacional que fala português?????

 

 

Quais vicissitudes????, se estava a correr tudo bem com a Língua Portuguesa, até que um grupo de ignorantes decidiu destruí-la, ao ponto de o Vaticano já a ter banido?

 

As línguas são vivas, diz o senhor, que não sabe o que diz. São vivas, sim. E por serem vivas evoluem naturalmente e não por resoluções de ministros e políticos que nada sabem de Línguas vivas.

 

E no seu entender «o acordo está em pleno andamento e cumprimento»????? Onde????

 

No Brasil? Onde ninguém cumpre o AO90 porque a ortografia do AO90 já existia antes de 1990 (mais acento, menos acento)????

 

Em Cabo Verde que nem sequer tem a Língua Portuguesa como primeira língua????

 

Em Portugal, onde apenas os políticos e os subservientes ao poder (onde se inclui a comunicação social e alguns professores) o aplicam, e mal?????

 

E então Angola, e Moçambique, e Guiné-Bissau? E Timor? E São Tomé e Príncipe? Não são países lusófonos?

 

E estes países não se estão nas tintas para uma ortografia abrasileirada que não serve os interesses de Portugal, nem da esmagadora maioria dos falantes e escreventes da Língua Portuguesa, incluindo uma elite culta brasileira?

 

Por onde tem andado, senhor ministro?

 

Não lê jornais? Não vê televisão? Não anda a par do que se passa ao seu redor? Anda alheado da vida real?

 

Além de o AO90 estar a ser bastante contestado no nosso país, de todas as formas e feitios, por milhares de portugueses, como até as pedras da calçada à portuguesa sabem, excepto o ministro da educação de Portugal, este acordo viola a Constituição da República Portuguesa, é ilegal, e é também a maior fraude e o maior atentado jamais ocorrido a um símbolo da identidade portuguesa, o qual devia ser severamente punido, e os culpados julgados por crime de lesa-património-cultural.

 

As suas declarações, senhor ministro, não correspondem à verdade, não traduzem a realidade que se passa ao redor desta ortografia mutilada, que tem desunido mais do que unido. Que tem produzido analfabetos “encartados” que só nos envergonham.

 

E seria da dignidade vir a público pedir desculpa por tentar passar uma ideia falsa à ONU News.

 

Isabel A. Ferreira

 

***

Para ouvir as inverdades proferidas pelo ministro da educação de Portugal , no áudio a partir do minuto 07:15, abram este link, por favor:

http://www.unmultimedia.org/radio/portuguese/2017/02/exclusiva-tiago-brandao-rodrigues-fala-a-onu-news-sobre-jovens-e-odss-em-portugal/#.WJNzIuSmmcx

***

Para saber o que pensam as elites cultas, abrir os links, por favor:

O QUE OS BRASILEIROS CULTOS PENSAM SOBRE O ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990

 

O QUE OS AFRICANOS CULTOS DE EXPRESSÃO PORTUGUESA PENSAM SOBRE O ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990

 

O QUE OS PORTUGUESES CULTOS PENSAM SOBRE O ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:12

link do post | comentar | ver comentários (3) | adicionar aos favoritos
| partilhar
Quinta-feira, 12 de Janeiro de 2017

«O QUE SE PASSA NOS DOCUMENTOS DO ESTADO É UMA VERGONHA NACIONAL»

 

Resumo da intervenção de Nuno Pacheco, do jornal "Público", no debate "O mal-estar com o Acordo Ortográfico — cinco anos depois" (Goethe-Institut Portugal de Lisboa, 09/01/2017).

 

«Aquilo que vemos no dia-a-dia em Portugal é a maior das confusões, desde logo pela entidade máxima que devia defender o acordo — o Estado. O que se passa nos documentos do Estado é uma vergonha nacional. As duplas grafias e o desmembramento de famílias de palavras fazem com que este seja o único dos acordos que destrói a noção de ortografia. O problema ortográfico não existia, a não ser num grupo restrito que quer manter através da língua o que não foi possível manter geograficamente. Nada disto faz sentido

 

Vídeo retirado daqui: http://bit.ly/2ifrfbT. Subscreva a iniciativa de referendo: http://bit.ly/2cPDNDL

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:57

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
Terça-feira, 27 de Dezembro de 2016

O "PÚTRIDO ACORDO ORTOGRÁFICO" NÃO PASSA DO ABRASILEIRAMENTO DO PORTUGUÊS

 

Os Brasileiros devem ficar com a Língua Brasileira. Ora aí está a grande verdade.

 

Os Portugueses devem ficar com a Língua Portuguesa. Essa é que é essa.

 

Apenas um reparo: a ortografia que a dupla evanildo bechara - malaca casteleiro engendrou não é mais do que o ABRASILEIRAMENTO do Português, rejeitado no Brasil.

 

Não foram os patetas portugueses que inventaram essa ortografia mutilada. Os patetas portugueses aceitaram entrar num jogo obscuro, e estão a tentar impingir-nos essa ortografia mutilada, abrasileirada. O que é diferente.

 

A cada país, a sua própria língua.

 

Concordo, Luiz Carlos Prates: continue a escrever em BRASILEIRO.

Nós por cá fazemos questão de continuar a escrever em PORTUGUÊS.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:28

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. ANTÓNIO COSTA DISSE: «HÁ ...

. «ACORDO ORTOGRÁFICO NÃO R...

. LATIM É LATIM… GALEGO É G...

. RESISTAMOS À IGNORÂNCIA

. «ORTOGRAFIA E IDENTIDADE»

. QUANDO O TERMO “UNIFICAR”...

. «O AO90 NÃO É PODA, É AMP...

. SENHOR MINISTRO DA EDUCAÇ...

. «O QUE SE PASSA NOS DOCUM...

. O "PÚTRIDO ACORDO ORTOGRÁ...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.BLOGUES

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO