Quinta-feira, 13 de Outubro de 2016

UM PRÉMIO COM O NOME DE EÇA DE “QUEIRÓS” APRESENTADO EM “ACORDÊS” MISTURADO COM PORTUGUÊS

 

Recebi o “convite”, que mostro mais à frente, via e-mail.

E indignei-me por três motivos:

Primeiro: O Prémio tem o nome do nosso grande Eça mal escrito: é de Queiroz e não de Queirós.

Segundo: O convite vem escrito em acordês misturado com Português: projeto (errado); Queiroz e Outubro (certo).

Terceiro: Uma editora que não defende a Língua Portuguesa, culta e europeia, não honra Portugal, nem os livros, nem os leitores. E isso desgosta-me. Por isso protestei.

E o que fiz chama-se Acção Cívica em Defesa da Língua. E era isto que gostaria que todos os que andam por aqui fizessem também. Teríamos muito mais força, e talvez algum resultado mais visível.

 

EÇA QUEIROZ.png

 

«Caros leitores,

 

Considerando a importância do papel das instituições públicas na promoção e apoio das artes e da cultura, nomeadamente da literatura e da ilustração e dos novos criadores nestas áreas, a Livros de Ontem irá apoiar a Junta de Freguesia de Olivais na organização do Prémio Literário e de Ilustração Eça de Queiroz.

 

Atendendo ao papel essencial da literatura e das artes plásticas, nomeadamente o desenho e a pintura, no desenvolvimento cultural e intelectual do individuo, este projeto tem como intuito de promover a criatividade, o gosto pela leitura e pelas artes plásticas e sobretudo, a criação artísticas e literária.

 

Constituí também uma homenagem ao escritor que lhe dá nome, procurando assim promover também o conhecimento da obra de Eça de Queiroz, um dos autores mais relevantes da nossa literatura.

 

As candidaturas decorrem até 30 de Outubro, consulte o regulamento abaixo para saber em pormenor todas as informações.

Contamos com a sua participação

 

****

Exmos senhores,

 

Lamento que a vossa louvável iniciativa venha apresentada em Acordês, uma ortografia mutilada e terceiro-mundista, engendrada na América do Sul, e que se afasta substancialmente das raízes cultas e europeias da Língua Portuguesa.

 

Lamento que a "Livros de Ontem" seja subserviente à incultura dos políticos, e não defenda a Língua (Oficial) Portuguesa, que é o Português Português (e não o Acordês).

 

Lamento que tenham optado pela ilegalidade e pela inconstitucionalidade.

 

Lamento... porque tenho a certeza de que Eça de Queiroz (aliás os seus descendentes combatem o Acordês, e aproveito para dizer que Eça é de Queiroz e não de Queirós ) seria um acérrimo crítico a esta ortografia defeituosa que nos querem impingir.

 

Com o meu mais veemente protesto,

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:11

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
16
18
19
20
21
24
25
26
27
28

.posts recentes

. A ESCRITORA TEOLINDA GERS...

. O AO90 NO CORRENTES D’ESC...

. RASGUE-SE O AO90 ANTES QU...

. A MÁ INFLUÊNCIA DA MUTILA...

. O QUE DEVEMOS FAZER QUAND...

. GOVERNO SOMBRA COMENTA A ...

. QUANDO O TERMO “UNIFICAR”...

. PROFESSORES DE PORTUGUÊ...

. A PROPÓSITO DO AO90: MARI...

. MAL VAI UM GOVERNO QUE NÃ...

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.BLOGUES

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO