Terça-feira, 17 de Novembro de 2015

UMA PEROLAZINHA DE PORTUGUÊS QUE ENCONTREI ONTEM NO FACEBOOK

 

CASAMENTO.png

(Origem da imagem: Internet)

 

Nem mais nem menos a seguinte legenda na fotografia de casamento de uma senhora que não vou identificar por motivos óbvios:

 

«JÁ LAVAM 19 ANOS A ATURAR TE» - assim, tal e qual.

 

Esta senhora não pertence à geração acordista.

 

Também não é da minha geração.

 

Nem da geração dos nossos pais e avós…

 

Conclusão: levando em conta que “lavou” durante 19 anos um casamento, com mais uns 25, idade com que começaria essa “lavagem” temos uma senhora da geração pós 25 de Abril.

 

Não me surpreende que “lavasse” os 19 anos de casamento.

 

Porque logo após o 25 de Abril (e digo isto com conhecimento de causa porque era professora na época, e sem a mínima saudade do dia 24) o que fizeram com o ENSINO da Língua Portuguesa, e aliás com o ensino em geral?

 

Reduziram-no ao simplex, porque decretaram que a partir dessa data, as crianças e os jovens portugueses seriam mais estúpidos do que todos os que nasceram anteriormente, e precisavam de que se lhes facilitasse a aprendizagem, porque a política era e continuou a ser: quando mais inculto for um povo, mais submisso será…

 

Até que alguém se lembrou de compactuar com o famigerado Acordo Ortográfico de 1990, que nasceu de algo parecido ocorrido no Brasil, para diminuir a taxa de analfabetismo que, naquele país, era elevadíssima, e para tal decidiram estropiar a Língua Europeia e Culta que herdaram dos ex- colonizadores Portugueses.

 

Agora, porque valores económicos mais altos se levantaram, querem porque querem impingir-nos essa língua estropiada.

 

Só que a Língua Portuguesa é de Portugal.

 

E a Língua Brasileira é do Brasil.

 

E que cada País fique com a sua.

 

Porque “lavar” um casamento de 19 anos… é algo que não se faz em público…

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:09

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
| partilhar
comentários:
De Antonieta Mendonça a 18 de Novembro de 2015 às 22:10
Cara Amiga! Se a outra senhora "lavou" o matrimónio, na verdade "compactuar com" não passa também de um brasileirismo redundante! Nós pactuamos com alguma coisa, não usamos preposições duplas; dupla só a negação e há quem diga que não é correcto.
Desculpe este desabafo, mas não resisto a combater os "brasileirismos" que têm invadido a nossa língua ao longo de décadas de corruptelas telenovelísticas!
Por Abril de 1974 também eu já ensinava Português e conheço bem os tratos de polé a que a nossa língua tem sido sujeita de então para cá! Também me nego a respeitar o des )acordo ortográfico de 1999! Não me leve a mal!
De Isabel A. Ferreira a 19 de Novembro de 2015 às 16:14
Cara Antonieta Mendonça:

Agradeço o seu comentário, porque deste modo podemos tirar a limpo esta questão.

A senhora que “lavou “ o matrimónio é portuguesa, e pode até ser uma das minhas vizinhas, pois vivemos na mesma terra.

Sinto muito dizer-lhe que a Antonieta está equivocada.

COMPACTUAR COM não é um brasileirismo redundante.

Na verdade COMPACTUAR e PACTUAR não significam exactamente a mesma coisa.

COMPACTUAR significa tomar parte em acções consideradas incorrectas ou condenáveis.

Exemplo: Não estava disposta a COMPACTUAR COM fraudes daquela natureza, como também não estou disposta a COMPACTUAR COM a imposição ilegal do Acordo Ortográfico de 1990.

COMPACTUAR significa também ter conhecimento de acções injustas e nada fazer para as anular ou combater.

Exemplo: Eu nunca COMPACTUEI COM o regime, e jamais COMPACTUAREI COM este AO/90.

***

PACTUAR, por sua vez, significa definir ou estabelecer uma coisa de comum acordo, combinar, ajustar, assumir um acordo (fazer um pacto).

Exemplo: Ele PACTUOU COM o criminoso.

Ambas as palavras são aCOMpanhadas da preposição COM.

E isto nada tem a ver com BRASILEIRISMOS.

Tem a ver com as coisas da nossa Língua Portuguesa.

Se a minha amiga quiser confirmar o que acabo de escrever, pode consultar qualquer BOM dicionário da Língua Portuguesa, da ÚNICA, a de Portugal, e verificará da veracidade do que aqui expus.

Agradeço o seu cuidado, até porque sou BASTANTE EXIGENTE na minha escrita e se ERRO (porque ninguém é perfeito em coisa nenhuma) agradeço, sem constrangimento algum, que me corrijam). Por vezes até é um lapsus scriptae que nos escapa, e há que o corrigir.

Neste caso, penso que não belisquei a DIGNIDADE da Língua Portuguesa. Penso.
De Antonieta Mendonça a 20 de Novembro de 2015 às 00:54
Minha cara Amiga,
agradeço a sua tão pronta resposta e, como nunca costumo deixar nada por esclarecer, lancei-me sobre os meus múltiplos dicionários da Língua Portuguesa em busca de luz que iluminasse o meu espírito. Como a minha formação é germanística, admito sempre que a falha pode ser minha. Na verdade, desde que estudei o Tratado Lógico-filosófico de Wittgenstein (no original), reflicto muito sobre a lógica do meu discurso, o que me leva sempre à conclusão de que "sobre o inefável, o melhor é nada dizer".
Na verdade, como tenho dedicado parte da minha vida à tradução literária, dicionários é coisa que não me falta. Aqui vai o que consegui apurar:
Dic. da Língua Portuguesa de José Pedro Machado:
-compactuar (do latim compacta- )= pactuar juntamente com outrém.
-compacto (do latim compactu ")= pacto, contrato mutuamente obrigatório de muitos contratantes.
pactuar= fazer pacto ou ajuste, transigir.
Dic. da Língua Portuguesa de António Morais da Silva
-compactuar (não consta).
pactuar= transigir.
Dic. Houaiss da Língua Portuguesa
-Compactuar= pactuar com (etimologia: com+pactuar).
Dic. Etimológico de José Pedro Machado
-compactuar (não consta)
Dic. de Verbos de Emídio da Silva e António Tavares
-compactuar (não consta)
-pactuar com (Ex.: "Não pactuarei com faltas de respeito")
Por muito que me pese, não consegui encontrar qualquer reflexão metalinguística que corroborasse a distinção lexical que a minha cara Amiga tão amavelmente me transmite.
Eu continuarei a não pactuar com a variante telenovelística que tem vindo a infectar a nossa Língua Portuguesa, Lusitana e Europeia, alastrando na razão directa do aumento da iliteracia que grassa na nossa gente que vai "lavando" matrimónios em série!
Abraço Amigo para si!
Antonieta Mendonça
De Isabel A. Ferreira a 20 de Novembro de 2015 às 14:41
Cara Antonieta Mendoça,

Novamente agradeço este tão esclarecedor comentário.

Como tenho toda a consideração por quem tem o cuidado de não maltratar a Língua, que por vezes maltratamos por alguma falha que nos passou ao lado, venho remetê-la para o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea elaborado pelo Instituto de Lexicologia e Lexicografia da Academia das Ciências de Lisboa, e editado pela Verbo em 2011, portanto antes da loucura ortográfica ter invadido as editoras.

Aí, a minha amiga pode encontrar o que referi sobre os vocábulos COMPACTUAR e PACTUAR.

Também esses termos (ambos) se encontram no velho dicionário da Porto Editora.

Mas em alguns dicionários não consta o vocábulo COMPACTUAR que, na realidade existe, mas não é considerado por todos. E a explicação para tal, não a sei dar.

Não tendo a informação de que seja um termo “gerado” no Brasil (normalmente os dicionários fazem essa indicação) deduzo que poderá ser utilizado na Língua Portuguesa sem qualquer melindre, com o significado “tomar parte em acções consideradas condenáveis”.

Eu, que não compactuo com os termos “abrasileirados” (diferente de vocábulos “gerados” no Brasil por influência indígena ou africana que enriqueceram, sobremaneira, o léxico brasileiro, ou de expressões interessantíssimas criadas pela fértil imaginação dos brasileiros – estou a lembrar-me desta, por exemplo: «está com cara de sinhá mariquinha cadê o frade»), e tendo esta referência num dicionário de Língua Portuguesa de Portugal, que motivos terei para não utilizar a palavra?

Por outro lado, que motivos também terei eu para duvidar do saber da minha amiga Antonieta Mendonça?

Agradeço ter levantado esta questão, porque irei aprofundar o motivo pelo qual “compactuar” existe para uns, e não existe para outros.

Um abraço desacordista,

Isabel A. Ferreira
De Antonieta Mendonça a 21 de Novembro de 2015 às 00:23
Cara Amiga!
Obrigada pelo seu comentário e pela sua simpatia!
A variante do português do Brasil é, na verdade, riquíssima e muito castiça! Admiro, mas não invejo, a sua capacidade de adoptar e "abrasileirar" vocábulos e expressões importadas de outras línguas como as famosas e famigeradas "mídeas " que se vão infiltrando que nem metástases da asneira, como se por cá não houvesse meios de comunicação social! Pois é, mas são muitas letras de uma só vez e as tais "mídeas " poupam esforço e saliva!!! Só as divindades sabem "o quão" cansados ficamos depois de um tão grande esforço!

Com todo o gosto aceito e retribuo o abraço desacordista!

Ficamos em contacto!

Antonieta Mendonça
De Isabel A. Ferreira a 1 de Dezembro de 2015 às 15:37
Cara Antonieta Mendonça,

Desculpe a demora, na resposta ao seu último comentário.

Quis consultar a opinião de um actualizado especialista nestas matérias da Língua Portuguesa, que acabou de publicar um livro que recomendo (se é que já não o conhece): «Em Português, Se Faz Favor», de Helder Guégués, não vá eu estar enganada, e a minha amiga também, quanto ao “compactuar” e “pactuar”.

Então a resposta que recebi foi a seguinte:

«Esses verbos não são, efectivamente, sinónimos; ou, pelo menos, não são sinónimos puros, têm matizes de sentido. Contudo, nada vejo de incorrecto no uso que fez dele na sua frase. E, se «compactuar» é muito mais usado no Brasil, isso não permite estabelecê-lo como brasileirismo. Quanto ao que a tradutora chama «preposições duplas», não tem razão. Não dizemos, por exemplo — e não é caso único, evidentemente — «comparar com»?...».

Espero ter esclarecido a minha opção.

***
Não sei de onde retirou esse “admirar” mas não “invejar” a minha (????) capacidade de adoptar e “abrasileirar” vocábulos e expressões… até porque não tenho esse hábito.

Mas se tivesse, conhecendo como conheço a “Língua Brasileira”, pois tive de a estudar, poderia até enriquecer os meus textos com as belas expressões e vocábulos que os Brasileiros possuem.
Mas não é o caso.

E nunca escrevi “mídeas”, nem sei o que isso é…

Pode informar-me de onde retirou essa “acusação” que me faz?
Um abraço,
Isabel A. Ferreira
De Antonieta Mendonça a 4 de Dezembro de 2015 às 23:52
Caríssima Amiga,
fiquei estupefacta por verificar que pensou estar eu a acusá-la de algo menos simpático! Tive de voltar a ler o meu comentário anterior e apenas posso afirmar ter-se tratado de um equívoco linguístico: quando me referia à "sua capacidade de adoptar e abrasileirar vocábulos e expressões" referia-me (eu) ao Português do Brasil e não à minha cara amiga! Longe de mim a intenção de lhe atribuir essa ginástica linguística, até porque nos conhecemos há bem pouco tempo. Além do Amor pela Língua Portuguesa, temos outro ideal em comum: ACABAR COM AS TOURADAS! Conte com o meu apoio!
Não conheço o livro que menciona, mas julgo já ter ouvido falar dele. É um título a reter para uma próxima incursão à Bertrand, ou à FNAC! E "mídea " é a apropriação do inglês "media", que são os meios de comunicação social, mas como a expressão é demasiado comprida, há que encurtá-la e olhe que já "apanhei" alguns bem-falantes lusos a usar esse termo, o que me arrepiou, pode crer!
Um grande abraço para si da
Antonieta Mendonça
De Isabel A. Ferreira a 5 de Dezembro de 2015 às 15:19
Car Antonieta,
Pois a nossa Língua Portuguesa tem destas coisas...
Há especialistas que dizem que não devemos utilizar esses pronomes no contexto em que foi utilizado, precisamente para não gerar essas confusões.

Está tudo esclarecido.
Quanto ao livro, recomendo.

Um forte abraço,

Isabel A. Ferreira

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
16
18
19
20
21
24
25
26
27
28

.posts recentes

. A ESCRITORA TEOLINDA GERS...

. O AO90 NO CORRENTES D’ESC...

. RASGUE-SE O AO90 ANTES QU...

. A MÁ INFLUÊNCIA DA MUTILA...

. O QUE DEVEMOS FAZER QUAND...

. GOVERNO SOMBRA COMENTA A ...

. QUANDO O TERMO “UNIFICAR”...

. PROFESSORES DE PORTUGUÊ...

. A PROPÓSITO DO AO90: MARI...

. MAL VAI UM GOVERNO QUE NÃ...

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.BLOGUES

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO