Quinta-feira, 26 de Março de 2020

Uma questão de Português: o que significa “fase de mitigação”, portuguesmente falando?

 

A questão foi posta pelo amigo Arsénio Pires, que estudou Língua Portuguesa, tal como eu. E, tal como eu também se interrogou, porque, disseram, desde a meia-noite de hoje, Portugal entrou na “fase de mitigação” do coronavírus, ou seja, na fase que corresponde ao nível de alerta e resposta mais elevado, sendo a fase mais grave de contágio, algo que nada combina com mitigação.  

A palavra estará a ser bem aplicada?

Quem saberá responder?

 

MITIGAR.jpg

Origem da imagem:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=2912679902145661&set=a.110640459016300&type=3&theater

 

Antes de publicar este texto, perguntei a uma pessoa que percebe destas coisas de "fases" de vírus, e dizem-me que o termo está correctamente aplicado, porque agora que o vírus já se espalhou, a hora é de mitigar os efeitos e não acelerar as providências. Quem tem sintomas trata-se. Será um desaceleramento das medidas que até agora foram tomadas?

 

Contudo, a questão continua a pôr-se:  na definição dada pela Direcção-Geral de Saúde: "nível de alerta e resposta mais elevado, na medida em que se trata da fase MAIS GRAVE DE CONTÁGIO" (sic), o termo MITIGAÇÃO não poderá ser compreendido por alguém que perceba o mínimo da Língua Portuguesa. Chamem-lhe Fase de Controlo ou coisa semelhante. Mitigação não parece que sirva para clarificar a mensagem perante a população. Se a maioria não compreende, a comunicação não passa ou passa erradamente! Esta última hipótese é a que passa.

Ou não será assim?

 

Quem poderá responder a esta questão, portuguesmente falando?

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:30

link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
16
18
20
24
29
30
31

.posts recentes

. A propósito do recuo da T...

. Despacho de Arquivamento ...

. Parlamento discute hoje ...

. Ministério Público arquiv...

. Existem provas de que o A...

. In Memoriam Maria Velho d...

. Senhores governantes, vam...

. O AO90 é “manifestamente ...

. Por que a Embaixadora Ana...

. Eis a prova provada do mo...

.arquivos

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. a href="https://www.facebook.com/portuguesdefacto/" target="_blank">https://www.facebook.com/portuguesdefacto/

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 é uma fraude, ilegal e inconstitucional

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram oficialmente a não vigência do acordo numa reunião oficial e os representantes oficiais do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO