Quarta-feira, 1 de Abril de 2020

Sejamos francos, isto não é escrita de gente letrada. Ponto.

 

Atente-se neste quadro negro, onde está uma pequena amostra de vocábulos que não pertencem à Língua Portuguesa – Língua Oficial de Portugal – e que os media, especialmente os canais televisivos, os professores, mas também o presidente da República, o primeiro-ministro, e os deputados da nossa desditosa Nação, usam nos seus sites oficiais, nos seus despachos, disseminam por aí, na escrita e oralidade, induzindo os Portugueses, menos atentos, em erro.

Uma VERGONHA! Até porque isto, não sendo escrita de gente letrada, demonstra uma descomunal ignorância da Língua Portuguesa.

Vejamos porquê.

 

Sejamos francos.png

 

Não venham escudar-se na falsa obrigatoriedade da aplicação do falso AO90, que os mais letrados, felizmente, se recusam a aplicar, o qual, como se sabe, à excepção de uns poucos vocábulos que não perderam nem o, nem o, assenta na grafia que, em 1943, os Brasileiros decidiram simplificar e adoptar, retirando-lhes as consoantes mudas, apesar de terem uma função diacrítica, com o objectivo de baixar o índice de analfabetismo, naquele país, num  claro desrespeito pela estrutura de uma Língua, que sendo a deles, não era a deles, ou seja, não era, efectivamente, autóctone. Portanto, para quê usar critérios científicos numa Língua herdada do colonizador?

 

Contudo, nós Portugueses, não temos nada com o que os Brasileiros fizeram com a Língua deles, desde 1822, quando o país se tornou independente. E o que o Brasil fez com a Língua que herdou do ex-colonizador é problema exclusivo do Brasil.

 

Dizia-me há dias, a este propósito, uma escritora italiana, minha amiga (via e-mail, obviamente), que fala e escreve Português: «o Brasil só tem um território maior do que o de Portugal, mas não é mais importante do que Portugal».

 

Pois não. Não é, nem mais, nem menos importante, até porque Portugal é um dos países mais antigos da Europa, como país independente, com mais de oito séculos de história, e o Brasil, como país independente, tem apenas 198 anos. E a História, a Cultura e a Língua Portuguesas não se destrói assim, apenas porque os Brasileiros são milhões, e nós milhares, e porque os políticos, que se envolveram nesta farsa do AO90, de um e de outro país, são uns refinados ignorantes, no que à Língua Portuguesa diz respeito.

 

E como os políticos vão, mas a Língua fica, não podemos aceitar que uns poucos ignorantes destruam a Língua e depois se ponham a andar, deixando-nos de herança uma vergonhosa língua esfarrapada.

 

O uso da teoria atolambada o que não se lê, não se escreve, algo que em mais país nenhum do mundo se aplica, e que só os Brasileiros e agora um punhadito de acordistas portugueses adoPtam, sem a mínima noção do que fazem, criou uma enxurrada de abortos ortográficos, como a amostra registada no quadro negro, que só dizem da profunda ignorância de quem os escreve. E se ao lerem esses abortinhos, os lerem com as consoantes abertas, demonstram que, além de não saberem escrever, também não sabem ler, porque todos eles devem ser lidos com as vogais fechadas, de acordo com as regras gramaticais VIGENTES.

 

É muito triste ver o que se passa nas televisões, nos jornais online, (salvo algumas excepções), nas redes sociais, onde a Língua Portuguesa é usada numa versão mutilada, empobrecida, deturpada, desprezada, e não me refiro apenas ao AO90, que esse, já sabemos, foi concebido para facilitar a vida de quem não nasceu dotado de capacidade intelectual para pensar a Língua, e saber que o que não se lê, também se escreve, como em Homem, Hora, Hoje etc…. Mas refiro-me também a erros de todas as espécies que conhecemos.

 

Outra VERGONHA!

 

É que falar, qualquer um fala. Contudo, escrever o trivial (não falo em literatura) é preciso conhecer as letras do alfabeto e saber as regras gramaticais, porque são a base de todas as Línguas do mundo, excepto desta mal-amanhada novilíngua, que não é portuguesa.

 

Vou deixar a qui um link, para que se confira o que acabei de escrever:

A nota explicativa (do AO90) mais idiota que o mundo já viu

 

E os governantes portugueses apostam na ignorância ortográfica difundida pelos media

  

Mas…

 

Ignorância.png

 

Em Portugal, a ignorância optativa está a alastrar-se a uma velocidade considerável, e os governantes portugueses, comprometidos com essa ignorância, estão a apostar nela, numa tentativa de levar adiante um plano assente num obscurantismo jamais visto em Portugal, no que à Língua oficial portuguesa diz respeito.

 

Tudo isto, a médio prazo, irá custar muito caro ao nosso País que, cada dia, mais se afunda numa insólita incultura e, para tal, o maior difusor dessa ignorância está a ser instrumentalizado para oferecer ao povo, já meio anestesiado com o soro do desatino, aquelas coisas que o desviam do essencial: futebol, novelas, realities shows, notícias sensacionalistas e sombrias, como se o Sol se tivesse retirado do mundo, e agora esta coisa inesperada que veio perturbar o mundo: a Covid-19.

 

E tudo isto baralhado numa linguagem escrita e falada de bradar aos céus, com a intenção de levarem a melhor… e com a agravante de estarem a insultar a inteligência de um Povo, que não é parvo, na sua totalidade.

 

Na verdade, ser ignorante não é defeito. Defeito é optar pela ignorância e achar que se tem razão. É o caso dos acordistas e dos políticos que os apoiam, que decidiram assentar o AO90 na mais descomunal ignorância da Língua, e achar que os sapientes são retrógrados.

 

E vamos deixar que isto perdure?

 

O momento é de uma grave crise sanitária, mas não vamos deixar que esta outra grave crise, a crise ortográfica, que está a destruir a Língua Oficial de Portugal, seja esquecida.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:20

link do post | comentar | ver comentários (4) | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
16
18
20
24
29
30
31

.posts recentes

. A propósito do recuo da T...

. Despacho de Arquivamento ...

. Parlamento discute hoje ...

. Ministério Público arquiv...

. Existem provas de que o A...

. In Memoriam Maria Velho d...

. Senhores governantes, vam...

. O AO90 é “manifestamente ...

. Por que a Embaixadora Ana...

. Eis a prova provada do mo...

.arquivos

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. a href="https://www.facebook.com/portuguesdefacto/" target="_blank">https://www.facebook.com/portuguesdefacto/

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 é uma fraude, ilegal e inconstitucional

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram oficialmente a não vigência do acordo numa reunião oficial e os representantes oficiais do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO