Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2021

«O Acordo Ortográfico: uma imposição abjecta, ou o capricho duma ditadura indigente e inculta»

 

Todos os dias nos chegam textos de protesto e do mais veemente repúdio pelo AO90, imposto abjectamente por uma ditadura indigente e inculta, como salienta o Professor António Mota, autor do texto que hoje proponho para reflexão.



A questão é: se vivemos numa democracia, como querem fazer crer os governantes, então porque continuam a teimar nesta imposição absurda de um acordo, que nem acordo é, e de uma tortografia que nada tem a ver com Portugal e com as raízes greco-latinas da nossa Língua Portuguesa.

 

O Professor António Mota dá-lhe bem, e eu faço minhas todas as suas palavras.



É que isto já passou de todos os limites, e não há mais pachorra para tratar esta doença, altamente  virulenta, com paninhos quentesBASTA!

 

Faço minhas todas as palavras de António Mota.

 

(Nota: os excertos a negrito, são da minha responsabilidade)

 

Isabel A. Ferreira

 

ANTÓNIO MOTA.jpg

 

Por  António Mota

 

1.

É na Língua que o Verbo se encarna e, tal assim, o pensamento e o sentimento. É na Língua que crescemos, aprendemos e somos, iguais e diferentes. É na Língua que amamos, e que antes namorámos. É na Língua que sabemos de pai e mãe, de avô e avó, de filhos e de netos. Só nela a raiz mais funda, da história, dos valores e da família. É na Língua que tivemos nosso cão e que corremos atrás dele e que brincamos. É na Língua que aprendemos Portugal, Pátria e terra mãe. E é na Língua que está a honra e a verdade, e a luta impoluta contra mentira e traição. Não se perdoe a quem a vender ou trair.

 

2.

- Olha! Diz-me uma coisa.

- Sim. O quê?

- É sobre o teu país.

- Sim?

- É o seguinte.

- Diz.

- Que língua falais em Portugal?

- Português.

- Português?

- Sim, claro.

- Tendes uma língua vossa?

- Evidentemente. E há muitos séculos.

 

3.

- Olha!

- O quê?

- É sobre aquilo de há uma semana.

- Ah! Da Língua Portuguesa!

- Sim. Aquilo é um dialecto, não é?

- Não. É uma língua de civilização.

- Não pode ser! Um país tão pequeno!

- Pois é! Vós é que nem língua tendes!

- Então não temos o Inglês?

- Sim. Mas nasceu na Inglaterra.

- Mas na escola falais inglês, não é?

- Não. Na escola falamos Português.

 

4.

- Olha! É sobre aquilo da semana passada. Estive a pensar.

- Tu? Em quê?

- Na universidade tendes de falar Inglês, não tendes?

- A universidade não é uma escola?

- É. Mas é mais importante.

- Olha, deixa de ser ignorante!

- Ignorante? Eu?

- Sim. Quantas vezes é preciso ensinar-te que em Portugal se fala Português?

- Em todo o lado?

- Sim.

- Mas na tropa, não! Tenho a certeza!

- Na tropa também. Em Portugal, temos uma língua nossa. Em Portugal, falamos Português.

 

5.

Ao contrário do que se anuncia, e devia, no Parlamento, nada se vai discutir, nem decidir, contra o que já está decidido e aprovado acerca da violação selvagem, patológica e besta da Língua nossa Portuguesa. Nem podia, porque na alegada casa da democracia, o que reina é o sono, a anedota e o mono, exibindo iliteracia, de caneta, batalhas de alecrim, e tacho ao peito. Vivemos sob o malho duma federação de ditaduras partidárias, que tudo fazem, ora dando cartas um, ora outro, e sempre no interesse de todos eles e, mais ainda, de quem, acima deles, os controla. Venderam a alma ao diabo por malas de dinheiro roubado. Venderam a Pátria. Venderam a Língua. E isso é traição.

 

6.

Habituaram-nos, e habituámo-nos a ser tratados como atrasados mentais incapazes, ineptos, infantis, estúpidos e cegos. Depois, sobre esse alicerce, convenceram-nos a aceitar acriticamente tudo, incutindo-nos a ideia construída de que temos personagens importantes e sábias, a zelar por nosso bem, e pela Pátria também. E que eles é que sabem. A verdade, porém, é que são, ou foram, personagens de opereta, e de biografia mentida. E, assim, muitos traidores se tornaram heróis fúnebres, de comenda ao peito.

 

7.

Eu não reconheço autoridade democrática a ninguém para atentar contra a independência nacional, contra o património nacional, contra a cultura nacional, contra o território nacional, tanto na sua vertente física, como no seu usufruto real, em benefício da nação, e nunca contra. Eu não reconheço autoridade democrática a ninguém para atentar contra a Língua Portuguesa, mutilando a sua história e beleza. Quem a violou é imbecil e traidor. É na Língua que o Verbo se encarna e, tal assim, o pensamento e o sentimento.

 

Só nela a raiz mais funda, da história, dos valores e da família. É na Língua que aprendemos Portugal, e Pátria e mãe.

 

Toda a atenção a quem, à esquerda e à direita, vai reincidir na traição. Não se lhes perdoe.

 

Fonte:  https://www.facebook.com/antonio.mota.12139/posts/10207986631179916

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:40

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Junho 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Ainda no rescaldo do dia...

. Hoje celebrarei, a três t...

. “Neo(i)logismos” – uma ex...

. «Pronome no lugar certo é...

. Celebrar o quê no Dia Mu...

. «A Língua Portuguesa no s...

. Por via da “igualdade de ...

. Diz o autor Helder Guégué...

. «“Como num programa de te...

. «Uma celebração da Língua...

.arquivos

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. a href="https://www.facebook.com/portuguesdefacto/" target="_blank">https://www.facebook.com/portuguesdefacto/

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Sobre a grafia utilizada neste Blogue

Este Blogue rejeita automaticamente a grafia brasileira, preconizada pelo falso acordo ortográfico de 1990, que foi imposto ilegalmente aos Portugueses. Este Blogue adopta a Língua Oficial de Portugal – a Língua Portuguesa, na sua matriz culta e europeia - na grafia de 1945, a que está em vigor. Grafia brasileira só em textos escritos por Brasileiros.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.
blogs SAPO