Sábado, 10 de Julho de 2021

Pausa para descanso

 

É muito triste viver num País em que, desavergonhadamente, os que nos (des)governam nos atiram com a mediocridade, com a falta de ética, com uma ignorância optativa ilimitada, com um retrocesso galopante, com um Estado decrépito, cheio de gente decrépita, obrigando as mentes livres a lutar por direitos dos mais básicos, como se ainda vivêssemos num tempo em que “ter direitos” era uma miragem…

 

Até o mais intrépido Dom Quixote precisa de descanso.

 

Um mundo harmonioso e pacífico, longe do caos em que o País está mergulhado, espera-me algures...

 

Regressarei às origens, à Natureza impoluta, que aguarda por mim, livre dos ecos tenebrosos dos que nos querem afundar nos abismos obscuros da iniquidade, de que apenas as mentes mais retrógradas são capazes…

 

Até breve.

 

Isabel A. Ferreira

 

Natureza impoluta.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:25

link do post | comentar | ver comentários (4) | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 5 de Julho de 2021

É urgente uma revolução nas escolas portuguesas

 

A escola, hoje, é um lugar terrível, tanto para alunos, como para professores, como para os pais. Para mim, foi-o igualmente, quando por lá andei, nos anos lectivos de 1973/74 (na Frei João de Vila do Conde) e  1974/75 (na Eça de Queiroz Póvoa de Varzim)

 

Eu já fui professora do Ciclo Preparatório (que hoje já não se chama Ciclo Preparatório), não por vocação, mas porque na altura, ainda Bacharel, não podia seguir o meu sonho: fazer prospecção arqueológica, até porque, por incrível que pareça, não havia nada para fazer nesse campo, num país cheio de ruínas.

 

Então, fui parar ao Ensino. Dei aulas apenas dois anos. No primeiro ano, não suportei as campainhas, os horários, o sistema, o programa de Português, e principalmente o de História, desadequado e falacioso. No segundo ano, acabaram com a História, e os programas eram experimentais e completamente idiotas. Além disto, que já era muito, não admiti a indisciplina que o 25 de Abril deixou entrar nas Escolas, em nome do conceito errado de liberdade.

 

Einstein.png

 

O Presidente do Conselho Directivo da segunda escola em que dei aulas, confundia Liberdade com Indisciplina (e não foi só naquela escola), de modo que se implantou uma rebaldaria tal, que os alunos podiam fazer tudo e mais alguma coisa, dentro das salas de aula, e ai do professor que quisesse manter a disciplina: não podia repreender-se os alunos, não podia marcar-se faltas de castigo, não se podia mandá-los para fora da aula, se estivessem a ser inconvenientes, porque podíamos causar-lhes traumas irreversíveis; eles tinham de sentir-se livres, para poderem crescer em liberdade, enfim, confundindo-se alhos com bugalhos, plantou-se as sementes da bandalheira a que hoje se chegou.

 

Então acontecia que os alunos começaram a chegar à minha aula a mascar pastilhas elásticas; a pôr os pés em cima das mesas; a jogar à bola, simplesmente porque o professor X deixava (o professor X era o Presidente do Conselho Directivo). Tive de impor as minhas regras, e fui curta e grossa: «que fizessem o que quisessem nas aulas do professor X, mas nas minhas, nada de pastilhas elásticas, nada de pés em cima da mesa e nada de bolas. E quem não quisesse obedecer às minhas regras que saísse da sala, se faz favor». Aguardei. Ninguém saía. Guardavam as bolas. Punham as pastilhas elásticas no caixote do lixo, e sentavam-se.

 

A esse tempo (1975), e a uns dois meses do término do ano lectivo, eu andava grávida, já quase no fim da gestação, e numa das minhas turmas, havia um rapaz já espigadote e muito problemático, que não obedeceu à minha ordem de se sentar (uma vez que andava de carteira em carteira a perturbar os outros alunos). Em vez de ir sentar-se, aproximou-se de mim e disse: «Dou-te já um pontapé na barriga!». Mantive a calma, para não lhe dar um grande bofetão (como me apetecia) e disse-lhe para se retirar imediatamente da sala. Fez-me frente. Então agarrei-o por uma orelha e levei-o para fora da sala até ao meio do corredor, e deixei-o ali, e nada disse. O miúdo sai para a área exterior e apedreja a janela da sala de aula, quebrando o vidro, não ferindo ninguém, por um mero acaso.

 

O estardalhaço chegou aos ouvidos do professor X. O que foi, o que não foi, fui chamada ao gabinete. Porque não podia ser, porque mais isto e mais aquilo... Os meninos não podem ser expulsos da aula.

 

Então eu disse ao Senhor Presidente do Conselho Directivo da Escola: «O que não pode ser é eu ser ameaçada por um fedelho com treze ou catorze anos, e ficar-me por ali mesmo. E se ele me desse o pontapé na barriga? Não permito que ninguém, muito menos um aluno, me falte ao respeito; não permito indisciplina nas minhas aulas; e se estas minhas simples regras não tiverem lugar nesta escola, faça queixa de mim a quem quiser, ponha-me um processo disciplinar, ou ponha-me na rua, que eu saio imediatamente pela porta da frente, e não volto a entrar; e se tiver de ir lavar retretes para ganhar a vida, prefiro, a continuar num lugar onde não há disciplina nem autoridade – regras de ouro para o bom funcionamento de uma escola e para a boa educação dos alunos».

 

O Senhor Presidente do Conselho Directivo ficou estupefacto com o meu atrevimento. O mau ambiente instalou-se. Quem é que ela pensa que é? Ouvia-se. E eu era apenas a bacharel rebelde (nesse ano terminava a minha Licenciatura em História), que não abdicava da minha cidadania, e dos meus princípios e dos meus direitos. Aguardei o castigo. Porém, o castigo não veio.  

 

Continuei, pois, a manter as minhas regras de disciplina com os meus alunos, e não haveria lei nenhuma que me obrigasse a aturar catraios indisciplinados. Dentro da sala de aula a autoridade era eu. Não abdiquei nem um milímetro da regra do respeito mútuo e das benfazejas disciplina e autoridade, dentro da sala de aula. Desse modo consegui manter as minhas turmas no bom caminho, e a partir de então nunca mais tive qualquer problema, no decurso das minhas aulas. Ao mínimo deslize, o aluno sabia que ia porta fora, gostasse ou não gostasse o Senhor Presidente do Conselho Directivo. Houvesse ou não houvesse leis a dizer o contrário. Nas minhas aulas a autoridade era eu. Se não fosse para ser eu, não me contratassem e pagassem para ENSINAR.

 

Para mim, o conceito de Ensinar não é apenas “despejar” matéria para cima dos alunos, como se despeja um copo de água. Por detrás do ensinar, há muitas outras regras que um Professor tem obrigação de apresentar aos seus alunos, como o respeito mútuo ou a disciplina, e até a higiene pessoal.

 

No final daquele ano lectivo, fui mãe, e decidi abandonar o Ensino, onde não havia lugar para mim, pois estaria sempre à margem das novas “filosofias libertárias”, aplicadas ao ensino pós-25 de Abril, que não se coadunavam, e tanto quanto sei, ainda não se coadunam, com o conceito de Educação.

 

Dediquei-me ao Jornalismo de causas. Não consegui mudar nada, até porque um palito não faz uma canoa. Mas o mais importante é não nos tornarmos cúmplices do desgoverno.

 

Pelo que se vê, depois desta minha desastrosa passagem pelo Ensino, as coisas foram piorando, cada vez mais.

 

E hoje, o que é a Escola, hoje? Um lugar de medo, onde não existe disciplina, nem autoridade, nem respeito por coisa nenhuma. Alunos atacam alunos. Alunos atacam professores. Professores atacam alunos. Os pais dos alunos atacam os professores. E o que acontece a uns e a outros? Nada, ou quase nada.

 

Certa vez, um menino chamado Leandro, vítima de bullying, atirou-se ao rio, por medo. Um professor de Música lançou-se ao Tejo, porque não aguentava as agressões dos alunos. Pergunta: então onde fica a disciplina e a autoridade?

 

A partir de um certo momento, os professores deixaram de se preocupar. Despejam a matéria, cujos conteúdos e programas são de bradar aos céus, alguns deles com atraso considerável (ex. o ensino da Matemática) em relação aos restantes países europeus; escrevem e falam mal a Língua Materna, que passou de língua íntegra a dialecto, sendo o índice de iliteracia bastante elevado; e ainda aguentam a falta de educação e indisciplina dos alunos. Chegam ao fim do mês, recebem o salário, que é o que mais interessa, e o resto que se lixe!

 

É urgente uma revolução no Ensino.

É urgente uma revolução na Educação.

É urgente uma revolução na Cultura.

É urgente a demissão dos ministros que tutelam o Ensino, a Educação e a Cultura, os quais não servem os interesses escolares, mas tão-só interesses subalternos, que não se encaixam nas exigências de um ensino de qualidade.

 

É urgente mudar de paradigma. É urgente um ensino escolar baseado no respeito mútuo e nos valores humanos mais primários, e no ensinamento-base de todos os ensinamentos: «Não faças aos outros o que não queres que te façam a ti», uma sentença que já vem de um tempo sem tempo, adoptada na antiguidade por todos os filósofos, e que eu sempre fiz questão de passar aos meus alunos.  

 

Ou as escolas portuguesas entram nos carris de um ensino de excelência, a começar pelo da Língua Portuguesa, a matéria-prima de todas as matérias escolares, retomando a grafia de 1945, ou Portugal estará irremediavelmente perdido para o futuro, porque os que estão a ser actualmente (de)formados por um ensino, uma educação e uma cultura assentes em areias movediças, e com um elevado insucesso e abandono escolares, não estarão à altura dos desafios, cada vez mais exigentes e competitivos, do tempo que aí vem.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:48

link do post | comentar | ver comentários (5) | adicionar aos favoritos
partilhar
Sábado, 3 de Julho de 2021

«A todos os escreventes e falantes da língua portuguesa: um pedido»

 

Uma excelente lição de Português por Manuel Matos Monteiro -  autor, jornalista, formador e revisor.

 

Manuel Matos Monteiro.jpg

 

Por Manuel Matos Monteiro (*)

2 de Julho de 2021 

 

Só me resta desejar que o “pôr-do-sol” não se transforme no “colocar-do-sol”. E que quem citar Camões não diga que Inês estava linda COLOCADA em sossego.

 

 

Certo dia, ouvi um entendido (dir-se-á hoje: um “especialista”) em comunicação explicar que um palestrante tinha mais probabilidade de provocar um efeito duradouro nas mentes dos ouvintes se repetisse dez, onze, doze vezes a mesma ideia, em lugar de expor dez, onze, doze ideias. Escreverei este texto à luz desse conselho.

 

Para quem está atento ao uso da língua, os verbos ser, estar, ter, fazer, poder, pensar, achar, dizer e haver são (acabei de empregar dois deles nesta frase) omnipresentes. O problema não é (eis o verbo ser) novo. O verbo ser é (ei-lo outra vez!) o mais utilizado, até pela dificuldade em reconhecer a repetição: éramos, fôssemos, é, somos são (ei-lo novamente!) conjugações verbais traiçoeiras, porquanto muitos não identificarão nelas, intuitiva e imediatamente, o ubíquo verbo ser.

 

Mas o problema gigante e de solução simples que aqui pretendo apresentar (apresentar e não “colocar”) é outro. Já não há pachorra para o verbo colocar. Não há hoje outro verbo para “questões” (quase não há perguntas hodiernamente, só questões), “dúvidas”, “cenários”, “hipóteses”. A toda a hora e em toda a parte, colocam-se questões, dúvidas, cenários, hipóteses, problemas, senhas, códigos, números, vírgulas, isto, aquilo e aqueloutro. Habitantes e frequentadores do espaço público, já chega. Cultivem a diversidade vocabular. Há outros verbos. Há outras formas de dizer.

 

Já não se põem os pontos nos is. Colocam-se.

Já não se põe em prática alguma coisa. Coloca-se.

Já não se põe em risco algo. Coloca-se.

Já não se põe em sentido. Coloca-se.

Já não se põe um ponto final no assunto. Coloca-se.

Já não se põe uma pedra no assunto. Coloca-se.

Já não se põe de parte. Coloca-se.

Já não se põe de lado. Coloca-se.

Já não se põe alguém na ordem. Coloca-se.

Já não se põe em ordem. Coloca-se. Coloca-se em ordem alfabética, por exemplo.

Já não se põe algo a funcionar. Coloca-se.

Já não se põe em destaque (podemos simplesmente “destacar”, recorde-se). Coloca-se.

Já não se põe alguém ao corrente de. Coloca-se.

Já não se põe em causa. Coloca-se.

Já não se põe em dúvida (podemos simplesmente “duvidar de”, recorde-se). Coloca-se.

Já não se põe a descoberto. Coloca-se.

Já não nos pomos no lugar do outro. Colocamo-nos.

Já não pomos o lixo no lixo. Colocamo-lo.

 

As informações já não são publicadas, divulgadas, inseridas; são colocadas.

Fulano já não se põe na/numa posição. Coloca-se.

Muitos já nem sequer se põem a par de. Colocam-se.

Muitos já nem sequer põem algo à venda. Colocam-no. Muitos já nem põem o dinheiro no banco. Colocam-no.

Muitos já nem se queixam de que ponham palavras na sua boca que não disseram. Queixam-se de que coloquem palavras na sua boca que não disseram.

 

O futebolista já não põe a bola no fundo das redes. Coloca-a. Como a coloca nos pés ou na cabeça do colega de equipa. No basquetebol, também já se vai colocando a bola no cesto. Quanto ao mais, para o que quer que seja, já não se põe lá dentro (“meter” é outra opção); coloca-se lá dentro.

 

Mais vale a rendição total! Quando saímos de casa, não se diga que “pomos os óculos/a máscara”, colocamo-los/la. (Meter só se os pusermos dentro de algo.) Também não os/a guardamos algures. Colocamo-los/la algures.

 

Não raro, até já nem se deita ou põe água na fervura, “coloca-se”!

Não raro, até já nem se deposita ou põe a esperança em, “coloca-se”!

Não raro, até já nem se põe termo a, “coloca-se”!

Não raro, até já nem se põe cobro a, “coloca-se”!

Não raro, há até quem se “coloque a jeito”! Não raro, até se “coloca o dedo na ferida”!

Não raro, até “colocar-se em fuga” se encontra! (Podemos simplesmente “fugir”, recorde-se.)

Não raro, até se “coloca em evidência”! (Temos evidenciar(-se), recorde-se.)

Não raro, até se “coloca a cabeça [a própria ou a de outro] em água”!

 Não raro, até se “coloca a escrita em dia”!

Não raro, até se “coloca a nu”!

Não raro, até se “colocam as barbas de molho”!

Até “colocar o assunto para trás das costas” já li!

 

É de pôr os cabelos em pé! Que digo? É de colocar os cabelos em pé! Sabem que mais? Nesta matéria, já não ponho as mãos no fogo por ninguém. Perdão: já não “coloco” as mãos no fogo por ninguém.

 

Não tardará — deixará de se pôr a boca no trombone. Colocar-se-á.

Não tardará — as galinhas colocarão ovos.

Não tardará — “colocar-se ao fresco” triturará o “pôr-se ao fresco”.

Não tardará — passaremos a dizer: “Coloca-te fino/a!”

Não tardará — passaremos a afirmar: “Coloca-te bom/boa!”

Não tardará — diremos e escreveremos: “Colocou-se de joelhos.” (Podemos simplesmente “ajoelhar-nos”, recorde-se.)

Não tardará — passaremos a pedir: “Coloca-te bonito/a para mim.”

Não tardará — “pôr a mesa” será um arcaísmo, “colocar a mesa” triunfará. A mesa estará, por conseguinte, colocada.

 

Não tardarão a circular com naturalidade diálogos como:

— Já coloquei a carne a grelhar. O peixe está bom?

— Está óptimo, obrigado. Se puder colocar mais arroz e batatas, agradecia.

— Com certeza. Entretanto, posso colocar-lhe mais vinho no copo?

 

Com esta sobredosagem, com esta onda imparável, coloquialismos, vulgarismos e expressões rudes acabarão colonizados pela praga. “Põe-te a andar”, “põe-te a mexer”, “põe-te manso”, “põe-te daqui para fora”, “põe-te nas putas”, “põe-te a milhas”, “põe-te na linha”, “põe-te na alheta” tenderão a ser ditas e escritas com o verbo colocar. Procure hoje o leitor tais expressões com o verbo colocar. Viu? Já andam por aí.

 

Na fila da bomba de gasolina, ouvi um sujeito dizer a outro: “Olhe, coloque-se na fila, se faz favor.” Pareceu-me escutar o futuro. Qualquer dia, o João coloca-se a chorar e a Joana coloca-se a gritar, para depois se colocarem a cantar e a dançar.

 

 Só me resta desejar que o “pôr-do-sol” não se transforme no “colocar-do-sol”. E que quem citar Camões não diga que Inês estava linda COLOCADA em sossego. Posta em sossego — elegância, economia, estilo, beleza, eufonia. Haja ouvidos que ouçam. Que acrescenta colocar a pôr? Sílabas, essencialmente.

 

Consulto dicionários de expressões idiomáticas e nem sequer encontro o verbo colocar. Folheio, entre outros dicionários, o Houaiss, e dele não constam expressões idiomáticas ou fixas no verbete “colocar”.

 

Ponham isto na cabeça, escreventes e falantes da língua portuguesa, mormente os do espaço público — ou se preferirem: coloquem isto na cabeça. De joelhos, imploro a todos: podem, por favor, por favor, por favor, por favor, por favor, por favor, por favor, por favor, moderar o uso de tal verbo?

 

Nota: “pôr” não perdeu o acento com o metuendo “novo acordo”, erro que se vê muito mais vezes desde a aplicação desse nefando instrumento, que, além de cês e pês, não estima hífenes e acentos. As publicações periódicas que assinalam que determinado autor segue “o novo acordo” deveriam, quase sempre, substituir tal inscrição por: “acredita que segue o novo acordo”. 

(*) Autor, jornalista, formador e revisor

 

Fonte:

https://www.publico.pt/2021/07/02/culturaipsilon/opiniao/escreventes-falantes-lingua-portuguesa-pedido-1968823?fbclid=IwAR1YlpbCXAfXcZ8pyeIxF3imDliQIewVjHj2oYZRnv92B7nRbzKgL6aGMR8

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:15

link do post | comentar | adicionar aos favoritos (1)
partilhar
Sexta-feira, 2 de Julho de 2021

«O abuso das resoluções e a irresponsabilidade ortográfica»

 

Por Nuno Pacheco

 

“Se há o português do Brasil e português europeu, porque é que não há o português de Angola ou de Moçambique ou da Guiné?” É fácil: porque há uma fraude chamada Acordo Ortográfico.

 

Nuno Pacheco.jpg

Origem da imagem:  https://www.facebook.com/photo?fbid=4177153959038310&set=a.116537818433298

Ignorãncia dos políticos.jpg

 

«O alerta vem de dois deputados e foi notícia no PÚBLICO de 28 de Junho: a Assembleia da República (AR) abusa de resoluções. Só entre 2015 e 2019 foram entregues pelos partidos 2278 projectos de resolução, com um pico na sessão legislativa 2017-2018 de 753 projectos, número que a actual está prestes a atingir, ou até ultrapassar, pois já vai nos 731. Qual o mal disto? Dar a impressão, falsa, de que vivemos num modelo de “governo de Assembleia”, o que é “inviável de acordo com o nosso sistema político”.

 

Quem o diz, citado pelo PÚBLICO, é Jorge Lacão (PS), ex-vice-presidente da Assembleia da República, que critica a “verdadeira inflação” desta figura regimental que “não passa de ser uma simples recomendação ao Governo”. Igual opinião tem Luís Marques Guedes, antigo líder parlamentar do PSD e actual presidente da Comissão de Assuntos Constitucionais, que vê nelas apenas um “resolve recomendar”.

 

Convém recordar que a Constituição atribui à AR a competência de (artigo 166.º) fazer e aprovar leis (a constitucional, a orgânica ou “sobre todas as matérias, salvo as reservadas pela Constituição ao Governo”), moções e resoluções que, estabelece ainda o mesmo artigo, “são publicadas independentemente de promulgação”. Sempre. Ora foram estas, precisamente, que se tornaram “moda”. Ouçamos, de novo, Lacão: “Não custa nada aprovar recomendações para que os outros as executem, não envolvendo isso nenhuma forma de responsabilização própria”; ou ainda: “A opinião pública, ao ouvir dizer que determinadas matérias foram aprovadas, fica persuadida que elas se tornaram efectivamente executórias o que não é verdadeiro”.

 

Com a “lição” aprendida, vem a propósito recordar um velho tema: o Acordo Ortográfico de 1990. Lembram-se de como foi aprovado? Sempre por resoluções. Primeiro o dito e depois os dois protocolos modificativos. Não admira, assim, que em tão polémica matéria sobressaia a ideia de irresponsabilidade parlamentar. “Não custa nada aprovar recomendações para que os outros as executem, não envolvendo isso nenhuma forma de responsabilização própria”, não é verdade? Daí que a iniciativa legislativa de cidadãos (ILC-AO), já aceite como projecto de lei e cujo objectivo é revogar o segundo protocolo modificativo do acordo (o tal que determinou que ele pudesse entrar em vigor com o “sim” de apenas três países), tenha esbarrado num muro. Até pelo desaforo de cidadãos a quererem fazer leis, quebrando o doce paraíso das resoluções.

 

Voltando um pouco atrás: para os que duvidam, o Acordo Ortográfico não é lei, nem nunca foi instituído como tal. Logo, ninguém fora da tutela governamental é obrigado a aplicá-lo. Se o Governo, seguindo o “resolve recomendar” da AR (ratificado pelo Presidente da República), decidiu pô-lo em prática, essa decisão só abrange as instituições a ele subordinadas, como a Função Pública (ensino incluído) ou a máquina estatal. Os privados podem aderir ou não.

 

Mas o expediente que ditou o abuso do segundo protocolo do AO90 vem de trás, do Conselho de Ministros da CPLP realizado em Brasília em 2002. Aí, “para agilizar a entrada em vigor” de actos firmados entre estados-membros, decidiu-se “recomendar seja considerada a conveniência” (sic) de incluir este artigo: “O presente Acordo entrará em vigor no primeiro dia do mês seguinte à data em que três Estados membros da CPLP tenham depositado na sede da CPLP […] os respectivos instrumentos de ratificação ou documentos equivalentes que os vinculem”. Para os que ficassem de fora, “o mesmo entrará em vigor no primeiro dia do mês seguinte à data do depósito”. E foi esta recomendação (que abusivamente se fez “lei”), sustentada em “resoluções” (sem nenhuma lei pelo meio), que ditou a sorte da ortografia da língua portuguesa!

 

Enquanto isto, vamos continuando a adiar o óbvio. Há dias, a Associação de Professores e Investigadores de Língua Portuguesa no Reino Unido promoveu em Glasgow um simpósio para discutir a “Diversidade linguística do português: oportunidades e desafios pedagógicos”. Luís Gomes, co-organizador e professor de português na universidade de Glasgow, interrogava-se, a propósito: “Se há o português do Brasil e português europeu, porque é que não há o português de Angola ou de Moçambique ou da Guiné?” Sim, porquê? É fácil: porque uma fraude chamada Acordo Ortográfico veio interpor-se na progressão natural da língua. Até que o removam, continuaremos a enganar-nos. A este propósito, uma boa notícia: surgiu no Facebook uma nova trincheira. Chama-se “Portugal em Movimento Contra o AO90” e faz este apelo: “Todos juntos seremos imparáveis e capazes de derrotar a inutilidade que é o AO90!” Assim seja.

 

ESCLARECIMENTO:

 

Da leitura do texto pode concluir-se, erradamente, que a Assembleia da República se desresponsabilizou no caso do Acordo Ortográfico ao aprová-lo, e aos respectivos protocolos modificativos, por via de resoluções. Ora neste caso concreto, as resoluções (não deixando de ser figuras decisórias menores no âmbito da AR) não são recomendações ao governo, mas sim aprovações a pedido do próprio governo, já que faz parte das competências do Parlamento (CRP, artigo 161.º, alínea i) a aprovação de Tratados Internacionais (caso do AO90). No entanto, o facto de a Assembleia da República aprovar uma resolução que é proposta pelo Governo não a isenta do seu papel de fiscalizadora da acção governativa, antes pelo contrário.

 

Mais adiante, quando se refere a IV Conferência dos Chefes de Estado e de Governo da CPLP, realizada em Brasília (2002), como origem do processo “que ditou a sorte da ortografia da língua portuguesa”, isso quer dizer que foi nessa reunião que se sugeriu que se passasse a usar o método de “três por todos” nos actos firmados, a partir dessa data, entre os estados-membros. O segundo protocolo do AO90, já a coberto dessa lógica, viria a ser aprovado dois anos mais tarde, em 2004, na V Conferência dos Chefes de Estado e de Governo da CPLP, realizada em São Tomé e Príncipe. Num caso e noutro, em discordância com a Convenção de Viena sobre Tratados Internacionais que Portugal ratificou também em 2004

 

Fonte:

https://m.facebook.com/groups/178207905663865/permalink/1992169557601015/?comment_id=1992170287600942

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:36

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

Depois de ter contribuído para o caos ortográfico, imposto ilegalmente a Portugal, o ministro Augusto Santos Silva quer abandonar o governo…

 

Já vai tarde, senhor ministro dos Negócios DOS estrangeiros!

 

Depois de ter contribuído para a destruição da Língua Portuguesa, SS sai sem ter feito NADA por Portugal. Ficará para sempre ligado à sua teimosa subserviência a um "tratado" internacional (AO90) que apenas ele, como ministro dos Negócios Estrangeiros, quis fazer cumprir, contribuindo, deste modo, para o miserável caos ortográfico imposto ao País.

 

Agora quer ir embora, deixando atrás de si um rasto de vergonhosa subserviência a um país estrangeiro.

 

Pobres alunos, que nada terão para aprender com tal "professor".

 

Isabel A. Ferreira

 

SS - António Cotrim-LUSA.jpg

Fonte da notícia e da foto aqui:

 https://onovo.pt/pais/dias-contados-no-governo-santos-silva-espera-que-ps-lhe-permita-voltar-a-dar-aulas-FE457337

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:59

link do post | comentar | adicionar aos favoritos (1)
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Setembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Quando ouço dizer que o A...

. «Abaixo a Ditadura Ortogr...

. «O Desacordo» [que apena...

. Um cartaz muito “sui gen...

. «Admirável Língua Nova – ...

. Reduzir a língua escrita...

. Jair Bolsonaro constrange...

. Considerações, actos e fa...

. Portugal vs. Brasil: a ig...

. Ministério dos Negócios E...

.arquivos

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.
blogs SAPO