Quarta-feira, 30 de Agosto de 2023

Palácio de Belém abre portas a quatro dias de Festa do Livro [acordizado?]. Uma boa ocasião para questionar Marcelo Rebelo de Sousa sobre a inconstitucionalidade do AO90

 

Em Março do corrente ano, um  Grupo Cívico de Cidadãos enviou a Marcelo Rebelo de Sousa, a primeira das quatro vias de um APELO  para que faça cumprir a alínea 3, do Artigo 11.º, da Constituição da República Portuguesa, o qual Marcelo pura e simplesmente DESPREZOU,  como se os 297 cidadãos portugueses e alguns brasileiros não merecessem resposta por sermos animais irracionais? Por sermos poucos? AINDA somos poucos, mas CONTAMOS.

 

Da lista fazem parte cidadãos das mais variadas áreas profissionais, no activo e reformados, que exigem do Chefe de Estado Português uma posição firme em relação à ilegalidade e inconstitucionalidade da aplicação do AO90 nas escolas e, subsequentemente, a introdução da Variante Brasileira do Português, em Portugal, descartando a NOSSA Língua, consignada na Constituição da República Portuguesa.

 

Todos sabemos que Marcelo Rebelo de Sousa é um luso-brasileiro, mais brasileiro do que luso, e um fervoroso defensor do AO90, mas, acima de tudo, é o PRESIDENTE DA REPÚBLICA PORTUGUESA e, como tal, deveria comportar-se DEFENDENDENDO os interesses de Portugal, em vez de, DESCARADAMENTE, defender os interesses do Brasil.

 

Isto é algo intolerável, e se a comunicação social, bajuladora e servilista, não cumpre o seu papel que é o de INFORMAR o País da vergonhosa subserviência dos órgãos de soberania portuguesa ao Brasil, permitindo que Portugal já seja considerado, naquele país, o seu 28º Estado, e que o Português, que circula na Internet, seja assinalado pela bandeira brasileira, em vez de o ser pela bandeira de Portugal, haja quem o faça.  Somos um Grupo Cívico que tem DIREITO a ser considerado.

 

Seria possível alguma vez a Língua Inglesa ser assinalada, na Europa, pela bandeira dos EUA? JAMAIS! E sabem porquê? Porque os órgãos de soberania do Reino Unido são VERTEBRADOS, não andam curvados. Têm verticalidade.

 

Daí que venha CONVOCAR todos os subscritores do APELO  que residem em Lisboa ou nos arredores, ou os  DESACOSDISTAS que possam deslocar-se a Belém para as seguintes acções:

- que vão a Belém e tentem chegar à fala com Marcelo e lhe entreguem uma cópia em papel do apelo que fizemos;

- os jornalistas no activo, que fazem parte da lista dos subscritores, poderiam pedir-lhe uma entrevista;

- os escritores anti-AO, que participarão na Feira, peçam ao PR uma audição para falar neste assunto gravíssimo para o nosso País, para o nosso Povo, para a nossa Cultura, para a nossa História, para o FUTURO das nossas crianças e jovens que andam a levar gato por lebre nas escolas.

- ou outra iniciativa qualquer...

 

É porque já chega de nos fazerem de parvos.

Eu é que não tenho condições de ir a Lisboa, neste momento. Se tivesse, havia de fazer alguma coisa que se visse. Lamento muito não poder ir. 

Este é um bom momento para ACTUAR. 
E que ACTUE quem puder. Por favor.

 

Eis o link para a notícia desta Festa do Livro, que não deixa de ser uma iniciativa FALACIOSA, uma vez que NÃO se trata de promover a NOSSA Cultura Linguística, mas disseminar uma linguagem que não nos pertence, e que Marcelo promove por todos os meios ao seu alcance, DESCARADAMENTE, inclusive no Palácio de Belém , a sede da Presidência da República Portuguesa. 

https://www.timeout.pt/lisboa/pt/noticias/palacio-de-belem-abre-portas-a-quatro-dias-de-festa-do-livro-082423

 

Isabel A. Ferreira

 

FEIRA EM BELÉM.PNG

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:29

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 28 de Agosto de 2023

A mitologia lusófona

 

Por João Gonçalves

Jurista

 

 https://www.jn.pt/4802568616/a-mitologia-lusofona/

 

JOÃO GONÇALVES.png

 

Terminou ontem, em São Tomé e Príncipe, mais uma reunião da CPLP. Convém descrever brevemente o que é a CPLP. Trata-se da mundialmente famosa Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, uma espécie de “Commonwealth” de trazer por casa entre Portugal e as suas antigas colónias, mais um. Esse “mais um” é a extraordinária Guiné Equatorial, admitida ali há nove anos, a que preside, vai para 45 anos, o sr. Teodoro Obiang Nguema Mbasogo.

 

Em 2014, aquando da absurda admissão da ditadura do sr. Obiang, as “condições” incluíam a “promoção do português” e uma espécie de moratória para a abolição da pena de morte num país que queria integrar uma “comunidade” com alguns pergaminhos nessa matéria, pelo menos por parte da antiga potência “colonizadora” que a abolira há muito. Quanto ao português, ignoro os progressos. E a pena de morte, apesar de teoricamente abolida em Setembro de 2022, ainda consta da Constituição autóctone.

 

Se falo nisto, é porque à hora que escrevo ainda não é certo que, como desejava nomeadamente Portugal, ali representado por Marcelo e Costa, a próxima presidência da CPLP vá parar às mãos da outra Guiné, a de Bissau. O regime de Obiang estava a pressionar para ser a Guiné Equatorial, como se depreendeu da curta intervenção do seu presidente numa reunião restrita da “cimeira”. Desde 2010 que Portugal foi efectivamente “engolido” no processo de adesão da Guiné Equatorial à CPLP, não obstante a clara oposição do presidente Cavaco Silva. Angola, Moçambique e, muito provavelmente, o Brasil do sr. Lula (a sua antecessora Dilma deixou a coisa passar) são os mais proeminentes apoiantes de Obiang, apesar da natureza do regime, por causa do abençoado dinheiro e dos não menos abençoados negócios.

 

Para os devidos efeitos, aquilo é uma potência económica, fale, ensine, ou não, português como língua oficial, e elimine ou não de vez a pena de morte. Em 2014, aconteceram umas promessas de negócios com petróleo e, imagine-se, de dinheiro fresco para o Banif que se extinguiria, famosamente, no ano seguinte.

 

Dito isto, ainda falta o Acordo Ortográfico, que nós oficialmente adoptámos - e que a CPLP, como tal, não - para andar a babujá-lo por livros, escolas e órgãos de comunicação social, em modo original de libertinagem gramatical, nem carne nem peixe, enquanto os nossos parceiros, nomeadamente Angola, praticam o excelente português que herdaram antes de 1990. Já que, pelos vistos, nada se respeita particularmente na frívola CPLP, ao menos respeite-se a matriz de uma língua secular com milhões de falantes pelo Mundo fora.

 

O autor escreve segundo a antiga ortografia

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:37

link do post | comentar | ver comentários (4) | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 24 de Agosto de 2023

Marcelo Rebelo de Sousa quebra protocolo, e discursa em Ucraniano, na cerimónia oficial da celebração do Dia da Independência da Ucrânia. Pudera! O que é para ele a Língua do País que diz representar? NADA.

 

Quando vi a notícia, nem quis acreditar!

Foi como presidente da República Portuguesa (não foi como o cidadão luso-brasileiro Marcelo Rebelo de Sousa, cidadão mais brasileiro do que português) que discursou. Foi o presidente da República Portuguesa que discursou na Língua Oficial da Ucrânia, em representação da NAÇÃO portuguesa.

O que devemos pensar?

Terá Portugal uma Língua Oficial para ser usada pelo PR, num discurso onde representa Portugal?

Não tem. Já não temos Língua que nos represente.


Isto é algo que nenhum presidente, que tenha a noção do DEVER e dos protocolos de Estado, faz.

Portugal já NÃO tem Língua Oficial, não, aquela que está consignada na Constituição da República Portuguesa.

Marcelo Rebelo de Sousa ao discursar em Ucraniano (se pronunciou as palavras ucranianas do mesmo modo que pronuncia as palavras da Variante Brasileira do Português, que ele tanto gosta de usar, nos discursos também oficiais em cerimónias onde o Brasil está presente, devia ter sido de fugir!!!) passou uma imagem pobre de Portugal, pois Portugal NÃO esteve ali representado pelo símbolo maior que o identifica: a sua Língua.

E ninguém é capaz de dizer ao PR que quando está a representar Portugal, como Chefe de Estado, deve discursar em Língua Portuguesa, a Língua Oficial do País que diz representar?

 

Ele está-se nas tintas para Portugal e para os Portugueses, descarta a Língua Oficial do País que diz representar, não dignifica o cargo que ocupa com estas e outras atitudes. Viram aquela da visita à trincheira e a saída dela, que está a correr mundo, num vídeo intitulado «O resgate do soldado Marselfie» - como agora o PR está a ser designado?

Uma pobreza franciscana!

Envergonhei-me, indignei-me, senti-me insultada com estas atitudes, que NÃO honram o cargo de Presidente da República.

Ai, Marcelo é diferente! Dizem-me. Ah! pois é. Faz tudo para alimentar o seu imenso ego e o seu elevado narcisismo. Não foi por acaso que foi à Ucrânia passar este dia. Teve um pouco de azar com a notícia da morte de Prigozhin, que lhe retirou protagonismo.


Isabel A. Ferreira

 

MArcelo.PNG

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:50

link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 18 de Agosto de 2023

No Facebook já se traduz do Português para a Variante Brasileira do Português, com “Tradução Automática”. Inacreditável! Só ver para crer...

 

Eu escrevo segundo a LEI vigente, no MEU PAÍS. A Página  NOVO MOVIMENTO CONTRA O AO90 no Facebook, onde a referida tradução automática foi feita, está alojada em Portugal (suponho eu!). Não está no Brasil (suponho eu!)

Mas o improvável aconteceu.

 

Escrevi correCtamente a palavra exaCtamente, de acordo com a Lei que me obriga a NÃO mutilar as palavras, quando as consoantes têm uma função diacrítica, ou seja, conforme a Grafia de 1945, consignada na Lei vigente.

 

O tal tradutor automático traduziu o que estava correCtamente escrito, para “exatamente”, ou seja, para a grafia da Variante Brasileira do Português, que NÃO pertence à minha Língua Materna.



Se o tradutor teve a intenção de a traduzir para a grafia do AO90, pensando que em Portugal o AO90 está em vigor e que essa grafia nos pertence, enganou-se redondamente.



E o pior de tudo é que temos uns linguistas, uns dicionaristas, uns professores, uns jornalistas, uns juristas, umas autoridades judiciais, uns desgovernantes, que aceitam esta USURPAÇÃO como sendo legal.

 

E o que mais sobressai disto tudo,  é o DESPREZO que o chefe de Estado da Nação Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, vota a esta questão, que ele considera um não-assunto, mas que o DESAUTORIZA, como representante-mor da República Portuguesa.

Teremos fantoches no Poder, em Portugal? Se não temos é o que parece, e é o que mais surpreende os estrangeiros, que conhecem a Língua Portuguesa, mas também a Variante Brasileira da Língua Portuguesa.

 

Ainda um destes dias um cidadão italiano me escreveu dizendo que gostava da Língua Portuguesa, e obviamente, NÃO escolheu a Variante Brasileira do Português para a aprender. Obviamente, porquê? Porque a Variante Brasileira do Português NÃO representa a Língua Portuguesa.

 

Posto isto, o que tenho para lamentar é que Portugal está entregue a bonifrates, no que à Língua Portuguesa diz respeito, mas não só. E é como BONIFRATES manipulados por um país estrangeiro, que ficarão para a História.

 

O que está a passar-se, no nosso País, NÃO durará para sempre, porque o que nasce MAL e de MÁ-FÉ, mais dia, menos dia, perecerá. 

 

EXACTAMENTE.png

 

EXATAMENTE.png

Sem comentário...

Isabel A. Ferreira

 

a

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:13

link do post | comentar | ver comentários (4) | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 14 de Agosto de 2023

Ponto único: os decisores políticos portugueses e, muito menos, os decisores políticos brasileiros NÃO são os donos da Língua Portuguesa. BASTA de negociar o património linguístico de Portugal como se fosse um cacho de bananas...

 

ATENÇÃO.png

 

Vem isto a propósito de um artigo publicado no Expresso, no passado dia 20 de Julho, sob o título O português de Portugal está em risco?, assinado pelo  economista português Rodrigo Tavares, o qual passa bem por brasileiro.

 

Ao ler este artigo senti-me insultada. E não fui a única.

 

Vou fazer completamente minhas as palavras do cidadão pensante Sérgio Teixeira que,   sobre a argumentação apresentada pelo articulista, no referido artigo, o qual se prestou a vender gato por lebre, talvez  pensando que todos os leitores são tão servis como os decisores políticos portugueses, disse o seguinte: «Repudio por completo esta argumentação sofística vestida com jargões inacessíveis e léxico brasileiro para dar ideia, no texto, que o dialecto brasileiro por ter estes termos pluri-étnicos inseridos por alporquia na Língua Portuguesa, que é mais virtuoso, dinâmico e adaptável. (Adaptável a quê?). Na óptica dele, um economista (!), quanto mais descaracterizada, delapidada, esfrangalhada e, obviamente, mais abrasileirada, mais interessante é a Língua Portuguesa! São assim tão importantes os negócios no e com o Brasil para que estes senhores digam estas alarvidades com cara e tom sérios?» 

 

Eu também repudio.

Nem todos os leitores e nem todos os portugueses são servis, nem servos da gleba.

 

Eis uma outra opinião sobre o mesmo artigo, da cidadã pensante Maria José Abranches, a qual também subscrevo inteiramente, e que aqui deixo como testemunho do sentimento de rejeição que estes arautos da novilíngua provocam nos portugueses que têm a capacidade de PENSAR:

 

«Leiam, por favor: «A língua portuguesa está efectivamente em risco», Francisco Miguel Valada, no "Público", a 03/08/2023.

Felizmente há quem não se cale, e a persistência incansável deste autor é de salientar e louvar (...).

Peço desculpa por me repetir, mas creio sinceramente que o maior crime nesta matéria é o silêncio, sobretudo de quem tem posição cultural, política e socialmente visível! Porque é indispensável 'gritar', até que alguém responsável nos ouça e tenha vergonha da traição, ao país e ao povo que somos há séculos, de que são responsáveis - a começar pelo Presidente da República!

Os meus dois comentários ao artigo que referi, já publicados, que passo a transcrever:

Excelente! «Porque há-de haver quem ouça, ainda há-de haver / quem ouça.» (Jorge de Sena, "O Grito do Silêncio"). Sim, a nossa língua «estará sempre em risco, enquanto (...) pairar sobre ela» "uma classe tecnocrático-burocrática, de aleatório saber, mas, sobretudo de específica vontade de poderio e gozo de privilégios, a única que até hoje tem fabricado a 'imagem portuguesa' em função da qual Portugal parece escolher-se «livremente», quando afinal é (e foi) apenas por ela 'escolhido'. (Eduardo Lourenço, "O Labirinto da Saudade").

Não assino nem compro nada em 'acordês', mas fui ler esse artigo de Rodrigo Tavares, "O português de Portugal está em risco?" - de que vou salientar uma passagem: «Não convém esquecer que o português deriva do Latim Vulgar, aquela língua do povo que se misturou a dialetos locais. Por isso é que sobreviveu.» Qual é a ideia?! Evitar o referido 'murchar' do português europeu, adoptando tudo o que vem de fora, até que surja uma outra 'nova' língua? E que tal ensinar Português capazmente nas nossas escolas e cuidar do seu emprego nos 'media', evitando, por exemplo, a perda colossal de vocabulário que está a acontecer, visto que já poucos lêem e poucos se exprimem, por escrito e oralmente, com profundidade e riqueza?»

 

As análises que acabei de reproduzir dizem tudo ou quase tudo o que há a dizer sobre esta imposição forçada de uma linguagem que nada diz aos Portugueses, porque a NOSSA Cultura é diferente da Cultura brasileira. Nem é melhor, nem é pior, é simplesmente DIFERENTE, e cada Povo deve ficar com a sua, porque é a maneira mais inteligente de estar no mundo.

 

O economista Rodrigo Tavares tem todo o direito de escrever artigos de opinião e publicá-los em jornais que se prestam a aceitá-los acriticamente, mas não tem o direito de vir para o país dos outros tentar impingir uma linguagem que só ao Brasil pertence. Não queiram que os Portugueses passem a dizer “xará” (vocábulo tupi, que significa que tem o mesmo nome que outro), só porque o Brasil descartou o vocábulo português homónimo (do Latim homonymus < Grego συνώνυμος) que significa que tem o mesmo nome que outro. O Brasil tem toda a legitimidade de escolher entre “homónimo” e “xará”, mas NÃO tem a legitimidade de insinuar que passemos todos a dizer “xará”.

 

Ao ler este artigo fica-se com a nítida sensação de que existe um conluio entre Portugal e Brasil, para impor aos Portugueses, de um modo FORÇADO, ou seja, ditatorialmente, a Variante Brasileira do Português, e, para tal, até se forjou uma artimanha, que dá pelo nome de acordo ortográfico de 1990, saído da mente do enciclopedista brasileiro-libanês, Antônio Houaiss, que acenou aos políticos portugueses com os milhões de falantes sul-americanos do mal denominado “português” do Brasil, DESLUSITANIZADO (e o termo é dele), e os muito subservientes políticos portugueses, aceitaram sem pestanejar. E nada mais falacioso do que usar os “milhões”, quando todos sabem que esses “milhões” NÃO falam Português, mas, sim, o dialecto brasileiro oriundo do Português, conforme o classificou José Leite de Vasconcelos, o nosso maior dialectologista (consultar o Prontuário da Língua Portuguesa, de Manuel dos Santos Alves, páginas 12/13, 2ª Edição 1993: Universitária Editora, LDA.):

CLASSIFICAÇÃO do PORTUGUÊS.png

 

Por alma de quem a linguagem mais AFASTADA do Português, ou seja, uma Variante do Português (um dialecto) tem de se impor à Língua-mãe, a não ser por muita má-fé e muita ignorância de quem pretende substituir uma Língua Culta por uma sua Variante?


Sofrendo os políticos portugueses do mesmo mal de que sofrem os políticos brasileiros, ou seja, de um acentuado complexo de inferioridade, tendo necessidade de se porem em pedestais para se imporem ao mundo, e, no caso dos portugueses, faz com que sejam servis capachos daqueles que eles julgam ser “grandes” (e isto é coisa de mentes pequenas), logo arranjaram um modo de aliciar arautos para propagandear a linguagem brasileira, infiltrando-a sub-repticiamente em todas as redes sociais e no Google, chamando-lhe simplesmente “português” e ilustrando-o, até, com a bandeira brasileira

 

Português.PNG

para enganar os mais incautos, como fizeram, por exemplo,  com o Papa Francisco, na Jornada Mundial da Juventude

Quando o Papa foi à Universidade Católica, os serviçais jornalistas de serviço, informaram que o Sumo Pontífice iria saudar os presentes em “português”. Foi então quando ele nos surpreendeu com um bem brasileiro “bom djia”. Saberia o Papa o que disse? Ou alguém o enganou ao dizer-lhe que “bom djia” era uma saudação em Português? Não era. Djia NÃO é Português. Também não é um sotaque. Djia faz parte da fonética brasileira, que é totalmente djifêrêntchi dá fônétchicá pôrrtuguêsá, o que lhe dá estatuto de Variante.

 

Untitled.png

 

Certo dia, um acordista disse-me isto: «Mas, então, a escrita de português atingiu o máximo da sua perfeição? Já não poderá ser modernizada, acompanhar a evolução dos tempos?»

 

Respondi-lhe: «Quem faz semelhante pergunta, desconhece o que é uma Língua, e que as Línguas até podem modernizar-se, como o Português, o Inglês, o Francês, o Castelhano (...) se modernizaram, contudo, "modernizar" não é sinónimo de MUTILAR, DETURPAR, EMPOBRECER e MODIFICAR as palavras desligando-as das suas origens [algo que nenhum outro país fez] e isto nada tem a ver com “modernização”, nem com "acompanhar a evolução dos tempos". Isto tem a ver [galicismo por opção de elegância linguística] com RECUO, com IGNORÂNCIA, ao reduzir-se as palavras à sua forma mais BÁSICA, ou seja, ao patoá dos que não têm capacidade de PENSAR a Língua.» E isto vale apenas para Portugal, porque nada tenho contra a Variante Brasileira do Português.

 

Realmente, a introdução do AO90 que, como toda a gente sabe, assenta na deslusitanização ou no abrasileiramento [como se queira] do Português, só veio fabricar ignorância e analfabetos funcionais, em Portugal.

 

Mas o objectivo dos que criaram o AO90, acolitados actualmente por Marcelo Rebelo de Sousa (PR), por António Costa (PM), por Augusto Santos Silva (PAR) e pela maioria dos deputados da Nação, é não só DESTRUIR a Língua Portuguesa, como fabricar analfabetos funcionais, para melhor poder manipulá-los. Quanto mais culto for um Povo mais insubmisso ele é, e isto não convém aos governantes.

 

E os nossos muito subservientes órgãos de informação, ou são funcionários públicos, ou, se não são, não passam de meros serviçais, de bonifrates à mercê dos cordelinhos dos que desgovernam Portugal, os quais se vergaram, sem o mínimo espírito crítico e brio profissional, ao AO90, e pior do que isso, propagam os disparates que dizem e escrevem nas televisões e jornais (salvaguardando, obviamente, as raríssimas excepções, que, no entanto, se mantêm silenciosas, não vão perder empregos e tachos), disseminando, deste modo, o não-saber e o desprezo pelo seu instrumento de trabalho: o Idioma Português.

 

Não existe Democracia [δῆμος (demos ou "povo") e κράτος (kratos ou "poder")] em Portugal. Existe uma espécie de "democracia" onde o POVO tem a liberdade de protestar à vontade, mas NÃO é ouvido pelos "kratos", ou seja, pelos que se julgam “poderosos”, que querem, podem e mandam, e o POVO que se lixe.


A questão da Língua Portuguesa continua cada vez mais grave, e os decisores políticos cada vez mais subservientes ao "Krata" brasileiro. E os decisores judiciais são cúmplices dessa "aliança com benefícios apenas unilaterais”, porque ainda que se esteja a violar a Constituição da República Portuguesa, NADA fazem para repor a legalidade.


Portugal está a ser altamente prejudicado por essa atitude COBARDE dos quatro Órgãos de Soberania: Presidente da República, Assembleia da República (Parlamento), Governo e  Tribunais.

 

Isto está péssimo. Somos um país terceiro-mundista, à conta de gente com mentalidade terceiro-mundista, onde uma elite intelectual compactua, com o seu silêncio, com este assalto à NOSSA Língua, e não só.

 
Portugal é um fruto podre, e não tardará a cair em mãos ainda mais podres.

 

Para fechar esta reflexão, quero partilhar algo, e apenas o partilho por ser o prato do dia na Internet, redes sociais, YouTube, em publicações sobre a Língua Portuguesa, sobre imigração etc.. Trata-se de uma publicação no Facebook, que não me deixou indiferente, aliás coisas destas nunca deixam, seja onde for, porque sou adepta desta "filosofia": se nada dissermos ou fizermos, se não demonstrarmos a nossa indignação diante do enxovalho, vão pensar que tudo está bem na República DOS Bananas de Portugal, por isso vou deixando mensagens aos ignorantes, com a esperança de que nem todos sejam calhaus com olhos.

 

Quanta ignorância leio em publicações como a que refiro! Só gente com mente muito pequena precisa de USURPAR uma das Línguas mais antigas da Europa, e DETURPAR a História de uma das Nações mais antigas da Europa, para se impor ao mundo, quando todos os povos CULTOS sabem que a Língua Portuguesa NÃO é falada no Brasil. No Brasil, fala-se e escreve-se a Variante Brasileira do Português. E quem quer aprender o Português para fixar o Pensamento, a Cultura, o Saber, não procura a Variante, mas a original. A Variante, para a grande maioria dos estrangeiros que a aprendem, serve apenas para língua de comunicação passageira, de viagem.


Sei disto porque aprendi a ler e a escrever no Brasil, e estudei nas escolas brasileiras, cujo ensino está bem patente nas publicações e comentários ignorantes que pululam na Internet, fruto da lavagem cerebral que os esquerdistas, da ala mais ignorante, fizeram aos brasileiros menos instruídos, e que, por serem menos instruídos propagam essa ignorância, sem terem a noção disso.  Isto só envergonha a minoritária elite culta brasileira, e passa uma imagem PODRE e POBRE do Brasil, algo que me deixa muito triste, e incomodada, porque tenho o Brasil como a minha segunda Pátria.

 

Se assim o quiserem os desacordistas, ainda vamos muito a tempo de salvar a NOSSA Língua, porque a linguagem que anda por aí escrita e falada, um pouco por toda a parte, mais visível nas televisões e nos manuais escolares (um autêntico atentado à inteligência das crianças e jovens alunos) é uma linguagem pobre, andrajosa, deformada, desenraizada das suas origens, um verdadeiro insulto à Cultura Linguística Portuguesa, e isto não pode continuar assim.

 

O que temos de fazer?

 

Em primeiro lugar ter consciência de que os muito subservientes decisores políticos portugueses se vergaram aos muito perseverantes decisores políticos brasileiros (e não se pense que isto é uma alucinação) e NADA, NADA, NADA farão para defender os interesses dos Portugueses, e disso é prova máxima o DESPREZO que o presidente da República está a votar ao APELO subscrito por 297 cidadãos pensantes portugueses e também alguns brasileiros, que lhe foi enviado por quatro vias, através do formulário de Contacto, do site da presidência.

 

Em segundo lugar temos de AGIR em GRUPO e obrigar o Chefe de Estado Português a DEFENDER os interesses dos Portugueses, os quais passam pela PRESERVAÇÃO da Língua Portuguesa, ainda que MINORITÁRIA, aliás, como tantas outras Línguas de Povos que NÃO sofrendo da Síndrome da Pequenez são grandes Povos, porque a grandeza do Povos não se mede pela quantidade, mas pela qualidade do seu saber ser e estar em sociedade.

 

As Línguas Minoritárias fixam o Pensamento, a Cultura, a História e o Saber dos Povos, com tanta grandiosidade como as Línguas de grande tiragem.gente de mentalidade pequena e mirrada NÃO se orgulha de uma Língua minoritária, tão grandiosa como a Língua Portuguesa.

 

Por que haveríamos nós, Portugueses, de substituir a NOSSA Língua, que já foi dialecto do Latim, mas construiu um caminho próprio, transformando-se numa Língua autónoma, que, como sabemos, é uma das mais antigas da Europa, e que, pela simples vontade de políticos que sofrem da síndrome do pequeno poder (*) pretendem substituí-la pelo dialecto de uma ex-colónia que, de má-fé, USURPOU a Língua do ex-colonizador, com um objectivo pouco nobre, que acabou por contaminar a classe política portuguesa, que não teve o menor pejo em trair Portugal.

 

Pode não ser fácil eliminar o CAOS linguístico, no nosso País, mas NÃO é impossível. Basta empenharmo-nos, SEM MEDO de melindrar quem nos USA como trampolim para negociatas obscuras, que NÃO servem os nossos interesses.

 

Isabel A. Ferreira

 

(*) Segundo a Psicologia, a síndrome do pequeno poder é uma atitude de autoritarismo por parte de indivíduos que, ao alcançar o poder, usam-no de forma absoluta e autoritária, desprezando as consequências e problemas que possam vir a causar. Nem mais nem menos isto é o que está acontecer em Portugal.

***

Comentários na Página  NOVO MOVIMENTO CONTRA O AO90  (Facebook):

USURPAÇÃO 1.PNG

USURPAÇÃO 2.PNG

USURPAÇÃO 3.PNG

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:45

link do post | comentar | ver comentários (7) | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 10 de Agosto de 2023

Ou é impressão minha ou o Dicionário Priberam não mudou apenas de visual, mas também aderiu ao despautério?

 

Nunca me havia deparado com o vocábulo TOXINFEÇÃO (tóksinf’ção?)

Ontem vi essa palavra escrita numa legenda, na televisão, e embora seja fácil chegar ao significado de tal palavrinha, fui averiguar se existiria, em dicionários de Língua Portuguesa.

Não vi essa palavra em parte alguma. Nem sequer nos dicionários da Variante Brasileira do Português.

Então fui ao Priberam.

O Priberam já foi um Dicionário confiável, mas, por algum motivo, quando mudou de visual, mudou também de filosofia linguística, e passou a misturar alhos com bugalhos, retirou a etimologia de um número muito significativo de palavras, introduziu a Variante Brasileira do Português, para agradar aos gregos e aos troianos acordistas, e o resultado é uma salgalhada, como se pode ver nesta explicação do significado de TOXINFEÇÃO. E isto não é caso único.

 

Afinal, como se escreve esta palavra nascida do nada?

Atenção que no Brasil sempre se pronunciou e escreveu infeCção.

No que pretendem transformar a Língua Portuguesa? Numa colectânea de palavras visualmente horrorosas e pronúncia horrenda?

Isabel A. Ferreira

 

TOXINFEÇÃO - Priberam.PNG

TOXINFEÇÃO.PNG

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:03

link do post | comentar | ver comentários (4) | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 9 de Agosto de 2023

Da Austrália, contra o AO90: «We are stronger together» (Juntos somos mais fortes) - Um texto de Cátia Cassiano, para dizer BASTA! aos que se arvoram donos da Língua Portuguesa

 

De umas férias paradisíacas, regresso a um CAOS mais agigantado do que aquele que deixei no início do mês de Junho.  Coisas estranhas e insólitas aconteceram no nosso desventurado País, no que à NOSSA Língua diz respeito. Algo que tratarei mais minuciosamente, numa outra publicação.
Por agora, começo por reproduzir o texto referenciado no título desta publicação, da autoria de Cátia Cassiano, publicado 
no dia 08 de Agosto de 2023, no seu Blogue 
In the eyes of a Translator , onde pode ser lido no original.

Reproduzo a tradução que consta no Blogue Apartado 53 Um blog contra o AO90 e outros detritos, sob o título Against the Brazilian spelling reform publicado por JPG. 

 

Isabel A. Ferreira

 

In the eys.PNG

 

We are stronger together

“In the eyes of a translator”, 8 august , 2023

 

Juntos somos mais fortes

 

Juntos somos mais fortes e se queremos ganhar esta batalha, temos de estar unidos e concentrarmo-nos no que é importante. Na realidade, não estamos a lutar uns contra os outros, estamos a lutar contra a classe política portuguesa, inactiva e corrupta. Foram eles que nos meteram a todos nisto, portanto são eles que têm de ser responsabilizados por isso.

 

Variantes e divergências

 

Uma das principais características deste Acordo Ortográfico é o argumento das variantes e das divergências. Percebo porquê. Para aqueles que não falam Português ou não têm qualquer ligação com a língua e a cultura dos países que a falam, aqui fica uma pequena introdução ao assunto.

 

O português é a língua oficial falada em Portugal, por vezes designada como Português europeu. Este é o único Português, como sucede com o Inglês, a língua oficial do Reino Unido. Outros países, devido a séculos de colonização, adoptaram a língua portuguesa como língua oficial. No entanto, a forma como a língua é falada nesses países é diferente do português. Isso deu origem a variantes, tal como acontece com o Inglês. Apesar de haver muita coisa em comum, há também muitas diferenças entre elas.

 

Misturar má política com línguas

 

Os políticos portugueses decidiram “unificar”, segundo eles, a língua portuguesa, assinando o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 (AO90). Alegaram que seria benéfico para todos os países lusófonos ter uma língua unificada/simplificada. Na realidade, o que fizeram foi impor uma variante da língua (o português do Brasil) à Língua Portuguesa e, no processo, apagar a língua e a cultura de todos os outros países que falam a Língua. Alguns não assinaram este absurdo e, na realidade, apenas Portugal, ou melhor, os políticos portugueses, o impuseram aos seus cidadãos.

 

O resultado desastroso pode ser visto nos jornais portugueses, nos canais de televisão, nos livros e em todo o lado, incluindo o Diário da República, que deveria ser o diário oficial do Governo.

 

A LUTA DOS CIDADÃOS

 

Pouco depois de este absurdo ter sido imposto aos cidadãos portugueses, estes revoltaram-se e começaram a lutar pela sua língua, pela sua cultura, pelos seus valores e pela sua soberania. Mas isso também trouxe muita divisão e reacções negativas contra o Brasil e os brasileiros. Bem, nós não estamos a lutar contra o Brasil, estamos a lutar contra o Governo português. De facto, há muitos brasileiros que também se opõem a isso, apesar de para o Brasil ter sido só “business as usual”.

 

Temos de continuar a nossa luta contra esta ditadura linguística. Portugal é um país democrático; no entanto, os portugueses não tiveram voz activa neste absurdo, não o pediram, não o votaram, não foram consultados, portanto, como pode um Governo impor uma mudança destas aos seus eleitores sem o seu consentimento ou aprovação? Isto é uma ditadura e temos de actuar rapidamente para acabar com ela o mais depressa possível. Este absurdo tem de ser anulado e a Língua Portuguesa tem de ser restaurada. Para isso, temos de nos unir e travar a batalha certa.

 

Diga NÃO ao AO90!

[/tradução]

[Adaptação, destaques, sublinhados e “links” de JPG]


publicado por Isabel A. Ferreira às 16:36

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Pausa para descanso...

. Incursão de uma desacordi...

. Em Defesa da Ortografia (...

. Se os decisores políticos...

. Repondo a verdade dos faC...

. Lançamento de novo livro ...

. Considerações racionais d...

. Em Defesa da Ortografia (...

. Para quem anda desalentad...

. Feira do Livro de Lisboa/...

.arquivos

. Junho 2024

. Maio 2024

. Abril 2024

. Março 2024

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Agosto 2023

. Julho 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.

.ACORDO ZERO

ACORDO ZERO é uma iniciativa independente de incentivo à rejeição do Acordo Ortográfico de 1990, alojada no Facebook. Eu aderi ao ACORDO ZERO. Sugiro que também adiram.
blogs SAPO