Segunda-feira, 8 de Maio de 2017

Esta é a grande verdade no que respeita ao Acordo Ortográfico de 1990

 

Os que sabem informam os que não sabem, baseados nas Ciências da Linguagem.

 

E os ignorantes… simplesmente ignoram…

 

E assim como o pior cego é aquele que não quer ver, o pior ignorante é aquele que opta pela ignorância, e não pelo Saber.

 

BUDA - 179163_10151371226441537_1820053765_n.jpg

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:46

link do post | comentar | adicionar aos favoritos (1)
partilhar
Quarta-feira, 12 de Abril de 2017

Se a ignorância pagasse imposto, Portugal seria o país mais rico do mundo

 

Uma reflexão sobre a ignorância e os ignorantes militantes, ou seja, aqueles que, apesar de toda a informação, optam por continuar ignorantes.

Por isso, o AO90 mantém-se pendurado por um fio de aranha, sobre um abismo…

 

IGNORÂNCIA1.jpg

INDIFERENÇA.jpg

 Origem da foto: Internet

 

Consta que são bastantes, os ignorantes, os indiferentes, os invejosos, os mesquinhos, os desconfiados, os medrosos, os corruptos e os interesseiros, que desconhecem o sentido da cidadania, logo, não a exercem. E, por isso, permitem que o país seja malgovernado, abandalhado e vendido aos pedaços, a quem dá mais.

 

Se a ignorância pagasse imposto, Portugal seria o país mais rico do mundo. Esta é uma triste verdade.

 

É que a ignorância está disseminada por toda a parte, por todos os extractos sociais e pelos mais altos cargos da Nação.

 

A Saúde, em Portugal, está gravemente doente.

 

A Pobreza espreita em cada esquina.

 

O Ensino anda a rastejar por um chão pejado de uma descomunal cegueira mental.

 

A Cultura Culta e a Cultura Crítica emigraram para mundos mais civilizados.

 

As Artes sufocam, e apenas os escravos do poder vivem à custa delas.

 

A Língua Portuguesa anda perdida nos subterrâneos de uma ignorância e de uma indiferença descomunais que, alarvemente, estão a esmagar a identidade do povo português.

 

A política da violência e crueldade contra seres vivos têm os seus maiores defensores sentados nos Palácios de São Bento e de Belém.

 

Os indiferentes andejam por aí, como sonâmbulos. Se lhes mexem nos bolsos, agitam-se, mas sem grande convicção, por isso tudo continua sempre igual, sempre funesto, sempre obscuro, sempre mergulhado no lodo de um passado que se quer passado, e não presente ou futuro.

 

Na hora do voto, vota-se na continuidade, porque o medo de mudar é mais forte do que a vontade de ousar o desconhecido, a modernidade, o avanço civilizacional.

 

A ignorância e a indiferença estão a cozinhar Portugal em banho-maria, e os bobos da corte saltam e riem, porque enquanto houver povo ignorante e indiferente, mantê-lo-ão sob o seu jugo, e destruirão a Nação, em prol de interesses que não interessam, de modo algum, a Portugal.

 

E os Portugueses, tal como num tempo ainda bem presente, lá vão cantando e rindo, levados, levados, sim, pela voz do som tremendo, da ignorância sem fim… (1)

 

Isabel A. Ferreira

 

(1) Excerto adaptado do Hino da Mocidade Portuguesa, letra de Mário Beirão

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:42

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 10 de Janeiro de 2017

AO90 – A "má e lunática proposta"

 

Mais uma voz lúcida e culta contra uma ortografia que envergonha as línguas cultas europeias, oriundas do Latim e do Grego.

 

Até quando os governantes portugueses se farão surdos à voz de todas as RAZÕES?

 

Até quando Portugal terá de suportar esta espécie de modernidade míope (de que fala José Pedro Serra), ou a nova ignorância (de que fala José Pacheco Pereira) tão entranhadas nos órgãos do poder?

 

Até quando os governantes portugueses vão continuar a vergar-se a interesses alienígenas, que não interessam nem sequer às pedras da calçada portuguesa?

 

JOSÉ PEDRO SERRA.jpg

José Pedro Serra, professor catedrático e director da Biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

 

«A discordância e a acção contra o Acordo Ortográfico não são efeito de um capricho, fundam-se em razões de ordem formal, material e científica. Além dessas razões, aquilo que mais me choca é que, segundo esta má e lunática proposta, dificilmente podemos encontrar os ecos de uma história semântica e, por uma espécie de modernidade míope, esquecemos séculos de cultura que pretenderam tornar mais luminosa a palavra dita e escrita. Eu não gosto que me mexam na conta bancária, mas ainda menos naquilo que me tece a alma como um património que não é de um governo, é de uma História que nos ultrapassa a todos. Por isso, digo "não" ao acordo!» (José Pedro Serra)

 

Fonte:

(Tradutores Contra o Acordo Ortográfico)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:48

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 31 de Agosto de 2016

Eu acuso o governo português de tentativa de homicídio da Língua (oficial) Portuguesa

 

«O meu dever é falar, não quero ser cúmplice…»

(in J’accuse, de Émile Zola)

 

IGNORÂNCIA.jpeg

 

Sim. Tentativa de homicídio e não propriamente do homicídio da Língua (Oficial) Portuguesa, porque essa continua bem viva, na pena da esmagadora maioria dos Portugueses instruídos e menos instruídos, de alguns jornais, revistas e estações televisivas dirigidas por Homens livres, e de Escritores livres, Jornalistas livres, Professores livres, Tradutores livres e Crianças e Jovens filhos de Pais livres, os quais não aderiram à imposição ilegal e impatriótica do AO90, por um governo subserviente a interesses obscuros de uma minoria inculta que está a incitá-lo (ao governo) a matar a Língua (Oficial) Portuguesa.

 

Na verdade, ela anda por aí muito despedaçada, maltratada, violada por aqueles que, não possuindo a tão necessária e obrigatória Cultura Crítica, baixam-se e rebaixam-se, a esta imposição ilegal, eivada de uma monumental ignorância, com base na desculpa de que é preciso fazer evoluir a língua, modernizá-la, torná-la mais acessível... Mais acessível para quê? Para facilitar a aprendizagem dos mais incapacitados intelectualmente…?

 

O resultado prático deste propósito redutor é o mais desastroso de que há memória. Nunca a Língua Portuguesa esteve tão amassada, tão amarfanhada, tão incultamente escrita (e por arrasto também falada), como nos tempos que correm.

 

Começando pelos governantes e autoridades portuguesas, que deviam ser os principais defensores dos símbolos nacionais (e a Língua é um dos seus símbolos mais identitários, além da Bandeira e do Hino Nacionais) e enviam-nos comunicados num Português que nem uma criança que frequenta o 4º ano do Ensino Básico e que tenha um Professor com P maiúsculo, escreve.

 

A minha colaboradora doméstica, que tem apenas a quarta-classe antiga, escreve muito mais escorreitamente (aliás este mais está a mais) do que os actuais governantes e autoridades de Portugal, que nos enviam comunicados.

 

Bem sei que quem os escreve são os “secretários”, mas um Governante com G maiúsculo, ou uma Autoridade com A maiúsculo têm o dever de ler tudo aquilo que é enviado em seu nome, e chamar a atenção do escriba quando este comete erros de palmatória (como faz falta a palmatória!)

 

Nas estações televisivas, subservientes ao Poder, é de bradar aos céus o que se lê (mas também o que se ouve), principalmente nos rodapés dos telejornais e nas legendas dos filmes: um autêntico Festival de Ignorância da mais purae dura. Porque a há adulterada.

 

Se antes da existência do AO90 a Língua já andava por aí de rastos, porque nem todos têm apetência para a aprendizagem, seja do que for, hoje em dia, a nossa Língua transformou-se numa língua esfarrapada, inculta, abrasileirada, muito, muito pobrezinha

 

Agora, pasmemo-nos com os motivos que levaram os Becharas, os Malacas, os Lulas, os Sócrates e todos os parasitas que gravitam ao redor deles, para sacarem vantagens económicas, a impingirem aos países lusófonos o aborto ortográfico de 1990, que previa o seguinte:

 

1 – A uniformização da língua em todas as suas variantes e em todos os continentes. Objectivo que não foi alcançado, e nunca será, até pela impossibilidade de ser alcançado, pelos motivos mais óbvios. São oito os países, cada um com as suas especificidades, e a uniformização destruiria a estrutura de uma Língua que nasceu na Europa e a partir dela  nasceram várias variantes, e é assim que deve ser, tal como aconteceu com o Castelhano, o Francês, o Inglês, que nunca precisaram de uniformizar as respectivas Línguas, por um só motivo: os povos das ex-colónias francesas, espanholas e britânicas não são acanhados mentalmente, como, ao que parece, são os povos de Portugal e do Brasil, que não conseguem aprender Línguas íntegras.

 

Segundo o autor do texto «a proposta de uniformidade era para contribuir com a internacionalização da Língua Portuguesa. Além disso, a acção iria propiciar a disseminação da língua, possibilitando a circulação de bens culturais entre os países lusófonos, que contam com mais de 250 milhões de falantes - só o Brasil possui mais de 200 milhões.»

 

É preciso que se diga que aos Portugueses Cultos não interessa a disseminação da versão mutilada da Língua Portuguesa. O Brasil até pode ter 200 milhões de falantes e escreventes de Português. Mas desses 200 milhões, quantos escreverão e falarão correCtamente o Português?  

 

2 – A simplificação da ortografia para que ela fosse melhor aceite… E perguntamos: melhor aceite por quem? Pelos que não têm capacidade intelectual para aprender uma língua? As línguas são assim, simplificadas, sem mais nem menos, para poderem ser aceites ou não aceites pelos menos dotados intelectualmente? Qual das línguas cultas existentes no mundo foi simplificada para ser melhor aceite, como se se tratasse de uma comum mercadoria?

 

3 – Para tornar a língua mais acessível a estrangeiros. Como é ??? Os estrangeiros estarão preocupados em simplificar a língua deles para a tornar mais acessível aos Brasileiros ou Portugueses mais atacanhados mentalmente (não incluo aqui os analfabetos, mas tão só os analfabetos funcionais, os que frequentaram escolas e até mesmo universidades) ? Algum povo, algum dia se lembrou de uma tal idiotice? Os Alemães (que têm, uma língua difícil) os Ingleses, os Franceses, os Italianos, os Russos, os Espanhóis, enfim… algum dia estes povos simplificarão as línguas deles, para facilitar a vidinha dos imbecis?

 

4 – Para aproximar os países, sobretudo Portugal e Brasil. Aproximar como? E com que intenção aproximar apenas Portugal e Brasil? E então os outros países? Ficam de fora por alma de quem? Os luso-brasileiros estarão assim tão distantes linguisticamente que não conseguem entender-se uns aos outros? É sabido que os Brasileiros mais incultos têm muita dificuldade em entender os Portugueses. Mas qualquer português inculto não tem a mínima dificuldade em entender seja quem for: um brasileiro, um inglês, um francês ou até um chinês… Se não se entendem de um modo, entendem-se de outro. Há sempre a linguagem universal: a das mãos (e não estou a falar do Braille). E que saibamos, Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste, Cabo Verde e Guiné-Bissau sempre estiveram próximos de Portugal, não precisando de simplificar a língua para se entenderem connosco. Porquê, então, os Brasileiros?

 

5 – E finalmente para facilitação dos negócios. Ao longo de todos estes séculos os negócios entre os países lusófonos teriam sido prejudicados pela falta de “comunicação” ou “aproximação”? Por acaso os negócios que fazemos com países como a China, cuja língua é um mistério para a maioria dos portugueses, não se fazem? Terão os chineses de simplificar a língua deles, para que nós possamos aprendê-la e aceitá-la melhor e com isso facilitar os negócios?

 

Isto é coisa de doidos!

 

Bem. Estes foram os cinco “argumentos” apresentados aqui:

http://cedilha.net/ap53/?p=4096

 

para que o AO90 fosse parido. Nenhum deles apresenta uma razão linguística. De evolução da Língua. Um motivo racional.

 

Mas faltou referir o argumento principal: a negociata obscura que envolve políticos corruptos, editores e livreiros (que seria capazes de vender a Mãe por dinheiro)  portugueses e brasileiros (apenas), porque os outros países lusófonos não foram para aqui chamados. E esta é que foi a principal mola que moveu os que pariram esta monstruosa aberração ortográfica.

 

IGNORÂNCIA2.jpeg

 

Um acordo ortográfico seria eventualmente aceitável se apresentasse motivos assentes nas Ciências da Língua, bem fundamentados, demonstrativos de uma evolução natural da Língua.

 

Porém, a elaboração deste AO90 assentou na mais colossal estupidez, jamais concebida na História da Humanidade, cozinhada numa panelinha muito ferrugenta, luso-brasileira, porque os restantes países da lusofonia não foram convidados para este cozinhado, por motivos que, para mim, são bastante óbvios, porque conheço os ingredientes principais que estão por detrás desta tentativa de homicídio da Língua Portuguesa.

 

Poderei até responder a uma questão que li no texto citado mais acima, e que foi a seguinte:

 

«A verdade é que a resistência de Portugal é de cunho político. As mudanças para os portugueses, “pátria da língua”, são maiores, visto que a influência brasileira nos demais países lusófonos cresceu muito nos últimos anos. Sendo Portugal a colonizadora, aceitar mudanças impostas pela antiga colónia significa receber um duro golpe na soberania nacional portuguesa

 

Não. Não estamos a rejeitar o AO90 por motivações políticas.

 

Os Portugueses (exceptuando os actuais governantes e todos os que, desprovidos de Cultura Crítica, gravitam ao redor do Poder) não têm qualquer complexo em relação à aparente (e apenas aparente) “grandeza”, ou possível influência da ex-colónia em Portugal ou nos restantes países lusófonos, ou sequer no mundo.

 

Também não têm medo de serem colonizados pela ex-colónia, por um simples motivo: os Portugueses, que se prezam de o ser, têm personalidade, não são complexados e sabem defender, com todas as garras de fora, a sua soberania. E se algum dia, alguém se atrever a invadir-nos, seja de que modo for, aparecerão milhares de Padeiras de Aljubarrota e milhares de Nunos Álvares Pereiras para os destroçar.

 

A História de Portugal assim o demonstra e confirma.

 

E lá porque o actual governo português, o mais culturalmente e moralmente pobre e irresponsável que Portugal já teve, numa demonstração de uma insanidade política extravasante está a bater o pé à Razão e aos Portugueses, Brasileiros e Africanos de expressão portuguesa cultos, que combatem este AO90 com argumentos racionais, não significa que a Língua (Oficial) Portuguesa esteja moribunda.

 

Ela está simplesmente a aguardar em banho-maria, o dia em que será libertada dos seus linguicidas. E esse dia virá, mais dia, menos dia.

 

Entretanto, está a ser alvo de chacota dos países que jamais deixariam mutilar a própria Língua, por motivos tão pacóvios, como os que estão por detrás deste AO90.

 

E isto é o que mais dói.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:05

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 20 de Maio de 2016

O “espetador esterótipo”…

 

Isto diz tudo sobre a decadência em que está mergulhado Portugal!

Acordai governantes portugueses!

Acordai e protagonizai um feito heróico: salvai o país das garras desta ignorância acordista.

Com urgência… Porque esta ignorância está a tomar proporções incontroláveis e a envergonhar os Portugueses que se prezam de o ser, dentro e fora do país...

 

ESTERÓTIPO.png

Origem da foto:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10208275992529689&set=gm.737675373002588&type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:10

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 29 de Março de 2016

Ao redor da retrógrada mentalidade "acordista"...

 

De facto, «a mentalidade “acordista” é retrógrada, irrealista, insensível, impatriótica, irresponsável, incompetente e ignorante. Representa o triunfo (…) da ignorância arrogante», diz António Emiliano***, na Apologia do Desacordo Ortográfico, pg. 49.

 

 *** António Emiliano (Lisboa, 1959) não é um qualquer malaqueiro. É um ilustre linguista, professor e músico português. Doutor em Linguística Portuguesa, pela Universidade Nova de Lisboa, e professor na mesma instituição. Sócio fundador da Associação Portuguesa de Linguística e da Associação Internacional de Linguística do Português, membro cooperador da Sociedade Portuguesa de Autores, o qual, a pedido, deu vários pareceres, todos eles bem fundamentados e, obviamente, desfavoráveis ao AO90, e foram simplesmente ignorados.

 

ACordo.jpeg

 

No Brasil o AO90 é desconhecido entre o POVÃO. A esmagadora maioria dos brasileiros não o UTILIZA, nem sabe o que isso é.

 

Os Brasileiros cultos não o aplicam.

 

Os restantes países lusófonos também não o aplicam. Em Portugal apenas os que não têm ESPINHA DORSAL o fazem, ou porque são servilistas, escravos do Poder ou  morrem de medo de represálias imaginadas, até porque, em Portugal, uma vez que o AO90 foi imposto ilegalmente, as represálias são também ilegais.

 

Logo, este AO90 está condenado ao caixote do lixo, que é o lugar adequado para a mixórdia ortográfica que uns poucos servilistas ignorantes inventaram para vender livros, encher os bolsos e destruir a Língua Portuguesa - o objectivo maior, de todo este desprezível enredo. 

 

E não, não é uma minoria de Portugueses que acredita que a Língua Portuguesa é  propriedade de Portugal.

 

Apenas uma minoria linguicida e ignorante acha que a Língua Portuguesa nasceu ali... numa rocinha... debaixo de uma bananeira...

 

Todos os outros sabem que a Língua Portuguesa é uma Língua de raiz greco-latina, da Família Indo-Europeia, logo, uma Língua Culta. Não nasceu do nada, nem foi idealizada para facilitar a aprendizagem dos que nasceram pouco dotados de inteligência.

 

O AO90 nunca vingará, simplesmente porque é um aborto ortográfico completamente transfigurado.

***

E há quem fale na Síndrome do Colonizado.

 

Germano Almeida (um escritor cabo-verdiano que recentemente declarou em público que a Língua Portuguesa não é de Portugal) está equivocado, disse António Patrício, que é um conhecedor da Língua Portuguesa. E disse mais: «Na verdade, a Língua Portuguesa é nossa, dos Portugueses. Fomos nós que a espalhámos pelo mundo, e cada povo tomou-a e adaptou-a à sua cultura e fonética

 

António Patrício gostava de ver o senhor Germano Almeida «ir dizer aos Ingleses que o Inglês não é deles. Mais, o senhor Germano Almeida é originário de um país fundado pelos PortuguesesMas a verdade é que ficámos a saber que o senhor Germano Almeida não sabe escrever... É a editora e o corrector ortográfico que fazem esse trabalho por ele. Para este senhor vale tudo na escrita do Português! É engraçado vir isto de um escritor cabo-verdiano...»

 

«Já Cesária Évora (cantora de mornas e coladeiras que gostava muito de França e dos Franceses) dizia "cobras e lagartos" de Portugal e da Língua Portuguesa, e nós, os eternos complexados por termos sido colonizadores, lá andávamos com a senhora ao "colo". Devem ser os ventos daquele lado do Atlântico que levam os intelectuais das ilhas cabo-verdianas a sofrerem, ainda, da síndrome do colonizado.»

 

E não são só os cabo-verdianos.

 

Existem cidadãos brasileiros que são grandes defensores da anarquia escrita do Português...

 

E António Patrício coloca a questão: «Por que será? Será que a síndrome do colonizado ainda infecta a cabeça de tanta gente assim? Pelo que vemos, infecta. É que nestas coisas, conclui António Patrício,  pior do que o colonizador é o colonizado que, depois de ter deixado de o ser, continua a sentir as dores do que foi e já não é.»

 

***

 

O que se vê mais por aí são fatos... mal talhados.

 

É que "fato" deriva do gótico FAT, que significa uma peça de vestuário. Nunca poderá ser entendido como FACTO, que deriva do Latim FACTUM, e significa acontecimento.

 

Os Brasileiros dizem FATO por FACTO, mas não sabem o que dizem. E os Portugueses, sendo portuguesinhos, vão atrás, porque é atrás que sempre vão aqueles que não têm capacidade para IR À FRENTE.

 

***

Para os que refutam que a ortographia mudou desde os seus primórdios, temos a dizer que, de facto, essas mudanças existiram, mas com base em estudos linguísticos, e não impostas por interesses de natureza meramente política (os interesses económicos vieram por arrasto).

 

Quem as fez sabia o que estva a fazer.

 

Os do AO90, não sabem o que fazem... Uns pretenderam ganhar dinheiro. Outros, destruir a Língua Portuguesa. Como se a ortografia pertencesse ao cultivo das hortas e não às Ciências da Línguagem!!!!

 

O AO90 não passou a ser oficial em Portugal. A sua aplicação é ilegal e inconstitucional.

 

Os que o aplicam demonstram uma ignorância monumental sobre todas as questões referentes às Lingua. E por mais que lhes demonstremos que estão errados, eles insistem no erro. Porquê?

 

Ora… porque OPTAM pela ignorância.

 

Contudo, o tempo encarregar-se-á de atirar ao lixo esta mixórdia ortográfica que, falaciosamente,  pretende UNIR as variantes da Língua Portuguesa existentes nos oito países lusófonos. Leve o tempo que levar. Mas jamais essa união se verificará, pelos motivos mais óbvios.

 

***

Nenhuma Língua Europeia Culta, oriunda de países que outrora foram colonizadores (Inglaterra, França, Espanha, Holanda) foi tão destruída pelos colonizados como a Língua Portuguesa, escrita e falada, foi destruída pelos esquerdistas Brasileiros. 

 

Nos restantes países lusófonos, a Língua Portuguesa manteve as suas raízes. E esta é a grande diferença entre uns e outros. E no meio disto tudo, se tem de haver um país que tenha de recuar e adaptar-se a um novo modo de escrever a Língua Portuguesa, esse país é o Brasil, ainda que sejam milhões. É que a quantidade nunca foi sinónimo de qualidade. Muito pelo contrário.  

 

Portugal não tem de atirar ao lixo a sua Língua Materna, para prestar vassalagem a políticos servilistas, incompetentes, ignorantes e irresponsáveis, e a editores mercenários.  

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:51

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 8 de Março de 2016

Ora viva, «A Favor do Acordo Ortográfico»!!!!

 

Recebi um comentário de um acordista escondido sob a alcunha de «A favor do Acordo Ortográfico», e que, cobardemente, anda por aí a espalhar ignorância, sobre o AO90, sem o menor pudor.

 

Se tivesse nome e cara talvez lhe faltasse a coragem para defender o indefensável.

 

Então, decidi responder-lhe aqui… em destaque… porque me recuso a ser criminosa...

 

BERTOLT.jpeg

 

Comentário:

Ahahahaha! Então a culpa é do acordo ortográfico? Você realmente é de mais!! E agora engraçou com o "patoá" (dantes era o "estropiar"), mais parece um disco riscado...

 

***

Ora viva, «A favor do Acordo Ortográfico»!

 

Com que então tem a distinta lata de me bloquear na sua página do Facebook, para não ter de  ler os meus comentários, que INCOMODAM (se não incomodassem eu não teria sido bloqueada) e vem agora para aqui, rir o riso dos parvos?

 

Seja bem-vindo.

 

Não vou bloqueá-lo, nem sequer eliminar este comentário. Sou democrática.

 

Tenho todo o gosto em publicá-lo, porque assim aproveito para dizer-lhe umas coisinhas

 

A CULPA é do acordo ortográfico (fez bem em escrever em letras minúsculas, porque uma aberração destas não merece mais), sim, porque a política do acordo ortográfico é corta as consoantes mudas, corta as vogais duplas, corta tudo, a torto e a direito, numa espectacular demonstração de IGNORÂNCIA da Língua Portuguesa.

 

Se eu não tivesse chamado a atenção do DN (poderia outra pessoa fazê-lo), neste momento, a polícia ainda estaria a aprender barras de ouro… Quem escreveu o texto acharia que apreender tinha consoantes a mais.

 

Antes deste negócio obscuro (um outro nome para o AO90) aparecer, já se falava e escrevia muito mal por aí… mas depois da imposição ilegal deste aborto ortográfico (outro nome para o AO90), as coisas pioraram absurdamente.

 

Pois… eu sei que sou de mais! E daí? É proibido ser de mais? Antes de mais que de menos.

 

Dantes era o estropiar? Dantes e agora, pois o estropiamento continua.  

 

Por que se incomoda tanto com a palavra? Sabe o que significa? Ela existe no léxico português. E eu, como conheço as palavras, gosto de aplicá-las adequadamente. Não posso?

 

E o termo estropiar apropria-se ao que está a ser feito à Língua Portuguesa: mutilar, desfigurar, aleijar, decepar, deformar, tudo isto está acontecer sem o mínimo rigor linguístico, ou seja, IGNORANTEMENTE. Além disso, devia aplaudir este termo, como aplaude os vocábulos mutilados, aleijados, decepados, deformados... que circulam por aí como uma praga. Sabe porquê? Porque é um termo muito predilecto dos Brasileiros. Nós por cá, é mais para o mutilar... Mas tem razão. O termo é muito feio, e soa a brasileirismo. Vou começar a usar mutilar.

 

E agora engracei-me com o patoá de incultos, engracei-me. Porquê? Não posso?

 

Sabe o que significa PATOÁ (para além da variante da linguística francesa)? Vá a um bom dicionário de Língua Portuguesa e verá: linguajar de qualquer língua, linguagem confusa, conversa fiada… Tudo isto é o AO90 e muito mais.

 

Quer saber o que lhe chamam os Brasileiros cultos? Chamam-lhe “dilmês”, "lulês”…

E nós por cá, é o “malaquês”, "socratês", “acordês”, "abortês", "mixordês", porque a ESTUPIDEZ é tanta que não nos deixa outra alternativa…

 

Quando me cansar do patoá, e para não parecer disco riscado, prometo-lhe que passarei a chamar ao AO90… de … (deixe-me cá ver…) de MELEQUÊS … com raiz na palavra MELECA (de origem brasileira) que significa: coisa imprestável, besteira, coisa complicada, ruim, mal conhecida, problema, complicação, entre outras coisas…

 

Que tal?

 

É que o AO90 é uma coisa tão estranhamente disparatada!…

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:03

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 7 de Março de 2016

«Polícia aprende carregamento de ouro em barco naufragado na Segunda Guerra»

 

Estava ou não estava aqui?

 

APRENDE.jpeg

 

Este é o título de uma notícia publicada no Diário de Notícias, hoje, 07 de Marco de 2016

 

A Polícia APRENDE carregamento de ouro? Assim, num título, sem mais nem menos?

 

É no que dá aplicar a política do corta tudo às ceguinhas… ou seja, aplicar (ilegalmente) o AO90. Tem dois EE? Corta um. É esta a filosofia acordista. Depois dá nisto.

 

A que estado caótico chegou a Língua Portuguesa!

 

Senhores governantes, tenham vergonha! Revoguem este patoá de incultos, antes que seja demasiado tarde.

 

Já temos a maior taxa de analfabetismo da Europa.


Não queiram que tenhamos também a maior taxa de ignorância do mundo, e a maior taxa de teimosia governamental do Universo.



Isto é demasiado para um pequeno país como Portugal.

 

Já seria óptimo se houvesse um pouco, um pouco que seja, assim uns 60% de Bom Senso entre os governantes portugueses.

 

Fonte da notícia:

http://www.dn.pt/mundo/interior/policia-aprende-carregamento-de-ouro-em-barco-naufragado-na-segunda-guerra-5064710.html

 

Atenção!

Depois de eu ter deixado o comentário na notícia, corrigiram o título. Só tenho de agradecer! Obrigada!  

 

Mas paguei um preço: mais um jornal a bloquear-me a possibilidade de comentar.   

 

No entanto no link original da página (na fonte que cito) fica registado o erro, para que ninguém diga que inventei.  

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:59

link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Janeiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
15
16
17
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Pausa para descanso

. Ao redor da retrógrada me...

. Matemos a charada, amigos...

. QUEM APLICA O AO90 DÁ UMA...

. Portugal e Brasil unidos ...

. A idiotice dos que adopta...

. NO SILÊNCIO DESTE BOSQUE ...

. A ignorância mantém a Lín...

. QUANDO O CONHECIMENTO É A...

. Os governantes portuguese...

.arquivos

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.
blogs SAPO