Segunda-feira, 4 de Junho de 2018

A EGRÉGORA

 

Um texto de Josefina Maller
 

EGRÉGORA.jpg

Origem da imagem: Internet

 

Eu não sabia o que era uma “Egrégora”. Confesso.

 

Contudo, quando comecei a ler um texto que me enviaram, via e-mail, não passei destas linhas:

 

«Se dá o nome de Egrégora à uma Força gerada por uma potente corrente espiritual e alimentada depois por intervalos regulares, segundo um ritmo, em harmonia com a Vida Universal do Cosmos, ou à uma reunião de Entidades unidas por um caráter comum

 

Recuso-me a ler textos que estejam escritos em Língua que pretende ser Portuguesa, mas falta-lhe a essência.

 

Em Língua Portuguesa escreveríamos:

 

«Dá-se o nome de Egrégora a uma Força gerada por uma potente corrente espiritual, e alimentada depois por intervalos regulares, segundo um ritmo, em harmonia com a Vida Universal do Cosmos, ou a uma reunião de Entidades unidas por um carácter comum

 

Dizem-me: «Aquele é o modo de dizer brasileiro».

 

Que seja. Contudo, o dizer é volátil. Ouve-se, mas não visualizando as palavras, elas deslizam pelos ouvidos, passando ligeiras, como um vento apressado, e não nos ferem os olhos.

 

O modo de dizer não tem fixação visual, e existem tantos modos de dizer, tantos regionalismos, que se escrevêssemos conforme falamos haveria uma infinidade de escritas. Mas uma Língua tem duas vertentes: a falada e a escrita, e para ser Língua, terá de seguir regras, que, desde que se descobriu a escrita, têm vindo a ser apuradas, acompanhando a evolução dos tempos.

 

Em todos os países da mal denominada lusofonia, existem milhares de modos de dizer. Se os falantes desses milhares de modos de dizer escrevessem conforme falam, não poderíamos falar de uma Língua, mas obrigatoriamente de um mistifório linguístico, babélico, a raiar o absurdo.

 

Fiquei a saber o que é uma “Egrégora”.

 

Mas esse saber deixou-me um amargo no olhar, com aquela frase onde o Português é tratado como um bastardo.

 

Josefina Maller

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:58

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. EXTRAORDINÁRIA «CONTESTAÇ...

. QUANDO OS “ESPECIALISTAS”...

. «AO SERVIÇO DA LÍNGUA POR...

. O "ACORDO" QUE NINGUÉM QU...

. O ACORDO ORTOGRÁFICO É UM...

. MAGNÍFICA LIÇÃO DE LÍNGUA...

. A TRAGÉDIA DO ENSINO EM ...

. A PROPÓSITO DA MENSAGEM D...

. CARTA ABERTA AOS MEMBROS ...

. DIZ A NOTÍCIA QUE PORTUGA...

.arquivos

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO