Segunda-feira, 7 de Dezembro de 2020

«A pentaortografia»

 

Um texto de M. Moura Pacheco, professor universitário aposentado, que nos fala da “unidade” linguística que o AO90 veio acrescentar à nossa escrita, à escrita da Língua Portuguesa que, obviamente, é a de Portugal, ou não fosse Portugal o berço desta Língua, que gerou uma Variante, a brasileira, que está no cerne da “pentaortografia” aqui esmiuçada.

Isabel A. Ferreira 

 

Jorge Calado.png

 

Por M. Moura Pacheco

 

«Quando eu aprendi a escrever, havia duas ortografias: a certa e a errada. Agora há, pelo menos cinco. E todas auto-consideradas certas – é a pentaortografia.

 

1 – Primeiro a ortografia clássica ou ortografia antiga, como alguns lhe chamam (e muito bem) (*). Foi com essa que aprendi a escrever e é com essa que escrevo este e outros textos, sempre da forma o mais ortodoxa possível, isto é, fiel à norma e evitando os erros. Estes, se acontecerem, são involuntários.

 

2 – Depois há a ortografia do chamado «acordo ortográfico» que, por sinal, nunca foi acordado.

Esta, por sua vez, comporta algumas variantes consoante os vários pais do «acordo». Porque esta ortografia é filha de muitos pais, desde filólogos que se sentem pais e donos da língua, até políticos que julgam que a língua evolui por decreto. Por sua vez, estes pais são quase todos bígamos, cada qual casado com a sua opinião e com a sua presunção.

Esta é a ortografia dos devotos do «acordo».

(Não há aqui espaço nem tempo – nem esse é hoje o meu intuito – de tratar do acerto ou desacerto do «acordo» que nunca foi acordado).

 

3 – Há ainda a ortografia do «super-acordo» ou dos fanáticos do «acordo». São aqueles que não podem ver uma consoante antes de outra sem que, zelosamente, a façam cair.

O «acordo» estabeleceu que as consoantes mudas devem cair (**), como, por exemplo, é o «p» de «baptismo» ou o «c» de «actual». Mas os fanáticos super-acordistas vão mais longe e entendem que não só as consoantes mudas devem cair, mas também as falantes. Fazem cair o «c» de «contacto» ou de «facto» e escrevem «contato» e «fato». Como cair fazem o «p» de «criptogâmica» ou de «abrupto»» e escrevem «critogâmica» e «abruto». Ao fazer cair aquele «c» e aquele «p», esta ortografia permite-se o desplante de também querer «acordar» a pronúncia!!!

 

4 – A quarta ortografia (possivelmente a mais corrente) é uma mistura das três anteriores, em doses e proporções ao gosto de cada um, em «cocktails» sortidos de um extenso cardápio.

Basta ler qualquer revista ou jornal, ou, de preferência, aquelas notas de rodapé que as televisões passam todos os dias, para nos apercebermos da imaginação criadora destes novos «barmen».

 

5 – A quinta ortografia é a que não se integra em nenhuma das anteriores, que está errada à luz de qualquer delas, que desvirtua a fonética, atraiçoa a etimologia, ofende a morfologia e atropela a sintaxe. Uma espécie de sublimação da anterior. Mas é, talvez, a mais popular de todas.

Das duas velhas ortografias, o «acordo» que ninguém acordou conseguiu fazer cinco – a pentaortografia. É o que se chama produtividade cultural!!!

 

*Professor universitário aposentado.

Nota: por decisão do autor, este texto não obedece ao impropriamente chamado acordo ortográfico.

 

Fonte:

https://www.diariodominho.pt/2020/12/05/a-pentaortografia/?fbclid=IwAR3Z9FR4jNaaWBASp5JKuBMLeyk0WTUf8V7RnWxQ0zkRCeq2Anftd8mIGWQ

 

***

 

(*) Neste ponto, permita-me discordar do senhor Professor. A ortografia que está vigente em Portugal, desde 1945, a nossa ortografia, não deve ser chamada de “ortografia antiga”, porque ela não é antiga, mas actual. A “antiga ortografia” é a de 1911. E a ortografia preconizada pelo AO90 é a de 1943, implementada apenas no Brasil. É que nem sequer o AO90 está em vigor, como os governantes nos querem fazer crer.  O AO90 está em vigor apenas para os servilistas e desinformados, os comodistas e acomodados, e claro, para os que optaram pela ignorância, porque uma Resolução do Conselho de Ministros não faz lei, e apenas uma LEI pode pôr em vigor alguma coisa.   



(**) Aqui permita-me o Professor M. Moura Pacheco, acrescentar o seguinte: não foi o AO90 que estabeleceu que as consoantes mudas devem cair. Esse estranho propósito, existe no Brasil desde 1943, por isso, eles escrevem teto, arquiteto, fatura, setor, adoção, direto, etc., etc... Antônio Houaiss e, mais tarde, Evanildo Bechara, ao convidar Malaca Casteleiro para se unir aos Brasileiros, no sentido de elaborarem um “acordo ortográfico” entre os dois países, já tinham na mira a Base 4, do Formulário Ortográfico de 1943, estabelecido unilateralmente pela Academia Brasileira de Letras, para vigorar apenas no Brasil, e que dizia o seguinte: Consoantes mudas: extinção completa de quaisquer consoantes que não se proferissem, ressalvadas as palavras que tivessem variantes com letras pronunciadas ou não, a base usada na formulação do AO90, com o intuito de “unificar” as grafias brasileira e portuguesa, esquecendo-se os obreiros de tal (des)acordo que os Brasileiros não pronunciam, por exemplo, o de contaCto e de faCto, e os Portugueses pronunciam; e que os Brasileiros pronunciam o de percePção e recePção  e suas variantes, e os Portugueses não pronunciam. Daí que essa unificação teria de passar por esta coisa simples: ou os Brasileiros começavam a pronunciar o de contacto e facto, e a não pronunciar o de percepção e recepção, ou instalar-se-ia, como se instalou, a tal pentaortografia de que nos fala o Professor,  e a qual não interessa a ninguém. Mas como os portugueses servilistas sempre tiveram a mania de ser mais papistas do que o papa, e como a ordem emanada das mentes alienadas acordistas é para cortar, seja torto ou a direito, os cês e os pês, que lhes aparecerem pela frente, até quando eles se lêem, como é o caso dos exemplos apresentados pelo Professor, temos a inconcebível escrita analfabeta que, desavergonhadamente, anda por aí a envergonhar Portugal e os Portugueses, numa atitude única e inconcebível, em todo o mundo, que é a de fazer recuar uma Língua (a Portuguesa) à variante de si própria (a brasileira).

 

Jorge Calado diz que dá-lhes jeito pensarem que somos todos criancinhas, mas até as crianças já se aperceberam de que algo vai mal na Língua que lhes estão a impingir nas escolas, e fazem perguntas inteligentes, exigindo respostas também inteligentes. E mais: elas, porque são muito mais perspicazes do que os que lhes ensinam a escrever incorretamente (incurrêtâmente) a Língua Materna delas, apercebem-se imediatamente quando as respostas são estúpidas, e o que eu ouço as crianças dizerem acerca dessas respostas dava para escrever um tratado sobre «Como afastar as crianças do gosto pela Língua, pela Escrita e pela Leitura».  

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:10

link do post | comentar | adicionar aos favoritos (1)
partilhar
comentários:
De Santiago Miral a 7 de Dezembro de 2020 às 15:48
Subscrevo inteiramente.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. A Mixórdia Ortográfica Po...

. O “abifalhar” e o “abrasi...

. E por falar em AO90: «em ...

. Alerta: estamos envoltos ...

. Ao cuidado da classe doce...

. Engana-se quem diz que o ...

. Respondendo a Francisco S...

. Sabiam que em Portugal os...

. Vamos lá a ver se os acor...

. Celebrando o Dia Mundial ...

.arquivos

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. a href="https://www.facebook.com/portuguesdefacto/" target="_blank">https://www.facebook.com/portuguesdefacto/

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Sobre a grafia utilizada neste Blogue

Este Blogue rejeita automaticamente a grafia brasileira, preconizada pelo falso acordo ortográfico de 1990, que foi imposto ilegalmente aos Portugueses. Este Blogue adopta a Língua Oficial de Portugal – a Língua Portuguesa, na sua matriz culta e europeia - na grafia de 1945, a que está em vigor. Grafia brasileira só em textos escritos por Brasileiros.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.
blogs SAPO