Terça-feira, 9 de Junho de 2020

«A propósito da Língua Portuguesa - Qualquer indivíduo, com um nível mínimo de capacidade de entendimento, entende que a Língua Portuguesa é a língua dos Portugueses»

 

 Um texto de Luís Filipe Pimentel Costa, o qual subscrevo inteiramente e remeto a todos os professores e órgãos de comunicação social seguidistas, os maiores disseminadores da mixórdia ortográfica que substituiu a nossa bela e europeia Língua Portuguesa.

 

Árvore genelógica das línguas.png

Árvore genealógica das línguas

 

Por Luís Filipe Pimentel Costa

 

«A propósito da Língua Portuguesa, vou abordar alguns pontos que considero importantes.



Ponto 1:
Começo por falar da própria Língua Portuguesa. Qualquer indivíduo, com um nível mínimo de capacidade de entendimento, entende que a Língua Portuguesa é a língua dos portugueses.

 

Quando falamos de Português como língua, falamos, pois, da língua dos portugueses.

 

Considero este ponto importante, e “sublinho-o” devidamente, pois verifica-se alguma confusão por parte de alguns indivíduos que várias vezes se saem com expressões no estilo “Lá vem o portuga que pensa que é dono da língua”. Sim, os Portugueses são os donos da Língua Portuguesa.

 

Outros povos, quando receberam o país, fizeram as suas opções que conduziram o país ao estado em que se encontra, entre outros assuntos, também na língua que adoptaram como língua oficial. Alguns foram-na enriquecendo com novos vocábulos, mantendo, no entanto, as suas estruturas quer gramaticais quer ortográficas. Outros optaram por, além de a nível vocabular, também a nível gramatical e ortográfico introduzir alterações. Em ambos os casos falamos, pois, de variantes da Língua Portuguesa, mais ainda no segundo caso.

 

Fica, pois, claro que temos a Língua portuguesa e as suas variantes, sendo que o português é a língua dos portugueses e, por exemplo, o português do Brasil é a língua dos brasileiros. E sempre haverá as variantes, pois sempre haverá diferenças vocabulares, apesar de todas as tentativas, sempre falhadas para quimeras de unificação.



Ponto 2:
Em 1945, Portugal e o Brasil entraram numa das quiméricas tentativas de unificação do idioma, firmando-o devidamente com Decretos-Lei, que em Portugal recebeu alterações em 1973.

 

Editou-se, inclusive uma “Enciclopédia Luso Brasileira”.
Quase que desde logo o Brasil começou a desrespeitar este acordo, desviando-se do mesmo.

 

Portugal, no entanto, com as alterações que introduziu em 1973 e firmou em Decreto-Lei, já o Brasil há muito que se desviara, manteve-se fiel, sendo este o português actualmente legal, sendo ilegal, por falta de legalidade a nível nacional, qualquer outra forma que se pretenda, e se tem pretendido, impor.



Ponto 3:
Mais uma vez, em 1990 se entrou numa quimérica pretensão irrealizável de unificar o português com a sua variante brasileira.

 

Desta vez a insensatez levou a que se pretendesse incluir todos os povos que adoptaram o português como língua oficial.

 

Verificando-se o irrealizável que esta tarefa é, entrou-se em remendos ao pretenso acordo, desvirtuando-o e impossibilitando a sua legalização.

 

Devido a esta impossibilidade de legalizar um acordo que nunca existiu, optou-se, numa claramente cega teimosia política por impor a nível da Função pública este pseudo-acordo.

 

Tirando proveito da falta de brio nacional da maioria da actual população portuguesa, a classe política portuguesa adoptou a atitude ditatorial e desrespeitosa para com os cidadãos portugueses de impor a nível das escolas a escrita ilegal.

 

Devido à já referida falta de brio nacional da actual população portuguesa esta ilegalidade linguística tem-se prolongado por tempo já há muito inadmissível.

 

Coibo-me de referir como a questão se vem desenrolando no Brasil, deixando isso aos brasileiros.


 
Ponto 4:
Quando esta ilegalidade linguística começou a ser imposta nas escolas, ninguém se importou com o impacto que iria ter nas “criancinhas”, pelo que não se aceita agora esse falacioso argumento de que as “criancinhas” já aprenderam a escrever de forma errada e ilegal. Com maior força se impõe e justifica a reposição da legalidade na Língua Portuguesa.



Quinto e último ponto:
Não é por acaso que o dia 10 de Junho, dia de Portugal e da Língua Portuguesa, está a morrer na sua significância. Ambos estão moribundos, o país como nação e a Língua como idioma.

 

Por tudo o acima exposto, é facto que a Língua Portuguesa só existe em alguns Portugueses “vero”, não existindo na imposta ilegalidade, oficialmente imposta e agachadamente aceite por portugueses que apenas o são porque têm um cartão de plástico que assim o diz.»

 

Fonte: https://www.facebook.com/pimentelcosta/posts/3372241392820789

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:31

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Ao redor da retrógrada me...

. «Com ele [AO90) a língua ...

. «Quem acode ao “mayday” (...

. «A língua portuguesa e um...

. Da importância do Livro e...

. «O Império Ortográfico»

. «Este acordo [AO90] é ver...

. AO90: «Como conclusão tem...

. «Não podemos deixar morre...

. Até breve!

.arquivos

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. a href="https://www.facebook.com/portuguesdefacto/" target="_blank">https://www.facebook.com/portuguesdefacto/

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 é uma fraude, ilegal e inconstitucional

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram oficialmente a não vigência do acordo numa reunião oficial e os representantes oficiais do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO