Sábado, 5 de Outubro de 2019

«Desafinações de António Costa sobre o Acordo Ortográfico»

 

 

Os patrões da língua.png

 

«Por três vezes, António Costa, primeiro-ministro de Portugal, foi questionado sobre o Acordo Ortográfico de 1990, e, por três vezes, foi contraditório.

 

Em 08 de Janeiro de 2016 referiu que «Não, não teria tomado a iniciativa de fazer o acordo ortográfico.»

 

Clicar no link, ao 3º minuto e 21:

 

https://www.facebook.com/TradutoresContraAO90/videos/764099790358358/?v=764099790358358

 

Onze meses mais tarde, António Costa disse o contrário: «Pessoalmente sempre fui defensor do acordo», e esta é a sua verdadeira posição! É um ACORDISTA!

 

Clicar no link:

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2016/11/1828883-papel-lusofono-na-onu-deve-evoluir-com-guterres-diz-premie-portugues.shtml

 

António Costa recusou «desfazer» o acordo ortográfico: «Para mim, acho que não faz sentido mexer no Acordo Ortográfico».

«Para as novas gerações, deve ser divulgada e deve ser ensinada a nova ortografia».

«Acho que temos convivido todos bem».

 

Clicar no link, no 1º minuto e 40, 2º minuto, segundos 40 e 5:

 https://www.facebook.com/TradutoresContraAO90/videos/764099790358358/?v=764099790358358

 

E mais: o primeiro-ministro meteu água na resposta pela Televisão Pública de Angola!

 

Clicar no link:

 https://www.facebook.com/TradutoresContraAO90/videos/548419862260144/UzpfSTUzMTQ5NzQxMzYyMDM4NjoxNTE5MjIyNzgxNTE0NTA2/

 

Como se fosse o dono da Língua, António Costa admitiu outros Acordos Ortográficos: «Não é o primeiro acordo ortográfico e não há-de ser a última vez», mas o seu ministro Augusto Santos Silva e o PS recusaram qualquer proposta de revisão do AO, «aguardando serenamente» que todos os Países ratifiquem.

 

E agora mais esta: como se não bastassem os organismos sanguessugas dos países e da CPLP, foi criado mais um: «Conselho de Ortografia da Língua Portuguesa». A 1ª reunião deste elefante branco foi escolhida a dedo: 7 e 8 de Outubro, logo a seguir às eleições!

 

O ministro Augusto Santos Silva é um dos anfitriões do evento, e vai-se homenagear Malaca Casteleiro.

 

Clicar no link:

https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/atualidades/noticias/1-reuniao-do-conselho-da-ortografia-da-lingua-portuguesa-no-porto/3366?fbclid=IwAR1Z78UGTfDeSYgrqP6DiqAyl2NQ__2bA0R8Muo6xGHeMi8imNpisbNJRms

 

Senhores negociantes:

PAREM DE NEGOCIAR COM A LÍNGUA PORTUGUESA!»

 

Opositores do AO90

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:37

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
comentários:
De Sarin a 6 de Outubro de 2019 às 21:02
Não há contradição ao dizer que sempre se defendeu o acordo mas que não se tomaria a iniciativa de o fazer.
Nem há contradição ao dizer que não foi o primeiro nem será o último - afinal, tem saído um acordo a cada 30 anos desde 1911.


O que há é uma muito má explicação para a ratificação deste Acordo. Que recuso profundamente!
De Isabel A. Ferreira a 7 de Outubro de 2019 às 12:13
Sarin, quem diz que defende o acordo, mas não tomaria a iniciativa de o fazer, é NIM, e os NINS são os maiores entraves à evolução de um país, do mundo, da Humanidade.

Dizer que este acordo não foi o primeiro nem será o último realmente não é contradição, mas é de uma leviandade e de uma vontade arrebatadora de transformar a Língua em mercadoria para fazer NEGÓCIOS absolutamente inconcebíveis.

Quando à existência de uma má explicação para a ratificação do acordo, ela está a ser dada neste Blogue, através das denúncias do Conselho Internacional de Oposição ao AO90, que considerei de interesse público divulgar. Por isso pus o Blogue à disposição.

Contudo, ao que parece, ou por uma elevada iliteracia, que não permite ver o alcance destas denúncias, ou qualquer outro motivo, que me passa ao lado, ainda ninguém se apercebeu de que o AO90 é uma fraude, e as fraudes levam-se à justiça, para que os seus protagonistas sejam julgados. E se houver Justiça isenta, em Portugal, este será o desfecho disto tudo.
De Sarin a 7 de Outubro de 2019 às 12:28
São entraves, sim, mas não contradições.
Falava de explicação por parte de quem de direito.
As denúncias tenho acompanhado. E não será, ou não será apenas, a iliteracia a tornar o assunto marginal. Penso que seja mesmo alheamento, desinteresse. A cidadania estagnada e resumida ao voto - nos votantes - e ao resmungo "contra eles".
De Isabel A. Ferreira a 7 de Outubro de 2019 às 14:28
Bem, Sarin, quem lhes chamou contradições não fui eu. Mas sejam entraves, sejam contradições, António Costa não está a lidar adequadamente com esta matéria. Nem me surpreende, porquanto, no que respeita à Língua Portuguesa, ele tem nota zero no modo como se expressa e como escreve os seus twitters, desconhecendo, por completo, as regras gramaticais e a própria Língua Materna. E quem tem nota zero a Português, como pode defender a língua oficial de Portugal?

Quanto ao resto, o povinho português só está interessado em futebol, telenovelas e reality shows. E a comunicação social ajuda. Nunca Portugal bateu tanto no fundo, como nos dias de hoje.
De Sarin a 7 de Outubro de 2019 às 14:49
Por acaso foi, Isabel, logo no primeiro parágrafo diz que Costa foi três vezes contraditório.


Concordo, Costa escreve mal e não será dos oradores com mais brilhantismo de oratória. Não he conheço as notas a Português, embora duvide que fossem assim tão baixas; e sei que se pode defender algo mesmo desconhecendo as regras - defendo a Astronomia e nem sei identificar metade das constelações que conheço.

Isto para dizer que discordo de alguns dos argumentos que usa, mas concordo quando diz que este AO é uma nulidade e que deve ser tratado como tal. E que o Governo deve ser claro quanto à sua política para a Língua. Tal como devem sê-lo os outros órgãos de soberania política, acrescento.
De Isabel A. Ferreira a 8 de Outubro de 2019 às 10:57
Sarin, por acaso não foi. O primeiro parágrafo pertence ao texto dos Opositores do AO. Pensei que ficasse claro que quando não faço comentários aos textos, que publico, das outras pessoas, e não estando em itálico, se supusesse que todo o texto é da responsabilidade de quem o assina. Enganei-me.
Mas já tratei de corrigir.

Quanto às notas de Português de António Costa: uso bastantes vezes a metáfora do ZERO, para dizer de situações em que a ignorância impera. Talvez Costa nunca tivesse tirado um zero, por muito mau que fosse a Português. Eu nunca dei um zero aos meus alunos mais fraquinhos. Nunca. O zero é uma metáfora, não é um argumento.

Não concordo com o que diz quanto à defesa de algo sem desconhecer as regras.
O Sarin pode não identificar metade das constelações, mas defende a Astronomia. Contudo, presumo que deva saber o mínimo, para que possa defendê-la. Que é o meu caso. Também defendo muitas coisas de que sei apenas o mínimo, mas esse mínimo chega-me para que eu as defenda. É-me impossível defender ou rejeitar coisas das quais não sei absolutamente nada, ou seja, esteja a ZERO.

Ora o caso de António Costa situa-se nesse limiar: não sabe nada de Português, escreve-o incorrectamente, e pronuncia-o pessimamente, usa-o completamente à balda, está-se nas tintas para a Linguagem, para as regras gramaticais, apesar de ser primeiro-ministro de Portugal e ficar bem a um primeiro-ministro usar a sua Língua Materna, correctamente, escorreitamente, tanto a escrever como a falar. Isto é algo que não perdoo a quem tem cargos públicos, jornalistas incluídos. Nunca se falou tão incorrectamente, na televisão, como hoje, logo na televisão que é uma escola para o povo, que fica agarrado a ela, e não lê bons livros, escritos em Bom Português.

Que o governo e os outros órgãos de soberania política devem ser claros quanto à sua política para a Língua, devem, mas a conspiração do silêncio mantém-se, porque os donos maiores da Língua continuam a achar que são os donos dela, e que jamais serão punidos, eles e os seus cúmplices.

E isto, infelizmente, Sarin, faz parte de um Portugal em franca decadência.

Quando a Língua, na sua forma grafada, é amarfanhada e substituída pela forma grafada da língua de um outro país, significa apenas uma coisa: que perdeu a sua independência e identidade, porque um povo amorfo não sabe, nem quer saber, do que se passa no país.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. «O Acordo Ortográfico e ...

. Diz o Embaixador Carlos F...

. «Augusto Santos Silva e L...

. Ao redor da inconcebível ...

. «Conhece uma língua filog...

. «Brasil e Portugal declar...

. Discurso de Costa: «Caras...

. «Cegos, surdos e mudos à...

. «Desafinações de António ...

. «A data de depósito do «i...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

.

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 é uma fraude, ilegal e inconstitucional

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram oficialmente a não vigência do acordo numa reunião oficial e os representantes oficiais do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO