Sexta-feira, 18 de Novembro de 2022

«Em Defesa da Ortografia (LIII)», por João Esperança Barroca  

 

«O que se passa com o AO90 é que se trata de um «organismo» que não surgiu naturalmente, foi induzido artificialmente de uma maneira violenta e brutal, tendo gerado um «ser» abortivo — ou seja, trata-se de uma MUTAÇÃO desfavorável, não de uma EVOLUÇÃO natural, basta observar os erros, as incongruências, os descalabros e as desorientações provocados no Ensino e em diversas áreas culturais, e auscultar as queixas de professores e alunos sobre o calamitoso estrago causado pela imposição do AO90.

Ora, quando um organismo não é viável, como por exemplo um doente terminal em estado vegetativo, a ciência médica pode fazê-lo sobreviver por «tecnologia clínica», ligando-o a uma máquina que lhe prolonga a agonia artificialmente.

No caso da mutação desvantajosa do AO90, verificamos que o seu deplorável estado vegetativo somente se mantém porque foi ligado à máquina por «tecnologia política», e a sua falsa vida, prolongando-se, está a proporcionar uma agonia intolerável aos que lhe sofrem os efeitos.»

António de Macedo, cineasta e escritor

 

«A violenta desfiguração que o novo Acordo quer impor à língua é um crime grave. Com ele, a língua original do trovador D. Dinis, de Gil Vicente, do Pe. António Vieira… passou a ser um subdialecto do brasileiro, que nem os brasileiros reconhecem, porque eles continuam a escrever aspecto, perspectiva, espectador, excepcional, concepção, recepção… e nós com o novo Acordo passamos a escrever aberrações como aspeto, perspetiva, espetador, excecional, conceção, receção…

O iluminado legislador que produziu a novo AO parece ignorar a tendência fonogrâmica das línguas, a inevitável “colagem” da letra à fonética. Quando vejo escrito, como agora,conceção e receção,por exemplo, a minha tendência é pronunciar como concessão e recessão… A tendência fonogrâmica do português brasileiro é abrir os sons, ao passo que a do português de Portugal é fechá-los. Por isso a grafia constitui uma marca distintiva fundamental. Por exemplo, o novo AO quer que se escreva afetar e adotar, tal como no Brasil, em vez de afectar e adoptar. Com ou sem as letras aparentemente mudas como o “c” ou o “p”, o brasileiro pronunciará sempre àfètár e àdòtár, ao passo que português sem o “c” e sem o “p”, terá a tendência fonogrâmica de pronunciar âf´tár e âdutár. Se passo a escrever correto em vez de correcto, terei tendência, enquanto português, para pronunciar kurrêto, como em carreto ou coreto…»

António de Macedo, cineasta e escritor

 

Inicia-se o texto de Novembro com duas citações de António de Macedo, ambas “roubadas” ao blogue Apartado 53, que tem tido um notabilíssimo trabalho a desmascarar o AO90. Além da substância nelas contida, digna da mais profunda reflexão, pretende o autor deste escrito chamar a atenção para a quinta edição do Prémio António de Macedo, organizado pela Editorial Divergência, ao qual podem concorrer apenas as obras que respeitem o Acordo Ortográfico de 1945.

 

Sobre a inutilidade do AO90 e sobre os seus malefícios no que respeita à oralidade, os textos em epígrafe são mais certeiros do que qualquer comentário do autor destas linhas.

 

Por essa razão, dedicar-nos-emos a demonstrar, mais uma vez, um dos aspectos do caos ortográfico que se foi instalando. Como o leitor, certamente, já reparou, deparamos, de quando em vez, com uma palavra estranhíssima. Sim, caro leitor, estou a falar do contato.

 

Esta forma resulta do fenómeno de hipercorrecção e tem tido muito sucesso um pouco por todo o lado, a ponto de alguns especialistas acharem que dela já não nos livraremos.

 

Uma rápida consulta às páginas digitais de alguns órgãos da comunicação social permitiu o seguinte pecúlio: “Todos aqueles que têm contato com o povo francês…” (Expresso, 16-10-22); “Messi não terá nesta altura contatos…” (A Bola, 07-10-22); “… melhorar o contato e aderência…” (AutoFoco, 26-09-22); “Será possível desenvolver contatos…” (A Bola, 15-09-22); “… estamos em contato permanente… (A Bola 05-09-22); “… o contato com a tripulação foi interrompido.” (Expresso, 04-09-22); “… após sofrerem contatos ligeiros…” (Tribuna Expresso, 19-08-22); “Câmara quer dinamizar contatos pela internet…” (RTP Madeira, 25-07-22); “Joan Laporta em contato com os responsáveis máximos…” (A Bola, 09-08-22); “… apesar de tentativas de contato…” (A Bola, 26-07-22); “Estão ainda a ser desenvolvidos contatos com a Câmara Municipal…” (A Bola, 22-07-22); “… entre em contato com a polícia.” (Jornal I, 03-07-22); “Serviços sociais da Câmara estão em contato com pessoas sinalizadas…” (Rádio Hertz, 15-07-22); “… permitindo […] contatos com a menor em condições propícias aos abusos…” (Jornal Sol, 15-07-22).

 

Se respigarmos no Diário da República, só no mês de Outubro deste ano, encontraremos, usufruindo do labor de Francisco Miguel Valada: “… não dispensa o contato regular do trabalhador…” (24-10-22); “Ponto de Contato da Rede Europeia dos Direitos das Vítimas.” (07-10-22).

 

Se é assim nestes meios, como será com o cidadão comum?

Trinta e dois anos depois de os coveiros da língua terem produzido o AO90, ainda há tempo para reverter os malefícios de tal instrumento.

 

Ah, se o leitor publicar, no Brasil, uma obra intitulada “O Contato”, em Portugal, em bom português, o seu título será “O Contacto”. É isto a unidade essencial da língua.

 

P.S.: As imagens que acompanham este escrito (tal como as citações e imagens dos textos anteriores desta série) foram publicadas nas páginas de Facebook dos grupos Cidadãos Contra o Acordo Ortográfico de 1990 e Tradutores Contra o Acordo Ortográfico, os quais têm desenvolvido um laudabilíssimo labor, desmascarando o embuste ortográfico.

 

João Esperança Barroca

 

Barroca 1.jpg

Barroca 2.jpg

Barroca 3.jpg

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:37

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Fevereiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. «“Não falo o português.” ...

. Estão a infiltrar o “bra...

. Facto: o AO90 foi criado ...

. Suprimem os “cês” e os “p...

. «Em Defesa da Ortografia ...

. Na SIC Notícias professor...

. Que “DESILUÇÃO” é esta? S...

. Ministério da Educação pe...

. A questão do AO90 é graví...

. Funeral de Bento XVI: Por...

.arquivos

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.
blogs SAPO