Segunda-feira, 4 de Setembro de 2023

“Festa do Livro [acordizado]” em Belém: da entrevista de Marcelo Rebelo de Sousa à TVI ficou-nos a ideia claríssima do seu DESPREZO pela Língua Portuguesa, dando primazia à Variante Brasileira do Português

 

Quem tiver a oportunidade de ver ou rever, veja ou reveja o princípio da entrevista, que o presidente da República, que NÃO o é da República Portuguesa, deu à TVI.  

 

- A prioridade foi para o livro infantil, para as crianças, e sabemos que os livros infantis são TODOS acordizados, inclusive as novas edições de autores que abominavam o AO90, como, por exemplo, Sophia de Mello Breyner (como foi possível os filhos permitirem tal insulto à sua memória?).

 

A aposta foi para as crianças e para os jovens porquê?

Porque, para os acordistas, são as crianças e os jovens que transportarão a semente da Variante Brasileira do Português, que Marcelo tanto quer ver enraizada em Portugal, chegando, para tal, a violar a Constituição da República Portuguesa, algo que o governo e Parlamento também fazem, todos a mando do algoz-mor da NOSSA Língua, o qual, para tal, elaborou uma cassete, que circula por aí, arrastando uma repugnante mentira, esperando que essa mentira repetida milhares de vezes passe a ser verdade. Porém, esquecem-se eles de que a verdade é mais poderosa do que a mentira. A verdade é como o azeite: vem sempre ao de cima. E mais dia, menos dia, essa verdade virá ao de cima, e os mentirosos serão desmascarados.

 

 - Marcelo recomendou aos PAIS das crianças para levarem este e mais aquele e mais aqueloutro livro, e os Pais foram a correr comprá-los como carneirinhos: acriticamente. É nisto que Marcelo Rebelo de Sousa aposta, para que a Língua Portuguesa seja destruída.

 

APOSTA NO LIVRO INFANTIL.PNG

 

Esta sua obsessão pelo Brasileiro, e o DESPREZO que ele votou a um Grupo Cívico de cidadãos que lhe enviaram um APELO, para que cumprisse a alínea 3ª, do artigo 11º da Constituição da República Portuguesa [voltarei a este assunto para dar mais pormenores anormais acerca deste desprezo] fez-me lembrar o que disse Alexandre Soljenitsyne, preso político do regime comunista soviético. As suas obras revelaram ao mundo as atrocidades cometidas nos gulags, campos de concentração soviéticos, onde morreram milhares de pessoas: «Para destruir um povo é preciso destruir as suas raízes».

 

Estamos a ver Portugal a esvair-se, a ser entregue a estrangeiros, porque, na verdade, a política orquestrada pelos decisores políticos portugueses é a de destruir o Povo Português. E como se destrói um Povo? Destruindo a sua LÍNGUA, os seus valores, a sua História, a sua Cultura, enfim, as suas RAÍZES, plantando novas sementes que podem levar à extinção o Povo que uma indigna facção de apátridas, metidos lá no seu latíbulo, está a tentar destruir.

 

alexander_soljenitsin.png

Imagem de Soljenitsyne: AFP via Getty Images

George Orwell.PNG

Como posso calar-me, perante esta ignominiosa tentativa de implantarem em Portugal uma linguagem que NÃO identifica Portugal?

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:59

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
comentários:
De Diana Coelho a 7 de Setembro de 2023 às 19:20
Olá Isabel. De facto, como foi possível a família da escritora Sophia de Mello Breyner Andresen permitir que a sua obra fosse acordizada? Então mas o Dr. Miguel Sousa Tavares não era contra o Acordo Ortográfico 1990? Estranho... Quanto ao apelo do sr. presidente da República para as criancinhas lerem livros acordizados, não se preocupe, elas não vão ler. É que, actualmente,
as crianças não lêem, não querem saber de livros para NADA. Para elas, livros são "uma seca" e para os pais e mães dessas criancinhas é mais fácil educá-las com um telemóvel nas maos para assistirem a vídeos de youtubers brasileiros.
De Isabel A. Ferreira a 8 de Setembro de 2023 às 17:52

Olá, Diana Coelho.

Pois a sua estupefacção é também a minha estupefacção.

O Miguel era e é contra o AO90. E muito ferrenho. Não se entende esta atitude.

Mas o desrespeito pela NOSSA CULTURA chegou ao ponto de acordizarem também Fernando Pessoa, Luís de Camões, Camilo, Eça, Saramago, enfim uma TRAGÉDIA.

Esses editores deviam ser todos presos ou irem à falência.

Quanto aos livros recomendados às crianças pelo PR, a Diana tem toda a razão: os pais, como cordeirinhos, até poderão comprar os livros recomendados, mas infelizmente as crianças NÃO vão lê-los. Os telemóveis vieram substituir os livros. Mas é pior a emenda do que o soneto, uma vez que a linguagem da Internet é uma coisa de IGNORANTES ao mais alto grau. Então os youtubers e os tiktokers brasileiros só espalham palermices, de uma incultura jamais vista. Como é possível os governos permitirem tal IDIOTICE? Talvez por serem também idiotas.
De Zé Oliveira a 9 de Setembro de 2023 às 10:20
Saudações!

Eça, Pessoa e Camilo foram acordizados como já o tinham sido após 1911. Em ambos os casos, a escrita original foi mudada.
Se há desrespeito por eles agora, já o houve há mais de cem anos. Principalmente por Pessoa, conhecido opositor à reforma da I República.

Com isto não venho argumentar a favor do mais recente “acordo”. Pelo contrário, sou totalmente contra a importação da escrita/lobby brasileiro.

Apenas vim comentar que, teoricamente, socorrermo-nos nos escritores antigos pode tornar-se falacioso para discutir uma reforma ortográfica que já tem precedentes.

Continuação de óptimo trabalho!
De Isabel A. Ferreira a 9 de Setembro de 2023 às 17:32
Caro Zé Oliveira, agradeço o seu comentário, porque dar-me-á oportunidade de rebater o argumento que apresenta, e que os acordistas adoram pôr-nos à cara.

As reformas de 1911 e de 1945 foram realizadas por linguistas portugueses, que NÃO fizeram mais do que modernizar a Língua, SEM, no entanto, a afastarem das suas raízes greco-latinas.

Os autores que cita NÃO foram acordizados. Nem nenhum anteriores a eles.

Fernando Pessoa (1881-1935) apanhou a Reforma Ortográfica (não o AO90 – coisa diferente) de 1911, o qual ele contestou. E contestou porquê? Porque todas as mudanças são contestadas, e não pelos mesmos motivos. E logo ele, que se chamava Fernando, e grafava o seu nome com EFE (F), mas grafava farmácia com PH (fonema grego correspondente à consoante F, do alfabeto latino, que era e é o nosso). E o que aqui se fez foi substituir os fonemas gregos pelos seus correspondentes latinos, e suprimir as consoantes duplas, não pronunciadas, por exemplo, em “ella” por ela. Nestes casos não se mexeu na pronúncia, e a raiz da palavra continuou lá. Já as consoantes duplas, também não pronunciadas, mas com função diacrítica, permaneceram. Por exemplo: faCtor, seCtor, direCtor, e aquelas outras todas que o AO90 mutilou.

Quanto a Camilo Castelo Branco (1825-1890) e Eça de Queiroz (1845-1900) são anteriores à reforma ortográfica de 1945, que está vigente até aos dias de hoje, e as suas obras foram adaptadas à nova ortografia, que continuou no registo de NÃO se afastar das suas raízes greco-latinas, sem se mexer na pronúncia e etimologia. Escrever como se fala é coisa da IGNORÂNCIA.

E o que se passou com a Língua Portuguesa, passou-se igualmente, com as outras Línguas europeias. O Inglês, o Francês, o Alemão, o Castelhano, entre muitas outras. Estas Línguas foram evoluindo tal como a NOSSA Língua evoluiu. Mas, ao contrário dos políticos portugueses, os políticos desses países JAMAIS fizeram acordos ortográficos com as suas ex-colónias, porque apenas os povos MAIS ignorantes fazem acordos ortográficos com ex-colónias e aceitam substituir a Língua-Mãe pela Língua-Madrasta, estando a Língua-Mãe de muito boa saúde.

As Línguas europeias estabilizaram, e a nossa continua a REGREDIR. Os restantes países europeus, também eles ex-colonizadores, querem lá saber de uniformizar o que é absolutamente impossível de uniformizar. Só os parvos o fazem.

O AO90 trouxe regressão, NÃO, evolução. Trouxe uma grafia mutilada, um afastamento da linguagem da sua ORIGEM, que mexe com a pronúncia e etimologia, e introduziu regras absolutamente IDIOTAS à hifenização e acentuação.

É absolutamente falso falar-se que Eça, Pessoa e Camilo já tinham sido acordizados.

Só depois da existência do AO90 é que podemos falar em ACORDIZAR, isto é, IDIOTIZAR a linguagem.
E é inadmissível que o façam.

Se se apresentasse HOJE uma revisão da grafia de 1945, que não é perfeita, elaborada por LINGUISTAS conceituados, honestos e peritos na Língua, e sugerissem voltar ao vôo, ao trema, a acentuações e hifenizações que facilitam a compreensão da escrita, eu não me importaria que os meus textos fossem reescritos, conforme a nova grafia revista e melhorada.

Acordizar (ou seja, aplicar o AO90, NÃO, as reformas de 1911 e a de 1945) nos textos de Fernando Pessoa, Camões, Eça, Camilo, Sophia de Mello Breyner Andersen [as obras dela foram acordizadas, safou-se o nome que continua com PH e com ÉLE duplo) e tantos outros clássicos é um INSULTO à memória deles.

Engana-se quando diz que «teoricamente, socorrermo-nos dos escritores antigos pode tornar-se falacioso para discutir uma reforma ortográfica que já tem precedentes». Isto NÃO tem precedentes. Porque as reformas ortográficas foram as de 1911 e 1945.

O que chamamos de AO90 NÃO foi uma reforma, foi um ACORDO POLÍTICO para VENDER a Língua Portuguesa ao Brasil.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
15
16
17
18
20
22
24
25
28
29

.posts recentes

. (...) «E a campanha eleit...

. A propósito do artigo ...

. «Uma Língua em terra de n...

. Pedro Nuno Santos (PS) di...

. Sobre o AO90: «Carta aber...

. «No Brasil fala-se Brasil...

. O PS mostra a sua raça, a...

. Troca de palavras com um ...

. Os “fatos” da GNR

. Este é o “DIANÓSTICO” da ...

.arquivos

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Agosto 2023

. Julho 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.

.ACORDO ZERO

ACORDO ZERO é uma iniciativa independente de incentivo à rejeição do Acordo Ortográfico de 1990, alojada no Facebook. Eu aderi ao ACORDO ZERO. Sugiro que também adiram.
blogs SAPO