Segunda-feira, 1 de Fevereiro de 2021

«Hoje não se fala Português… Linguareja-se!»

 

Um interessante exercício, da escritora Helena Sacadura Cabral, sobre o novo-riquismo linguístico, a linguagem dita “politicamente correcta”, usada num mundo linguisticamente (mas não só) pobre, onde começa a proliferar também a linguagem pimba (aquela do todos e todas), tudo embrulhado numa ignorância pavorosa, que está a transformar Portugal num deserto linguístico-cultural.


A não ser que, do nada, surja uma mente brilhante, dentre a intelectualmente pobre governação deste nosso tão desditoso País, que possa pôr o Bom Português nos carris da prioridade do Ensino.

 

Obviamente, livre do malvisto AO90, e do linguajar pseudo-correcto.

 

Isabel A. Ferreira

 

Lingureja-se.jpeg

 

Por Helena Sacadura Cabral

 

«Hoje não se fala Português… Linguareja-se!»

 

«Desde que os americanos se lembraram de começar a chamar aos negros de 'afro-americanos', com vista a acabar com as raças por via gramatical, isto tem sido um fartote pegado! As criadas dos anos 70 passaram a 'empregadas domésticas' e preparam-se agora para receber a menção de 'auxiliares de apoio doméstico'.

 

De igual modo, extinguiram-se nas escolas os 'contínuos' que passaram todos a 'auxiliares da acção educativa' e agora são 'assistentes operacionais'.

 

Os vendedores de medicamentos, com alguma prosápia, tratam-se por 'delegados de informação médica'.

 

E pelo mesmo processo transmudaram-se os caixeiros-viajantes em 'técnicos de vendas' ou "comerciais".

 

O aborto eufemizou-se em 'interrupção voluntária da gravidez'.

 

Os gangs étnicos são 'grupos de jovens'.

 

Os operários fizeram-se de repente 'colaboradores'.

 

As fábricas, essas, vistas de dentro são 'unidades produtivas' e vistas de exterior são 'centros de decisão nacionais'.

 

O analfabetismo desapareceu da crosta portuguesa, cedendo o passo à 'iliteracia' galopante. Desapareceram dos comboios as 1.ª e 2.ª classes, para não ferir a susceptibilidade social das massas hierarquizadas, mas por imperscrutáveis necessidades de tesouraria continuam a cobrar-se preços distintos nas classes 'Conforto' e 'Turística'.

 

A Ágata, rainha do pimba, cantava chorosa: «Sou mãe solteira...»; agora, se quiser acompanhar os novos tempos, deve alterar a letra da pungente melodia: «Tenho uma família monoparental...» – eis o novo verso da cançoneta, se quiser fazer jus à modernidade impante.

 

Aquietadas pela televisão, já se não vêem por aí aos pinotes crianças irrequietas e «terroristas»; diz-se modernamente que têm um 'comportamento disfuncional hiperactivo' Do mesmo modo, e para felicidade dos 'encarregados de educação' , os brilhantes programas escolares extinguiram os alunos cábulas; tais estudantes serão, quando muito, 'crianças de desenvolvimento instável'.

 

Ainda há cegos, infelizmente. Mas como a palavra fosse considerada desagradável e até aviltante, quem não vê é considerado 'invisual'. (O termo é gramaticalmente impróprio, como impróprio seria chamar inauditivos aos surdos - mas o 'politicamente correcto' marimba-se para as regras gramaticais...)

 

As p.... passaram a ser 'senhoras de alterne'.

 

Quando a vida corre bem é "bué de fixe".

 

À mentira passou a chamar-se de inverdade.

 

Para compor o ramalhete e se darem ares, as gentes cultas da praça desbocam-se em 'implementações', 'posturas pró-activas', 'políticas fracturantes' e outros barbarismos da linguagem. E assim linguajamos o Português, vagueando perdidos entre a «correcção política» e o novo-riquismo linguístico.

 

Estamos "tramados" com este 'novo português'; não admira que o pessoal tenha cada vez mais esgotamentos e stress. Já não se diz o que se pensa, tem de se pensar o que se diz de forma 'politicamente correcta'.»

 

 Helena Sacadura Cabral

 

Fonte:  https://abemdanacao.blogs.sapo.pt/tag/%22helena+sacadura+cabral%22

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:19

link do post | comentar | adicionar aos favoritos (1)
partilhar
comentários:
De Abel a 18 de Março de 2021 às 18:09
Tem a certeza que este texto é da autoria de Helena Sacadura Cabral? Já circula pelo menos desde 2013 mas nunca descobri em que blogue, jornal ou revista é que foi publicado. Cumprimentos
De Isabel A. Ferreira a 18 de Março de 2021 às 19:18
Caro Abel,

Recebi este texto via e-mail.

O texto foi publicado no Blogue «A Bem da Nação», por Henrique Salles da Fonseca, em 25.09.15, fonte que refiro no fim do texto. Esta:

https://abemdanacao.blogs.sapo.pt/tag/%22helena+sacadura+cabral%22

Parti do princípio que o texto é de Helena Sacadura Cabral, até porque ela seria capaz de o escrever.

Também parti do princípio que o Henrique Salles da Fonseca não iria publicar algo que não correspondesse a treta com a careta. Limitei-me a fazer copy/past, com a indicação da fonte.

E mais não lhe sei dizer.

De Abel a 23 de Março de 2021 às 18:01
Obrigado pela resposta. A mim parece-me que o texto não é de HSC.
De Isabel A. Ferreira a 23 de Março de 2021 às 19:14
Não sei o que lhe diga mais.

O estilo de prosa bem podia ser dela. É o que me parece. Poderia dizer-me porque é que a si não parece?

A única maneira de saber é perguntar à senhora. Se eu soubesse o contacto dela perguntava-lhe. Mas não sei. Penso que não é agradável ver o nosso nome ligado a um texto que não escrevemos.

E uma vez que levantou a lebre seria agora de toda a conveniência saber a verdade. Vou procurar saber.
De Abel a 23 de Março de 2021 às 21:32
Boa sorte. Eu procurei e não encontrei nada de fidedigno. Cumprimentos
De Isabel A. Ferreira a 24 de Março de 2021 às 12:12
Obrigada, Abel.
Terei de chegar a Helena Sacadura Cabral de algum modo.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Agosto 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Até sempre, Jô Soares…

. Em defesa da Ortografia (...

. O «LUSITANO» de Zurique é...

. Pausa para Férias

. Cogitações da “Corujinha”...

. Em defesa da Ortografia (...

. Cogitações da "Corujinha"...

. “A eterna questão ortográ...

. O Grito do Ipiranga da Va...

. A insanidade acordista no...

.arquivos

. Agosto 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.
blogs SAPO