Quinta-feira, 21 de Março de 2024

Lídia Jorge defendeu, em Goiás (Brasil), que a ideia de que a “variante europeia da Língua Portuguesa” ia ser preponderante “caiu por terra", só que Lídia Jorge esqueceu-se de que a “variante europeia da Língua Portuguesa” NÃO existe

 

Esta afirmação vem publicada num artigo sob o título Ideia de português europeu ser preponderante “caiu por terra (clicar no link para ler as declarações da escritora), no Jornal online “Notícias ao Minuto”.

 

Este é um texto onde Lídia Jorge fica muito mal na fotografia, porque só diz disparates, se bem que dizer disparates é a sina dos que acham que o Brasil é que é dono da Língua Portuguesa, só porque são milhões.

 

Lídia Jorge.png

 

Para quem considera uma “coisa humana(*), um embrião, fruto da fertilização de um óvulo por um espermatozóide, ambos da espécie humana, o qual, se NÃO o destruírem no santuário da vida, que é o útero materno, transformar-se-á num ser humano e não num réptil, não me surpreende nada que trate a Língua Portuguesa com igual desprezo.

 

Deixei de ler Lídia Jorge, há muito.

 

Um escritor, que se preze de ser português, rejeita instintivamente a linguagem preconizada pelo AO90, assente na base IV do Formulário Ortográfico Brasileiro, de 1943, uma vez que NÃO pertence à nossa Cultura Linguística, e se tem um saber aprofundado sobre a Língua Portuguesa, não diz que ela é uma variante europeia do Português.

 

 As declarações de Lídia Jorge só demonstram que para Lídia Jorge, a Língua Portuguesa, que deveria ser o seu mais precioso instrumento de trabalho, não passa de uma “coisa” que tanto faz, escrever assim como assado, até porque é preciso assegurar um lugar ao sol no mundo editorial, e Lídia Jorge talvez desconheça (ou não) que a Língua Portuguesa foi vendida ao desbarato ao Brasil, por meia dúzia de ignorantes desgovernantes portugueses, como se de um saco de bolotas se tratasse.

 

Lídia Jorge demonstra um desconhecimento espantoso sobre a Língua Portuguesa e a sua essência e significado, quando diz que a ideia do Português europeu ser preponderante "caiu por terra". Lídia Jorge desconhece que o Português europeu NÃO existe. O que existe é simplesmente a Língua Portuguesa, que teve origem em Portugal, por obra e graça do Rei Dom Diniz, e se espalhou pelo mundo com a expansão marítima, gerando Variantes do Português em todos os territórios conquistados, uns, colonizados, outros, incluindo, obviamente, a Variante Brasileira do Português.

 

Não existe uma Língua Inglesa europeia, ou uma Língua Castelhana europeia, ou uma Língua Francesa europeia. O que existe são Variantes dessas Línguas, geradas nos territórios que os respectivos países colonizaram.

 

Ao contrário do que afirmou na sua declaração, à margem da inauguração da cátedra com o SEU nome, na Universidade Federal brasileira de Goiás, qualquer pessoa que é mais ou menos inteligente e se apercebe da realidade (leia-se CAOS ortográfico no território Português, onde já são poucos os que escrevem correCtamente a sua Língua Materna, aquela que está consignada na Constituição da República Portuguesa), compreende que, de faCto, a ideia de Fernando Pessoa de que «a minha pátria é a Língua Portuguesa» é muitíssimo bem apropriada, porque a Língua Portuguesa é um dos símbolos maiores da Identidade Portuguesa, da Nação Portuguesa, de Portugal, agora usurpada pelo Brasil através da Língua e da Bandeira.

 

Os Portugueses que NÃO sofrem do complexo de inferioridade, como os políticos portugueses e seus lacaios acordistas, NÃO têm a pretensão de que a Língua Portuguesa seja preponderante. Têm a pretensão, sim, de que ela seja correCtamente escrita e falada, e nos identifique como um País livre e soberano, dono da nossa Cultura, da nossa História e da nossa Língua, e não estar indevidamente à mercê  da vontade política de um país estrangeiro.


A Língua Portuguesa só será forte na sua diversidade.

 

O que Lídia Jorge não sabe, mas devia saber, é que esta questão da Língua nada tem a ver com a Língua, mas com objectivos políticos dos mais obscuros, e não sabe o que diz, quando fala no «"carinho que os brasileiros têm" pelos estudos da literatura portuguesa...». Lídia Jorge desconhece que no Brasil já NÃO se estuda a disciplina de Português, que foi substituída por «Comunicação e Expressão, para aliviar os alunos dos textos clássicos, das construções sintácticas, das imagens literárias, dos códices gramaticais, e de tudo o que até então servia nas escolas para aprendizagem do idioma», in «Destratando o Português», crónica de A. Gomes da Costa, de 20/08/2001, inserida no livro «A Brasilidade dos Portugueses», pela Nórdica Editora, no Brasil.

 

Nem a Literatura Portuguesa, nem a Literatura Brasileira são estudadas nas escolas brasileiras. Os alunos servem-se de notícias dos jornais, para aprenderem o que restou do Português na Variante Brasileira.

 

Não me surpreenderam, pois, os disparates que Lídia Jorge proferiu, porque afinal, tem de defender o seu lugar ao sol, no mundo da literatura, ainda mais no Brasil.

 

Se ela NÃO desprezasse a Língua Portuguesa, do modo como a desprezou, em favor da Variante Brasileira do Português, como poderia inaugurar uma cátedra com o SEU nome na Universidade Federal Brasileira de Goiás?

 

Só o facto de se referir ao Português como "variante europeia da Língua Portuguesa", já demonstra um  gigantesco desconhecimento, porque a Língua Portuguesa NÃO é uma variante. A Língua Portuguesa é A Língua Portuguesa. A única.  As outras é que são as variantes.

 

Isto acontece quando não se quer perder os privilégios que o Poder reserva aos "yes man".

A mim jamais me dariam uma cátedra, fosse onde fosse, fosse por que fosse, se o preço a pagar fosse o desprezo pela minha Língua Materna.

 

Isabel A. Ferreira

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com/cultura/2524630/ideia-de-portugues-europeu-ser-preponderante-caiu-por-terra

(*) Expressão proferida por Lídia Jorge aquando uma discussão sobre o aborto (abreviação de "matar filhos no útero materno")

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:25

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
comentários:
De Anónimo a 24 de Março de 2024 às 23:26
Estou estupefacta com essa senhora. Então, os seus livros estão escritos sem AO e ela decide dar um tiro no pé? Que desilusão. Lídia Jorge, nunca mais!
De Isabel A. Ferreira a 25 de Março de 2024 às 15:14
Aqui aplica-se bem a expressão: «Nem tudo o que reluz é ouro».

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Maio 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A perplexidade de milhare...

. A linguagem que anda por ...

. Em Defesa da Ortografia (...

. Carta Aberta a Luís Monte...

. Os Portugueses celebram...

. «Acordo ortográfico. Marc...

. As declarações de Marcelo...

. Tudo se encaminha para qu...

. Carta Aberta ao Sr. Presi...

. A Imprensa Nacional assin...

.arquivos

. Maio 2024

. Abril 2024

. Março 2024

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Agosto 2023

. Julho 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.

.ACORDO ZERO

ACORDO ZERO é uma iniciativa independente de incentivo à rejeição do Acordo Ortográfico de 1990, alojada no Facebook. Eu aderi ao ACORDO ZERO. Sugiro que também adiram.
blogs SAPO