Segunda-feira, 7 de Junho de 2021

“Neo(i)logismos” – uma excelente lição de Português, por Bagão Félix, para os que têm a mania de imitar as falas de além-mar, entre outros “ilogismos”…

 

 «Como me dizia um bom amigo, cada canal da nossa TV é uma 𝑚𝑖𝑛𝑒𝑟𝑎𝑙𝑖𝑧𝑎𝑑𝑢𝑟𝑎 𝑖𝑛𝑒𝑥𝑎𝑢𝑟𝑖́𝑣𝑒𝑙 𝑑𝑒 𝑛𝑒𝑜𝑣𝑜𝑐𝑎𝑏𝑢𝑙𝑖𝑠𝑚𝑜𝑠 𝑎 𝑠𝑖𝑛𝑎𝑙𝑖𝑧𝑎𝑟, 𝑐𝑜𝑚𝑜 𝑑𝑒𝑠𝑐𝑜𝑏𝑟𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑎𝑑𝑢𝑟𝑎𝑠, 𝑎 𝑑𝑖𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑙𝑖𝑧𝑎𝑟!» (António Bagão Félix)

 

Língua Portuguesa.png

 

Por  Bagão Félix

 

EM PORTUGUÊS 

N. 40

 

𝑀𝑖𝑛𝑎 𝑝𝑎́𝑡𝑟𝑖𝑎 𝑒́ 𝑎 𝑙í𝑛𝑔𝑢𝑎 𝑝𝑜𝑟𝑡𝑢𝑔𝑢𝑒𝑠𝑎

 

Fernando Pessoa

 

NEO(I)LOGISMOS

 

A televisão tem-se vindo a revelar uma incubadora privilegiada para a gestação de forçados ou pretensos neologismos da nossa língua. Por hoje, limito-me a exemplificar com algumas “novidades”.

 

Numa curta entrevista televisiva, e a propósito de uma notícia local, um presidente de câmara fez uma solene comunicação em que informava e comentava que, com subentendido mérito próprio, os seus munícipes iriam poder “ᴀᴄᴇssᴀʀ” (sic) a determinado benefício. É claro que, para dar essa informação, o erudito autarca poderia ter-se socorrido do verbo “aceder”, como qualquer praticante raso da nossa língua. Mas não o fez. A mania da superioridade na fala e na escrita tê-lo-á levado a um exercício de assinalável contorcionismo linguístico. Dir-se-á que, no português do Brasil, “acessar” é usado (por exemplo, acessar a Internet, acessar a conta), mas, em Portugal, além de soar mal, evidencia uma “inovação” que uma pessoa comum não entende (ou, quem sabe, se não ouvindo ou percebendo o “𝑎” inicial, fica com medo que algum benefício vá … cessar). E assim se lançou para as submissas ondas electromagnéticas da Televisão um verbo de legitimidade duvidosa, que não faz falta nenhuma na comunicação social, nem justifica registo nos nossos dicionários. Servirá somente para pretensa exibição, como a moda e o estilo em voga impõem.

 

Noutro dia, foi a vez de um apresentador de um programa, lançar para a luz do dia um novo verbo. Dizia ele, que “era necessário valorizar e … ɪᴍᴘᴏʀᴛᴀɴᴛɪᴢᴀʀ” (sic) um determinado assunto. Pronto: depois de priorizar, alavancar, elencar e outros que tais, surge a obsessão neologística de “importantizar” o que é ou não é importante. Isto se, entretanto, tal neófito verbo não for “ᴇᴜᴄᴀʟɪᴘᴛᴀᴅᴏ” (outro verbo inventado que já anda por aí, ainda por cima, com alguma injustiça para a árvore a que está ligado).

 

A propósito da vacinação, também tenho ouvido a expressão “os menores de 60 anos”. Confesso que fico confundido, porque sempre pensei que os menores não chegassem àquela idade. Tudo muda, e agora temos menores de 60 anos e maiores de 18 anos. Não se trata, evidentemente, de um erro, mas mandaria a clareza que se escrevesse e dissesse “pessoas com menos de 60 anos” em vez de “menores de 60 anos”. Com o aumento da esperança de vida, ainda se vai chegar aos “menores de 100 anos”, transformando Portugal num infantário, com a capital no “Portugal dos pequeninos”!...

 

Também por estes dias, ouvi, numa entrevista, uma pessoa querendo dizer, com orgulho e entusiasmo, que, no seu ofício, trabalhava com base no “estado da arte”. Esta expressão significa o nível mais avançado de conhecimento ou de desenvolvimento em determinada área e em determinado momento. Acontece que o entrevistado, por desconhecimento ou lapso, disse “estado da nação”. Como não houve rectificação, nem do próprio, nem da entrevistadora, fiquei a pensar por que razão não há estado de alerta linguístico nas exigências do actual estado de calamidade. E, de seguida, até percebi que confundir estado da arte com estado da nação é coisa que se vê todos os dias, num infindável estado de graça (ou “interessante”?).

 

Como me dizia um bom amigo, cada canal da nossa TV é uma 𝑚𝑖𝑛𝑒𝑟𝑎𝑙𝑖𝑧𝑎𝑑𝑢𝑟𝑎 𝑖𝑛𝑒𝑥𝑎𝑢𝑟𝑖́𝑣𝑒𝑙 𝑑𝑒 𝑛𝑒𝑜𝑣𝑜𝑐𝑎𝑏𝑢𝑙𝑖𝑠𝑚𝑜𝑠 𝑎 𝑠𝑖𝑛𝑎𝑙𝑖𝑧𝑎𝑟, 𝑐𝑜𝑚𝑜 𝑑𝑒𝑠𝑐𝑜𝑏𝑟𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑎𝑑𝑢𝑟𝑎𝑠, 𝑎 𝑑𝑖𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑙𝑖𝑧𝑎𝑟!

 

P.S. Nem sempre o domínio das Finanças leva ao domínio do bom português. Foi o que aconteceu ao nosso Ministro das Finanças que, em solene conferência de imprensa depois de uma reunião europeia no Centro Cultural de Belém, “solfejou” tempos de verbos no presente do conjuntivo, na sua forma preocupantemente invasiva nos nossos canais televisivos: "estêjemos" (em vez de estejamos) e "póssamos” (em vez de possamos). Sempre ladeado por um comissário europeu e outro ministro estrangeiro, foi felicitado, suponho que depois de um bom trabalho dos intérpretes. Como agora há quem diga mais eruditamente, 𝑣𝑒𝑟𝑏𝑎𝑙𝑖𝑧𝑎𝑟, em vez de tão simplesmente pronunciar dizer, falar, pensar ou referir, aqui o governante também verbalizou …, mas mal.»

 

Fonte:   https://www.facebook.com/antonio.bagaofelix/posts/10219079830175669

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:08

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Julho 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Pausa para descanso

. É urgente uma revolução ...

. «A todos os escreventes e...

. «O abuso das resoluções e...

. Depois de ter contribuído...

. A questão não é quem é o ...

. «Portugal em Movimento co...

. Um alerta (vermelho) para...

. Um alerta (vermelho) para...

. «Economês e Republiquês» ...

.arquivos

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.
blogs SAPO