comentários:
De Ana a 27 de Setembro de 2021 às 12:17
Não sei quem é esse Carlinhos (Des)Esperança, o que só prova que é mais uma marioneta dessa jogatina política, um lambe-botinhas tão comum em Portugal, mais do a suposta aversão às novidades que ele apregoa na verborreia que escreveu.
E qual é o problema de escrever sem o aborto ortográfico? Dói-lhe muito ver português bem escrito? Ele perde comissão quando alguém não o segue? Quem ele pensa que é para exigir ao Público e ou a quem quer que seja que siga o aborto ortográfico? Se fosse Directora do Público, proibiria a publicação de todos os artigos defensores desse lixo e obrigaria todos os colonistas convidados a escreverem correctamente português só de pirraça. Isto é uma guerra! E quanto mais esses badamecos tagarelas fascistas que gostam de impôr (lá está o Google a marcar como errado) o seu modo de ser, estar e pensar aos outros, mais eu me rebelo e tenho vontade de escrever correctamente. Aliás, foi graças a essas badalhocos que abortei o uso do AO 90, e voltei ao lindo AO 45. E aquela chantagem estúpida de "ai não me obrigues a esconder o Público aos meus netos" só mostra o ditatorialismo desse sujeito e a sua imensa falta de carácter! Aliás, é um atestado de estupidez aos netos e à sua própria pessoa!
De Isabel A. Ferreira a 27 de Setembro de 2021 às 14:51
Pois também, aqui, estou completamente de acordo consigo, Ana.

Há por aí muitos lambe-botinhas e botas que nos provocam, pelos menos a mim, urticária. Tenho alergia a essa gentinha.

O que este senhor Esperança escreveu é de um autoritarismo, que vem comprovar a DITADURA ORTOGRÁFICA que foi imposta a Portugal, se bem que apenas os mais servilistas e seguidistas aplicam o AO90, agora que têm disponível TODA a informação acerca desta fraude.

E sim, também concordo co a Ana quando diz que este senhor ao falar de esconder o Público aos netos foi passar um atestado de estupidez aos netos e a si próprio.

Mas o que são capazes de fazer os paus-mandados para conseguirem benefícios!!!!!!! Vendem a própria honra!
De Susana Bastos a 27 de Setembro de 2021 às 20:15
O quadro não está bem, é "acepção" a grafia no Brasil. Não conhecem outra. O AO90 não é a grafia brasileira. Existem dezenas de outros exemplos.
De Isabel A. Ferreira a 28 de Setembro de 2021 às 12:30
Susana Bastos, começo por agradecer a correcção. De facto, no Brasil, antes e depois do AO90 os brasileiros grafavam e continuaram a grafar acePção, porque simplesmente pronunciam o pê. Já corrigi o lapso. E os exemplos das excePções são diminutos.

De resto, a Susana Bastos NÃO tem razão quando diz que o AO90 NÃO É a grafia brasileira.
Por que É e por QUEM o AO90 foi engendrado? Isto já foi explicado ene vezes, e ainda assim há quem teime, como a Susana Bastos, por alguma razão menos clara, em dizer que a grafia do AO90 NÃO está assente na grafia brasileira. Quando a intenção dos parideiros do AO90 foi PRECISAMENTE essa, com a falácia da UNIFICAÇÃO, pôr os Portugueses a grafar à brasileira. Depois vieram coma areia nos olhos, no que respeita à acentuação e hifenização, apenas para não dizerem que os Brasileiros não teriam nada para mudar com o AO90. Isto é um FACTO, Susana Bastos.

A falaciosa unificação não foi para o lado PORTUGUÊS. Não pôs os brasileiros a grafar aCto, quando eles escreviam e continuam a escrever “ato”, e etc., e infinitos etc., em várias centenas de vocábulos, em que OBRIGARAM os Portugueses a grafar à brasileira. ExcePto, uns poucos vocábulos e as suas derivantes, que eles continuaram e continuam a escrever à portuguesa, pelo simples facto de pronunciarem os pês e os cês.

De resto, Susana Bastos, é da teimosia, para já não falar da ignorância, RECUSAR ver o óbvio.

Com o AO90 os Brasileiros continuaram a grafar sem os cês e os pês, que a nós obrigaram (os ignorantes políticos portugueses e brasileiros) a grafar à brasileira, e só não vê isto quem está de má-fé, ou então, usa isto para se escudar ou se justificar, porque sendo professores, NÃO ADMITEM que estejam a “ensinar” as nossas crianças a escrever à brasileira. Como de facto ESTÃO.

A intenção do brasileiro Antônio Houiss, o ideólogo do AO90, era precisamente essa: pôr os Portugueses a grafar centenas e centenas de palavras à brasileira, NÃO com o intuito de UNIFICAR as grafias, porque ele não era assim tão parvo, que tivesse essa pretensão, que sabia ser impossível de concretizar, porque ou os Brasileiros começariam a grafar “Amazónia”, ou os Portugueses a grafar “Amazônia”. A intenção de Houaiss foi simplesmente a de deslusitanizar a Língua Portuguesa, em Portugal, como foi deslusitanizada no Brasil a partir de 1943, e “bagunçar o [nosso] coreto”, uma expressão brasileira que significa “atrapalhar de propósito” , no nosso caso, destruir a Língua Portuguesa, para que a “brasileira” se impusesse no mundo, o que DE FACTO já está a acontecer, bem nas barbas dos governantes portugueses, e dos PROFESSORES, a quem atribuo a MAIOR culpa de toda esta tragédia linguística, porque CEDERAM, quando tinham o DEVER e podiam NÃO CEDER, porque não existe nenhuma Lei que os obrigasse a “ensinar” uma tal ortografia.

A ignorância, por si só, já é uma tragédia. Mas a ignorância OPTATIVA é o cúmulo da tragédia.

Portanto, Susana Bastos, não venha para aqui, outra vez, dizer que o AO90 nada tem a ver com a grafia brasileira. Leia mais sobre esta matéria. Informe-se. Não emprenhe pelos ouvidos, o que os políticos ignorantes querem que se emprenhe. O meu Blogue está cheio de informação COMPROVADA, a este respeito.

De Susana Bastos a 27 de Setembro de 2021 às 20:17
Esse Sr. Esperança é um miserável. Não tem outra qualificação possível. Muito bem fez o Público em não publicar tamanha idiotice.
De Inácio Silva a 28 de Setembro de 2021 às 13:02
Porque estou totalmente de acordo com esta brilhante crítica ao AO90, peço licença à respectiva autora (Isabel A. Ferreira) para o publicar.
Esta chapada cultural deveria encaixar e deixar marcas severas nos ignorantes que aceitaram promulgar aquela infâmia à Língua Portuguesa, deixando-se colonizar pelo Brasil, que nunca soube falar e escrever, correctamente, a língua de Camões.
Estou triste por Portugal ter servidores ignorantes mas mais triste estou, ainda, por os nossos filhos e netos estarem a aprender uma língua destorcida, amputada e maltratada por alguns imbecis, em representação de Portugal mas sem terem submetido a referendo nacional esta aberração que é o A. O., que teria chumbo garantido.
Eu nunca mas nunca escreverei segundo este malvado A. O..
Por mim, obrigaria todos os que estiveram na base da alteração e da publicação deste AO, a voltarem para a escola, para aprenderem o verdadeiro e genuíno português.
De Isabel A. Ferreira a 28 de Setembro de 2021 às 15:01
Inácio Silva, desde que mencione a fonte do texto :

https://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/o-acordo-ortografico-de-1990-ao-90-e-a-334961?thread=170609#t170609

pode partilhá-lo à vontade.

O que diz no seu comentário é o pensamento de milhares de Portugueses, que, no entanto, calam-se, por motivos inexplicáveis.

Por mim, os políticos, que mantém esta aberração ortográfica activa, também regressariam ao 1º ano da Escola Básica, para aprenderem não só a escrever correCtamente, mas também a falar, porque eles a falar são uma desgraça, não tão grande quanto a escrever, mas são igualmente uma desgraça....
De Inácio Silva a 28 de Setembro de 2021 às 20:09
Obrigado, Isabel A. Ferreira, por ter publicado o meu comentário.
Sim, eu mencionei a fonte, como aconselha a ética.
Caso queira, poderá verificar. O link é este:https://www.facebook.com/inacio.silwa/posts/10216701303685238.
Os meus cumprimentos.
De Isabel A. Ferreira a 29 de Setembro de 2021 às 11:58
Obrigada, eu, por partilhar o texto, Inácio Silva.
As minhas saudações desacordistas.

Comentar post