Quinta-feira, 29 de Outubro de 2015

O «Mitório"»

 

MITÓRIO.jpg

(Origem da imagem: Internet)

 

Ontem à noite, antes de me deitar, como estava demasiado cansada para ler ou ver algum filme, que me fizessem pensar mais do que já tinha pensado durante o dia, procurei nos canais da TV Cabo algo levezinho, que me desviasse da preocupante realidade do mundo em que vivemos, e lentamente me atirasse para os braços de Morfeu.

 

Acontece que, por ironia do destino, passando pela TV Globo (que todos sabem ser uma prestigiada estação televisiva brasileira) deparei-me com um episódio da novela Pedra Sobre Pedra (aliás uma interessantíssima sátira político-social de grande qualidade, que já passou numa das estações portuguesas), bem no momento em que o Prefeito de Resplendor (uma cidadezinha fictícia do interior do Brasil), o dentista Kléber Vilares, personagem protagonizada pelo actor Cecil Thiré, falava à mulher da obra faraónica que devia marcar o seu mandato político: o Mitório de Resplendor, que iria ser construído bem no centro da cidade. (A pronúncia foi essa mesmo: mi-tó-rio…)

 

Fiquei a pensar naquele Mitório.

 

Seria um lugar onde iriam “exibir” os mitos da cidade? Um lugar onde se guardam os mitos? Assim uma espécie de museu…?

 

Não, não era.

 

O que o Dr. Klébi (no dizer do povo resplendórino) pretendia construir no centro da praça era um miCtório, ou seja, um local público para se urinar (palavra com raiz no vocábulo latino mictorius).

 

Sei que no Brasil esta palavra existe na sua forma portuguesa - miCtório, e que embora se pronuncie miquitório, não deixa de ser um mictório.

 

Não sei se “mitório” seria um linguajar próprio do Dr. Kléber, ou se o Cecil Thiré cometeu um lapsus linguae.

 

O certo é que, se a moda pega, e se o AO/90 assenta arraiais em território de Portugal, passamos a ter não só mitórios públicos, como problemas de mição e miturição (respectivamente o acto resultante de urinar, e a necessidade frequente de urinar).

 

E eu que, de passagem, quis distrair-me com algo levezinho que me lançasse nos braços de Morfeu, acabei por ter uma enfadonha insónia, à conta do mitório do Dr. Kléber.

 

(Atenção! Considero esta novela – que segui, com muito intresse, quando passou em Portugal – uma obra-prima satírica, e representativa da excelência da arte de bem representar dos actores brasileiros, e da superioridade criativa dos autores da novela).

 

Mas uma coisa, é uma coisa, outra coisa, é outra coisa…

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:26

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
comentários:
De josé torres a 29 de Outubro de 2015 às 22:28
... até já estou com vontade de mição!
De Isabel A. Ferreira a 30 de Outubro de 2015 às 15:40
Olhe que isso é uma doença séria...

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Janeiro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
15
19
21
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. «As intermitências do Aco...

. «O Acordo Ortográfico de ...

. Pequena amostra da indigê...

. Estranho mundo, o nosso…

. Manifesto que contesta as...

. Extraordinária «Contestaç...

. «O erro ortográfico»

. «Sobre o Politicamente Co...

. «O instituto, a língua, o...

. Audição da ILC sobre o AO...

.arquivos

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. a href="https://www.facebook.com/portuguesdefacto/" target="_blank">https://www.facebook.com/portuguesdefacto/

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 é uma fraude, ilegal e inconstitucional

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram oficialmente a não vigência do acordo numa reunião oficial e os representantes oficiais do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO