comentários:
De Arsénio de Sousa Pires a 10 de Dezembro de 2019 às 20:15
PARABÉNS, Isabel Ferreira. Que grande cacetada sobre esta requentada sopa juliana!

Mas, então, em que ficamos? Temos nós, os portugueses, que ensinar português aos estudantes que nos chegam do Brasil ou de Timor? Mas esses países não têm o português como língua oficial?

Está tudo dito nesta afirmação da Sra. Juliana:
“ainda há muito a ser feito, como uma maior atenção às dificuldades de brasileiros e timorenses com o português de Portugal”.
Se não fosse trágico, dava para rir até morrer de dores na barriga!

Mais uma vez, Isabel Ferreira, PARABÉNS,
Que nunca a voz e a caneta lhe doam na defesa da nossa querida língua portuguesa.
De Isabel A. Ferreira a 11 de Dezembro de 2019 às 20:57
Pois, Arsénio Pires. A grande questão é essa: ao que parece, esses países não têm o Português como Língua oficial.
Sei que em Timor, o Tétum é uma das línguas oficiais, bastante usada. A outra é o Português, usada apenas por uma elite.
E no Brasil, sei que, vá-se lá saber porquê, não nos entendem. Então a pergunta é: se não nos entendem, falaremos a mesma língua? Não me parece.
De Manuel Ferreira a 10 de Dezembro de 2019 às 23:42
Brilhante. Estou plenamente de acordo com todos os aspectos que refere. Também havia lido a notícia e ficado com a mesma "pulga atrás da orelha". De facto, sou professor universitário há 15 anos, nunca redigi nada segundo o acordo e tenho (e tive sempre) muitos alunos de outros países, inclusive do Brasil. Nunca tive queixa de NENHUM, de qualquer nacionalidade. Portugal não tem que modificar a sua identidade cultural para satisfazer os caprichos dos alunos estrangeiros, obviamente. Cumprimentos e bem haja pelo texto e pela acuidade.
De Isabel A. Ferreira a 11 de Dezembro de 2019 às 20:52
Obrigada, Dr. Manuel Ferreira.
Na verdade, nenhum país cede aos caprichos dos alunos estrangeiros.
Mas temo por Portugal.
De Susana Bastos a 11 de Dezembro de 2019 às 17:28
«Ficam abespinhados comigo quando digo que não falamos a mesma língua, precisamente porque os Brasileiros não nos entendem, e agora vêm com esta?»

Quando não entendemos um micaelense, também já ele fala outra língua? Não me parece... O mesmo se passa com o que relata, que é verdade, mas que não faz com que os Brasileiros já falem outra língua. E isso é ainda mais notório na língua escrita. Tenhamos algum bom senso perante a realidade dos factos.
De Isabel A. Ferreira a 11 de Dezembro de 2019 às 21:08
Susana Bastos, leu bem o que escrevi?

Um povo que diz que tem o "Português" como Língua, vem para Portugal e não entende o Português, que língua falará?

Pense um pouco.

Sejamos francos: há muito que a língua falada e escrita no Brasil já não é portuguesa, até porque nem sequer é ensinada como tal, nas escolas brasileiras.

O que é que ainda não percebeu aqui?

Não somos nós que não nos entendemos. São os Brasileiros que dizem não entender (e isso é verdade) a Língua Portuguesa. Falaremos a mesma Língua, ainda que a escrita seja parecida?

Por que não há-de o Brasil ter uma língua própria, que já está substancialmente distanciada da Língua que a gerou? O que se fala e escreve no Brasil, o mundo conhece por "Brasileiro". E o Brasil também. Veja aqui:

https://brasiliano.wordpress.com/2008/09/22/a-lingua-brasileira-2/





De Susana Bastos a 11 de Dezembro de 2019 às 21:54
É capaz de afirmar que isto não está escrito em português?: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm
Além disso, lê-se na Constituição brasileira: «Art. 13. A língua portuguesa é o idioma oficial da República Federativa do Brasil»
Que há quem queira (muito poucos) uma língua brasileira, eu sei, mas os factos desmentem-nos. Uns por complexos pós-coloniais (ainda!), outros por sentimentos de superioridade imperial (não esqueçamos que o Brasil foi um império após a independência) e ainda outros por preconceitos vários. Nada disso é respaldado pela linguística, que é o que interessa para o caso. Talvez o brasileiro seja uma língua daqui a 200 anos, mas em 2019 não é, lamento.
De Isabel A. Ferreira a 12 de Dezembro de 2019 às 10:59
Susana Bastos,

Eu não sou capaz de afirmar que o texto que enviou NÃO está escrito em Português.

Todos sabemos que a língua OFICIAL do Brasil é a Língua Portuguesa. OFICIALMENTE É.

Contudo, no mundo, ninguém diz que os Brasileiros falam (e escrevem) Português. Eles falam e escrevem “brasileiro”. Falam mais do que escrevem.

Quando vou às tertúlias culturais a Espanha, onde se juntam intelectuais de vários países, e abordamos a questão das Línguas, e nomeadamente a questão do ABRASILEIRAMENTO da Língua Portuguesa, a tónica é referir o IDIOMA BRASILEÑO, ninguém diz «português do Brasil» tais as diferenças, ainda que sejam mais na fala do que na escrita, da Língua Portuguesa, da família europeia, que se junta num mosteiro, para falar sobre MULTICULTURALISMO.

Oficialmente NÃO EXISTE a Língua Brasileira. É verdade. OFICIOSAMENTE existe.

E não serão precisos 200 anos para que o IDIOMA BRASILEÑO se imponha como Língua Brasileira.

2019 está no fim. Não será em 2019,,obviamente. Claramente. Certamente.
Veremos daqui por uns tempos.

E eu não lamento nada. Dou força àqueles que no Brasil lutam pela Língua Brasileira. Têm esse direito. Cabo Verde já passou o Português para língua estrangeira. No Brasil ocorrerá o mesmo. E nos outros países, mais dia, menos dia, a língua seguirá um outro rumo.

Aconteceu o mesmo com a Língua colonizadora de muitos territórios: o LATIM, que não morreu. Está vivo, no seu canto. E se quisermos que a Língua Portuguesa SOBREVIVA e viva no seu canto (PORTUGAL) teremos de mandar às malvas o fraudulento AO90.
De Nelson Trindade a 11 de Dezembro de 2019 às 20:03
Gostei.Parabens
De Isabel A. Ferreira a 11 de Dezembro de 2019 às 20:47
Obrigada, Nelson.
De Leidy a 11 de Julho de 2020 às 18:13
Uma hora ela afirma o Português ser o 5° idioma mais falado, ( se você tirar os Brasileiros desse censo, provavelmente o Português não seria, ou será o 5° mais falado, veja quantos milhões de Brasileiros existe, o maior país lusófo do mundo é o Brasil) outrora ose afirma no texto que no Brasil se fala Brasileiro, querendo ou não, o Português mais estudado no estrangeiro é o Português Brasileiro.
De Isabel A. Ferreira a 20 de Julho de 2020 às 19:32
Estive a meditar bastante, se havia de publicar este comentário, ou ignorá-lo, para não envergonhar o comentador.

Depois de muita meditação, decidi publicá-lo, porque, apesar da vergonha que o comentador irá passar, envergonhando também o Brasil e todos os Brasileiros CULTOS, dá-me oportunidade de lhe dizer o seguinte:

Estas cinco linhas estão (mal) escritas na VARIANTE brasileira da Língua Portuguesa (não é Português do Brasil, é uma simples variante brasileira do Português (o mesmo que DIALECTO, quer gostem, quer não gostem, quer queiram ou não queiram) a que muitos JÁ chamam Língua Brasileira).

Se estas linhas estivessem escritas em (BOM) Português, teríamos isto:

«Uma hora, ela afirma [QUE] o Português [É] o 5º idioma mais falado (se você retirar os Brasileiros desse censo, provavelmente o Português não será o 5º mais falado. Veja quantos milhões de Brasileiros [EXISTEM]! O maior país [LUSÓFONO] do mundo é o Brasil.
Outra hora, [ELA] afirma no texto que, no Brasil, fala-se Brasileiro» Blá blá blá…

O modo tosco como o comentador escreveu estas linhas nem sequer pertence à VARIANTE brasileira do Português. Pertence à ignorância do comentador, que nem escrever e falar sabe na sua própria Língua.

Além disso, querendo ou não, o Português mais estudado no estrangeiro NÃO É a VARIANTE brasileira do Português. A VARIANTE brasileira do Português é procurada por quem pretende apenas COMUNICAR-SE com os Brasileiros, ou mesmo com os Portugueses. Porque quem quer ESTUDAR LÍNGUA PORTUGUESA procura a ORIGINAL, e não a variante. Isto é um faCto.

Quem pretende ESTUDAR Língua Inglesa ou Língua Castelhana - LÍNGUAS EUROPEIAS , tal como a Língua Portuguesa - não vai buscar as variantes da América do Norte ou da América do Sul. Vai à fonte: a Inglaterra ou a Espanha. O mesmo se passa com a Língua Portuguesa: eles procuram a FONTE Europeia: PORTUGAL. Porque o Inglês, o Castelhano, o Português, para COMUNICAR, qualquer variante serve. Mas se se quiser ESTUDAR a fundo o IDIOMA vai-se à fonte.

Os “milhões” não servem de bitola para coisa nenhum, porque jamais a quantidade superou a QUALIDADE, seja do que for. É por isso que os perfumes, as essências raras, estão contidas em pequenos frascos. E a Língua Portuguesa, uma das línguas mais formosas e ricas do mundo, está contida no pequeno frasco que é PORTUGAL.

E só os complexados e os que têm a mania da falsa grandeza é que se preocupam com “serem milhões” que falam e escrevem incorreCtamente a Língua Portuguesa. E isto é também um faCto.

Comentar post