Sábado, 17 de Fevereiro de 2018

QUANDO A ESTUPIDEZ MUDA O RUMO DE UMA HISTÓRIA

 

INSULTO.png

 

A escritora argentina María Gainza escreveu, em bom Castelhano, um livro que, no original, se intitula “El Niervo Óptico”. Um livro feito de olhares. Olhares sobre pinturas, sobre os artistas que os pintaram e sobre a intimidade da narradora e o mundo que a rodeia…

 

Então, a Publicações Dom Quixote, que se tinha em boa conta, decidiu traduzir o livro para mau Português, seguindo cegamente a regra do «não se lê, não se escreve», que irracionalmente o AO90 preconiza, transformou o nervo óPtico (de olhar) em nervo auditivo – ótico (de ouvir), e a obra de María Gainza foi, deste modo, abusivamente adulterada.

 

Na tradução “portuguesa”, que utiliza a ortografia brasileira, «O Nervo Ótico” já não é um livro feito de olhares, mas de sons. Sons sobre pinturas, sons sobre os artistas que os pintaram, sons sobre a intimidade da narradora e do que ela ouve ao redor dela…

 

Porque, meus senhores, o termo ÓTICO (dom grego ótikós) é relativo ao OUVIDO. O termo ÓPTICO (óptikós) é relativo à VISÃO. E confundir anatomia com uma lei da Física é de IGNORANTES!

 

Isto é a maior demonstração da subserviência à estupidez. Aos acordistas não interessa raciocinar. Interessa abrasileirar. E que me desculpem os Brasileiros, mas quando decidiram mutilar as palavras, deviam ter PENSADO melhor. Não se suprime consoantes, apenas porque não se lêem. Tem de se ir à raiz das palavras. Tem de se saber Latim e Grego. E jamais no Brasil brasileiro, se estudou essas duas línguas-esteios da Língua Portuguesa.

 

Seria, pois, da inteligência, retirar do mercado esta tradução que insulta María Gainza, que não escreveu sobre OUVIDOS, mas sobre OLHARES, e desonra a Língua Portuguesa.

 

Um motivo mais para se atirar ao lixo este miserando AO90, que só nos envergonha!

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:26

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Janeiro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
15
19
21
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. «As intermitências do Aco...

. «O Acordo Ortográfico de ...

. Pequena amostra da indigê...

. Estranho mundo, o nosso…

. Manifesto que contesta as...

. Extraordinária «Contestaç...

. «O erro ortográfico»

. «Sobre o Politicamente Co...

. «O instituto, a língua, o...

. Audição da ILC sobre o AO...

.arquivos

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. a href="https://www.facebook.com/portuguesdefacto/" target="_blank">https://www.facebook.com/portuguesdefacto/

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 é uma fraude, ilegal e inconstitucional

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram oficialmente a não vigência do acordo numa reunião oficial e os representantes oficiais do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO