Quarta-feira, 14 de Novembro de 2018

QUANDO OS “ESPECIALISTAS” ACHAM QUE SÓ ELES PODEM FALAR DE LÍNGUA PORTUGUESA, E ENTORNAM O CALDO…

 

Existem, por aí, ilustres Linguistas; e simples estudiosos da Língua Portuguesa; e linguistas. Os primeiros e os segundos estão empenhados na luta contra o acordo ortográfico de 1990, que o governo português anda a impingir ilegalmente aos Portugueses. Os últimos andam por aí a desdenhar dos segundos, achando que estes não têm conhecimentos, nem o direito de abrir a boca para falar de Língua Portuguesa.

 

LINGUISTICA1.jpg

 

E como se enganam esses linguistas que, apesar de se dizerem muito habilitados no conhecimento da língua, da fala e da linguagem, andam por aí a falar e a escrever difícil, apenas para eles próprios, e em nada contribuem para esclarecer os menos esclarecidos, e muito menos para travar, com esse superior conhecimento, a ignorância que escorre por aí, aceleradamente, em todo os cantos e esquinas de Portugal, onde se escreve.

 

Ao menos, os simples estudiosos da Língua lá vão, de um modo claro, concreto e objectivo, dizendo, sem eruditismos bacocos, o que é preciso dizer acerca do AO90 que, claramente, decalca a grafia brasileira, em vigor no Brasil desde 1943.

 

É que este tempo de grande crise linguística, que Portugal atravessa, não está para se andar por aí a fazer-que-faz com discursos rococós e de bota-abaixo, que não levam, nem têm levado a lado nenhum. E esses linguistas, em vez de andarem por aí a entornar o caldo, melhor faziam se, das duas uma: ou olhassem por eles abaixo, ou contribuíssem concretamente para a invalidação deste acordo, que (não me farto de repetir) é a maior fraude de todos os tempos.

 

Quanto à parte que me toca, nesses discursos de bota-abaixo, tenho a dizer que só me sentirei atingida no dia em que um verdadeiro e abalizado Linguista (um só basta) me prove por A + B, com argumentos bem fundamentados, que o que tenho andado a fazer em prol da Língua Portuguesa, neste meu Blogue, não vale um tostão furado, por não corresponder à realidade.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:45

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. AINDA O AO90: «NÃO SE BRI...

. «ADMIRÁVEL LÍNGUA NOVA (P...

. PARTIDO ECOLOGISTA “OS VE...

. «DICIONÁRIO DE PORTUGUÊS...

. NESTE NATAL OFEREÇA LIVRO...

. PORQUÊ SETE PAÍSES LUSÓFO...

. «SERÃO OS AFRICANOS DE EX...

. SENHOR PRIMEIRO-MINISTRO,...

. «SEM ACÇÃO, ISTO É, ATUAD...

. AGORA JÁ SABEMOS: MARCELO...

.arquivos

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO