Sábado, 22 de Junho de 2024

Se os decisores políticos NÃO ignorarem o que João Barrento disse sobre a Língua Portuguesa, na entrega do Prémio Camões/2023, honrando, assim, o Premiado e o Prémio, talvez possamos admitir que este acto NÃO foi esvaziado da sua essência...

 

O escritor e tradutor João Barrento, de 84 anos, vencedor do Prémio Camões 2023, à margem da cerimónia de entrega deste Prémio, no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, na passada quinta-feira, disse aos jornalistas «reconhecer a cada dia, das mais diversas maneiras, no modo como as pessoas falam, na própria imprensa, que a Língua Portuguesa está a ser bastante maltratada».

 

João Barrento.PNG

 

Disse ainda que «também há uma influência enorme do Latim vulgar de hoje, que é o Inglês e que tem uma intervenção muito forte nas nossas Línguas. Há um descuido, e provavelmente o universo digital terá alguma coisa que ver com isso, porque desde os primeiros anos de aprendizagem nas escolas estamos imersos nesse universo digital, que não é propriamente o melhor para a aprendizagem e um uso mais correCto da Língua. Penso que isso tem uma grande influência».



[Na notícia em que me baseei para escrever este texto, o vocábulo “correCto” foi escrito na sua forma maltratada, ou seja, mutilada.  Tiraram-lhe um cê que, mesmo não-pronunciado por João Barrento, o escritor e tradutor o escreveria correCtamente, porque não é dos que maltratam a Língua Portuguesa, muito pelo contrário]

 

No discurso que proferiu a agradecer o Prémio, João Barrento voltou à questão da Língua, referindo que «as palavras que usamos têm corpo, coisa hoje cada vez mais esquecida e ignorada por quem as usa. Senti isto de forma muito clara a voltar a ler a obra de Camões ou Jorge de Sena, Armando Silva Carvalho, Alexandre O'Neill, Vasco Graça Moura, Maria Gabriela Llansol e tantos outros».

 

João Barrento citou Luís Vaz de Camões, David Mourão Ferreira e Vasco Graça Moura, referindo que «ao longo da carreira nunca deixou de ser aprendiz nos domínios do ensaio, crónica, diário ou tradução. Não que não tenha tido empenho real na minha vida às coisas que também interessaram a Camões no seu tempo, não porque não tenha olhado para o mundo como ele olhou, mas porque me achei insuficientemente digno de um prémio como este e com o nome que ele trazA dimensão do Prémio Camões e daqueles que já o receberam" é "demasiado grande" para se comparar com eles. São grandes escritores, os nossos maiores poetas e escritores. Senti-me, humildemente, um pouco abaixo deles. Fizemos coisas diferentes, a escrita é outra, algumas razões terá havido para o júri me atribuir este prémio, que agradeço».

 

Intervieram nesta cerimónia, a ensaísta Inocência Mata, em representação do presidente do Júri do Prémio Camões 2023, a qual salientou ser João Barrento «um tradutor de referência» sendo esta a primeira vez, em 35 anos da existência do Prémio Camões, que este foi atribuído a um tradutor, «talvez os jurados não tivessem consciência que a tradução é também trabalho de criação".

 

 Dalila Rodrigues, Ministra da Cultura, por sua vez, relembrou que a entrega do Prémio Camões a João Barrento acontece num ano particularmente camoniano, em que finalmente se apresentou o programa das Comemorações dos 500 anos do Poeta. Além disso, a Ministra da Cultura salientou que este ano, celebrando-se os 50 anos do 25 de Abril de 1974, o Prémio Camões «é entregue a alguém que desde sempre se empenhou na luta pela liberdade da palavra e desenvolvimento de um pensamento crítico. Estamos aqui não apenas para homenagear um intelectual de excePção, mas também um mestre da Língua Portuguesa», recordando também o papel de João Barrento como «professor de várias gerações de alunos e protagonista aCtivo, lúcido e militante desta aventura coleCtiva a que se chama Portugal".

 

[Pelos mesmos motivos, referidos mais acima, os vocábulos excePção, aCtivo e coleCtivo que no texto em que me baseei estavam mutilados, estão escritos correCtamente, porque eu, como Defensora da Língua Porruguesa, não poderia insultar João Barrento e o Prémio Camões maltratando a Língua, que foi a do Poeta que deu nome ao Prémio]

Esperemos que a Senhora Ministra da Cultura, Dalila Rodrigues, considere as palavras de João Barrento, honrando, desse modo, o Premiado e o Prémio, e pugne pela Língua Portuguesa, a Língua de Camões e de João Barrento,  e de todos os escritores e Poetas citados por ele no seu discurso, para que seja devolvida a Portugal e aos Portugueses a Grafia de 1945, aliás, a que está realmente em vigor.



Aqui fica este meu apelo, que sei ser o apelo de milhares de Portugueses em Portugal e na diáspora.

Aqui deixo também as minhas felicitações a João Barrento, pelo Prémio Camões 2023, pela excelência das suas traduções, e por nunca se ter deixado deslumbrar pelo aceno dos milhões...


A notícia completa pode ser consultada aqui

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:28

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Pausa para descanso...

. Incursão de uma desacordi...

. Em Defesa da Ortografia (...

. Se os decisores políticos...

. Repondo a verdade dos faC...

. Lançamento de novo livro ...

. Considerações racionais d...

. Em Defesa da Ortografia (...

. Para quem anda desalentad...

. Feira do Livro de Lisboa/...

.arquivos

. Junho 2024

. Maio 2024

. Abril 2024

. Março 2024

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Agosto 2023

. Julho 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.

.ACORDO ZERO

ACORDO ZERO é uma iniciativa independente de incentivo à rejeição do Acordo Ortográfico de 1990, alojada no Facebook. Eu aderi ao ACORDO ZERO. Sugiro que também adiram.
blogs SAPO