Terça-feira, 15 de Março de 2016

«Somos a anedota dos tradutores estrangeiros…»

 

Umas verdades bem ditas de Alexandre Carvalho, para reflectirmos sobre uma aberração chamada AO90…

 

Temos de destruir o AO90! É uma questão de HONRA para Portugal e para os Portugueses!

 

OOPS.jpg

 

Texto de Alexandre Carvalho

 

«Fui à página do CDS/PP e estava lá uma notícia da Assunção Cristas a falar em "direto" numa rádio. Deixei lá o seguinte comentário:

 

«Direto? E na vossa documentação do Congresso está escrito "CONTATO". Mas que língua é esta? Anda toda a gente "vergada" ao VERGONHOSO Acordo Ortográfico de 1990 (que por sinal é ILEGAL). Que raio de juristas há no CDS, que ainda não perceberam que a RCM 08/2011 NÃO REVOGOU o Dec-Lei 35228 de 08/12/1945?

 

É gente dessa competência que elabora as leis da República? Não aprenderam na Faculdade de Direito que um Dec-Lei só pode ser revogado por uma Lei ou outro Dec-Lei? Agora fazem favores ao Sócrates e à analfabeta Dilma? É uma vergonha confundir-se "óptica" (visão) com "ótica" (audição); "pára" (verbo parar) com "para" (preposição).

 

O AO90 foi ideia de Antônio Houaiss para ser o autor do dicionário mais vendável de língua portuguesa e, para isso, teria de haver uniformidade gráfica (afinal há mais palavras diferentes com o AO90 do que com o AO45...) e o dicionário Houaiss já conta com 12 revisões devido aos "defeitos de fabrico".

 

Será que esse defunto e o Malaca Casteleiro resolveram atabalhoadamente fazer uma coisa para a qual não estavam minimamente preparados? Como é possível mexer na grafia de uma língua sem perceber os termos técnicos de áreas tão diversas como a medicina, a electrónica, a mecânica, a física, a química, etc.?

 

Por que motivo o presidente da Academia das Ciências de Lisboa pretende revogar o AO90? Por que motivo os mais ilustres jornalistas e escritores rejeitam esse mesmo AO90? Até no Diário da República vem escrito "fatos" em vez de "factos"...

 

É UMA VERGONHA NACIONAL e somos a anedota dos tradutores estrangeiros (só quem anda no meio o percebe). Que problemas se arranjaram para os estrangeiros que aprenderam português? Era uma dificuldade muito grande para as criancinhas aprenderem as consoantes mudas. Eu já fui criancinha e não tive problemas. Só os tem quem é cábula e não quer aprender. Essas mesmas criancinhas não têm dificuldade em grafar a letra O e pronunciar o som U, nem grafar U e não o pronunciar (gUerra, qUe).

 

Também não têm dificuldade em pronunciar o som S: ora grafado S, ora grafado C, ora grafado Ç. É publicado amanhã um livro da autoria do Sr. embaixador Carlos Fernandes sobre a ilegalidade do AO90 e convido a reflectirem sobre o assunto. O AO90 teve como propósito uma "negociata editorial" e não aproximar as escritas de Portugal e Brasil porque "recepção" continua a ser "recepção" no Brasil, mas cá passou a ser "receção" (é mais uma recessão cultural). Convençam-se duma coisa: o ensino em Portugal é uma miséria e no Brasil fala-se um dialecto composto por palavras portuguesas mas ordenadas "à inglesa" (time = equipa; AIDS = SIDA; mouse = rato, etc.).

 

Também não vejo como possam os brasileiros argumentar que escrevem como falam porque escrevem "direitinho" e pronunciam "djireitxinho"; "vai falá" em vez de "vai falar"; etc., além de não usarem o plural e dizerem "nós vamo". Usam expressões traduzidas do inglês como "falei p'ra ele" em vez de "disse-lhe".

 

No Brasil a língua sofreu influências dos imigrantes e caminhou num sentido... Problema deles.

 

Façam um favor à inteligência e deixem-se de ilegalidades e falsos modernismos porque até lhes fica mal. Se ainda fosse militante, era desta que entregava o cartão (mas já o fiz há quase 35 anos, porque não gostei que me quisessem "pisar os calos").»

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:04

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
comentários:
De Sr. Marques a 1 de Maio de 2020 às 00:29
Ridículo é generalizar a língua se achar superior. Sou Brasileiro porque nasci no Brasil, ora pois... Porém tenho dupla nacionalidade Portuguesa, e tenho ou tive muita honra nisto. Todavia ao vir morar em Portugal, percebo que aqui, muitos não evoluíram. Povo congelado na hipocrisia e arrogância, que discriminam sem ao menos conhecer. Não sou todo mundo e muito menos represento ninguém... Sou o que sou e não o que diz quem eu sou.
Queres conhecer alguém, não julgues... Cada ser humano é único... Não importa a classe, cor, credo ou qualquer ou tipo de organização social.
Parem com a discriminação. Há flores bonitas em qualquer lugar do mundo... Muita gente têm forma, mais não tem conteúdo.
De Isabel A. Ferreira a 1 de Maio de 2020 às 12:19
Sr. Marques, vai desculpar-me, tem a certeza de que comentou o texto certo?

É que este seu comentário não tem o menor cabimento no contexto desta publicação, além de que denota uma certa dor de cotovelo, um certo complexo de inferioridade, um enfiar uma carapuça que não foi feita para si, enfim… um comentário totalmente descabido e preconceituoso, que só diz da sua perturbação.

Mas uma vez que comentou, tenho a dizer que um Idioma não é um pedaço de carne que se retalha para fazer picadinho. E o que o Brasil fez ao Idioma do colonizador foi isso mesmo. Mas nós, Portugueses, não temos nada com isso. O Brasil é livre e soberano, e pode fazer e desfazer o que bem entender. Só não pode pretender que os Portugueses aceitem escrever segundo a “cartilha brasileira”, se somos Portugueses. E que chamem à Língua que construíram a partir da Portuguesa, outra coisa qualquer, excepto Portuguesa.

Penso que se políticos brasileiros mal-intencionados obrigasse o Brasil a escrever segundo a “cartilha portuguesa”, então é que os Brasileiros se PASSAVAM!

Se nasceu no Brasil, nasceu muito bem. É um país de muita, muita riqueza, tanta riqueza que dava para todos os Brasileiros, incluindo os indígenas da Amazónia, viverem muito FELIZES e SEM POBREZA. No entanto, desde 1822, já lá vão 198 anos, tendo-se libertado do colonizador português, ainda não conseguiram fazer do Brasil uma grande potência: os Estados Unidos da América do Sul. Porquê? Há várias explicações, mas uma delas é esse mesquinho sentimento de “desgosto” por terem sido colonizados pelos Portugueses, e nunca o terem aceitado. Isso está bem patente neste seu comentário.

Se tem dupla nacionalidade, e se ao vir viver para Portugal «percebeu que aqui, muitos não evoluíram, e que somos um Povo congelado na hipocrisia e arrogância, que discriminam sem ao menos conhecer» volte para o seu Brasil, um país evoluidíssimo e descongelado, que não discrimina ninguém, nem sequer os indígenas da Amazónia, os verdadeiros donos daquele território, que estão a ser exterminados, de tanto que os acarinham.

O seu comentário a partir de «não sou todo o mundo…» mostra uma pessoa perturbada, que se amesquinha a si própria, por alguma razão. Em Portugal ninguém é discriminado nem pela nacionalidade, nem pela cor, nem pelo credo, mas tão-só por virem para aqui engrossar o rol de malandros e vigaristas. País nenhum do mundo aceita de braços abertos os malandros e os vigaristas, bem como os terroristas, os traficantes de droga, os assassinos, os ladrões… Ou aceita?

De resto, Portugal acarinha todos os que VÊM POR BEM.

No meu prédio vivem três famílias brasileiras, boa gente, educada, que estão cá a lutar pela sobrevivência delas, e merecem todo o nosso respeito e carinho. E é o que têm de nós todos.

Peço ao Sr. Marques que leia o que se disse na publicação em causa, e o que comentou. Se precisar de ajuda, peça, porque parece-me que está a precisar muito dela.

(Não estou a dizer isto com ironia, é que realmente, parece-me que está a precisar de ajuda psicológica)

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
14
15
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Marcelo Rebelo de Sousa, ...

. A mais válida queixa, sob...

. O "aborto ortográfico" qu...

. Ouçam e pasmem! Querem qu...

. É preciso responsabilizar...

. «Não haverá, no plano pol...

. Crime de lesa-cultura ou ...

. Este é o tal “português d...

. As Feiras do Livro de Li...

. Urge fazer regressar a Lí...

.arquivos

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. a href="https://www.facebook.com/portuguesdefacto/" target="_blank">https://www.facebook.com/portuguesdefacto/

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 é uma fraude, ilegal e inconstitucional

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram oficialmente a não vigência do acordo numa reunião oficial e os representantes oficiais do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO