Segunda-feira, 21 de Novembro de 2016

HOJE, NUMA LIVRARIA, EM ACÇÃO ANTI-AO90…

 

LIVROS.jpg

 

Hoje, descoloquei-me à livraria onde habitualmente compro livros e material de escritório, em busca de um determinado livro, para oferecer a um amigo galego (que lê bem o Português), e naturalmente frisei que só o levaria na versão Portuguesa (não vou oferecer gato por lebre a um amigo com quem costumo “trocar” livros). Até agora enviei os meus, e em troca, ele envia-me autores galegos, em bom Galego e Castelhano. Mas só tenho nove livros publicados. Agora terei de lhe enviar outros autores.

 

E aproveitei para dar uma vista de olhos.

 

Encontrei autores portugueses que não se vergaram à ortografia mutilada, e a quem tiro o meu chapéu, mas em contrapartida, encontrei uma série de livros, da Porto Editora, para crianças, mal escritos. Horrorosamente escritos em acordês, e todos os livros traduzidos, que eu até gostaria de ler, seguem o ao-mutilado, e terei de lê-los nos originais, ou nas traduções inglesa e castelhana.

 

E foi isto mesmo que disse à empregada de balcão, acrescentando também que, às minhas crianças, ofereceria os livros que as editoras me enviavam (antes desta tragédia chamada AO90), para que eu os comentasse e publicitasse nas minhas páginas dedicadas à infância, num jornal, que já foi um dos mais prestigiados do Norte, e que a incompetência extinguiu: «O Comércio do Porto». Tenho-os ali todos. Novinhos. E são esses que oferecerei. As novas versões desses mesmos livros serão para atirar ao lixo.

 

Hoje estava sozinha na livraria. Então a senhora aproveitou (penso eu, porque eu sempre que ali vou digo o mesmo) para me dizer que de todos os clientes que ali vão eu sou a única que ligo ao pormenor da Língua.

 

Como disse?????

 

Nunca ninguém aqui entrou a procurar livros escritos em boa Língua Portuguesa?

 

«Não. Nunca. A senhora é a única! Os outros, pedem os livros, e estejam como estiverem escritos, compram-nos».

 

Confesso que fiquei desiludida.

 

Então eu ando pelo Facebook, e aparece-me tanta gente a dizer que não compra e não oferece livros em acordês-malaquês e dou comigo a ser a única a ligar ao pormenor da Língua, numa livraria onde tanta gente compra livros?

 

Das duas uma: ou a senhora da livraria mentiu-me, ou existem muitos mentirosos por aí…

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:43

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 13 de Outubro de 2016

UM PRÉMIO COM O NOME DE EÇA DE “QUEIRÓS” APRESENTADO EM “ACORDÊS” MISTURADO COM PORTUGUÊS

 

Recebi o “convite”, que mostro mais à frente, via e-mail.

E indignei-me por três motivos:

Primeiro: O Prémio tem o nome do nosso grande Eça mal escrito: é de Queiroz e não de Queirós.

Segundo: O convite vem escrito em acordês misturado com Português: projeto (errado); Queiroz e Outubro (certo).

Terceiro: Uma editora que não defende a Língua Portuguesa, culta e europeia, não honra Portugal, nem os livros, nem os leitores. E isso desgosta-me. Por isso protestei.

E o que fiz chama-se Acção Cívica em Defesa da Língua. E era isto que gostaria que todos os que andam por aqui fizessem também. Teríamos muito mais força, e talvez algum resultado mais visível.

 

EÇA QUEIROZ.png

 

«Caros leitores,

 

Considerando a importância do papel das instituições públicas na promoção e apoio das artes e da cultura, nomeadamente da literatura e da ilustração e dos novos criadores nestas áreas, a Livros de Ontem irá apoiar a Junta de Freguesia de Olivais na organização do Prémio Literário e de Ilustração Eça de Queiroz.

 

Atendendo ao papel essencial da literatura e das artes plásticas, nomeadamente o desenho e a pintura, no desenvolvimento cultural e intelectual do individuo, este projeto tem como intuito de promover a criatividade, o gosto pela leitura e pelas artes plásticas e sobretudo, a criação artísticas e literária.

 

Constituí também uma homenagem ao escritor que lhe dá nome, procurando assim promover também o conhecimento da obra de Eça de Queiroz, um dos autores mais relevantes da nossa literatura.

 

As candidaturas decorrem até 30 de Outubro, consulte o regulamento abaixo para saber em pormenor todas as informações.

Contamos com a sua participação

 

****

Exmos senhores,

 

Lamento que a vossa louvável iniciativa venha apresentada em Acordês, uma ortografia mutilada e terceiro-mundista, engendrada na América do Sul, e que se afasta substancialmente das raízes cultas e europeias da Língua Portuguesa.

 

Lamento que a "Livros de Ontem" seja subserviente à incultura dos políticos, e não defenda a Língua (Oficial) Portuguesa, que é o Português Português (e não o Acordês).

 

Lamento que tenham optado pela ilegalidade e pela inconstitucionalidade.

 

Lamento... porque tenho a certeza de que Eça de Queiroz (aliás os seus descendentes combatem o Acordês, e aproveito para dizer que Eça é de Queiroz e não de Queirós ) seria um acérrimo crítico a esta ortografia defeituosa que nos querem impingir.

 

Com o meu mais veemente protesto,

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:11

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Domingo, 9 de Outubro de 2016

LUSOFONIA: BISPOS LAMENTAM SUSPENSÃO DO USO DA LÍNGUA PORTUGUESA NOS PROCESSOS DE CANONIZAÇÃO

 

 

«Não era o Acordo Ortográfico que ia prestigiar e expandir internacionalmente a língua portuguesa? Não ia tornar o Português idioma oficial da ONU e dos fóruns internacionais? E mais um par de botas?» (Tradutores contra o Acordo Ortográfico)

 

Repare-se que se diz Língua Portuguesa, não se diz Acordês

 

Depois que Portugal começou a espalhar por aí o Acordês, que é a versão inculta do Português, a Santa Sé descartou-o. É que o uso de uma ortografia terceiro-mundista não prestigia nenhum país lusófono, nem o Vaticano. 

 

1foto4 AGÊNCIA ECCLÉSIA.jpg

 

Agência Ecclesia 27 de Setembro de 2016, às 14:24

 

Responsáveis dos países lusófonos lembram que está em causa a quinta língua mais falada no mundo

 

Aparecida, Brasil, 27 Set 2016 (Ecclesia) - Os bispos católicos dos países lusófonos manifestaram-se hoje contra a suspensão do uso da Língua Portuguesa nos processos de postulação das Causas dos Santos na Santa Sé.

 

Desejamos que a Língua Portuguesa, a quinta língua mais falada do mundo, por 260 milhões de pessoas, continue a ser utilizada nos processos de canonização”, assinala o comunicado final do 12.º Encontro de Bispos de Países Lusófonos, que decorreu desde sexta-feira na cidade brasileira de Aparecida.

 

A Congregação para as Causas dos Santos, organismo responsável pelo acompanhamento dos processos de beatificação e canonização na Santa Sé, invocou “dificuldades logísticas” para justificar a intenção de eliminar o Português do conjunto de línguas de trabalho.

 

Os participantes no encontro de bispos lusófonos apresentam agora o seu “lamento e preocupação por esta decisão” que, segundo os representantes dos episcopados católicos, “vai dificultar e encarecer o bom andamento dos processos de canonização com origem nos países de expressão portuguesa”.

 

O texto, enviado à Agência ECCLESIA, é subscrito por responsáveis católicos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe.

 

O uso da Língua Portuguesa foi determinado por uma instrução da Santa Sé, a ‘Sanctorum Mater’ de 17 de Maio de 2007, no n.º 127: ‘As línguas admitidas junto da Congregação para o estudo das causas são: Latim, Fancês, Inglês, Italiano, Português e Espanhol’”.

 

Ainda na reunião de Aparecida, os participantes mostraram o seu “apoio unânime” ao acordo das conferências episcopais do Brasil e Portugal sobre a tradução do Missal Romano, junto da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos (Santa Sé), para que “se mantenham as fórmulas sacramentais e a resposta «Ele está no meio de nós» à saudação «O Senhor esteja convosco»”.

OC

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:58

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 19 de Julho de 2016

QUE VERGONHA, SENHORES GOVERNANTES!

 

O diário da república é a vergonha de Portugal.

 

Nem em Português, nem em acordês. Ninguém sabe escrever escorreitamente.

 

Estão todos DEMITIDOS! Obviamente.

 

DIÁRIO DA REPÚBLICA.png

Origem da imagem:

https://www.facebook.com/TradutoresContraAO90/photos/a.212426635525679.35361.199515723483437/873699436065059/?type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:42

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
17
20
23
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. HOJE, NUMA LIVRARIA, EM A...

. UM PRÉMIO COM O NOME DE E...

. LUSOFONIA: BISPOS LAMENTA...

. QUE VERGONHA, SENHORES GO...

.arquivos

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO