Terça-feira, 21 de Junho de 2022

“A eterna questão ortográfica: por que não desistimos” (Nuno Pacheco, PÚBLICO, 16.06.2022)

 

“A eterna questão ortográfica: por que não desistimos” (Nuno Pacheco, PÚBLICO, 6.06.2022)

 A Provedoria de Justiça também não dá resposta

By Rui Valente in diversosMedia, Opinião

 

 

 

Nota prévia: a propósito da intervenção de Jorge Miranda e da sua cruzada contra os estrangeirismos, a que Nuno Pacheco se refere neste artigo, vale a pena tecermos algumas considerações. A primeira, e mais evidente, é que a crítica generalizada ao uso de estrangeirismos é, por si só, um terreno escorregadio. Com toda a subjectividade que o exercício comporta, há que ver caso a caso: o texto melhorou? Haveria uma solução mais elegante em Português? A mensagem tornou-se mais clara?

 

Esta análise estende-se, naturalmente, ao campo estético — convenhamos que os aportuguesamentos, por exemplo, nem sempre são felizes. Pela parte que me toca, dificilmente trocarei um dia a graça de um “dossier” pelo desengonçado “dossiê” português. Em última análise, estaremos sempre a falar do bom gosto (ou do mau gosto) de quem escreve — o que é, e será sempre, um tema controverso.

 

Acresce que um estrangeirismo é um fenómeno natural. As Línguas sempre se comeram umas às outras e, em larga medida, é também dessa forma que se desenvolvem. Com o Acordo Ortográfico ocorre precisamente o oposto. Um estrangeirismo é uma palavra que achamos interessante noutra Língua e que, voluntariamente, decidimos “roubar” e integrar na nossa. Com o Acordo Ortográfico, milhares de novas palavras, criadas artificialmente, sem qualquer adequação à nossa pronúncia — quase todas de uma deselegância atroz — estão a ser-nos impostas, sem apelo nem agravo.

 

É por isso que se torna particularmente doloroso assistir a esta moda que parece acometer agora os defensores do Acordo Ortográfico: como é possível que alguém não só tolere como até defenda a enorme agressão que o Acordo Ortográfico representa para o Português Europeu, para de seguida se indignar, a ponto de rasgar as próprias vestes, com uma questão de interesse duvidoso como é a dos estrangeirismos? Que autoridade esperam que lhes reconheçamos nesse papel de paladinos da Língua Portuguesa?

 

Jorge Miranda é um dos expoentes dessa moda acordista de ver no inglês todos os males da Língua Portuguesa. É impossível que o presidente da Comissão Organizadora do Dia de Portugal não tenha noção de que, na sua boca, essa argumentação é uma anedota de mau gosto.

 

Não se percebe, portanto, porque insiste Jorge Miranda nessa tecla. Consciência pesada? Esforço desesperado para, apesar de tudo, tentar atamancar uma imagem de defensor da Língua? Tentativa de assobiar para o lado, assacando a outros a responsabilidade pelo mau estado da Língua Portuguesa, enquanto finge ignorar a sua própria?

 

Talvez um “mix” de tudo isto — passe o estrangeirismo.

 


 

Parece que o 10 de Junho, ou o que dele decorre, está fadado a estas sortes. Este ano, em Braga, ao discursar como presidente da Comissão Organizadora do Dia de Portugal, quis o professor Jorge Miranda dedicar uma parcela dessa sua intervenção à língua portuguesa (1 minuto e 15 segundos num total de 10m35: confira-se dos 7m14s aos 8m29s). Falou dela como “um direito” [dos povos que a escrevem e falam] e “também um dever”, apontando depois o dedo “contra os atropelos que vem sofrendo entre nós”: “Constantes erros de sintaxe na comunicação social, ensino em escolas superiores portuguesas por professores portugueses a alunos portugueses em língua estrangeira; denominações de algumas escolas superiores, muitas das quais públicas, também em inglês; alastramento de denominações comerciais de empresas portuguesas operando em Portugal em inglês – outra coisa é o inglês ter-se tornado língua franca universal.

 

Não é nova, esta indignação de Jorge Miranda. Já a expressara várias vezes, até no PÚBLICO, em artigos como Brevíssimas notas sobre três questões sérias (13/7/2011) ou Outro direito fundamental em risco: o direito à língua (11/2/2013), que o Ciberdúvidas reproduziu. Neste último, aliás, recorria à Constituição (de que é um dos “pais”, na sua génese) para reafirmar “o direito de uso da língua, sabendo-se como a língua materna, por seu turno, é o primeiro ou um dos primeiros elementos distintivos da identidade cultural”; havendo “o direito de defender, mesmo em tribunal, o património cultural [art. 52.º, n.º 3, alínea d)].” Mesmo em tribunal? Pois nem na Assembleia da República (AR), onde a Constituição foi feita e refeita.

 

Há um ano, numa destas crónicas, dávamos conta do silêncio a que fora votada na Assembleia da República uma iniciativa legislativa de cidadãos em torno do Acordo Ortográfico de 1990 (ILC-AO). Pretendia tal iniciativa, como foi amplamente divulgado, que a AR revogasse a sua Resolução n.º 35/2008, de 29 de Julho, pois esta aprovara o segundo protocolo modificativo do AO90, permitindo que este entrasse em vigor com a ratificação de apenas três países, em vez dos oito subscritores iniciais, contrariando o disposto na Convenção de Viena que Portugal ratificara escassos anos antes, em 2004. Entregue em Abril de 2019 (com 21.206 assinaturas validadas), foi transformada em projecto de lei (1195/XIII) por cumprir “os requisitos formais de admissibilidade.”

 

Mas não foi a plenário, porque a lei 17/2003, que obrigava, esgotados os prazos, a um agendamento “para uma das dez reuniões plenárias seguintes, para efeito de apreciação e votação na generalidade” teve, em Agosto de 2020, este acréscimo no final: “salvo se o parecer da comissão tiver concluído pela não reunião dos pressupostos para o respectivo agendamento.” E assim foi barrada pela comissão e remetida ao silêncio. Uma exposição dos promotores à Provedoria de Justiça (declaração de interesses: subscrevi ambas), com pedido de um parecer, teve o mesmo efeito. O que levou Rui Valente, em nome da ILC-AO, a escrever um artigo na página desta iniciativa intitulado A Provedoria de Justiça também não dá resposta, onde conclui: “Parece-nos evidente que não se poupam esforços quando o objectivo é manter o debate sobre o Acordo Ortográfico longe do Plenário. Vale tudo, incluindo a mais completa degradação da figura das Iniciativas Legislativas de Cidadãos. Em Portugal, a Língua Portuguesa vive momentos dramáticos, em que o Português Europeu luta pela sobrevivência. A democracia participativa parece ir pelo mesmo caminho.” E a culpa não é do inglês.

 

A ideia geral é esta: desistam. O AO90 é um facto consumado, habituem-se a ele, as crianças já não conhecem outra grafia, editoras, jornais, livros, televisões afinam pelo mesmo diapasão, com “exceção” [sic] de um punhado de teimosos a lutar contra moinhos de vento. A conversa do costume. Mas o plural expresso no título desta crónica também é verdadeiro: não desistimos. Porque o acordo, em lugar da propalada unificação ortográfica (promessa que é hoje absoluta vacuidade), continua a dar-nos “impatos”, “estupefatos”, “artefatos”, “convições”, “egícios”, “adetos”, “réteis”, “abrutos”, “inteletuais”, “mastetomias”, “nétares”, “fições”, “oções”, “evições”, “eruções”, “frições”, “autótones”, “invitos”, “galáticos”, “ténicos” e outras tantas aberrações que o acordo tem incentivado, ao desestruturar a escrita.

 

Talvez isto passe ao lado de Jorge Miranda, embora até já o inglês sofra cortes sob tal influência. Mas enquanto nada mudar, e a atitude de quem manda diz-nos que por sua vontade não mudará uma só vírgula, haverá resistência e resistentes.

 

Nota: transcrição integral de artigo publicado no jornal PÚBLICO na edição de quinta-feira, 16 de Junho de 2022.

 

Fonte: https://ilcao.com/2022/06/06/a-provedoria-de-justica-tambem-nao-da-resposta/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:26

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 24 de Maio de 2022

«Em Defesa da Ortografia (XLVII), por João Esperança Barroca

 

ALERTA!!!!

Por tudo o que neste artigo, da autoria de João Esperança Barroca, se diz e se vê, SE, na Assembleia da República, houver alguém dotado de LUCIDEZ, apela-se a esse alguém que, em nome da RACIONALIDADE, sugira que (e citando José Vieira) «está na altura de baixar o IRS e passar a taxar a ignorância», porque a IGNORÂNCIA, disseminada nas escolas, nas televisões e nas traduções e edições acordizadas, está a ENCARCERAR os cérebros e a transformar Portugal no país com mais IGNORANTES por metro quadrado, nos sectores que mais estão ligados à expansão do nosso Idioma. (Isabel A. Ferreira)

 

Cérebro encarcerado.jpg

 

«Em Defesa da Ortografia (XLVII)»

por João Esperança Barroca

 

«É altura de dar uma alegria à língua portuguesa: é altura de a libertar do Acordo Ortográfico.

 O Acordo Ortográfico foi feito numa altura em que a uniformização estava na moda, numa época em que se pedia às pessoas que esquecessem as diferenças.

Mas, entretanto, tudo mudou: agora são as diferenças que é preciso celebrar. Portugal já não é um país pequenino diante do Brasil e dos outros países que falam português. Agora, Portugal é Portugal e o Brasil é o Brasil e São Tomé e Príncipe é São Tomé e Príncipe.  

O contrário da uniformização é a celebração das diferenças. A melhor maneira de as celebrar é através do estudo. Deite-se fora o Acordo Ortográfico e, em vez desse desmando, ensinemos às nossas crianças a riqueza, a graça e a personalidade das várias versões nacionais da língua portuguesa.

E nós também temos direito à nossa versão, à nossa ortografia, às nossas manias, às nossas particularidades.

Miguel Esteves Cardoso, Escritor, em 22 de Abril de 2022

 

«[…] o AO é um acto de genocídio cultural, estético, racional e político.»

Miguel Esteves Cardoso, Escritor, em 12 de Agosto de 2011

 

«Daqui a 50 anos, em 2065, quase todos os opositores do analfabeto Acordo Ortográfico estarão mortos. Em contrapartida, as crianças que este ano, em 2015, começaram a ser ensinadas a escrever tortograficamente, terão 55 anos ou menos. Ou seja: mandarão no país e na língua oficial portuguesa.

A jogada repugnante dos acordistas imperialistas — ignorantes e cada vez mais desacompanhados pelas ex-colónias que tentaram recolonizar ortograficamente — terá ganho tanto por manha como por estultícia.

As vítimas e os alvos dos conspiradores do AO90 não somos nós: são as criancinhas que não sabem defender-se.

 Miguel Esteves Cardoso, Escritor, em 20 de Maio de 2015

 

Após três citações, do escritor Miguel Esteves Cardoso, apoiante oficial da iniciativa Acordo Zero, um pouco mais longas que o habitual, o espaço para as nossas reflexões ficou mais escasso. Por essa razão, o nosso texto de Maio, dedicado à Beatriz, que faz hoje 29 anos e que merece conviver com uma ortografia lógica, coerente, congruente e sem vergonha da sua história, incide sobre alguns aspectos desse movimento de cidadãos.

 

Em Fevereiro do corrente ano, o jornal Cidade de Tomar, divulgou esta iniciativa, totalmente independente, livre de facções de qualquer espécie e que canaliza as suas forças para a imediata revogação do Acordo Ortográfico de 1990, única forma de proteger a Língua Portuguesa em todo o espaço onde é falada e escrita. Saliente-se, a propósito, que há alguns cidadãos tomarenses com o estatuto de subscritores de apoio desta iniciativa.

 

Na página de Facebook da iniciativa Acordo Zero têm sido regularmente publicadas, no âmbito do tópico “Circo Cacográfico”, algumas frases, que abaixo se transcrevem, ilustrativas do caos a que isto chegou (parafraseando uma célebre expressão do capitão de Abril Salgueiro Maia):

 

- Cato pelos e pelo catos na boca do urso!

- Pouco dinheiro para todos nós neste circo!

- Nem sei se o elefante tem problemas óticos ou óticos!

- O corréu correu rua fora e acabou na jaula do tigre!

- O egiptólogo francês foi ao circo no Egito!

- O macaco roubou a caneta corretora do corretor!

- A adoção de adoçante no engodo da foca foi uma boa ideia!

- O palhaço não ata nem desata no primeiro ato da ata!

- Tetas e tetos falsos deteta o mágico à distância!

- Espetador arruína espetáculo de espetador de facas!

 

Confuso, caro leitor? Isto não é mais do que «[…] a impressionante oscilografia que o Monstruoso Acordo (MA) instalou, com consequências terríveis para os olhos e para os ouvidos — sim, para os ouvidos.  […] (Não, isto não tem nada que ver com o MA, contraporão os empedernidos. Nadinha. Ainda terão lata para tal dislate?)»

Manuel Monteiro, autor, tradutor, revisor e formador, em 22 de Março de 2022

 

Talvez a solução seja a preconizada por José Vieira, cidadão do Entroncamento, num comentário, no Facebook, ao artigo “Em Defesa da Ortografia XLIV: «Está na altura de baixar o IRS e passar a taxar a ignorância

 

João Esperança Barroca

 

LÁTEA.png

EXEÇÕES.png

GALÁTICO.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:25

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 27 de Abril de 2022

«Nótulas sobre o absurdo do Acordo Ortográfico»

 

Nem de propósito, hoje, ouvi nas notícias que 100 mil alunos estão em vias de ficar sem professores em algumas disciplinas, porque faltam professores. Entre os que mais faltam são os de Português.

 

Pudera! Quem quer sujar a sua carreira docente, ao enganar as crianças e os jovens, ministrando-lhe uma mixórdia ortográfica, que não pertence à Língua Materna deles? E o pior é que os alunos, desde os mais novos aos mais velhos, sabem que estão a levar gato por lebre, porque aprendem outras Línguas da mesma Família Linguística do Português, e não percebem por que hão-de escrever “infeção”, sem , quando todas as suas derivadas se escrevem com. É como esta, muitas mais. É que os alunos não são os parvos que os governantes e os professores (que estão a sujar a sua carreira) querem fazer deles.



O Denis S. Diderot, abordou o assunto, num texto muito perspicaz.

 

É que já andamos todos fartos da estupidez optativa dos acordistas, que não dão uma para a caixa, nesta questão da Língua.



Esperamos que o XXIII governo de Portugal tenha LUCIDEZ suficiente para reconhecer o erro, e anule o AO90, e reponha a legalidade da Língua Oficial Portuguesa, que anda por aí a ser violada descaradamente, sem que nenhuma autoridade judicial se dê ao trabalho de processar quem está a cometer um crime de lesa-pátria, bem como um crime de lesa-infância, algo que ultrapassa todos os limites do dever de Estado. E repor a legalidade é muito mais fácil do que impor a ilegalidade. Haja RACIONALIDADE e BOM SENSO.

 

Isabel A. Ferreira

PÁRA ou PARA.jpg

 

«Nótulas sobre o absurdo do Acordo Ortográfico»

 

Por Denis S. Diderot



Já ouvi diversos, mas todos absurdos, argumentos em defesa do Acordo Ortográfico.


A simplificação da escrita tornará mais acessível a língua aos estrangeiros e, sobretudo, facilitará a aprendizagem da mesma às crianças. É preciso, todavia, dizer, que o castelhano tem uma ortografia das mais simples, em comparação com o inglês, com o francês, com o alemão, para já não falar das línguas não alfabéticas, mas ideográficas, que não têm vinte e poucos caracteres, mas centenas ou mesmo milhares.

 

Ora, prova-se, com dados estatísticos, que a taxa de alfabetização dos países falantes dessas línguas tem a ver, não com a sua complexidade, mas com a qualidade do seu sistema de ensino e com o seu poder económico e político. O inglês é a língua mais estudada no mundo.


O Acordo Ortográfico criou uma escrita mais natural, aproximada à fala. Esta tese é ainda mais descabelada. Toda a gente sabe - menos o Malaca Casteleiro - que os caracteres das línguas alfabéticas são totalmente convencionais, isto é, não há relação motivada entre um caracter escrito e um fonema. Escrevia-se 'farmácia' com 'ph', mas a sua substituição por 'f' não aproximou um cagalhésimo (apetece-me exprimir-me assim, nesta circunstância) do som articulado que constitui um elemento da fala. Aliás, os ingleses e os franceses, que, como sabemos, possuem idiomas primitivos, mantêm o 'ph'.


 
Então porquê esta questiúncula em torno do Acordo Ortográfico, se tanto faz escrever duma maneira ou de outra? É que este Acordo faz surgir dois problemas sistemáticos.


O primeiro problema reside no aparecimento da inconsistência na forma de indicação de palavras com a mesma raiz. Por exemplo a modificação do nome '
Egito' no seu adjectivo 'egípcio' faz reaparecer a letra 'p', quando, em coerência, deveria passar a escrever-se 'egício'.


E, já agora, por que os ingleses e os franceses não se querem livrar de letras inúteis, mesmo do ponto-de-vista da codificação fonética? Só pode haver um único motivo, se não for a preguiça. Eles sabem que a escrita não tem apenas uma função pragmática; ela tem uma estética própria, diferenciada das outras, que dá uma certa roupagem à língua e define o estilo visual da mesma. Além disso, e este é um outro motivo de que agora me lembrei, sabem, e Malaca Casteleiro não, que a grafia está associada à génese de cada palavra, no nosso caso sobretudo ao latim.

 

O segundo problema consiste na perda de sinais gráficos indicadores (não importa se convencionais, porque todos o são) de regras de pronúncia, tornando mais difícil a aprendizagem e a conservação da dicção correcta (passaremos a escrever 'dição'?). É o caso de 'expectativa', que passa a 'expetativa'. Além de que é sabido que muita gente diz 'expectável' e 'expectaste' pronunciando a letra 'c', quando no Acordo Ortográfico ela não deve aparecer. O mesmo acontece com a substituição de 'espectador' por 'espetador'. A consoante muda 'c' não é exactamente muda mas tem uma função fonética evidente. Mais escandaloso ainda é a supressão do acento agudo em 'para' do verbo 'parar', o eliminar do acento circunflexo de 'pêlo', ficando 'pelo', o que tem apenas a vantagem de poupar na tinta e a desvantagem de criar equívocos. Isto mostra como o Acordo Ortográfico não nos aproxima a escrita da fala.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:10

link do post | comentar | ver comentários (4) | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 8 de Abril de 2022

Marcelo Rebelo de Sousa ultraja a memória de Vasco Graça Moura, na inauguração da “Casa dos Livros” que albergará o espólio do escritor

 

No passado dia 01 de Abril, inaugurou-se, no Porto, a Casa dos Livros, em homenagem ao escritor e tradutor Vasco Graça Moura, e na qual foi acolhido o seu espólio literário.  


Na inauguração da Casa dos Livros esteve presente Marcelo Rebelo de Sousa, presidente da República Portuguesa, que discursou, e mais valia ter ficado calado.

 

Como todos devem recordar-se, Vasco Graça Moura era um inflexível opositor do AO90, ao contrário de Marcelo Rebelo de Sousa que tem demonstrado ser o MAIOR defensor de um pseudo-acordo ortográfico que foi imposto ILEGALMENTE em Portugal, numa evidente violação à Constituição da República Portuguesa, que jurou defender.

 

Pois há a dizer que o discurso do presidente, foi um discurso vergonhoso, propagado pela própria Presidência da República Portuguesa, no YouTube, no qual insultou a memória de Vasco Graça Moura, diante dos filhos e demais família do homenageado.

 

Marcelo Rebelo de Sousa teve o desplante de chamar «desmancha-prazeres» a Vasco Graça Moura, por ter sido um acérrimo opositor do ILEGAL Acordo Ortográfico de 1990.

 

Um insulto à memória e ao legado literário de Vasco Graça Moura. Ele, que travou a sua última batalha em defesa da Língua Portuguesa, o seu mais precioso instrumento de trabalho, que viu estraçalhado, sem dó nem piedade, para se fazer o frete ao Brasil, a quem Marcelo é visivelmente subserviente.

 

Marcelo Rebelo de Sousa devia envergonhar-se de vir evocar o nome de Vasco Graça Moura chamando-lhe “desmancha-prazeres”, como se a Língua Portuguesa fosse do foro do simples prazer, e não um dos símbolos maiores da Identidade Portuguesa.

 

Sinto-me tão insultada como se sentiria Vasco Graça Moura, se ouvisse tais palavras, na boca de alguém que jurou defender os símbolos de Portugal, e despreza-os de um modo absolutamente aviltante.

 

Mas vamos ouvir o que disse Marcelo.

Isabel A. Ferreira

 

Vasco Graça Moura.jpg

 

O discurso completo neste link: 

https://www.youtube.com/watch?v=lmZd7zwDttk


publicado por Isabel A. Ferreira às 17:57

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 29 de Março de 2022

«O Acordo Ortográfico: uma imposição abjecta, ou o capricho duma ditadura indigente e inculta», por António Mota

 

António Mota - 1.png

 

Fonte da foto: https://www.facebook.com/photo/?fbid=1386769674733615&set=pob.1722086151

 

 Por António Mota

 

«O Acordo Ortográfico: uma imposição abjecta, ou o capricho duma ditadura indigente e inculta»

 

1.

É na Língua que o Verbo se encarna e, tal assim, o pensamento e o sentimento. É na Língua que crescemos, aprendemos e somos, iguais e diferentes. É na Língua que amamos, e que antes namoramos. É na Língua que sabemos de pai e mãe, de avô e avó, de filhos e de netos. Só nela a raiz mais funda, da história, dos valores e da família. É na Língua que tivemos nosso cão e que corremos atrás dele e que brincamos. É na Língua que aprendemos Portugal, Pátria e terra mãe. E é na Língua que está a honra e a verdade, e a luta impoluta contra mentira e traição. Não se perdoe a quem a vender ou trair.

 

2.

- Olha! Diz-me uma coisa.

- Sim. O quê?

- É sobre o teu país.

- Sim?

- É o seguinte.

- Diz.

- Que língua falais em Portugal?

- Português.

- Português?

- Sim, claro.

- Tendes uma língua vossa?

- Evidentemente. E há muitos séculos.

 

3.

- Olha!

- O quê?

- É sobre aquilo de há uma semana.

- Ah! Da Língua Portuguesa!

- Sim. Aquilo é um dialecto, não é?

- Não. É uma língua de civilização.

- Não pode ser! Um país tão pequeno!

- Pois é! Vós é que nem língua tendes!

- Então não temos o Inglês?

- Sim. Mas nasceu na Inglaterra.

- Mas na escola falais Inglês, não é?

- Não. Na escola falamos Português.

 

4.

- Olha! É sobre aquilo da semana passada. Estive a pensar.

- Tu? Em quê?

- Na universidade tendes de falar Inglês, não tendes?

- A universidade não é uma escola?

- É. Mas é mais importante.

- Olha, deixa de ser ignorante!

- Ignorante? Eu?

- Sim. Quantas vezes é preciso ensinar-te que em Portugal se fala Português?

- Em todo o lado?

- Sim.

- Mas na tropa, não! Tenho a certeza!

- Na tropa também. Em Portugal, temos uma língua nossa. Em Portugal, falamos Português.

 

5.

Ao contrário do que se anuncia, e devia, no Parlamento, nada se vai discutir, nem decidir, contra o que já está decidido e aprovado acerca da violação selvagem, patológica e besta da Língua nossa Portuguesa. Nem podia, porque na alegada casa da democracia, o que reina é o sono, a anedota e o mono, exibindo iliteracia, de caneta, batalhas de alecrim, e tacho ao peito. Vivemos sob o malho duma federação de ditaduras partidárias, que tudo fazem, ora dando cartas um, ora outro, e sempre no interesse de todos eles e, mais ainda, de quem, acima deles, os controla. Venderam a alma ao diabo por malas de dinheiro roubado. Venderam a Pátria. Venderam a Língua. E isso é traição.

 

6.

Habituaram-nos, e habituámo-nos a ser tratados como atrasados mentais incapazes, ineptos, infantis, estúpidos e cegos. Depois, sobre esse alicerce, convenceram-nos a aceitar acriticamente tudo, incutindo-nos a ideia construída de que temos personagens importantes e sábias, a zelar por nosso bem, e pela Pátria também. E que eles é que sabem. A verdade, porém, é que são, ou foram, personagens de opereta, e de biografia mentida. E, assim, muitos traidores se tornaram heróis fúnebres, de comenda ao peito.

 

7.

Eu não reconheço autoridade democrática a ninguém para atentar contra a independência nacional, contra o património nacional, contra a cultura nacional, contra o território nacional, tanto na sua vertente física, como no seu usufruto real, em benefício da nação, e nunca contra. Eu não reconheço autoridade democrática a ninguém para atentar contra a Língua Portuguesa, mutilando a sua história e beleza. Quem a violou é imbecil e traidor. É na Língua que o Verbo se encarna e, tal assim, o pensamento e o sentimento. Só nela a raiz mais funda, da história, dos valores e da família. É na Língua que aprendemos Portugal, e Pátria e Mãe.

 

Toda a atenção a quem, à esquerda e à direita, vai reincidir na traição. Não se lhes perdoe.

 

***

 

Dizem que hoje [05 de Maio] é o Dia da Língua Portuguesa, e eu acho graça, e com razão: desobediência ao mentecapto AO90 (tivéssemos nós professores, juízes ou jornalistas, ou cidadãos).

 

Como celebra o governo português o dia da nossa da Língua? Aquele Cabeça Rapada, o cientista social do Porto, perante o qual, os mais radicais do CHEGA, são anjinhos, ou aprendizes, o que promoveu ele hoje, ou alguma vez, em favor da nossa língua?; e que tem feito em todo o seu interminável percurso político, principalmente, como ministro, esse provocador inato? O que é que ele pensa em termos do ensino da língua? Nada. Está ansioso até que se deixe de ensinar. Que pensa ele do famigerado AO90? Não pensa. Nem sequer o defende. Impõe-no, como se fosse um inspirado, sobredotado, ungido, eleito. Está louco. E o Costa? É igual. Passa por todos os governos, manipula, insinua, espreita, aproveita, rapa o tacho, suja o tacho dos outros. Não o incomoda nada a inqualificável manipulação que faz com a ilegalidade do AO90, impondo-o, sem qualquer aduzível razão, que não seja uma menoridade mental, aliás típica do partido em que milita.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:59

link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 25 de Março de 2022

«Em Defesa da Ortografia XLV», João Esperança Barroca

 

«A “unificação” ortográfica dos países de língua portuguesa é, definitivamente, objectivo inalcançável, e qualquer tentativa de a forçar acaba em caricatura, tapando num lado e destapando noutro. O AO90 foi, nisto, exemplo acabado, ao criar centenas de novas discrepâncias que nada resolveram e só nos ficarão envergonhando. Venha agora, e depressa, uma comissão que nos liberte deste emaranhado que ninguém pediu e restitua à língua portuguesa um rosto apresentável

Fernando Venâncio, linguista, escritor e crítico literário

 

«2 - Garantir a solenidade, valorização e inviolabilidade da Língua Oficial Portuguesa através da recusa e suspensão imediata do denominado “Acordo Ortográfico” de 1990, sem possibilidade de qualquer revisão.»

100 Medidas de Governo do Chega, página 3

 

«O Acordo Ortográfico, que estraga a língua portuguesa, é de esquerda ou direita?»

José Pacheco Pereira, professor, cronista e político

 

ERUÇÃO.png

 

Como é óbvio, a questão ortográfica é sobremaneira importante quando definimos o nosso sentido de voto. No nosso escrito de Fevereiro, dissecámos o conteúdo linguístico do Programa Eleitoral do PSD 2022 e, na sequência dessa análise, assestamos, agora, baterias nas medidas de governo do partido Chega.

 

A primeira impressão que temos é a de que houve uma clara opção pela grafia anterior ao AO90, o que era expectável, tendo em conta o teor  da medida citada em epígrafe. Vejamos, então, com diversos exemplos, a qualidade da ortografia do partido de André Ventura, que foi um dos subscritores de um manifesto contra o Acordo Ortográfico, divulgado pelo jornal Público em 23 de Janeiro de 2017:

 

- na página 3, deparamo-nos com projecto e respectivos, coexistindo com diretamente;

 

- na página 4, de mãos dadas no mesmo parágrafo, estão lecionar e leccionar, convivendo com actual;

 

- na página seguinte, encontramos três formas lídimas, a saber: actividade, respectivo e respectivas;

 

- também a página 6, está livre de emissões do AO90, com os termos factura e electricidade;

 

- na página 7, destaca-se a ausência de hífen na forma mais valias:

 

- na página 9, encontramos atual e actos (que se repete duas vezes na página seguinte), na companhia de excetuando e excepção;

 

- na página 10, lê-se ainda accionar, acupuntura e setor;

 

- já na página 11, temos só formas genuínas: accionar, actos, actuais, actualização e sector (que recuperou a consoante perdida na página anterior);

 

- a página 13 só apresenta formas sem contaminação do AO90: efectividade, efectiva e protecção;

 

- o mesmo acontece na página 14, com os termos adoptado e efectiva;

 

- na página seguinte as consoantes estão no seu lugar em directos e sector;

 

- actualmente e infractores, na página 16, respeitam a etimologia;

 

- na página 17, encontramos acto e actividade;

 

- a página 20 foi atacada pelo vírus consoanticida em eletricidade (duas vezes), faturação e diretos, o que também ocorre em direto (pág. 21);

 

-  na página 23,  tecto, actual, protecção, directa mostram que o problema das páginas anteriores foi debelado;

 

- na página 25, deparamo-nos com uma recaída em efetiva;

 

- na página 26, coexistem antissemitismo e mão-de-obra, na companhia de sectores e atividade;

 

- a página 30, à imagem de grande parte dos órgãos de comunicação social, é uma verdadeira salgalhada, com objetivo, autossuficiência, ações e leccionação;

 

- na página seguinte só há bons exemplos, como actividade e concepção;

 

- para finalizar, as palavras autossuficiência e autossuficiente surgem, acompanhadas de respectivos na página 32.

 

FATO.jpg

 

Podemos, pois, concluir que, o AO90 só veio criar confusões entre os escreventes, já que potenciou imensos erros (como os que estão assinalados nas imagens que acompanham este escrito), amplamente divulgados por páginas de oposição ao Acordo Ortográfico no Facebook, as quais têm realizado um muito louvável trabalho, desmascarando a maravilhosa língua unificada, isto é, a cacografia.

 

CONTATO.jpg

 

Conclui-se ainda que esta alteração ortográfica, da qual os únicos beneficiários foram as editoras de livros didácticos e de dicionários, bem como os respectivos autores, foi levada a cabo por motivos puramente políticos, sem quaisquer fundamentos linguísticos e revelando uma extraordinária ignorância no que diz respeito à natureza da língua. Um dia, a história que conduziu a língua a uma profusão de fatos (como uma monumental alfaiataria),  de contatos e a “centenas de novas discrepâncias” será contada sem eufemismos.

 

João Esperança Barroca

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:43

link do post | comentar | ver comentários (4) | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 11 de Março de 2022

«O Acordo Ortográfico torna-nos intelectualmente mais pobres», diz-nos Manuel João Vieira. E eu acrescentaria: e também mais imbecis…

 

Numa entrevista a Jacinto Silva Duro (JSD), no Jornal de Leiria, Manuel João Vieira (MJV), artista plástico, músico, performer, actor e eterno candidato a Presidente da República, respondeu a várias perguntas, entre elas, duas, que aqui destaco, porque sendo este um Blogue de Defesa da Língua Portuguesa e do Ensino de Qualidade (pobre ensino e pobres estudantes, que estão a formar-se para serem os analfabetos funcionais do futuro!) e concordando inteiramente com o que foi dito, achei por bem trazê-las à liça.

 

Mais uma personalidade pública, que vem a público pôr de rastos o AO90, e a miséria franciscana que existe no ensino universitário.  

 

Nós, Portugueses pensantes, sabemos que «uma coisa que não ajuda de todo à qualidade e ao enriquecimento da cabeça das pessoas é o Acordo Ortográfico, que transforma a língua portuguesa num idioma mais pobre e mais absurdo, mais parecido com o newspeak orwelliano. Orwell escreveu um livro chamado 1984 [***] que fala de um país onde se iam retirando fonemas e palavras à língua até ela ficar o mais básica possível, para as pessoas não saberem pensar e terem mentes simples

 

Todos nós sabemos disto, EXCEPTO os nossos (des)governantes, que ao que se vê, pretendem reduzir a geração actual a um nível intelectual, do mais básico que existe, começando pelo ensino do Português.


E o que é que nós podemos fazer?

Podemos fazer ene coisas, começando por, em uníssono, EXIGIR dos governantes, que recebem salários pagos por nós, para nos servir, a nós, e não, aos estrangeiros, a ANULAÇÃO do AO90, já no ano lectivo de 2022/23, e a reposição da LEGALIDADE LINGUÍSTICA.


[***] «1984», de George Orwell, é um livro de leitura obrigatória para TODOS os políticos, governantes, professores, jornalistas, escritores e restantes servilistas, que vêem no AO90 um tipo de linguagem simplex, para servir gente simplex, que não tem a mínima capacidade intelectual para PENSAR um IDIOMA.

Isabel A. Ferreira

 

 

manuel-joao-vieira-devido-a-austeridade-o-ensino-s

Manuel João Vieira

 

As duas últimas perguntas da entrevista:



JSD - É professor na ESAD.CR. Vê vantagens em transformar o Politécnico de Leiria em universidade?


MJV - Sou professor de Desenho. O Politécnico está a trabalhar muito bem nas Artes Plásticas e no Design. Se a transformação em universidade abrir mais possibilidades em termos de investigação e doutoramentos, sou a favor. Mas, diga-se, devido à austeridade, o ensino universitário está sob cerco. Há universidades que têm pouco apoio estatal e que se vêem gregas - lá está - para resolver os seus problemas de financiamento. Dizem que o ensino deve ter apenas aquele tipo de cursos que garantem empregabilidade... Tem de haver cursos desses, mas também tem de haver opções para quem não quer "empregabilidade" e quer ser investigador ou artista. Um país é feito de tudo isso.

 

JSD - É uma formatação através da educação?


MJV - O ensino primário e secundário deveria ser de maior qualidade, como já foram. Por exemplo, uma coisa que não ajuda de todo à qualidade e ao enriquecimento da cabeça das pessoas é o Acordo Ortográfico, que transforma a língua portuguesa num idioma mais pobre e mais absurdo, mais parecido com o newspeak orwelliano. Orwell escreveu um livro chamado 1984 que fala de um país onde se iam retirando fonemas e palavras à língua até ela ficar o mais básica possível, para as pessoas não saberem pensar e terem mentes simples. Vejo, incrédulo, que se passa uma coisa parecida na língua portuguesa em prol de uma Lusofonia de que mais ninguém quer fazer parte. O Português deve evoluir de forma natural e não com um espartilho criado por meia-dúzia de obscurecidos.

 

Toda a entrevista aqui:

 https://www.jornaldeleiria.pt/entrevista/manuel-joao-vieira-os-portugueses-comportam-se-como-se-fossemos-um-circo-de-anoes?fbclid=IwAR2ZhxySrz6kLfIWEvfC3a6Ib109sKquLsUXgpPM0tF9qUf9jDn9xQRM8a0

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:16

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 25 de Fevereiro de 2022

«Em Defesa da Ortografia (XLIV)», por João Esperança Barroca

 

«O Português é a expressão da nossa identidade coletiva [sic] e da presença de Portugal à escala global, sendo que as diferenças no uso da língua portuguesa não a empobrecem, mas antes revelam as diferentes dinâmicas culturais de cada país na sua apropriação. A tentativa da uniformização ortográfica não constitui qualquer vantagem face ao mundo globalizado, pelo que o PSD defende a avaliação do real impacto do novo Acordo Ortográfico.»

Programa Eleitoral do PSD 2022, página 112

«O Acordo Ortográfico, que estraga a língua portuguesa, é de esquerda ou direita?»

José Pacheco Pereira, professor, cronista e político

João Barroca.png

 

Por João Esperança Barroca

 

Em Defesa da Ortografia (XLIV)

 

O primeiro texto em epígrafe aguça a curiosidade em relação à opção ortográfica deste documento do partido em que militam ou militaram, entre outros, Santana Lopes, Vasco Graça Moura, Cavaco Silva e Ricardo Baptista Leite, a quem o Expresso roubou há dias uma consoante. Para satisfazer essa curiosidade, pesquisámos com algum cuidado as mais de 150 páginas do referido documento.

 

A conclusão a que chegámos é a de que a opção ortográfica inicial foi a de seguir o AO90. Mas, como em muitos casos aqui exemplificados, em escritos anteriores, as perguntas que nos ocorrem são: Aplica o AO90? Em que proporção?

 

Ora, vejamos, num escrito com 100% oxigénio ortográfico e livre de emissões de AO90: Na página 142, pode ler-se: “A nossa concessão do Estado é diferente da esquerda.” O que o redactor queria dizer era certamente a nossa concepção do Estado… Trata-se de uma gralha, dirão os defensores da cacografia, enquanto vão assobiando para o lado. Erros destes existiam antes da adopção da mixórdia ortográfica? Todos sabemos que não.

 

João Barroca (2).png

 

Exemplifiquemos agora, recorrendo ao imenso manancial do documento:

 

- ação, ações, acionista, inação, interação surgem 78 vezes , mas activa(s) aparece em 4 ocasiões;

 

- afeta, afetação, afetadas, afetado(s), afetando, afetar, afetará e afetos são usadas em 15 ocasiões, mas afectados surge na página 138;

 

- agroalimentar, agroambiental, agroflorestal(ais), agroindústria, agroindustrial(ais) apresentam 18 ocorrências, contudo agro-indústrias tem uma, na página 46;

 

- ativação, ativamente, ativar, atividade(s), ativo(s)ativa(s), Reativar, hiperatividade registam 113 ocorrências, mas  activa(s)  surge 4 vezes e criptoactivos aparece na página 164;  

 

- atração, atratividade, e atrativo registam 17 ocorrências, a par de atractividade com uma;

 

- atual, atuais, atualmente, atualidade, atualização, atualizado,  atualizámos, atualizando, atualizar apresentam 74 ocorrências, mas actualizando aparece na página 109;

      

- carácter, com 5 ocorrências rivaliza com caráter que tem 4; 

 

- co-financiamento, com 3 aparições compete com cogestão e corresponsabilizem com uma cada;

 

- conta-corrente surge nas páginas 3 e 52 (duas vezes), mas conta corrente aparece na página 3;

 

- contra-ordenações na página 143 chama-nos a atenção para  contraordenações na página 39;

 

- Nos meses, numa espécie de dança entre maiúsculas e minúsculas, encontramos dezembro nas páginas 3, 98 e 158, Janeiro (página 7), janeiro (página 15), Julho (página 103), julho (páginas 3 e 158), junho (página 155), outubro (páginas 48 e 155), novembro (página 38) e setembro (página 12);

 

- dia-a-dia na página 147 lembra  dia a dia na página 26;

 

- efetivo(a),  efetivos(as), efetivamente, efetivar,  efetividade,  efetuada(s), efetuado, efetuam, efetuar surgem 43 vezes, mas  efectivadas aparece na página 74;

 

- elétrica(s), eletricidade, eletrificação, eletrónicos, microeletrónicos, eletroprodutores ocorrem 15 vezes, mas electroprodutoras está na página 77;

   

- espectro na página 18 chama a atenção para espetro na página 40;

 

- higiosanitário na  página 98 colide com  higiossanitárias, página 99;

    

- infra-estruturas nas páginas 24 e 51 contradiz as 53 ocorrências de  infraestrutura(s);

 

- mão-de-obra e matérias-primas (4 vezes) colidem com mão de obra e matérias primas, também com 4 ocorrências,  

 

- perceção(ões), percecionadas, percecionava, percetível e percetíveis são usadas nove vezes, mas percepcionados aparece na página 71;  

 

- perspectiva, página 34, colide com perspetiva(s) / perspetivada, que registam 12 ocorrências;

 

- pólos, página 56, é incompatível com  polos, na página 66;

 

- proteção / desproteção , ocorrem 55 vezes, mas protecção surge na página 110;

 

- sector(es), sectorial e sectoriais ocorrem em 40 ocasiões, colidindo com setor(es), setorial e setoriais, com 82 ocorrências.

 

Além destes exemplos de oscilografia, há a registar a veia criativa dos autores do documento com: ecoserviços, fenômeno, gênero, prefêrencia e trinômio, respectivamente nas páginas 98, 135, 139 114 e 60 e seção (nas páginas 25, 51, 62).

 

Apesar da oscilografia anteriormente posta a descoberto, convém, também assinalar a preferência por termos da ortografia acordista como: adoção, adota, adotado(a), adotados(as), adotando, adotar aeroespacial, anteveem, arquitetónicos, aspeto(s),  assunção, ator(es),  atos,  atua, atuação, atuando, atuantes, atuar, atuassem, autoabastecimento, autoemprego, autoestimaautorregulação, coação (que aqui não é acto de coar), coletiva(s), coletivo(s), conceção(ões), confeção, correção, correta(s), correto(s), Direção,  direcionados,  direto (s), direta(s)diretiva(s), diretor(es),  subdiretores, indiretamente, espetáculo, exceção, excecionais, extração, fações, fator (es), fatura, inspeção, instrumento chave, jardim de infância, letivo, objetiva, objetivamente, objetivo(s), objetoótica, otimização, otimizados, otimizar, projeção(ões), projeta, projetado, projeta-‑se, projete , projeto(s)reação, Reativar, redaçãoreflete(m), reflitarespetivo(s), respetiva(s), respetivamente, seleção,  seletivo, tetostransacionáveis e vetor(es).

 

Em oposição, muito esporadicamente, os autores do documento optam por termos do Português lídimo, como: conectividade, nas páginas 129 e 144 e peremptórios, na página 35.

 

Não podemos deixar passar em claro, na página 110, a coabitação, no mesmo parágrafo, de protecção e proteção. Situação semelhante acontece na página 128, onde coabitam sectores e setor.

 

Além do acima exposto, merecem referência as faltas do ponto na utilização dos ordinais (páginas 4, 108 e 120) e a ausência de acento, na página 105, em papeis (plural de papel e não forma do verbo papar).

 

(Imagens retiradas de páginas de Facebook de oposição ao AO90)

 

João Esperança Barroca

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:47

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 21 de Janeiro de 2022

«Em defesa da Ortografia XLIII», por João Esperança Barroca

 

«É evidente que a escrita da palavra tem um carácter emblemático que não pode ser mudado por decretos ou acordos oficiais. Ao mesmo tempo, simplificar demais a ortografia é um simplismo contrário ao desenvolvimento intelectual de todos os povos que falam uma determinada língua. […] E creio também que o dito acordo [ortográfico] vai interferir na oralidade e a vai degradar. […] Em face de tudo isto, só posso sentir a mais extrema indignação

Sophia de Mello Breyner Andresen, Escritora

 

«Vivi na Inglaterra quase doze anos e reparei que os ingleses nunca se preocuparam se os americanos escreviam de forma diferente ou não. Para os ingleses o problema é dos americanos, não deles. Nunca foi por isso que a língua inglesa deixou de ter importância no mundo. […] Os ingleses fazem a língua através da sua escrita forte, apesar de serem muito menos do que os americanos; fazem a sua cultura valer (nós “vendemos” a nossa cultura).»

Mário Forjaz Secca, Professor da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa

 

Na senda dos anteriores escritos, que põem a nu as fragilidades do AO90, continuamos hoje a expor as incoerências de alguns destes apoiantes da nova ortografia, em contraste com a posição assumida por muitos autores, tradutores, revisores e outros que modelam a língua. Tem sido um desfile, iniciado no Outono, que chegou ao Inverno e que, ao contrário da moda, não expõe fatos. Aqui fatos não são factos e para é uma simples preposição, que jamais ascenderá a forma verbal, como o mostra uma das imagens que acompanha este escrito, colhida na página do Facebook dos Cidadãos contra o Acordo Ortográfico de 1990.

 

 

JB1.jpg

 

Dêmos (diferente de demos) então início ao desfile de mais um grupo de lesados pelo AO90:

 

- Martim Silva, director adjunto do Expresso, escreve Janeiro, Dezembro, directo, reacção e hiperactivo (saudável recaída!), mas ativo, fim de semana, novembro, objetivos e reação, o que lhe permite, na lógica do Expresso, poupar a módica quantia de três consoantes;

 

- O Conselho Superior da Magistratura grafa Janeiro, acção, actividade, actos, dia-a-dia, electrónico, excepção e respectivos, mas estas formas coexistem com afetação, agosto, atividade, atos, correção, Inspeção, projetos e com o cada vez mais omnipresente contato;  

 

- Gonçalo Ribeiro Teles, utilizador da nova ortografia, consultor de comunicação, usa anti-vacinas e fim-de-semana, por exemplo;

 

- Pedro Filipe Soares, deputado do Bloco de Esquerda, escreve neocanabinóides, (acentuação que se saúda e inviabilizadora do fechamento da vogal que se vai insidiosamente instalando);

 

- Bebiana Cunha, deputada do PAN, grafa proactiva, mas, sem razão que se vislumbre, além do pouco estudo das Bases do AO90, opta pela forma reativa;

 

- A página do Governo no comunicado do Conselho de Ministros de 10 de Junho, utilizou a forma fim-de-semana;

 

- A mensagem de Ano Novo do Senhor Presidente da República leva-nos a concluir que se livrou do ortogravírus, pois desrespeita, como o mostrou Francisco Miguel Valada, a Base XIX; 

 

 

JB3.jpg

 

- Para finalizar estes exemplos, Elísio Estanque, professor universitário e investigador, escreve Verão quente e verão quente na mesma linha.

 

Os acordistas mais assanhados dirão que erros destes sempre existiram e que o AO90 é alheio a esse facto. Como explicar, então, que a maior parte dos escreventes soubesse escrever correctamente na ortografia de 1945 e tenha deixado de o fazer nestes últimos dez anos? Lembre-se ainda que o AO90 surgiu, segundo os seus mentores, para simplificar e prestigiar o português no mundo. Simplificar? Só se for a ocorrência de erros. Prestigiar? Só no âmbito do anedotário.

 

JB2.png

 

«É preciso haver mais livros, é preciso haver mais língua. Devo dizer que o Acordo Ortográfico é das coisas que não ajudam, é a sabotagem da língua portuguesa no mundo. Eu sou muito radical em relação ao acordo, acho a diversidade muito mais poderosa do que a coesão. Depois há todas as razões que muita gente apontou melhor do que eu, como acabar com a história das palavras, ignorar a escrita como um acto de cultura e argumentar que são os sons que regem a língua. Este populismo barato de que a língua é o que se fala — a língua é o que se fala e o que se escreve! Como se o que se escreve não afectasse o que se fala: “recessão” não é o mesmo que “recepção”.»

João Paulo Borges Coelho, Escritor e historiador moçambicano

 

João Esperança Barroca

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:59

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 28 de Dezembro de 2021

«Em Defesa da Ortografia (XLII)», por João Esperança Barroca

 

«Repare agora nas imagens que acompanham este escrito. Uma, que ilustra a aberração trazida pelo AO90, publicada por Artur Magalhães Mateus na página de Facebook dos Cidadãos Contra o Acordo Ortográfico de 1990, é bem exemplificativa do estado da ortografia em diversas instituições. A outra, juntando um excerto de uma notícia do jornal Record a uma publicação da cidadã brasileira Amanda Veríssimo, mostra as diferenças entre a versão europeia do Português e a variante brasileira.» (João Esperança Barroca)

 

CONVIÇÃO.jpg

 

«Ricardo Araújo Pereira – A gente estava nos bastidores a falar sobre a maneira como o acordo ortográfico não resolve rigorosamente nada…

 

Gregório Duvivier – E cria novos problemas.

 

Ricardo Araújo Pereira – Exacto. Até porque o acordo ortográfico ataca precisamente o único sítio onde a gente não tem muita dificuldade em entender-se. Não há muito problema para o… a gente escreve “acção” com dois cês, vocês escrevem só com um. Não interessa para muito. Agora, a maneira como às vezes a gente se desentende tem a ver com o vocabulário. Se em Portugal eu disser que “estou no acostamento porque a minha perua não tem estepe”, não há um português… um português entende que se está a falar Português, mas ele não sabe nada do que se está a dizer. Porque em Português essa frase diz-se “eu estou na berma porque a minha carrinha não tem pneu sobresselente”. É muito diferente de “acostamento porque a minha perua não tem estepe”. E, portanto, as nossas diferenças são às vezes de pronúncia e de sotaque e outras vezes são de vocabulário, sendo que essas diferenças nos deviam enriquecer e não afastar. E como é óbvio o acordo ortográfico não resolve em nada essa questão.

 

Gregório Duvivier – Além de criar problemas terríveis, terríveis, que eu acho que são realmente… na minha opinião foi um crime tão grande quanto a tomada de três pinos. Eu acho que ele é uma tomada de três pinos linguística porque ele cria uma solução para um problema que não havia. Ninguém olhava para uma tomada de dois pinos e falava “hmmm, falta alguma coisa aqui!” Não existia isso. Ninguém olha para a língua portuguesa e fala “hmmm, ‘tá faltando aqui… ah, esse trema, eu não aguento esse trema, não posso com esse trema, dá uma preguiça escrever esse trema…”

 

Transcrição de excerto de um programa humorístico com Ricardo Araújo Pereira e Gregório Duvivier em 2017

 

No momento em que o caro leitor estiver a ler este escrito já terão ocorrido os três espectáculos, dois no Teatro Tivoli BBVA e um na Aula Magana da Universidade de Lisboa, em que Ricardo Araújo Pereira e Gregório Duvivier prometeram zurzir no Acordo Ortográfico de 1990. Daí, em jeito de homenagem, a razão para uma tão longa epígrafe.

 

Na senda dos escritos anteriores, continuamos a desenganar os que, piamente, crêem utilizar a nova (com 31 anos, como na expressão “jovem agricultor”) ortografia:

 

- O Expresso, pioneiro na adopção do AO90, mais de dez anos depois, escreve com regularidade termos da ortografia de 1945, como: mão-de-obra, afectados, projectos, sector e efectivo, a par de mão de obra, setor(es), março, infraestruturas, trajetória e vetor, demonstrando que é imperioso que se estudem algumas basezinhas;

 

- Marina Costa Lobo, politóloga, grafa Verão, Julho e anti-sistema, mas opta por termos como atos, atualidade, objecto e outubro. Também aqui é necessário rever algumas bases do AO90;

 

- Rute Lima, professora, reeleita Presidente da Junta de Freguesia dos Olivais, escreve há-de, afecta, dia-a-dia e desinfectar, termos compatíveis com a ortografia de 1945, mas resvala para a cacografia, como em descontração, desinfeção, desinfetante, proteção e protetor, dando toda a razão aos que, como António-Pedro Vasconcelos, afirmam que nenhum acordista sabe utilizar correctamente a nova grafia, sem recorrer ao corrector ortográfico;

 

- Vital Moreira, professor universitário, jurisconsulto e político, um ferrenho acordista, escreve abril, acção e o omnipresente contatos, do qual dificilmente nos livraremos.

 

Caro leitor, pergunte comigo: Se é assim nos meios intelectuais (e não inteletuais como se vai, por vezes, vendo), como será com os cidadãos comuns? Quando alguém afirmar que segue o AO90, pode também perguntar-lhe: Em que percentagem?

 

Repare agora nas imagens que acompanham este escrito. Uma, que ilustra a aberração trazida pelo AO90, publicada por Artur Magalhães Mateus na página de Facebook dos Cidadãos Contra o Acordo Ortográfico de 1990, é bem exemplificativa do estado da ortografia em diversas instituições. A outra, juntando um excerto de uma notícia do jornal Record a uma publicação da cidadã brasileira Amanda Veríssimo, mostra as diferenças entre a versão europeia do Português e a variante brasileira. Conclui-se, pois, que as divergências estão muito para lá da questão das consoantes. Repare, agora, que os portugueses assinaram um acordo com os brasileiros para unificar a língua. Assim, os brasileiros continuaram a escrever aspectos e os portugueses passaram a escrever aspetos. Percebeu esta lógica?

 

ASPECTO.png

 

 

João Esperança Barroca

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:04

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Junho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
16
18
20
23
25
27
28
29
30

.posts recentes

. “A eterna questão ortográ...

. «Em Defesa da Ortografia ...

. «Nótulas sobre o absurdo ...

. Marcelo Rebelo de Sousa u...

. «O Acordo Ortográfico: um...

. «Em Defesa da Ortografia ...

. «O Acordo Ortográfico tor...

. «Em Defesa da Ortografia ...

. «Em defesa da Ortografia ...

. «Em Defesa da Ortografia ...

.arquivos

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.
blogs SAPO