Segunda-feira, 17 de Junho de 2019

O MAL-AMADO ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990 VISTO PELO JORNAL “DIA 15” EM BOM PORTUGUÊS

 

Verdade. Os GRANDES autores portugueses recusam o AO90.
E as edições em Bom Português pululam por aí.

É só consultarem este link:

https://www.facebook.com/portuguesdefacto/

Já se gastaram todos os argumentos racionais que provam que o AO90 não tem viabilidade.

Faltará fazer desenhos para que os governantes entendam que o caminho a seguir é a anulação do falso acordo, e o regresso à Língua Portuguesa?

Ninguém se aflija: as crianças aprenderão num ápice, o que têm de aprender. É para isso que vão à escola.


Os adultos (poucos) terão um pouco mais de dificuldade, agora que desaprenderam a Língua. Mas desses NÃO É O FUTURO, nem rezará a História.

Por isso, há que ser racional e mandar às malvas um acordo que apenas uma minoria que não para para pensar, porque não tem capacidade para tal, teima em querer manter.

Esses ficarão para a História como aqueles que, por ignorância e ambição, um dia, tentaram destruir a Língua Portuguesa, mas não conseguiram, porque a Língua Portuguesa é indestrutível enquanto houver PORTUGUESES.

 

Isabel A. Ferreira

 

Jornal 15 64613711_2076528649115459_74601468936459

4MSKaK2.jpg

https://imgur.com/4MSKaK2

pXDK1e5.jpg

https://imgur.com/pXDK1e5

cb6TcYG.jpg

https://imgur.com/cb6TcYG

SAbW8vE.jpg

https://imgur.com/SAbW8vE

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:30

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 13 de Junho de 2019

«O AO90 NÃO SERVE PARA NADA E NÃO UNIFICOU A ESCRITA DO PORTUGUÊS»

 

PÁRA62448730_2020396764754176_3179894791257194496

 

E se a escrita é para ser clara e escorreita, com o modismo do AO90 transformou-se numa charada.

 

Quem adivinha o que se quer dizer no título desta notícia?


O Zé-António Pimenta de França esmiúça a questão:

 

«Para os Brasileiros realmente não faz diferença: com acento ou sem acento, eles lêem e dizem sempre "para" com o "a" aberto. Quanto aos Portugueses, pois que se lixem, foi esta a filosofia básica do AO/90 desde o início até ao fim do processo: ceder tudo ao Brasil para haver acordo.

 

Mesmo assim os Brasileiros marimbaram-se para ele e não o seguem. Só os totós incultos e ignorantes dos sucessivos governos de Portugal insistem em manter-se fiéis ao desastre que sempre foi o AO/90, para não reconhecerem o seu falhanço em todas as frentes.

 

O AO/90 não serve para nada e nunca cumpriu (nem podia cumprir) a função para que foi criado: unificar a escrita do Português. Tal desígnio é uma missão impossível porque as diferenças do Português brasileiro e o Português europeu não são apenas ortográficas. São sintácticas. Há muitos anos que portugueses e brasileiros constroem as suas frases de formas bem diversas...

 

Há que respeitar a dinâmica da língua e isso implica reconhecer que o Português tem variações diferentes dos dois lados do Atlântico. Como o Inglês. E não vem mal à Língua Portuguesa, nem ao mundo por causa disso, pelo contrário...»

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=2020396761420843&set=gm.2235598046525937&type=3&theater&ifg=1

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:50

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 12 de Junho de 2019

«AO90: MANTER OU REVOGAR?» - DEBATE NA FEIRA DO LIVRO DE LISBOA

 

A não perder.

Manuel Monteiro (autor*) e Nuno Pacheco (redactor do jornal Público) irão debater com Lúcia Vaz Pedro, a “professora” que diz: “o qe não se lê, não se escreve”, como se a escrita de uma Língua pudesse reger-se por vontades políticas ou outras, alheias às Ciências da Linguagem.

Nada neste AO90 é aproveitável. Logo, pretender manter e reutilizar o que é inaproveitável é um acto tão idiota como reaproveitar um tumor maligno para fins terapêuticos.

 

Feira do Livro --- Debate Acordo 1990 (7).png

 

 

(*) Manuel Monteiro é autor do “Dicionário de Erros Frequentes da Língua” e “Por Amor à Língua – Contra a Linguagem que por aí Circula”, duas obras obrigatórias, para quem escreve por amor à Escrita, e não por subserviência a maus mandantes.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:42

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 11 de Junho de 2019

«HISTÓRIA(S) DUMA LÍNGUA ESTRANGEIRA»

 

Para reflexão, um texto de Hélio Alves,  o qual subscrevo totalmente.

 

sigmund_freud.jpg

 

Quem podia ter feito alguma coisa para evitar que o AO90 se tivesse implantado (ilegalmente) e todo o desaire que se seguiu, ao redor da Língua, escudou-se e continua a escudar-se na obrigatoriedade com medo de serem penalizados, optando por ser cúmplices e não opositores. E as revoluções não se fazem sem resistência e sem perdas. Os professores elegeram o lado errado da História, e nela ficarão como os aliados submissos da destruição da nossa Língua, numa época em que foi mais importante o bolso do que a missão. Se se tivessem unido, como se unem para o 942!... (Isabel A. Ferreira)

 

Por Hélio Alves

 

«Estava eu, há muitos anos, numa paragem de autocarro (lá, tem outro nome) na cidade do Recife, Pernambuco, e fiz uma pergunta qualquer sobre o transporte a uma senhora de certa idade, de vestido e trato fino, que também esperava autocarro. Ela respondeu-me amavelmente, e depois não resistiu a dizer-me: “Fala muito bem português!”. Eu sorri, e repliquei: “Obrigado, mas é natural: eu sou de Portugal”. Então, com ar de quem não estava satisfeita, disse-me ela assim: “Mas fala muito bem!”.

 

Esta história é verídica; a memória não me deixa garantir que se passou exactamente assim, mas foi evidente que a minha referência a Portugal não a fez pensar na coincidência de ela falar uma língua chamada português. Para ela, a palavra Portugal representava uma terra estrangeira, algures no planeta, algures, talvez até, no próprio Brasil. Eu podia ter dito Cangostas de Cima, mas, além de Cangostas ficar com óptima reputação pela soberba dicção dos seus habitantes, o resultado seria idêntico.

 

Vem isto a propósito do facto de o chamado “acordo ortográfico de 1990” estar cada vez mais pelos cabelos politicamente. Do ponto de vista linguístico, não há nada que o salve. Resta o acordo politico, isto é, o facto de vários países terem subscrito esta luminária típica da inteligência e cultura dum Santana Lopes. Países que, no fim das contas, não são os 8 da praxe, mas apenas 3 (o amigo não ouviu falar do Segundo Protocolo Modificativo? Pois informe-se).

 

Vale a pena ignorar a burrada? Valeria, se não se desse o caso de o dito “acordo” ser obrigatório nas escolas portuguesas. Os professores têm de ensinar aquela coisa incompetente, que repugna à ciência e até à mera sensatez, senão podem ser penalizados na carreira. Os alunos têm de fazer sentido duma coisa que não faz sentido, ou seja, decorar um punhado de palavras que sabem que se escrevem assim segundo o “acordo”, e rezar para que não tenham de escrever outras que desconhecem.

 

Os exemplos do politicamente insuportável são aos montes. Segundo o “acordo”, um brasileiro pode escrever “perspectiva” e “retrospectivo”, mas um português não pode. O português quer escrever assim, mas não deixam. Será que os brasileiros sabem que o português, ao escrever essas palavras como eles, é penalizado nos exames escolares? Pois é, do jardim de infância à tese de doutoramento, se escrever como brasileiro, toma lá que já levaste! A nota baixa. Imaginem um português que responde em Portugal a um exame sobre perspectiva, essa inovação fundamental da Modernidade: tantas as vezes que escrever “à brasileira”, tantas em que lhe baixam a nota. E não adianta dizer: “mas eu só quero unificar a minha grafia!”. Resposta: “Unifica, sim, mas só naquilo que nós mandamos!”

 

É a democracia. É festejar o 25 de Abril. É o Portugal moderno que continua a não passar duma terra estrangeira e desconhecida onde há (alguma) gente que ainda fala muito bem português.»

 

Fonte:

https://www.facebook.com/helio.alves.7946/posts/2311284348891866

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:56

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 7 de Junho de 2019

DEVOLVA-SE A PORTUGAL A LÍNGUA PORTUGUESA, E TEREMOS MOTIVOS PARA COMEMORAR O DIA 10 DE JUNHO

 

10 de Junho

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas?

Têm a certeza?

Vejamos.

 

DEZ JUNHO.png

 

As comemorações do dia 10 de Junho/2019 vão realizar-se entre  domingo e terça-feira, de Portalegre ao Mindelo (Cabo Verde), e contam com a participação do presidente da República e do primeiro-ministro que, despudoradamente, andam por aí a vender Portugal e a Língua Portuguesa.

 

O que há para comemorar?

 

Os governantes portugueses celebrarão o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas com cerimónias que serão hipócritas, porque em nada honram a Bandeira do País, que está a ser vendido ao retalho; em nada honram Luís Vaz de Camões, o poeta maior da Língua Portuguesa, a qual está a ser deliberadamente destruída, estando Portugal a perder, deste modo infame, um dos seus maiores símbolos identitários; e em nada honram as Comunidades Portuguesas, que deixaram o seu País em busca de uma vida melhor, e que, por este andar, não terão País para onde possam regressar, porque o País estará nas mãos de estrangeiros, desde o Capital à Língua. Portugal está em vias de extinção. O facto de se ver a bandeira do Brasil como símbolo do Português em instâncias europeias, e isto não motivar um protesto dos governantes portugueses diz tudo.

 

No dia 10 de Junho, Luís de Camões será celebrado numa Língua que já não é a Língua de Camões, aquela com a qual tornou grande um Portugal pequeno, e que, devido à mania das grandezas, à pala do gigante sul-americano, tornará a ser pequeno e sem identidade própria, porque está a perder a Língua que o identificava (já não identifica mais) como uma nação europeia. Até a bandeira já não é a portuguesa, quando se fala de Português.

 

Se Luís de Camões pudesse falar, lá do limbo onde com certeza se encontra, diria, desgostoso:

 

«Parai, ó (h)omens sem (h)onra! Arrancastes as raízes da Língua, com a qual celebrei os feitos dos Portugueses, e agora só restam palavras alteradas, afastadas das suas origens, para contar as proezas imperfeitas dos que venderam, por baixo preço, o meu País!»

 

Jamais nenhuma Língua do mundo, mesmo aquelas com mais variantes do que a Língua Portuguesa, teve de se unificar para se impor internacionalmente. O acordo ortográfico de 1990 pretende ferir de morte a diversidade linguística e cultural que constitui o património que ainda UNE o mundo dito lusófono. Não queiram uns poucos alucinados com uma grandeza que, na realidade, não existe, destruir esse património e desunir o que estava unido pela diversidade.

 

***

 

Eu, como cidadã portuguesa, não compactuarei jamais com esta traição à minha Pátria. E chamem-se os nomes que quiserem. Eu amo o meu País, eu amo a minha Língua, e, qual padeira de Aljubarrota, continuarei a combater, com todas as garras de fora, os que, por trinta dinheiros, pretendem destruir o meu País, destruindo a minha Língua.

 

Que acordo ortográfico permitiu unificar que língua? A Língua Portuguesa não foi, com toda a certeza. A Língua Portuguesa não é aquela mixórdia de palavras mal escritas e mal ditas que os governantes portugueses pretendem impingir-nos, ilegalmente e à força.

 

É que no Brasil, fala-se e escreve-se Brasileiro. Nos restantes países ditos lusófonos, (excepto Cabo Verde) fala-se e escreve-se Português. Em Portugal, fala-se e escreve-se mixordês, uma mistura do Português e do Brasileiro.

 

Espero que quem ama verdadeiramente a sua Pátria e os seus valores culturais identitários, digam um rotundo NÃO a esta deslealdade para com os Homens (com H maiúsculo) que nos deixaram uma Língua íntegra, e que omens (sem H nenhum – se não se lê, não se escreve, não é esta a nova regra?) querem matar por trinta dinheiros.

 

Porque não há nada de mal em ser-se patriota, até porque ser patriota não é sinónimo de ser idiota, mas simplesmente sinónimo de amor pela sua Pátria, pela sua Origem, pela sua Ascendência, pelo seu Passado, porque sem isto, não se tem futuro, e anda-se no mundo só por ver andar os outros, tal qual zombies. Ou se é patriota, ou se é idiota.

 

Mas em Portugal, a quem interessa a destruição da Língua e da bandeira portuguesas?

 

Uma grande mulher, livre-pensadora portuguesa, Idalete Giga responde e eu subscrevo cada palavra sua: «Interessa aos mais variados lobbies (editoras, sobretudo, mas também ao próprio desgoverno que não tendo coragem para assumir a culpa do tremendo atentado contra a Língua e Cultura Portuguesas que é o (des)AO90, continua VERGONHOSAMENTE a esconder a cabeça na areia, a desprezar o DESCONTENTAMENTO de milhões de portugueses e a criar o maior universo de analfabetos de que não há memória em Portugal. Não ouve os verdadeiros especialistas na matéria. Não ouve intelectuais, jornalistas, poetas, escritores quer portugueses, quer brasileiros. Não ouve os governantes de Angola, Moçambique que não assinaram o Linguicídio. Fechou-se na casca dos imbecis e dos cobardes (!!!!!) Mas... mais cedo ou mais tarde (talvez depois do Brasil) o nosso Grito do Ipiranga tem de fazer tremer todos os recantos das várias lusofonias (que suas ex.as, como são vesgos, só conseguem ver uma lusofonia) (!!!!!!!).»

 

No próximo dia 10 de Junho, em vez de flores, continuarei, tal como nos anos anteriores, a depositar as minhas lágrimas no túmulo de Luís Vaz de Camões, porque sei, sinto que Camões estará a chorar comigo.

 

1280px-Jeronimos_12.jpg

Imagem: Carlos Luís M C da Cruz - Obra do próprio, Domínio público https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=4831811

 

E que os hipócritas comemorem a própria vã glória de existir.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:18

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 3 de Junho de 2019

EM PORTUGAL, A QUEM INTERESSA A NEGOCIATA DO AO90 E A DESTRUIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA?

 

ATENÇÃO!

Na Feira do Livro de Lisboa não comprem obras acordizadas. Existem boas editoras a publicar em Bom Português.

 

21234293_sDdlI.jpg

 

Agitaram-se as águas em que o AO90 tem vindo a navegar, e os paus-mandados saíram da toca e toca a escrevinhar artigos que pretendem fazer a apologia da grafia brasileira que, no Brasil é completamente válida, mas não em mais nenhuma outra parte do mundo.

 

E ainda se esses paus-mandados apresentassem argumentos racionais para justificar a irracionalidade do AO90, vá que não vá, mas não, o que eles expõem é de uma pobreza e incoerência tais que, se alguém tivesse ainda que uma remota ideia de aceitar trocar a grafia portuguesa pela brasileira, porque a grafia brasileira traria uma mais valia para a portuguesa, fazendo-a ultrapassar, em coerência, as Maiores Línguas Europeias, onde a Língua Portuguesa estava incluída (não está mais, e é preciso regressar às origens) tendo sido totalmente eliminada em favor da Língua Brasileira, perdeu essa ideia, por completo, porque os paus-mandados o que fizeram foi deixar-nos a certeza de que o AO90 é mesmo para atirar ao LIXO.

 

No Brasil, a revogação do AO90 já está em cima da mesa, para ser discutida.

 

No Brasil há quem defenda que o denominado português brasileiro precisa de ser reconhecido como uma nova língua. E eu, como portuguesa, que aprendeu a falar e a escrever no Brasil, e que conhece bem essa língua falada e escrita no Brasil, e o riquíssimo léxico brasileiro, defendo e aplaudo a ideia do Grito do Ipiranga Linguístico. Algo que só beneficiaria o Brasil, o gigante da América do Sul, seria o facto de este ter a sua própria língua, e não ficar atado à Língua Portuguesa, a língua do colonizador, aliás, da qual os Brasileiros se distanciaram substancialmente na fonética, na grafia e também no léxico, introduzindo-lhe milhares de vocábulos que não fazem parte do Português.

 

Regresso a um texto de Fernando Alberto II, um estudioso dessa língua brasileira, que merece, com toda a justeza, ser brasileira. Algo que eu corroboro, porque também estudei essa Língua:

 

«Conclui-se facilmente que a linguagem, a cultura, a ortografia, a gramática, a semântica e a prosódia/fonética da variante do «português» do Brasil, é bastante diferente ou mesmo muito diferente, completamente diferente, absolutamente diferente da norma-padrão do Português de Portugal, (Português Europeu) e, apresenta muitas singularidades próprias da Linguística do povo Brasileiro, vocábulos ou termos vernáculos Brasileiros, como é, aliás, muito natural e, perfeitamente admissível.

 

Para além da parte lexical da Língua Portuguesa usada no Brasil, ortograficamente idêntica, quase igual ou mesmo igual à nossa Língua Portuguesa, (embora a prosódia/fonética, seja muito diferente pois, no Brasil as sílabas são quase sempre abertas ou semiabertas), desde que com a mesma origem etimológica, sobretudo do Grego e do Latim, uma boa percentagem do léxico comum do Brasil é constituído por termos vernáculos Brasileiros, cerca de 100 mil, essencialmente com origem etimológica nas Línguas Ameríndias dos nativos autóCtones Brasileiros, das nações «Tupi», «Guarani» e «Aruaque», Língua esta falada entre as bacias do Amazonas e do Oiapoque e ainda na Língua africana «Quimbundo», Língua falada em Angola, sobretudo nas províncias de Luanda e de Malange, pela raça Banto, negros autóctones da África Central e Austral, a qual foi levada para o Brasil pelos escravos negros Africanos que, colonizaram o Brasil à força, entre os séculos dezasseis e dezanove, levados de África pelos “seus amos senhores feudais”, alguns totalmente ignorados da esmagadora maioria dos portugueses, quer em termos semânticos quer ortográficos e que, por isso mesmo, nunca se usam e, naturalmente, nem se podem usar em Portugal.

 

O léxico comum da variante da Língua Portuguesa do Brasil, terá cerca de 210 mil vocábulos, assim distribuídos: 110 mil vocábulos iguais ou idênticos ao léxico comum da norma-padrão da Língua Portuguesa ou Português Europeu, acrescidos ainda dos supra-referidos 100 mil vocábulos vernáculos Brasileiros.

 

Pelo exposto, não me parece nada disparatado poder afirmar hoje, haver já a considerar uma verdadeira Língua Vernácula Brasileira baseada, em exclusivo em pelo menos, 100 mil vocábulos vernáculos do Brasil, estes absolutamente ignorados em Portugal, como é natural.

in:

https://www.facebook.com/groups/345711412486554/



A mim, também não me parece nada disparatado, os Brasileiros pugnarem pelo Grito do Ipiranga Linguístico, pelos motivos mais óbvios, e bem patentes neste texto do Fernando Alberto II.



Os acordistas não gostam desta ideia, absolutamente legítima? O problema é deles. Os acordistas estão em minoria, no mundo dito lusófono, não têm um só argumento racional que sustente a continuidade da imposição ilegal e inconstitucional do AO90. Portanto o AO90 só pode ter um destino: a revogação imediata.

 

Em Portugal, a quem interessa a negociata do AO90 e a destruição da Língua Portuguesa?

 

Eu não vou responder a esta questão. Deixarei aos leitores a liberdade de encontrar a resposta, porque ela existe e é visível a olho nu.

 

Dois países duas línguas, num guia para turistas.
Falaremos a mesma língua?
Não falamos.

Untitled3.png

 

 

Sugiro a leitura do texto «Socorro, querem roubar-nos a língua e deixar-nos mudos! - As variantes do português, riquíssimas, merecem ser reconhecidas como partes de uma mesma língua, mas soberanas nos seus países e não desfiguradas em “unificações”» assinado por Nuno Pacheco, no Jornal Público, e que pode ser consultado neste link:

https://www.publico.pt/2019/05/30/culturaipsilon/opiniao/socorro-querem-roubarnos-lingua-deixarnos-mudos-1874557

 

com os comentários, a propósito, que aqui reproduzo.

 

Isabel A. Ferreira

 

COMENTÁRIOS:

 

mzeabranches

30.05.2019 23:52

Estou com Nuno Pacheco e com todos os que condenam o AO90 e a sua imposição no nosso país. Os numerosos pareceres dos especialistas são contra, mas o poder político entendeu ignorá-los e seguir acriticamente o seu principal autor, Malaca Casteleiro! Recentemente, no seu contributo para o Grupo de Trabalho da 12.ª Comissão da AR, que ainda não chegou a nenhuma conclusão, António Emiliano diz: "Escrevi algures que «a elaboração, aprovação e aplicação do Acordo Ortográfico é um escândalo nacional. Um verdadeiro 'case study' sobre a falta de transparência e democraticidade com que dossiers da Cultura, da Educação e da Ciência são sistematicamente tratados em Portugal.» (Semanário Económico, 16/05/2009). Naturalmente mantenho." O AO90 é linguisticamente uma fraude e politicamente um crime!

 

Manuel Figueiredo

Póvoa de Varzim 30.05.2019 19:58

Subscrevo a opinião de Nuno Pacheco, assim como os comentários de AMG, Maria João Amaral e Luís Vaz. Já há muito que o Senhor Presidente da República devia ter tomado uma posição clara sobre a questão da defesa da Língua Portuguesa - o importante pilar da nossa Constituição da República - e exercer a sua magistratura de influência para que a Assembleia da República pura e simplesmente revogue a Resolução (não é Lei!) que introduziu aquilo que alguns chamam de "acordo ortográfico". A Língua Portuguesa não é mercadoria para traficar!

 

António Marques

Mem Martins 30.05.2019 19:36

A 'discussão' sobre o AO90 nunca se caraterizou por um nível muito elevado. Sendo um assunto com alguma complexidade poderíamos pensar que os doutos interessados se erguessem na sua estatura intelectual e nos dessem primores de erudição e argumentação. Não foi nem tem sido o caso: a argumentação tem sido rudimentar, orientada para o insulto e essencialmente emotiva. Trazer um texto de H. M. para a pilha é descer demasiado baixo. H. M. é o tipo de colunista a que a gente paga para falar bem daqueles que mais odiamos. Não havia necessidade... Espero que não tenha o azar de sofrer, um dia destes, H. M. a defender coisas de que o Nuno gosta.

 

luisvaz

Bem-aventurados os pobres de espírito, 30.05.2019 18:05

{LV4} Vitorino Nemésio, açoriano, que os mais antigos conhecem dos programas da televisão estatal fez parte de uma das embaixadas brasileiras que visitou Portugal na década de sessenta (1960) precisamente para tentar vender a ortografia brasileira. Assim como Nemésio, do grupo faziam parte alguns portugueses, professores de italiano que como sabemos dobram a consoante para abrir a vogal anterior. (Assim attore, battesimo, correttore). Quanto a Antônio Houaiss de ascendência libanesa, editor e ministro da Cultura do Brasil fez todos os possíveis e “impossíveis” para impor a ortografia brasileira em Portugal. Contou com a ajuda de Malaca Casteleiro, seu lugar-tenente e “dono” da Academia das Ciências de Lisboa. E mais não digo para não sofrer a habitual censura!...

 

luisvaz

Bem-aventurados os pobres de espírito, 30.05.2019 18:04

{LV3} “Essa forma de distinguir, no português europeu, as pretónicas abertas ou semi-abertas das reduzidas, não se justifica no português do Brasil, em cuja pronúncia-padrão não há pretónicas reduzidas, tendo-se as vogais nesta posição neutralizado num [a] aberto e num [e] ou num [o] semifechados. Daí escrever-se em Portugal: acto, acção, accionar, accionista, baptismo, baptizar, director, correcto, correcção, óptimo, optimismo, adoptar, adopção; e no Brasil: ato, ação, acionar, acionista, batismo, batizar, diretor, correto, correção, ótimo, otimismo, adotar, adoção.” Pelas palavras de Celso Cunha e Lindley Cintra, nada mas mesmo rigorosamente nada, diz que a ortografia portuguesa deve copiar a ortografia brasileira como é o caso no AO90/43.

 

luisvaz

Bem-aventurados os pobres de espírito, 30.05.2019 18:03

{LV2} Consultemos a página 74 da Nova Gramática do Português Contemporâneo por Celso Cunha e Lindley Cintra, Edições João Sá da Costa, 1984, 1950 escudos preço de capa. “No Brasil, por disposição do Formulário Ortográfico de 1943, as consoantes etimológicas finais de sílaba (implosivas), quando não articuladas? ou seja, quando “mudas” ? deixaram de se escrever. Em Portugal, no entanto, em conformidade com o texto do Acordo de 1945, continuaram a ser grafadas sempre que se seguem às vogais átonas [a] aberta, [e] ou [o] (semi-abertas), como forma de indicar a abertura dessas vogais. Por uma razão de coerência, mantêm-se tais consoantes em sílaba tónica nas palavras pertencentes à mesma família ou flexão.”

 

luisvaz

Bem-aventurados os pobres de espírito, 30.05.2019 18:02

{LV1} Do artigo de Henrique Monteiro, transcrevo o seguinte: “Cá também é moda ser contra o Acordo”. E ainda: — para que, de vez em quando, se defenda o trabalho de especialistas, alguns já falecidos, que com afinco defenderam a língua (Lindley Cintra, Houaiss, Nemésio, Celso Cunha para não falar dos vivos). Pois Henrique Monteiro não diz qual o Acordo contra o qual é moda ser? Se o Acordo de 1945 assinado por Portugal e Brasil ou se o Acordo Brasileiro de 1943 que mudou de nome para AO90 com uns retoques na pintura? Quanto aos defensores da Língua, falta definir qual a Língua? A Língua Portuguesa, o portuleiro ou o brasiguês?

 

Maria João Amaral

Lamego 30.05.2019 15:17

Obrigada por mais esta reflexão que se orienta para algo que uma professora de Inglês conhece há muitos anos. Tal como o Reino Unido foi um país expansionista, Portugal também andou pelo mundo mais ou menos pela mesma época e deixou a Sua Língua. Nos países de influência britânica o British English foi sendo apreendido e enriquecido com idiossincrasias do local. O nosso Português também foi sendo alterado, adaptado, enriquecido em cada contexto. Para quê obrigar os seus utilizadores de há séculos a serem “colonizados” e obrigados a aceitar as alterações que não fazem sentido para ninguém

 

Mapril Oliveira

30.05.2019 11:10

Creio que foi o sr HM que em tempos escreveu que o OA, ao eliminar as consoantes (chamadas) mudas, facilita a aprendizagem da escrita pelas criancinhas. Mas, coitadas das criancinhas, por causa do OA, vão ter muito mais dificuldade a aprender o inglês o espanhol, o francês, e até o alemão... que usam as ditas!

 

AMG

UE 30.05.2019 08:10

Devemos mobilizar-nos contra o AO e tomar acções efectivas como deixar de comprar qualquer livro, jornal ou revista escrita com erros (Acordo) ortográficos, também evitar visitar os websites escritos com o AO. Mobilizemos-nos Contra esta aberração e destruição da Lingua Portuguesa! Este AO é mais uma demonstração da mediocridade que tomou conta de tudo e do atoleiro de corrupção generalizada a que se chegou em Portugal.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:58

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 29 de Maio de 2019

AO90 – «O MAIOR EMBUSTE DESDE O 25 DE ABRIL»

 

Quem o diz é Helder Guégués, no seu Blogue Linguagista

 

 helder_guegues.jpg

Origem da imagem:   https://www.novoslivros.pt/2015/09/helder-guegues-em-portugues-se-faz-favor.html

 

Por Hélder Guégués

 

«O maior embuste desde o 25 de Abril

Francisco Sarsfield Cabral vem hoje lembrar na Rádio Renascença que o «Acordo Ortográfico tem quase 40 anos». Pelas minhas contas, são quase 30. «Tempo suficiente para mostrar que não atingiu o seu objetivo de unificar a ortografia nos países de língua oficial portuguesa.» Bem verdade: o AO90 revela-se, a cada dia que passa, o maior embuste político depois do 25 de Abril em que nós, Portugueses, caímos.

 

«Não possuo qualificações para debater seriamente o AO.» É também, penaliza-me dizê-lo, uma evidência, pelo menos a avaliar pela amostra: «Mas há coisas que não são aceitáveis no AO. Por exemplo, tirar as maiúsculas dos dias da semana e dos meses. Ou implicar com a grafia de nomes pessoais. Mas ninguém protesta, e ainda bem, por se escrever Sophia, como se escrevia quando a poeta nasceu, há um século.» Desde quando é que os dias da semana eram escritos com maiúscula inicial? E em que aspecto implica com os nomes pessoais, se até há uma ressalva específica na Base XXI? Ninguém (são de espírito) protesta por se escrever Sophia, mas a maioria, entre os quais muitos jornalistas, deturpa o nome de Eça de Queiroz.

Posto isto, devo dizer que Sarsfield Cabral é um dos jornalistas mais cuidadosos que conheço, digo-o com conhecimento de causa, já revi muitos artigos da sua autoria.


Fonte:
https://linguagista.blogs.sapo.pt/acordo-ortografico-de-1990-2952945?fbclid=IwAR2ocEwlxv22gvYUL-JUprKIRZr8tAEIavv9sw_-e1KRga4CWiPkbpxo7p4

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:34

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 27 de Maio de 2019

A IMPOSIÇÃO DO ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990 É ILEGAL E INCONSTITUCIONAL!

 

Um texto de Paulo Teixeira, com o qual concordo inteiramente.

Está na hora de os Pais EXIGIREM que, nas escolas, os seus filhos, aprendam a escrever correCtamente a sua Língua Materna, a Língua Portuguesa, conforme está consignado na Constituição da República Portuguesa.

O AO90 é ilegal, inconstitucional, irracional, irritante, inútil e mentalmente incapacitante, porque obstrui o pensamento.

 

61035596_2647100891984112_5680925879182557184_n.jp

 

«É HORA DE ACORDAR O PRESIDENTE MARCELO!

 

Mas mais ilegal e inconstitucional ainda é obrigar alunos (filhos dos contribuintes que pagam o ensino público) a usar o acordo contra a sua vontade. Como pode o Estado obrigar um filho meu a usar o acordo sem a MINHA autorização??!

 

É aqui, neste ponto em concreto, que todos nós devemos berrar, discordar, bater o pé, até boicotar escolas!

 

É sobre esta ilegalidade/inconstitucionalidade que devemos incidir, dar as mãos, ripostar, impedir que sejam os políticos e os badamecos que pariram o acordo a dizer o que devem (ou não) os nossos filhos aprender num estabelecimento de ensino público pago por nós!»

 

Vamos à LUTA!»

 Paulo Teixeira

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=2647100888650779&set=gm.2420012258044133&type=3&theater&ifg=1

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:50

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 20 de Maio de 2019

ACÇÕES CONTRA O AO90 E DE COMO É POSSÍVEL RECUPERAR O TEMPO GASTO COM ESTA ABERRAÇÃO

 

O combate contra o AO90 não se faz apenas com palavras, porque as palavras entram por um ouvido e saem pelo outro, dos que se estão nas tintas para a Língua Portuguesa.

 

O combate contra o AO90 faz-se, sobretudo, através de acções que contribuam, na prática, para o fracasso desta imposição ilegal, inconstitucional e irracional.

 

Daí que vá deixar aqui o que eu, pessoalmente, faço para combater esta aberração, além de manter uma permanente luta neste Blogue.

 

DITADURA.png

Porque a ditadura ortográfica não combina com Democracia, pode ser derrubada de várias maneiras, e uma delas é através do VOTO. (Origem da imagem: Internet)

 

- Rejeito ir a eventos, cujos convites estejam escritos em acordês ou mixordês.

 

- Trago sempre comigo uma esferográfica vermelha para corrigir tudo o que me aparece à frente (panfletos, cartazes) que estiverem escritos em acordês ou mixordês.

 

- Não compro nem ofereço livros, revistas, jornais, ou quaisquer outras publicações escritas em acordês ou mixordês.

 

- Quando vou a uma livraria, a um quiosque ou outro qualquer estabelecimento do género, digo alto e em bom som, que não compro este ou aquele livro, revista ou jornal em edições portuguesas, porque estão grafados à brasileira, e compro aqueloutros livros ou jornais ou revistas porque estão grafados à portuguesa.

 

- Quando entro em algum lugar e vejo a Língua Portuguesa mutilada, chamo a atenção para os erros ortográficos, porque Portugal, por enquanto, ainda é Portugal.

 

- Quando estou em público, ou diante de crianças (e não só) pronuncio as consoantes mudas, para realçar a função diacrítica dessas consoantes. E explico que se escreverem “fatura” devem ler fâtura, porque apenas com a consoante , o à é aberto faCtura (fátura).

 

- Sempre que tenho oportunidade digo a quem me diz que agora é obrigatório escrever assim (desconhecem que é assim devido ao AO90, que não sabem o que é, e este escrever assim é mutilar as palavras, suprimindo-lhes os cês e os pês) que estão a escrever à brasileira, e não à portuguesa, facto que elas não sabem (fora a parvoíce dos acentos e hífenes, que é comum ao Brasil e a Portugal).

 

- Às crianças explico-lhes que estão a ser enganadas e o que lhes ensinam a escrever na Escola não é a grafia portuguesa, mas sim a grafia brasileira, aquela que os Brasileiros escolheram para eles. O seu a seu dono. Digo-lhes também que, na escola, para não entrarem em conflito com o “s’tor” (senhor doutor), escrevam setor que se lê “s’tôr” (significando departamento, divisão, secção). Mas fora da escola escrevam seCtor (lendo sétôr) porque é assim que se grafa à portuguesa. E quando crescerem adoptarão a grafia da sua Língua Materna.

 

Bem, isto é o que faço. Se os milhares que se dizem anti-AO90 fizessem o mesmo, talvez o AO90 já tivesse ido dar uma volta, para bem longe de Portugal.

 

Se foi possível destruir una Língua que levou séculos a ser construída laboriosamente, racionalmente, cientificamente, mais possível será reconstruir o que foi destruído em 10 anos, e sobre as ruínas fazer renascer a Língua Portuguesa segundo o AO45, o que na realidade está em vigor.

 

O argumento do irreversível é para os falhados, os cobardes, os derrotados, os dotados de mentes mirradas, os medíocres.

 

Quando olhamos para a destruição, por exemplo, da cidade de Berlim, depois dos bombardeamentos durante a II Grande Guerra Mundial, parecia-nos impossível que Berlim pudesse voltar a ser Berlim. No entanto, nada é impossível quando a vontade dos homens é inquebrantável e a sua capacidade intelectual é imbatível.

 

Ressuscitar os mortos não está ao alcance dos homens, contudo, reconstruir o que foi destruído pelo homem está ao alcance apenas daqueles que são fortes, são guerreiros, têm massa cinzenta e neurónios a funcionar em pleno.

 

Tornar ao antes do AO90, não só é possível como desejável e prioritário. Quando os governantes impingiram a Portugal o AO90, ninguém se questionou «como vamos agora aprender a escrever à brasileira, se aprendemos a escrever à portuguesa?». Alguém se preocupou com isto?

 

A mossa provocada pela aplicação do AO90 nada é comparada com o que é hoje a Língua Portuguesa, mutilada, grafada completamente à balda, sem pés nem cabeça, caminhando para a extinção. O AO90 fez mossa, mas nada que não seja recuperável. Ainda se vai muito a tempo de abandonar a anormalidade e regressar à normalidade. E sabem porquê? Porque há CORRECTORES ORTOGRÁFICOS pré-AO, (para os que já se esqueceram de escrever como  sempre escreveram), mas, principalmente, porque as crianças não são as estúpidas que os governantes querem que sejam, ou não são tão estúpidas como os que dizem que «agora que escrevemos assim (ou seja incorreCtamente) como vamos aprender a escrever assado (ou seja, o que escreveram durante toda a vida?)

 

As crianças vão à escola para APRENDEREM o que lhes for ENSINADO. E é essa a missão dos professores: ensinar-lhes a escrever correCtamente a Língua Materna delas.

 

E em menos de um ano lectivo tudo regressará ao normal.

 

Garanto-vos. Haja vontade política e audácia para reparar este que foi o maior erro político jamais cometido, até pelo mais ignorante governante que governou Portugal (que não vou dizer quem foi, porque o mal já foi feito, e assim ficou para a História).

 

Lembremo-nos de que os cobardes, os ignorantes optativos, os fracos, os falhados, os derrotados, os dotados de cérebros mirrados, os medíocres nunca fizeram AVANÇAR o Mundo.

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:35

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sábado, 18 de Maio de 2019

«NEVOEIRO LINGUÍSTICO» - AO REDOR DO AO90

 

Um actualíssimo texto de Maria João Oliveira, escrito em Fevereiro de 2014, que repesco, neste momento crucial, em que se está a discutir a REVOGAÇÃO do AO90 no Brasil, mas também em Portugal, o qual põe os pontinhos em todos os is, mostrando o quanto é urgente e necessária a revogação de um "acordo" que Portugal repudia, e que nenhum outro país lusófono deseja.

 

Um texto que se destina a informar os deputados da Nação que, por falta de informação objectiva, ainda não encaixaram que este "acordo" não é para rever, mas sim para revogar

 

VASCO.png

 

Por Maria João Oliveira

 

NEVOEIRO LINGUÍSTICO

 

«Ver a Língua Portuguesa tão maltratada pelo "acordo" ortográfico (AO90), não é fácil para quem a ama profundamente, desde os bancos da escola. Dói-me vê-la desfigurada, a tentar mover-se no caos, sem o conseguir, perdida num nevoeiro que não deixa ver claro... Cada vez mais, me sinto agredida, em cada dia que passa, pelo AO90, através de certos jornais, da televisão, da Internet, e até pelo próprio "Jornal de Letras", cuja leitura deixou de me dar prazer.

 

Os princípios que (des)orientam este "acordo" são tão incongruentes, confusos e inconsistentes, que contribuem para o desprestígio internacional do nosso país. Não é por acaso que a maioria dos portugueses, incluindo poetas, escritores e professores, repudia este "acordo", que nos foi imposto, sem discussão pública, e que não pode contribuir, de modo algum, para a evolução da nossa Língua, até porque ela não evolui por decisão política, mas sim, naturalmente, nos diferentes contextos socioculturais de cada país.

 

Ao fazer tábua rasa da sua raiz greco-latina, afastando-a, assim, das grandes Línguas mundiais, este "acordo" roubou, à nossa flor do Lácio, o casulo onde as palavras se metamorfoseiam, até à beleza do voo. Quem já leu o texto do AO90, mais se apercebe da inviabilização do vocabulário formado por via erudita, devido ao afastamento da etimologia das palavras. E isto empobrece, drasticamente, a Língua Portuguesa.

 

Subordinar a grafia à oralidade, que é tão variada na comunidade lusófona, faz divergir as grafias ainda mais, pelo que deita por terra uma propalada "unificação" que não é desejável (é a diversidade que enriquece a Língua), nem possível, porque este "acordo" admite múltiplas grafias (as famigeradas facultatividades), como por exemplo: corrupto/corruto; dicção/dição; sumptuoso/suntuoso; peremptório/perentório, etc., etc. Além disso, provoca sérias divergências em palavras que tinham a mesma grafia, com a agravante de crias homonímias e homografias que não têm razão de ser, tais como: receção em Portugal e recepção no Brasil; deceção em Portugal e decepção no Brasil; espetador em Portugal e espectador no Brasil, e assim por diante.

 

A grafia, em função da pronúncia, desrespeita os próprios "objectivos" deste "acordo" que, afinal, nem é um Acordo, visto que, além de ser ilegal e inconstitucional, não foi subscrito por todas as comunidades falantes, e não está a ser aplicado nos países que o ratificaram (Brasil, Angola e Moçambique).

 

Introduzindo formas tipicamente brasileiras, no Português de Portugal, provocando alterações nas consoantes mudas, acentuação, hifenização, utilização de maiúsculas, etc., este "acordo" incoerente e sem fundamento científico, veio instaurar o caos linguístico na sociedade portuguesa, com consequências devastadoras a nível educacional, cultural, social e económico, coexistindo já três grafias: a do Português, a do AO90 e aquela que dá na real gana a quem é a favor do "acordo", mas que não o leu, ou seja as "multigrafias pessoais"... E a este "acordês", nem alguns responsáveis políticos, jornalistas e professores universitários conseguem escapar.

 

Como se tudo isto fosse pouco, o referido caos invadiu as escolas, onde também coexistem várias grafias, e onde os professores se vêem obrigados a ir contra a sua própria consciência, "ensinando", nos termos de um "acordo", que, liminarmente, rejeitam, mas que lhes foi arbitrariamente imposto, e ao arrepio de todos os pareceres. Com tal imposição, a maioria dos professores perdeu o prazer de ensinar, numa escola, onde aprender podia ser tão apaixonante como jogar à bola, ou andar de bicicleta. E, perante tamanho descalabro, como estimular, nos alunos, o gosto pela leitura e pela escrita? E o que vai acontecer ao rigor da Língua, na reflexão filosófica e na criação literária?

 

Um "acordo" que tem a fonética e o mercado livreiro como critérios, manifestando, assim, uma total insensibilidade, perante o valor patrimonial da ortografia, e que enferma de problemas, a nível legal e constitucional, prejudica seriamente o desenvolvimento, a educação, o progresso do país. O "acordo" em causa viola, por exemplo, o artº 78 (alínea c) do nº 2, da Constituição da República Portuguesa), sobre o dever estatal de defesa do património cultural.

 

Sabe-se que a Língua não evolui por decreto, mas há a considerar que este "acordo", apenas autorizado por uma Resolução da Assembleia da República, é, na verdade, ilegal, estando assim em vigor a anterior ortografia, acordada pelo AO45.

 

Para cúmulo, o AO90 recorreu a um conversor ortográfico, o Lince, já utilizado na AR e em várias instituições, e a um VOP ("Vocabulário Ortográfico do Português"), que não dignificam a cultura, e que entram em rota de colisão com ele próprio (imagine-se o Lince a abrasileirar Camões, Pessoa, etc.), por mais incrível que pareça.

 

Os problemas provocados pela aplicação deste "acordo" são tantos, que eu teria de me alongar ainda mais, para tentar fazer uma abordagem mais profunda de todos os pontos.

 

Como peticionária e amante da Língua Portuguesa, vou estar atenta, no próximo dia 28, ao debate e votação na Assembleia da República, da Petição nº 259/XII/2ª, que foi subscrita por Ivo Barroso e Madalena Homem Cardoso, e que exige a desvinculação de Portugal a este "acordo" ortográfico. Ao fim e ao cabo, todos sabemos que esta é a única solução. Qualquer outro "acordo", ou tentativa de "simplificação" do que já existe, só nos irá levar a novos e onerosos becos sem saída, que terão também, no futuro, graves consequências na Língua Portuguesa. (*)

 

Perante a selvática destruição da identidade e das raízes da nossa Língua, peço e espero que este Governo tenha o bom senso de pôr fim à imposição de um "acordo" que Portugal repudia, e que nenhum outro país lusófono deseja. Assumir um erro e erradicá-lo, só dignifica quem o pratica.

 

Caso contrário, ver-me-ei obrigada (e, decerto, a maioria dos portugueses...) a exercer o direito de resistência (artº 21, da Constituição da República Portuguesa).»

 

Maria João Gaspar Oliveira

 

Fonte:

https://www.facebook.com/notes/524069947710276/

 

(*) Malogradamente, a Petição nº 259/XII/2ª, não passou na Assembleia da República, devido à falta de conhecimentos específicos e à submissão do governo português a uma negociata obscura, que constituiu um descomunal erro, que ninguém ainda teve a dignidade de erradicar.

 

Aguardamos agora, pela próxima discussão, e esperamos que todos os que irão ser chamados à liça, estejam bastamente mais INFORMADOS, para poderem tomar a única decisão racional possível: a revogação imediata do AO90. (Isabel A. Ferreira)

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:24

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Junho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O MAL-AMADO ACORDO ORTOGR...

. «O AO90 NÃO SERVE PARA N...

. «AO90: MANTER OU REVOGAR?...

. «HISTÓRIA(S) DUMA LÍNGUA ...

. DEVOLVA-SE A PORTUGAL A L...

. EM PORTUGAL, A QUEM INTER...

. AO90 – «O MAIOR EMBUSTE D...

. A IMPOSIÇÃO DO ACORDO ORT...

. ACÇÕES CONTRA O AO90 E DE...

. «NEVOEIRO LINGUÍSTICO» - ...

.arquivos

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO