Segunda-feira, 5 de Fevereiro de 2024

«Protecção contra a corrupção da Língua Portuguesa»

 

Carta enviada por Carlos A. Coimbra, um cidadão português que vive em Toronto (Canadá) há longos anos, a uma personalidade televisiva portuguesa, a propósito da corrupção activa exercida sobre a NOSSA Língua, à qual as comunidades portuguesas na diáspora estão atentas, e que defendem com unhas e dentes, ao contrário dos decisores políticos e apolíticos portugueses.

Isabel A. Ferreira

 

Língua 1.png

 

Texto de Carlos A. Coimbra

 

«Quero então expor-lhe as minhas ideias quanto à presença da Língua no Brasil nos média de Portugal.

 

Aliás, uma pessoa que se interessa por, e tanto pesquisou sobre descobrimentos, deve forçosamente dar importância à língua que "viajou" pelo mundo fora.

 

Há vários aspectos por onde entrar no assunto, mas começo com a diferença entre sotaque (ou pronúncia) e corrupção da língua.

 

Eu admito não conhecer Portugal tão bem como quem lá vive. Mas sei que há diferentes pronúncias, como do Alto Minho, da área do Porto, a inflexão de Alentejano, o por vezes quase incompreensível São Miguelense, e a "corrupçon" da Madeira.

 

Mas todos usam a mesma gramática, a mesma semântica, sem mudar a ordem das palavras, nem as alterar (um brasileiro diria alterar elas).

 

E o mesmo se mantém em relação a Angolanos e outros nacionais de territórios que foram portugueses, embora o sotaque deles seja mais carregado.

 

Só que continuam a falar o mesmo Português.

 

Lendo textos escritos por um português ou pessoa de proveniência africana, não podemos extricar qualquer evidência acerca da origem da pessoa.  

 

Aliás, como comparação, entre os vários espanhóis (castelhanos) falados, eu sei distinguir o Castelhano original, o Mexicano, o Cubano e Porto-riquenho (caribenho) e o Argentino.

 

Contudo, todos falam o mesmo Castelhano, com a mesma gramática e ortografia; a única distinção é o facto de usarem alguns termos locais.

 

E quanto ao Inglês, lendo textos escritos por americanos e britânicos, vemos a mesma língua, embora haja diferenças pontuais na ortografia (z/s, or/our, etc...).

Ninguém pensou em unificar a ortografia, nem em usar em permanência locutores do outro lado (embora os média americanos usem alguns jornalistas não-americanos no estrangeiro, por razões que têm a ver com obtenção de vistos, por exemplo).

 

Agora falando do Brasileiro, a coisa é muito mais séria.

 

A modificação que os escravos foram fazendo à Língua dos colonizadores, em termos de pronúncia e possivelmente função da gramática das Línguas nativas, levou até a que os Brasileiros de hoje troquem a ordem normal das palavras, não usem verbos correctamente e tanto mais.

 

Um brasileiro que falava bom português gramaticamente foi o Presidente Temer...

 

E então posso passar ao vício de meter um 'i' onde ele não existe: abisurdo, opitar, e inúmeros outros exemplos.

 

E é contagioso! Exemplo:

Um tempo depois do 07 de Outubro, os Israelitas levaram jornalistas à povoação chamada Sderot (além de hebraico, é assim que está escrito na placa à entrada: Quer dizer "Boulevards", plural de Sder - eles formam plurais em -ot e em -im).

 

Esse grupo incluía pelo menos um português e uma brasileira.

Eu sei, porque vi uma peça na RTP e outra na Globo, na mesma noite.

Ora a brasileira dizia Siderot, devido à aversão que os Brasileiros têm a dizer duas consoantes juntas (Lula inclusivamente).

E fiquei chocado por ouvir o jornalista português copiar a brasileira, também dizendo Siderot!

Ainda mais curioso, noutra ocasião, ouvi outra repórter brasileira que preferia dizer Isderot (idêntico o que fazem com 'esporte').

 

Ora todo este linguajar "à brasileira" passa muito para lá de questões de pronúncia ou entoação, e consiste em corrupção da Língua.

Não se pode deixar de dizer isso quanto à introdução de sílabas que não existem.

 

Infelizmente, a Língua Brasileira tem características dominantes, tal como o Castelhano, senão basta ouvir portugueses que vivem há muito tempo no Brasil ou na Venezuela...

 

Isto é devido às Línguas serem parecidas, e tal não acontece comigo nem com quem mora na França (adoptam certos termos, mas não lhes afecta a pronúncia).

 

Não questiono o direito ao trabalho em Portugal de brasileiros, mas não quero ouvi-los na rádio e televisão a falar de assuntos que não têm nada a ver com o Brasil.

 

Isto particularmente quando os sotaques portugueses e africanos que referi não parecem ter lugar cativo nos canais de TV a que tenho acesso, e esses falam Português!

 

Creio que jornalistas portugueses até devem ficar ofendidos por serem preteridos. O caso do brasileiro na TVI/CNN-P a comentar futebol é um exemplo extremo, pois dá a ideia que se esgotou em Portugal quem saiba falar do assunto!

 

Aliás, quando um canal aqui em Toronto adquiriu uma meteorologista com pronúncia australiana, pode crer que eu protestei...

 

O Português falado já sofre de tantos erros...

 

E bem basta a falta de respeito pela audiência que leva a cair no Inglês fácil, em parte pela perda de vocabulário, causando até asneiras devido a não saberem o significado das palavras (ouvi uma comentadora que quando falava do Suez, lembrou o caso dum barco que entupiu o canal, e disse que era um verdadeiro "checkpoint", quando tal seria um "bottleneck").

 

Qual a necessidade de usar alguém que nem fala o Português correcto, e que em qualquer momento pode dizer uma "brasileirice"?

 

Eu nasci com inclinação para lógica (levou-me aos computadores) e Línguas (passou de entretenimento a conhecer a fundo o Inglês, a falar Italiano além de Castelhano e Francês, e saber o suficiente de Alemão; as minhas maiores peneiras vêm de me ter ensinado mais que o suficiente Russo, antes de haver Internet).

E sou compreendido em muita coisa de várias outras línguas estranhas, sem pretender que as falo minimamente, só por diversão. Até o tradutor do Google me entende, e isso tem utilidade neste país de imigrantes.

 

Mas o que interessa aqui é que quero fazer o que posso para proteger o verdadeiro Português da influência do Brasileiro, e que não seja considerado "variedade europeia", como me escandalizou a professora Dr.ª Sandra Duarte Tavares, pois assim caracterizou o meu Português original, enquanto assessora da Língua (!) na RTP.

 

Ofenderam-me, insultaram-me, tanto o PM como o PR: um disse que até gostaríamos de falar com o sotaque brasileiro, e o outro lembrou-se de imitar (mal) a fala brasileira, enquanto Chico Buarque ficou de boca aberta a pensar sabe-se lá o quê do indivíduo...

 

Pois lembro-me de dois casos:

Num jogo amistoso entre não me lembro quem e um Benfica em que entraram Ricardo Araújo Pereira e Fernando Mendes, o Ronaldo (o original, chamado "Fenômeno" pelos brasileiros - com ô) magoou-se, foi para o banco e foi entrevistado: Lesionou-se? Hem? Lesionou-se? Heeeem? Machucou-se?

Aí ele finalmente entendeu...

 

E recordo que a propósito de não sei quê, no Brasil, perguntei a uma pessoa: mas que explicação lhe dão a si?

Nada de resposta até eu modificar a pergunta...

O 'lhe' e o 'a si' não faziam parte do entendimento da Língua da pessoa...

 

Isto está indecentemente comprido, mas eu queria apresentar os meus argumentos duma maneira mais completa, que não têm nada a ver com xenofobia (aprecio, por exemplo, o Português que ucranianos falam).

E tenho a certeza de que mais tarde vou lembrar-me de mais que podia ter escrito...

 

Cumprimentos,

Carlos A. Coimbra,

Toronto»

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:14

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 3 de Julho de 2023

De Toronto, uma incursão pelo problema da Imigração, da Língua Portuguesa, do AO90 e da falta de governantes que pugnem pelos interesses de Portugal

 

Uma carta dirigida ao Dr. Luís Marques Mendes, comentador da SIC, que me foi enviada via e-mail, por um português residente no Canadá, há vários anos. Uma visão de alguém que, longe de Portugal, tem uma percepção racional do que aqui se passa, a percepção de alguém que saiu de Portugal, mas não quer voltar, porque Portugal não lhe oferece o que se espera do próprio país, um país que praticamente expulsa os seus, a sua mão-de-obra qualificada, e recebe os de fora, concedendo-lhes, de mão-beijada, o que não concede aos de dentro.

Subscrevo esta Carta.

Isabel A. Ferreira

 

CONFÚCIO.PNG

 

«Prezado Dr. Marques Mendes,

 

Não é que discorde do que disse no seu comentário de ontem (que ouvi até ao fim, antes de começar a escrever...).

 

Mas gostava de lhe dar a minha visão do assunto, comparando o Portugal que conhecia com o Canadá que conheço.

 

Portugal desceu da Galiza, e não indo atrás até aos Visigodos e "Mouros", passou há muitos anos a ter uma população homogénea, com relativamente pouca diferenciação.

 

O Canadá tinha população original, povos chamados Micmac, Algonquin, Huron, Mohawk, Cree, Inuit, etc...

 

Contudo, vieram imigrantes que os dominaram, tentaram apagá-los (retirando crianças às famílias, instalando-as em 'escolas' residenciais, proibindo-as de falar as suas próprias línguas, e fazendo coisas abusivas do género que recentemente foi assunto em Portugal).

 

O actual Papa veio há pouco tempo ao Canadá, andou por aí, pediu desculpa, mas não foi tão longe como os nativos esperavam, e quando no avião de volta a Roma lhe perguntaram porque não tinha usado a palavra 'genocídio', ele disse que não lhe tinha ocorrido!!... Ha!...

 

Os povos nativos (chamados aqui "Primeiras Nações") ainda existem, em poucos números, marginalizados, alguns em 'reservas'. Fazem-lhes o favor de não pagar impostos federais (aqui no sul do Ontário, passei uma vez num local que sabia ser "pertença" deles, e vi um posto de gasolina com preços fantasticamente baixos... Mas não me venderam, porque eu não tinha nem cara nem cartão que me identificasse como tendo esse direito...).

 

Onde eu quero chegar, é que em contraste com Portugal, o Canadá é um país de imigrantes.

 

Primeiro franceses, depois britânicos que tomaram a primazia, e chamaram a esta colónia "Domínio do Canadá" (nome que ainda era oficial quando eu cheguei).

 

Era tão "dominado", que ainda havia, por lei, o costume de tocar o 'God save the Queen' no fim de sessões de cinema (o que fazia os espectadores fugirem assim que as legendas finais começavam a aparecer).

Aliás, o Canadá nos anos 60 não tinha bandeira própria nem sequer hino!

O PM do dia era contra...

 

Mesmo a propósito, foi agora no dia 1 o Dia do Canadá (que antes era chamado em inglês Dominion Day).

Então por favor veja estes dois artigos do Toronto Star (jornal que apoia os partidos Liberais, i.e., tanto o federal como o do Ontário - aqui há partidos federais, e cada província e território também tem os seus).

 

Têm a ver com imigração e diversidade.

 

https://www.thestar.com/news/canada/2023/07/01/canadas-population-is-now-at-40-million-here-are-10-charts-to-show-how-immigration-drove-our-growth.html

Neste, não perca os comentários...

 

https://www.thestar.com/opinion/contributors/2023/07/02/the-toronto-we-want-we-can-all-win-when-immigrant-women-lead.html

E neste, repare nos números, especialmente na população imigrante em Toronto.

 

Então com a eleição de Olívia Chow na semana passada (com 37% dos votos, porque nos sistemas não-democráticos britânicos não há segunda volta), temos uma Presidente da Câmara apoiada pelo partido de cujo o seu falecido marido era líder, mas que não fala inglês correcto, e tem pronúncia esquisita.

Ana Bailão, em segundo lugar, veio de Portugal com 15 anos... Era apoiada por este jornal.

Imagine um estrangeiro/a a candidatar-se a Presidente da Câmara e a ganhar...

Ora tanta e tão variada imigração faz com que o país se torne amorfo.

O Quebeque era bem afrancesado e a parte onde vivo era feita quase exclusivamente de anglo-saxónicos.

Depois vieram ucranianos, que se dirigiram às pradarias do Manitoba.

Depois italianos, portugueses só na década de 50, e depois então é que se escancaram as portas, mais recentemente com migrantes ilegais que apesar de estarem nos EUA, vêm pedir "refúgio" no Canadá. 

Isto impede que exista uma consciência "nacional" no país, ainda mais prejudicada por o Chefe de Estado ser o rei de Inglaterra!

 

Em Portugal, ainda não se chegou a este ponto.

Mas o Benformoso já não é o que era...

Nem o Martim Moniz, tomado por uma multidão festejando o Eid na semana passada. Para onde foi a procissão da Senhora da Saúde?...

E no interior, também. Perto de Viseu, uma igreja é dispensada a ucranianos regularmente.

Em entrevistas de rua, é confrangedor o número de brasileiros a quem é emprestado o microfone.

 

800.000 estrangeiros num país tão pequeno são demais!

E dentro destes números, 31% de brasileiros ainda é pior.

 

Portugal levou africanos para o Brasil.

Estes, com a pronúncia das línguas deles, por ser bastante sonora, afectaram o Português que se falava nesse tempo (não sei, mas podia ainda ser parecido com o Galego).

 

Agora, a quantidade enorme de brasileiros, com a sua qualidade igualmente sonora (uma característica dominante) também têm grande influência na língua.

 

Quando o PM, falando por nós todos, diz que gostaríamos de falar com o sotaque deles, e quando o PR se põe a imitar a fala brasileira (deixando Chico Buarque espantado), e quando a SIC tem um (ocasional) repórter brasileiro em Portugal, e a TVI/CNN usa um brasileiro para falar de futebol (como se se tivessem esgotado portugueses com esse talento), o futuro da língua verdadeiramente portuguesa não é brilhante.

Isto para não falar no desastre que é o Acordo de 1990 (não usado no Brasil!) e nos erros que já se ouvem há tempo no Português falado (até já escutei o PR a dizer que "se resolva rápido", em vez de rapidamente).

 

Imigrantes do sul da Ásia não afectam a Língua Portuguesa, e até a aprendem.

Africanos dos PALOP têm uma certa pronúncia, mas nem chega a ofender, pois falam Português.

 

A Ksenia Ashrafullina (8 anos de Portugal) é como eu, tem jeito para línguas, e fala um português excelente, por vezes mesmo com a naturalidade duma portuguesa.

Tem a cidadania portuguesa, e assim devia ser chamada, e não ainda 'russa', como referida, entre outros, até pelo PR, o que é uma desfeita.

Não lhe serviu de muito adquirir a cidadania, e esse tipo de imigração, que não considera como "novos portugueses" os imigrantes, não lhes deve agradar.

 

Contudo, brasileiros acham que falam português, e não aprendem a falar o português local, como uma senhora que num hospital disse que tinha um "corrimento marron", e ficou toda ofendida, dizendo-se "discriminada", porque a enfermeira não sabia que eles usam essa palavra em vez de "castanho".

 

E brasileiros não entendem completamente o Português, como é minha experiência, e foi demonstrado quando Lula não entendeu uma pergunta que lhe foi feita e repetida por uma jornalista bem perto dele!

Houve quem dissesse que ele não queria responder, mas acredito que ele não compreendeu mesmo o Português!

 

Eu viajei muito no Brasil, desde Manaus, nordeste, sertão, até Foz do Iguaçu, e senti essa falta de sintonização e desconhecimento do português padrão.

 

O visto "para procurar emprego", criado pelo governo, é um convite à imigração ilegal e à permanência fora dos limites.

 

Isto é o governo a dizer “venham e fiquem”, porque precisamos de gente, seja quem for.

Ainda estou à espera dos escândalos que essa JMJ vai produzir, culpa dum governo que se confunde com religiosos.

 

Pelo que vejo de longe, Lisboa está a ficar descaracterizada, e não me admirava se daqui a umas dezenas de anos, deitassem abaixo a Alfama e a minha Mouraria e pusessem arranha céus...

 

Cuidado com imigração a mais!

Eu preferia Portugal pobrezinho, mas ainda português.

 

"Enquanto houver Santo António, Lisboa não morre mais."

Pois, mas o teclado Google quer que escreva Antônio, à brasileira...

 

[Tive que interromper a escrita, e quase perdi o fio à meada, para ver "Os Batanetes", na TVI Internacional, como que o Monty Python à portuguesa antiga...]

Calorosos cumprimentos,

C. Coimbra»

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:30

link do post | comentar | ver comentários (4) | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 8 de Maio de 2023

«Em Luta pela Língua Portuguesa! Não ao AO90!», um vídeo publicado no YouTube, que veio dar ALENTO ao APELO cívico que um Grupo de Cidadãos Portugueses enviou ao Presidente da República

 

Da Austrália, Com Amor...

 

Foi preciso vir uma cidadã portuguesa, do outro lado do mundo (Sidney, Austrália) dar ALENTO ao APELO, que já foi enviado, em duas vias, a Marcelo Rebelo de Sousa, no sentido da defesa da Língua Portuguesa, conforme definida no n.º 3, do artigo 11.º da Constituição da República Portuguesa, propagando-o no seu canal do YouTube.

Quero, publicamente, deixar a Cátia Cassiano, tradutora na Updated Words (Translater Inside) e subscritora do nosso APELO, o meu muito, muito, muito obrigada. 

Este seu vídeo deixa os acordistas simplesmente SEM hipótese alguma de contra-argumentar.

 

Cátia Cassiano em 25 minutos, num EXCELENTE discurso anti-AO e pró-Língua Portuguesa, disse todas as verdades, que devem ser ditas alto e em bom som, de um modo claro, sem precisar de fazer desenhos para os que NÃO conseguem ver o que só as pessoas lúcidas conseguem, as quais têm propagado por aí, até à exaustão, essas verdades, sem, contudo, conseguirem que os nossos políticos vejam, ouçam e se pronunciem sobre esta matéria, que já é chacota no mundo.


Não saberão eles que o estudo da Língua Portuguesa está a ser BANIDO de muitas escolas, simplesmente porque já NÃO é Portuguesa?


Tenho para publicar o que outros portugueses, em Londres, no Canadá, na Dinamarca, enfim, onde há comunidades portuguesas têm a dizer da triste figura que Portugal anda a fazer no mundo, porque os seus governantes descartaram a Língua Portuguesa, para dar voz a uma VARIANTE.

E é como diz a Cátia Cassiano no seu vídeo: alguma vez o Rei Charles III ousaria falar publicamente usando uma das Variantes da Língua Inglesa, da Commonwealth? Of course not. Never.


Peço que ouçam com muita atenção, e até ao fim, o que a Cátia Cassiano diz ao mundo, sobre este que poderá ser o mais VERGONHOSO LEGADO que os órgãos representativos da República Portuguesa (Executivo, Legislativo e Judicial) e o actual Chefe de Estado de Portugal, deixarão aos vindouros, se NÃO recuarem neste gravíssimo erro que estão a cometer.

 

Esta publicação será enviada ao Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, com mais 36 nomes de subscritores, que já perfazem 230.

As subscrições continuam em aberto.

O que é preciso fazer?

Apenas enviar o nome e a profissão para o e-mail deste Blogue:

 isabelferreira@net.sapo.pt

***

Nesta Edição Especial do Translator Insider, venho fazer um apelo a todos os cidadãos portugueses, que tal como eu, se sentem revoltados com o actual estado da Língua Portuguesa. Não podemos baixar os braços e deixar que um grupo de políticos destrua a cultura e identidade de Portugal e destruindo também a diversidade cultural e linguística desta língua. Junte-se a nós!

#tradutores #tradução #portugal #portugueses #ao90 #nãoaoao90 #abortoortográfico #olugardalínguaportuguesa #isabelferreira

Cátia Cassiano

 

 

Muitos já disseram e escreveram muita coisa sobre o acordo abortográfico de 1990. Mas, neste vídeo, está a súmula de tudo o que é preciso dizer sobre isto.

Este vídeo é para partilhar ao máximo, e é para "gostar"   também ao máximo.

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:34

link do post | comentar | ver comentários (7) | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 2 de Setembro de 2022

«A Universidade de Coimbra celebra com CULTURA os 200 anos da independência do Brasil (…) Qual cultura?» questiona-se um Português residente no Canadá

 

Carlos A. Coimbra é um Português que vive em Toronto (Canadá), mas não deixou de ser Português, e está atento aos desmandos que se passam em Portugal no que à Língua Portuguesa diz respeito, e também em todos os outros sectores. Aliás, já aqui publiquei uma sua excelente lição de Português, em três partes, intitulada:

«Degradação da Língua Portuguesa» - texto que veio de Toronto, e diz da preocupação das Comunidades Portuguesas em relação à destruição da NOSSA Língua (Parte I)

 

E o que se passa em Portugal ENVERGONHA as Comunidades Portuguesas em todas as partes do mundo. Na Suíça, por exemplo, temos este exemplo:

 O «LUSITANO» de Zurique é um jornal publicado para a Comunidade Portuguesa na Suíça, e os seus mentores são contra o AO90



Carlos A. Coimbra enviou-me, via e-mail, esta sua perplexidade, que é também a minha perplexidade e a perplexidade de TODOS os Portugueses dotados de LUCIDEZ.



«O que se passa em Coimbra?

 

Lido no rodapé da RTP:

A Universidade de Coimbra celebra com cultura os 200 anos da independência do Brasil.

Câmara faz acordo para ter sucursal do Museu da Língua Portuguesa de São Paulo.

E agora isto?

 

Com cultura? Qual cultura, como se não adivinhasse...

Haverá muitos brasileiros a estudar lá?

Querem mais?...

Eu não evito comparar com o Reino Unido e os EUA. O RU não comemora nada e os EUA, quando é ocasião, lembram que puseram fora a monarquia.

Portugal assim suicida-se.

 

Carlos A. Coimbra»

 

***

E o suicídio é o que os paridores desta trama bem urdida esperam para acabar com Portugal.

E o povo, tanso e manso, lá do alto das suas cátedras (pois não me refiro aos analfabetos, nem àqueles que têm apenas a quarta-classe do Ensino Básico), curvando-se, até bater com o nariz no chão, servem, muito subservientemente, a gleba brasileira.

Até dizem que a maior universidade brasileira fora do Brasil é a de Coimbra, consultem este link: https://www.dn.pt/sociedade/a-maior-universidade-brasileira-fora-do-brasil-e-esta-o-que-e-que-coimbra-tem-4874875.html

 

E é isto que temos, neste nosso pseudo-país.

Que saudades que eu tenho de Dom Afonso Henriques e de Dom Diniz! Nesse tempo, Portugal estava cheio de PORTUGUESES! Hoje, está cheio de LAMBE-BOTAS e PAUS-MANDADOS, nos mais altos cargos do País.
 

Universidade de Coimbra - 1.jpgOrigem da imagem:  https://www.cm-coimbra.pt/areas/visitar/ver-e-fazer/monumentos/universidade-de-coimbra

 

Esta já NÃO é mais a Universidade onde estudei, e que me deu a conhecer os VALORES de Portugal - o MEU País.

 

Hoje, esta Universidade de Coimbra, é a universidade dos traidores da pátria, que não têm um pingo de vergonha na cara, porque só tem vergonha na cara, quem tem HONRA.



Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:51

link do post | comentar | ver comentários (4) | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 16 de Agosto de 2022

«Degradação da Língua Portuguesa» - texto que veio de Toronto, e diz da preocupação das Comunidades Portuguesas em relação à destruição da NOSSA Língua (Parte II)

 

Então vejamos o que, nesta Parte II, nos diz Carlos M. Coimbra sobre a «Degradação do Português, sob os aspectos de Pronúncia/Fala, Preposições, Gramática, Deturpações/Estrangeirismos, Vocabulário estrangeiro, Manias/Maus-Hábitos e o Acordo [Ortográfico de 1990], que será tratado na Parte III, a publicar amanhã.

 

 

António Emiliano.png

por Carlos M. Coimbra

 

  1. Pronúncia/Fala

Ouço locutores (palavra que caiu em desuso), jornalistas, etc..., dizer 'vaículo' em vez de 'veículo', 'gratuíto' em vez de 'gratuito', 'periúdo' e não 'período', como exemplos.  

 

Garanto que uma vez ouvi na RTPi (porque nesse tempo só tinha a RTPi aqui), a quando da construção da estação de Metro no Cais do Sodré ou Terreiro do Paço (perto do rio), uma jornalista falar em problemas com a água no 'tonel' (em vez de 'túnel'); incrível, mas é verdade; tonéis eram o que tinha o meu avô na Beira Alta para guardar o vinho! E choca-me que jornalistas portugueses não conheçam a pronúncia do nome de certos lugares em Portugal, mesmo quando estão lá e quando entrevistam gente do local que diz o nome da maneira certa à frente deles! É o caso de Penacova, que é raro ouvir-se dito "Pênacova" (a não ser por Álvaro Coimbra, cuja família deve ser da área, pelo apelido). Quanto à fala, é um inferno ouvir tantos ãs, ãs, que poderiam ser aceitáveis em pessoas normais, mas nunca em jornalistas (como o director do Público) ou em ministros como Marta Temido. Até criancinhas de 5 anos já apanharam esse hábito. Creio que estrangeiros que não conheçam a língua poderão pensar que faz parte do idioma, tão prevalecente é esse 'tique verbal'. Antes de sair para o Canadá, participei num programa dirigido pela escritora Odette de Saint-Maurice na então Emissora Nacional, no estúdio da Rua do Quelhas (e fiz vocalização de desenhos animados na RTP). Na EN, tive a honra de trabalhar com actores da época, como Jaime Santos e Josefina Silva (esposa de António Silva). Gravávamos logo à primeira, e ninguém dizia ãs, ãs!... A preponderância dos ãs na corrente fala portuguesa não deve ser minimizada. Se ao menos os locutores actuais não fossem amigos de alguém e perdessem a gaguez e a mania de querer falar depressa demais... [Por outro lado, é-me grato não só ainda ouvir hoje dizer "se calhar", mas empiricamente achar que essa expressão é até mais usada que "talvez"!]

 

  1. Preposições e o seu uso

 

Já escrevi sobre a falta de esclarecimento quanto às preposições 'a' e 'em', e jornalistas dizendo "a norte" sem ser o caso de ser "a norte de Santarém", mas sim quando o correcto é dizer "no norte". Notei um exemplo no 24 Horas de 17/18 Janeiro, por Patrícia Machado. Mas há ainda o caso mais incrível de até dizerem "a norte do país", e isso aí costuma incorrer numa mensagem minha a lembrar que "a norte do país" é a Galiza. Hábito execrável que só ouço nos órgãos de comunicação portugueses é quilómetros-hora e (em anúncios) euros-mês. Não conheço outro país onde não entendam que esses termos são rácios, diferentes de kwh-hora, que são produtos. No meu tempo, tal não acontecia, e, no caso de km/h, dizia-se sempre 'por hora', ou 'à hora' ou 'horários'. Até já ouvi Marco Chagas, ex-corredor e agora comentador da Volta a Portugal, dizer km-h!! Na RTP, não imagino a razão para serem quase sempre omitidas preposições em cabeçalhos de notícias, tornando a "frase" por vezes incompreensível.

 

  1. Gramática Uso de Duplicar, verbo transitivo, como se fosse intransitivo

 

Nem no Brasil nem no Canadá dizem duplicar ou equivalente para indicar uma passagem ao dobro. "Esquecimento" de dizer 'de' quando se usa o verbo 'gostar'. Ninguém diz "gosto maçãs", mas ouve-se com frequência "aquilo que mais gostas"... E ouvi já tantas vezes narradores na RTP dizer "(ser) suposto", construção aparentemente imprópria em português, e que por acaso já foi tratada num segmento sobre a língua na própria RTP...

 

  1. Deturpações/Estrangeirismos

 

Uma coisa é usar termos estrangeiros (já lá chegarei no ponto que se segue). Outra coisa é usar palavras portuguesas erradamente, por influência de termos estrangeiros. Em conferências de imprensa de jogos de futebol, por exemplo, usam "questões" em vez de "perguntas" (influência do inglês), não ligando ao facto de "questão" querer dizer assunto, polémica. Ouço estender (influência do inglês) no lugar de prolongar, e apurar (em futebol) em vez de qualificar (influência de brasileiro influenciado pelo espanhol). Incrivelmente, já ouvi, inclusive na RTP, jornalistas dizerem "adições" como se em vez duma operação aritmética, a palavra fosse a descrição de "dependências" (de drogas), claramente uma transliteração do inglês (o que mereceu uma mensagem de reprovação minha...).

 

  1. Vocabulário estrangeiro

 

 

Aqui exponho termos estrangeiros na conversa, mesmo que se trate de conceitos antigos para os quais já existiam e existem termos em português, e não relacionados com nova tecnologia, como a Internet. Também se vê uma coisa que se eu mandasse, proibiria: nomes de lojas e firmas estritamente portuguesas (não multi-nacionais) em estrangeiro. Não vou referir anúncios de produtos, porque isso não se aplica à RTP Internacional, mas na generalidade digo que é indecente o uso de outras línguas (o inglês é ubíquo) em canais comerciais, tanto em palavras como músicas de fundo, chegando ao extremo de ser tudo em estrangeiro, com tradução em legendas. A lista poderia prolongar-se por páginas... Posso começar pelo próprio governo, que arranjou uma 'app' baptizada com o nome "StayAway Covid"! Felizmente esse impropério foi depressa esquecido, porque quase ninguém a usou. Antes dos clubes de futebol terem staff, quem geria o clube? E antes dos estádios terem speaker (RTP...), não havia locutor? Não havia senhas antes de haver passwords? Os vouchers não costumavam ser vales? As circulares agora são unicamente newsletters...

 

E então com os timings é que deixou de haver agendamentos ou ocasiões... Performance não é mais que desempenho em tecnologia, e actuação em palcos. Até vejo "artes performativas" na app RTP Palco! Drive-Thru usado em vacinações quando poderia ser Vacina ao Volante. Centros de Atendimento já haveria antes dos Call-Centers, assim como já existiam estâncias antes de haver resorts. Tantos termos usados como outsider, influencer, opinion-maker, briefing, CEO (este pronunciando as letras em inglês!, em vez de Director Executivo) e bullying (geralmente mal pronunciado, como se o y não estivesse lá, que é simplesmente intimidação). Ultimamente, a Liga dos Campeões passou a ser "a Champions" e as semi-finais de TUDO passaram a Final Four... E aqui a RTP não fica incólume, com nomes de programas como The Voice: o "The Price is Right" e o "Who wants to be a millionaire" permitem traduções do nome para apresentação em outros países, por isso... Ou RePlay, quando se podia chamar Volta Atrás ou Memória... E a programação na RTP também "adere": "Aqui Portugal" frequentemente inclui gente a cantar em brasileiro e espanhol! Que sentido faz isso? Pior ainda é ver "I love Portugal"! Ora então não ficava muito melhor, sem me ofender, O Portugal que eu amo? E vi agora na grelha da RTP Internacional "Portuguese Soul"! É escandaloso, seja qual for a explicação.

 

 Aliás, encontrar na RTP Internacional intervalos musicais cantados em estrangeiro, até por portugueses, é absolutamente contrário à declarada função desse canal. Música estrangeira tem quem está fora em demasia...  

 

E além disto tudo há a subserviência nacional aos estrangeiros, em que o Estacionamento do S. C. Braga indica com uma seta Entrada - Entrance! Será mesmo preciso? Ou uma lavandaria perto do Largo de Sta. Bárbara precisa ter um luminoso dizendo LAUNDRY? E ao Algarve Biomedical Center, que faz parte da Universidade do Algarve, como lhe é permitido adoptar esse nome em inglês? Pois se até ouvi o presidente Rebelo de Sousa (que NUNCA deveria ser chamado "Marcelo" por ser demasiadamente familiar e até afectivo, e tornando mais difíceis eventuais críticas) dizer que tinha um "feeling"...

 

  1. Manias/Maus-Hábitos

 

Para mim, a principal 'mania' é a de que tudo que é americano (com minúscula!) é norte-americano. A coisa começou no meu entender com Cuba, por exemplo Rádio Habana, dizendo "território libre en América" e para se distinguir, entendeu chamar aos "ianquis" norte-americanos. Daí chegou ao Brasil e com certeza foi daí que chegou a Portugal. Só que no Brasil já perderam esse hábito (na Globo ouço exclusivamente americano, como nos bons tempos em Portugal), e se alguém deveria querer essa distinção, seriam por exemplo os brasileiros, residentes das Américas, e não portugueses. Aliás, nem franceses nem espanhóis caíram nesse mau hábito. A mim, residente no Canadá, custa-me imenso ouvir isso, principalmente em respeito a estatísticas (Tantos % dos norte-americanos isto e aquilo). Aliás, por curiosidade, informo que há muitos anos, quando ouvia a RDP em ondas curtas, já tinham apanhado o hábito de dizer que estavam a transmitir para "os Estados Unidos da América do Norte e Canadá", isto é, até alterando o nome dos EUA. E ouvi na RTP acerca dum jogo de futebol entre o México e os EUA descrevê-lo como sendo entre o México e os "norte-americanos", quando o próprio México faz parte da América do Norte! Outro mau hábito é o desrespeito à língua dizendo sempre NATO. No meu tempo, era OTAN (como aliás se vê também escrito lá no quartel-general). Li no Livro de Estilo do Público que era para ser escrito sempre NATO, sem justificação. Mas a Globo, e jornais de países de língua romance como a Espanha e França, continuam a escrever OTAN, o que me envergonha. Ponto e vírgula é que passou a ser uma bandalheira. O decimal oficial na Europa é vírgula, e basta olhar para as contas de banco. Só que uns dizem ponto e outros vírgula. Vejo (inclusive na RTP) números escritos tanto com um como com o outro. E o mais curioso é que por vezes está escrita uma vírgula e é lido 'ponto'! Apareceu a moda das décimas, centésimas, etc... coexistindo com décimos, etc... Não imagino como, nem para quê, já que eu nunca tinha ouvido isso enquanto estive em, ou visitei Portugal. Invenções tontas. Contudo, sempre todos dizem duodécimos, nunca duodécimas... Portuguesices... E no meu tempo sempre aprendi que motocicleta podia ser abreviado para moto, mas não para mota (o que eu chamo "português de rua"). Só que hoje em dia é só motas!

 

Carlos M. Coimbra

(Continua)

 

(Amanhã será publicada a Parte III desta Lição de Português, que destacará o Acordo Ortográfico de 1990, o tal que NÃO tem razão de existir, porque nenhuma vantagem trouxe para Portugal).

 

***

Para os interessados em seguir esta brilhante lição, aqui deixo os links, para os restantes textos (o primeiro, inclusive).

 

(Parte I)

«Degradação da Língua Portuguesa» - texto que veio de Toronto, e diz da preocupação das Comunidades Portuguesas em relação à destruição da NOSSA Língua (Parte I)

 

(Parte II)

«Degradação da Língua Portuguesa» - texto que veio de Toronto, e diz da preocupação das Comunidades Portuguesas em relação à destruição da NOSSA Língua (Parte II)

 

(Parte III)

«Degradação da Língua Portuguesa» - texto que veio de Toronto, e diz da preocupação das Comunidades Portuguesas em relação à destruição da NOSSA Língua (Parte III)

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:11

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 15 de Agosto de 2022

«Degradação da Língua Portuguesa» - texto que veio de Toronto, e diz da preocupação das Comunidades Portuguesas em relação à destruição da NOSSA Língua (Parte I)

 

Procurando Jorge Miranda, Carlos M. Coimbra encontrou este texto no meu Blogue:


https://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/o-10-de-junho-a-lingua-portuguesa-e-a-379680.


E sobre este achado, Carlos Coimbra diz o seguinte:

«Posso dizer que partilho das suas críticas, objecções, etc...
E vou até mais longe, pois me preocupo e ofendo com todo o leque de maus tratamentos que andam a fazer ao idioma. Isto embora eu viva no Canadá, e por acaso vão fazer amanhã 59 anos que cheguei pela primeira vez a Toronto.»

 

Carlos Coimbra enviou-me também um texto seu, que é uma preciosa aula de Português, que tenho certeza que faria muito proveito a todos os acordistas destas áreas: jornalistas, comentadores televisivos, escritores, professores, presidente da República, primeiro-mimistro, ministros, deputados da Nação, políticos, autarcas, todos os que escrevem e falam MAL a Língua de Portugal

 

Sobre a origem do texto, Carlos Coimbra diz o seguinte:
 
«A partir dum certo tempo, mantive uma correspondência com o provedor da RTP, Sr. Jorge Wemans, até terminar o seu termo, no fim de 2020. Havia novo provedor indicado, mas o Conselho não gostou dele, e só quase no fim de 2021 é que entrou uma nova provedora. Pus-me em contacto com ela, e ela assegurou-me que também não gostava de certas coisas, especialmente do inglês a mais. Então prometi-lhe coligir uns apontamentos e mandar-lhe.


Então são esses apontamentos que aqui lhe envio, originalmente dirigidos à provedora da RTP.»

 

Antes de vos apresentar a preciosa Lição de Português de Carlos M. Coimbra (que será apresentada em três partes) devo acrescentar alguns comentários seus, muito pertinentes sobre a desgraça que se abateu sobre a Língua Portuguesa, que envergonha a Comunidade Portuguesa na diáspora, e os quais subscrevo inteiramente:


«Quanto a mim, o Brasil está a tomar conta da língua.
A pessoa que deveria ser o máximo defensor da língua, e que comenta tudo e mais alguma coisa, não o faz. E até vai a São Paulo (onde sempre me foi difícil fazer-me entender ao telefone!) prestigiar a reabertura do Museu da Língua Portuguesa (eu vi a reportagem na Rede Globo, onde falaram nos sotaques brasileiros, e apareceu Rebelo de Sousa entre outros, mas cujo nome nem foi mencionado - tenho gravação do áudio...).  

 

[E eu confirmo, porque ouvi. Acrescente-se que o filho de Marcelo Rebelo de Sousa, depois de andar com a família pela China, arranjou um cargo na EDP, em São Paulo, firma que foi uma das patrocinadoras da renovação do Museu, e é mencionada no fim do áudio do "Museu"... I.A.F.].


E recentemente veio a saber-se que esse Museu poderá estabelecer uma sucursal em Coimbra!  Ora essa, hem? Qualquer dia o meu português vai ser considerado como o Cantonês, um dialecto... Repare que o tradutor Google no sistema Android chama chinês ao Mandarim e não tem Cantonês. E pior para nós, só tem Português, mas pedindo uma tradução oral nessa língua, a voz fala "brasileiro".

E então agora, com a aprovação do Visto Para Procurar Trabalho (!), é que vai haver uma invasão de falantes de brasileiro, a ter o mesmo tipo de influência no português original que os escravos levados para o Brasil tiveram na língua que lá se falava.»

 

***

Nada mais verdadeiro! Nada mais demolidor! Nada mais incompreensível! Teremos nós governantes que DEFENDAM os interesses de Portugal? Não, NÃO temos.  

 

Isabel A. Ferreira

 

Mário Forjaz Secca.jpg

 

«Degradação da língua portuguesa»- Parte I

 por Carlos M. Coimbra

 

 From: Carlos Coimbra Date: Fri, 21 Jan 2022 07:05:53 -0500

To: Ana Sousa Dias

Prezada Dª. Ana Sousa Dias,

 

Como já avisei, permita-me que lhe recomende que só leia isto quando tiver bastante tempo à sua disposição, se não for uma imposição demasiada. Para ter uma ideia de quem sou, apresento-me: Andei sete anos no Liceu Camões (4 anos à frente de António Guterres, pelas nossas idades), e ainda fiz um ano no IST antes de ser trazido para o Canadá. Os meus empregos foram sempre a gerir computadores, começando por usar os que havia em 1963 e cedo me meti a programar, o que não era nada fácil naquele tempo. No liceu, nunca liguei muito ao português, mas nasci com queda para línguas e para raciocinar logicamente, que são coisas relacionadas (nem vou dizer as línguas que falo, nem descrever as eventuais responsabilidades em informática, para não mostrar peneiras demasiadas).

 

 Aposentado já há tempo, tenho ocasião desde há uns anos de ver canais portugueses e não só. Assim, os meus reparos quanto à língua poderão não ser necessariamente dirigidos à RTP, mas ela está incluída, como a Dª. Ana certamente reconhecerá. É-me mais conveniente escrever no telefone que no PC, mas se aparecer algum erro, deito a culpa para cima do teclado Google que gosta de fazer partidas, e irritantemente dá até prioridade à grafia brasileira (Antônio/António, gênero/género), coisa que já se vê me envergonha. Ouvindo o português que é falado hoje em dia por quem deveria dar o exemplo de correcção, o que sinto vai de tristeza até à raiva, passando por incredulidade...

 

Passando ao que interessa, acho que a Degradação da língua deva ser analisada sob vários aspectos. Começo com um comentário à parte. A Voz do Cidadão de 7 de Julho de 2020 consistiu duma colecção de 'respostas' a várias objecções do público, incluindo uma minha (de muitas), se não me engano, em último lugar. Foram essas respostas dadas por quem foi identificada como Sandra Duarte Tavares, "professora e consultora linguística". Mais tarde, o sr. Jorge Wemans descreveu-ma mais precisamente como Dr.ª Sandra D. Tavares, "mestre em Linguística Portuguesa pela Faculdade de Letras de Lisboa e professora do Ensino Superior na área da Comunicação, e consultora da RTP (televisão e rádio) para as questões relativas à língua portuguesa".

 

Fiquei estupefacto quando a primeira "resposta" dela foi dada a quem tinha protestado por ter acontecido algo na Costa da Caparica, mas ela estava a ouvir (tal como eu...) constantemente na RTP dizerem Costa de Caparica (nome errado). E essa Dr.ª Sandra entreteve-se a explicar que DA era a contracção da preposição DE com o artigo definido A, quando isso não tinha nada a ver com a queixa! Para mim, tal começo não augurou nada bem com o que viria depois... Achei que várias respostas foram impróprias (<"estado-unidense" é sinónimo de "norte-americano">, por exemplo), mas o mais sério foi que numa delas a Dr.ª Sandra descreveu algo como sendo da "variedade do português europeu"! Esse desprezo escandalizou-me, e escrevi uma crítica ao programa que enviei ao sr. Jorge Wemans.

 

***

[Realmente!!!!! Com dras. Sandras, sendo mestres em Linguística Portuguesa pela Faculdade de Letras de Lisboa e professora do Ensino Superior na área da Comunicação, e consultora da RTP (televisão e rádio) para as questões relativas à Língua Portuguesa, a NOSSA Língua deixa de ser LÍNGUA e passa a ser uma VARIANTE do Português europeu…. COMO DISSE??????? NÃO existe Português europeu. Muito menos uma variante do Português europeu. Existe uma LÍNGUA PORTUGUESA. Ponto final. As outras é que são VARIANTES. Ponto final. E quem não sabe isto NÃO deve ocupar cargos de consultadoria de Língua Portuguesa. Não tem competência alguma para tal. É por causa de gente assim, subserviente e vassala, que Portugal é um país onde os de fora mandam e os de dentro obedecem. Isabel A. Ferreira].

 

***

É com "especialistas" deste género que aconteceu ser feito um Acordo, sendo o português do país que o levou pelo mundo não considerado padrão, mas sim equivalente ao falado e escrito por aí fora.

Então vejamos a Degradação do Português, sob os aspectos de Pronúncia/Fala, Preposições, Gramática, Deturpações/Estrangeirismos, Vocabulário estrangeiro, Manias/Maus-Hábitos e o Acordo.

 (...)

Carlos M. Coimbra

[Amanhã será publicada a segunda parte deste texto] 

 

***

Para os interessados em seguir esta brilhante lição, aqui deixo os links, para os restantes textos (o primeiro, inclusive).

 

(Parte I)

«Degradação da Língua Portuguesa» - texto que veio de Toronto, e diz da preocupação das Comunidades Portuguesas em relação à destruição da NOSSA Língua (Parte I)

 

(Parte II)

«Degradação da Língua Portuguesa» - texto que veio de Toronto, e diz da preocupação das Comunidades Portuguesas em relação à destruição da NOSSA Língua (Parte II)

 

(Parte III)

«Degradação da Língua Portuguesa» - texto que veio de Toronto, e diz da preocupação das Comunidades Portuguesas em relação à destruição da NOSSA Língua (Parte III)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:25

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
15
16
17
18
20
22
24
25
28
29

.posts recentes

. «Protecção contra a corru...

. De Toronto, uma incursão ...

. «Em Luta pela Língua Port...

. «A Universidade de Coimb...

. «Degradação da Língua Po...

. «Degradação da Língua Por...

.arquivos

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Agosto 2023

. Julho 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.

.ACORDO ZERO

ACORDO ZERO é uma iniciativa independente de incentivo à rejeição do Acordo Ortográfico de 1990, alojada no Facebook. Eu aderi ao ACORDO ZERO. Sugiro que também adiram.
blogs SAPO