Terça-feira, 11 de Fevereiro de 2020

«O desacordo ortográfico vai perder esta guerra, a grafia original há-de prevalecer», ou seja, a do AO45, ainda em vigor em Portugal

 

O título desta publicação é um excerto de um dos comentários com que pessoas lúcidas brindaram Ascenso Luís Simões, deputado socialista, na Assembleia da República, e só podia ser socialista (pois não se arrogam os "donos" da Língua?) para escrever tamanha calinada no Twitter, conforme podem confirmar neste link:

https://twitter.com/ascenso_simoes/status/1226554294930989056?fbclid=IwAR2UeuRiqURwbSrRnNcqlMhxEjhDO2wZGGH9knFpfwxk6KH1AondBojOL5A

 

Como se em Portugal não houvesse pessoas PENSANTES, e todos fossemos muito parvos, para engolir as patranhas dos que querem levar adiante a negociata fraudulenta que envolve o AO90, e que os socialistas querem, porque querem, manter, por motivos obscuros, como todos nós sabemos.

 

Mas enganam-se.

Há gente atenta ao “AO90 Leaks”, que é tão “leaks”, como todas as outras vigarices que andam por aí a ser divulgadas.

 

O cerco aperta-se.

Os comentários ao Twitter do deputado socialista representam o pensar dos milhões de escreventes de Língua Portuguesa, que não se revêem nesta coisa ranhosa (*) chamada AO90.

 

Senhor Ascenso Luís Simões, vai desculpar-me, mas isto não pode ser dito de outra maneira: dizer que a Língua Portuguesa não pode ficar agarrada a uma visão e a um tempo marcados pelo colonialismo, é passar um atestado de ignorância a si próprio, pois demonstra um descomunal desconhecimento da Língua e da História Portuguesas, do tempo e da visão, nomeadamente da época colonialista(**). Que pobreza! Que tristeza!



Não fica nada bem a deputados da Nação, andarem por aí a debitar ignorâncias, que passam de boca em boca, sem a mínima filtragem, sem a mínima preocupação de se certificarem de que o que dizem corresponde à exactidão dos factos, repetem os disparates  que uns vão passando aos outros, tal como papagaios, numa tentativa obtusa de tornarem essas ignorâncias em verdades.

 

E isto não fica nada, nada, nada bem a deputados da Nação e a governantes. Ao menos tentem esclarecer-se, junto de quem sabe, para não passarem vergonhas.

 

(*) Coisa ranhosa, em linguagem informal, significa que é de má qualidade ou está em mau estado, algo que assenta como uma luva ao (des)acordo ortográfico de 1990. A Língua Portuguesa é riquíssima. Destruí-la é destruir um dos nossos maiores tesouros. E o Dr. Malaca Casteleiro deixou de ser um grande linguista no momento em que se vendeu ao Brasil. E o que fica dele é o seu contributo, de má memória, por tentar destruir a grafia portuguesa que como filólogo também deveria saber que não era mutilável. E pensar que foi pelas mãos de um "linguista" e "filólogo" que a Língua Portuguesa foi ameaçada de destruição! Foi ameaçada, não destruída, porque não vamos permitir tal destruição.

(**) Não querem uma ortografia do tempo colonial, mas querem a actividade selvática das touradas, do tempo da monarquia.

 

Isabel A. Ferreira

 

Capture1.PNG

Capture2.PNG

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:29

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2019

Cassete da política subjacente ao AO90 que os governantes portugueses estão a “engolir” sofregamente

 

Publiquei há dias, neste Blogue, mas também na minha página do Facebook, um texto intitulado «Nos Canais de Televisão, Para Além do AO90, Reina o Espírito da Imitação Bacoca», que pode ser consultado neste link:

https://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/nos-canais-de-televisao-para-alem-do-167463

Então, um cidadão brasileiro fez uns comentários iguaizinhos a tantos outros comentários que os Brasileiros espalham pelas redes sociais e Internet, qual cassete, bem orientada e gravada, reproduzindo a política subjacente ao AO90, papagueada pelos acordistas portugueses, e engolida pelos actuais governantes de Portugal que, subservientemente, entram no jogo político, onde as equipas são Brasil e Portugal.

 

Gerou-se então entre mim e esse cidadão brasileiro, uma troca de palavras, bastante elucidativa, que diz do que verdadeiramente está em jogo, quando falamos de Acordo Ortográfico de 1990.

 

CASSETE2.png

Origem da imagem: Internet

 

A propósito do “Espírito da Imitação Bacoca”:

 

José Augusto Fondeca: Isso se chama "influência". É inevitável. Os EUA influenciam o Brasil e, o Brasil influência seus pares menores como Portugal e Moçambique. A música, a política e a cultura brasileira é largamente difundida em Portugal, mas o oposto não ocorre!

 

Isabel A. Ferreira: Como disse? O Brasil «influencia seus pares menores como Portugal e Moçambique?» Menores em que sentido? Territorialmente ou culturalmente?

 

José Augusto Fondeca: Isabel A. Ferreira em ambos! O Brasil está entre as 10 maiores economias do mundo; possui 209 milhões de habitantes; etc... Não há como negar que se trata de um gigante. Não há como não ser um influenciador...

 

Isabel A. Ferreira : José Augusto Fondeca discordo de si. O Brasil, actualmente, não está em condições de "influenciar" quem quer que seja, nem a nível político, nem social ou cultural. Ter 209 milhões de habitantes e estar entre as 10 maires economias do mundo, só diz do seu tamanho. O Brasil é o país mais violento do mundo; a cultura, o ensino, a educação deixam muito a desejar, entre outras questões, e não é de todo um bom exemplo para o mundo. Não se iluda com o TAMANHO. Nos menores frascos é que se encontram as melhores essências. E ao Brasil, neste momento, falta a essência.

Não quero dizer com isto que o Brasil não venha a ser uma grande potência a longo prazo. Neste momento não é. Ainda têm muito, mas muito que fazer para lá chegar.

Mas estou a torcer para que seja.

 

Isabel A. Ferreira: José Augusto Fondeca o "gigante" Brasil, neste momento está reduzido a anão. E não está a influenciar beneficamente, na questão da Língua. E não me parece que cada vez será mais influente... Estamos a trabalhar para que não seja, porque Portugal é um país europeu. Não é um país sul-americano. Esqueceu-se?

 

José Augusto Fondeca: Isabel A. Ferreira não estou a julgar o tipo de influência. Estou a atestar que a influência existe e será cada vez mais forte. 209 milhões de falantes é um número muito expressivo. Uma economia forte e cultura larga são características que levam um país a influênciar outros. O Brasil tem muitos problemas. Mas não diminui seu poder nem sua grandeza. Sua belíssima crítica analítica sobre o uso do português brasileiro na imprensa portuguesa é prova incontestável de que o gigante Brasil está a adentrar Portugal... E vossa crítica é valida! Afinal, se Portugal não reforçar sua língua e cultura, seus 10 milhões de habitantes estarão a falar o português dos 209 milhões de brasileiros em muitos pouco tempo!

 

Isabel A. Ferreira: José Augusto Fondeca acontece que os Portugueses NÃO QUEREM que o Brasil se ADENTRE em Portugal. Temos culturas diferentes, falamos uma língua diferentemente, temos a nossa CULTURA EUROPEIA, não a queremos sul-americanizada, como a brasileira está norte-americanizada.

Não queremos falar a língua que 209 milhões de brasileiros falam, porque não somos brasileiros.

Isso jamais acontecerá, porque somos EUROPEUS. Os Ingleses jamais se interessaram pela linguagem que os milhões de norte-americanos e australianos falam. Somos poucos, mas somos EUROPEUS.

 

José Augusto Fondeca : Outro fator importante a ser considerado é que o Brasil é o maior produtor de conteúdo lusófono do mundo. O Brasil também possui a segunda maior rede de comunicação do mundo, com 100% de conteúdo em português brasileiro. A TV brasileira já adentrou Portugal e já figura nela há muito tempo através das novelas. Na internet, a maioria do conteúdo em português existente é brasileiro. A Disney americana já produz versões de seus conteúdos em português brasileiro. Em Nova York existem lojas com funcionários falantes da língua portuguesa do Brasil. Observe que é uma influência difícil de negar. Portugal terá que fazer uso de grande esforço para manter sua língua original... O que pensas disto?

 

Isabel A. Ferreira : José Augusto Fondeca a cultura novelística brasileira não nos interessa. O "brasileiro" que circula na Internet é de má qualidade. Também não nos interessa que o BRASILEIRO esteja implantado por aí, porque é BRASILEIRO, não é o PORTUGUÊS, reconhecido pelos países europeus.

 

Isabel A. Ferreira: Não percebe que a vossa implantação por aí é implantação BRASILEIRA? E a Europa sabe distinguir o que é português e o que é brasileiro: duas coisas diferentes, que jamais se fundirão.

 

Isabel A. Ferreira : A vossa tentativa de nos colonizar pela língua será o vosso maior falhanço. Neste momento parece, e apenas parece, que estão a dar cartas. Mas é uma ilusão. Pode crer. O Brasil jamais será uma potência sul-americana com este tipo de atitude colonialista. O colonialismo é coisa do passado. O seu discurso é o de um ex-colonizado com ganas de colonizar. E a isto chama-se complexo de inferioridade. Não se dá conta disto?

 

José Augusto Fondeca : Portugal está a se render à cultura brasileira. Isto é um fato inquestionável.

Embora não seja do gosto de alguns poucos portugueses, é visível que os jovens portugueses adoram a música brasileira e andam a cantar por toda parte.

A mídia televisiva de Portugal já está a adotar palavras do vocabulário do Brasil, tal qual atesta seu artigo.

As emissoras de TV brasileiras registram o sucesso expressivo das telenovelas junto ao público português que consome o conteúdo brasileiro.

Se Portugal já consome a música, a TV e a imprensa brasileira, não há como evitar que em breve se fale como no Brasil.

Com exceção a alguns portugueses tradicionais, a grande maioria consome conteúdo em português do Brasil. Afinal, é inevitável já que a maior parte está escrito em português do Brasil!

Seu artigo atesta isso com fatos!

 

Isabel A. Ferreira : José Augusto Fondeca vamos lá a ver, Portugal não está a render-se à cultura brasileira. Quem está a render-se à “cultura brasileira” (a designação é sua, eu chamo-lhe outra coisa), são apenas os escravos do poder, e uma fatia do povo português, ainda muito inculta. A fatia culta do povo português não se rendeu e jamais se renderá a uma intromissão estrangeira, ainda por cima de fraca qualidade.

 

Você está a confundir tudo. Estamos aqui a falar de LÍNGUA PORTUGUESA. Não estamos a falar de música, nem de novelas. É óbvio, que nós, portugueses, eu incluída, gostamos da MÚSICA BRASILEIRA, bem como gostamos das músicas portuguesa, francesa, italiana, inglesa, norte-americana. Os jovens portugueses cantam as músicas brasileiras, tanto quanto cantam e dançam ao som das outras todas que mencionei. Não se julguem exclusivos, nos nossos gostos, porque não são. Nem pouco mais ou menos.

 

E nós, Portugueses, a gostar ou a NÃO GOSTAR, não somos poucos. Somos muitos mais do que possa imaginar. Não se julguem os “reis do pedaço”, porque não são.

 

Apenas os MEDIA televisivos, escravos do Poder estão a adoptar vocabulário brasileiro, porque a legendagem, ou está na mão de brasileiros, ou de paus-mandados dos políticos.

 

E é bem verdade que as novelas brasileiras são do agrado de muitos portugueses (não de todos), até porque existe uma força oculta que os quer alienados, então encharcam-nos de novelas, futebol e reality shows de muito má qualidade.

 

Você deve viver numa bolha de ilusão, se pensa que Portugal está rendido ao Brasil, e brevemente andará por aí a falar à brasileira. Engana-se. Como já disse, apenas os escravos do Poder, se renderam à brasilidade. Portugal sempre soube livrar-se de invasores muito mais poderosos, e não será agora que se deixará ocupar por um Brasil que oferece novelas, música e uma língua mal falada e mal escrita. O ensino da Língua no Brasil é péssimo, e isto são os próprios brasileiros cultos que o dizem.

 

E engana-se quando faz menção a portugueses “tradicionais”. Os portugueses que combatem esta invasão da linguagem brasileira, são tudo menos tradicionais. São FUTURISTAS. VISIONÁRIOS. Têm ESPÍRITO CRÍTICO e não se vergam à mediocridade que que se quer impor a Portugal.

 

A sua visão de tudo isto, parece ser a de alguém que anda por aí a vender gato por lebre. Mas nem todos os Portugueses andam a dormir.

 

E engana-se. O meu artigo não atesta isto com “fatos”. O meu artigo apresenta FACTOS, cujo significado vai muito para além do entendimento de mentes que se escudam dentro de uma bolha ilusória e acham que são os “reis do pedaço”, quando são apenas meros peões.

 

(Aguardo resposta)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:37

link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 6 de Abril de 2018

«ACORDO ORTOGRÁFICO: COLONIZAÇÃO DA LÍNGUA?»

 

Entrevista com Maria João Cantinho (***)

 

Maria-João-Cantinho-3-696x360.jpg

 

Por: João Morgado

 

(As frases a negrito, são notas marginais, da autora deste Blogue)

 

Maria João Cantinho, poetisa, ensaísta, veio ao 29º Colóquio da Lusofonia, em Belmonte, para falar de Lusofonia. Espaço para uma conversa em que reconhece, ser ainda um tema algo controverso. “Há quem não goste do termo, achando que ele traz em si inscrito o traço do colonialismo”.

 

(Sou uma das que não gosta do termo, que tresanda a colonialismo.)

 

Tantos e tantos anos depois ainda perdura esse nojo da língua do antigo poder? Maria João acha que sim. “Nos congressos, quando se fala das questões da lusofonia, é muito habitual surgir a expressão… a língua portuguesa é a língua dos estrupadores da minha avó, o que é muito violento.”

 

(Eventualmente, muito eventualmente, só poderão falar nestes termos os indígenas brasileiros e os descendentes dos antigos escravos africanos; os outros, os que tiveram avós brancas não sabem do que falam, e o que falam é fruto de uma lavagem ao cérebro marxista).

 

Se assim falam os brasileiros, assim devem falar muitos luso-falantes de África, avisa a poetisa. E, se assim é em meios académicos, temos de nos perguntar se é uma linha de uns tantos activistas sociais ou um pensamento que permanece impregnado nas populações desses países. Em todos os casos, importa perceber porque permanecem abertas essas feridas históricas, de uma língua que atravessou séculos, povos, gentes.

 

Maria João entende que na vastidão da história “os tempos da colonização ainda representam uma ferida recente”. Talvez tenha razão, talvez seja ainda uma memória demasiado próxima, vivida por uma geração mais velha e uma herança dolorosa que passou para uma geração que é hoje activa e interventiva. Mas ainda estamos presos na história?, pergunto. A língua portuguesa não evoluiu, não abriu novos horizontes, não deu palavra a novas realidades? Talvez esse caminho esteja a ser feito. Maria João Cantinha sublinha que, se perguntarmos aos brasileiros pela língua que falam, “eles respondem que falam a língua portuguesa – não brasileiro –, por isso reconhecem a sua identidade cultural dentro da língua portuguesa”.

 

(Não me parece que assim seja. Se os brasileiros respondem que falam Português, então por que “exigem” que traduzamos os nossos livros para “brasileiro”?)

 

É esse o desafio que ainda temos pela frente, fazer de uma língua colonizadora a nossa língua colectiva do presente e do futuro. “Não são várias línguas a falar português, mas sim uma só língua com ramificações, variantes, matizes, diferentes acentos e novas palavras, mas que vivem em torno de uma unidade. A uniformidade do Acordo ortográfico? Maria João discorda.

 

(Também eu discordo. Jamais haverá uma uniformização linguística entre Portugal e as suas ex-colónias. Hoje elas são países livres, autónomos, com uma linguagem própria e não têm de andar “coladas” à língua colonizadora. Não têm. E muito menos, Portugal tem de adoptar a grafia de uma ex-colónia).

 

O acordo é uma imposição artificial e imposta. Não é tido como necessário. Surge como uma imposição exterior. E a quem é imposto, não a reconhece como seu.”

 

Entende que na expressão brasileira o acordo não mexeu muito com a forma de falar e escrever, mas no caso do português de Portugal, sim, veio mesmo a “desfigurar a língua e a nossa relação com as palavras. Estamos a perder a nossa raiz latina…” Consequências? “Qualquer dia não saberemos descortinar a origem etimológica das palavras”.

 

(É verdade que na expressão brasileira o acordo não mexeu com a forma de escrever e muito menos com a forma de falar. Em Portugal mudou tudo. A forma de escrever e a de falar, porque quando se escreve “arquiteto” por exemplo, o correcto é pronunciar “arquitêto”. Se se pronuncia “arquitéto” está errado. É como a pronúncia de “ganhar”, que em bom Português se diz “gânhar”, e o que se ouve por aí, a torto e a direito, é “gánhar”. Está errado. Em Portugal, fala-se e escreve-se muito mal).

 

Mas a verdade é que estamos no olho do furacão, metade do país segue o acordo e a outra metade está em desacordo. Como saímos desta encruzilhada? “Por enquanto ainda escrevemos como nos apetece, mas tudo vai mudando. Por exemplo, escrevo para o Jornal de Letras e eles corrigem!” Ou seja, mesmo que não esteja oficializado em todos os países de fala oficial portuguesa, aos poucos o acordo ganha terreno, vai-se impondo.

 

(Só se vai impondo porque os Portugueses não se impõem, não batem o pé, não exigem que seja devolvida a Portugal a grafia portuguesa; porque os que escrevem em Língua Portuguesa não deveriam escrever para jornais acordistas; porque na hora de votar deveriam penalizar os partidos que defendem a colonização da Língua Portuguesa).

 

Ao fim desta conversa resta a pergunta: é o novo Acordo Ortográfico o novo poder colonizador sobre a língua?

 

(A resposta é sim. Este acordo ortográfico só é o novo poder colonizador da Língua Portuguesa. Os motivos, esses, são os mais obscuros).

 

***

 

(***) Maria João de Oliveira Sequeira Cantinho (Lisboa, 1963), é uma autora portuguesa, licenciada em filosofia, premiada no campo do ensaio e da poesia. Colabora regularmente em várias revistas académicas e literárias, publicou várias obras de ficção, ensaio e de poesia. É investigadora do CFUL (faculdade de Letras) e do Collège d’Études Juives da Universidade da Sorbonne. É editora da revista digital Caliban. É membro da direcção do PEN Clube Português, da APE (Associação Portuguesa de Escritores desde 2014) e da APCL (Associação Portuguesa de Críticos Literários).

 

Fonte:

https://www.imperativoonline.pt/2018/04/05/acordo-ortografico-colonizacao-da-lingua-entrevista-com-maria-joao-cantinho/

 

***

Tudo conduz à colonização da Língua.

 

O AO90 não era necessário. Ninguém o pediu. Ele está a ser imposto. As palavras mutiladas vêm do "brasileiro". No Brasil já não se estuda "Português", disciplina que foi substituída por "Comunicação e Expressão". Já não se ensinam os Clássicos da Literatura Portuguesa.

 

Na sua esmagadora maioria o povo brasileiro escreve mal, e necessita de que se traduzam os livros escritos em Língua Portuguesa para o "brasileiro". Isto é um facto.

 

Neste momento, em Portugal, apenas os subservientes adoptaram uma grafia assente na grafia brasileira e, por mera ignorância, mutilam as palavras, a torto e a direito… E instalou-se uma outra ortografia: o vergonhoso mixordês.

 

Enfim, uma balbúrdia! Tanto cá, como lá…

 

E nesta balbúrdia não estão incluídas as restantes ex-colónias: Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau e Timor. Cabo Verde passou a Língua Portuguesa para segunda língua. Língua estrangeira.

 

E isto é muito significativo da inutilidade deste acordo, que está a destruir a Língua Portuguesa, apenas em Portugal.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:45

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Domingo, 11 de Março de 2018

«LÍNGUA DE PAPEL»

 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 848 (Cabo Verde) de 28 de Fevereiro de 2018

 

https://expressodasilhas.cv/opiniao/2018/03/06/lingua-de-papel/56891

 

Os Crioulos de Cabo Verde mostram-se cada vez mais vigorosos, procurando o seu "espaço" - artigo de Eurídice Monteiro, no qual esta investigadora e docente universitária cabo-verdiana aborda os Crioulos de Cabo Verde, num texto escrito em Língua Portuguesa.

 

Recorde-se que o Crioulo Cabo-verdiano passou para "língua primeira" no sistema de ensino, relegando a Língua Portuguesa para "língua segunda", ou seja para "língua estrangeira".

 

Enche-nos a alma ler um texto num Português escorreito.

 

EURIDICE.jpg

 

Por EURÍDICE MONTEIRO

​ ​

6 Mar 2018

 

«Para a valorização do multilinguismo e da diversidade linguística e cultural dos povos, assistimos à comemoração, a 21 de Fevereiro, do Dia Internacional das Línguas Maternas, por expediente da UNESCO e com o apadrinhamento das Nações Unidas.

 

Não é segredo que, particularmente no mundo moderno ocidental, desde o longínquo século dezasseis e em especial com a intensificação dos processos de   globalização cultural, política, financeira e económica em curso, as línguas do poder e do saber científico têm estado relacionadas com a expansão imperial. É por esta razão que, nas emergentes sociedades crioulas, como a nossa, fruto do colonialismo europeu no além-mar e com pouco mais de quinhentos anos de história, a situação linguística caracteriza-se, ainda nos dias da actualidade, pela coexistência hierarquizada entre uma língua europeia oficial e uma língua local (ou várias línguas locais).   

 

É ainda mais profundo esse fosso quando se vislumbra que as línguas coloniais, consideradas – desde a revolução científica de Copérnico, Galileu e Newton – como línguas científicas e veículo do saber moderno, continuam a ser adoptadas como veículo, por excelência, de difusão da literacia. Daí o carácter subalterno que muitas línguas maternas ainda detêm, por as línguas coloniais e o sentido colonial do poder as terem relegado a um estatuto ideológico inferior. Constata-se que um dos fenómenos que tem permitido a perpetuação desta situação de subalternidade das línguas maternas é talvez a inexistência de escrita e a acentuada força da oralidade, fenómenos que são descartados do quadro de legitimação de conhecimento da modernidade ocidental.

 

Tomando, em parte, estas asserções podemos entender melhor o que tem acontecido com as duas línguas em Cabo Verde. Proliferam-se, hoje, estudos sociais, culturais e linguísticos em torno do crioulo cabo-verdiano ou da língua caboverdiana, destacando-se, pelo menos desde princípios do século vinte ao início do terceiro milénio, a contribuição de uma multiplicidade de renomados estudiosos nacionais e estrangeiros (Adolpho Coelho, António de Paula Brito, Baltasar Lopes da Silva, Dulce Almada Duarte, Armando Napoleão Rodrigues Fernandes, Donaldo Macedo, Deirdre Meintel, António Carreira, Dulce Fanha Pereira, Manuel Veiga, Nicolas Quint, Jürgen Lang, Marlyse Baptista, Itzel Salas Barrena, Adelaide Monteiro, Dominika Swolkien, entre outros mais ou menos conhecidos).

 

Admite-se que, não obstante as excepções, a língua cabo-verdiana tem sido confinada ao domínio do privado, tratada como uma língua materna, de comunicação na família, da oralidade, das situações informais de comunicação e, já agora, da comunicação instantânea nas redes sociais; ao passo que a língua portuguesa – que, contrariamente à primeira, é uma língua estandardizada de há séculos – tem sido remetida para o domínio público, sendo a língua oficial e do ensino formal, da escrita, dos meios de comunicação social, das relações internacionais e das demais situações formais de comunicação. Tornou-se uma verdade corriqueira reconhecer que a língua cabo-verdiana é, por excelência, uma língua da oralidade, enquanto a escrita se afigura quase restrita à língua portuguesa.

 

A distribuição do espaço destinado a cada uma revela a interiorização das dicotomias impostas pelo discurso colonial. Por outras palavras, apesar do uso informal (oral) da língua cabo-verdiana tenha sido sempre indexado, antes e depois da independência,  um forte sentido de solidariedade identitária e, em certos contextos, de resistência cultural em Cabo Verde e na diáspora, este uso é menos valorizado ou inclusive indesejado nos contextos públicos, mormente na administração, na educação, na comunicação social e nas relações externas.

 

Kwame Appiah não ignora a persistência do estatuto oficial das línguas coloniais nos territórios africanos outrora colonizados pelos países europeus, chamando a atenção para o facto dessas línguas europeias, portanto estrangeiras, cujo domínio antes havia marcado uma elite colonial, tenham-se transformado em marcas de status nas sociedades ex-colonizadas, preciosas demais para serem abandonadas pela classe que doravante herdou o Estado colonial. Isto é tanto mais sintomático na concepção de MyersScotton, que chega a identificar o que designa por elite closure, ou seja, retrata a estratégia de demarcação do acesso a uma elite, pela via da fluência da eurofonia (língua oficial). Na mesma linha, Étienne Balibar refere que “L’héritage du colonialisme est en réalité une combinaison fluctuante d’extériorisation continuée et d’exclusion intérieure.”(***) Em boa medida, isto ajuda a compreender as disparidades no investimento e na valorização das línguas.

 

Em Cabo Verde, ao contrário do que aconteceu com muitas línguas em outros contextos de enfrentamento, que foram completamente assimiladas por línguas socialmente dominantes ou deixarem de ter falantes, a língua materna resistiu. Constata-se que, cada vez que uma língua se extingue, desaparece com ela a memória cultural do grupo a que pertencia, de maneira que a afirmação das línguas locais, em certa medida, constitui um instrumento fundamental para a valorização dos conhecimentos do povo que a pratica. Posto isso, e se é verdade que a afirmação da língua cabo-verdiana potencializa a revitalização dos saberes catalogados como tradicionais, não é menos verdade que tais saberes deram também grandes impulsos para que a língua cabo-verdiana, para além de ter resistido, reclame um novo estatuto, o de língua oficial, em paridade com a língua portuguesa. Ou seja, o seu reconhecimento nas situações formais de comunicação e o seu desenvolvimento na comunicação escrita, até torná-la, quem sabe talvez um dia, também uma língua de papel, o que ela ainda não é.»

 

(***) «O legado do colonialismo é realmente uma combinação flutuante de exteriorização contínua e de exclusão interna.»

LINGUA MATERNA.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:05

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 8 de Novembro de 2016

AO REDOR DO AO90

 

É muito triste e grave o que está a passar-se ao redor do AO90.

 

O AO90 assenta numa incompreensível mas existente LUSOFOBIA, que abordarei apresentando FACTOS.

 

Dêem-me tempo. Estou a fazer uma recolha de informações a este respeito.

 

A subserviência do governo português ao Brasil chega a ser semelhante à do antigo escravo ao seu antigo senhor, com medo de ir para o tronco e de levar mil chicotadas.

 

Qual o motivo deste novo servilismo?

 

Teremos de recuar no tempo e ir seguindo as pegadas de um colonialismo invertido…

 

ESCRAVATURA.jpg

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:59

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. «O desacordo ortográfico ...

. Cassete da política subj...

. «ACORDO ORTOGRÁFICO: COLO...

. «LÍNGUA DE PAPEL»

. AO REDOR DO AO90

.arquivos

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. a href="https://www.facebook.com/portuguesdefacto/" target="_blank">https://www.facebook.com/portuguesdefacto/

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 é uma fraude, ilegal e inconstitucional

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram oficialmente a não vigência do acordo numa reunião oficial e os representantes oficiais do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO