Sexta-feira, 3 de Janeiro de 2020

AO90: o maior erro histórico desde a fundação de Portugal, em 1139

 

Nem o Rei mais avoado, cometeu a insensatez de estrangeirar a Língua herdada de Dom Diniz, o Rei Trovador. Nenhum dos mais incompetentes governantes republicanos jamais se rebaixou ao poder estrangeiro. Tinha de vir um socialista (José Sócrates) e um social-democrata (Cavaco Silva) já na era pós-25 de Abril (que se arma em democrata), para substituir a grafia portuguesa, pela grafia de uma ex-colónia que desprezou a língua que herdou, mutilando-a e desenraizando-a das suas nobres origens europeias.  

 

Vem isto a propósito do comentário que recebi de Sérgio Lopes, ao meu texto «(Des)concerto de Ano Novo».

 

ESCRITORES.png

 

Sérgio Lopes comentou o post (Des)concerto de Ano Novo às 00:26, 03/01/2020 :

Isabel, pode fazer chegar ao Senhor ministro mais isto, sff? https://www.ufmg.br/online/arquivos/015374.shtml

 

***

Caro Sérgio Lopes,

 

Não sei a que senhor ministro se refere. O primeiro-ministro? O dos Negócios (DOS) Estrangeiros? O da (Des) Educação? Na dúvida, faz-se chegar isto a todos. E a mais alguns.


Não sei se tudo o que lhes envio é lido por eles ou não. Alguns têm a amabilidade de me responder. Outros, não. Tenho cá para mim, que talvez leiam, quando muito, por mera curiosidade. Se lêem e levam em conta o que lhes envio, isso é outra história.

 

Mas o que lhe quero dizer, caro Sérgio Lopes, é que é devido aos “marios perinis” brasileiros que se escreve e fala tão mal no Brasil. (Atenção! E isto não é ser xenófoba ou racista, como os ignorantes gostam de me taxar. Isto é relatar um facto. Certo?).

 

Esses “marios” transformaram o que ainda chamam “Português” (porque lhes dá jeito, para parecer que têm um idioma a sério) numa linguagem que já não é a portuguesa. Nem pouco mais ou menos.



Todos os que estudam Línguas estrangeiras (Inglês, Francês, Alemão, Castelhano) estudam a GRAMÁTICA como ponto fundamental de partida para uma LINGUAGEM ESCRITA ESCORREITA, porque é a escrita (e não a oralidade) que fixa o pensamento, algo que no Brasil se perdeu por completo. Nenhum país com uma Língua Íntegra, abdica da aprendizagem da Gramática. Nenhum. E todos fixaram a Língua.

 

Apenas países, com índices elevados de analfabetismo, como é o caso único do Brasil e de Portugal, se atiram para a triste aventura de simplificar o estudo da Língua, apenas porque ao Povo, conduzido por políticas e políticos culturalmente pobres e ignorantes, não lhe deram oportunidade de desenvolverem capacidades intelectuais para uma primorosa aprendizagem. E isto só acontece no Brasil e em Portugal. Em mais nenhum país do mundo civilizado.



O Brasil abdicou do estudo do Português e da Gramática (que foram substituídos pela disciplina «Comunicação e Expressão» paupérrima em saberes), simplesmente porque está-se nas tintas para a Língua herdada do colonizador, a pedra no sapato dos brasileiros que sofrem da “síndrome do colonizado”, e apenas destes, o que os impede de avançar culturalmente, mas não só. Os “marios”, que espigam no Brasil como uma lepra, não contentes com os estragos que já fizeram no que respeita à Língua herdada do repudiado colonizador, pretendem estender esses estragos à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. Mas não vão conseguir.

 

São os que sofrem da “síndrome do colonizado” que suspiram por algo que nunca acontecerá: «Se tivéssemos sido colonizados pelos Ingleses seríamos os Estados Unidos da América do Sul…».  Este sonho americano dos “marios” está assente numa gigantesca ignorância. Aos “marios” da Língua juntam-se os “marios” da História que, no Brasil, é ministrada de um modo completamente pervertido, induzindo os desventurados alunos a monumentais erros, que depois espalham por aí (a Internet está cheio deles) numa lamentável demonstração de ignorância, também monumental, sobre a realidade histórica, que não pode ser sonhada, mas tão-só admitida tal como ela foi. Não podemos reescrever a História, tal como ela aconteceu. O que podemos é aprender com os erros da História, para não os repetir no futuro.

 

Lamento muito que, passados tantos anos, desde que frequentei escolas brasileiras, nada tenha mudado para melhorar o Ensino, muito pelo contrário, comprovo que tudo piorou desastrosamente.

 

O Brasil, sendo um país grande, jamais será um grande país, enquanto não aceitar o seu passado português e a História comum a todos os países colonizadores. Enquanto não aprenderem que a HISTÓRIA não se faz sobre aquilo que nós gostaríamos que tivesse acontecido, mas sobre a realidade que caracteriza cada época.


Os Brasileiros desconhecem que, de todos os povos colonizadores (Espanhóis, Ingleses, Franceses, Holandeses), os Portugueses foram os menos cruéis, os menos destruidores, os menos racistas, e os que deixaram um maior legado cultural, algo que os Brasileiros pós-1822, não souberam absorver nem valorizar, fechando-se, infortunadamente, no seu “complexo de vira-lata”, conforme lhe chamou o dramaturgo e escritor brasileiro Nelson Rodrigues, o que os impediu de crescer.

 

Portanto, meu caro Sérgio Lopes, mandarei esta resposta ao seu comentário, a todos os ministros, para que eles próprios possam tirar ilações e escrever, ao menos, uma página sem nódoas, na nossa História Coeva, extinguindo aquele que foi o maior erro histórico, desde a fundação de Portugal.

 

É que nem o Rei mais avoado, cometeu a insensatez de estrangeirar a Língua herdada de Dom Diniz, o Rei Trovador.  Nenhum dos mais incompetentes governantes republicanos jamais se rebaixou ao poder estrangeiro.

 

Tinha de vir um socialista (José Sócrates) e um social-democrata (Cavaco Silva) já na era pós-25 de Abril, que se arma em democrata, para substituir a grafia portuguesa, pela grafia de uma ex-colónia que desprezou a língua que herdou, mutilando-a e desenraizando-a das suas nobres origens europeias.

 

Por conseguinte, meu caro Sérgio Lopes, dispensamos todos os “marios”.

 
Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:01

link do post | comentar | ver comentários (5) | adicionar aos favoritos (1)
partilhar
Terça-feira, 1 de Agosto de 2017

Todos sabemos que o "Brasileiro" vai predominar no Brasil

 

A propósito de um texto que escrevi neste Blogue, um D. Sebastião brasileiro enviou-me o comentário reproduzido adiante, que dispensava qualquer comentário, mas não resisto a responder-lhe, porque este blá-blá-blá imbuído do complexo de vira-lata, tão bem caracterizado pelo escritor brasileiro Nelson Rodrigues, diz bem da ignorância de uma fatia da população brasileira que envergonha o Brasil, como nação independente, desde 1822.

 

CULTURA.jpg

 

D. Sebastião comentou o post O que os brasileiros incultos acham da Língua Portuguesa às 22:49, 31/07/2017 :

 

Acordem! Nem sem Sonho! Todos sabem que o português brasileiro vai predominar. Mas, chamo português só por convenção, pois tenho certeza que nós brasileiros e vocês portugueses não falamos o mesmo idioma. Os brasileiros deram uma identidade própria ao idioma falado e produziram uma das línguas latinas mais bonitas, mantendo a musicalidade própria das línguas românicas. Enquanto, vocês transformaram a sua língua portuguesa antiga numa das línguas com a sonoridade mais feias do mundo, com a sonoridade de uma língua da Europa oriental. Sua língua vai ficar restrita à Europa e às ex-colônias africanas. Aliás, até mesmo na Europa, ainda que estejam ensinando a "variante" européia, os estudantes logo vão se interessar pela língua dos brasileiros, adotando ela como modelo. Escreva aí o que eu estou prevendo!

 

***************************************************

 

Se ao menos este D. Sebastião não se acobardasse por detrás de um nome de Rei Português! Mas é dos cobardes não darem a cara.

 

Com isto começo por dizer que os Portugueses estão bem acordados, e nem em sonhos sonham que algum dia a língua que os Brasileiros mutilaram, por mera questão anticolonialista, eivada de um inexplicável complexo de inferioridade, venha a ser língua oficial portuguesa.

 

Não chame “português” nem que seja apenas por convenção à língua que os Brasileiros utilizam, porque na verdade não passa de uma variante (= dialecto)  oriunda da Língua Portuguesa, que foi rejeitada, no Brasil, em 1945. E isso não é problema nosso.

 

O Brasil, depois que se libertou do jugo de Portugal, foi livre de escolher as suas políticas, a sua língua, o seu rumo, a sua evolução.

 

Não foi capaz de avançar. E isso também não é problema nosso.

 

Os Brasileiros deram uma identidade própria ao idioma português, e produziram um linguajar brejeiro, engraçado, que eu, pessoalmente, gosto bastante, quando é bem pronunciado. Tem expressões fabulosas e é agradável de ouvir. Tem musicalidade, sim, mas não a musicalidade própria das línguas românicas, porque as línguas românicas são línguas integrais, e a musicalidade delas nada tem a ver com o “brasileiro”. Nem pouco mais ou menos.

 

Não é, com toda a certeza, uma das línguas latinas mais bonitas, porque nem sequer é língua. É simplesmente, como já referi, uma variante da Língua Portuguesa, essa sim, uma das mais belas e ricas línguas europeias, segundo a apreciação dos povos cultos e civilizados do mundo.

 

A sonoridade da Língua Portuguesa é uma sonoridade de uma língua europeia, culta e bem estruturada. Não se distanciou das suas raízes por motivos preconceituosos, mas foi actualizada com base nas Ciências da Linguagem, que é coisa que o D. Sebastião brasileiro desconhece, por completo.

 

Quanto à escrita, a vossa derivação é um autêntico desastre, gramaticalmente e ortograficamente falando.

 

Se a Língua Portuguesa (a minha língua) ficar restrita à Europa e às ex-colónias africanas ou mesmo que ficasse restrita apenas a Portugal, será ouro sobre azul, porque isto significará que a Língua Portuguesa se libertou do aborto ortográfico, que dá pelo nome de AO90, e toda a beleza e riqueza será restituída à minha amada Língua.

 

Quanto ao que refere sobre a Língua Portuguesa ser uma variante europeia isto só pode ser anedota ou fruto da mesma ignorância que vos levou a mutilar uma Língua íntegra.

 

Não há variante europeia da Língua Portuguesa. A Língua Portuguesa É europeia. O que existe é uma variante abrasileirada da Língua Portuguesa, e que apenas os Brasileiros utilizam.

 

E pode tirar o seu cavalinho da chuva, porque um estudante estrangeiro que queira estudar Língua Portuguesa vem para as Universidades Portuguesas sérias, e não se interessam pela língua dos brasileiros, “adotando ela como modelo”, porque só nesta pequena frase estão erros crassos de gramática e de ortografia, e nenhum estudante que se preze vai estudar uma língua estrangeira deturpada. A não ser que queira apenas aprender Português, para comunicar, para a oralidade. É como ir aprender Inglês para os EUA, para comunicar. Eu quis aprender Língua Inglesa para saber, e frequentei Escolas Inglesas, não americanas, obviamente.

 

Consegue captar a diferença?

 

Por isso, digo-lhe: o “brasileiro” vai continuar a predominar no Brasil. E eu aplaudo. Porque não tenho nada com isso, nem contra isso.

 

O "brasileiro" até pode continuar a dominar na Internet, mas não como Português do Brasil, porque esse vai deixar de existir, para se tornar apenas a derivação brasileira do Português.

 

A Língua Portuguesa vai continuar a predominar em Portugal, ainda que seja apenas em Portugal, país territorialmente pequeno. Mas são nos pequenos frascos que se guardam as melhores essências. E nós, Portugueses cultos, estamo-nos nas tintas para a quantidade de falantes ou escreventes da Língua Portuguesa. O que para nós conta é a qualidade desses falantes e escreventes.

 

E mais vale poucos e bons, do que muitos e maus.

 

Escreva você aí o que eu estou dizendo! Certo?

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:36

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 18 de Julho de 2016

TERÁ O AO90 ALGO A VER COM O “COMPLEXO DE VIRA-LATA” BRASILEIRO?

 

COMPLEXO.png

 

Nenhum povo colonizado se sentiu tão incomodado com a colonização, como o povo brasileiro não-indígena. Os indígenas, os verdadeiros “donos” do Brasil, nunca se mostraram tão hostis aos colonizadores que viraram do avesso o modo de vida que levavam até entrarem pelas suas terras dentro, como os descendentes dos colonos brancos e negros que vieram depois.

 

E o motivo não é o facto de os Portugueses terem sido piores do que os outros povos colonizadores (Ingleses, Franceses, Espanhóis, Holandeses), porque não foram, muito pelo contrário.

 

O problema dos Brasileiros é mais profundo: é a rejeição da sua própria origem. E a isso chama-se complexo de inferioridade, incapacidade de se superar a si próprio, o que Nelson Rodrigues, conceituado escritor e jornalista brasileiro, chamou, e na minha opinião, magistralmente, de "complexo de vira-lata".

 

Sobre este "complexo de vira-lata" Nelson Rodrigues disse que o entendia como a «inferioridade em que o brasileiro (não indígena) se coloca, voluntariamente, em face ao resto do mundo». Dizia o escritor que «o brasileiro é um narciso às avessas, que cospe na própria imagem. Eis a verdade: não encontramos pretextos pessoais ou históricos para a auto-estima».

 

É lamentável que assim seja.

 

Pois os indígenas brasileiros não sofrem deste complexo.

 

***

O que terá, então, isto a ver com o Acordo Ortográfico de 1990?

 

Especulemos.

 

Quando eu digo que existe uma "língua brasileira", uns tantos furiosos portugueses e mesmo brasileiros caem-me em cima.

 

Porém, alguns editores brasileiros exigem que os nossos livros sejam "traduzidos para brasileiro”. Aconteceu comigo, aconteceu com José Saramago, e tanto quanto sei, este recusou a ser “traduzido”, tal como eu recusei.

 

Mas, ao contrário da minha pessoa, Saramago, por ser o Saramago, teve os seus livros “intraduzidos” editados no Brasil.

Então?

 

Então, José Ferreira, um amigo do Facebook, perguntou-me: «Se não há língua portuguesa - variante brasileira, como é que querem fazer com o Brasil um Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa com uma língua diferente? O brasileiro?»...

Pois é. Se o AO90 se implanta a sério, a Língua Portuguesa poderá correr o risco de desaparecer, ficando a chamar-se Língua Brasileira?

 

O objectivo será esse? Poderá ser essa uma vingançazinha de quem ainda não "engoliu" a colonização portuguesa do Brasil?

 

Sei que preferiam ter sido colonizados pelos Ingleses (eles é que o dizem á boca rota). E hoje falariam Inglês. Mas não falam, embora tivessem americanizado uma infinidade de vocábulos. E isto é um facto.

 

Então restam duas questões:

 

Primeira: Como não podem riscar o destino, a vingança desses que gostariam de ter sido colonizados pelos Ingleses será a de fazer desaparecer a Língua Portuguesa, tendo desvirtuado a etimologia de tantas palavras, apenas para facilitar a aprendizagem, e agora querem impô-las aos Portugueses e aos outros povos lusófonos, que não aderiram a este acordo, por uma mera questão económica ou mesmo tendo em conta o “complexo” aqui referido?

 

É que existem evidências, que hei-de aqui publicar, de que os brasileiros mais adeptos da “estrangeirice” gostariam que houvesse uma reforma na língua oficial do Brasil, que poderia passar pela denominação de Língua Brasileira, adaptando a oralidade à escrita e assim poderem “pensar de maneira mais clara e mais lógica”, como se a língua fosse um instrumento que, mutilado, ajudasse a pensar melhor quem o utilizasse!

 

(Hei-de voltar a esta ideia).

 

Segunda: E os políticos portugueses estarão a fazer-se de cegos, surdos e mudos a esta realidade, por alma de quem?

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:55

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. AO90: o maior erro histó...

. Todos sabemos que o "Bras...

. TERÁ O AO90 ALGO A VER CO...

.arquivos

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. a href="https://www.facebook.com/portuguesdefacto/" target="_blank">https://www.facebook.com/portuguesdefacto/

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 é uma fraude, ilegal e inconstitucional

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram oficialmente a não vigência do acordo numa reunião oficial e os representantes oficiais do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO