Quarta-feira, 20 de Setembro de 2023

«Em Defesa da Ortografia» LXI, por João Esperança Barroca

 

«Dois artigos no PÚBLICO de ontem dizem-me muito: um, sobre o AO90 que ainda ninguém teve a coragem de liquidar. Por cobardia, porque em tempos o apoiaram, ou por outra qualquer razão obscura, irá fazer 35 anos em breve. Trinta e cinco anos de confusão, de descalabro cultural em que nem a pandemia, nem a guerra da Ucrânia, nem a dimensão da dívida pública, nem a inflação, lhe poderão dar justificação. Tenho 78 anos. Será que ainda conseguirei ver esse monstro derrubado?»

Jorge Horta, em carta ao Director do jornal Público, 01-09-2023

 

«O patético Acordo Ortográfico, que serviu os interesses de meia dúzia de professores frustrados e um primeiro-ministro. O Acordo é uma aberração, as línguas não se mudam por decreto, evoluem por via do seu uso.»

Luís de Matos, Mágico, em entrevista radiofónica

 

«Dito isto, ainda falta o Acordo Ortográfico, que nós oficialmente adoptámos — e que a CPLP — Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, como tal, não — para andar a babujá-lo por livros, escolas e órgãos de comunicação social, em modo original de libertinagem gramatical, nem carne nem peixe, enquanto os nossos parceiros, nomeadamente Angola, praticam o excelente português que herdaram antes de 1990. Já que, pelos vistos, nada se respeita particularmente na frívola CPLP, ao menos respeite-se a matriz de uma língua secular com milhões de falantes pelo Mundo fora.»

João Gonçalves, Jurista, JN, 28-08-2023

 

«Ironias à parte, é de facto extraordinário como de vez em quando, nos órgãos de comunicação social portugueses, há palavras bem escritas no meio da traficância quase extraterrestre que nos vem contaminando a expressão gráfica (e, já agora, em certas palavras também a fala) desde há uns catorze anos a esta parte, a pretexto do chamado Acordo Ortográfico de 1990 (AO90). Se é verdade que no Brasil as palavras "recepção", "aspecto" e "espectadores" se mantiveram como eram em Portugal até esse momento, passaram aqui (e em mais lado nenhum) a escrever-se nas originalíssimas formas “receção”, “aspeto” e “espetadores” (esta como variante, sim, mas permitindo que muita gente passe a “espetar” em vez de simplesmente assistir, ou espectar).»

Nuno Pacheco, Jornalista e autor, Público, 31-08-2023

 

A febre de amputar as consoantes ditas mudas, desfigurando as palavras, é uma das características do inadjectivável Acordo Ortográfico de 1990. O leitor, certamente, reparou que o adjectivo galáctico, do grego gála, -aktos, «leite» + ico, foi, durante muito tempo, a par do sentido relativo a galáxia, utilizado para designar os famosos futebolistas que integravam a equipa espanhola do Real Madrid.

 

O que aconteceu em inúmeros exemplos, como adiante se comprovará, com uma breve amostra, foi que, como ninguém sabe escrever de acordo com as regras estapafúrdias do AO90, vá de cortar o cê, criando a aberração galáctico (a), que não tem nada a ver com lata. Uma breve pesquisa pelos sítios de alguns órgãos de Comunicação Social mostrou-nos as seguintes ocorrências:

 

  1. «No Real Madrid, o britânico chegava à realeza do futebol mundial. Na era dos Galáticos, juntou-se a Figo, Zidane e Ronaldo. Cinco centenas de jornalistas de 25 países assistiram à apresentação.» Tribuna Expresso, 22-05-2023

 

  1. «Pelo meio, foi treinador principal do Real Madrid, à frente da mítica equipa dos Galáticos da qual faziam parte grandes estrelas como Zidane, Luís Figo, Ronaldo ‘O Fenómeno’ e David Beckham.» Tribuna Expresso, 01-03-2023

 

  1. «A celebração do 40.º aniversário do filmeO Regresso de Jedi,que foi lançado nos cinemas a 25 de maio de 1983, transformou o Museu da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, em Los Angeles, numa gigante aventura galática para os fãs de Star Wars.» DN, 09-05-2023

 

  1. «O inesperado mega-sucesso de Star Wars, estreado em 1977 (com o título português A Guerra das Estrelas), levou-o a dedicar-se por inteiro à saga galática, oferecendo o projeto de Indiana Jones ao seu amigo Spielberg. DN, 11-06-2021

 

- A vida é comum, mas existe uma espécie de "código de conduta galático" (uma "Prime Directive" tipo Star Trek) que faz com que espécies ainda pouco desenvolvidas (como nós) não sejam contactadas ou que o sejam de forma cautelosa (é este, no fundo o argumento de Contacto; e é isto, no fundo, o que diz o ex-general Haim Eshed. Neste sentido, as palavras do antigo militar não estão totalmente longe daquilo que pensam alguns cientistas);

     - A vida é comum mas existe um imperativo de sobrevivência galática que faz com que todas as civilizações se escondam umas das outras (SPOILER: é este o muito inteligente argumento da trilogia de livros Remembrance of Earth's Past do autor chinês Liu Cixin, que vai ser transformada em série para a Netflix, com o título The Three Body Problem pela mesma dupla que adaptou Game of Thrones).» Ricardo Simões Ferreira no DN, em 10-12-2020

 

A pergunta do costume é: se é assim na Comunicação Social, como será com o cidadão comum?

Ah, vale a pena ler integralmente a crónica de Nuno Pacheco “Voltámos à ‘recepção’? Mas afinal que país é este, hã?» de 31 de Agosto.

 

João Esperança Barroca

Barroca 1.png

Barroca 2.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:51

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 11 de Maio de 2023

Um texto do Professor António Mota, para reflectirmos o grave ERRO que foi o de uns poucos políticos portugueses aceitarem ser uns insignificantes SERVOS do AO90, quando outros foram veneráveis Senhores da Língua Portuguesa

 

«A política do facto consumado é um insulto à inteligência» (A. M.)

 

Untitled.png

 

Por António Mota

1.

Somos, de facto, governados indigentes autocratas e acéfalos, e o exemplo disso, entre milhentos outros, é a imposta vigência do Acordo Ortográfico mentecapto, o qual foi efectivamente elaborado por colaboradores interessados e comprometidos, por gente inconsciente, maníaca, irresponsável, e para gente muito de pensamento apoucado, e sem entendimento, movido por uma lógica de fumo insustentável e leve como palha. Os professores, sem que isso desculpe ninguém da responsabilidade que tem como cidadão e português, deveriam ter tido, e têm algo importante sobre isto a dizer.

 

2.

Diga-se, porém, que é difícil, muito, hoje, ser-se professor. Como sempre foi. Mas hoje é mais. Muito mais. Na minha opinião, os professores têm sempre muito que dizer, sobre muita coisa, e também sobre esta miséria que é o AO da nossa falência, consentida e "apoiada". E, muitos, têm-no feito claramente, apesar das condições insustentáveis em que se encontram. Ninguém, daqueles que optaram pela surdez inconsciente e preguiçosa, os ouvirá. Mas oiço eu. E muita gente como eu. Somos poucos? Não é a quantidade que determina a razão e a qualidade.

 

3.

Eu gostava de ouvir mais e mais forte os professores. Porque nesta matéria, quer queiram, quer não, são faróis. E os faróis não servem para servir a escuridão. Mas, atenção, não se pode pedir a ninguém para ser herói. Ou mártir. Eu acho que nunca ninguém tem que ir contra a sua consciência. Vi muitos heróis anónimos a dizerem não. Pagaram por isso? Pagaram. Mas, é como lhe digo: cada um pode fazer o que quiser; mas ninguém tem o direito de exigir, seja a quem for que seja herói e mártir.

 

4.

Ora, agora, há uma coisa. Eu não posso admitir nunca o argumento baixo de não se poder voltar atrás. E era aqui que eu queria chegar, para pedir. Para pedir, o quê? E a quem? A toda a gente e, particularmente aos professores, porque têm formação, e são agentes do pensamento, que não aceitem esse argumento da irreversibilidade. Porquê? Porque nada é irreversível, principalmente se for contrário a toda a lógica, à história, à democracia, e ao pensamento.

 

5.

Gostaria que não aceitassem vencidos o pobre e falso argumento do facto consumado. Isso é o que os agentes do pensamento único e fraquinho querem, e divulgam, principalmente entre mentes indigentes e preguiçosas. A política do facto consumado é um insulto à inteligência. Concretamente. Pequemos em dois argumentos apenas, desses emitidos a toda a pressa pelos serviçais meios de comunicação social.

 

6.

Um desses argumentos, que qualquer meliante usa, sem saber argumentar, é o facto de já muitas crianças terem aprendido aprisionados a este cabresto sufocante do dito AO, que só o governo Português defende, e só por isso. Mas aprenderam forçadas e enganadas. E eu lhes digo que AO dito, de aberrante tão, facilmente será ultrapassado por quem nele andou aos tropeções, se se quiser. E, se isso fosse argumento, lhes diria que foram muitíssimas mais as pessoas que mamaram do pensamento e do sentimento na nossa sempre respeitável muito Língua mãe, mais séria, mais lógico, mais consonante com a história e a lógica, e, mais que tudo, porque faz parte da nossa identidade.

 

7.

Em segundo lugar, dizem - argumento supremo do deslizamento para o imbecil - que só não muda quem é burro. Já o dizia o Mário Soares, a propósito do "socialismo na gaveta", das políticas que adoptou, até cairmos nas garras do FMI, a propósito da famosa "descolonização". Isto é: há quem fale em mudanças apenas para cobrir a sua responsabilidade, inconsciência, incompetência, e outras "virtudes" mais. É verdade que a língua é um organismo vivo, e muda. Pois muda. Mas muda com o tempo e com a história, a cultura e a necessidade, sempre com lógica, com ciência, e não com os alarves que, não sabendo fazer mais nada, mudam à toa, fugindo de argumentos que não têm, nem nunca tiveram.

 

8.

A este propósito, por que é que os partidos não falam neste assunto? Que raio de pacto é que têm, que interesses, que falta de conhecimento? Como é que se atreve esta nossa classezinha de baronetes de sangue verde a brincar com uma língua de civilização? Exactamente talvez porque não sabem o que é ser civilizado. Como se atrevem a impor, ilegalmente, em tudo quanto podem o famigerado acordo, que transforma uma língua preciosa num objecto filho da mais idiota bastardia?

 

9.

Em síntese, e porque isto vai longo: lá porque se cometeu um erro crasso e irresponsável, mantê-lo, e não corrigi-lo, é errar duplamente; lá porque a Língua é um organismo vivo, não significa que qualquer parvalhão se divirta com o cinismo da sua amputação, sem razão e argumento. Ora é isto o que os nossos políticos fazem, tanto se baixando, que se lhes vê o, e não é nada atraente ou bonito. Já não temos dicionários, nem gramáticas. Temos que suportar o novo-riquismo da estupidez ortográfica, fónica, semântica e sintáctica imposta pelo corrector do computador, pelas televisões, pelos políticos mesclados. Mas até quando?

 

10.

À Isabel A. Ferreira, à Soledade Martinho Costa, incansáveis na sua denúncia, e aos meus caros todos amigos que se irritam solenes, e não brincam às críticas, nem jogam ao faz de conta, em se tratando de coisas realmente sérias, como seja a bastardia do Acordo Ortográfico, o malfadado.

 

Não. Nesta questão específica temos sempre de combater a apatia mórbida daqueles que comem com os que estão, com os que ficam, e com os que vão. E lá estou eu a dar pretextos a essa gente, que fica e que vai com todos, medindo sempre o que mais convém a suas excelentíssimas qualidades, inquestionáveis, certamente.

 

Fonte:

https://www.facebook.com/mentions/1683297238495960/?notif_id=1683297238495960&notif_t=mention&ref=notif

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:17

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 9 de Fevereiro de 2023

«Em Defesa da Ortografia (LVI)», por João Esperança Barroca

 

«A corrupção é tanta que até já gamaram o P à palavra corrupto.»

Pedro Correia, Autor e jornalista

 

«Preservar este secular idioma passa pela revalorização de vocábulos antigos e pelo combate ao portinglês que nos invade, mesmo quando surge disfarçado de português (é o caso do anglicismo “evento”, hoje omnipresente). E por darmos luta sem tréguas ao chamado “acordo ortográfico”, que decretou a separação de famílias lexicais (lácteo mas laticínioepilético mas epilepsiatato mas táctil), inventou termos aberrantes (como corréu em vez de co-réu ou conavegador em vez de co-navegador) e substituiu a regra pelo arbítrio (uma trapalhada em que materno-infantil coexiste com infantojuvenilbissetriz com trissectrizcor-de-rosa com cor de laranja).»

 

Pedro Correia, Autor e jornalista, a propósito do livro Por Amor à Língua, de Manuel Monteiro

 

«O principal argumento contra o Acordo Ortográfico é a sua inutilidade. As dificuldades de leitura de textos da outra variedade da língua nunca estão relacionadas com a ortografia, as diferenças são outras. Para mudar a ortografia tem de haver uma razão muito forte, e eu não encontro aqui essa razão. As questões fiscais do comércio de livros entre Portugal e o Brasil são uma barreira mais grave do que a barreira ortográfica.

A ortografia do Acordo tornou-se menos adequada à fonética tanto do lado brasileiro como do português. As consoantes mudas tinham uma razão de ser, assinalavam uma forma diferente de ler a vogal, o que tornou mais difícil a leitura de algumas palavras. O Acordo criou uma instabilidade na língua que levou à existência de erros como "fato", em vez de "facto", mesmo no "Diário da República".»

 

Marco Neves, tradutor, escritor e professor universitário, no programa "Palavras Cruzadas" (Antena 2, 16/01/2023)

 

«Como os professores estão nas parangonas nos jornais, é deles que hoje falarei. Na última Feira do Livro de Lisboa, veio ter comigo uma professora de Língua Portuguesa que se apresentou, entre outras coisas, como leitora deste blogue. Disse-me que sabia que eu não tinha simpatia pelo presente Acordo Ortográfico (AO) e entregou-me meia folha A4 com um texto em que se explicava sumariamente que as escolas vivem hoje um autêntico caos linguístico, coexistindo no ensino da língua portuguesa três grafias: a do português pré-AO, a do AO e ainda outra, que é uma mistela de ambas e em que tudo parece ser permitido. Os maiores prejudicados por esta situação serão, muito naturalmente, os alunos, que aprendem uma coisa num ano e outra noutro, vêem os pais escrever de forma distinta daquela em que estão a ser ensinados e são penalizados nas notas pelos erros que muitos pais e professores não acham sequer que sejam erros. Diz ainda a nota que os professores são os Cavalos de Tróia desta operação com a qual frequentemente não concordam, vendo-se obrigados a ir contra a sua consciência.»

Maria do Rosário Pedreira, Escritora e editora

 

«[…] eles olham, mas não vêem; escutam, mas não ouvem nem entendem

Mateus, 13:13-16

 

JoÃO 2.png

 

Na linha do nosso escrito de Janeiro, voltamos hoje a escrever sobre corrução e corruto. Parafraseando Ricardo Araújo Pereira, deverá ser uma estratégia da defesa de alguns arguidos acusados do crime de corrupção. Desta maneira, a pena a aplicar será sempre muito reduzida, tendo em conta a prática inócua do crime de corrução. Como o caro leitor, certamente, deu conta, o AO90 veio trazer novos erros, que vamos respigando dos órgãos de Comunicação Social e de outras instituições.

 

Pesquisando apenas no jornal Record, detectamos as seguintes ocorrências:

 

  1. a) «Diretor de comunicação do FC Porto compara casos de corrução no Benfica com o que se passou com Pedro Pinho.» Record, 04-05-2021;
  2. b) O procurador-geral de Trinidad e Tobago autorizou na segunda-feira a extradição para os Estados Unidos do antigo vice-presidente da FIFA Jack Warner, acusado de corrução, crime organizado e branqueamento de capitais pelas autoridades norte-americanas.» Record, 22-09-2015;
  3. c) «O ainda vice-presidente do Sporting foi acusado de vários crimes (corrução, abuso de poder, burla qualificada, denúncia caluniosa e participação económica em negócio) e ouvido no Tribunal de Instrução Criminal pela primeira vez a 12 de junho de 2012.» Record, 03-03-2015;
  4. d) «Luís Figo defende que “é tempo de Blatter sair da FIFA por causa dos problemas de corrução”. Num [sic] entrevista publicada no diário espanhol ABC, o candidato português à presidência da FIFA diz que o “relatório Garcia”, que investiu as alegações de corrução na atribuição dos Mundiais de 2018 à Rússia e 2022 ao Qatar “devia ser publicado e se não o é, será porque a FIFA receia alguma coisa”.» Record, 11-05-2015.

 

Há poucos dias, mão amiga enviou-nos a seguinte lista de aberrações, criadas pelo AO90: Corréu, neoestoico, consunto, conarrar, conavegar, interruptor, opticidade, retouretral, semirrei, tecnolectal, cocolaborador, cooócito, perento, cocredor, cocapitão, adocionismo, expetar, cocoleta, contraião, intrauterino, cofiador, coutente, conavegante.

 

Parece piada ou brincadeira, não é, caro leitor? Se é assim na Comunicação Social, como será com o cidadão comum?

 

Para mais uma vez ilustrar o caos ortográfico que se instalou, repare como se escreve (neste caso, o que está em causa é a utilização do hífen) num jornal de referência «A seleção de espécies feita pelos nossos biólogos reflete a vegetação natural existente dentro da cidade de Lisboa, como oliveira, alfarroba, folhado, sobreiro ou capuz-de-frade”, enumera Fabio Brochetta [da Urbem, organização não-governamental]» («Estão a nascer mini-florestas no Areeiro», Ana Meireles, Diário de Notícias, 20-01-2023, p. 15), divulgado no blogue O Linguagista

 

João 1.png

João 3.png

João 4.png

João Esperança Barroca

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:21

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2023

Facto: o AO90 foi criado politicamente com o objectivo de DESTRUIR a Língua Portuguesa, para a substituírem pela Língua Brasileira (ainda a ser oficialmente) ...

 

… e para este jogo SUJO estão a contribuir os governantes portugueses, presidente da República e deputados da Nação incluídos, e também os professores com excesso de zelo burrocrático e a comunicação social seguidista e servilista.

 

Criei este Blogue para DEFENDER a Língua Portuguesa. Mas não me limito a defendê-la, neste espaço, que partilho com tantos outros defensores, que dizem de sua justiça, nos artigos que escrevem e que aqui publico.

 

Costumo andarilhar pela Internet, para medir o pulso ao que se passa neste nosso mundo desvairado, e, quando encontro algo que diga respeito ao AO90 ou à Língua Portuguesa, que me faz subir pelas paredes, intervenho.

 

Por vezes, recebo e-mails como este:

Que espécie de linguagem é esta.PNG

 

Que tipo de linguagem será esta? Como me mexeu com as entranhas, nem sequer mereceu resposta.

 

Contudo, é um pouco dessa minha intervenção, na Internet, que me propus a trazer, hoje.

 

Desta vez foi uma mensagem da Joana Coelho que me alertou para um artigo publicado no Quora, sob o título: «Existe a língua portuguesa do Brasil e a língua portuguesa de Portugal? Se sim, quais as diferenças?»

neste link

https://pt.quora.com/Existe-a-l%C3%ADngua-portuguesa-do-Brasil-e-a-l%C3%ADngua-portuguesa-de-Portugal-Se-sim-quais-as-diferen%C3%A7as/answer/Alexey-Gukov-1?__nsrc__=4&__snid3__=47848523979&comment_id=312980052&comment_type=2

a dizer o seguinte:

«Boa Tarde Dona Isabel! Espero que se encontre bem.

Recebi esta resposta ao meu comentário da mesma pessoa que respondeu à pergunta inicial, mas não tenho jeito para escrever não respondi. É difícil não sentir que a língua portuguesa está a ser engolida pelo dialecto brasileiro, por variadas maneiras: acordo ortográfico, nas sinopses da Netflix e TV por cabo, jornalistas brasileiros a darem notícias de Portugal em canais de TV portugueses (não é frequente mas já aconteceu), o site de línguas Babbel que é financiado pela união europeia ensina o dialecto brasileiro, já vi na tradução portuguesa de um volume de um Manga (BD japonesa) escrito zumbis e exterior em vez de zombie e estrangeiro,  e agora até foi criado um grupo para discutir a aceitação do dialecto brasileiro no exames e ensino em Portugal (se os alunos brasileiros estão em Portugal porque raio é que deveriam ser avaliados no dialecto brasileiro? os professores podem aceitar o vocabulário, mas a gramática tem de ser a nossa), até já vi pessoas que sem repararem utilizam expressões e vocabulário brasileiro, como uma colega minha que dizia jogar no lixo e quando lhe perguntei, ela respondeu que foi devido à influência de crianças suas familiares que vêem youtubers e programas brasileiros para crianças e que ela às vezes os corrige mas que é uma pessoa que facilmente "apanha" o modo de falar das outras pessoas.

 

Mesmo que Portugal inteiro criasse conteúdo no nosso português, na Internet e em livros escolares para os PALOPs, o dialecto brasileiro é utilizado, fora de Portugal, como se fosse o português padrão, infelizmente. Quando estive de férias em Amesterdão, uma estrangeira ouviu-me a falar com o meu pai e perguntou-me qual a minha língua materna, tendo ficado chocada quando lhe respondi que era portuguesa e falava português. Disse que o português que conhecia era o que se fala no Brasil e que era tão diferente.

 

***

(Respondi à Joana, num comentário, no artigo acima referido):

 

Joana, nós, que lutamos pela preservação da Língua Portuguesa, jamais permitiremos que a Variante Brasileira do Português se sobreponha ao Português, ainda que seja verdade tudo o que mencionou, quanto a essa infiltração abusiva da Variante Brasileira do Português. Mas a linguagem é tão má, tão má, e as traduções são tão más, tão más, que não se aguentarão por muito mais tempo.

 

Jamais a IGNORÂNCIA, a ESTUPIDEZ, a MEDIOCRIDADE levaram a palma.

 

As diferenças são muitas. E os povos europeus, muito mais facilmente aprendem a Língua Portuguesa do que a Língua Brasileira (ainda a ser), porque têm a mesma RAIZ indo-europeia.

 

O acordo ortográfico de 1990 é simplesmente um PEDREGULHO no caminho da evolução da nossa Língua, mas nós somos seguidores da Filosofia da Água, e avançamos, contornando os obstáculos, que nos querem impor.

 

O acordo ortográfico de 1990 foi criado politicamente com a única intenção de DESTRUIR a Língua Portuguesa e substituí-la pela Língua Brasileira (ainda a ser). Mas vamos contornar o pedregulho, deixando-o para trás, e manteremos a Língua Portuguesa no seu original, como é da NOSSA Cultura.

 

***

E foi então que apareceu Alexey Gukov

autor do artigo acima referido, o qual estudou Filologia Românica (é importante sublinhar este pormenor) e com o qual troquei as seguintes palavras:

 

Comentário Isabel.PNG

Comentário 2.PNG

 

E Alexey Gukov respondeu-me:

 

Alexey Gukov

Estudou Filologia românica

 

(Transcrição do comentário de Alexey)

 

Alexey:

Uma coisa da qual não gosto é a agressividade com a qual algumas pessoa creem dever proteger a sua língua duma suposta desvirtuação que se daria por influências de línguas estrangeiras: muita emoção e muito pouco conhecimento.

 

Isabel:

NÃO EXISTE língua portuguesa do Brasil. O que existe é uma Variante Brasileira da Língua Portuguesa, que é ÚNICA. É a de Portugal. Todas as outras são VARIANTES do Português.
A Língua Portuguesa é A Língua. Não se queira pôr ao mesmo nível um IDIOMA e uma Variante.

 

Alexey:

O que a Senhora não sabe, não entende ou não quer entender é que, por muito que o português europeu (que tem as sua variantes regionais, como as tem o português do Brasil) seja a variedade primigénia da língua portuguesa, da qual nasceram todas as variedades do português que se falam nas ex-colónias, o português é hoje uma língua pluricéntrica, na qual o padrão europeu vale tanto quanto o padrão brasileiro: nem mais, nem menos.


Observe que a Asociação das Academias da língua espanhola (23 em tudo) o que faz é coordinar a unidade ortográfica dos vários países de língua espanhola e ninguém está a gritar que os países hispano-americanos querem americanizar o espanhol falado na Europa. Diz alguém que os espanhóis devem deixar de usar a segunda pessoa do plural? Pois não. Diz alguém que devem passar ao voseo rioplatense (desde algum tempo incluído nos paradigmas de conjugação)? Também não.


Recordo: fostes vós, os portugueses, a romper a unidade ortográfica da língua portuguesa em 1911. O Acordo Ortográfico de 1990 nem sequer elimina todas as diferências entre a ortografia brasileira e a dos demais países de fala portuguesa, e para a qual os brasileiro também deveram despedir-se dalgumas particularidades como o trema. Depois de várias etapas de reaproximação ne século passado, os dois padrões nem tornaram a ser um.
Então, porque alguns portugueses se exaltam pela suposta — e não verdadeira — abrasileiração do padrão ortográfico europeu?

 

Isabel:

As diferenças são enormes, e NÃO é pelo facto de o Brasil ter milhões de falantes e escreventes de uma VARIANTE do Português, que levará à extinção da Língua Portuguesa, como é objectivo político. O Brasil que fique com a sua Variante, e que a transforme em Língua Brasileira.

 

Alexey:

Seja conseqÜente e use a ortHograPHia correcta de antes do 1911. Vá ao theatro, compre os seus medicamentos na pharmácia e mire os cygnos nos parques.


Ao tratar-se da influência do português brasileiro no português europeu a ortografia é o menor problema. Nem sequer o léxico é um problema, pois muitas vezes uma palavra frequente na variedade europeia é uma variante marginal no Brasil e, ao revés, uma variante dominante no Brasil é uma variante marginal no Portugal (mais difícil é quando uma palavra tem significados diferentes aquém e além do Atlántico). Bem mais significativa é a influência na pronúncia e na gramática: generalização da próclise, uso de construções como "vejo ele" em vez de "vejo-o" etc. Aquela não penetrará na fala dos portugeses por culpa do Acordo ortográfico de 1990, mas porque as crianças e os jovens portugueses se exporem a música, produção cinematográfica e televisiva e textos escritos que empreguem a variedade brasileira.

 

Isabel:

Não a queremos Brasileira, porque a Brasileira está deslusitanizada, italianizada, afrancesada, castelhanizada e americanizada, e mais o que vier. E isto é já OUTRA língua.
Jamais a Língua Portuguesa será destruída, porque também somos milhões a preservá-la.

 

Alexey:

Já. Simplesmente as duas variedades enveredaram por caminhos distintos. As influências do italiano e francês no português brasileiro não são maiores do que no português europeu: cada vez que diz ou escreve "chapeu", cada vez que usa palavras em -agem a Senhora usa francesismos. Os castelhanismos no português do Brasil não se dão se não nas variedades das regiões fronteiriças, principalmente com a Argentina e o Uruguai. As influências americanas? Meh…


O que a Senhora não entende ou não quer entender é que as línguas se evolvem no tempo, todas, de maneira mais ou menos rápida. Se a língua portuguesa fosse imutável, a Senhora estaria ainda a falar latim.

***

(O que EU respondi a Alexey Gukov):

 

Isabel A. Ferreira

 

Primeiro: não confunda INDIGNAÇÃO com agressividade, por favor. São coisas diferentes, e EU tenho o direito à MINHA indignação, por estarem a tentar destruir a MINHA Língua Materna, a Portuguesa, e a ÚNICA (repito), porque o que se fala e escreve no Brasil é uma VARIANTE, que será transformada em Língua, como o Galaico-Português, derivado do Latim, se transformou em Língua Galega, na Galiza, e Língua Portuguesa, em Portugal. Bem como o Crioulo Cabo-Verdiano, com origem no Português, já é a Língua Cabo-Verdiana. E o Brasil só ainda NÃO elevou a sua Variante Brasileira, por uma questão meramente política, onde a DESTRUIÇÃO da Língua Portuguesa é objectivo principal dessa política, para depois imporem a Língua Brasileira.

 

Segundo: a DESVIRTUAÇÃO da Língua Portuguesa, encetada pelo Brasil, NÃO é suposta, é REAL. Veja que os Africanos, de expressão portuguesa, NÃO desvirtuaram o Português, não o DESLUSITANIZARAM, não o afastaram da sua GENETRIZ, como fizeram os Brasileiros, e apenas os Brasileiros o fizeram, ILEGITIMAMENTE (pois a Língua Portuguesa era e É a Língua de Portugal, um país soberano, e nenhum outro país soberano tem o direito de desvirtuar a Língua de outro país soberano e continuar a chamar-lhe portuguesa). O Brasil MUTILOU a Língua aquando do Formulário Ortográfico de 1943, numa tentativa de baixar o elevado índice de analfabetismo, então existente no Brasil, o que, ao que parece, ainda NÃO resultou, pois o Brasil continua com um elevado índice de analfabetos.

 

Terceiro: não gosto de puxar pelos meus galões, mas a isso estou a ser obrigada. O que o senhor NÃO sabe é que eu já estudei no Brasil, e sei o que é o estudo da linguagem no Brasil; fui Professora de Português em Portugal, enveredei depois pelo Jornalismo e tenho vários livros publicados, o que faz da Língua Portuguesa o meu mais precioso instrumento de trabalho, por isso, de Língua Portuguesa SEI EU, e também sei da Língua que há-de ser designada por Brasileira, e sei das restantes variantes que Portugal espalhou pelo mundo.


Quarto: NÃO há português europeu (REPITO). Há Língua Portuguesa. Ponto final. Todas as suas VARIANTES valem tanto quanto a GENETRIZ delas, apenas no país delas. Porém, o que aqui está em causa é a IMPOSIÇÃO da Variante Brasileira do Português a Portugal e aos restantes países, ditos, lusógrafos, os quais, e muito bem, a REJEITARAM, à excepção de Portugal, porque os políticos portugueses são de uma ignorância assustadora!!!!!

 

Quinto: o que vale para as Línguas Castelhana (não existe língua espanhola), Inglesa, Francesa, Holandesa, Alemã, NÃO VALE para a Língua Portuguesa, pois NENHUM país ex-colonizado desvirtuou a Língua-Mãe, como os Brasileiros desvirtuaram o Português. Ponto final.

 

Sexto: a Língua Portuguesa, tal como as restantes línguas indo-europeias EVOLUIU. O Português de Camões não é o Português do século XXI d. C., mas a RAIZ da Língua continua lá. O Inglês de Shakespeare NÃO é o mesmo do século XXI d. C., mas a Matriz da Língua, continua lá. O Brasil assinou a Convenção de 1911, que proporcionou a EVOLUÇÃO da Língua, NÃO a afastando da sua RAIZ, e o Brasil desprezou-a depois. Não nos culpe do rompimento da unidade que JAMAIS existirá na linguagem das ex-colónias portuguesas, muito menos na do Brasil.

 

Sétimo: o AO90, criado por Antônio Houaiss, elimina 99,999% das consoantes não-pronunciadas, e para que não se dissesse que o Brasil nada tinha para mudar, tiraram-lhe o TREMA e mais uns poucos acentos e hífenes. De resto a GRAFIA, no Brasil, ficou IGUAL. Para Portugal, a GRAFIA MUDOU substancialmente, e por causa disso, hoje temos uma MIXÓRDIA ortográfica, única no mundo. Querem unificar a Língua? Então que o Brasil comece a escrever o Português não-mutilado. É algo mais racional.

 

Oitavo: as diferenças entre a Variante Brasileira do Português e a Língua Portuguesa são gigantescas e abarcam a fonologia, a ortografia, o léxico, a morfologia, a sintaxe e a semântica. E isto BASTA para que chamem ao que escrevem e falam no Brasil, Língua Brasileira.



Nono: por acaso sabe por que motivo se passou dos fonemas gregos PH para F, e TH para T, e do Y para I, se não sabe é melhor ir aprender os Alfabetos Latino e Grego e terá a resposta científica. Sabe o que o PH significa hoje? É o símbolo da IGNORÂNCIA dos que seguem o AO90.

 

Décimo: eu uso anglicismos e galicismos para EVITAR o aportuguesamento e abrasileiramento HORROROSOS, e traduções HORROROSAS que existem, principalmente na Variante Brasileira do Português. É que a Língua também é ELEGÂNCIA, é BELEZA, é SUAVIDADE, é HARMONIA visual, e o aportuguesamento ou o abrasileiramento de determinados vocábulos ingleses, franceses ou mesmo castelhanos são de FUGIR!!!! São de uma deselegância e fealdade e aspereza gigantescas.

 

E para terminar quero dizer-lhe que as línguas MUDAM, EVOLUEM, mas NÃO se DESTROEM, NÃO se MUTILAM, como os Brasileiros destruíram e mutilaram a Língua Portuguesa. Por isso, é da RACIONALIDADE que cada país fique com a sua Língua. Tenho certeza de que a Língua Brasileira terá muito sucesso sozinha, sem precisar da MULETA portuguesa. Cortem o cordão umbilical com o ex-colonizador. O Grito do Ipiranga já tem 200 anos, e os Brasileiros ainda arrastam pelo chão o cordão umbilical que os prendeu a Portugal. Porquê?

 

***

 

O conteúdo desta conversa está no link que indiquei mais acima.

 

Capture.PNG

 

Não podemos permitir que um País livre e soberano (Brasil) USURPE a Língua Portuguesa, a Língua de Portugal, um país também livre e soberano, mexa na sua estrutura e continue ILEGITIMAMENTE a chamar-lhe Portuguesa.

 

A questão da Língua e do AO90 é uma questão meramente POLÍTICA e NÃO linguística. Jamais ninguém pretendeu unificar ortografias, porque isso é uma missão impossível, a não ser que o BRASIL abdique da sua Variante e passe a escrever e a falar Português, como, por exemplo, os Angolanos. E se eu estiver errada corrijam-me.



É que tudo isto passa dos limites, e é preciso que a Língua Portuguesa seja RESPEITADA como tal, na sua integridade, porque é OFICIALMENTE a Língua nascida em Portugal, consignada na Constituição da República Portuguesa, sem “diretores”, sem “atores”, sem “arquitetos”, sem “onisciências”, sem “contatos”, sem “Egito”...



Isabel A. Ferreira

***

Comentários a este texto no Facebook, no Grupo NOVO MOVIMENTO CONTRA O AO90

 

Comentáriom Robalo 1.PNG

Comentário Robalo 2.PNG

Capture.PNG

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:18

link do post | comentar | ver comentários (10) | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 22 de Junho de 2022

Em defesa da Ortografia (XLVIII), por João Esperança Barroca

 

«O português que falamos hoje tem muito pouco a ver com o que [era] falado por Luís de Camões, a ortografia d’ Os Lusíadas tem aspectos que não são os que nós hoje consideramos a norma

Pedro Adão e Silva, Ministro da Cultura, em 5 de Maio de 2022, em Luanda

 

«Não se pode mandar esta gente toda para um país só deles, com o grunhês como língua oficial, dado que é o que falam e escrevem?»

José Antunes, em comentário no Facebook no grupo Cidadãos contra o Acordo Ortográfico de 1990

 

«É este o grande objectivo: produzir a confusão que consolide a ignorância em definitivo!»

Rodrigo Pereira Martins, em comentário no Facebook no grupo Cidadãos contra o Acordo Ortográfico de 1990

 

«A língua portuguesa veio do latim, mas já foi há imenso tempo. Aos nativos, no entanto, parece não interessar absolutamente nada, de onde é que ela veio, e sobretudo, para onde é que ela vai. O português do ano dois mil — como hoje se prefigura — não terá formas complexas de qualidade alguma. A tendência simplificadora e redutiva que se afirma no vocabulário e um pouco por todo o lado, fará desaparecer formas […]. Dominarão formas de rufianismo linguístico, no pressuposto de que “desde que se entenda, está certo”, tendendo a comunicação para o mais elementar dos grunhidos, apoiado pelo mais eloquente dos gestos.»

Luísa Costa Gomes, Escritora

 

Em defesa - 1.jpg

 

Inicia-se o escrito do mês de Junho com quatro citações em epígrafe. Incluem-se duas citações de cidadãos comuns, respigadas de páginas do Facebook, nas quais se realiza, há imenso tempo, um laudabilíssimo serviço público de denúncia da fraude que é o AO90. Inclui-se também o excerto de uma declaração do ministro Pedro Adão e Silva, que, talvez, afectado pelas altas temperaturas tropicais, debitou um truísmo digno de um aluno do 9.º ano.

 

São, também, parte integrante deste escrito três imagens transmitidas por canais televisivos, que demonstram o cuidado (ou a falta dele!) com que estas estações lidam com a nossa língua. Uma dessas imagens ilustra a febre com que se eliminam consoantes, como no seguinte diálogo, mais real do que imaginário:

 

— Tem consoante?

— Tem!

— Então, corta!

— Mas…

— Nem mas, nem meio mas… Corta!

 

Em defesa - 2.png

 

As outras duas imagens mostram como uma parte dos jornalistas ainda (mais de dez anos depois, o que dá uma infinidade de meias horas, das quais falava Paulo Feytor Pinto) não interiorizou algumas das bases do AO90.

 

Em defesa - 3.png

 

Apetece perguntar pela enésima vez: Se é assim na Comunicação Social, como será com os cidadãos comuns?

 

No escrito do mês de Maio, mês em que ficámos a saber, através de Francisco Miguel Valada (no sítio aventar.eu/2022/05/30mrs-ao90) que Marcelo Rebelo de Sousa não adopta o AO90, citámos algumas frases da rubrica “Circo Cacográfico”, da página de Facebook da iniciativa Acordo Zero. A primeira dessas frases, “Cato pelos e pelo catos na boca do urso!” tem espoletado muitas e longas gargalhadas dos alunos, que se esforçam por ler e descodificar essas frases. Quando se lhes diz, que a dita frase, antes do Monstro Ortográfico, como se lhe refere Manuel Monteiro, era: Cato pêlos e pélo cactos na boca do urso!, faz-se luz. Ah, caro leitor, lembre-se sempre que os cactos (catos, como se diz e escreve agora) fazem parte da família das Cactáceas. Relembre também a origem desta palavra. Cacto deriva do grego káktos, pelo latim cactu. Ficou, caro leitor, esclarecido e convencido com a lógica acordesa? Já viu o orgulho que esta gente tem na história da sua língua?

 

A segunda dessas frases, “Pouco dinheiro para todos nós neste circo!”, levanta a questão de sabermos de a palavra “para”, neste contexto, é uma forma verbal ou uma preposição. Como se lê, caro leitor? Repare como, na ortografia de 1945, este problema não existia. Por esta razão, há quem diga que o AO90 veio trazer uma solução para um problema inexistente.

 

João Esperança Barroca

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:33

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 13 de Dezembro de 2021

Seria de toda a conveniência que, na campanha eleitoral que se avizinha, os partidos políticos tomassem uma posição sobre o AO90

 

Porquê?

Porque o AO90 é uma das questões mais graves que os governantes actuais têm para resolver e calam-se, estando a conduzir Portugal para um generalizado analfabetismo escolarizado vergonhosoinadmissível e inacreditável, sendo já muitos os analfabetos funcionais, gerados pelo AO90, e a estes, estão em vias de juntar-se aquelas gerações que estão a ser atiradas para um ensino de baixíssima qualidade, porque a Língua é o PILAR de toda a aprendizagem, e não se aprende nada assente numa escrita amixordizada.

 

Em 03 de Setembro de 2019, leu-se no Jornal i:

«“Não há Acordo Ortográfico quando metade dos subscritores não o ratificam”, diz José Carlos Barros», artigo que pode ser consultado neste link:

https://ionline.sapo.pt/artigo/669961/-nao-ha-acordo-ortografico-quando-metade-dos-subscritores-nao-o-ratificam-diz-jose-carlos-barros-?seccao=Portugal

O que aconteceu desde então?

 

António M. Feijó.png

 

De então para cá, o que tem feito José Carlos Barros, ex-deputado da Assembleia da República Portuguesa (2015–2019), pelo PSD, que acaba de vencer, por unanimidade, o Prémio LeYa 2021 com a obra "As Pessoas Invisíveis", e relator do Grupo de Trabalho para Avaliação do Impacto da Aplicação do AO90, que tem andado muito caladinho, (aliás, todos os políticos e ex-políticos, e governantes e ex-governantes têm andado muito caladinhos, para o meu gosto) sobre esta matéria?


Será que já não era tempo de este Grupo se pronunciar, definitivamente,  pela anulação do AO90, que só trouxe o caos e empobreceu radicalmente a Língua Portuguesa, que anda por aí a rastejar como uma indigente, por ter sido despromovida para variante de si mesma?  Algo que, absolutamente, não dignifica o Ensino em Portugal.

 

O PSD, aliás, o PSD e todos os outros partidos, à excepção do PCP, quando toca a votar a Iniciativa Legislativa de Cidadãos Contra o Acordo Ortográfico (ILCAO), que já se compara às obras de Santa Engrácia, vota contra tudo o que os cidadãos mais querem: a anulação deste mostrengo ortográfico; ou se é preciso votar contra o AO90, o PSD e todos os outros, à excepção do PCP, votam a favor da pobreza orográfica. Além disso, e ao contrário do PCP, que é CONTRA o AO90 e escreve segundo o AO45, conforme a lei vigente o EXIGE, o PSD e todos os outros, escrevem "agradeço a receção", quando nos enviam respostas aos e-mails que lhes enviamos, numa clara adesão ao aborto ortográfico. (Se receção é escrita de gente!!!!!)

 

Desconheço se, a estas alturas dos acontecimentos, o deputado José Carlos Barros ainda mantém a mesma ideia, ou seja, não há Acordo Ortográfico quando metade dos subscritores não o ratificaram, nem ratificarão. Sabemos que NÃO HÁ. Então, de que estão à espera? Cabo Verde já tem uma Língua oficial: a Língua Cabo-Verdiana, embora a Língua Portuguesa ainda ande por lá a reboque.

 

Por isso, seria de toda a conveniência que, nesta campanha eleitoral, que se aproxima, todos os partidos políticos tomassem uma posição pública e clara sobre a questão gravíssima do AO90, que está a conduzir Portugal para o generalizado analfabetismo escolarizado mais vergonhoso, mais inadmissível, mais inacreditável de que há memória.

 

Aqui deixo a proposta de um cidadão português:

Propostas.PNG

 

Até ao momento, o AO90 tem sido TABU em São Bento e em Belém. O Partido Socialista é o seu guardião-mor, e, ditatorialmente está a impô-lo a quem o abomina, por ser simplesmente abominável; o presidente da República cala-se, por motivos dos mais óbvios, para quem o conhece. A comunicação social (com uma excepção nacional e várias regionais) também obedece muito servilmente, estando a contribuir para o estado calamitoso em que se encontra a escrita em Portugal.

 

Crítica.PNG

 

É chegada, pois, a hora de reverter esta vergonhosa situação. Discute-se tudo o que interessa, e também o que não interessa, mas o AO90 é TABU, e numa Democracia a sério, não pode haver tabus.

 

Não é por acaso que no relatório de 2020, divulgado recentemente pela The Economist Intelligence Unit, Portugal perde a categoria de “país totalmente democrático", para regressar à categoria de "democracia com falhas", um recuo, diz-se, impulsionado pelas medidas restritivas impostas pela pandemia, mas também pela redução dos debates parlamentares [sem tabus] e pela falta de transparência no processo de nomeação do presidente do Tribunal de Contas, e a Intelligence Unit esqueceu-se de mencionar (porque talvez não saiba) a imposição ditatorial de uma grafia que nada tem a  ver com Portugal, e que, apesar de estar integrada num falso “acordo” desacordado entre oito países ditos lusófonos, só os servilistas portugueses o cumprem, com medo de sanções de todo o género. E por aqui anda também muita chantagem

 

O AO90 faz parte daquelas "coisas" que se não houver coragem para a eliminar, Portugal afundar-se-á como País independente. É vergonhoso ver a nossa bandeira a representar um "português" que não nos pertence.

 

É que há muita gente, MUITA GENTE, disposta a votar em partidos que DEFENDAM, no Parlamento, a ANULAÇÃO do AO90, o mais vergonhoso falso "acordo" em toda a História de Portugal. A mais vergonhosa imposição ditatorial que o governo português, o presidente da República e os deputados da Nação mantêm activa, (algo que nem António de Oliveira Salazar, que escrevia correCtamente, bem como TODA a população escolarizada, se atreveu a impor).

 

Aquele partido que conseguir reunir coragem, vontade e humildade para reconhecer o gravíssimo erro que foi a imposição ditatorial do AO90 nas escolas portuguesas, e, com argumentos racionais conseguir convencer os outros partidos de que estão a prestar um péssimo serviço a Portugal, terá todas as probabilidades de ganhar eleições. É que há muita, muita, muita, muita gente, mais do que se possa imaginar, descontente com esta situação/tabu que envergonha, desde o mais analfabeto até ao mais letrado dos portugueses. Só não envergonha quem está metido nisto até ao pescoço, com negociatas das mais obscuras.

 

A grande maioria dos políticos portugueses está mergulhada na ignorância, na estupidez, num gigantesco complexo de inferioridade e na falta de sangue na guelra.

  

Não tenho em grande conta os que se apodam de “políticos”. Poderá haver raras excepções, com competência política, ética, social, cultural, para estar na Política, mas são tão poucos que não se evidenciam, e que caladas, deixam de ser excepções, para se juntarem ao todo.

 

Não podemos ter na governação do País gente que olha para a Política e para a Língua Portuguesa como um boi para um palácio.



O Ensino afunda-se na mediocridade, no desinteresse, na falta de criatividade, e baseia-se na única escrita mais básica e caótica do mundo. E não estou a exagerar.

Crítica 1.PNG

 

É hora de os partidos políticos mostrarem o que valem ou o que não valem, para podermos avaliar e sabermos com que contar.

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:11

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 19 de Fevereiro de 2021

Imposição do AO90: «Todos os cidadãos Portugueses (...) têm, mais que o direito, o dever da desobediência e de objecção de consciência (...) a recomendações ministeriais ilegais (...)»

 

Em 04 de Maio de 2012, o Professor Rui Baptista publicou, no seu Blogue De Rerum Natura [Sobre a Natureza das Coisas], um texto de Eugénio Lisboa, ensaísta e crítico literário português, o qual reflecte o absurdo que foi e continua a ser a  imposição do AO90 aos Portugueses, nomeadamente às crianças e jovens, que estão a ser oficialmente ludibriadas.

Os anos foram passando, e, apesar de a onda de uma bem fundamentada contestação ainda ser gigantesca,  o AO90 continua a ser impingido ilegalmente, sem que quem de direito mexa uma palha, para pôr termo a esta atitude, digna apenas de um regime ditatorial

 

Hoje, repesco este texto, que, mais do que em 2012, tem a sua razão de ser, uma vez que a escrita da Língua Portuguesa está hoje cotada vários zeros abaixo de zero, e alguém tem de parar esta escalada de mediocridade e ignorância instalada no Poder, com o propósito de impedir que a Cultura Culta se propague.



No final do texto existe o link da fonte do texto, e recomendo que o consultem, para lerem também os comentários que são bastante preciosos.


Isabel A. Ferreira

 

EUGÉNIO.jpg

Eugénio Lisboa

 

Num prestimoso serviço à cultura, transcreve-se este artigo, do académico e ensaísta Eugénio Lisboa, publicado no “Jornal de Letras” do passado dia 1 de Maio - (Rui Baptista - in Blogue De Rerum Natura)

 

Por Eugénio Lisboa

 

«Antígona ou O Coração Indomável»

  

“Desobediência, a mais rara

e corajosa das virtudes”

George Bernard Shaw

 

Numa carta admirável e meticulosamente fundamentada, dirigida ao Ministro da Educação, a propósito da suposta entrada em vigor do famigerado Acordo Ortográfico, a médica Madalena Homem Cardoso, na sua qualidade de mãe de uma filha de sete anos, agora a iniciar-se na arte de escrever em língua portuguesa, informa aquele Ministro de que não poderá “anuir a que a aprendizagem da [sua] filha seja perturbada pelo autodenominado “Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1990)” (...) o qual não é “acordo”, pois conta com a oposição quase unânime dos especialistas em língua portuguesa  e da esmagadora maioria dos falantes-escreventes de Português de Portugal (...)”.

 

Não vou aqui esmiuçar a argumentação lúcida e magnificamente articulada, que a Dra. Madalena Cardoso desenvolve, ao longo de nove páginas, e que eu sugeriria ao Sr. Ministro da Educação que lesse, ele mesmo, com atenção e cuidado, em vez de a mandar analisar pelos seus colaboradores. Creia que é uma boa sugestão!

 

O meu ponto é outro: na carta referida, a autora, por mais de uma vez – e isto poderá chocar alguns leitores e, provavelmente, o Ministro e os seus directores-gerais – incita, em termos nada ambíguos, “todos os cidadãos portugueses” à desobediência civil, relativamente àquele Acordo. Eu cito uma passagem só: “Todos os cidadãos portugueses (em particular os que assumem especiais responsabilidades na transmissão do património linguístico às gerações futuras) têm, mais que o direito, o dever da desobediência (art.º 21º CRP: “Todos têm o direito de resistir a qualquer ordem que ofenda os seus direitos, liberdades e garantias...”) e de objecção de consciência (art.º 41º nº 6 CRP) a recomendações ministeriais ilegais, além de prematuras e de impraticáveis em muitos aspectos.”

 

O conceito de “desobediência civil” vem de longe e as suas raízes filosóficas estão profundamente enraizadas no pensamento ocidental, em obras de Cícero, S. Tomás de Aquino, John Locke, Thomas Jefferson, Henry David Thoreau ou Bertrand Russell. A “desobediência civil” não é mais do que uma resistência passiva – de carácter simbólico – a actos tidos por injustos e iníquos praticados pelo Estado – actos que podem ser “legais” mas que são eticamente reprováveis. Em África, na América e na Índia, a “desobediência civil” tem sido uma táctica usada, com êxito, ainda que morosa e dolorosa, na obtenção dos resultados almejados. Gandhi, na África do Sul e na Índia, e Martin Luther King, entre outros, nos Estados Unidos, usaram de resistência passiva, isto é, de desobediência civil, para atingirem os seus objectivos.

 

Em muitos países do mundo de hoje e, em particular, na Europa (incluindo Portugal), os cidadãos sentem-se tentados, perante as medidas de sacrifício promulgadas, não equitativamente, para remediar uma situação económico-financeira de quase catástrofe – de que muitos deles não foram nem cúmplices nem culpados - , muitos deles, dizia, sentem-se seriamente tentados a praticar actos de desobediência civil, em relação a Estados que não consideram “pessoas de bem”: a injustiça persistente gera sempre o desejo de resistência àquilo que se considera “o mal”.

 

O conceito, repito, vem de longe, dos tempos míticos da Grécia Antiga, em que Antígona, filha de Édipo, afrontou o Rei de Tebas, Créon, em dilema dilacerante, que marcou a fogo a inteligência e o imaginário dos homens, ao longo dos séculos. O conflito, glosado na tragédia de Sófocles, resume-se em poucas palavras: regressando a Tebas, após a morte do pai (Édipo), Antígona e sua irmã Ismena tentam reconciliar os seus irmãos Etéocles e Polinices, que se encontravam desavindos – Polinices, atacando a cidade e Etéocles, defendendo-a. Ambos morrem em combate e o tio Créon, tornado Rei, pune Polinices, proibindo o seu enterro. Antígona, movida pelo amor ao irmão e pelo horror à iniquidade do decreto real, enterra secretamente o irmão. Entre a lei do Estado e a lei divina (a da sua consciência, a da Justiça), optou por esta, arriscando a vida.

 

O centro da peça, que ainda hoje serve de medalha às consciências em luta e dilacera espíritos e corações, é o diálogo entre Antígona e Créon. Antes de desferir a sentença de morte, por desobediência, o rei pergunta: “E tu, responde-me, numa palavra e sem rodeios: conhecias a proibição que fiz publicar?” Antígona responde com altivez. ”Conhecia. Como podia ignorá-la? Toda a gente a conhecia.” O Rei desfere, então, a pergunta final: “E ousaste infringir as minhas ordens?” A resposta de Antígona ficou sendo o fundamento ardente de todas as futuras “desobediências civis”: “Ousei, porque elas não emanavam de Zeus nem da Justiça, que habita junto às divindades infernais; e não acreditei que um simples mortal como tu pudesse ter suficiente autoridade para se permitir transgredir as leis não escritas mas imortais dos deuses.”

 

A postulação da princesa é clara e pode “traduzir-se” deste modo: entre um mandato falível do Estado e o imperativo mais alto da nossa consciência (o nosso íntimo conceito de justiça e de bem), a escolha só pode ser uma: seguir o imperativo da consciência.

 

Este princípio de “desobediência civil”, a que outrora ficaria bem apelidar de “desobediência divina”, atingiu algum estatuto de lei internacional, por ocasião dos famosos julgamentos de Nuremberg, nos quais não foi considerado como atenuante aos crimes cometidos pelos réus nazis o facto, por eles alegado, de terem apenas “cumprido ordens”. Nesse famoso e controverso tribunal, foi afirmado, de modo imperativo, o princípio de que um indivíduo pode, em certas circunstâncias, ter que responder, em tribunal, por não ter desobedecido às leis do seu país.

 

Numa belíssima versão contemporânea do mito de Antígona, da autoria do grande dramaturgo francês, Jean Anouilh, a protagonista, pouco antes de ser mandada para a morte, envia, por intermédio de um dos guardas, uma mensagem a seu noivo Hémon, nos seguintes termos: “Sim. Perdão, meu querido. Sem a pequena Antígona, vós estaríeis todos muito tranquilos. Amo-te...” É, precisamente, o papel das Antígonas deste nosso mundo impedir-nos de ficarmos demasiado tranquilos, quando aquilo que as iniquidades vigentes estão a pedir é o desassossego, a intranquilidade geradora de acção e justiça. O coração indomável de Antígona é uma luz ao fundo do túnel.»

 

Fonte:  

http://dererummundi.blogspot.pt/2012/05/antigona-ou-o-coracao-indomavel.html

 

***

Para completar, aqui fica o que a escritora Idalete Giga pensa sobre esta matéria, com a qual concordo plenamente, fazendo minhas as suas palavras:

Idalete Giga

 

Já o nosso grande pensador Prof. Agostinho da Silva afirmava que " é a obediência dos povos que alimenta a tirania dos governos". Mas como fazer compreender a um povo manipulado, estupidificado por uma comunicação social mentirosa, sinistra, tendenciosa, cobarde, vil, que é URGENTE DESOBEDECER a tudo o que avilta e embrutece o ser humano, venham as ordens de onde vierem? Faltam Antígonas no mundo actual, capazes de morrer por uma causa. Aqueles que têm lutado contra o terrorismo cultural que foi e continua a ser o repugnante Aborto chamado Acordo/90, têm sofrido as mais diversas injúrias por parte de quem não entende nada do assunto e o desprezo inacreditável por parte dos (i)rresponsáveis pela Educação em Portugal que, infelizmente são muitos. O Brasil não quer saber do (des)AO/90 para nada. Mas a grande maioria dos governantes portugueses continua a considerar cobardemente, que O AO/90 foi um bom Acordo. Esta posição é verdadeiramente surrealista. Quem votou a favor do maldito (des)AO devia responder nos Tribunais sobre este crime cultural, porque é um CRIME CULTURAL. Mas em Portugal está tudo rendido a um PR que alimenta a PAZ PODRE. E já ninguém reage a coisa nenhuma. Tristeza.



publicado por Isabel A. Ferreira às 16:31

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2021

Deputados da Assembleia da República (PS, PSD, BE) não têm competência nem habilitações literárias específicas para avaliarem a questão do AO90

 

 

Todos os Portugueses pensantes, em Portugal o dizem, o sabem, o demonstram: o AO90 é um aborto ortográfico fraudulento, que apenas os ignorantes ou os muito mal-intencionados, ao serviço da ignorância e da estupidez, crêem que tem pernas para andar, que já assentou arraiais, e não pode ser mandado às malvas.

 

Puro engano, que um estranho delírio gera.

 

Mas vamos aos factos:

 

Em Junho do ano passado, o Partido Os Verdes (PEV),  apresentou na Assembleia da República o  Projecto de Resolução 533/XIVAvaliação do Acordo Ortográfico de 1990 - que foi discutido e votado em plenário, na passada sexta-feira, dia 15 de Janeiro, com grande sigilo, por parte da comunicação social servilista.

 

PEV.png

 

Como já era de esperar, o resultado foi mais do mesmo, porque nesta questão do AO90, o que impera é uma abismal incompetência, assente numa colossal ignorância que, por sua vez, tem origem na falta de habilitações literárias específicas, que lhes outorguem aptidão para poderem aprofundar esta questão com conhecimentos adequados sobre Língua Portuguesa (que, aliás, poucos deputados escrevem e falam escorreitamente), e um baixo nível intelectual, que os impedem de saber separar o trigo do joio.

 

E o resultado ficou à vista nas desvairadas intervenções do deputado Pedro Cegonho (PS), e da deputada Fernanda Velez (PSD) que esgrimiram pseudo-argumentos, absolutamente delirantes, sem o mínimo fundamento linguístico-científico, que os sustentasse.

 

Duas intervenções de amadores, sem os mínimos conhecimentos, nem formação académica adequada para discutir o tema, intervenções essas que podem ser vistas e ouvidas nestes vídeos.

Mas por onde andarão e o que estarão a fazer os habilitados, os profissionais em Língua Portuguesa, os linguistas, os professores que  a abandonam às mãos de amadores?

 

 

A deputada Fernanda Velez diz que não faz sentido suspender o AO90?

 

Não faz sentido suspender o AO90 para os ignorantes, senhora deputada. Unicamente para os ignorantes, que negam as mais evidentes evidências. O AO90 está a levar Portugal para um analfabetismo funcional sem precedentes, só os cérebros de pedra não vêem isto. Ouçam os milhares de VOZES DISCORDANTES, que apresentam argumentos que fazem cair por terra o malfadado AO9O!

 

Abram as mentes e OUÇAM essas vozes: são aos milhares contra uma escassa centena de parlamentares sem habilitações adequadas para abordarem esta matéria.

 

Nunca pensaram o porquê da existência dos diversos cursos, que outorgam habilitações académicas específicas, para que cada um possa exercer a sua profissão com conhecimentos adequados?  

Diz a sabedoria popular que um dentista não opera  apendicites.

Desenterrem essas cabeças cheias de nada, da areia, e olhem o estrago, real e concreto, que o AO90 está a espalhar pelo País.

E recuem, porque é da inteligência RECUAR.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:16

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 12 de Janeiro de 2021

«A Língua Portuguesa [património identitário de Portugal, destruído pelo AO90] também deveria interessar aos candidatos à Presidência»

 

«Será uma exigência a discussão da Língua Portuguesa e do AO90 nos vossos debates, caros candidatos à Presidência da República. Os Portugueses, de quem se dirão representantes, desejam-na (Maria do Carmo Vieira - Professora)

 

António Emiliano.png

 

«A Língua Portuguesa também deveria interessar aos candidatos à Presidência»

 

Por Maria do Carmo Vieira

 

Maria do Carmo Vieira.jpg

 

Todos os cidadãos têm o direito de ser esclarecidos objectivamente sobre actos do Estado e demais entidades públicas e de ser informados pelo Governo e outras autoridades acerca da gestão dos assuntos públicos. N.º 2 do Artigo 48.º da Constituição.

 

Em qualquer eleição que se realize, não há candidato que não justifique a sua candidatura, invocando o desejo de bem servir o país e o povo, ou que não alerte e incentive para a necessidade de, em democracia, ser benéfica a intervenção dos cidadãos porque forma de a sustentar e fortalecer. Palavras que conduzem ao significado etimológico de Política e que é, ou não, do conhecimento dos candidatos. Inicialmente, congratulámo-nos com a bondade dessas palavras, depois conhecemos a desilusão, mas na complexidade que caracteriza todo o ser humano, apesar de desiludidos, incitamo-nos continuamente a teimar, a recomeçar, como uma espécie de sobrevivência espiritual.

 

Redigido o preâmbulo, dirijo-me agora a todos os candidatos presidenciais cujos encontros a dois já se iniciaram nas televisões, em princípio, para que os cidadãos conheçam as suas ideias relativamente aos vários temas que caracterizam e tecem a vida de uma sociedade. Relevante será o papel dos jornalistas que moderam os debates e a quem se exige conhecer e estar atento a esses temas essenciais: saúde, educação, cultura, trabalho, migração, economia, política externa, etc. Forçosamente, incidirá a minha atenção sobre a Língua Portuguesa, património privilegiado em duas áreas íntimas entre si – Educação e Culturaque são substanciais no desenvolvimento de um país e na formação espiritual dos seus cidadãos. Duas mais-valias que não podem ser interpretadas na perspectiva do lucro imediato, mas a médio e a longo prazos.

 

Assim acontece com a Natureza que requer tempo para criar e que o Homem tem destruído, com uma rapidez estonteante, movido pela ganância do lucro rápido, bem evidente na proliferação de culturas intensivas e na construção desenfreada, com a consequente destruição da biodiversidade e da extinção de espécies (serra de Carnaxide, barragens a eito para depois serem vendidas ou aeroportos sem um sério estudo de impacto ambiental …), numa miríade de exemplos que poderiam ser identificados.

 

Mencionar a Língua Portuguesa, património identitário que “gerações dos nossos maiores” pacientemente trabalharam, enriqueceram e valorizaram, implica forçosamente pensar na sua ortografia, relíquia que nos conta a história das múltiplas influências geográficas e linguísticas, ao longo dos tempos. Uma ortografia que disputas políticas, negociatas, sucessivas aventuras e irresponsabilidades várias têm vindo a lesar impunemente. E chegamos ao cerne da questão: o Acordo Ortográfico de 1990 que nos foi imposto e cuja discussão nunca foi abertamente feita, com a lamentável cumplicidade da Comunicação Social, na sua generalidade, que se tem recusado abordar o tema quando nesse sentido contactada.

 

Senhores candidatos à Presidência da República, tendo em conta os ideais democráticos que vos orientam, ou deveriam orientar, e o respeito pela Constituição, no dever de defesa e de preservação do nosso património cultural (artigo 78.º, n.º 1) em que se integra a Língua Portuguesa, será intolerável que não discutam, nos debates em que intervirão, e a par de outros temas, a polémica que se arrasta há anos relativamente ao AO90 (independentemente de serem a favor ou contra) e cujas nefastas consequências são visíveis no dia-a-dia, com uma repercussão fortemente negativa na qualidade do Ensino e da Cultura.

 

São indesmentíveis a instabilidade e o caos que este acordo trouxe, e não há quem não os presencie, seja na aplicação dos hífens ou na existência das facultatividades ou na supressão de acentos, ou nas novas palavras, como “receção” ou “conceção”… que em flagrante contrariam a impossível “unidade ortográfica” ou ainda na avalancha diária de “corrutos”, “sutis”, “núcias”, “patos”, “impatos”, “contatos”, “convição”, “batérias”, “infeciologia”, “fatos”, “putrefato”, “manânimo”, exemplos que se desdobram numa listagem infindável de palavras inventadas que a Associação Portuguesa de Tradutores, entre outros, tem rigorosamente registado. A própria pronúncia das palavras está a ser atingida por esta voracidade e por isso mesmo ouvimos amiúde, na televisão e na rádio, a euforia de “infeção” (com a vogal fechada) e “infeciologia” (aqui com o “e” aberto, mas falhando um “c”, ao arrepio das próprias regras deste acordo que o mantém porque “pronunciado”).

 

Tendo ainda em conta que:

 

  1. Os portugueses são, na sua maioria, contrários a este AO, e manifestaram-se não só na Petição “Manifesto contra o Acordo Ortográfico”, cujo primeiro signatário foi Vasco Graça Moura, e que entre 2008 e 2009 reuniu mais de 120 mil assinaturas, mas também na Iniciativa Legislativa de Cidadãos Contra o Acordo Ortográfico (ILCAO), entregue na AR em Abril de 2019, com mais de 21 mil assinaturas, sendo os sucessivos atrasos e adiamentos na sua discussão inaceitáveis, mesmo tendo em conta o ano atípico que se viveu em 2020;

 

  1. Os próprios mentores do AO90, do lado português e brasileiro, afirmaram, respectivamente, “ser sensível”, entre outros aspectos polémicos, “à não acentuação do verbo parar, admitindo o recuo” - Prof. Malaca Casteleiro, e Evanildo Bechara que “O Acordo ortográfico não [tem] condições para servir de base a uma proposta normativa, contendo imprecisões, erros e ambiguidades” (2008);

 

  1. A opção pelo “critério da pronúncia”, que subjaz a este AO90, não é científica e põe em causa o carácter normativo da ortografia, traduzindo igualmente um evidente menosprezo pela vertente etimológica, como se pode verificar no texto da “Nota Explicativa ao Acordo Ortográfico de 1990”;

 

  1. O processo desenvolvido pelo poder político ignorou a totalidade dos pareceres negativos de especialistas e entidades consultadas pelo Instituto Camões (25 em 27), relevando-se os pareceres muito críticos da Direcção-Geral de Educação do Ensino Básico e Secundário (1990) e o da Associação Portuguesa de Linguística (2005) cujo conteúdo só foi desvendado aos portugueses, em 2008, e porque solicitado;

 

  1. O parecer da Comissão Nacional de Língua Portuguesa (CNALP) ao anteprojecto do AO (1989) foi arrasador. Órgão consultivo do Governo, estranhamente foi extinto em 1992. Era seu presidente o Professor Vítor Aguiar e Silva que então afirmou: “Há pontos escandalosos do ponto de vista técnico-linguístico, como o da facultatividade ortográfica, que coloca grandes problemas de natureza pedagógico-didáctica.” Insigne estudioso da Cultura, da Língua e da Literatura Portuguesas, Aguiar e Silva recebeu a edição do Prémio Camões de 2020 tendo afirmado: “O novo acordo ortográfico tem normas que necessitam urgentemente de uma revisão. A sua aplicação resulta numa língua desfigurada nas suas raízes latinas e românicas”;

 

  1. A história do processo relativo ao AO90, desenvolvida com a participação activa de Governos e da Assembleia da República, deveria ser honestamente recontada. Não só o Tratado Internacional foi gravemente ferido no seu conteúdo com a aprovação do Segundo Protocolo Modificativo (2004), definindo a entrada em vigor do AO90 com a ratificação de apenas 3 Estados, em lugar dos 7 anteriormente apontados, como é inadmissível a confusão de datas que baralham diferentes momentos do processo. Para uma melhor compreensão dos dois aspectos mencionados, aconselha-se a leitura de dois artigos do jornalista Nuno Pacheco que, rigorosa e aturadamente, se tem envolvido nesta causa: “A ortografia do português e a estranha história do prédio pintado de roxo” e “Querem datas giras para duvidar da validade do Acordo Ortográfico? Aqui vão algumas”.

 

Creio, na base do que enumerei, repetindo vozes em número infindável, que será uma exigência a discussão deste tema, nos vossos debates, caros candidatos à Presidência da República. Os Portugueses, de quem se dirão representantes, desejam-na.

 

Termino com palavras de António Emiliano, conhecendo as nefastas experiências dos professores com o uso forçado do AO90 e certa de que serão também motivo de reflexão: “A ortografia não é apenas património cultural do Povo português […] é a ferramenta que dá acesso a todas as áreas do saber. A estabilidade ortográfica é um bem que importa preservar: pôr em causa a estabilidade ortográfica é atentar contra a qualidade do ensino, contra a integridade do uso da língua e contra o desenvolvimento cultural e científico do povo português.

 

Fonte:  https://www.facebook.com/groups/178207905663865/permalink/1864409907043648/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:31

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 24 de Junho de 2020

Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) quer avaliação do Acordo Ortográfico de 1990 e admite a sua suspensão

 

PEV.png

 

Parabéns, PEV, pela excelente argumentação, implícita no texto do projecto de resolução apresentado.

 

Haja quem tenha coragem de ser lúcido, no Parlamento, na questão do AO90, um tema tabu para a comunicação social. Até parece que o problema não é grave, nem sequer existe. E ele existe e é muitíssimo grave.

 

O caos ortográfico está instalado, e caminha-se a passos largos para o abismo.

 

A suspensão deste “acordo” que, passado tanto tempo, ainda gera tanto desacordo, é a atitude mais inteligente a tomar. Tudo o resto será remendar o roto, e afundar ainda mais a Língua Portuguesa, já tão mergulhada na lama.

 

«Um parecer do deputado socialista Pedro Delgado Alves, agendado para esta quarta-feira, na comissão de Assuntos Constitucionais, concluiu que não é possível suspender este tratado através de uma iniciativa legislativa de cidadãos.

 

Não é? Tem a certeza, Sr. deputado? Então que tipo de democracia é esta, onde ao povo não lhe é permitido ter a palavra? A conclusão do deputado Pedro Delgado Alves está adequada à ditadura que actualmente vigora. Não, a Democracia que dizem existir em Portugal. E se uma Iniciativa Legislativa de Cidadãos não pode suspender o AO90, o AO90 também não pode ser aplicado através de uma simples Resolução de Conselho de Ministros, que não tem força de Lei.

 

Há muito que investigar neste imbróglio acordista. Soubesse a Procuradoria-Geral da República estar atenta. Mas, infelizmente, não está, ficando isto provado com o arquivamento das denúncias efectuadas a este respeito, com provas mais do que evidentes.

 

E anda por aí o embaixador Luís Faro Ramos, presidente do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua - a desonrar o nome de Camões, e a dizer que Portugal não é o dono da Língua Portuguesa. Tem a certeza? Se Portugal não é o dono da Língua Portuguesa, muito menos o serão os políticos e os directores de institutos que, nada sabendo da Língua, servem interesses que não dizem respeito à Língua, tão-só dizem respeito a políticas obscurantistas, retrógradas, que estão a levar Portugal para um  abissal retrocesso.

 

Mas vamos saber o que pensam “Os Verdes”.

 

«Verdes querem avaliação de Acordo Ortográfico e admitem suspensão

 

Resolução pede ao Governo que faça “avaliação global” e que retire conclusões.

 

O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) quer que o Governo faça uma “avaliação científica global dos efeitos” do Acordo Ortográfico, de 1990, (AO1990) e admite, “numa situação limite”, a sua suspensão. A proposta dos Verdes é feita num projecto de resolução anunciado nesta terça-feira e em que pretende que a Assembleia da República recomende ao executivo que faça esta “avaliação global” ao acordo, que é uma convenção internacional, e que retire conclusões.

 

“Se as conclusões de tal avaliação assim apontarem, numa situação limite”, a orientação pode apontar para “a suspensão do Acordo Ortográfico de 1990, acautelando as medidas necessárias de acompanhamento e transição, por forma a evitar uma maior desestabilização neste processo”. Uma resolução não tem força de lei funcionando como uma recomendação, neste caso ao Governo.

 

No texto, os Verdes explicam que esta avaliação deve diagnosticar “a percepção da sua utilização entre a população em geral, as escolas, as comunidades académica e literária e os órgãos de comunicação social”. Do “resultado dessa avaliação”, o PEV sugere que “sejam promovidas medidas com vista à correcção dos efeitos nefastos e negativos que sejam identificados” e é admitido o cenário limite de suspensão do Acordo Ortográfico.

 

O anúncio desta iniciativa surge numa altura em que está em debate, na comissão de Cultura e Comunicação, da Assembleia da República, uma iniciativa legislativa de cidadãos a propor a suspensão do Acordo Ortográfico.

 

Um parecer do deputado socialista Pedro Delgado Alves, agendado para esta quarta-feira na comissão de Assuntos Constitucionais, concluiu que não é possível suspender este tratado através de uma iniciativa legislativa de cidadãos.

 

Na resolução, os dois deputados do PEV argumentam que “o que está em causa é a absoluta necessidade de se avaliar a implementação do Acordo Ortográfico de 1990, pois trata-se da defesa da Língua Portuguesa enquanto património cultural e, portanto, uma questão do interesse público”. A avaliação deve garantir “a participação da comunidade académica e literária e delinear o caminho a seguir”, acrescenta.

 

Os Verdes apontam, por exemplo, “evidentes contradições na conservação, ou não, das raízes etimológicas dos vocábulos, na eliminação de letras que, mesmo não se lendo, eram fundamentais para compreender a formação das palavras e na eliminação de acentos que antes distinguiam palavras”. O que leva à conclusão de que “a implementação deste acordo acaba por se mostrar incompatível com os objectivos a que se propôs, sendo fundamental proceder-se a uma avaliação da sua aplicação.

 

A bancada do PEV faz uma análise críticas aos efeitos do acordo, como a “verdadeira deslatinização do Português e por uma perda maior do sentido etimológico das palavras, e real desvirtuação da etimologia, e até por uma transformação fonética de certas palavras que roça a ridicularização e mutilação” da língua.

 

Para os Verdes, “chega-se a uma hipótese de que o AO90 falhou em criar alguns benefícios para os falantes” do Português, e, “ao contrário, criou múltiplos e novos problemas”.

 

Em 2019, um grupo de trabalho parlamentar criado para avaliar o impacto da aplicação do Acordo Ortográfico terminou funções em 19 de Julho, sem ter reunido consenso para uma possível alteração a esta convenção. O grupo de trabalho foi criado em 2017 para avaliar o impacto da aplicação do AO de 1990 e, nos dois anos seguintes, estes dois anos, foram ouvidas várias entidades e personalidades, mas manteve-se a divergência entre os deputados sobre a matéria.

 

Entre os países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), o Acordo Ortográfico de 1990 está em vigor em Portugal, no Brasil, em São Tomé e Príncipe e em Cabo Verde, enquanto Timor-Leste e Guiné-Bissau apenas o ratificaram, sem implementar. Falta ainda a ratificação do acordo por parte de Angola e de Moçambique.»

 

Fonte:

https://www.publico.pt/2020/06/23/politica/noticia/verdes-querem-avaliacao-acordo-ortografico-admitem-suspensao-1921663

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:47

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Março 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. «Em Defesa da Ortografia»...

. Um texto do Professor An...

. «Em Defesa da Ortografia ...

. Facto: o AO90 foi criado ...

. Em defesa da Ortografia (...

. Seria de toda a conveniên...

. Imposição do AO90: «Todos...

. Deputados da Assembleia d...

. «A Língua Portuguesa [pat...

. Partido Ecologista “Os Ve...

.arquivos

. Março 2024

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Agosto 2023

. Julho 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.

.ACORDO ZERO

ACORDO ZERO é uma iniciativa independente de incentivo à rejeição do Acordo Ortográfico de 1990, alojada no Facebook. Eu aderi ao ACORDO ZERO. Sugiro que também adiram.
blogs SAPO