Sábado, 5 de Outubro de 2019

«A data de depósito do «instrumento de ratificação» do 2º protocolo de Cabo Verde também é falsa»

 

Fraudes do Acordo Ortográfico de 1990 (Parte IV-C)

 

Titanic AO90.png

Origem da imagem (adaptada): Internet

 

«O «instrumento de ratificação» do 2º protocolo modificativo ao Acordo Ortográfico por Cabo Verde NÃO EXISTE, porque o presidente da República cabo-verdiano não rematou o processo. Há só um documento do governo de Cabo Verde, chamado «decreto nº 5/2005».

Consultar o documento neste link:

https://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/cabo-verde-nao-tem-instrumentos-de-206251

 

Pela Convenção de Viena sobre Direito dos Tratados, o governo de Sócrates nunca poderia ter validado um documento de Cabo Verde, e dito que era um «instrumento de ratificação».

 

Consultar a Convenção de Viena sobre Direito dos Tratados, 77º/1/d), neste link:

http://gddc.ministeriopublico.pt/sites/default/files/documentos/instrumentos/rar67-2003.pdf

 

Maiores falsidades estão nas datas em que o documento foi enviado.

 

No final do ano de 2009, o governo de Cabo Verde disse que ainda não tinha enviado o documento do 2º protocolo.

 

Citamos: «O Governo de Cabo Verde deve, com a maior urgência possível, notificar o Ministério dos Negócios Estrangeiros da República de Portugal sobre a aprovação do Segundo Protocolo Modificativo».

 

Cabo Verde 1061.jpg

 

Página nº 1061 do nº 47 do «Boletim Oficial» da República de Cabo Verde de 14 de Dezembro de 2009. Este PDF tem duas páginas e será enviado, completo, a quem o solicitar.

 

A data efectiva de envio do documento de Cabo Verde nunca pode ser anterior a 14-12-2009.

 

Mas o governo de José Sócrates, e o ministro Augusto Santos Silva inventaram uma data em que dizem ter recebido o «instrumento de ratificação» do 2º protocolo (que não existe) de Cabo Verde!

 

A mentira é grotesca, mas está em letra impressa do «Diário da República»: diz que Cabo Verde fez o depósito do «instrumento de ratificação» três anos e meio antes.

 

(…) «tendo a República Federativa do Brasil e a República de Cabo Verde procedido, em 12 de Junho de 2006, ao depósito dos instrumentos de ratificação do Acordo do Segundo Protocolo Modificativo ao Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa».

 

Consultar estes links:

https://dre.pt/pesquisa/-/search/341857/details/maximized

https://www.publico.pt/2019/07/28/culturaipsilon/direito-de-resposta/acordo-ortografico-caixinha-surpresas-publicado-25-julho-2019-1881479

 

Conforme se lê, o dia 12-6-2006 é exactamente o mesmo em que José Sócrates diz que o então presidente do Brasil, Lula da Silva, teria enviado o instrumento de ratificação do 2º protocolo. Mas esta data não foi confirmada … pelo próprio Lula.

 

Consultar este link:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Decreto/D6585.htm

 

Santos Silva manteve a mentira.

Consultar estes links:

https://www.publico.pt/2019/07/28/culturaipsilon/direito-de-resposta/acordo-ortografico-caixinha-surpresas-publicado-25-julho-2019-1881479

https://www.publico.pt/2019/08/08/culturaipsilon/opiniao/querem-datas-giras-duvidar-validade-acordo-ortografico-aqui-vao-1882433

 

Afinal, Cabo Verde nunca entrou no Acordo Ortográfico! Nunca se vinculou internacionalmente!!! 

 

O Titanic dos negócios da Língua irá mesmo ao fundo!»

 

Conselho Internacional de Oposição ao Acordo Ortográfico de 1990

 

***

 

Seguir todo o enredo aqui:

 

«Governos de Sócrates e Lula mentiram sobre o Acordo Ortográfico»

(Parte I)

 

 «Acordo Ortográfico de 1990 nunca entrou em vigor»

(Parte II)

 

 «São Tomé e Príncipe nunca entrou no «Acordo Ortográfico» de 1990»

(Parte III)

 

«Cabo Verde nunca se vinculou ao «Acordo Ortográfico» de 1990»

(Parte IV)

 

 «Cabo Verde não tem «instrumentos de ratificação» dos protocolos ao Acordo Ortográfico de 1990»

(Parte IV-A)

 

«A data do depósito do «instrumento de ratificação» do 1º protocolo de Cabo Verde é falsa»

(Parte IV-B)

 

«A data de depósito do «instrumento de ratificação» do 2º protocolo de Cabo Verde também é falsa»

(Parte IV-C)

 

«Brasil e Portugal declararam datas discrepantes do Acordo Ortográfico de 1990»

(Parte V – Brasil)

 

«Augusto Santos Silva e Lula da Silva declararam versões muito diferentes quanto ao depósito do instrumento de ratificação do 1º protocolo ao Acordo Ortográfico»

(Parte V-A)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:02

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 9 de Janeiro de 2019

AO90 BEM-SUCEDIDO NO INSUCESSO DA SUA APLICAÇÃO ILEGAL NO MUNDO LUSÓFONO

 

A 2 de Janeiro de 2019 a “Folha de S. Paulo” publicou um artigo sob o título «Bem-sucedido, acordo ortográfico completa 10 anos e espera por ajustes».

Vamos lá pôr os pontos nos is.

 

AO90-2.jpg

 

A data da efectiva aplicação do AO90 foi apenas a 1 de Janeiro de 2016 no Brasil, e a 13 de Maio de 2015, em Portugal.

 

Além disso, o acordo não está em vigor em lado nenhum, se o Direito dos Tratados foi respeitado, porque o mundo lusófono é composto por oito, e não por apenas três países. Se o Direito dos Tratados não foi respeitado, e se tudo isto é a fingir, então estamos diante de uma fraude, com consequências graves, porque não se destrói uma Língua culta e europeia, em nome de uma fraude. Em nome de um porque-sim político.

 

O texto de a “Folha de S. Paulo” é altamente falacioso, cheio de imprecisões, que conduzem ao erro, porquanto o acordo ortográfico não completa 10 anos, e foi apenas bem-sucedido no INSUCESSO que em Portugal levou ao caos ortográfico, em Cabo Verde atirou o Português para língua estrangeira, e no Brasil? No Brasil quem o aplica? O pôvão? Os estudantes? A elite intelectual? Os paus-mandados aplicam-no, mas aplica o quê, deste acordo baseado na ortografia brasileira estabelecida em 1943, que agora querem impingir aos restantes países lusófonos, que não cederam a esta imposição ilegal, e que aplicam (e muito bem) a ortografia preconizada pela Convenção Ortográfica Luso-brasileira de 1945, que o Brasil assinou, mas logo rejeitou, fixando-se na ortografia de 1943, que suprimiu as consoantes mudas onde elas eram necessárias, destruindo a matriz da língua e as suas raízes europeias, e que serve de base ao AO90.

Estes são os factos. Irrefutáveis.

 

No texto diz-se que não existiam diferenças muito expressivas entre uma e outra ortografia, mas as distinções emperravam a difusão internacional do idioma, entre outros obstáculos.

Emperravam o quê? Porquê? Como? Que difusão internacional de que língua?

 

Apenas porque UM escreve setor, e TODOS os outros, seCtor (que todos os estrangeiros reconhecem como sendo um vocábulo europeu); o que UM escreve anistia e TODOS escrevem aMnistia (que todos os estrangeiros reconhecem, porque todos escrevem o vocábulo com M); o que UM escreve AmazÔnia, e TODOS escrevem AmazÓnia; o que UM diz e escreve “beija eu” e “nós vai” e TODOS os outros, beija-me e nós vamos? Enfim, era isto que emperrava a difusão da língua?

 

Os Brasileiros, apesar do acordo, continuarão a escrever anistia, Amazônia e a dizer beija eu e nós vai. E os portugueses e africanos de expressão portuguesa, continuaremos a escrever aMnistia, AmazÓnia, e a dizer beija-me e nós vamos. E os brasileiros continuarão a dizer e escrever uma infinidade de outras palavras que americanizaram, italianizaram, castelhanizaram e afrancesaram, apenas para se afastarem do Português do ex-colonizador, por motivos POLÍTICOS.

Estes são os factos.

 

Pode ver-se no texto as alterações que os Brasileiros tiveram de fazer APENAS na ACENTUAÇÃO e HÍFENES. Ao passo que TODOS os outros países lusófonos teriam de fazer alterações (TERIAM porque não fazem, a não ser o portuguesinho servil ou o portuguesinho desinformado ou o portuguesinho ignorante optativo) não só na acentuação e hifenização, assentes na maior das parvoíces, como em centenas de vocábulos que os Brasileiros mutilaram aleatoriamente (porque, no Brasil, alguns poucos safaram-se da mutilação, conforme se vê na imagem que ilustra este texto, e em Portugal deformaram-nos) para simplificar a aprendizagem, devido ao elevado índice de analfabetismo e iliteracia, que continua a existir no Brasil e em Portugal, com tendência para aumentar cada vez mais, nomeadamente em Portugal, com uma geração de analfabetos escolarizados, que aprenderam as letras e juntam-nas (mal) sem a mínima lógica. Uma autêntica tragédia linguística.

 

É que ao contrário dos Brasileiros, o problema português além da acentuação e hifenização assente na maior das ignorâncias, temos o grave problema dos vocábulos mutilados, que o Brasil não tem, pois já aplicam a “ortografia acordista”, desde 1943 (com as excePções quer vê na imagem).



A Língua Portuguesa é uma língua europeia, e jamais permitiremos que seja sul-americanizada, apenas para satisfazer a fantasia (para ser simpática) de políticos ignorantes.

 

A aplicação do AO90 é um enorme FALHANÇO em Portugal e no Brasil, de acordo com o que dizem os meus amigos Brasileiros mais cultos. Cabo Verde não conta, porque a língua oficial é o Crioulo Cabo-Verdiano, se bem que como língua estrangeira, o Português esteja abrasileirado, para agradar ao editor mais poderoso lá do sítio.



Nos restantes países o problema nem se põe, porque não é verdade que avancem lentamente para a UNIFICAÇÃO (como se lê no texto), porque não avançam. Jamais poderá existir unificação na diversidade dos linguajares dos oito países ditos lusófonos, porque isso seria MATAR a riqueza linguística que existe nas línguas dos OITO países lusófonos, e que não interessa a nenhum, excePto ao Brasil.

 

Portanto, dizer que o bem-sucedido, acordo ortográfico completa 10 anos e espera por ajustes, é uma grande falácia. E os ajustes a que os Brasileiros se referem são apenas no que respeita aos hífenes e ao tão saudoso trema. Mas para nós, Portugueses, que não deixaremos morrer a nossa Língua, e cada vez há mais publicações em BOM PORTUGUÊS, reivindicamos, não ajustes, mas a reposição integral, nas escolas portuguesas, para que as nossas crianças não estejam a ser enganadas, da ortografia que está, de facto, em vigor em Portugal, a de 1945, pois esta não foi revogada por nenhum decreto.

 

A Língua Portuguesa não é mercadoria barata, que esteja à mercê de negócios sujos entre políticos ignorantes e editores e livreiros mercenários. A Língua Portuguesa é Património Cultural Imaterial de Portugal, consignado na Convenção da UNESCO.

 

O que os órgãos de comunicação social servis, as escolas, pela mão de professores desprovidos do sentido de MISSÃO, e os desinformados, e os ignorantes optativos andam por aí a aplicar ilegalmente, não servirá de bitola para nada, porque a desunificação é total, o CAOS é total, e o que estava naturalmente unido, DESUNIFICOU-SE artificialmente, por via da ignorância POLÍTICA. E isto acabará por acabar, cheio te tiros nos próprios pés.

 

Isabel A. Ferreira

 

Fonte da notícia:

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/01/bem-sucedido-acordo-ortografico-completa-10-anos-e-espera-por-ajustes.shtml?fbclid=IwAR0kD_33UxGkKzfnf7C5ycmME5OLuPb2OS9XFP32T-uoH_Alw7XxDR__fuU

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:48

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. «A data de depósito do «i...

. AO90 BEM-SUCEDIDO NO INSU...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

.

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 é uma fraude, ilegal e inconstitucional

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram oficialmente a não vigência do acordo numa reunião oficial e os representantes oficiais do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO