Terça-feira, 13 de Março de 2018

AO CUIDADO DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA E DOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO

 

Se os professores se unissem contra o AO90, como se unem por outros motivos, não estaríamos a viver esta tragédia linguística, que está a afectar os alunos portugueses, obrigados a aprender a grafia brasileira e a rejeitar a grafia portuguesa.

 

GRAMÁTICA.png

 

Texto de Luís Filipe Pimentel Costa

 

«Não haveria ditadores se não tivessem quem os siga.

 

O principal responsável é o homem bom e cumpridor das legalidades que denuncia o vizinho, levando a que seja torturado e eventualmente morto.

 

Os principais responsáveis são os soldados que vêem buscar o vizinho denunciado pelo delator.

 

O principal responsável é o sargento que interroga o vizinho denunciado.

 

O principal responsável é o cabo que tortura o vizinho denunciado, "apenas" cumprindo ordens.

 

São mais responsáveis que os generais sentados nas suas poltronas, apenas a cagar ordens.

 

Estes generais só são mais responsáveis que o ditador que, do alto do seu púlpito dança sobre a cabeça dos generais, sem os quais se despenharia e seria encerrado num manicómio.

 

Responsáveis são os professores que se dizem contra o acordo ortográfico e todos os dias violentam os alunos, ensinando-os e obrigando-os a escrever errado.

 

Imagine-se todos estes professores ... dezenas? centenas? dezenas de centenas? Imagine-se todos estes professores a recusarem-se a violentar os alunos na sua cidadania. Imagine-se TODOS estes professores a formarem uma associação que se manifestasse nos meios de comunicação social, que se manifestasse no ministério que deveria ser da Educação.

 

Terão os seus porquês, as suas justificações, mas o facto é que são responsáveis, dos principais responsáveis pela manutenção e propagação do porcalhês que segue o acordo ortográfico de 1990.

 

Como os professores, também os encarregados de educação que se dizem contra o acordo ortográfico de 1990. Imagine-se todos estes encarregados de educação, TODOS, a recusarem que os seus educandos sejam violentados na sua cidadania e obrigados a escrever errado. Imagine-se TODOS estes encarregados de educação a OBRIGAREM, a EXIGIREM que os seus educandos, não sendo, como não são funcionários públicos, não sejam violentados na sua cidadania e OBRIGADOS a escrever ERRADO.

 

Mais me preocupa o silêncio dos bons que voltam a cabeça para o lado, do que as atrocidades dos maus.

 

O importante é reconhecermos os nossos erros. O importante é, reconhecendo os nossos erros, dispormo-nos e esforçarmo-nos a não os repetir. Importante também é transmitirmos aos outros o conhecimento dos nossos erros, numa tentativa de que os outros os não façam.

 

Afinal de contas, todos nós somos humanos, e como tal erramos. Se não errássemos seriamos deuses.

 

Para mim o importante é falar/escrever o que penso, como vejo as questões, sem procurar seguidores, sem procurar gostos, nas minhas publicações e nos meus comentários.

 

Luís Filipe Pimentel Costa»

 

Fonte:

https://www.facebook.com/groups/escritoressemacordo/permalink/1248011418654576/

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:24

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 17 de Maio de 2016

OS CÃES LADRAM E A CARAVANA DOS DITADORES PASSA, ARRASTANDO PELO CHÃO A LÍNGUA PORTUGUESA…

 

Image00001[1] CARAVANA.jpg

 

Todos conhecem o provérbio árabe: «Os cães ladram e a caravana passa…», e imaginamos uma caravana de beduínos montados em camelos a passar, indiferente, aos latidos dos cães…

 

Quando alguém, como nós, defensores de uma causa justa, neste caso, defensores da Língua Portuguesa, na sua forma culta e europeia, incomoda os poderosos, os políticos, os governantes, e estes pretendem fazer ouvidos de mercador, atiram-nos este provérbio à cara, como se fosse uma pedra… Esquecendo-se de que por vezes, o que parece ser, não é, e com um pouco de habilidade vira-se o bico ao prego.

 

Existem pelo menos duas interpretações para este provérbio. Uma que desmerece o papel dos cães, e outra que os coloca nos píncaros.

 

Seguirei a versão de Millôr Fernandes (um desenhista, humorista, dramaturgo, escritor, poeta, tradutor e jornalista brasileiro) para dizer ao que venho.

 

Para Millôr, quem nos diz que os cães deste provérbio não são moralmente superiores aos indivíduos que seguem na caravana?

 

«Pois a caravana passa. Mas não de superioridade. Passa, correndo de medo! Bem que desejaria parar no oásis. Mas onde há cães, há homens. E são esses homens que a caravana teme. Pois, invertidos os papéis proverbiais, imediatamente descobrimos de quem é composta essa caravana de camelos», montados por malfeitores da Língua, vendilhões da Pátria, mercenários sem crédito, mercadores de lixo ortográfico, ditadores que arrastam pelo chão a Língua Portuguesa.

 

É por medo, e não por superioridade, que a caravana passa apressada, correndo, indiferente aos latidos dos cães. Passa disfarçada, «escondendo-se atrás das dunas, até sumir nos desvãos da História».

 

E os cães... somos nós, que pugnamos por uma Língua limpa do lixo ortográfico que esses mercadores nos querem impingir como mercadoria da melhor proveniência.

 

E, querem saber? Quanto a mim, prefiro ser cão a ladrar, do que ditador a (des)governar.

 

Porque destes cães rezará a História. Quanto aos ditadores, que arrastam a Língua pelo chão, serão atirados ao Caixote do Lixo da História, porque esse foi sempre o destino de todos os tiranos.

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:04

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. AO CUIDADO DOS PROFESSORE...

. OS CÃES LADRAM E A CARAVA...

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

.

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 é uma fraude, ilegal e inconstitucional

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram oficialmente a não vigência do acordo numa reunião oficial e os representantes oficiais do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO