Sexta-feira, 2 de Fevereiro de 2024

“Corrução”? No título de uma notícia “online”? Desde 31 de Janeiro? Esta gente devia ser chamada à Justiça por CORROMPER a Língua Portuguesa -- a Língua Oficial de Portugal

 

CORRUÇÃO.PNG

(Retirei hoje, esta imagem do site, mas se, por um acaso, se lembrarem de corrigir o erro (o que considerarei muito louvável), o link do texto, no fim desta publicação, confirmará a minha indignação)

 

Também na “Questão da Língua” há muita corruPção -- ainda por cima este é pronunciado e escrito nas mais diversas Línguas mundiais: Português, Inglês, Alemão, Castelhano, Francês, Ucraniano, Polaco, Romeno, Brasileiro, Catalão, Sueco, Luxemburguês, etc., por aí fora...

 

Ainda mais por cima o facto de este erro monumental estar online desde 31 de Janeiro, e não ter uma alminha que desse conta do erro e se apressasse a corrigi-lo para não deixar ficar mal os envolvidos, nomeadamente a RR. É o que faz contratar mão-de-obra barata ignorante.



No meu tempo de Jornalismo no activo, nos Jornais por onde passei, isto dava direito a um despedimento, muito bem despedido.

 

Quem assim escreve deve regressar ao 1º ano da Escola Básica, para aprender com um Professor com maiúsculo, como se escreve uma palavra tão simples como corruPção. Até os Brasileiros grafam à portuguesa este vocábulo, embora o pronunciem com ô, acrescentando-lhe um i: «côrrupição».



Bem sei que o AO90, muito ignorantemente, manda mutilar as palavras que tenham cês e pês não pronunciados. E então há gente que leva isto tão a sério, mas tão a sério, que quando vê um ou um à frente, instintivamente, elimina-os da palavra. Isto é de gente que não sabe pensar a Língua. E se não sabe pensar a Língua como pode exercer uma profissão em que a Língua é o seu mais precioso instrumento de trabalho?  Isto já ultrapassa a ignorância que políticos ignorantes permitiram que se disseminasse por aí, ao imporem ilegalmente um acordo ortográfico engendrado por Antônio Houaiss e Malaca Casteleiro, com as mais obscuras intenções.

Este tipo de erros estão espalhados por toda a parte, nas televisões  e nos jornais, revistas e publicações acordistas. E não há ninguém da classe intelectual, da classe docente, da classe política, da classe literária, da classe das letras, da Academia das Ciências de Lisboa que grite bem alto um BASTA a esta pouca vergonha?



Dizem-me: «ah! mas isto é uma gralha». Não, não é uma gralha. Uma gralha fica apenas uns segundos, vá lá, uns minutos online. Isto é ignorância, desleixo e nenhum brio profissional.



Seria um acto de inteligência genial, de um QI acima dos 140, que uma autoridade maior da República Portuguesa pusesse mãos a esta obra e extirpasse de uma vez este cancro chamado AO90, já com metástases espalhadas por todas as áreas do Saber, o qual está a matar a Língua Portuguesa.  

Este é o momento de dizer BASTA!!!!!!
Estamos com eleições à porta. Como estão a comportar-se os partidos políticos que se candidatam à corrida para o PODER, no que respeita a esta vergonha nacional?
Não haverá ninguém, entre os que governam, com vergonha na cara? Com brio político? Com inteligência genial? Terão todos um QI abaixo de 90Isto já ultrapassou a questão política. Isto já entrou no campo da falta de inteligência, da falta de bom senso, da falta de brio profissional, da falta de vergonha na cara.

 

Nunca Portugal esteve cotado tão por baixo como nos tempos que correm, que nem a sua Língua Materna uma boa fatia dos portugueses sabe escrever!!!! País tão cheio de analfabetos e semianalfabetos ao mais alto nível!!!!!

BASTA!!!!! Há que dizer BASTA! a esta vil subserviência a um País que maliciosamente usurpou a NOSSA Língua Portuguesa!

Se os governantes portugueses permitem tal abuso, nós NÃO permitimos.


Isabel A. Ferreira

Fonte da imagem:

https://rr.sapo.pt/noticia/pais/2024/01/31/uma-semana-depois-arranca-interrogatorio-a-suspeitos-de-corrucao-na-madeira/364976/

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:28

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sábado, 24 de Agosto de 2019

E se fosse confirmada a “morte mortal” da falta de profissionalismo e desconhecimento da Língua Portuguesa?

 

O que se passa ao redor da Língua em Portugal é algo surrealista. Inacreditável. Inconcebível. Coisa única no mundo.

Começo a pensar que existe um complô, ao mais alto nível, que tem por objectivo mais do que óbvio destruir deliberadamente a Língua Portuguesa.

Nunca, como nos últimos tempos, ou melhor, nunca como depois que o governo português, de uma forma ilegal e ditatorial, forçou a função pública, escolas e órgãos de comunicação social servilistas a aplicar o AO90, se viu a Língua Portuguesa a ser tão maltratada, tão mal escrita, tão ignorantemente vilipendiada, como agora.

É de propósito? Parece-me que sim.

O que se vê nesta imagem nada tem a ver com o AO90, mas é consequência do AO90, pois foi a partir dele que o desleixo da Língua se acentuou consideravelmente.

 

Esperamos que muito brevemente seja confirmada a “morte mortal” deste desamor à Língua Portuguesa, e que todos os que não a sabem usar, regressem aos bancos da Escola Básica, para reaprenderem a amar e a escrever a Língua correCtamente, com elegância e profissionalismo.

O nível de literacia de um povo vê-se pelo modo como fala e escreve a Língua Materna.

 

Morte mortal.jpg

O Pedro Pinto não terá culpa, mas isto é inadmissível numa legenda de televisão. Eu recusava-me a trabalhar nestas condições deploráveis.

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10206373768541033&set=gm.2355970654488675&type=3&theater&ifg=1

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:54

link do post | comentar | ver comentários (8) | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 10 de Abril de 2018

As calinadas dos jornalistas nas televisões

 

Nem tudo será culpa do AO90, mas tudo é culpa da falta de brio profissional, da falta de conhecimentos de Língua Portuguesa, da vergonhosa subserviência ao governo autocrata instituído; é culpa também de muita ignorância e, principalmente, do total desamor pelo principal instrumento de trabalho de um jornalista: a Língua com que se expressa.

 

Em suma: isto é uma VERGONHA! E só acontece num Portugal quase, quase ex-europeu...

 

E a falar? É uma desgraça. Todos os dias ouvimos que este comprimentou aquele; as leis não são compridas… Muitos óvios; alguns já andam de fato a falar à brasileira, e a contatar este e aquele…; sentam líderes na mesma mesa... Enfim, tanta coisa vai mal no “reino” de Portugal…

AGREÇÕES.png

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1700056880037594&set=gm.1810798982298800&type=3&theater&ifg=1

 

OSPITALIZADO.png

Fonte:

https://www.facebook.com/adolfodiasterceiro/photos/a.159851127988274.1073741829.149250599048327/179698912670162/?type=3&theater&ifg=1

 

HOUVE.png

Fonte:

https://www.facebook.com/adolfodiasterceiro/photos/a.159851127988274.1073741829.149250599048327/182052729101447/?type=3&theater&ifg=1

 

LUS.png

 Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1539900169452825&set=a.258124244297097.52904.100002985699370&type=3&theater&ifg=1

 

AÉREAS.png

 Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10216475215452842&set=pcb.2086716278239543&type=3&theater&ifg=1

 

CONSELHO.jpg

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10155080398561567&set=gm.1810859208959444&type=3&theater&ifg=1

 

PANDARIA.png

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1961088487253397&set=gm.2090369534540884&type=3&theater&ifg=1

 

CAIEM.png

 

CONTRACEÇÃO.png

 

Alguém sabe o que significa contraceção? (Lê-se contrac’ção, e quem não lê assim, lê errado).

 

É que isto nem no Brasil existe.

 

Trata-se de um monstrinho ortográfico criado pelos acordistas para aqueles Portugueses que têm dificuldade em aprender a Língua íntegra e culta.

 

Sugererimos que os legendadores e tradutores de televisão regressem ao primeiro ano da escola básica.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:53

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 15 de Março de 2018

O governo nem sequer para para questionar as incoerências do AO90

 

Isto dito (mais escrito do que dito) assim à acordês, é algo aparolado, sem nexo, porque uma coisa é o tempo de um verbo (pára), outra coisa é uma preposição (para), e outra coisa são duas preposições lado a lado…

 

Além disso, graficamente a frase fica mais feia do que um troll, e, linguisticamente, mistura-se alhos com bugalhos…

 

E nem sequer é a questão ah! (este ah não devia levar H, segundo a regra acordista) deduz-se na frase o que é para de parar e para preposição... deduz-se… E pronto, é assim!

 

PÁRA.jpg

 Origem da imagem:

https://www.vortexmag.net/as-incoerencias-do-desacordo-ortografico/

 

Desconheço, por completo, o motivo que levou a inteligência acordista a retirar o acento agudo à terceira pessoa do indicativo do verbo parar – pára – que também entra em palavras compostas, como elemento designativo de aquilo ou aquele que protege ou ampara, por exemplo: pára-quedas, pára-raios, pára-lama, pára-vento, pára-choques…

 

Agora, segundo a inteligência acordista, estas palavras escrevem-se sem o acento agudo no A, e ficamos com algo que nos leva a coisas que servem para as quedas, para os raios, para a lama, para o vento, para os choques… (Pâra)

 

Retirou-se o acento agudo de pára (verbo) porquê? Qual o critério?

 

Alguém me explica? Por favor? Algum acordista que espreita o meu Blogue, pode informar-me? Algum professor brasileiro de Comunicação e Expressão (nome que, no Brasil, substituiu a designação da disciplina de Língua Portuguesa – até a este ponto o Brasil se distanciou de Portugal, e isto não é uma crítica) pode explicar-me?

 

É que li no Guia dos Estudantes Brasileiros esta explicação: os acentos diferenciais, que são usados para distinguir duas palavras iguais com significados diferentes, como por exemplo pára (do verbo parar) e para (preposição) deixa de existir nos seguintes casos:

 

Para (verbo); pelo (substantivo) – que se diferencia da preposição pelo (este é outro que tal: pêlo (penugem) pelo (contracção da preposição antiga per e do artigo ou pronome lo) e pelo (tempo do verbo pelar).

 

Mas atenção! A nova regra não se aplica para:

 

Pôde (do verbo poder no passado), que mantém o acento para se distinguir de pode, o uso do verbo no presente; pôr (verbo), que mantém o acento para se diferenciar de por (preposição).

 

Ora se pôr (verbo) mantém o acento para se diferenciar de por (preposição), por que raio é que pára (verbo) não mantém o acento para se diferenciar de para (preposição?).

 

Isto é uma aluna a perguntar aos acordistas: porquê? Qual o critério utilizado?

 

E não me venham com a aquela da colher e colher… com significado e pronúncia diferentes.

 

Uma coisa é colher substantivo feminino (culhér) – utensílio de cozinha), do francês cuillére.

Outra coisa é colher verbo (culhêr) – fazer colheita, do latim colligere.

 

Como distinguimos o substantivo do verbo numa frase?

«Fui colher laranjas e achei uma colher».

 

É que o verbo colher jamais será precedido por uma, à, a, esta, desta, como o substantivo colher.

 

E o que serve para o verbo colher, serve para os restantes verbos, como acordar. Daí pronunciar-se “acórdo”, quando dizemos acordo sempre para o mesmo lado… e “acôrdo”, quando dizemos este acordo ortográfico é uma estupidez. Etc..

 

para (preposição) e pára (tempo do verbo parar) precisa do acento diferencial, de outro modo as frases tornam-se confusas.

 

«Eu ia a caminho da escola quando ouvi aquele para, e assustei-me. Para para o quê? Ora para porque… sim, para para nada… foi uma brincadeira para te assustar…, disse o meu amigo, saindo de trás da árvore.»

 

Qualquer criança da Escola Básica com o básico de Português, ou um qualquer adulto, doutorado em Línguas, lê todos estes “pâras” deste modo: “pâra”.

 

Façam a experiência. E a intenção dos acordistas não foi simplificar? Pois não simplificaram nada.

 

Além disso, todas as Línguas cultas têm um visual elegante e harmonioso, e não atulhado de palavras sem sentido, desviadas das suas origens, mutiladas, as quais, juntas num texto, dá-nos a sensação de um cenário caótico, por onde passou uma ventania demolidora.

 

Alguém pode elucidar-me por que retiraram o acento de pára.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:29

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
15
16
17
18
20
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. “Corrução”? No título de ...

. E se fosse confirmada a ...

. As calinadas dos jornalis...

. O governo nem sequer para...

.arquivos

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Agosto 2023

. Julho 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.

.ACORDO ZERO

ACORDO ZERO é uma iniciativa independente de incentivo à rejeição do Acordo Ortográfico de 1990, alojada no Facebook. Eu aderi ao ACORDO ZERO. Sugiro que também adiram.
blogs SAPO