Sábado, 18 de Maio de 2019

«NEVOEIRO LINGUÍSTICO» - AO REDOR DO AO90

 

Um actualíssimo texto de Maria João Oliveira, escrito em Fevereiro de 2014, que repesco, neste momento crucial, em que se está a discutir a REVOGAÇÃO do AO90 no Brasil, mas também em Portugal, o qual põe os pontinhos em todos os is, mostrando o quanto é urgente e necessária a revogação de um "acordo" que Portugal repudia, e que nenhum outro país lusófono deseja.

 

Um texto que se destina a informar os deputados da Nação que, por falta de informação objectiva, ainda não encaixaram que este "acordo" não é para rever, mas sim para revogar

 

VASCO.png

 

Por Maria João Oliveira

 

NEVOEIRO LINGUÍSTICO

 

«Ver a Língua Portuguesa tão maltratada pelo "acordo" ortográfico (AO90), não é fácil para quem a ama profundamente, desde os bancos da escola. Dói-me vê-la desfigurada, a tentar mover-se no caos, sem o conseguir, perdida num nevoeiro que não deixa ver claro... Cada vez mais, me sinto agredida, em cada dia que passa, pelo AO90, através de certos jornais, da televisão, da Internet, e até pelo próprio "Jornal de Letras", cuja leitura deixou de me dar prazer.

 

Os princípios que (des)orientam este "acordo" são tão incongruentes, confusos e inconsistentes, que contribuem para o desprestígio internacional do nosso país. Não é por acaso que a maioria dos portugueses, incluindo poetas, escritores e professores, repudia este "acordo", que nos foi imposto, sem discussão pública, e que não pode contribuir, de modo algum, para a evolução da nossa Língua, até porque ela não evolui por decisão política, mas sim, naturalmente, nos diferentes contextos socioculturais de cada país.

 

Ao fazer tábua rasa da sua raiz greco-latina, afastando-a, assim, das grandes Línguas mundiais, este "acordo" roubou, à nossa flor do Lácio, o casulo onde as palavras se metamorfoseiam, até à beleza do voo. Quem já leu o texto do AO90, mais se apercebe da inviabilização do vocabulário formado por via erudita, devido ao afastamento da etimologia das palavras. E isto empobrece, drasticamente, a Língua Portuguesa.

 

Subordinar a grafia à oralidade, que é tão variada na comunidade lusófona, faz divergir as grafias ainda mais, pelo que deita por terra uma propalada "unificação" que não é desejável (é a diversidade que enriquece a Língua), nem possível, porque este "acordo" admite múltiplas grafias (as famigeradas facultatividades), como por exemplo: corrupto/corruto; dicção/dição; sumptuoso/suntuoso; peremptório/perentório, etc., etc. Além disso, provoca sérias divergências em palavras que tinham a mesma grafia, com a agravante de crias homonímias e homografias que não têm razão de ser, tais como: receção em Portugal e recepção no Brasil; deceção em Portugal e decepção no Brasil; espetador em Portugal e espectador no Brasil, e assim por diante.

 

A grafia, em função da pronúncia, desrespeita os próprios "objectivos" deste "acordo" que, afinal, nem é um Acordo, visto que, além de ser ilegal e inconstitucional, não foi subscrito por todas as comunidades falantes, e não está a ser aplicado nos países que o ratificaram (Brasil, Angola e Moçambique).

 

Introduzindo formas tipicamente brasileiras, no Português de Portugal, provocando alterações nas consoantes mudas, acentuação, hifenização, utilização de maiúsculas, etc., este "acordo" incoerente e sem fundamento científico, veio instaurar o caos linguístico na sociedade portuguesa, com consequências devastadoras a nível educacional, cultural, social e económico, coexistindo já três grafias: a do Português, a do AO90 e aquela que dá na real gana a quem é a favor do "acordo", mas que não o leu, ou seja as "multigrafias pessoais"... E a este "acordês", nem alguns responsáveis políticos, jornalistas e professores universitários conseguem escapar.

 

Como se tudo isto fosse pouco, o referido caos invadiu as escolas, onde também coexistem várias grafias, e onde os professores se vêem obrigados a ir contra a sua própria consciência, "ensinando", nos termos de um "acordo", que, liminarmente, rejeitam, mas que lhes foi arbitrariamente imposto, e ao arrepio de todos os pareceres. Com tal imposição, a maioria dos professores perdeu o prazer de ensinar, numa escola, onde aprender podia ser tão apaixonante como jogar à bola, ou andar de bicicleta. E, perante tamanho descalabro, como estimular, nos alunos, o gosto pela leitura e pela escrita? E o que vai acontecer ao rigor da Língua, na reflexão filosófica e na criação literária?

 

Um "acordo" que tem a fonética e o mercado livreiro como critérios, manifestando, assim, uma total insensibilidade, perante o valor patrimonial da ortografia, e que enferma de problemas, a nível legal e constitucional, prejudica seriamente o desenvolvimento, a educação, o progresso do país. O "acordo" em causa viola, por exemplo, o artº 78 (alínea c) do nº 2, da Constituição da República Portuguesa), sobre o dever estatal de defesa do património cultural.

 

Sabe-se que a Língua não evolui por decreto, mas há a considerar que este "acordo", apenas autorizado por uma Resolução da Assembleia da República, é, na verdade, ilegal, estando assim em vigor a anterior ortografia, acordada pelo AO45.

 

Para cúmulo, o AO90 recorreu a um conversor ortográfico, o Lince, já utilizado na AR e em várias instituições, e a um VOP ("Vocabulário Ortográfico do Português"), que não dignificam a cultura, e que entram em rota de colisão com ele próprio (imagine-se o Lince a abrasileirar Camões, Pessoa, etc.), por mais incrível que pareça.

 

Os problemas provocados pela aplicação deste "acordo" são tantos, que eu teria de me alongar ainda mais, para tentar fazer uma abordagem mais profunda de todos os pontos.

 

Como peticionária e amante da Língua Portuguesa, vou estar atenta, no próximo dia 28, ao debate e votação na Assembleia da República, da Petição nº 259/XII/2ª, que foi subscrita por Ivo Barroso e Madalena Homem Cardoso, e que exige a desvinculação de Portugal a este "acordo" ortográfico. Ao fim e ao cabo, todos sabemos que esta é a única solução. Qualquer outro "acordo", ou tentativa de "simplificação" do que já existe, só nos irá levar a novos e onerosos becos sem saída, que terão também, no futuro, graves consequências na Língua Portuguesa. (*)

 

Perante a selvática destruição da identidade e das raízes da nossa Língua, peço e espero que este Governo tenha o bom senso de pôr fim à imposição de um "acordo" que Portugal repudia, e que nenhum outro país lusófono deseja. Assumir um erro e erradicá-lo, só dignifica quem o pratica.

 

Caso contrário, ver-me-ei obrigada (e, decerto, a maioria dos portugueses...) a exercer o direito de resistência (artº 21, da Constituição da República Portuguesa).»

 

Maria João Gaspar Oliveira

 

Fonte:

https://www.facebook.com/notes/524069947710276/

 

(*) Malogradamente, a Petição nº 259/XII/2ª, não passou na Assembleia da República, devido à falta de conhecimentos específicos e à submissão do governo português a uma negociata obscura, que constituiu um descomunal erro, que ninguém ainda teve a dignidade de erradicar.

 

Aguardamos agora, pela próxima discussão, e esperamos que todos os que irão ser chamados à liça, estejam bastamente mais INFORMADOS, para poderem tomar a única decisão racional possível: a revogação imediata do AO90. (Isabel A. Ferreira)

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:24

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 21 de Outubro de 2016

OS PORTUGUESES TÊM O DIREITO E O DEVER DE RESISTIR À IMPOSIÇÃO DO AO90 ATRAVÉS DA DESOBEDIÊNCIA CIVIL

 

 

 

Um texto para ler e reflectir o absurdo da imposição do AO90 aos portugueses

 

“Todos os cidadãos portugueses (em particular os que assumem especiais responsabilidade na transmissão do património linguístico às gerações futuras) têm, mais que o direito, o dever da desobediência (art.º 21º CRP: “Todos têm o direito de resistir a qualquer ordem que ofenda os seus direitos, liberdades e garantias...”) e de objecção de consciência (art.º 41º nº 6 CRP) a recomendações ministeriais ilegais, além de prematuras e de impraticáveis em muitos aspectos.”

 

EUGÉNIO.jpg

 

Por Eugénio Lisboa

 

Antígona ou O Coração Indomável

 

Num prestimoso serviço à cultura, transcreve-se este artigo, do académico e ensaísta Eugénio Lisboa, publicado no “Jornal de Letras” do passado dia 1 de Maio:

 

Desobediência, a mais rara

e corajosa das virtudes”

George Bernard Shaw

 

Numa carta admirável e meticulosamente fundamentada, dirigida ao Ministro da Educação, a propósito da suposta entrada em vigor do famigerado Acordo Ortográfico, a médica Madalena Homem Cardoso, na sua qualidade de mãe de uma filha de sete anos, agora a iniciar-se na arte de escrever em língua portuguesa, informa aquele Ministro de que não poderá “anuir a que a aprendizagem da [sua] filha seja perturbada pelo autodenominado “Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1990)” (...) o qual não é “acordo”, pois conta com a oposição quase unânime dos especialistas em língua portuguesa  e da esmagadora maioria dos falantes-escreventes de Português de Portugal(...)”.

 

Não vou aqui esmiuçar a argumentação lúcida e magnificamente articulada, que a Dra. Madalena Cardoso desenvolve, ao longo de nove páginas, e que eu sugeriria ao Sr. Ministro da Educação que lesse, ele mesmo, com atenção e cuidado, em vez de a mandar analisar pelos seus colaboradores. Creia que é uma boa sugestão!

 

O meu ponto é outro: na carta referida, a autora, por mais de uma vez – e isto poderá chocar alguns leitores e, provavelmente, o Ministro e os seus directores-gerais – incita, em termos nada ambíguos, “todos os cidadãos portugueses” à desobediência civil, relativamente àquele Acordo. Eu cito uma passagem só: Todos os cidadãos portugueses (em particular os que assumem especiais responsabilidade na transmissão do património linguístico às gerações futuras) têm, mais que o direito, o dever da desobediência (art.º 21º CRP: “Todos têm o direito de resistir a qualquer ordem que ofenda os seus direitos, liberdades e garantias...”) e de objecção de consciência (art.º 41º nº 6 CRP) a recomendações ministeriais ilegais, além de prematuras e de impraticáveis em muitos aspectos.”

 

O conceito de “desobediência civil” vem de longe e as suas raízes filosóficas estão profundamente enraizadas no pensamento ocidental, em obras de Cícero, S. Tomás de Aquino, John Locke, Thomas Jefferson, Henry David Thoreau ou Bertrand Russell. A “desobediência civil” não é mais do que uma resistência passiva – de carácter simbólico – a actos tidos por injustos e iníquos praticados pelo Estado – actos que podem ser “legais” mas que são eticamente reprováveis. Em África, na América e na Índia, a “desobediência civil” tem sido uma táctica usada, com êxito, ainda que morosa e dolorosa, na obtenção dos resultados almejados. Gandhi, na África do Sul e na Índia, e Martin Luther King, entre outros, nos Estados Unidos, usaram de resistência passiva, isto é, de desobediência civil, para atingirem os seus objectivos.

 

Em muitos países do mundo de hoje e, em particular, na Europa (incluindo Portugal), os cidadãos sentem-se tentados, perante as medidas de sacrifício promulgadas, não equitativamente, para remediar uma situação económico-financeira de quase catástrofe – de que muitos deles não foram nem cúmplices nem culpados - , muitos deles, dizia, sentem-se seriamente tentados a praticar actos de desobediência civil, em relação a Estados que não consideram “pessoas de bem”: a injustiça persistente gera sempre o desejo de resistência àquilo que se considera “o mal”.

 

O conceito, repito, vem de longe, dos tempos míticos da Grécia Antiga, em que Antígona, filha de Édipo, afrontou o Rei de Tebas, Créon, em dilema dilacerante, que marcou a fogo a inteligência e o imaginário dos homens, ao longo dos séculos. O conflito, glosado na tragédia de Sófocles, resume-se em poucas palavras: regressando a Tebas, após a morte do pai (Édipo), Antígona e sua irmã Ismena tentam reconciliar os seus irmãos Etéocles e Polinices, que se encontravam desavindos – Polinices, atacando a cidade e Etéocles, defendendo-a. Ambos morrem em combate e o tio Créon, tornado Rei, pune Polinices, proibindo o seu enterro. Antígona, movida pelo amor ao irmão e pelo horror à iniquidade do decreto real, enterra secretamente o irmão. Entre a lei do Estado e a lei divina (a da sua consciência, a da Justiça), optou por esta, arriscando a vida.

 

O centro da peça, que ainda hoje serve de medalha às consciências em luta e dilacera espíritos e corações, é o diálogo entre Antígona e Créon. Antes de desferir a sentença de morte, por desobediência, o rei pergunta: “E tu, responde-me, numa palavra e sem rodeios: conhecias a proibição que fiz publicar?” Antígona responde com altivez. ”Conhecia. Como podia ignorá-la? Toda a gente a conhecia.” O Rei desfere, então, a pergunta final: “E ousaste infringir as minhas ordens?” A resposta de Antígona ficou sendo o fundamento ardente de todas as futuras “desobediências civis”: “Ousei, porque elas não emanavam de Zeus nem da Justiça, que habita junto às divindades infernais; e não acreditei que um simples mortal como tu pudesse ter suficiente autoridade para se permitir transgredir as leis não escritas mas imortais dos deuses.”

 

A postulação da princesa é clara e pode “traduzir-se” deste modo: entre um mandato falível do Estado e o imperativo mais alto da nossa consciência (o nosso íntimo conceito de justiça e de bem), a escolha só pode ser uma: seguir o imperativo da consciência.

 

Este princípio de “desobediência civil”, a que outrora ficaria bem apelidar de “desobediência divina”, atingiu algum estatuto de lei internacional, por ocasião dos famosos julgamentos de Nuremberg, nos quais não foi considerado como atenuante aos crimes cometidos pelos réus nazis o facto, por eles alegado, de terem apenas “cumprido ordens”. Nesse famoso e controverso tribunal, foi afirmado, de modo imperativo, o princípio de que um indivíduo pode, em certas circunstâncias, ter que responder, em tribunal, por não ter desobedecido às leis do seu país.

 

Numa belíssima versão contemporânea do mito de Antígona, da autoria do grande dramaturgo francês, Jean Anouilh, a protagonista, pouco antes de ser mandada para a morte, envia, por intermédio de um dos guardas, uma mensagem a seu noivo Hémon, nos seguintes termos: “Sim. Perdão, meu querido. Sem a pequena Antígona, vós estaríeis todos muito tranquilos. Amo-te...” É, precisamente, o papel das Antígonas deste nosso mundo impedir-nos de ficarmos demasiado tranquilos, quando aquilo que as iniquidades vigentes estão a pedir é o desassossego, a intranquilidade geradora de acção e justiça. O coração indomável de Antígona é uma luz ao fundo do túnel.

 

Na fotografia: Eugénio Lisboa.

 

Fonte:

http://dererummundi.blogspot.pt/2012/05/antigona-ou-o-coracao-indomavel.html

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:11

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 20 de Novembro de 2015

Os Portugueses produzem factos, e os Brasileiros vestem ternos

 

 

12249768_720139231421081_341161871346056289_n[1].p

Fonte da imagem:

https://www.facebook.com/TradutoresContraAO90/photos/a.645077242260614.1073741827.199515723483437/720139231421081/?type=3&theater

 

Por estas e por outras iguais a estas, devemos lutar pela destruição do Acordo Ortográfico de 1990 e não pela sua revisão, que não serve para nada.

 

O que vemos na imagem está no Jornal de Letras, dirigido pelo acordista José Carlos de Vasconcelos.

 

(Deixei de comprar este jornal há muito).

 

Estas palavras, se o AO/1990 fosse legal e estivesse em vigor de FACTO, estariam MAL ESCRITAS, no Português de Portugal, e, à excePção de CONTATO, estariam também ERRADAS no “Português” do Brasil.

 

Mas para quê andarmos aqui a dizer isto assim: Português de Portugal e Português do Brasil?

 

Então a Língua Portuguesa não é só UMA?

 

Se não é então separemos as Línguas: Língua Portuguesa é a de Portugal. E a Língua Brasileira é a do Brasil.

 

Nós não dizemos a Língua Portuguesa de Angola, ou de Moçambique, ou da Guiné-Bissau, ou de Timor-Leste… Dizemos?

 

E por que não dizemos?

 

Porque esses povos não mutilaram a Língua que herdaram do colonizador.

 

Ficará mais fácil para todos, e Portugal não perderá a sua identidade, se deixarmos a Língua do Brasil seguir o seu destino separada de Portugal.

 

Deixem a Língua Portuguesa em paz, e não andem a espalhar pelo mundo um Português "incorretamente" (incurrêtamente) escrito, com a chancela de Portugal. Se querem continuar a escrever "incorretamente" o Português, não lhe chamem Português. Porque não o é.

 

Houve uns senhores que se dirigiram a mim em termos menos simpáticos (para os quais estou-me nas tintas) na minha última publicação intitulada «A Portugal, o que é de Portugal! Ao Brasil, o que é do Brasil!» E só depois descobri porquê.

 

E sabem, porquê? Porque há gente que só lê o que está à frente do nariz. O cartaz. O texto? Nem sequer o leram. Ou se leram não o entenderam, que é o mais certo e habitual, porquanto a iliteracia  que por aí grassa é gigantesca. E depois sai destas coisas:

 

Tito Sanches de Magalhaes «A Língua Brasileira?!!! Que barbaridade é esta? Não existe Língua Brasileira. Existe sim Língua Portuguesa, que pode ser o Português do Brasil. Valha-nos Santa Ignorância.»

 

Pois valha ao senhor a Santa Ignorância!

 

Se tivesse lido o texto, não diria (ou diria? fico na dúvida…) tal coisa.

 

Existe uma Língua Brasileira, sim, derivada da Língua Portuguesa, mas não lhe chamem Língua Portuguesa, porque não é. De FACTO, não é.

 

E o outro senhor veio com esta:

 

Edward Luiz Ayres d'Abreu «Claro... E passa também a existir uma Língua Moçambicana, uma Língua Angolana, uma Língua Açoriana, uma Língua Madeirense, uma Língua Cabo-verdiana, uma Língua guineense, uma Língua timorense... ... Santa ignorância...»

 

Pois, outra vez a Santa Ignorância a valer a alguém que não leu ou não soube interpretar o meu texto.

 

Claramente. Cada um desses países tem uma linguagem muito própria e com características locais.

 

Por que não admitir a possibilidade de se livrarem da Língua dos ex-colonizadores, se não querem respeitá-la?

 

(O que não é o caso dos mencionados países da CPLP).

 

Eu aprendi a ler e a falar no Brasil. Tantas vezes o repito. E mais tarde aprendi a REESCREVER e a falar a minha Língua Materna, em Portugal - a Língua Portuguesa. Sei o que estou a dizer.

 

Oficialmente a Língua Brasileira não existe, mas oficiosamente ela é uma realidade. Basta dar uma voltinha pela Internet.  

 

Mas oficiosamente ela é Brasileira porquê? Porque não respeita a matriz e a Gramática da Língua Portuguesa.

 

Penso que este seria o momento certo para colocar os pontos nos is, e fazer esta divisão de uma vez por todas. Assim ficávamos livres do monstruoso AO90.

 

Então o senhor Edward disse-me isto:

 

Edward Luiz Ayres d'Abreu «Isabel A. Ferreira, o que diz é cientificamente discutível e, na prática, insustentável. Dizer que Machado de Assis ou Ariano Suassuna escrevem em brasileiro é patético. Supor que diferenças lexicais e sintácticas tornam uma "língua" "independente" é ainda mais patético.

 

Na Venezuela não se fala venezuelano, mas castelhano. Nos E.U.A. não se fala americano, mas inglês. No Burkina Faso não se fala burkinense, mas francês. No Taiwan não se fala taiwanense, mas mandarim. Além do mais, não faz sentido falar em "brasileiro" pelo simples facto de que em diferentes regiões do Brasil há tradições linguísticas muito diferentes. O português de São Luís do Maranhão é mais parecido em muitos aspectos com o de Lisboa do que com o de São Paulo. Em que ficamos? Em São Paulo fala-se "brasileiro" e em São Luís "português"? E no Rio de Janeiro? E no Rio Grande do Sul?...»

 

Pois é senhor Edward, tudo isso é muito bonito... mas não me convence.

 

Sabe porquê? Porque os Venezuelanos, os Norte-americanos, os Burquinenses, os Taiwaneses não mutilaram o Castelhano, o Inglês, o Francês ou o Mandarim, como os Brasileiros  mutilaram a Língua Portuguesa. E isso faz toda adiferença.

 

Mas os políticos portugueses, em conluio com os políticos brasileiros, querem impingir-nos uma grafia que não pertence à Língua Portuguesa.

 

Então que fiquem lá com a deles, e nós cá com a nossa.

 

E atenção: gosto bastante do modo de dizer brasileiro e do riquíssimo léxico brasileiro, das expressões brasileiras, que até uso frequentemente, e penso que se não fosse esta desunião linguística, nós cá não ficaríamos pobres com expressões brasileiras, como esta: «estás com cara de sinhá mariquinha cadê o frade…» à qual acho bastante piada e é genial.

 

Mas ninguém me obrigue a escrever anistia, contato, fato (por faCto), ato, diretor, setor, ação, etc., etc., etc.. Isto não é Português. Se não é Português o que será? Francês, Inglês e Mandarim também não é.

 

Só pode ser brasileiro.

 

Mas o senhor Edward não ficou satisfeito. E voltou à carga:

 

Edward Luiz Ayres d'Abreu «Acho sinceramente que está a confundir alhos com bugalhos e que definitivamente ainda não percebeu que quem tem interesse em "impingir" este AO90 não é o Brasil... mas uma meia dúzia de grandes editoras, brasileiras e portuguesas, que obtiveram lucros astronómicos com a reedição de dicionários, prontuários e gramáticas, fora o resto, coadjuvadas por uma vintena de linguistas e de políticos semi-analfabetos.»

 

Mas o senhor Edward não entendeu que eu não estou a confundir alhos com bugalhos.

 

E quando dois governos (um brasileiro, outro português) se metem a fazer acordos... não são apenas os editores mercenários brasileiros e portugueses que têm as culpas.

 

É uma vergonha o que se passa: a Língua Portuguesa abrasileirada, na sua forma grafada,  tomou conta da Internet, e os estrangeiros que a aprendem não aprendem a Língua Portuguesa, mas sim uma língua derivada da Portuguesa, "incorretamente" escrita, nascida no Brasil, com o objectivo de facilitar a aprendizagem de milhares de analfabetos. .

 

Isto é um facto. Esta é que é a verdade.

Portanto, se querem continuar a escrever "incorretamente" não lhe chamem Língua Portuguesa. 

Mas o senhor Edward não ficou satisfeito:

 

Edward Luiz Ayres d'Abreu «Cara Isabel A. Ferreira: 1. Um pouco mais de prudência tê-la-ia feito estudar um pouco da história da reforma de 1911 e sucessivos acordos ortográficos. Chegaria rapidamente à conclusão de que a "vanguarda" dos pró-reforma e pró-acordistas foi quase sempre portuguesa; 2. O AO90 não foi impingido pelo Brasil, volto a explicá-lo, mas por um grupo de linguistas portugueses e brasileiros. Antes pelo contrário: o Brasil neste momento, ao contrário de Portugal, é o país que mais tem defendido uma revisão deste acordo tão mal amanhado. 3. É de uma ignorância profunda dizer que o AO90 "abrasileirou" o português... Do lado brasileiro poder-se-ia dizer que o AO90 "aportuguesou" o "brasileiro"... porque houve também do lado brasileiro danos lamentáveis como o da supressão do trema (que em Portugal já tinha também lamentavelmente sido extindo há algumas décadas atrás), instrumento fundamental para que os leitores saibam ler palavras como unguento, sequestro, seriguela, desmilinguido, líquido ou arguir, dentre tantas outras... Já para não falar de casos como "pára / para", que prejudicaram tanto brasileiros como portugueses de igual forma.

 

Antes de destilar os seus preconceitos e atestar publicamente o seu profundo desconhecimento, estude um pouco mais sobre o que de facto representa o AO90.

 

Atenção: eu sou também um acérrimo defensor da revogação deste AO90, que está efectivamente muito mal concebido... Mas, sinceramente, a causa anti-AO90 só tem a perder com "argumentos" néscios como os seus. Desculpe a sinceridade.»

 

Ah! Como este senhor Edward está enganado!

 

Como tenho repetido várias vezes, aprendi a ler e a escrever no Brasil. Mas o que sei hoje sobre a Língua Portuguesa foi em Portugal que aprendi, pois quando regressei ao meu país, tive de reaprender a Língua que me ensinaram no Brasil, e que eu tinha por garantida, e por conta disso, ainda levei umas boas reguadas. E nem queiram saber o que me diziam, quando fálává  brásilêru.

 

As reformas anteriores não são para aqui chamadas, porque foram elaboradas por especilistas, ao contrário dos do AO90, e não chame linguistas, porque eles nada sabem da Língua, se soubessem nunca teriam proposto um tal acordo. NUNCA!

 

Claro que o AO90 foi imposto por políticos ignorantes, e logo impingido pelo mercado livreiro de ambos os países, e logo os vendilhões portugueses fizeram com que os governantes de lá e de cá se vergassem a esse negócio sujo, como é apanágio dos (maus) políticos.

 

Os Portugueses, que defendem a Língua portuguesa, não estão interessados numa revisão deste AO, porque este AO não tem ponta por onde se lhe pegue, por ter sido fabricado por mercenários e não por cientistas da Linguagem, ao contrário dos acordos anteriores.

 

É óbvio que o  Acordo Ortográfico de 1990 está assente na ortografia brasileira, saída da reforma UNILATERAL de 1943.

 

O Brasil herdou uma Língua Europeia Culta. O que fez com essa Língua? Mutilou-a. E de entre todos os países da CPLP é o único que EXIGE tradução para as obras escritas em Língua Portuguesa. PORQUÊ?

 

E não posso admitir que se confunda preconceito com a minha indignação, ao pretenderem que eu escreva incorretamente a minha Língua Materna.

 

Não tenho preconceito algum no que respeita ao Brasil. quem assim pensa, pensa pequeno. A maioria da minha família é BRASILEIRA.

 

O AO/90 não passa de uma gigantesca farsa, protagonizada por ignorantes.

 

É isto que representa o AO/1990.

 

O mais me irrita é a falta de LITERACIA que deturpa as palavras que escrevo a este respeito.

 

***

Depois veio a Loren, dizer-me esta coisa assim:

 

«Ao contrário do que pensa a sra. Isabel, não falamos PATO e não temos a necessidade de usar FACTO ( aí me parece que são os portugueses que não conhecem o brasileirês, nós temos o TERNO). Eu entendo perfeitamente a Língua Portuguesa falada e escrita em Portugal, ainda que muitos cidadãos portugueses insistam em não utilizá-la da melhor forma e culpabilizam o acordo por tal vergonha

 

Eu não penso nada sobre o que não existe.

 

Não, na realidade não falam, nem escrevem PATO, foi um modo exagerado de dizer, da minha parte; mas escrevem e dizem, por exemplo, CONTATO (em vez de contaCto); FATO (em vez de facto).

 

Claro que os Brasileiros não têm necessidade NEM PODEM vestir FACTOS, porque os FACTOS não se vestem, nem no Brasil, nem em parte alguma.

 

Os Brasileiros vestem TERNOS (indumentária composta por um trio: calças, colete e casaco) e vestem muito bem.

 

Os Portugueses vestem FATOS, de duas ou três peças.

 

Então que necessidade tiveram os Brasileiros de transformar um FACTO num FATO?

 

A Loren até pode entender perfeitamente a Língua Portuguesa, mas os Editores Brasileiros  não entendem nem aceitam livros escritos em Portugal, que teriam de ser traduzidos, e claro, perdiam dinheiro.

 

Por isso os editores brasileiros e os editores portugueses esfregaram as maõs de contentes, quando os políticos ignorantes, de lá e de cá, inventaram esta moda do acordo, para encherem os bolsos.

 

E sendo assim, que cada país fique com a sua língua.

 

Os Brasileiros continuarão a usar os seus TERNOS, e os Portugueses a vestir FATOS, e a criar FACTOS ao redor deste famigerado AO/1990, que serve mais para DIVIDIR do que para UNIR.

 

E nós não queremos desunião.

 

Mas no que respeita à Língua estamos em DESACORDO, ou seja, não há ACORDO possível.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:39

link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. «NEVOEIRO LINGUÍSTICO» - ...

. OS PORTUGUESES TÊM O DIRE...

. Os Portugueses produzem...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

.

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 é uma fraude, ilegal e inconstitucional

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram oficialmente a não vigência do acordo numa reunião oficial e os representantes oficiais do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO