Quinta-feira, 30 de Maio de 2024

O “DN Brasil”, projecto jornalístico para servir imigrantes brasileiros em Portugal, vem provar que a Língua do Brasil é uma coisa, e a Língua Portuguesa é outra coisa, e que o AO90 deve ser destruído, por ser completamente inútil, lá é cá..

 

A ideia deste projecto do DN foi proporcionar à comunidade imigrante brasileira, em Portugal, um suplemento mensal e um site noticioso com actualização diária, cuja edição em papel irá para as bancas juntamente com o Diário de Notícias, tudo escrito na linguagem brasileira, para que os Brasileiros possam estar a par do que se passa, pois, o JN, em Português, não era perceptível à comunidade brasileira.

 

DE acordo com o DN o objectivo do DN Brasil é valorizar os imigrantes que escolheram Portugal para viver e promover a integração na sociedade portuguesa. Errado.
Se querem promover a integração dos Brasileiros na sociedade portuguesa NÃO é através de um DN Brasil, mas através da aprendizagem da Língua Portuguesa, a Língua de Portugal. É através da Língua que nos integramos num País.

 

Ainda de acordo com o DN os textos serão escritos em português do Brasil, como forma de valorização da língua portuguesa em toda a sua latitude, mas também para contribuir para aproximar ainda mais os dois países. Que absurdo! Primeiro, porque NÃO existe um português do Brasil, mas sim uma Variante Brasileira do Português, outra linguagem, tão diferente, que é necessário um DN Brasil. Segundo, ao darem aos Brasileiros a possibilidade de lerem notícias na linguagem deles NÃO estão a valorizar a Língua Portuguesa, muito pelo contrário, estão a dizer que o Brasileiro é uma coisa, e o Português é outra coisa. Pura e simplesmente isto. Também NÃO estão a contribuir para aproximar ainda mais os dois países, muito pelo contrário, estão a afastá-los, através das duas Línguas. Se querem aproximar os dois países, os Brasileiros, que vivem em Portugal, DEVEM aprender a falar e a escrever PORTUGUÊS. Aliás, antes desta ideia idiota do AO90, o Brasil e Portugal estavam muito mais unidos do que estão hoje.

 

A ideia (peregrina) de Antônio Houaiss, quando engendrou o AO90, era (seria?) a de unir as grafias brasileira e portuguesa, algo que só quem desconhece os meandros de um Idioma poderia considerar possível. Foi impossível, como era óbvio. Contudo, a ideia da criação do AO90 NÃO era unir grafias. Era algo muito mais pernicioso, algo politicamente incorrecto, algo que pertence à má-fé dos envolvidos: pensar que a Variante Brasileira do Português transvertida do Português, alguma vez pudesse vir a ser uma língua oficial da ONU.

Por outro lado, para se ter a nacionalidade portuguesa DEVIA ser obrigatório saber-se a Língua Oficial de Portugal, a Língua Portuguesa, pois os tchis, os djis, o ônibus, a gêládêrá etc. NÃO pertencem ao Português. Em qualquer Estado de Direito essa é a regra.


Não é preciso, por exemplo, fazer um DN Angola, e temos cá bastantes imigrantes angolanos. E porquê? Porque os Angolanos falam e escrevem PORTUGUÊS.



Se é para ter um DN Brasil, então que o Brasil fique lá com a sua Variante Brasileira do Português, muito válida e muito rica, e que a Portugal seja devolvida a grafia portuguesa.

 

Não seria esta uma atitude das mais inteligentes?

Obviamente seria a atitude mais inteligente dos últimos 50 anos.

 
Isabel A. Ferreira

 

União.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:11

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 15 de Janeiro de 2024

Carta Aberta ao Professor Aníbal Cavaco Silva, um dos responsáveis pela imposição ilegal do AO90 a Portugal

 

Em 22 de Outubro de 2023, o Grupo Cívico de Cidadãos Portugueses Pensantes escreveu uma carta a Vossa Excelência, que tornamos a dirigir-lhe, desta vez, como Carta Aberta.

Porquê?

 

Porque a Questão da Língua é uma questão demasiado grave, que está a pôr em perigo a nossa Identidade Linguístico-Cultural e a nossa Identidade como Nação livre e soberana, e os que contribuíram para esta tragédia, remeteram-se a um silêncio demasiado ruidoso para que possamos aceitá-lo, até porque, como cidadãos portugueses temos o direito a respostas, e parece que quem as devia dar, simplesmente não quer. E o facto da recusa em dar-nos uma resposta, já poderá ser uma assunção da culpa. Falta assumi-la, porque é da Honra assumir os erros. 

 

Tendo Vossa Excelência tomado parte deste imbróglio, tínhamos quase a certeza de que não gostaria de ser recordado no futuro, nem julgado pela História, como um dos intervenientes da destruição (em curso) da Língua de Portugal, daquela que nos representa, daquela que é símbolo maior da nossa Identidade como um Povo livre. E essa destruição será o legado daqueles que, ainda indo a tempo, se recusam a reconhecer o tremendo erro que foi aceder a estranhos desígnios, sem que tomassem em conta os superiores interesses da Nação Portuguesa.

Tememos que a afirmação que consta da imagem abaixo, e que lemos algures, na Internet, possa transformar-se num lamentável destino para Portugal.


Abandono da Língua.png

 

Posto isto, como Vossa Excelência ainda não se dignou responder-nos, reenviamos a nossa exposição, com a esperança de que, desta vez, mereçamos, como cidadãos portugueses que somos, a resposta a temos direito.

 

***

 Excelentíssimo Sr. Professor Aníbal Cavaco Silva.

 

É do domínio público que Vossa Excelência foi uma das personalidades que promoveram a imposição do acordo ortográfico de 1990 aos Portugueses, o qual tinha por objectivo  (falso) a unificação da escrita da Língua Portuguesa entre Portugal e Brasil, prevalecendo a ortografia brasileira (uma das variantes do Português) sobre a Língua-Mãe, por eles serem “milhões”, como se isto fosse argumento aceitável, até porque é algo absolutamente impossível, devido à especificidade das duas Culturas, tão diferentes como a água e o vinho, e a óbvia diferença lexical, fonológica, ortográfica, morfológica, sintáctica e semântica da Variante Brasileira em relação à Língua Original. O Brasil deslusitanizou o Português, logo, logicamente, criou uma outra linguagem, à qual não se pode chamar Português. Conclusão: o caos ortográfico instalou-se em Portugal, e o objectivo (falso) não se concretizou.

 

Grupo Cívico de Cidadãos Portugueses Pensantes, constituído, até à data, por 290 pessoas, das mais variadas profissões, e que subscrevem esta carta a Vossa Excelência (à excepção de três)  foram quase os mesmos que subscreveram um Apelo dirigido ao actual Presidente da República, Professor Marcelo Rebelo de Sousa, em Abril do corrente ano, solicitando a sua intervenção no sentido de fazer valer a alínea 3, do artigo 11.º da Constituição da República Portuguesa, à qual todos os governantes, desde Mário Soares, que ratificou o AO90, em 1991, fizeram vista grossa, talvez por ignorarem a essência da Língua Portuguesa, mantendo-o ilegal e inconstitucionalmente, nas escolas portuguesas, nos serviços públicos e na comunicação social acordista, como Vossa Excelência deve ter conhecimento, quanto mais não seja através do livro do Embaixador Carlos Fernandes intitulado «O Acordo Ortográfico de 1990 Não Está em Vigor – Prepotências do Governo de José Sócrates e do Presidente Cavaco Silva», no qual se prova  que o acordo” não tem qualquer valor na ordem jurídica internacional. E se não bastasse este livro, existem vários pareceres jurídicos, bem fundamentados, que chegam à mesma conclusão, os quais estão publicados no Blogue «O Lugar da Língua Portuguesa».

 

Infelizmente, o actual presidente da República Portuguesa, muito democraticamente, desprezou o nosso Apelo.  E essa atitude, desadequada a um Chefe de Estado, será julgada implacavelmente pelo Futuro.

 

Por que motivo dirigimos esta carta a Vossa Excelência?

Porque acreditamos que o Senhor Professor Aníbal Cavaco Silva, que já foi Primeiro-Ministro de Portugal e Presidente da República Portuguesa, nos prestará mais atenção e, principalmente, terá a coragem de reconhecer publicamente que se cometeu um gravíssimo erro, que nenhum benefício trouxe a Portugal, muito pelo contrário, e, por isso, poderá, com toda a legitimidade, aconselhar a anulação do AO90, para bem de Portugal e dos Portugueses, uma vez que é a nossa Identidade que está a ser usurpada.

 

Pensamos que o prestígio de Vossa Excelência, como ex-Primeiro Ministro de Portugal e como ex-Presidente da República, arrisca-se a ficar manchado, por ter sido um dos promotores de um acordo ortográfico que apenas beneficia o Brasil, até porque não foi ratificado por Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Timor-Leste, e nunca serviu os interesses de Portugal. Resta saber ainda, porque existem dúvidas, se os restantes países lusógrafos, Cabo Verde (que já adoptou a Língua Cabo-Verdiana) e São Tomé e Príncipe, fizeram o depósito dos instrumentos de ratificação do AO90, junto do Estado Português, para que este pseudo-acordo possa, de facto, ter validade na ordem jurídica internacional.

 

Sabemos como o Senhor Professor Aníbal Cavaco Silva ainda exerce muita influência no nosso País, onde a política é exercida sem a mínima dignidade.

 

Permita-nos a ousadia de lembrar a Vossa Excelência que, todos nós, sendo governantes ou meros cidadãos, temos Obrigações e Deveres a cumprir, e é em nome destas Obrigações e destes Deveres que solicitamos a Vossa Excelência que tenha em consideração a defesa do nosso precioso Património Linguístico - a Língua Portuguesa - da nossa Cultura e da nossa História, que estão a ser vilmente menosprezadas e amesquinhadas, estando a ser violados, despudoradamente, os princípios fundamentais da nossa Constituição.

 

Como Vossa Excelência há-de saber, alguém que passe pelo cargo de Presidente de uma República ficará para a História, no que fizer de Bom, mas principalmente e inevitavelmente no que fizer de Mau. E, neste aspecto, o julgamento do Futuro será implacável, conforme já foi referido.

 

Consequentemente, supomos que, tendo sido Vossa Excelência quem foi, na vida política do nosso País, mas também alguém ainda com elevado peso na vida nacional, não pretenderá ser recordado, no futuro, como um dos coveiros da nossa Língua, da nossa História e da nossa Cultura. Porque NÃO há a menor dúvida, pelos exemplos de que a História da Humanidade está cheia, de que este período da nossa História ficará marcado pela entrega do nosso mais precioso Património Identitário e da nossa Soberania a um país estrangeiro, como Vossa Excelência há-de saber: o actual Chefe da Nação, o actual Governo de Portugal e o actual Parlamento Português estão subjugados ao Brasil, e, incompreensivelmente, permitem que a nossa Língua Portuguesa esteja a ser substituída pela Variante Brasileira do Português, que, mais dia, menos dia, será designada como Língua Brasileira, e nós, Portugueses, perderemos a nossa identidade linguística, que vem do tempo de Dom Diniz. E apenas os apátridas NÃO defendem os valores históricos portugueses.

 

Supomos que a Vossa Excelência não agradará ser recordado como cúmplice de uma tal infâmia, por isso, temos a certeza de que terá a coragem de reconhecer publicamente que se cometeu um gravíssimo erro [não esquecer que errar é humano, mas insistir no erro é insano] e aconselhará, no presente momento, em que o caos linguístico está instalado em Portugal, que se apresenta ao mundo como um País sem Língua própria, a anulação do AO90, para que seja reposta a legalidade e a constitucionalidade da utilização da Língua Oficial de Portugal, que não é a Variante Brasileira do Português.

 

Agradecendo, desde já, a atenção que possa dispensar-nos, enviamos os nossos mais respeitosos cumprimentos,

 Subscrevem

 

1 - Juliana Dias Marques, Estudante de Letras

2 - Maria Vieira Raposo, Técnica Superior Administrativa

3 - Nuno Furet, Agente de Animação Turística

4 - Germano da Silva Ribeiro, Professor do Ensino Secundário R.

- Rui José da Silva Dias Leite, Arquitecto

6 - João Robalo de Carvalho, Jurista

7 - José Silva Neves Dias, Professor Universitário

8 - Jaime de Sousa Oliveira, Professor R.

9 -  XXX

10 -  Isabel A. Ferreira, Jornalista/Escritora, Ex-Professora de Português e História

11 - Alberto Henrique Sousa Miranda Raposo, Engenheiro civil, R.

12 - Albano Pereira, Sócio-Gerente da Firma Táxis Rufimota, Lda.

13 - José Manuel do Livramento, Eng.º Electrotécnico

14 - José António Girão, Professor Catedrático da Faculdade de Economia da UNL; ex-Vice-Reitor da UNL R.

15 - João Paulo Norberto, Desempregado

16 -  XXX

17 - Mário Adolfo Gomes Ribeiro -  Eng. Mecânico, R.

18 - José Manuel Gomes Ferreira, Engenheiro Electrotécnico

19 - Teresa Paula Soares de Araújo, Professora Ensino Superior

20 - Jorge Alexandre Barreto Ferreira, Engenheiro Electrotécnico e Máquinas

21 - Luís Serpa, Escritor e Marinheiro

22 - José Manuel da Silva Araújo, PhD, Professor e Investigador

23 - Fernando Costa, Funcionário Público R.

24 - António Jorge Marques, Músico/Musicólogo

25 - Luís Cabral da Silva, Eng.º Electrotécnico, IST -  Especialista em Transportes e Vias de Comunicação, O.E.

26 -  Margarida Maria Lopes Machado, Jornalista

27 - Vanda Maria Calais Leitão, actualmente desempregada

28 - João Viana Antunes, Estudante

29 - José Manuel Campos d’Oliveira Lima, R.

30 - João José Baptista da Costa Ribeiro, Cirurgião Geral

31 - Maria Luísa Fêo e Torres,  R.

32 - Maria Elisabeth Matos Carreira da Costa - Professora R.

33 - Pedro Manuel Aires de Sousa, Terapeuta da Fala

34 - Francisco José Mendes Marques, Tradutor e Professor

35 - Diana Coelho - Professora de História

36 - José Manuel Moreira Tavares, Professor de Filosofia no Ensino Secundário

37 - Rui Veloso, Músico Compositor

38 - António José Serra do Amaral, Reformado da Função Pública Portuguesa

39 – Francisco Miguel Torres Vieira Nines Farinha, Comercial

40 - Carlos Alberto Feliciano Mendes Godinho, R.

41 - Mário António Pires Correia, Musicólogo

42 -  Pedro António Caetano Soares, Bancário R.

43 - Ana Maria Alves Pinto Neves, Professora de História

44 - João José Lemos Vieira Custodio, R.

45 - Maria José Melo de Sousa, Professora do Ensino Secundário de Inglês e Alemão, R.

46 - Jorge Manuel Gomes Malhó Costa, Programador e Produtor de Espectáculo

47 - Ana Luís de Avellar Henriques Sampaio Leite, Gestora de Empresas

48 - João Manuel Pais de Azevedo Andrade Correia, Engenheiro Civil, oficial

49 – António José Araújo da Cruz Mocho, Gestor e Empresário

50 - Manuel Gomes Vieira, Investigador Auxiliar em Engenharia Civil

51 - Celina Maria Monteiro Leitão de Aguiar, Assistente Social

52 - José Manuel Pereira Gonçalves, Empregado Bancário na Reforma

53 - João de Jesus Ferreira, Engenheiro (IST)

54 - Maria José Cunha Viana, Empregada de Escritório

55 - José Antunes, Jornalista e Fotógrafo

56 - Carlos Costa, Inspector Tributário Jurista

57 - Manuel Moreira Bateira, Professor R.

58 - João Paulo de Miranda Plácido Santos, Pensionista/CGA

59 - Nuno de Saldanha e Daun, Gestor Financeiro, R.

60 - António Alberto Gomes da Rocha, Arquitecto

61 - Artur Manuel Duarte Ferreira, R.

62 - Alexandre Guilherme Pereira Leite Pita, Desempregado

63 - Manuel São Pedro Ramalhete, Economista e Professor Universitário R.

64 - Maria José Abranches Gonçalves dos Santos, Professora de Português e Francês do Ensino Secundário, R.

65 - Maria Filomena da Cunha Henriques de Lima, R. mas continua no activo na área de Turismo

66 - Telmo Antunes dos Santos, Militar

67 - António José Monteiro Leitão de Aguiar - Corretor (Seguros)

68 - Ismael Teixeira, Operador de Produção

69 - Daniel da Silva Teodósio de Jesus, Intérprete de Conferências e Tradutor

70 - Eduardo Henrique Martins Loureiro, Consultor e Guardião Intransigente da Língua Portuguesa

71 - Armando dos Santos Marques Rito, R. da Função Pública

72 - João Luís Fernandes da Silva Marcos, R. do Sector dos Transportes, como Gestor

73 - Bruno Miguel de Jesus Afonso, Tradutor Profissional

74 - Sérgio Amaro Antunes Teixeira, Biólogo

75 - Elisabete Maria Lourenço Henriques, R. da CGD

76 - Edgar Serrano, Gestor de Negócio

77 - Manuel dos Santos da Cerveira Pinto Ferreira, Arquitecto e Professor Universitário

78 - Artur Jesus Teixeira Forte, Professor R.

79 - Fernando Jorge Alves, Professor

80 - Carlos Manuel Mina Henriques, Contra-almirante R.

81 - Vítor Manuel Margarido Paixão Dias, Médico

82 - Fernando Coelho Kvistgaard (Dinamarca) Eng. Técnico Agrário, R.

83 - Jorge Joaquim Pacheco Coelho de Oliveira, Engenheiro Electrotécnico (IST) R.

84 - António Miguel Pinto dos Santos (Londres), Gerente de Restaurante

85 - Fernando Alberto Rosa Serrão, Técnico afecto à Direcção-Geral da Administração da Justiça, R.

86 - Paulo Teixeira, Gestor Comercial

87 - Ademar Margarido de Sampaio Rodrigues Leite, Economista

88 - Alexandre Júlio Vinagre Pirata, Eng.º Agrónomo

89 - Telmo Mateus Pinheiro Carraca, Oficial de Vias Férreas (Construção e Manutenção)

90 - Maria Manuela Gomes Rodrigues, Desempregada

91 - António José Ferreira Simões Vieira, Empresário e Professor do Ensino Secundário R.

92 - Fernando Manuel Dias de Lemos Rodrigues, Bancário R.

93 - Francisco Manuel da Costa Domingues, Médico aposentado 

94 - Maria Elisabete Eusébio Ferreira, Professora R. do Terceiro Ciclo, Educação Tecnológica

95 - Orlando Machado, Escultor FBAUP

96 – Manuel Matos Monteiro, Escritor e Revisor

97 - Fernando Maria Rodrigues Mesquita Guimarães, R.

98 - Octávio dos Santos, Jornalista

99 - Maria Fernanda Bacelar, R.

100 - José Martins Barata de Castilho, Professor Catedrático Aposentado da Universidade de Lisboa (Iseg, onde é conhecido como Martins Barata), Escritor de Romances, História e Genealogia, tendo vários livros publicados na área da Economia

101 - Cândido Morais Gonçalves, Professor R.

102 - Ana Cláudia Alves Oliveira, Redactora e Gestora de Conteúdos

103 – Albino José da Silva Carneiro, Sacerdote

104 - João Daniel de Andrade Gomes Luís, Técnico Superior

105 - Idalete Garcia Giga, Professora Universitária R.

106 - Amadeu Fontoura Mata, Aposentado do Ministério das Finanças

107 - Armando Jorge Soares, Funcionário Internacional (OTAN), R.

108 - António da Silva Magalhães, Coordenador de Investigação Criminal da Polícia Judiciária, R.

109 - Artur Soares, Chefe de Finanças

110 - Manuel de Campos Dias Figueiredo, Capitão-de-Mar-e-Guerra R.

111 - José dos Santos Martins, Administrativo R.

112 - Carlos Alberto Coelho de Magalhães Coimbra (Toronto-Canadá), Cientista de Informática R.

113 - Olímpio Manuel Carreira Rato - Eng.º Mecânico, R.

114 - Maria da Conceição da Cunha Henriques Torres Lima, Economista

115 - Jorge Garrido, Eng.º Agrónomo R.

116 - José Manuel Sequeira Louza – R. 

117 - Pedro Miguel Pina Contente, Informático

118 - Carla de Oliveira, Compositora, Guitarrista, Cantora

119 - Maria de Lurdes Nobre, Produtora Cultural

120 - Paula Isabel Pereira Arém Pinto Serrenho, Gestora

121 - Pedro Inácio, Consultor Informático

122 - Laura da Silva Oliveira Santos Rocha, Professora de Educação Especial

123 - Maria José Teixeira de Vasconcelos Dias, Professora

124 - João Moreira, Professor

125 - Luís Bigotte de Almeida, Médico e Professor Universitário

126 - Jorge Manuel Neves Tavares, R.

127 - Júlio Pires Raposo, Bibliotecário

128 -  Alfredo Medeiros Martins da Silva, Licenciado em EB, R.

129 - Maximina Maria Girão da Cunha Ribeiro, Professora Jubilada do Ensino Superior 

130 - Manuel Maria Saraiva da Costa (Sydney, Austrália), Organeiro Restaurador R.

131 - Miguel Costa Paixão Gomes, Fiscalista

132 - Irene de Pinho Noites, Professora de Língua Portuguesa 

133 -  João Esperança Barroca, Professor

134 -  Carlos Fiolhais, Professor de Física da Universidade de Coimbra R. 

135 - António Miguel Ribeiro Dinis da Fonseca, Reformado (ex-Analista de Sistemas)

136 – Bárbara Caracol, Estudante 

137 - Miguel Viana Antunes, Programador Informático

138 - Mário Macedo, Escritor de Ficção, Drama e Terror usando o pseudónimo Mário Amazan

139 - Carlos Guedes, Electricista Industrial

140 - Nuno Messias, Economista R.

141 - António Manuel Rodrigues da Mota, Professor

142 - Susana Maria Veríssimo Leite, Fotógrafa

143 - Manuel Tomás, Ferroviário

144 - Maria Isabel Ferreira dos Santos Cabrera, Profissional de Seguros R.

145 - João José Lemos Vieira Custódio, R. (Salvador - Bahia - BR)

146 -  Soledade Martinho Costa, Escritora

147 - Ana Olga André Senra dos Santos Carvalho, Desempregada

148 - José Pinto da Silva Ribeiro, Mecânico R.

149 - Luís Manuel Robert Lopes, Professor de Música - guitarra clássica, R.

150 - Miracel Vinagre de Lacerda, Sem profissão

151 - Ana Maria da Cunha Henriques Torres Lima, Professora

152 - Maria do Pilar da Cunha Henriques de Lima, Economista da AT

 153 - Paulo Veríssimo, Desempregado

154 – André Gago, Actor

155 - Luiz Manoel Morais Cunha, Engenheiro Mecânico

156 - Alexandra Pinho Noites Lopes, Acupunctora

157 - José Agostinho Fins, Engenheiro Mecânico (IST)

158 - Cláudia Maria Raposo Coiteiro (Luanda, Angola), Socióloga de formação, e exerce as profissões de Formadora, Consultora e Coach.

159 - Teresa Alves Matos, Promotora Comercial

160 - Paulo Costa Pinto, Realizador de audiovisuais

161 - Maria Adelaide Veríssimo Leite, Técnica Profissional de Pesca, R. 

162 - José Francisco Oliveira Carneiro, R.

163 - João Miguel dos Santos Monte, Programador iOS, desempregado

164 - António Jacinto Rebelo Pascoal, Professor/Escritor

165 - Eduardo Rui Pereira Serafim, Professor de Português e Latim

166 - Aurelino Costa, Poeta e Declamador de Poesia  

167 - João Pedro Arez Fernandez Cabrera, Licenciado em Gestão de Empresas

168 -  Margarida da Conceição Reis Pedreira Lima, Médica de Medicina Geral e Familiar, R.

169 - M. Carmen de Frias e Gouveia, Docente (da secção de Português) da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra

170 - Flávio Pontes, Artista Plástico

171 - Maria de Fátima da Silva Roldão Cabral, R. da Função Pública

172 -  Luís Pereira Alves da Silva, Engenheiro Electrotécnico e Mestre em Gestão.

173 - Helena Maria Afonso Antunes, Professora

174 - José Alberto de Almeida Marques Vidal, Juiz-Conselheiro do Supremo Tribunal Administrativo e autor literário

175 -  Gastão Freire de Andrade de Brito e Silva, fotógrafo e “Ruinólogo”

176 - Carlos Laranjeira Craveiro, Professor do Ensino Secundário

177 - Maria do Pilar Pinto Tamagnini, Empresária

178 - António Manuel Marques Lopes, Coronel R.

179 - Fátima Teles Grilo, Professora de Português/Francês do Ensino Secundário, R.

180 - Nuno Miguel da Conceição Custódio, Recepcionista de Hotel

181 - Pedro Jorge Mendonça de Carvalho, bate-chapas R.

182 - Cátia Cassiano, Tradutora (Sydney, Austrália)

183 - Alfredo Gago da Câmara, Fadista e Letrista

184 - Acácio Bragança de Sousa Martins, Contabilista Certificado

185 - Maria de Jesus Henriques Sardinha Nogueira, Fisioterapeuta

186 - Anabela de Fátima Cana-Verde das Dores, Técnica de Turismo,

187 - Maria de Fátima Carvalho da Silva Cardoso, Jurista e Escritora

188 - Manuela Sampaio, Doméstica

189 - Maria Júlia Martins de Almeida, Professora

190 - Amélia Caeiro, Técnica de Exploração de Telecomunicações na Portugal Telecom (agora Altice) R.   

191 - Maria do Céu Bernardes de Castro e Melo Mendes, Médica

192 - Francisco Jorge Moreirinhas Monteiro Soeiro, Funcionário Bancário R.

193 - Natalina de Lourdes Pires Veleda Soeiro, Contabilista R.

194 -  Manuel Jacinto, R.

195 - Carmen Maria Lopes Movilha Rodrigues, R.

196 - José Ferreira Neto, Artista Plástico 

197 - Rui Alberto Amaral Leitão, R.

198 - João Carlos Salvador Fernandes, Professor Universitário, Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa

199 - Nuno Maria Vaz Pinto Mendes, Médico

200 - Rogério Rodrigues Ferreira, R.

201 - Maria João Monim Campos Cardoso, Desempregada (administrativa)

202 -  James Viegas, IT Manager na Colgate Palmolive, R.

203- Jorge Alberto Cosme de Sousa Roberto, R.

204 - Clara Maria Soares dos Reis, Psicóloga

205 - Regina Maria Osório de Jesus Afonso, Empresária e Tradutora

206- Abílio Costa, R.

207 - Maria Judite Lopes da Silva Maia Moura, Reformada da Actividade de Exportação de Têxteis

208 - Maria da Graça Lima Correia da Silva, Jurista R.

209 - Maria Teresa NCF Ramalho, Profª Universitária R.

210 - Modesto José Ricardo Filipe Viegas, R.

211 - Maria de Guadalupe Jácome, professora de Biologia R.

212 - João José Sardoeira Pereira da Silva, Economia e Gestão R.

213 - Luís Manuel Cabral Afonso, Designer Gráfico, Tradutor, Licenciado em Antropologia, Licenciado em História

214 - Manuel Joaquim Cardoso, Professor e Diplomata R.

215- Maria de Fátima Afonso Neves Barroca, Professora

216 - Maria Beatriz Afonso Neves Esperança Barroca, Assistente Executiva

217 - Marta Tamagnini Mendes, Conservadora-restauradora

218 - João Caetano Gamito Sobral, Redactor

219- Maria João Dias Antonico dos Santos Veiga, Desempregada

220 - Valério Conceição, Licenciado em Direito e Ex Reverificador Assessor Principal da DG Alfândegas

221 - Luís António Nobre da Silva, Médico 

222 - Maria da Conceição Pinto de Morais, Sem profissão

223 - Maria Isabel Ferreira Magalhães Godinho, Doutora em Engenharia Agronómica, R.

224 - Maria Suzete da Silva Fraga Vale, operária numa empresa de pisos flutuantes

225 - Teresa Batalha Lopes, Doméstica

226 - Mário Moreira Ricca Gonçalves, Professor do Ensino Secundário

227 - António J. B. Silva Carvalho, Médico reformado (que, quando tem alguma coisa que mereça tornar-se pública, escreve gratuitamente artigos de opinião para jornais, quase sempre o SOL, raramente o Observador ou o Expresso)

228 - Maria Margarida Seabra Mendes Palma Silva Carvalho, professora de História do Ensino Secundário, aposentada, autora de dois romances publicados como Margarida Palma

229-  Maria Teresa de Jesus Chitas Soares de Pinho, Reformada-bancária e licenciada pela Flul, Universidade Clássica de Lisboa

230 - Ivan Castelo-Lopes, Estudante

231- Amadeu Carvalho, R.

232 - Francisco Silva Carvalho, Advogado,

233 - Dina Bela de Oliveira e Silva, Telefonista

234 - António José Antunes Teixeira, Professor

235 - Dário Samuel Cardina Codinha, Ceramista,

236 - Gabriel Marques, Engenheiro Técnico R.

237 - Dulce Maria Santos Duarte Silva, Assistente Técnica CM Montijo

238 - Vera Tormenta Santana, Socióloga

239 - Manuel Carlos da Silva Correia, Bancário R.

240 - Sofia Aragão, Livreira

241 - Andreia Patrícia Martins Figueiredo, Assistente Técnica

242 - Carlos Alberto Matias Barreto, Assistente Operacional de Emergência

243 - Manuel Loureiro, Investigador Científico,

244 - Maria Salete Martins Figueiredo, R. 

245 - Eduarda Vieira, Professora de Filosofia

246 - Ana Catarina Esteves Alves, Fisioterapeuta

247 - Luís Miguel Baptista, Engenheiro Civil

248 - Maria Teresa Caetano Dias, Professora de Português (3.º ciclo e ensino secundário)

249 -  Antônio Sérgio Maisano Arantes, Arquitecto (cidadão brasileiro)

250 -  Paulo Renato Ramos Costa de Jesus, Corretor de Seguros

251 -  Mário Ferreira de Bastos, Frequentou Engenharia, no ISEP

252 – Conceição Lima, docente de Francês e Português

253 - Maria Helena Preces Pita Azevedo, R.

254 - Elisabete Abrantes Laureano Amaral, Costureira

255 - Mariana Amélia Rosa Barão, Ex-funcionária pública

256 - João Paulo de Sousa Nunes, Produtor musical

257 - Belmiro Domingues Cabral, R. da Função Pública

258 -  Elizabeth Felício, Musicoterapeuta

259 - Maria Dulcinea Nunes Rodrigues, R.

260 - Isabel Maria Marques Alves Ferreira Soares Rebelo, R.

261 - Adalberto Alves, Escritor

262 - Fernando Lupi, Reformado, da área da Engenharia Civil e Construção.

263 - Manuel Lages Bernardo, Informação Médica R.

264 - Maria do Carmo da Silva Costa, Técnica Administrativa R.

265 - Jacinta de Jesus Marques Santos Melo Pacheco, Enfermeira

266 - António Luís Magalhães Pereira, Bancário R.

267 - Nuno Pacheco, Jornalista

268 – Vasco Marcelino Lourenço Pereira, Assistente Técnico

269 -  José Manuel Vaz de Almeida, Escritor 

270 - Maria da Graça Monteiro de Macedo, Tradutora 

271 - Ana Cristina Firmino Afonso Madeira, Professora do Ensino Secundário, Gestora da formação de professores

272 - Aurélio de Almeida Pinto, Eng. Informático

273 -  Inês Robert Paula Nogueira, Desempregada

274 - José Pereira Coutinho, Director de Transporte Aéreo, R.

275 - José de Almeida Serra, Economista

276 - João Maria Robert Lopes, Informático

277 - Isabel Rodrigues, Docente do Ensino Secundário

278 - Odete Silva, Programadora Web

279 - Maria João Margarido Marques, Professora de Português

280 - Carlos Manuel Afonso Martins, Função Pública

281 - Joaquim José das Neves Gonçalves, Militar R.

282 - António Aníbal Bravo Coelho de Madureira, Engenheiro Agrónomo

283 - Ana Sofia Rodrigues da Costa, Advogada

284 – Avelino Garcia, R.

285 - Alexandra Albuquerque, Professora de Filosofia R.

286 - Augusto José Franco de Oliveira, Professor Universitário R.

287 - Rui Chorão, Médico

288 - Nuno Alfredo Vidal da Câmara Lima, Enfermeiro  

289 - Celestina Rebelo, Desempregada

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:21

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sábado, 9 de Dezembro de 2023

«É indispensável mostrar insistentemente a estupidez da imposição do AO90 a Portugal, e a consequente promoção do novo analfabetismo», por Maria José Abranches

 

A língua de Portugal, que há séculos nos define, nos molda e estrutura, está a ser ostensiva e visivelmente esfarrapada. É insuportável assistir a esta destruição da nossa língua, em tudo o que é texto escrito, inclusivamente na televisão, assim como nos atropelos à própria pronúncia abundantemente adulterada!

 

Claro que os políticos são responsáveis, por terem imposto o AO90 ao país, sem atenderem aos inúmeros pareceres que o condenam. Esse "mostrengo" NÃO «constitui um passo importante para a defesa da unidade essencial da língua portuguesa e para o seu prestígio internacional», como lá expressamente se diz. Constitui sim o desmembramento da língua portuguesa, que tinha duas normas oficialmente reconhecidas, e tem agora, no país que lhe deu vida, uma nova versão, disparatada e ridícula!

 

Sim, os políticos são os primeiros responsáveis, mas não haverá políticos e intelectuais, neste país, que se sintam moralmente obrigados a vir GRITAR para a praça pública que é urgente acabar com esta aberração?! Estamos outra vez na efervescência de próximas eleições: vamos continuar 'caladinhos', como desde 1990?! Vão de novo pedir o nosso voto, sem se sentirem obrigados a enfrentar publicamente a questão da imposição política do AO90 e suas consequências? Todos cegos, surdos e irresponsáveis?! Para que serve o saber e a cultura, afinal?

 

Muitos se têm manifestado contra o AO90, a começar pela 'Petição Manifesto', apresentada logo em 2008 por Vasco Graça Moura, Alzira Seixo, António Emiliano e outros... A surdez dos responsáveis políticos mantém-se! E a Assembleia da República continua surda e alheada, traindo insistentemente o que deveria ser a sua essência democrática! Veja-se como lá continua encalhada a 'nossa' Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o AO90!

 

Não basta, pois, manifestarmo-nos, de vez em quando, é preciso impor esta discussão todos os dias, e obrigar os políticos, de todas as tendências a posicionarem-se.

 

E não admitam os palpites falaciosos dos 'acordistas': se há erros é porque as pessoas não aplicam correctamente o AO90, e voltar à ortografia anterior seria catastrófico para as 'criancinhas' que já foram escolarizadas com o dito... 

 

A resposta é só uma: O AO90 é indefensável linguisticamente falando, constituindo a negação do próprio conceito de 'ortografia', com as suas múltiplas duplas grafias e 'facultatividades', e impondo a Portugal as opções ortográficas brasileiras, designadamente na questão das consoantes ditas 'mudas'! Quanto ao segundo aspecto: ninguém se preocupou com a totalidade da população nacional escolarizada há décadas com a ortografia resultante do Acordo de 1945, num esforço persistente para combater o nosso vergonhoso analfabetismo! Nem se equacionou o impacto dessas alterações ortográficas na vida dos cidadãos, incluindo no que toca à sua relação com a imprensa e as obras literárias e outras, já publicadas e adquiridas; e ninguém se lembrou de chamar a atenção do país para o 'interesse económico' de algumas editoras que se apressaram a aderir e 'impor' o AO90 aos seus leitores... Dinheiro e poder!...

 

Esta minha reflexão foi motivada por esse artigo de Nuno Pacheco publicado na quinta-feira, 07/12/2023, no "Público" (ver abaixo), e que já comentei:

 

"Muito bem, Nuno Pacheco! É indispensável mostrar insistentemente a estupidez da imposição do AO90 a Portugal e a consequente promoção do novo analfabetismo! Sim, desgraçadamente não conseguimos pôr cobro à nossa "propensão para o servilismo e o desleixo", a que acrescento a ignorância, a saloiice e a cobardia!"

 

https://www.publico.pt/2023/12/07/culturaipsilon/opiniao/pra-nao-dizer-nao-falei-cardos-ortograficos-2072614

 

Maria José Abranches

 

SAlvar a Língua.png

O amor-perfeito simboliza a beleza e a perfeição da NOSSA amada Língua Portuguesa. Não a queremos distorcida, truncada, mutilada, feia e pobre. (Isabel A. Ferreira)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:44

link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
partilhar
Sábado, 3 de Junho de 2023

Parecer de Carmen de Frias e Gouveia, Mestre em História da Língua Portuguesa (FLUC), sobre o [nocivo] impacto do AO90, o qual foi desprezado pela [inútil] XII Comissão da Assembleia da República

 

Em Portugal, criam-se comissões para avaliar questões fracturantes, e chamam-se os mais abalizados peritos para darem pareceres. Os pareceres são dados, mas se estes colidirem com o quero, posso e mando dos governantes, há que descartá-los, esquecê-los, atirá-los ao caixote do lixo, para que se imponha o que APENAS os todo-poderosos governantes têm previamente concertado. E estas comissões acabam por ser, além de dispendiosas, completamente inúteis, existem apenas para inglês ver. E esta é uma atitude típica das ditaduras fantasiadas de democracias.

 

O que está por detrás desta atitude prepotente, não está no segredo dos deuses. Todos os que têm lutado pela defesa da Língua Portuguesa conhecem bem os enredos sórdidos desta tirania, e têm-nos denunciado recorrentemente, por onde podem, porque no meio mais abrangente – o das televisões –  é assunto tabu, e o silêncio de Marcelo Rebelo de Sousa, a este respeito, ele, que fala de tudo, ou quase tudo, todos os dias, em todo o lado, quase ao mesmo tempo, de tão indiciador é absolutamente incompreensível e inaceitável, algo que o fará entrar para a História como um dos coveiros da Língua Portuguesa.

O que Dom Diniz iniciou com glória,  Marcelo Rebelo de Sousa terminará com desonra.

 

Já estamos fartos deste jogo, que se joga nos bastidores da política, escondido do escrutínio dos Portugueses. Basta de andarem a brincar aos democratazinhos, ao encherem a boca com somos um Estado de Direito e uma Democracia, quando, na realidade, somos um profundo estado caótico, onde democracia é apenas uma palavra esvaziada do seu significado mais primordial.

 

Posto isto, e na sequência do repto lançado aos Portugueses Pensantes, para que subscrevam um APELO a enviar ao Presidente da República, para que este faça cumprir a alínea nº 3, do Artigo 11º da Constituição da República Portuguesa,  e no âmbito da celebração da Língua Portuguesa, a efectuar neste Blogue, no próximo Dia 10 de Junho,  Carmen de Frias e Gouveia, Mestre em História da Língua Portuguesa e doutoranda na mesma área,  deu-me  a conhecer o seu preciso e precioso parecer que, em 2017, enviou à XII Comissão da Assembleia da República, o qual NÃO foi levado em conta, aliás como todos os outros doutos pareceres que se apresentaram a quem de direito, e quem de direito simplesmente os desprezou, por motivos que devem ser democraticamente explicados ao Povo Português.


Aqui deixo, aos meus caros leitores, o link para esse parecer, e mais dois links para as suas intervenções em 2015 e 2018, as quais também foram desprezadas ditatorialmente, porque apenas ditatorialmente se desprezam intervenções e pareceres válidos, quando está em jogo a DEFESA do nosso maior património identificativo: a Língua de Portugal.

 

 «Ao Ex.mo Senhor Coordenador do Grupo de Trabalho de Avaliação do impacto do Acordo Ortográfico de 1990 e aos Ex.mos Senhores Deputados que o integram (12ª Comissão da Assembleia da República)»

https://app.parlamento.pt/webutils/docs/doc.pdf?path=6148523063446f764c324679626d56304c334e706447567a4c31684a53556c4d5a5763765130394e4c7a457951304e44536b5176523152425355464254793942636e463161585a765132397461584e7a595738765132397564484a70596e563062334d7655484a765a6d567a63323979595355794d455a68593356735a47466b5a5355794d47526c4a54497754475630636d467a4a5449775a47456c4d6a4256626d6c325a584a7a615752685a47556c4d6a426b5a5355794d454e7661573169636d45756347526d&fich=Professora+Faculdade+de+Letras+da+Universidade+de+Coimbra.pdf&Inline=true

 

Carmen de Frias e Gouveia - A (in)viabilidade do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990... (2015)

https://www.youtube.com/watch?v=w8loVrmdtME

 

Dra. Carmen de Frias e Gouveia - Da inutilidade do "novo" Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. (2018)

https://www.youtube.com/watch?v=ktbQbjMbtgg

 

 Isabel A. Ferreira

 

Professora Carmen.PNG

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:33

link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 25 de Janeiro de 2023

Suprimem os “cês” e os “pês” onde devem escrevê-los, e põem “agás” onde não devem. Isto nada tem a ver com o AO90, mas com uma IGNORÂNCIA já entranhada na pele

 

Este é um cartaz que anda a circular no Facebook, com a sigla do Sindicato dos Professores da Madeira.

 

A ser verdade, e juntando este a tantos outros cartazes, que vemos nas manifestações dos professores, com os erros ortográficos derivados da ILEGAL adopção do AO90 (nunca é demasiado dizê-lo, porque nem a repeti-lo milhares de vezes, eles chegam lá) e erros do calibre do da imagem, temos uma classe docente (salvaguardando as raras excepções, que as há, muito preciosas) que deveria regressar ao 1º ano, do 1º Ciclo, para aprender a ESCREVER a Língua de Portugal, o PILAR de todo o SABER. E isto serve não só para os professores de Português, como para todos os outros, porque isto de ser PROFESSOR passa por falar e escrever escorreitamente a Língua Materna dos alunos.

A Carmen Garcia escreveu um artigo sob o título ««Os professores são os pedreiros do mundo», que pode ser consultado neste link:

https://www.vozprof.com/os-professores-sao-os-pedreiros-do-mundo-carmen-garcia/#comment-4324

 

No geral, gostei deste artigo. Porém, a Carmen Garcia refere-se a um tempo que já não existe. Os professores actuais, obviamente salvaguardando as raras excepções, que as há de excelência, já não são os "pedreiros do mundo", porquanto o Ensino está um CAOS, começando pelo PILAR de todo o SABER - a Língua Portuguesa - que eles substituíram pelo acordo ortográfico de 1990, escudados numa "obrigação" que NÃO têm, uma vez que NÃO existe Lei que a tal obrigue.

 

Se o Ensino, hoje, em Portugal, está um CAOS, aos professores que se vergaram ao AO90, o devem. Estão a criar uma geração de analfabetos funcionais que em nada prestigiará o futuro. E quem se importa com os alunos? Ninguém.

 

As "pedras" transformaram-se em grãos de areia, e a Escola já não é um Templo de Saber, mas um lugar de não-saber. E a única preocupação dos professores é a dos direitos laborais (justíssimos), mas que sem a matéria-prima (os alunos) não fazem a Escola.

 

Isabel A. Ferreira

Quando os cidadãos não HOUVE.jpg

 

Fonte da imagem: https://www.facebook.com/photo/?fbid=1382121515889881&set=a.764146937687345

Comentário no Grupo do Facebook NOVO MOVIMENTO CONTRA O AO90:

 
 
 

Comentário de Robalo para HOUVE.PNG

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:09

link do post | comentar | ver comentários (8) | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 16 de Dezembro de 2022

Neste Natal compre ou ofereça livros publicados em Português correCto. Não dêem lucro aos mercenários e traidores da Nação portuguesa

 

Ao contrário do que propagam os acordistas, a Língua de Portugal continua VIVA. E não se iludam os que pensam que a Língua Portuguesa acabará com a geração que está a ser enganada, e a levar gato por lebre, pois não sendo uma geração de parvos, se nós não conseguirmos, será ela a RESGATAR a Língua que nos deixou o Rei Dom Diniz e que estudiosos da Língua fizeram evoluir, sem a castrar.

 

Só gente ignorante apoia e aceita servilmente a IGNORÂNCIA linguística acordista, introduzida em Portugal por políticos ignorantes e subservientes.

 

As edições em Português correCto continuam a brotar como cogumelos em dias chuvosos, porque, em Portugal, ainda existe gente PENSANTE.

 

O Grupo do Facebook «Português de FaCto» revela que a NOSSA Língua Portuguesa está bastante ACTIVA. Lá encontram muitas sugestões de livros publicados em Português correCto.

Para acederem ao Grupo e consultarem a lista de livros cliquem neste link:

https://www.facebook.com/pg/portuguesdefacto/posts/?ref=notif

 

Se na verdade são Portugueses e abominam o malparido AO90, por favor, NÃO comprem livros acordizados, porque estão a prestar um péssimo serviço à Cultura Portuguesa, e a dar lucro a mercenários e a apoiar os traidores da Nação Portuguesa.

 

Se fizerem esta pergunta: «A quem serve o AO90»? A resposta é óbvia: «Serve exclusivamente àqueles que se estão nas tintas para a Língua de Portugal, e querem vê-la destruída, para a SUBSTITUÍREM por uma VARIANTE dela própria, com objectivos dos mais torpes».

Na Europa e no restante mundo, existe um considerável número de Línguas Minoritárias, cujos povos NÃO sofrem de qualquer complexo de inferioridade, e preservam-nas como uma preciosidade do seu próprio Património Cultural.

 

Em Portugal, este nosso precioso Património Cultural está em perigo. Por isso, apelo a TODOS os Portugueses PENSANTES que REJEITEM os livros publicados em Português “incorreto” (lê-se “incurrêtu”) porque, em Portugal, tem de ser a sociedade civil a zelar pela História, pela Cultura e pela Língua portuguesas, uma vez que quem de direito - o presidente da República, o primeiro-ministro e restantes ministros e os deputados da Nação – está-se nas tintas para esse DEVER.

 

Aqui deixo sugestões, e não se esqueçam de consultar a o Grupo «Português de FaCto», no Facebook.

 

Isabel A. Ferreira

 

Livros reconmendados.png

BONS LIVROS  1.png

BONS LIVROS 2.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:16

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 25 de Outubro de 2022

António Costa anuncia apoio pessoal à candidatura de Lula da Silva, o tal que, num discurso, em Espanha, culpou os Portugueses pelos atrasos na educação no Brasil

 

 

Mas os governantes portugueses adoram RASTEJAR aos pés de quem os  amesquinha, de quem os pisa, de quem se serve deles para levar adiante os seus obscuros desígnios.

 A notícia desta declaração pode ler-se neste link:

Lula diz que a culpa pelos atrasos na educação no Brasil é dos Portugueses

 

Mas vamos aos factos:

«Um vídeo divulgado pelo candidato presidencial brasileiro mostra o primeiro-ministro português a expressar o seu apoio pessoal a Lula da Silva, que agradece numa mensagem.» (in Jornal Observador)

Ainda bem que não tenho nada a ver com este primeiro-ministro, com esta maioria, e com esta falta de vergonha na cara, de um governante português (António Costa, mesmo não usando fato [ou devo dizer terno?] e gravata, é o PRIMEIRO-MINISTRO de Portugal) a apoiar uma candidatura presidencial de um país ESTRANGEIRO. Nem Lula, nem Bolsonaro. Este apoio é um absurdo!

Por acaso António Costa apoiou PUBLICAMENTE algum candidato nas presidenciais de Angola ou da Guiné Bissau, recentemente? Ou de Moçambique?

 

OU PORTUGAL JÁ É BRASIL?

 

Isto é mais uma daquelas coisas em que Portugal, por ser caso único no mundo, merece estar no Guiness. A outra, é ter trocado a Língua de Portugal, a sua Língua Materna, pela Língua Brasileira, a Língua Materna do Brasil. Também caso único no mundo.

 

Eu já nem quero saber do historial de Lula da Silva, ou de ele ter sido ex-presidiário, acusado de corrupção, mas libertado por obra e graça da Justiça Brasileira. Eles lá sabem. Porque, isto é o de menos.

 

O de mais é o facto de ele culpar os Portugueses dos atrasos na Educação no Brasil. Também sofreria lavagem cerebral?

 

Já agora, nós também podemos culpar os Brasileiros pelos atrasos na Educação em Portugal, actualmente, pois foram eles que inventaram esta coisa imbecil, que dá pelo nome de «acordo ortográfico de 1990», e que já faz parte da HISTÓRIA TRÁGICO-LINGUÍSTICA PORTUGUESA, por ter trazido o CAOS ortográfico ao País-Berço da Língua Portuguesa.

 

Mas se querem saber o que o comum dos portugueses pensa sobre esta atitude de António Costa, leiam os comentários ao texto referido acima, depois da imagem.

 

Isabel A. Ferreira

 

LULA.PNG

 

António Costa anuncia apoio pessoal à candidatura de Lula da Silva

 

Escrever um comentário no Observador é um convite ao respeito mútuo e à civilidade. Nunca censuramos posições políticas, mas somos inflexiveis com quaisquer agressões. Conheça as Regras da Comunidade

Para comentar, tem de ser assinante. Ver planos

Mais votados 19

Todos 27

 

Agora é que o Lula perdeu mesmo. Está confirmado.

0

 

Caso o Lula ganhe o Sócrates & Companhia têm refúgio garantido. Que os juizes lhes tirem os passaportes ou os coloque na prisão já para não passarem outra vergonha tipo Oliveira e Costa (mais um Costa).

0

 

é normal que o kapataz do 44 apoie o sódio do dito cujo...

2

 

Faz perfeito sentido um apoio do PS-Costa : o PT-Lula é um projecto criminoso de poder... Quem o disse foi um juiz do Supremo brasileiro que hoje também é pró-Lula. 

4

 

Este apoio de Costa ao Lula só demonstra o baixo caracter do actual PM . A Costa previlegia a sua relacão com a sua irmandade socialista brasileira (aliás minada pela corrupcão) à necessidade de preservar as boas relações entre Portugal e Brasil, o q obviamente passaria pelo não apoio do PM português a qualquer candidato. Com gente de baixa estirpe ao leme da governação, não se queixem os eleitores.

6

 

Não sabia que era costume um PM de um país apoiar abertamente um candidato a Presidente de outro país. Mas de Costa já nada nos pode admirar. 

9

 

Ele também deu um apoio emotivo na AR quando o Paulo Pedroso ali regressou vindo da cela da Penitenciária! Lembram--se? E -das corridas cm o Sampaio e o Ferro Rodrigues para evitar que o Juiz Rui Teixeira fosse buscar o referido Pedroso à Assembleia para o meter na choldra? Por isso, não é de estranhar que apoie este cadastrado, um dos maiores "corruptos e comissionistas" daquele grande país!

6

 

Que vergonha, um PM representante do povo Português apoiar um corrupto, ex-presidiário e ladrão como o Lula!!! Não me admira. É o partido do Sócrates, também corrupto como o PT.

9

 

Ah grande Costa.

Tu é que sabes da "poda". Mas olha que, caso o Lula não ganhe.Estás "podido" !

6

 

Quem sai a Sócrates não degenera...

7

São homens da mesma farinha.

6

 

Apoiar um ex-presidiário, e comparsa do inenarrável Sócrates, diz tudo sobre quem é António Costa e o PS. O problema é que pode comprometer as relações entre Estados no caso de Bolsonaro vencer. Falta decência e sentido de Estado ao secretário-geral do PS que é também - desgraça nossa - Primeiro-ministro de Portugal. Belém fica em silêncio?

7

 

Belém? O tal que já foi apoiar também o tal lula? Mas acha que tanto em Belém como em S. Bento está alguém com sentido de estado? 

4

 

Mais um vómito em grande estilo!

8

 

Deveria agora apoiar publicamente o retorno de José Sócrates para Primeiro Ministro! já que está tão à vontade a apoiar um corrupto condenado, deveria dar o exemplo a começar “dentro de casa” a apoiar um corrupto de estimação do PS também em Portugal! uma vergonha!  Como ele espera se relacionar com o Bolsonaro reeleito!?

10

 

Diz-me com quem andas.....

2

 

"Apoio pessoal"? Isso é  exatamente o quê? Quer dizer que o apoio não vem do primeiro ministro de Portugal mas de...?🤔 António Costa?...que é neste momento primeiro ministro de Portugal. Ah, ok. Estava distraída. (suspiro...)

7

 

Se ganhar o outro candidato, quero ver como ficam as relações com o Brasil.

10

 

Depois de ouviir este apoio, tenho que me ausentar, vou ali vomitar e já volto.

15

 

Farinha do mesmo saco. Dois estercos de pessoa, que só sabem mentir e enganar o próximo.

11

 

Parece impossível que se apoie um corrupto comprovado que foi "desculpado" por um tribunal conivente...mas em Portugal há raízes do que se passou com os casos da "Lavajato"...só não teve um Moro português...faltou coragem!

9

 

Já apoiou o Vieira no Benfica, agora o lula no Brasil. Faz todo o sentido!!!

29

 

Com casaco é PM, em camisa é Lula. Pode não acontecer, claro… mas imagine-se que Bolsonaro ganha… já não é amigo do Brasil?… Que falta de senso Sr PM. O Sócrates corrupto é um aldrabão… o Lula corrupto é um amigo. Só falta mesmo o Lula mostrar o vídeo de apoio do Presidente Marcelo, em calções de praia, claro, na pele de Ti-celito.

11

 

Está mesmo muito enganado  quanto ao Sócrates! Ele, no que respeita ao Sócrates, é só a fingir, porque ele no fundo não se esquece que foi o seu nº. 2 durante muitos anos e, como tal, continua a venerá-lo! De resto, é só para inglês ver! Lembram-se que até foi preciso o Vieira do Benfica obrigá-lo a retirar-lhe o apoio?

1

 

Tem razão. Eu sei que o Costa não é menos aldrabão que o Sócrates… estava a referir apenas a afirmações dele. É um manhoso sem coluna vertebral claro.

0

 

Obviamente que o habilidoso apoia o 9 dedos. Grandes ment(iros)es pensam igual.

12

 

Grande Costa! Com experiência a apoiar bandidagem nacional (leia-se socrática), agora atinge o nível internacional. É o PM que temos que engolir...

 19

Fonte:

https://observador.pt/2022/10/25/antonio-costa-anuncia-apoio-pessoal-a-candidatura-de-lula-da-silva/

***
Comentário a este texto, no grupo NOVO MOVIMENTO CONTRA O AO90, no Facebook.
O que Pedro Henrique diz é uma verdade incontestável.


Pedro Henrique.PNG

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:58

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 21 de Outubro de 2022

Na Greve Nacional dos Professores, aproveitem para se manifestarem TAMBÉM contra o AO90, para que a classe docente recupere o prestígio de antanho, porque NÃO é a “magna pecúnia” que prestigia a classe

 

A magna pecúnia é um complemento importante na vida de um professor, porque é necessário pôr pão na mesa, mas o que dá prestígio à carreira de um professor, é o modo como ele exerce a sua profissão que, mais do que profissão, é uma nobre MISSÃO.

 

Ainda mais quando a carreira está a ser enxovalhada pelo facto de NUNCA terem saído à rua para se revoltarem CONTRA a falta de qualidade no ENSINO do PORTUGUÊS, escudando-se no “somos obrigados a “adutar” o AO90",  quando sabemos que uma Resolução do Conselho de Ministros NÃO tem valor de lei, e APENAS uma lei obriga as pessoas a fazerem coisas que, por vezes, são IDIOTAS, e quando assim é, existem instrumentos na Constituição da República Portuguesa, ao abrigo dos quais os cidadãos (não é preciso dizer e as cidadãs) podem DESOBEDECER, salvaguardando, desse modo, a Consciência e a Honra, à qual todos os seres humanos RACIONAIS têm direito, e NÃO existindo lei alguma que obrigue os professores a enganar e a desrespeitar os alunos,  como vem acontecendo desde 2012, vir  justificar o injustificável, ou seja, o ensino de uma grafia completamente IMBECIL, com o “somos obrigados”,  é completamente inadmissível, quiçá, irracional.

 

Será que, nem por um momento, passa pela cabeça dos professores (não só dos de Português) que o dinheiro e a carreira são importantes, mas a essência de ser professor está no juramento que fizeram, ao tomarem posse do cargo (ou isto já não se usa?).

 

Onde ficam a Ética, o Dever, a Missão?

 

Exigem respeito (hoje fartei-me de ver uns cartazes nas mãos de professores com a palavra RESPEITO), mas como podem pedir respeito, se são os primeiros a NÃO se respeitarem a si próprios, até porque NÃO respeitam os alunos, ao impingirem-lhes uma vergonhosa mixórdia ortográfica?

 

A falta de INVESTIMENTO na Educação, NÃO passa apenas pelos salários e pelas carreiras dos professores, mas TAMBÉM, e fundamentalmente, pela Qualidade do Ensino que ministram, consignada na Constituição da República Portuguesa, bem como a DEFESA   da Língua Portuguesa, a Língua de Portugal, a Língua que está consignada nessa mesma Constituição, e que foi alterada ILEGALMENTE.

 

O que os professores andam a banalizar nas escolas é um ensino SEM qualidade, além de contribuir para a DESTRUIÇÃO da Língua Portuguesa, porque o que estão a “ensinar” aos alunos, nem é Português, nem é acordês, nem é Brasileiro. É pura e simplesmente uma mixórdia ortográfica inqualificável.

 

Pensamos que este é o momento para os professores se reabilitarem, recuperarem o prestígio perdido e enfrentarem os que, ilegalmente e através de chantagem emocional, estão a levar os professores por um caminho sem retorno. Até poderão encher os bolsos e encarreirar as carreiras, mas isso, só por si, NÃO lhes devolverá o prestígio perdido, e o RESPEITO que esperam receber da sociedade.

 

Ou os professores se IMPÕEM agora, ou ficarão indefinidamente REFÉNS, nas mãos de quem, despudoradamente, os manipula.

 

Será que os professores não têm amigos que possam aconselhá-los a lutar pelo prestígio perdido, ao aceitarem acriticamente uma ortografia que NÃO pertence a Portugal, e que os nossos alunos NÃO merecem?


Isabel A. Ferreira

 

Greve dos professores.jpg

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:00

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 20 de Setembro de 2022

Diferenças lexicais entre a Língua Portuguesa e a sua Variante Brasileira

 

De tanto se escrever errado, o erro passará a ser correcto?

 

Uma coisa é evolução natural da Língua. Outra coisa é a sua destruição.  E outra coisa é a sua variação.


Sabemos que, no Brasil, existiu (e ainda existe), uma corrente, iniciada por Antônio Houaiss, o enciclopedista libanês, de quem Millôr Fernandes (jornalista e escritor brasileiro) dizia que «conhecia todas as palavras da Língua, só não sabia juntá-las», a qual deslusitanizou a Língua Portuguesa intencionalmente, para a afastar das sua raízes greco-latinas, o que viria a dar origem ao Acordo Ortográfico de 1990, também engendrado por Houaiss, ao qual se juntou Malaca Casteleiro, para ajudar à missa. Tudo o que fosse português Houaiss modificava, inventava, americanizava, puxava ao Português antigo, para se distanciar da Língua de Portugal. Uma mania como outra qualquer que, contudo, teve consequências absolutamente desastrosas para a NOSSA Língua.

 

Ando a elaborar uma espécie de dicionário (para já é uma lista) de palavras que o Brasil fez questão de diferenciar do léxico Português, deslusitanizando-o, tendo algumas das palavras, introduzidas nesse novo léxico brasileiro, um significado completamente diferente do original.

 

É uma pequena amostra dessas diferenças lexicais que proponho nesta publicação.

 

Paulo Franchetti.jpeg

 

O léxico brasileiro está a negrito. São palavras e expressões que encontro, por aí, nos falares e nos escritos  brasileiros.


Isabel A. Ferreira



Liberar/libertar

Ímã/íman

Seriados/séries

Embutidos/enchidos

Caminhão/camião

Caminhonista/camionista

Touros de briga/Touros de lide

Nos hospitais as ambulâncias tomam e largam doentes/nos hospitais as ambulâncias recebem e deixam doentes

Comentarista/comentador

Tomar um carro de aluguel/Apanhar um táxi

Conosco/connosco

Umidade/humidade

Pausar/parar

Empossamento/tomada de posse

Bitucas de cigarros/ponta de cigarros, beatas

Cotidiano/quotidiano

Fechamento/encerramento

Porcentagem/percentagem

Alvejante/branqueador

Parada cardíaca/paragem cardíaca

Chapéu papal/solidéu

Acessar/aceder

Fato/facto

Psicodélico/psicadélico

Mensurar/medir

Covarde (coward)/cobarde

Estórias em quadradinhos/histórias aos quadradinhos/banda desenhada/BD

Tampar/fechar

Recorrer para a justiça/recorrer à justiça

Cargos de vereança/cargos de vereação

Breque/travão

Sacola véia/sacola velha

Viralizar/ornar-se viral

Ambientalizar/ambientar

Planizava/planeava

Clinicar/exercer clínica

Câmara filmadora/câmara de filmar

Vai-se no médico/vai-se ao médico

Virada do ano/passagem de ano

Coalizão/coligação

Câmeras/câmaras

Eu te preciso/eu preciso de ti

Beija eu/beija-me

Eu lhe amo/eu amo-te

Te amo/amo-te

Eu te gosto/eu gosto de ti

Para eu/para mim

Irã/Irão

Estadunidense/norte-americano

Terno/fato

Banheiro/quarto-de-banho

Gestando/gerindo

Câncer/cancro

Gestar/gerir

Chutou as flores para o cesto/atirou as flores para o cesto

/não é

Oi/olá

Pet/animal de estimação

Friezzer/congelador

Sorvete/gelado

Registrar/registro/registar/registo

Mar do Caribe/Mar das Caraíbas

Caribe/Caraíbas

Parabenizar/felicitar

Israelense/israelita

Estrelar (um filme)/protagonizar? 

Apenado/condenado

Estoriador/ou historiador

Poloneses/polacos

Pausar/fazer pausa

Deletar/eliminar

Panaca/panasca

Galera/pessoal (grupo de pessoas)

Parada de ônibus/paragem de autocarro

Guris/crianças

Geladeira/frigorífico

Café da manhã/pequeno-almoço?

Aquele trem é horrível/aquela coisa é horrível

Trem/combóio

Cidade litorânea/cidade do litoral

Cassino/casino

Bala/rebuçado

Grama/relvado

Grama/relva

Bilhão/Bilião

Torcida/adeptos

Enquete/questionário

Escanear/digitalizar

Estresse/stress

Esporto/desporto

Ganhador/vencedor

Balé/ballet

Espírito natalino/espírito natalício

Campesinos/camponeses

Festejos natalinos/festejos natalícios

Missivista/pessoa que leva ou escreve missivas (cartas)   

Ducha/duche

Planejar/planear

Bonde/eléctrico

Mídia/média

Time/equipa

Copa (do mundo)/taça  

Amsterdã/Amsterdão

Cafifa/papagaio de papel

Enterramento/enterro

Conscientização/consciencialização

 Apoiadores/apoiantes

Buzinaço/buzinão

Chefe da ONU (Guterres)/Director-Geral da ONU

Acessar/ter acesso a

Detento/detido

Concreto/betão

Rifle/espingarda

Cromossomo/cromossoma

Sutileza/subtileza

Sutil/subtil

Traslado do coração/trasladação do coração

Fabricação/ou fabrico

Conscientização/consciencialização

Apuração/apuramento

Maquiagem/maquilhagem

Exterior/estrangeiro

Zumbi/zombie

Esse/este

Em uma/Numa

Cachorro/cão

Mouse/rato

Tela/ecrã

Xícara/chávena

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:13

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 15 de Setembro de 2022

Diferenças lexicais entre a Língua Portuguesa e a sua Variante Brasileira

 

De tanto se escrever errado, o erro passará a ser correcto?

 

Uma coisa é evolução natural da Língua. Outra coisa é a sua destruição.  E outra coisa é a sua variação.


Sabemos que, no Brasil, existiu (e ainda existe), uma corrente, iniciada por Antônio Houaiss, o enciclopedista libanês, de quem Millôr Fernandes (jornalista e escritor brasileiro) dizia que «conhecia todas as palavras da Língua, só não sabia juntá-las», a qual deslusitanizou a Língua Portuguesa intencionalmente, para a afastar das sua raízes greco-latinas, o que viria a dar origem ao Acordo Ortográfico de 1990, também engendrado por Houaiss, ao qual se juntou Malaca Casteleiro, para ajudar à missa. Tudo o que fosse português Houaiss modificava, inventava, americanizava, puxava ao Português antigo, para se distanciar da Língua de Portugal. Uma mania como outra qualquer que, contudo, teve consequências absolutamente desastrosas para a NOSSA Língua.

 

Ando a elaborar uma espécie de dicionário (para já é uma lista) de palavras que o Brasil fez questão de diferenciar do léxico Português, deslusitanizando-o, tendo algumas das palavras, introduzidas nesse novo léxico brasileiro, um significado completamente diferente do original.

 

É uma pequena amostra dessas diferenças lexicais que proponho nesta publicação.

 

Paulo Franchetti.jpeg

 

O léxico brasileiro está a negrito. São palavras e expressões que encontro, por aí, nos falares e nos escritos  brasileiros.


Isabel A. Ferreira



Liberar/libertar

Ímã/íman

Seriados/séries

Embutidos/enchidos

Caminhão/camião

Caminhonista/camionista

Touros de briga/Touros de lide

Nos hospitais as ambulâncias tomam e largam doentes/nos hospitais as ambulâncias recebem e deixam doentes

Comentarista/comentador

Tomar um carro de aluguel/Apanhar um táxi

Conosco/connosco

Umidade/humidade

Pausar/parar

Empossamento/tomada de posse

Bitucas de cigarros/ponta de cigarros, beatas

Cotidiano/quotidiano

Fechamento/encerramento

Porcentagem/percentagem

Alvejante/branqueador

Parada cardíaca/paragem cardíaca

Chapéu papal/solidéu

Acessar/aceder

Fato/facto

Psicodélico/psicadélico

Mensurar/medir

Covarde (coward)/cobarde

Estórias em quadradinhos/histórias aos quadradinhos/banda desenhada/BD

Tampar/fechar

Recorrer para a justiça/recorrer à justiça

Cargos de vereança/cargos de vereação

Breque/travão

Sacola véia/sacola velha

Viralizar/ornar-se viral

Ambientalizar/ambientar

Planizava/planeava

Clinicar/exercer clínica

Câmara filmadora/câmara de filmar

Vai-se no médico/vai-se ao médico

Virada do ano/passagem de ano

Coalizão/coligação

Câmeras/câmaras

Eu te preciso/eu preciso de ti

Beija eu/beija-me

Eu lhe amo/eu amo-te

Te amo/amo-te

Eu te gosto/eu gosto de ti

Para eu/para mim

Irã/Irão

Estadunidense/norte-americano

Terno/fato

Banheiro/quarto-de-banho

Gestando/gerindo

Câncer/cancro

Gestar/gerir

Chutou as flores para o cesto/atirou as flores para o cesto

/não é

Oi/olá

Pet/animal de estimação

Friezzer/congelador

Sorvete/gelado

Registrar/registro/registar/registo

Mar do Caribe/Mar das Caraíbas

Caribe/Caraíbas

Parabenizar/felicitar

Israelense/israelita

Estrelar (um filme)/protagonizar? 

Apenado/condenado

Estoriador/ou historiador

Poloneses/polacos

Pausar/fazer pausa

Deletar/eliminar

Panaca/panasca

Galera/pessoal (grupo de pessoas)

Parada de ônibus/paragem de autocarro

Guris/crianças

Geladeira/frigorífico

Café da manhã/pequeno-almoço?

Aquele trem é horrível/aquela coisa é horrível

Trem/combóio

Cidade litorânea/cidade do litoral

Cassino/casino

Bala/rebuçado

Grama/relvado

Grama/relva

Bilhão/Bilião

Torcida/adeptos

Enquete/questionário

Escanear/digitalizar

Estresse/stress

Esporto/desporto

Ganhador/vencedor

Balé/ballet

Espírito natalino/espírito natalício

Campesinos/camponeses

Festejos natalinos/festejos natalícios

Missivista/pessoa que leva ou escreve missivas (cartas)   

Ducha/duche

Planejar/planear

Bonde/eléctrico

Mídia/média

Time/equipa

Copa (do mundo)/taça  

Amsterdã/Amsterdão

Cafifa/papagaio de papel

Enterramento/enterro

Conscientização/consciencialização

 Apoiadores/apoiantes

Buzinaço/buzinão

Chefe da ONU (Guterres)/Director-Geral da ONU

Acessar/ter acesso a

Detento/detido

Concreto/betão

Rifle/espingarda

Cromossomo/cromossoma

Sutileza/subtileza

Sutil/subtil

Traslado do coração/trasladação do coração

Fabricação/ou fabrico

Conscientização/consciencialização

Apuração/apuramento

Maquiagem/maquilhagem

Exterior/estrangeiro

Zumbi/zombie

Esse/este

Em uma/Numa

Cachorro/cão

Mouse/rato

Tela/ecrã

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:10

link do post | comentar | ver comentários (4) | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O “DN Brasil”, projecto j...

. Carta Aberta ao Professor...

. «É indispensável mostrar ...

. Parecer de Carmen de Fria...

. Suprimem os “cês” e os “p...

. Neste Natal compre ou ofe...

. António Costa anuncia apo...

. Na Greve Nacional dos Pro...

. Diferenças lexicais entre...

. Diferenças lexicais entre...

.arquivos

. Junho 2024

. Maio 2024

. Abril 2024

. Março 2024

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Agosto 2023

. Julho 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.

.ACORDO ZERO

ACORDO ZERO é uma iniciativa independente de incentivo à rejeição do Acordo Ortográfico de 1990, alojada no Facebook. Eu aderi ao ACORDO ZERO. Sugiro que também adiram.
blogs SAPO