Segunda-feira, 29 de Julho de 2019

SENHORES GOVERNANTES, COMO É POSSÍVEL REDUZIR A ZERO A APTIDÃO DAS NOSSAS CRIANÇAS PARA A APRENDIZAGEM DO NOSSO PORTUGUÊS?

 

Recebi via e-mail (no SPAM) esta estranha mensagem:

র্যাংগস তোশিবা নিয়ে এলো বাম্পার গিফটে সুপার ঈদ অফার!

 

Como é óbvio, não entendi nada, mas fui investigar, porque achei lindíssimos e requintadíssimos estes caracteres, e fiquei curiosa para saber a que língua pertenciam (mais do que tentar traduzir a mensagem, que não me interessava nada). Descobri que pertencem à Língua Bengali - língua indo-ariana falada (e escrita) em Bangladesh e no estado indiano vizinho de Bengala Ocidental.

 

Partindo do princípio que as crianças de Bangladesh e de Bengala vão à escola aprender a ler e a escrever esta língua, que é a delas, pus-me a pensar, porque é que estas crianças conseguem escrever numa tal grafia, que convenhamos, é mais complicada (para nós) do que a grafia portuguesa (no desenho das letras) e as crianças portuguesas, no entender dos acordistas, não conseguem escrever na grafia portuguesa, com os respectivos cês e pês no devido lugar, bem como os acentos e os hífenes, tão mais simples do que a grafia Bengali, tendo sido “preciso” adoPtar a grafia brasileira, ainda mais simples, pois suprimiram os cês e os pês a um número indeterminado de vocábulos, porque como vão as crianças (ou devo dizer os adultos) saber que a palavra “direcCtor” é escrita com ?

 

criancas_e_novo_idioma_606x455.jpg

(Foto: Thinkstock/Gettyimages)

 

Qualquer pessoa, minimamente culta e inteligente e informada, sabe que as crianças, a partir dos quatro anos, têm bastante facilidade em aprender várias línguas e respectivas grafias, ao mesmo tempo.

 

Qualquer cidadão, minimamente informado, sabe que a capacidade das crianças para aprender línguas é elevadíssima, conseguindo aprender tantas línguas quantas as que lhes forem ensinadas, porque, as crianças, ao contrário dos acordistas, simplesmente possuem essa capacidade. O cérebro delas está preparado para absorver tudo o que lhes é dado a aprender. Não há, de facto, qualquer impedimento para as crianças portuguesas, relativamente à aprendizagem de várias línguas ao mesmo tempo, nem sequer de grafar uns simples pêzinhos e cêzinhos, uma vez que os grafam no Inglês, no Francês e no Castelhano, que também aprendem. Por que hão-de as crianças portuguesas ter capacidade para aprender o Inglês, o Francês ou o Castelhano, e não têm a mesma aptidão para aprender o nosso Português?

 

Partindo do princípio que a Língua Portuguesa é uma língua, e a Língua (cada vez mais reconhecida como) Brasileira é outra língua, por que não hão-de as nossas crianças aprender a sua própria Língua Materna, agora que já sabem a Brasileira?

 

Foi o que aconteceu comigo aos oito anos (não me canso de repetir): depois de ter aprendido o Brasileiro durante dois anos (dos seis aos oito) regressada a Portugal, aprendi a minha Língua Materna com muita facilidade e muita LEITURA, porque a aprendizagem de uma Língua passa também pela fixação visual: e o que era “setor” passou a ser “seCtor”, muito naturalmente. E de volta ao Brasil, como já sabia grafar à brasileira foi ainda mais fácil regressar ao Brasileiro.

 

Tenho amigos meus, que tiveram de sair de Portugal, para poderem ter uma vida de acordo com o que investiram na sua formação académica (e não andarem para aqui a ganhar cêntimos a vender pipocas, quando podem ganhar um bom ordenado, a trabalhar na profissão dos seus sonhos, e na qual investiram tempo e dinheiro) já com filhos, que iniciaram, em Portugal, a escolaridade (primeiros e segundos anos do ensino básico) e, num espaço de um ano, falam e escrevem correCtamente o Inglês, o Francês e o Alemão, além do “Brasileiro” que lhes foi ensinado em Portugal. Mas não sabem Português.


Então por que querem os acordistas transformá-las nas crianças mais estúpidas do mundo, quando se trata de aprender a Língua Materna delas - o nosso PORTUGUÊS? Deixemos o Brasileiro para os Brasileiros. E acabemos de vez com o AO90, que não serve nenhum país dito lusógrafo. Que se regresse à diversidade, porque a unificação das lusografias é uma miragem no deserto das ideias idiotas, que por aí se alastram.

 

Como é possível medir as aptidões intelectuais das crianças portuguesas, pela descomunal inaptidão intelectual dos acordistas, no que respeita à aprendizagem do nosso Português?

 

Um dos (des)argumentos que os acordistas apresentam, para sustentarem a irreversibilidade do AO90 é a de como vão agora as crianças, que já aprenderam a escrever segundo o AO90 (ou seja, à moda brasileira) aprender a reescrever correCtamente a sua Língua Materna? Muito simples: aprendendo com a maior facilidade, até porque já aprenderam o Inglês, o Francês ou o Castelhano, que lhes é ensinado, com uma vantagem de a Língua Materna delas ter a mesma etimologia dessas outras línguas.

 

Se querem argumentar e ser honestos, argumentem com a VERDADE, apesar de ela ser OBSCURA, porque os Portugueses têm o DIREITO de a saber, e os governantes o DEVER de a dizer (se bem que essa verdade não seja segredo para ninguém). 

 

Por que hão-de os acordistas portugueses apresentar tal parvoíce, como argumento, como se as nossas crianças fossem muiiiiiito, mas muiiiiiito estúpidas, as mais estúpidas crianças do mundo?

 

Em vez de exteriorizarem, deste modo idiota, o vosso analfabetismo funcional, que tal proporcionarem, às nossas crianças, um ensino de Língua Portuguesa de qualidade, base fundamental de uma mais racional aprendizagem de todas as restantes disciplinas, e alicerce primordial para uma comunicação de excelência.

 

Porque é triste, muito triste, lamentável e vergonhoso ler, ver e ouvir o nosso Português tão mal escrito e falado nas televisões, nos jornais, nas revistas e na boca dos governantes, dos políticos, dos jornalistas, dos que acham que escrever “incorrêtamente” é moderno.

 

Não é. O que se passa em Portugal, a este respeito, é um caso de um monumental retrocesso, único em todo o mundo, por se ter passado de cavalo para burro, algo que não passa na cabeça de ninguém, a não ser na cabeça de um acordista.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:27

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 27 de Maio de 2019

A IMPOSIÇÃO DO ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990 É ILEGAL E INCONSTITUCIONAL!

 

Um texto de Paulo Teixeira, com o qual concordo inteiramente.

Está na hora de os Pais EXIGIREM que, nas escolas, os seus filhos, aprendam a escrever correCtamente a sua Língua Materna, a Língua Portuguesa, conforme está consignado na Constituição da República Portuguesa.

O AO90 é ilegal, inconstitucional, irracional, irritante, inútil e mentalmente incapacitante, porque obstrui o pensamento.

 

61035596_2647100891984112_5680925879182557184_n.jp

 

«É HORA DE ACORDAR O PRESIDENTE MARCELO!

 

Mas mais ilegal e inconstitucional ainda é obrigar alunos (filhos dos contribuintes que pagam o ensino público) a usar o acordo contra a sua vontade. Como pode o Estado obrigar um filho meu a usar o acordo sem a MINHA autorização??!

 

É aqui, neste ponto em concreto, que todos nós devemos berrar, discordar, bater o pé, até boicotar escolas!

 

É sobre esta ilegalidade/inconstitucionalidade que devemos incidir, dar as mãos, ripostar, impedir que sejam os políticos e os badamecos que pariram o acordo a dizer o que devem (ou não) os nossos filhos aprender num estabelecimento de ensino público pago por nós!»

 

Vamos à LUTA!»

 Paulo Teixeira

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=2647100888650779&set=gm.2420012258044133&type=3&theater&ifg=1

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:50

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 20 de Maio de 2019

ACÇÕES CONTRA O AO90 E DE COMO É POSSÍVEL RECUPERAR O TEMPO GASTO COM ESTA ABERRAÇÃO

 

O combate contra o AO90 não se faz apenas com palavras, porque as palavras entram por um ouvido e saem pelo outro, dos que se estão nas tintas para a Língua Portuguesa.

 

O combate contra o AO90 faz-se, sobretudo, através de acções que contribuam, na prática, para o fracasso desta imposição ilegal, inconstitucional e irracional.

 

Daí que vá deixar aqui o que eu, pessoalmente, faço para combater esta aberração, além de manter uma permanente luta neste Blogue.

 

DITADURA.png

Porque a ditadura ortográfica não combina com Democracia, pode ser derrubada de várias maneiras, e uma delas é através do VOTO. (Origem da imagem: Internet)

 

- Rejeito ir a eventos, cujos convites estejam escritos em acordês ou mixordês.

 

- Trago sempre comigo uma esferográfica vermelha para corrigir tudo o que me aparece à frente (panfletos, cartazes) que estiverem escritos em acordês ou mixordês.

 

- Não compro nem ofereço livros, revistas, jornais, ou quaisquer outras publicações escritas em acordês ou mixordês.

 

- Quando vou a uma livraria, a um quiosque ou outro qualquer estabelecimento do género, digo alto e em bom som, que não compro este ou aquele livro, revista ou jornal em edições portuguesas, porque estão grafados à brasileira, e compro aqueloutros livros ou jornais ou revistas porque estão grafados à portuguesa.

 

- Quando entro em algum lugar e vejo a Língua Portuguesa mutilada, chamo a atenção para os erros ortográficos, porque Portugal, por enquanto, ainda é Portugal.

 

- Quando estou em público, ou diante de crianças (e não só) pronuncio as consoantes mudas, para realçar a função diacrítica dessas consoantes. E explico que se escreverem “fatura” devem ler fâtura, porque apenas com a consoante , o à é aberto faCtura (fátura).

 

- Sempre que tenho oportunidade digo a quem me diz que agora é obrigatório escrever assim (desconhecem que é assim devido ao AO90, que não sabem o que é, e este escrever assim é mutilar as palavras, suprimindo-lhes os cês e os pês) que estão a escrever à brasileira, e não à portuguesa, facto que elas não sabem (fora a parvoíce dos acentos e hífenes, que é comum ao Brasil e a Portugal).

 

- Às crianças explico-lhes que estão a ser enganadas e o que lhes ensinam a escrever na Escola não é a grafia portuguesa, mas sim a grafia brasileira, aquela que os Brasileiros escolheram para eles. O seu a seu dono. Digo-lhes também que, na escola, para não entrarem em conflito com o “s’tor” (senhor doutor), escrevam setor que se lê “s’tôr” (significando departamento, divisão, secção). Mas fora da escola escrevam seCtor (lendo sétôr) porque é assim que se grafa à portuguesa. E quando crescerem adoptarão a grafia da sua Língua Materna.

 

Bem, isto é o que faço. Se os milhares que se dizem anti-AO90 fizessem o mesmo, talvez o AO90 já tivesse ido dar uma volta, para bem longe de Portugal.

 

Se foi possível destruir una Língua que levou séculos a ser construída laboriosamente, racionalmente, cientificamente, mais possível será reconstruir o que foi destruído em 10 anos, e sobre as ruínas fazer renascer a Língua Portuguesa segundo o AO45, o que na realidade está em vigor.

 

O argumento do irreversível é para os falhados, os cobardes, os derrotados, os dotados de mentes mirradas, os medíocres.

 

Quando olhamos para a destruição, por exemplo, da cidade de Berlim, depois dos bombardeamentos durante a II Grande Guerra Mundial, parecia-nos impossível que Berlim pudesse voltar a ser Berlim. No entanto, nada é impossível quando a vontade dos homens é inquebrantável e a sua capacidade intelectual é imbatível.

 

Ressuscitar os mortos não está ao alcance dos homens, contudo, reconstruir o que foi destruído pelo homem está ao alcance apenas daqueles que são fortes, são guerreiros, têm massa cinzenta e neurónios a funcionar em pleno.

 

Tornar ao antes do AO90, não só é possível como desejável e prioritário. Quando os governantes impingiram a Portugal o AO90, ninguém se questionou «como vamos agora aprender a escrever à brasileira, se aprendemos a escrever à portuguesa?». Alguém se preocupou com isto?

 

A mossa provocada pela aplicação do AO90 nada é comparada com o que é hoje a Língua Portuguesa, mutilada, grafada completamente à balda, sem pés nem cabeça, caminhando para a extinção. O AO90 fez mossa, mas nada que não seja recuperável. Ainda se vai muito a tempo de abandonar a anormalidade e regressar à normalidade. E sabem porquê? Porque há CORRECTORES ORTOGRÁFICOS pré-AO, (para os que já se esqueceram de escrever como  sempre escreveram), mas, principalmente, porque as crianças não são as estúpidas que os governantes querem que sejam, ou não são tão estúpidas como os que dizem que «agora que escrevemos assim (ou seja incorreCtamente) como vamos aprender a escrever assado (ou seja, o que escreveram durante toda a vida?)

 

As crianças vão à escola para APRENDEREM o que lhes for ENSINADO. E é essa a missão dos professores: ensinar-lhes a escrever correCtamente a Língua Materna delas.

 

E em menos de um ano lectivo tudo regressará ao normal.

 

Garanto-vos. Haja vontade política e audácia para reparar este que foi o maior erro político jamais cometido, até pelo mais ignorante governante que governou Portugal (que não vou dizer quem foi, porque o mal já foi feito, e assim ficou para a História).

 

Lembremo-nos de que os cobardes, os ignorantes optativos, os fracos, os falhados, os derrotados, os dotados de cérebros mirrados, os medíocres nunca fizeram AVANÇAR o Mundo.

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:35

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Domingo, 5 de Maio de 2019

PASSADOS DEZ ANOS DE DESTRUIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA, SÓ HÁ UM DESTINO PARA O AO90: A REVOGAÇÃO

 

Hoje, em Portugal, raros são aqueles que sabem escrever correCtamente a sua Língua Materna. Desde o menino da escola primária, aos que podem e (des)mandam no Parlamento Português.

 

E anda por aí o Instituto Camões a vender gato por lebre e a dizer que “Há um crescimento generalizado da Língua Portuguesa em diferentes latitudes», e isto não corresponde à verdade. A verdade é que andam por aí a chamar Português, a uma linguagem que se grafa à brasileira, distanciada da matriz greco-latina, de que o Português europeu é originário, e, portanto, já deixou de ser portuguesa.

 

Untitled.png

 

Origem da imagem: https://twitter.com/100penemcabeca

 

A língua que se grafa por aí, promovida pelo Instituto Camões, e o Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP), entre outras entidades  e governantes, presidente da República e ministro pofrtuguês dos Negócios DOS Estrangeiros incluídos, que estão ao serviço da Brasilidade, é exclusivamente brasileira, à excepção dos hífens e acentos que, com o AO90, são comuns a ambos os países: Brasil e Portugal.

 

O ministro dos Negócios DOS Estrangeiros, Augusto Santos Silva (uma espécie de kapo de serviço, para a Destruição Total da Língua Portuguesa (DTLP), apontado para continuar o "trabalho" de aniquilar a Língua no próximo Governo, e esperemos que já lá não esteja, por ser o principal propagandista do maior desastre linguístico ocorrido em Portugal, e não deve continuar no (des)governo do País), afirmou ao Expresso que «os sistemas de ensino, editorial, jurídico e científico estão hoje sintonizados e a concertação político-diplomática com os outros países de língua portuguesa nesta matéria é ainda significativa. (...) não se afigura a necessidade ou a oportunidade de, no momento, efectuar uma reversão», o que não corresponde à verdade. Tudo isto é mentira, senhor ministro. Nada nem ninguém está sintonizado, muito menos há concertação político-diplomática com os outros países de Língua Portuguesa, portanto afigura-se a necessidade urgente de seguir as pisadas de Angola, Moçambique, Guiné Bissau, Timor-Leste, São Tomé e Príncipe (que se está nas tintas para o AO90) e agora o Brasil, e mandar às malvas o “acordo” mais desacordado de sempre.

 

A quem pretende enganar, senhor ministro Augusto Santos Silva?

 

A propósito do episódio protagonizado, há dias, pelos partidos de esquerda e de direita unidos, com o PS de fora, no que respeita à aprovação da contagem integral do tempo de serviço dos professores, ouviu-se Santos Silva referir-se a esta dita “coligação negativa” e ao que ela aprovou, que era algo ilegítimo, imoral e inconstitucional, esquecendo-se o senhor ministro de que ilegítima, imoral e inconstitucional é a imposição do AO90 em Portugal, que está a destruir a Língua Oficial dso Portugueses, e com isto ele, Santos Silva, não está nada nada, nada preocupado, e a ilegitimidade, a imoralidade e a inconstitucionalidade aqui já é admissível. A governação é pautada por dois pesos e duas medidas.

 

O Grupo de Trabalho constituído pelo Parlamento, para estudar a aplicação das novas regras para a Língua Portuguesa recomenda alterações no AO90. O PS é o único partido que não quer que se mexa nisto, talvez porque mexer nisto implique algo que o PS tenta esconder, deixando o rabo de fora.

 

Uma década depois de entrar em vigor, o acordo pode voltar à estaca zero? Devia ter voltado há muito. Desde o início que se sabe que o AO90 é um descomunal erro ográfico , uma aberração, um verdadeiro aborto, sem pés nem cabeça. Andaram todo este tempo a brincar ao quê?

 

O AO90 não tem qualquer futuro, e agora que o Brasil está em vias de o rasgar, o que restará para manter? Portanto, recomendar “alterações” é recomendar que se remende o que está absolutamente esburacado, falhado, em todos os sentidos e em todos os países. O AO90 tem de ser revogado, e quanto mais depressa melhor, porque o futuro é já amanhã, e o ontem foi um falhanço absoluto.

 

Passados dez anos de destruição da Língua Portuguesa, o AO90 não deve ser alterado. Deve ser rasgado. Simplesmente rasgado, porque o AO90, não tendo pés nem cabeça, é um enjeitado pela maioria dos países de expressão portuguesa, e como tal, inviável.

 

Por que haveria Portugal de ficar parvamente só a segurar ao colo este aborto ortográfico?

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:17

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 22 de Abril de 2019

AO QUE A ESTUPIDEZ CHEGOU: REGISTO CIVIL OBRIGA CIDADÃOS A MUDAR A GRAFIA DO NOME EM NOME DE OUTRA ESTUPIDEZ – O ACORDO ORTOGRÁFICO

 

 

E uma pessoa faz uma pausa pascal, e quando regressa, leva com isto!

 

Quando li esta coisa no meu e-mail, disse cá para mim: isto só pode ser é uma fake new (assim em inglês, porque não um anglicismo, quando se anda por aí a obrigar os portugueses a escrever à brasileira, e ninguém diz nada?) Mas não, a notícia deste vergonhoso procedimento, foi publicada aqui:

https://eco.sapo.pt/2019/04/21/registo-civil-obrigou-cidadaos-a-mudar-a-grafia-do-nome-um-victor-virou-vitor-e-um-baptista-batista-tudo-em-nome-do-acordo-ortografico/

 

Estupidez.jpg

 

O registo civil obrigou cidadãos a mudar a grafia do nome, em nome do falso acordo ortográfico, e quem nasce Victor passa a ser Vítor e os Baptistas, a Batistas, e as Lourdes, a Lurdes.

 

E eu nem posso acreditar nisto:

Aquando da renovação do cartão cidadão (CC), um número apreciável de cidadãos viu-se obrigado a trocar a grafia do seu nome para ficar em conformidade com o acordo ortográfico de 1990 pelo Instituto dos Registos e do Notariado (IRN)?

 

E esses cidadãos permitiram, aceitaram que lhes mudassem o nome? A desinformação será assim tão descomunal?

 

Isto é inconcebível, e só num país onde a estupidez e a ignorância (ao mais alto nível) reinam, tal coisa pode acontecer. Em mais país nenhum do mundo, nem no mais atrasado país dos confins do mundo, esta inominável “coisa” acontece. Só mesmo em Portugal, onde a mais básica racionalidade deu lugar à mais afrontosa irracionalidade.

 

Já somos motivo de chacota, na Europa e no Mundo, pelos mais variados motivos. Faltava mais este. E o que virá mais?

 

Portugueses com cês (ViCtor) e pês (BaPtista) e ous (LOUrdes) nos respectivos nomes: ninguém tem o poder de obrigar-vos a mudar o vosso nome de registo civil. Se isso acontecer, recusem-se a mudar o nome, e se insistirem, recusem-se a sair do recinto, até que reponham o nome correCtamente, e se chamarem a Polícia, digam à Polícia para vos apresentar a LEI que vos obriga a mudar o nome com que foram registados, quando nasceram. E se ainda assim, nada disto trouxer luz à escuridão em que vivem os servilistas, saiam do Registo sem renovar o CC, mas recusem-se a obedecer a uma tal ordem irracional, porque isso faz parte de uma estupidez descomunal, até porque os nomes próprios não estão incluídos nessa abominável lista de mudança de grafia, a que chamam AO90, assente na grafia brasileira, que mutilou as palavras apenas para facilitar a escrita, e isso não é motivo para se destruir uma Língua. E muito menos os nomes próprios.

 

E não se tenha pejo de chamar os bois pelos nomes. As palavras existem para serem usadas de acordo com as circunstâncias. E nestas circunstâncias, as palavras mais adequadas são precisamente estupidez, ignorância, parvoíce, irracionalidade. Das mais puras e duras.

 

Imagine-se agora, os imigrantes, oriundos de todas as partes do mundo, que se instalam em Portugal e têm filhos nascidos em Portugal, terem de mudar a grafia dos seus nomes de origem, para se adequarem à parvoíce de uma norma que impõe a mudança da grafia dos nomes com que foram registados ao virem a este mundo!

 

Se um brasileiro, de nome Danyel ou Arthur,  (que os há), quiser naturalizar-se português, terá de deixar de ser Danyel ou Arthur? Porquê?



Eça nasceu Queiroz, mas há quem lhe grafe o nome Queirós, e a isto chama-se violação de identidade.

 

No Brasil, grafa-se o meu nome Isabel com Z (Izabel) e eu jamais permitiria deixar de ser Isabel, porque nasci Isabel. Na minha certidão de nascimento estou registada como Isabel. Nenhuma política me faria grafar o meu nome com Z. Jamais.

 

Este modismo, instalado por aí como uma praga, só é igualável a outra descomunal parvoíce: a de não se poder mandar às malvas o AO90, por causa das criancinhas, como se as nossas criancinhas fossem muito estúpidas e não pudessem desaprender, com uma perna às costas, a grafia brasileira, e começar a escrever correCtamente a grafia da sua Língua Materna, até porque o Português original é muito mais fácil de aprender do que a sua fotocópia mutilada: o AO90)

 

E não se esqueçam disto, quando ficarem parvamente sós, a braços com a fotocópia do Português.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:02

link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 13 de Março de 2019

«NASCI PORTUGUÊS E MORRO ANGOLANO» TUDO POR CAUSA DO AO90

 

Os governantes portugueses trazem os Portugueses desgostosos, tristes, desiludidos, por muitos, muitos, muitos e variados motivos, e mais um: o da vulgarização, por aí, de um “português” que já deixou de ser Português, para ser brasileiro, e na maioria das vezes, uma mixordice que envergonha Portugal, berço da Língua Portuguesa.

 

O que levou o meu amigo Pedro Soares, a fazer o comentário que abaixo reproduzo, e que diz do estado d’alma dos que estão a ver a sua Língua Materna a escoar-se pelo cano de esgoto…

 

Eu, que também nasci Portuguesa, morrei também Angolana, se esta miséria linguística continuar a aniquilar a harmonia ortográfica que caracterizava a Língua Portuguesa.

 

SÀBADO.png

«Assim se escreve em bom BRASILÊS.» A revista Sábado era editada em Português correcto. A partir de Janeiro deste ano, decidiu "adoptar" o COISO ORTOGRÁFICO. Eis o resultado no verso desta capa: BRASILÊS puro. Que falta de brio!» (Nuno Teixeira)

Origem da imagem:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=2663366350402167&set=a.402416659830492&type=3&theater&ifg=1

 

Comentário de Pedro Soares: Há muito tempo que, em termos de Língua Portuguesa, me considero Angolano.

 

Não só por ter vivido largos anos nessa Terra abençoada por Deus (não é só o Brasil), não só por os restos mortais de meu Pai repousarem em Luanda, não só por ter um filho nascido em Cabinda, não só por ter iniciado a minha carreira bancária no Banco de Angola, mas também porque Angola honra a Língua Portuguesa, a sua matriz, é a sua Língua oficial, sem estrangeirismos, sem brasileirês.

 

Por tudo isto, e também pela vergonha que sinto pelo AO90, um papaguear ridículo, vergonhoso, às portas de um dialecto, em que mercenários portugueses e brasileiros transformaram uma Língua com matriz greco-latina.

 

Mal sabia eu, há mais de 40 anos, quando disse que o meu coração ficava para sempre em Angola, viria a ter razão acrescida.

 

Nasci Português e morro Angolano, com vergonha dos biltres que atraiçoaram a minha Pátria.

 

***

Este sentimento de vergonha, é também o meu sentimento.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:02

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2019

DESACORDISTAS DE PORTUGAL, TEMOS UMA GUERRA A VENCER: A DA ANULAÇÃO DO AO90

 

E como se vence esta guerra, se já foram travadas algumas batalhas, sem atingir os inimigos que, apesar de não serem fortes, nem inteligentes, nem terem a razão do lado deles, usam a táctica do silêncio e ocultam os seus despropósitos, nos subterrâneos mais inacessíveis dos Palácios de Belém e de São Bento?

 

Não, não é com um ataque aos Palácios com bombas ou granadas incendiárias, porque isso não seria nada civilizado, e sendo eu uma discípula de Mahatma Gandhi, jamais aconselharia tal violência para atingir uma tão nobre finalidade: a de restituir a Portugal, a Língua Portuguesa, na sua forma culta, íntegra e europeia.

 

Já se fez quase, quase tudo. Já se disse quase, quase tudo. Mas, ainda assim, os políticos fazem-se de cegos, surdos e mudos, antidemocraticamente, achando que o povo não merece respostas.

 

Contudo…

 

GANDHI 1.png

 

quando me desespero, lembro-me de que, ao longo da História, os caminhos da verdade e do amor sempre venceram. Tem havido tiranos e assassinos (da Língua Portuguesa) e, por algum tempo, eles podem parecer invencíveis, mas no final, são sempre derrubados. E eu penso nisto. Sempre. E aguardo, com grande esperança, a queda de todos os que estão a contribuir para um país de faz-de-conta, chamado PORTUGAL.

 

Mahatma Gandhi é o meu Mestre. Tenho-o como fonte de inspiração para as minhas lutas, sejam elas de que natureza forem. Gandhi foi pioneiro e praticou o princípio da Satyagraha - resistência à tirania através da desobediência civil não-violenta (em massa), em relação às leis injustas e às injustiças.

 

Em Portugal, nos tempos que correm, a desobediência civil não-violenta, até pode acontecer esporadicamente, mas não em massa, porque o povo português anda anestesiado, desinformado, alienado, com uma visão que apenas chega ao próprio umbigo. Já não se fazem padeiras de Aljubarrota ou Nunos Álvares Pereiras. Quem se interessa se Portugal se afunda; se Portugal tem a taxa mais alta de analfabetismo da Europa; se Portugal é um país cheio de políticos, banqueiros e empresários corruptos e vigaristas; se Portugal vendeu a alma ao diabo? Quem se interessa?

 

Eu falarei apenas por mim: eu interesso-me. Por isso luto. E não esmoreço. E não desisto. Procuro lembrar-me dos ensinamentos de Mahatma Gandhi, e pôr em prática alguns dos seus preceitos para que o mundo possa mudar. E o primeiro desses preceitos é que eu devo ser a mudança que quero ver no mundo.

 

Aprendi com Gandhi que a ideia do olho por olho” torna o mundo inteiro cego.

 

Aprendi também com ele que nas grandes batalhas da vida, o primeiro passo para a vitória é o desejo de vencer. E é isso que me move, nesta luta contra os todo-poderosos acordistas, que apesar de serem poucos, dão as cartas, se bem que viciadas, neste jogo sujo da negociata da Língua.

 

Também sei que quando alguém compreende que é contrário à sua dignidade de homem (no meu caso de mulher) obedecer a leis injustas, nenhuma tirania pode escravizá-lo (escravizar-me) (Mahatma Gandhi).

 

GANDHI 3.png

 

Gandhi dizia que não devemos perder a fé na humanidade. A humanidade é um oceano, e se algumas gotas do oceano estiverem sujas, o oceano não ficará sujo; dizia ele que a diferença entre o que fazemos e o que somos capazes de fazer é suficiente para resolver a maioria dos problemas do mundo.

 

Contudo, sem acção, não vamos a lugar nenhum, é que um grama de prática vale mais do que toneladas de pregação, dizia Gandhi.

 

É bem verdade. Hoje, dia 19 de Fevereiro de 2019, eu e um outro elemento do MPLP (Movimento Em Prol da Língua Portuguesa) estivemos em acção, no Correntes D’Escritas, na Póvoa de Varzim. O que fizemos, bem calculado, poderia ter pesado um grama, mas o essencial foi feito. Todos os restantes elementos foram convidados. Mas decidiram não ver, não ouvir, não ler. É que ver, ouvir e ler dá muito trabalho. É mais fácil andar pelo Facebook a pôr “gostos” e “não-gostos” e a dizer “de fato não gosto do pato” … Enfim… Gandhi tinha razão: sem acção, não vamos a lado nenhum.

 

Mas eu não esmoreço. Não desisto.

PERSISTO.

Porque primeiro eles ignoram-te, depois eles riem-se de ti, depois eles combatem-te, depois tu vences.

GANDHI 2.png

 

Devemos ser persistentes. Com o tempo, a oposição ao nosso redor desaparecerá.

O sucesso de qualquer luta é a persistência, em massa. Dizia Gandhi.

Mas onde está a massa?

ESTAS SÃO AS VOZES AUDÍVEIS QUE GRITAM CONTRA A EXTINÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA

https://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/estas-sao-as-vozes-audiveis-que-gritam-137738

 

Mas onde estão todas estas vozes que gritaram, mas já não gritam?

 

Sejam congruentes, sejam autênticos, sejam os vossos verdadeiros EUS. Dizia Gandhi. E dizia mais. Dizia que a felicidade é quando o que tu pensas, o que tu dizes e o que tu fazes estão em harmonia.

 

É isto que nos faz crescer e evoluir.

 

Não, não desistirei de defender a minha Língua Materna. O meu mais precioso instrumento de trabalho.

 

Quando me desespero, lembro-me de que, ao longo da História, os caminhos da verdade e do amor sempre venceram. Tem havido tiranos e assassinos (da Língua Portuguesa) e, por algum tempo, eles podem parecer invencíveis, mas no final, são sempre derrubados. Penso nisto. Sempre.

 

E penso também numa frase de Miguel de Cervantes, que viu os seus carrascos serem castigados: «Deus suporta os maus, mas não eternamente».

 

CERVANTES.png

 

E é nestes dois pilares do Saber, que deposito todas as minhas esperanças de ver a minha Língua Materna devolvida ao meu País.

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:11

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 14 de Fevereiro de 2019

ATÉ ONDE O ESTADO PORTUGUÊS PRETENDE LEVAR ESTA INSANIDADE?

 

«Isso é tão insano que quem vê de fora deve pensar que é anedota ou que somos um país de retardados mentais», diz C. Paulo Freitas.

Concordo plenamente. As coisas chegaram a um ponto tal, que só mesmo atrasados mentais (não confundir com deficientes mentais) continuam a manter esta insanidade ortográfica.

Na questão da Língua (mas não só), Portugal é o rebotalho do mundo, porquanto jamais nenhum país (em 193) transformou a sua Língua Materna, numa língua  esfarrapada.

 

INSANIDADE ORTOGRÁFICA.png

 

Fonte:

https://www.facebook.com/TradutoresContraAO90/photos/a.645118928923112/1889951157773210/?type=3&theater&ifg=1

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:38

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Domingo, 3 de Fevereiro de 2019

REJEITAR O AO90 É UM ACTO DE CIDADANIA NÃO PUNIDO POR LEI

 

Eis uma informação útil, baseada na LEI, e não no simples querer de traidores da Pátria, para todos os que realmente são desacordistas e pretendem recuperar a Língua Portuguesa, deixarem, em forma de comentário, em todos os jornais online, que adoPtaram o AO90, e escrevem incorreCtamente a Língua Materna, independentemente do assunto que a notícia tratar, e em todas as notícias e textos em que se louva o condenado acordo ortográfico.

 

Porque a desinformação é total, e os órgãos de informação, nomeadamente os de maior alcance, os televisivos, estão impedidos de informar o que se segue:

 

ondjakii.png

 

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional.

 

A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3 países, sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do art.º 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!

 

O AO90 é uma burla à Lei Constitucional e aos princípios elementares da Democracia e do Estado de Direito.

 

O "acordês" faz parte da má-fé de uma seita poderosa que se infiltrou nos partidos. Por isso tem sido, como tem sido...

 

Quem utiliza o AO90 está mal informado ou de má-fé e nada sabe dos meandros do negócio da língua.

 

Entre outras monstruosidades, o AO90 viola o princípio da igualdade dos Estados.

 

A Resolução de Conselho de Ministros (RCM) Nº 8/2011, que “obrigou” à aplicação do AO90 não tem valor de LEI.

 

A ortografia que está vigente é a do decreto-lei de 1945 que não foi revogado.

 

Nenhum cidadão português pode ser penalizado por se recusar a aplicar algo que é ilegal e não tem validade internacional.

 

Rejeitar o AO90 é um acto de cidadania, não punido por Lei.

 

Quem aplica o AO90 é cúmplice de uma ilegalidade que custará muito cara a Portugal.

 

Os (des)governantes sempre fizeram chantagem para impor o AO90. Mas só se deixa chantagear quem gosta de ser chantageado.
 
Ninguém pode escudar-se nas "multas" ou nas "penalizações", porque em Portugal não há lei nenhuma que obrigue a escrever incorreCtamente a Língua Materna. E só podemos ser penalizados se NÃO CUMPRIMOS a lei. Não é verdade?
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 17:56

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2019

A IRREVERSIBILIDADE DO (DES)ACORDO ORTOGRÁFICO É UMA FALÁCIA SUSTENTADA POR NÃO-PENSANTES

 

Pensemos:

Se foi possível destruir o que levou séculos a ser construído racionalmente, mais possível ainda é reconstruir o que foi destruído irracionalmente, em menos de 10 anos.

 

O argumento da irreversibilidade do AO90 que, ardilosamente, andam por aí a espalhar com o fito de se pensar que, lá pelo facto de já estar instalado, não é mais possível voltar atrás, é coisa para mentes mirradas e medíocres, porque o caos sempre pôde ser ordenado, e a fénix pode ressurgir das cinzas.

 

CAOS.jpg

FÉNIX.png

Origem das imagens: Internet

 

Quando olhamos para a destruição de Berlim, por exemplo, depois da II Guerra Mundial, parecia impossível reconstruir a cidade a partir daquele caos, de tantos destroços, das cinzas. No entanto, quando a vontade, aliada à capacidade dos HOMENS (reparem que não disse homenzinhos) são poderosas, tudo é possível. Ressuscitar seres vivos mortos é que não é possível.

 

 

Uma Língua, ainda que morta ou mutilada, é sempre possível ressuscitar.

 

Dizem que o Latim é uma língua morta. Designação errada. O Latim é uma língua adormecida. Pode ser acordada a qualquer momento e ser activada nas escolas, o que seria bem necessário, para se compreender por que não se deve SUPRIMIR as consoantes ditas mudas.

 

Portanto, abortar a questão do AO90, não só é possível, como desejado por milhares de falantes e escreventes de Língua Portuguesa, nos oito países, ditos lusófonos. O estrago que já se fez à Língua não  é irrecuperável. Portugal ainda vai muito a tempo de desfazer o malfeito acordo.

 

Ainda ontem, foi espalhada por aí, a notícia de que os candidatos à Educação nos Cursos Superiores são os que têm pior desempenho a Português. Pudera!!!!

 

Esta notícia devia ser considerada por aquele grupo (fantasma?) que foi criado para avaliar o impacto do AO90, e que nunca mais deu o ar da sua graça, para que daí tirasse conclusões objectivas, ou seja, que a aplicação ilegal o AO90 é de tal modo caótica que, hoje em dia, e a começar pelos governantes ao mais alto nível, incluindo o Chefe de Estado português, são poucos aqueles que, em Portugal, sabem escrever correCtamente a sua Língua Materna, a Língua Portuguesa. Aliás, o que se escreve por aí nem sequer é acordês. A linguagem (escrita e falada) que anda por aí vulgarizada é um mixordês de fazer corar as pedras.

 

E a tendência é para piorar.

E não se pense que o que está instalado por aí é o sucesso do AO90, Não. O que está instalado por aí é o seu bestial insucesso.

 

De modo que, repito, se foi possível destruir o que levou séculos a ser construído racionalmente, mais possível ainda é reconstruir o que foi destruído irracionalmente, em menos de 10 anos, e fazer a Língua Portuguesa ressurgir dos destroços a que o AO90 a reduziu.


E isto em nome de um ensino de qualidade, a começar pela Língua Materna, consignado na Constituição da República Portuguesa, e a que TODOS os Portugueses têm direito. E está a falhar desastrosamente.

 

O que, neste momento, o Estado Português está a permitir, nas escolas portuguesas, é um ensino caótico, baseado numa aprendizagem INCORRECTA da Língua Materna, que engloba todas as outras disciplinas, lançando o caos e fomentando a ignorância.

 

E será que não existe em Portugal um governantezinho sequer, que se aperceba deste caos que está a transformar o nosso país no paraíso dos analfabetizados? Dos que vão para a escola desaprender a escrever?



Pensem nisto, senhores governantes e senhores professores, porque isto é uma vergonha.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:02

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
14
17
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. SENHORES GOVERNANTES, COM...

. A IMPOSIÇÃO DO ACORDO ORT...

. ACÇÕES CONTRA O AO90 E DE...

. PASSADOS DEZ ANOS DE DEST...

. AO QUE A ESTUPIDEZ CHEGOU...

. «NASCI PORTUGUÊS E MORRO ...

. DESACORDISTAS DE PORTUGAL...

. ATÉ ONDE O ESTADO PORTUGU...

. REJEITAR O AO90 É UM ACT...

. A IRREVERSIBILIDADE DO (D...

.arquivos

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO