Segunda-feira, 19 de Dezembro de 2022

«Em Defesa da Ortografia (LIV)», por João Esperança Barroca

 

«Agora ‘facto’ é igual a fato (de roupa).»

Pedro Santana Lopes

 

«De facto, de que nos serve um acordo ortográfico que apenas os muito ignorantes servilistas portugueses aplicam?»

Isabel A. Ferreira, em 1 de Novembro de 2021, no blogue O Lugar da Língua Portuguesa

 

«Na forma de escrita, há muitas, muitas diferenças [entre o português de Portugal e o português do Brasil], e é por esse motivo que eu acho que não faz muito sentido um acordo ortográfico. Há muitas palavras que, mesmo com o acordo, se escrevem de forma diferente. Nós vamos continuar a divergir na língua.»

Pedro Almeida Vieira, escritor, jornalista e engenheiro biofísico

 

«O novo acordo ortográfico saiu da cabeça de um idiota que queria ficar para a história. Não faz o menor sentido. Discordo em absoluto.»

António Rocha Pinto, ex-candidato à Câmara Municipal de Santarém

 

(...)  Ah, acabou de sair o novo livro de Manuel Monteiro, O Mundo pelos Olhos da Língua.

 

Manuel Monteiro.jpg

 

(…)  

Como o leitor, certamente, já terá reparado, hoje, abordaremos os fatos que não são de vestir.

 

Uma breve pesquisa deu-nos a conhecer os seguintes espécimes: a) “Cônjuge ou pessoa com quem viva em união de fato”, Regulamento das Bolsas de Estudo do Ensino Superior do Município de Albufeira, de 28 de Setembro do corrente ano, publicado em Diário da República, em 17 de Outubro; b) “Todos sabem do valor que o Cris e todos nós damos ao fato de representar o nosso País.” (A Bola, 23-11-2022); c) “No entanto, ainda não é possível saber se o melhor desempenho cognitivo leva a mais jogar, ou se é o fato de jogar mais que melhora esse desempenho,” (Expresso, 25-10-2022); d) “De fato, as emissões médias anuais de gases de efeito estufa de 2010 a 2019 foram as mais altas da história da humanidade.” (Expresso, 13-10-2022); e) “Embora não seja possível calcular a data da introdução da ameixeira ‘Rainha Cláudia’ na região do Alto Alentejo, não restam dúvidas da origem francesa do material vegetal inicial, nem do fato da (sic) cultura se ter expandido a partir da zona de Elvas para as regiões vizinhas.” (Expresso, 14-10-2022); f) “Andy Burnham, prefeito da Grande Manchester, disse que era importante que todos os fatos fossem estabelecidos, mas acrescentou: ‘Com base no que vi, quero deixar claro que nunca é aceitável que manifestantes pacíficos sejam agredidos.’” (Expresso, 18-10-2022); g) “Mas os advogados de Trump argumentaram, no pedido ao Supremo Tribunal, que era essencial que especialista (sic) tivesse acesso aos registos classificados como ‘confidenciais’ para determinar se os documentos com marcações de confidencialidade são de fato classificados e, independentemente da classificação, se esses registos são registos pessoais ou registos presidenciais.” (Expresso, 11-10-2022, TSF, 13-10-2022, SIC Notícias, 13-10-2022); h) “Os dados de agosto revelam que o alojamento e restauração e os transportes são os setores com menores percentagem de empresas cumpridoras, apenas com 11,7% e 10,6%, receptivamente (sic), o que a consultora associa ao fato de terem sido dos mais atingidos pela pandemia.” (Expresso, 29-09-2022); i) “Na newsletter (sic) divulgada pela estrutura de missão Recuperar Portugal, o gestor da ‘bazuca’ destaca o fato de 17% do PRR já estar executado.” (Expresso, 30-09-2022); j) “Depois, saber como integrá-lo num plantel que Xavi Hernández tem sob construção — o fato de serem amigos pode ter algum peso — e ter de aceitar um papel secundário em função das escolhas do treinador.” (A Bola, 24-09-2022); k) “O fato de nenhum país de maioria muçulmana no Conselho ter feito qualquer menção ao relatório foi surpreendente, apesar de este denunciar ataques sistemáticos das autoridades chinesas a povos com esse credo, na região de Xinjiang, incluindo os uighures.” (Expresso, 13-09-2022); l) “O fato das pessoas estarem a falar de mim deixa-me feliz. Já joguei no Valência. Fui treinador no PSG e no Milan, dois clubes onde também joguei.” (O Jogo, 18-06-2022); m) “Compartilhamos totalmente essa preocupação e, de fato, as consequências seriam radicais, não apenas para os Estados Unidos, mas globalmente, continuou Dombrovskis.” (Sol, 08-06-2022); n) “E parece evidente que o argumento de que isso reduziria o acesso — uma vez que as urgências das especialidades estariam concentradas em menos locais — é falacioso e meramente retórico, dados os fatos das últimas semanas.“ (Expresso, 21-06-2022); o) “Outro motivo que torna o tema pertinente é o fato de que a transição ambiental deve ser necessariamente justa, logo, aplicável a todos os setores.” (Sol, 22-02-2022); p) “É um fato bastante contraditório que a ideologia fascista da máfia de Biletski tenha sido financiada pelo oligarca judeu Ihor Kolomoyskyi, que já foi auxiliado na sua actividade (sic) criminosa por ‘forças de segurança seleccionadas (sic) entre adeptoss (sic) dos oito clubes de futebol que ele e vários oligarcas menores possuem.” (Sol, 19-04-2022).

 

Depois desta pequena amostra (os leitores assinantes ainda têm direito a fatos suplementares), ilustrativa do caos a que se chegou, apetece perguntar: Se é assim na Comunicação Social (nos jornais ditos de referência), como será com os cidadãos comuns?

 

Pedro Correia, na série “Acordo Burrográfico”, no blogue Delito de Opinião, mostrou claramente a incoerência, a ilógica e a inconsistência do AO90. Em homenagem a essa excelente série, e satisfazendo a exigência de um amigo, aqui fica um pequeno texto da nossa autoria:

— Tenho cera nos ouvidos.

— Estás com um problema ótico, não é?

— Sim. Também tenho uma conjuntivite na vista direita.

— Estás com um problema ótico, não é?

— Já não percebo nada. Estás a brincar comigo?

— Não. Estou a brincar com a língua.

 

João Esperança Barroca

 

P.S.: Ah, acabou de sair o novo livro de Manuel Monteiro, O Mundo pelos Olhos da Língua.

 

 

FATO.jpg

FATO 1.png

Fato 3.jpg

As imagens que acompanham este escrito foram respigadas de páginas anti-AO do Facebook.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:11

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 24 de Maio de 2022

«Em Defesa da Ortografia (XLVII), por João Esperança Barroca

 

ALERTA!!!!

Por tudo o que neste artigo, da autoria de João Esperança Barroca, se diz e se vê, SE, na Assembleia da República, houver alguém dotado de LUCIDEZ, apela-se a esse alguém que, em nome da RACIONALIDADE, sugira que (e citando José Vieira) «está na altura de baixar o IRS e passar a taxar a ignorância», porque a IGNORÂNCIA, disseminada nas escolas, nas televisões e nas traduções e edições acordizadas, está a ENCARCERAR os cérebros e a transformar Portugal no país com mais IGNORANTES por metro quadrado, nos sectores que mais estão ligados à expansão do nosso Idioma. (Isabel A. Ferreira)

 

Cérebro encarcerado.jpg

 

«Em Defesa da Ortografia (XLVII)»

por João Esperança Barroca

 

«É altura de dar uma alegria à língua portuguesa: é altura de a libertar do Acordo Ortográfico.

 O Acordo Ortográfico foi feito numa altura em que a uniformização estava na moda, numa época em que se pedia às pessoas que esquecessem as diferenças.

Mas, entretanto, tudo mudou: agora são as diferenças que é preciso celebrar. Portugal já não é um país pequenino diante do Brasil e dos outros países que falam português. Agora, Portugal é Portugal e o Brasil é o Brasil e São Tomé e Príncipe é São Tomé e Príncipe.  

O contrário da uniformização é a celebração das diferenças. A melhor maneira de as celebrar é através do estudo. Deite-se fora o Acordo Ortográfico e, em vez desse desmando, ensinemos às nossas crianças a riqueza, a graça e a personalidade das várias versões nacionais da língua portuguesa.

E nós também temos direito à nossa versão, à nossa ortografia, às nossas manias, às nossas particularidades.

Miguel Esteves Cardoso, Escritor, em 22 de Abril de 2022

 

«[…] o AO é um acto de genocídio cultural, estético, racional e político.»

Miguel Esteves Cardoso, Escritor, em 12 de Agosto de 2011

 

«Daqui a 50 anos, em 2065, quase todos os opositores do analfabeto Acordo Ortográfico estarão mortos. Em contrapartida, as crianças que este ano, em 2015, começaram a ser ensinadas a escrever tortograficamente, terão 55 anos ou menos. Ou seja: mandarão no país e na língua oficial portuguesa.

A jogada repugnante dos acordistas imperialistas — ignorantes e cada vez mais desacompanhados pelas ex-colónias que tentaram recolonizar ortograficamente — terá ganho tanto por manha como por estultícia.

As vítimas e os alvos dos conspiradores do AO90 não somos nós: são as criancinhas que não sabem defender-se.

 Miguel Esteves Cardoso, Escritor, em 20 de Maio de 2015

 

Após três citações, do escritor Miguel Esteves Cardoso, apoiante oficial da iniciativa Acordo Zero, um pouco mais longas que o habitual, o espaço para as nossas reflexões ficou mais escasso. Por essa razão, o nosso texto de Maio, dedicado à Beatriz, que faz hoje 29 anos e que merece conviver com uma ortografia lógica, coerente, congruente e sem vergonha da sua história, incide sobre alguns aspectos desse movimento de cidadãos.

 

Em Fevereiro do corrente ano, o jornal Cidade de Tomar, divulgou esta iniciativa, totalmente independente, livre de facções de qualquer espécie e que canaliza as suas forças para a imediata revogação do Acordo Ortográfico de 1990, única forma de proteger a Língua Portuguesa em todo o espaço onde é falada e escrita. Saliente-se, a propósito, que há alguns cidadãos tomarenses com o estatuto de subscritores de apoio desta iniciativa.

 

Na página de Facebook da iniciativa Acordo Zero têm sido regularmente publicadas, no âmbito do tópico “Circo Cacográfico”, algumas frases, que abaixo se transcrevem, ilustrativas do caos a que isto chegou (parafraseando uma célebre expressão do capitão de Abril Salgueiro Maia):

 

- Cato pelos e pelo catos na boca do urso!

- Pouco dinheiro para todos nós neste circo!

- Nem sei se o elefante tem problemas óticos ou óticos!

- O corréu correu rua fora e acabou na jaula do tigre!

- O egiptólogo francês foi ao circo no Egito!

- O macaco roubou a caneta corretora do corretor!

- A adoção de adoçante no engodo da foca foi uma boa ideia!

- O palhaço não ata nem desata no primeiro ato da ata!

- Tetas e tetos falsos deteta o mágico à distância!

- Espetador arruína espetáculo de espetador de facas!

 

Confuso, caro leitor? Isto não é mais do que «[…] a impressionante oscilografia que o Monstruoso Acordo (MA) instalou, com consequências terríveis para os olhos e para os ouvidos — sim, para os ouvidos.  […] (Não, isto não tem nada que ver com o MA, contraporão os empedernidos. Nadinha. Ainda terão lata para tal dislate?)»

Manuel Monteiro, autor, tradutor, revisor e formador, em 22 de Março de 2022

 

Talvez a solução seja a preconizada por José Vieira, cidadão do Entroncamento, num comentário, no Facebook, ao artigo “Em Defesa da Ortografia XLIV: «Está na altura de baixar o IRS e passar a taxar a ignorância

 

João Esperança Barroca

 

LÁTEA.png

EXEÇÕES.png

GALÁTICO.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:25

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 12 de Outubro de 2021

Mais um Livro de Manuel [Matos] Monteiro, lançado amanhã em Lisboa

 

Manuel [Matos] Monteiro lança amanhã, 13 de Outubro, o seu novo livro «O funambulista, o ateu intolerante e outras histórias reais», da editora «Objectiva», e aqui fica o convite para todos os que puderem comparecer.


Para os desacordistas (e são milhares, em Portugal, ao contrário do que os acordistas querem fazer crer), o lançamento de um livro, em Português de Facto, é motivo de grande regozijo, por parte dos leitores, que exigem bons livros escritos em Bom Português, apesar de, ultimamente, notar-se uma certa debandada de escritores, que até há pouco tempo eram acordistas, e agora não o são. Cada vez há mais livros desacordizados.

Manuel Monteiro é um dos que, em Portugal, combatem fervorosamente o AO90,  e «Por Amor à Língua» é «contra a linguagem que por aí circula». Uma linguagem pobre, reduzida ao ínfimo,  assente numa iliteracia - maleita muito disseminada em Portugal - forjada na ignorância optativa, que se tem alastrado, por aí, irreprimivelmente, nestes últimos tempos.

De modo que, quando vem a público um livro livre do AO90 é motivo para festejar.

Parabéns, Manuel [Matos] Monteiro, e muito sucesso para mais este livro.

Isabel A. Ferreira

 

Convite MM  (1).png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:07

link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
partilhar
Sábado, 25 de Setembro de 2021

Em Defesa da Ortografia (XXXIX)

 

Um texto de João Esperança Barroca

 

João Barroca 3.jpg

 

«Tentar “unificar” a ortografia, em culturas tão diversas, por decretos aleatórios que ousam passar por cima dos misteriosos mecanismos da língua, traduz um insuportável colonialismo às avessas, um imperialismo envergonhado e bajulador que não dignifica nenhuma das várias pátrias envolvidas. É uma subtracção totalitária.» (Miguel Esteves Cardoso, Escritor e Jornalista)

 

Manuel Monteiro finalizou um recente artigo no jornal Público, no dia 1 de Julho, com uma nota mencionando que muitos julgam aplicar o Acordo Ortográfico quando, efectivamente, embora crendo (e querendo), não o estão a fazer. «Nota: “pôr” não perde o acento com o metuendo “novo acordo”, erro que se vê muito mais vezes desde a aplicação desse nefando instrumento, que, além de cês e pês, não estima hífenes e acentos. As publicações periódicas que assinalam que determinado autor segue “o novo acordo” deveriam, quase sempre, substituir tal inscrição por “acredita que segue o novo acordo”

 

Imbuído de um certo espírito de serviço público, deixamos aqui alguns factos que sustentam a interpretação de que muitos caíram, por indigência intelectual, por provincianismo patético e/ou por pioneirismo bacoco, numa espécie de conto do vigário linguístico. São, pois, futuros lesados do AO90.

 

Mostremos, então, alguns exemplos dos que foram ludibriados, julgando aplicar devidamente o AO90:

 

- Maria João Almeida, Professora de Educação Especial e Formadora na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, utiliza o adjectivo lectivo, contrariando a Base IV do AO90;

 

- Carlos Fino, Jornalista, escreve 25 de abril quando o AO estipula neste caso o uso de maiúscula;

 

- João Massano, Presidente do Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados, Jorge Bacelar Gouveia, Professor Catedrático de Direito, e Nuno Palma, Professor na Universidade de Manchester e Investigador do ICS, Universidade de Lisboa, escrevem o nome dos meses em maiúscula (Junho), ao arrepio da Base XIX;

 

- Paula Teixeira da Cruz, Advogada e Política, e Ana Paula Zacarias, Secretária de Estado dos Assuntos Europeus, também não cumprem o estipulado por esta Base (XIX), escrevendo, respectivamente Maio e Março;

 

- Francisca Van Dunem, Ministra da Justiça, escreve vêem, ao contrário do que estipula a base IX;

 

- António Costa, 1.º Ministro, no Tweeter, como se vê numa das imagens que acompanham este escrito, não respeita a Base IV, escrevendo excepção;

 

- Maria Manuel Leitão Marques, Professora Universitária e Política e Nuno Palma, Professor na Universidade de Manchester e Investigador do ICS, Universidade de Lisboa, não respeitam a Base XVI, escrevendo, respectivamente,  anti-democrática e anti-social, e anti-democrático, anti-liberal e anti-científico;

 

- Rui Tavares, Historiador e Político, acordista desde a primeira hora, escreve Verão (talvez para não se confundir com a forma verbal!), contrariando a Base XIX. Também a Base XVI, não foi correctamente compreendida pelo fundador do Livre, que escreve anti-pedofilia;

 

- Pedro Filipe Soares, Deputado do BE, escreve neocanabinóides, contrariando a Base IX;

 

- Rute Lima, Professora Universitária e Presidente da Junta de Freguesia dos Olivais, escreve há-de, dia-a-dia, afecta e desinfecta, ao contrário do estipulado, respectivamente, pelas Bases XVII, XV e IV;

 

- Inês de Sousa Real, Deputada, escreve no mesmo parágrafo atividades e afectada, provando que não assimilou totalmente o estipulado pela Base IV.

 

Quando alguns destes exemplos, a que poderíamos adicionar outros dos mais variados órgãos da Comunicação Social, surgem a acompanhar textos em que se afirma que os seus autores utilizam o Acordo Ortográfico, é lícito atrevermo-nos a avisá-los, parafraseando Álvaro Cunhal, num debate com Mário Soares: — Olhe que não! Olhe que não!

 

Se estes casos acontecem pelas mãos de pessoas com formação, como será com os cidadãos comuns? Se isto não é o caos ortográfico, o que é então, caro leitor?

 

Porque o AO90 transformou a língua em algo próximo de uma anedota, ria-se com dois cartunes de Luís Afonso.

 

João Barroca 1.png

João barroca 2.png

João Esperança Barroca

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:38

link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2021

«A oposição ao Acordo Ortográfico não é um combate de reaccionários contra progressistas, é um combate da inteligência contra a estupidez»

 

Manuel (Matos) Monteiro dixit...

 

... bem como todos os Portugueses, que têm a capacidade de PENSAR, o gritam, em alta voz, há demasiado tempo.

 

Aliás, nesta questão do AO90, os acordistas, que se acham progressistas, e consideram os não-acordistas uns pobres diabos reaccionários, demonstram uma ignorância descomunal, porque ser progressista, não significa ir de cavalo para burro, que é o caso deles, pois ao aplicarem o AO90 recuaram ao ano de 1943, quando o Brasil elaborou o seu Formulário Ortográfico, no qual o AO90 assenta, 99%, na aplicação da Base IV, referente às consoantes mudas: extinção completa de quaisquer consoantes que não se proferissem, ressalvadas as palavras que tivessem variantes com letras pronunciadas ou não. Desta devastação salvaram-se, contudo, uns poucos vocábulos, que os acordistas portugueses se apressaram a deformar, seguindo a regra mais parva que já alguma vez se criou - o que não se lê, não se escreve - transformando essas palavras em monos ortográficos: exceto, receção, aspeto, infeto, etc. … E isto é que é ser reaccionário = retrógrado = aquele que anda para trás. E nesta questão, recuou-se de uma Língua para um Dialecto.

 

Mas a questão não é esta. A questão é entre a inteligência e a estupidez, como bem referiu Manuel Monteiro.



A nossa grafia, a grafia portuguesa é a de 1945
, a que está verdadeiramente em vigor. Quem é que andou para trás? Quem recuou até 1943, para ir atrás dos milhões?

 

Sabemos que a estupidez é algo infinito na dimensão, mas não no tempo. Podemos acabar com ela a qualquer momento.

 

Isabel A. Ferreira

 

Manuel Monteiro.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:35

link do post | comentar | adicionar aos favoritos (2)
partilhar
Quarta-feira, 4 de Novembro de 2020

«Ao serviço da Língua Portuguesa // Portugal»

 

Repesco uma entrevista a Manuel Monteiro, autor do livro, recentemente publicado «Por Amor à Língua - Contra a Linguagem Que Por Aí Circula», e «Dicionário de Erros Frequentes da Língua», duas obras essenciais para quem escreve e ama a Língua Portuguesa, porque é urgentemente preciso recuperar 30 anos de destruição da nossa cultura linguística.

 

fotografia-mm-1_1_orig.jpg

Manuel Monteiro

 

«Os políticos, os jornalistas e os habitantes do espaço público escrevem cada vez pior. Claro está que esta generalização é injusta para alguns (poucos, em rigor), mas é uma tendência que só um cego mental não vê. Vivemos na era dos tecnocratas, da velocidade, há pouco espaço para fazer amor com as palavras.»

Manuel Monteiro, Portugal

 

A revisão de textos é, por si só, tarefa de abissal responsabilidade — adentrar universos alheios de cariz literário, técnico ou outro, com o propósito de os aprimorar, corrigindo-os, adequando-os e harmonizando-os, destarte compondo, sagaz e subtilmente, as versões que viremos a conhecer. Tem por principal requisito uma rara combinação entre sensibilidade e erudição, exigindo aptidão e apetência para a estética e a eufonia.

 

Manuel Monteiro é magistral na sua execução. Ademais, é formador profissional de revisores, jornalista e autor (na área da ficção e da não-ficção), tendo publicado, recentemente, pela editora Objectiva, Por Amor à Língua, e, antes disso, Dicionário de Erros Frequentes da Língua. É, creio, um purista sensato e um laborioso agente revitalizador da Língua Portuguesa.

 

Enquanto crescias, entusiasmavam-te especialmente as palavras? Como? Quais?

 Sempre vivi a literatura como uma segunda pele. Desde criança. Preciso de mergulhar nas palavras dos outros, de entrar noutras cabeças. Os livros conseguem, quando bons, ir mais fundo do que a maior parte das conversas. Não as substituem, evidentemente. Os livros também têm muitas camadas, como as pessoas. Reler é importantíssimo. A releitura de O Jogo das Contas de Vidro empurra-me sempre para novas interpretações. Delicio-me com a descoberta de palavras. É um exercício que nunca perdeu um átomo de deslumbramento. Gosto mesmo muito de dicionários, mormente dos mais antigos, porque têm, grosso modo, mais qualidade. Gosto da sinonímia da nossa língua. Quais? Tenho algumas dilectas no quinto capítulo.

 

Em que ocasiões te vês imerso em êxtase literário? (E que sentes, ao emergir?)

São momentos raros. Mas acontecem. E são de uma felicidade imensa. Poderia citar e citar… O Canto de Mim Mesmo está cheio disso. Para mim, claro está.

 

O cosmos cabe nas palavras que inventámos?

Coube no Folhas de Erva.

 

E o silêncio?

Lobo Antunes disse que: «Quanto mais silêncio houver num livro, melhor ele é.» Ele diz muitos, muitos disparates e coisas que não sente (como não se lembrar de nada do que escreveu), mas também acerta muitas vezes.

 

É, para ti, fundamental divulgar a riqueza e a diversidade da nossa língua. Que sugestões podes dar para que sejamos mais nessa missão?

Ler Camilo, ler Castilho, ler dicionários.

 

Como lidas com a frustração ante a trivialização do uso indevido da língua nesta era tecnológica, propensa à velocidade e, consequentemente, à aniquilação da beleza?

Lendo Theodore John Kaczynski.

 

Sem uma comunicação eficaz, mina-se a autonomia, o respeito e a solidariedade; a comunidade fractura-se. Consideras satisfatório o serviço público, em Portugal, relativo ao acesso e ao aperfeiçoamento da língua portuguesa?

Os políticos, os jornalistas e os habitantes do espaço público escrevem cada vez pior. Claro está que esta generalização é injusta para alguns (poucos, em rigor), mas é uma tendência que só um cego mental não vê. Vivemos na era dos tecnocratas, da velocidade, há pouco espaço para fazer amor com as palavras.

 

Download, feedback, standby, briefing, corporate, cool, teaser, part-time, shopping, peeling, storyboard. A desvalorização da própria língua, e a adopção crescente (e vaidosa!) de uma estrangeira, são reflexo de uma acanhada identidade?

Cito do meu próprio livro: «À imitação totalmente inútil, não se chama “cosmopolitismo”, mas “saloiice”.»

 

Por que não se investe (mais) na preservação e revitalização da língua portuguesa, se é esse o idioma da nossa memória afectiva e um dos factores que nos robustecem o sentimento de pertença?

Não é preciso muito. Comecem por empregar palavras portuguesas, muitas delas correntias, para combater o portinglês. Trata-se de uma moda: dá ares de modernidade não conhecer o nosso idioma, não saber compor uma frase e despejar umas palavras inglesas que mostrarão que se tem mundo.

 

A tua crónica Admirável Língua Nova, no jornal Público, é, também, uma exaustiva e premente demonstração da incoerência do Novo Acordo Ortográfico de 1990. Que balanço fazes deste teu trabalho? (Acreditas num recuo, relativamente à imposição da nova grafia?)

Foram anos de leitura e reflexão. A conclusão é simples: o Acordo é uma merda, um embuste, não tem regras claras quanto aos hífenes nas locuções e quanto à «pronúncia culta». Não há um objectivo que tenha sido cumprido. Não há um argumento que resista aos factos da língua. São setenta páginas no meu livro que o demonstram. Se não houver recuo, os leitores que não comprem os livros acordizados, os autores que não escrevam segundo o dito, quem se ocupa da comunicação lato sensu que não o use. Quanto ao mais, quem o usa… estatela-se sempre. Diz-me uma pessoa que use o Acordo na totalidade. UMA! Seguem partes do Acordo que misturam com o anterior, que misturam ainda com outro que não existe.

Recomendo a leitura de:

https://pt-pt.facebook.com/TradutoresContraAO90/

https://pt-pt.facebook.com/cidadaoscontraAO90/

https://cedilha.net/ap53/

https://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/

 

Os livros são um dos veículos da memória que, por sua vez, tem implicações na evolução da humanidade. Motiva-te essa perpetuação, quando escreves? Ou preferes celebrar instantes?

A escrita é para muitos, creio, uma tentativa de continuar depois da morte.

 

Nesse «lugar» em que escreves, és livre?

Sou. Até hoje, pelo menos.

 

A estética é uma das tuas directrizes?

Mal da minha escrita se não fosse.

 

A capacidade de comoção perante a arte, nomeadamente, a literatura, é proporcional à noção da interligação de todos os elementos que compõem o universo?

É proporcional ao estro de quem escreve.

 

Fonte desta entrevista:

https://quefizestehojeparamudaromundo.weebly.com/as-histoacuterias/ao-servico-da-lingua-portuguesa-portugal

 

***

Manuel Monteiro foi ao programa Agora Nós, da RTP1, onde falou de «Por Amor à Língua» e do Acordo (Ortográfico) mais desafinado do mundo.

A intervenção de Manuel Monteiro pode ser ouvida ao minuto 23 da II Parte do programa neste link:

https://www.rtp.pt/play/p4223/e374033/agora-nos

 

Parabéns, Manuel Monteiro. Hoje em dia é raro ver um jovem a pugnar pelas coisas que interessam, pela Cultura e Língua Portuguesas, que andam ambas por aí a arrastar-se como mortas-vivas, puxadas pelas mãos de cegos mentais.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:14

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 2 de Março de 2020

«Só a inércia e a cobardia política permitem a sobrevivência do Acordo Ortográfico»

 

(Algumas considerações ao redor do malfadado AO90, ao cuidado daqueles que, contra todos os pareceres desfavoráveis, assentes na racionalidade, teimam, autoritária e cobardemente, em insistir no monumental erro que foi trocar a grafia portuguesa, pela grafia brasileira, aviltando, desse modo, a Língua Portuguesa, como se ela fosse algo de somenos importância para Portugal).

 

Manuel (Matos) Monteiro, revisor linguístico, escritor e formador, uma das vozes mais dinâmicas contra o Acordo Ortográfico de 1990, a propósito do seu mais recente livro intitulado "Sobre o Politicamente Correcto" (Editora Objectiva), disse o seguinte, numa entrevista à Revista Sábado (06/02/2020), a quem pediu que nas suas respostas não fosse aplicado o AO90:

 «Não conheço uma matéria tão consensual da esquerda à direita, da percepção popular a quem estudou fundamente o assunto, a linguistas, escritores, intelectuais, tradutores, revisores, jornalistas: o Acordo é uma merda. Falhou em todos os seus propósitos [...]  Só a inércia e a cobardia política permitem a sobrevivência do Acordo Ortográfico.»

 

Manel.png

 

(Um livro cuja leitura recomendo vivamente. Substituam o telemóvel pelos livros e LEIAM, porque, no nosso país, o que faz falta é LER).

 

***

Portugal é um país cheio de gente frouxa, comodista, seguidista, servilista, bajuladora, sem espírito crítico, e com um povo maioritariamente assim, como poderemos combater o regime autoritário que nos (des)governa, e nos impõe aquilo que ninguém quer, por ser absolutamente MAU?

 

Mas esta frouxidão, este comodismo, este seguidismo, este servilismo, esta bajulação, esta falta de espírito crítico, é mais antiga do que possamos imaginar. Já Eça de Queiroz o gritava aos quatro ventos, em 1871: palavra por palavra, a análise, deste que é um dos maiores estilistas da Língua Portuguesa e um inconformado social, continua actualíssima.

 

Nem a Revolução de Abril trouxe a tão ansiada evolução!

E quanto ao actual governo?  Um verdadeiro fracasso. Então? O que é necessário fazer?

 

Eça de Queiroz.jpg

 

Daí que se faça um enésimo apelo aos Professores  

 

Como todos sabemos, e basta ter um QI mínimo, o AO90 viola o direito à aprendizagem correCta da Língua Portuguesa.

 

Um direito que todas as crianças portuguesas (as maiores vítimas deste crime ortográfico) têm.

Vamos ser cúmplices deste acto criminoso?

Vamos permitir a consumação deste crime?

 

Bagão.png

 

Tudo o que nós (menos novos) fizermos para preservar a integridade da Língua Portuguesa morrerá connosco, e a nova geração ficará à deriva, arrastando atrás de si uma Língua que não lhe pertence, porque a Língua Portuguesa estará condenada à extinção, se o AO90 não se extinguir.

 

Está nas mãos (sempre esteve) dos Professores travar esta tragédia. Só eles poderão recusar-se a ensinar esta língua desenraizada, na sua forma grafada.

 

Eles podem fazê-lo. Se quiserem.

 

Os Sindicatos têm o DEVER de os apoiar numa acção de Desobediência Civil, por uma causa mais do que justa. E se não o fazem, é porque não cumprem bem a sua função.

 

E bastava que um grupo, ainda que pequeno, de professores, tivesse resistido ou resistisse agora, ainda vamos a tempo, para que a onda se agigantasse ou se agigante…

 

O que vão ensinando e a quem?

 

As crianças, que estão a aprender a ler e a escrever, o que sabem do saber da Língua? Estão a ser obrigadas a aprender algo que, em Portugal, por não ser Português, está incorreCto.

 

É como se quisessem impor novas normas à Matemática, e dissessem às crianças que dois mais dois agora passa a ser cinco. E elas, que não sabem, acreditam. E repetirão o erro ‘ad aeternum'.

 

Isto é desrespeitar o direito à aprendizagem correCta, que todas as crianças têm.

 

O que faz falta é CORAGEM para dizer NÃO a algo que compromete gravemente a Identidade Cultural Portuguesa, a Portugalidade, o Respeito pela Língua Materna.

 

Estamos em 2020, e Portugal continua a ser um país cheio de gente frouxa, comodista, seguidista, servilista, bajuladora, sem o mínimo espírito crítico como no tempo de Eça de Queiroz.

 

Diz-se por toda a parte que o País está perdido. Dizia Eça. Hoje, continuamos a dizer que o País anda perdido, sem rumo, sem rei nem roque.

 

E quando não há evolução, quem paga são os que já evoluíram e os que querem evoluir, mas não lhes é permitido. E um país assim, não é um País, é um país ainda a ser.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:04

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 13 de Janeiro de 2020

«Sobre o Politicamente Correcto» - um livro de Manuel Monteiro

 

«O novo livro de Manuel Monteiro, autor do proclamado Por Amor à Língua, apresenta e discute muitos casos reais, com as respectivas fontes (credíveis) mencionadas, apresentando argumentos dos dois lados, e expondo muitos excessos do que se convencionou chamar Politicamente Correcto.

 

Um livro tão linguístico como político.»

 

Em Excelente Português.

 

Convite lançamento Sobre o Politicamente Correcto

 

Fonte:

https://www.facebook.com/editoraobjectiva/photos/a.143836389006432/2745067212216657/?type=3&theater

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:42

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 4 de Setembro de 2019

«O novo tempo de censura»

 

Um texto lúcido de António Jacinto Pascoal (professor e escritor), que encosta à parede os partidos políticos que andam por aí fazer de conta que Portugal tem uma Língua.

 

«Tivesse o sistema político algum respeito por si mesmo e o devido sentido de Estado, seria o Acordo Ortográfico alvo de preocupação e reactivado».

 

António jacinto pascoal.jpg

Texto de António Jacinto Pascoal

 

«Os vários organismos da Administração Pública multiplicam-se em opiniões díspares e contraditórias sobre como usar as regras ortográficas nos documentos produzidos, nem sempre cientes de que a arbitriografia, para usar o termo cunhado por Manuel Monteiro (Por Amor à Língua, Ed. Objectiva) passou a ser a regra do Português (leia-se, igualmente, o oportuno Acordo Ortográfico, Um beco Com Saída de Nuno Pacheco, Ed, Gradiva). No dia em que escrevi estas linhas, estive numa Conservatória de Registo Civil onde me asseguraram o facto acima apontado e onde pude observar documentos e curtos enunciados empregados em concordância com os Acordos Ortográficos de 1945 e 1990.

 

É evidente que, assistindo à degradação da língua, de dia para dia, tantas as imprecisões e erros a que está exposta, importa ainda perder algum tempo a reflectir sobre se a sua banalização e a perda de rigor que a grafia manifesta acrescem à ausência de dignidade de Estado.

 

«Na entrevista que José Carlos Barros (deputado do PSD e relator do Grupo de Trabalho para a Avaliação do Impacto da Aplicação do Acordo Ortográfico de 1990) concedeu ao jornalista Nuno Pacheco (PÚBLICO, 2 de Setembro de 2019), o deputado afirma desejar “que houvesse coragem política de assumir que o Acordo Ortográfico foi uma coisa que correu mal, e que as coisas que correm mal devem ser debatidas e corrigidas”. Mas mais: José Carlos Barros assume que o Partido Socialista entendeu que “o assunto, pura e simplesmente, não pode ser discutido”, que o Ministério da Educação depositou uma lápide de silêncio sobre a questão, e que o Ministério da Cultura foi desautorizado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, a quem parece caber o policiamento sobre a matéria. José Carlos Barros sugere mesmo um “pacto de silêncio” entre os ministérios envolvidos. Isto não deixa de lembrar o tempo em que se inspirava temor, o que, em certos casos, queria dizer algo como recorrer a métodos censórios.

 

Se um dos desígnios da Escola é o de melhorar o Português (e não somente lutar contra a iliteracia), perguntamo-nos como ele se pode alcançar, numa altura em que todos nos movemos num pântano de generalizada disortografia, de imprecisão e de desordem linguística. Quem pretender obter conhecimento de regras gráficas sólidas e rigorosas nas escolas tem de admitir que nem mesmo o sistema de ensino, vergado à letra política, reúne condições para o garantir. É nestas condições, a assobiar para o lado, que o Ministério da Educação pretende reiniciar o novo ano lectivo? Ou servindo-se de muletas como a do programa televisivo “Bom Português” (RTP), que espalha a sua nuvem de quietude sobre as consciências, para além de, como justamente aparenta, servir o edifício do poder? Sejamos sérios: tivemos a proibição dos livros; temos a proibição da língua. Vai levar tempo a perceber a urgência da situação.

 

Na mesma entrevista, José Carlos Barros sugere que o tema do Acordo Ortográfico seja abordado na campanha eleitoral e deixe de ser tratado como assunto-tabu. Tivesse o sistema político algum respeito por si mesmo e o devido sentido de Estado, seria o Acordo Ortográfico alvo de preocupação e reactivado debate nesta campanha. O Presidente da República, na quarta edição da Festa do Livro em Belém, referiu que um dos objectivos do evento é promover a leitura e a venda de livros. Era bom que, mais do que vender livros, se repensasse a sua matéria-prima, a língua na forma grafada. Não seja a língua, afinal, a ser vendida. ​Tomemos, por isso, precauções para evitarmos ser ofensivos, quanto aos sinais de censura vigentes. A defesa e a valorização da língua são aquilo que confere maior prestígio a uma Nação. A sua degradação, pelo contrário, é já uma enorme ofensa.

 

Professor e escritor

***

Um comentário ao texto de António Jacinto Pascoal, (que subescrevo na íntegra) , o qual poderia ter sido escrito pela autora deste Blogue.

 

mzeabranches

 

Pois é mesmo de 'censura' que se trata, 45 anos depois de implantada em Portugal a democracia! Direita, esquerda, centro todos preferem ignorar a destruição da nossa língua que este 'imbecil' AO90 e a sua imposição política anti-democrática está a promover! Uns porque são apenas ignorantes outros porque vivem obcecados pela costumeira megalomania nacional, agora transposta para o 'império' da língua! Saúdo o autor deste texto, com um apreço especial por se tratar de um "professor"! Porque os professores têm de reagir: é inadmissível que continuem a aceitar que lhes seja imposto ensinarem MAL a sua língua às nossas crianças e jovens! É pela língua que existimos, como povo com uma cultura própria! E os jornalistas têm de 'obrigar' os políticos a definir-se sobre o AO90 na campanha eleitoral!

 

Fonte:

https://www.publico.pt/2019/09/04/sociedade/opiniao/novo-tempo-censura-1885407

 

***

Quanto a mim, na minha qualidade de ELEITORA, deixo aqui o meu repto:

 

Exijo aos partidos políticos que ponham a questão do AO90, no programa da campanha eleitoral, porque já BASTA de tanta conspiração e de tanto silêncio.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:07

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 21 de Junho de 2019

Debate: «Acordo Ortográfico: manter ou revogar?» Na Feira do Livro de Lisboa 2019, para ouvir e ler os comentários, e concluir que o caminho é a revogação

 

 

Lúcia Vaz Pedro, igual a si própria, fez um favor ao Movimento Em Prol da Língua Portuguesa (MPLP) numa defesa muito, muito fraquinha do AO90, como outra coisa não era de esperar, porque é absolutamente impossível defender o indefensável.

 

Nuno Pacheco (mais discreto) e Manuel Monteiro (mais aguerrido) apresentaram argumentos poderosíssimos contra o AO90, não deixando margem para qualquer dúvida: o acordo é para deitar ao caixote do lixo, pois não tem ponta por onde se lhe pegue.

 

É também de ler os comentários ao vídeo, onde os acordistas Jota Frank, pinkmugical, ele3222 todos sem cara, sem nome, sem educação, sem formação moral, sem conhecimentos das Ciências da Linguagem, “defenderam” o AO90 tentando (porque conseguir não conseguiram) insultar os desacordistas, o que foi óptimo, porque não só se descredibilizaram a eles próprios, como ajudaram (e nem sabem quanto) a atirar ao caixote do lixo o AO90.

 

Ouvir, ver e ler para crer.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:13

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Janeiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
15
16
17
20
21
22
23
24
26
27
28
29
31

.posts recentes

. «Em Defesa da Ortografia ...

. «Em Defesa da Ortografia ...

. Mais um Livro de Manuel [...

. Em Defesa da Ortografia (...

. «A oposição ao Acordo Ort...

. «Ao serviço da Língua Por...

. «Só a inércia e a cobardi...

. «Sobre o Politicamente Co...

. «O novo tempo de censura»

. Debate: «Acordo Ortográf...

.arquivos

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.
blogs SAPO