Terça-feira, 16 de Março de 2021

«Os Lusíadas não esperam pela demora!»

 

Um texto oportuno, de José do Carmo, sobre estes novos tempos, tristes e sombrios, em que ao leme estão hoje convictamente os idiotas, que protagonizam uma barbárie woke…

Um texto que recomendo vivamente que leiam até ao fim.

 

(Os excertos a negrito são da minha responsabilidade).

 

Isabel A. Ferreira

 

CAmões.png

 

«Os Lusíadas não esperam pela demora!»

 

Sim, os Lusíadas são um texto épico da nossa nacionalidade e tudo isso, mas creio que, a prazo, a avaliar pelos antecedentes, pouca gente mexerá uma palha quando a barbárie woke o colocar no radar.

 

O que não falta no texto são referências à escravatura, discriminação de grupos “oprimidos” diversos, intolerância, racismo, genocídio, estereótipos do heteropatriarcado, etc, etc.

 

O Luiz Vaz, esse fascista, refere, entre outros ultrajantes desrespeitos, as “gentes enojosas da Turquia”, fala da “maligna gente que segue o torpe Mahamede”, discorre sobre “o Mouro pérfido”, atreve-se a descrever os africanos como “os de Faeton queimados”, etc.

 

E o Fernando Pessoa?

 

Esse já está na fogueira. Há dois anos, uma tal Luzia Moniz, presidente de uma obscura (atenção a esta palavra, perpetuadora de estereótipos negativos) Plataforma para o Desenvolvimento da Mulher Africana, acusou-o de “escravocrata racista”. Além disso na “Mensagem”, o vate refere em tons épicos algumas personagens e feitos da nossa História, o que é manifestamente imperdoável, segundo os cânones da nova fé.

 

Nas obras destes e doutros autores, está tudo o que faz salivar o pequeno grupo de Savonarolas pseudo-intelectuais “progressistas” que mandam na cancel culture. Pelo que não tarda o dia em que irão lançar os seus baldes de trampa contra eles e suas obras “culturalmente ofensivas”, enviando-as para o novo Index Prohibitorum ou queimando-os nas fogueiras da nova inquisição.

 

Envergonhar os portugueses que têm orgulho em o ser, isso sim, é poder. E nestas demonstrações de poder nada é sagrado (excepto a própria correcção política woke) e nada está imune à violência “iluminada”. É uma revolução cultural onde os fins justificam os meios, como Maquiavel e Marx ensinaram.

 

Mas se o negócio de Marx era a luta de classes, para a barbárie woke é mais a raça e a orientação sexual.

 

Definindo todos pela cor da pele e julgando os brancos como os “maus” e culpados de “racismo sistémico”, esse iníquo pecado original que deve ser expiado pela força totalitária, os woke simplificam o mundo à medida de Maniqueu e reivindicam-se do topo da única moralidade certa: a deles!

 

Como resultado, vivemos hoje na versão ocidental da “sociedade do medo”, na qual a pressão para a conformidade não vem do topo do comité central, mas dos intolerantes “cristãos novos” que nos rodeiam.

 

Nos campus, nas escolas, nos média, nas redes sociais, urbi et orbi, somos intimidados para que nos calemos, para que amochemos e só expressemos ideias conformes à nova Doutrina da Fé.

 

E por isso se proíbem livros, se cancelam filmes, se despedem pessoas, se reescreve a História e se derrubam monumentos e memórias.

 

Começa pelos pequenos, porque é de pequenino que se torce o pepino.

 

Babar, o Elefante, já foi. “Celebração do colonialismo”, alegaram, já que o malvado trombudo da história deixa a selva e volta mais tarde para “civilizar” os seus conterrâneos.

 

Tintim, coitado, já se arrasta no submundo, por ter representações dos africanos com traços “exagerados” e em situações de subalternidade, a carregar coisas atrás do explorador branco, e ter nascido numa revista “fascista”.

 

A Disney Plus já expurgou Peter Pan, porque “retrata os povos nativos de uma maneira estereotipada que não reflecte nem a diversidade dos povos nativos nem suas tradições culturais autênticas”, Dumbo, que “presta homenagem a espectáculos racistas”, Aristogatos, o “Livro da Selva”, a “Família Robinson”, porque “os piratas têm o rosto escuro e estão vestidos de maneira exagerada e imprecisa, reforçando a sua barbárie e alteridade”, e outros das suas ofertas para crianças menores de sete anos. Porque entre outras maldades contém “estereótipos e representações negativas de pessoas ou culturas” que podem corromper as almas das criancinhas…

 

A Rua Sésamo, dos Marretas, antes celebrada como instrumento pedagógico para crianças (que criminosos nós éramos!), leva também com soturnos “avisos de sensibilidade”.

 

Já vieram por Eça de Queiroz, cujos Maias, têm “várias passagens racistas” que referem a “inferioridade dos africanos e o desdenho pelo negro”, além de que “idealizam a branquitude“, explicou uma “investigadora” (cof, cof…) woke, cabo-verdiana.

 

Já morderam a “Odisseia”, de Homero. Um professor de inglês, entre gargalhadas alvares, referiu ter “muito orgulho de dizer que já removemos a Odisseia do currículo, este ano”. Isto porque “desafiar os velhos clássicos, é o equivalente a substituir estátuas de racistas”.

 

O problema aqui, deixem-me sublinhar, não é a saudável diversificação de personagens e autores, mas sim o cancelamento de obras bem-intencionadas, por chocarem com o dogma ideológico da  “teoria crítica da raça”.

 

Uma coisa é tirar livros sofríveis das prateleiras, outra é ver racismo e “atraso de género” em todos os lugares e tempos e tentar impor uma mordaça ideológica woke à sociedade, enterrando ostensivamente a livre expressão de ideias, base nuclear da nossa civilização.

 

Na verdade, lá para os lados de Nova York, já se procura introduzir um currículo imposto pelo Estado para ensinar nos jardins de infância, sobre a “fluidez de género”. Um projecto de lei da senadora democrata Samra Brouk (no Estado de Nova Iorque) pretende que se ensine obrigatoriamente às crianças de oito anos que existem escolhas de género múltiplas e fluidas, e que se podem receber bloqueadores hormonais para evitar “puberdades erradas”. Mais à frente, os alunos aprenderiam sobre a necessidade de apoiar todas as “configurações familiares” possíveis. O currículo proposto também condena quem se apega à moralidade tradicional, tudo isto para produzir crianças com ideias woke pré-programadas.

 

Todo o passado está aberto à inquisição woke, e tudo será incinerado.

 

Alguns acreditam que enfim, tudo isto é só para equilibrar as coisas e que o problema só afectará os “fascistas” e os “neanderthais”, essa gente primária e ignorante que não frequenta os círculos da iluminação urbana. Estão enganados. A fúria canceladora não tem limites e mais tarde ou mais cedo cairá também sobre os que a encaram com benevolência.

 

As feministas clássicas já começaram a sentir o calor da chama, quando se atreveram a questionar a natureza feminina dos homens que mudaram de sexo.

 

Como diz o povo, não deve atirar pedras quem tem telhados de vidro e todos os temos. Muito do cuspo que os bárbaros woke hoje atiram para o ar, vai um destes dias cair-lhe na própria testa.

 

Quem acredita que o passado é um lugar em que tudo estava errado e que chegámos ao topo da História, lugar privilegiado de onde a podemos julgar à luz do actual zeitgeist, é tão idiota como arrogante.

 

Mas os idiotas estão hoje convictamente ao leme…


José do Carmo

 

* O autor usa a norma ortográfica anterior.

Fonte:

https://inconveniente.pt/os-lusiadas-nao-esperam-pela-demora/?fbclid=IwAR1Jh_1o8MvQZb-yNABygBOXXZbElMIi7miJv_FQUrAGHwKOkaBeT4EfSLE

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:21

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 3 de Novembro de 2017

Nunca como hoje Portugal correu o risco de perder a sua identidade

 

Portanto, precisamos de falar a sério, Dr. António Costa.

 

ANTÓNIO COSTA.png

 Fonte da imagem: Jornal i

 

O que o Senhor disse no Congresso Nacional dos Bombeiros serve para todas as outras áreas da governação, inclusive, para a reflexão do desastre que é a aplicação do AO90. E se os fogos desgraçaram Portugal, ao nível de perdas de vidas humanas e da fauna e flora em grande escala, de empresas, habitações, áreas agrícolas e florestais, enfim… a aplicação do AO90 está a desgraçar Portugal, no que respeita à identidade, soberania, cultura, ensino,  aprendizagem…, ou seja, tudo o que implica os alimentos do espírito…

 

Portugal está a correr o grave risco real de perder a identidade portuguesa, para se tornar numa mera colónia do ex-colonizado Brasil, adoptando a grafia brasileira a que se convencionou chamar AO90, caracterizada pela italianização, americanização, afrancesamento e castelhanização da Língua Portuguesa, afastando-a das suas raízes cultas e europeias, e que o Brasil, já livre do jugo português, decidiu adoptar depois de declarada a independência, em 1822. (Estou sempre a repetir o mesmo, mas tenho esperança de que possa funcionar como a água mole em pedra dura…).

 

Todos sabemos que os governantes portugueses estão-se nas tintas para Portugal, para os Portugueses, para as crianças portuguesas, que estão a ser enganadas, ao impingirem-lhes a grafia brasileira (90%), como sendo portuguesa. Estão a vender-lhes gato por lebre. E isso não se faz. É um crime de lesa-infância.

 

Os governantes portugueses estão apenas interessados nos interesses deles, nos interesses da família deles, nos interesses dos amiguinhos deles, e dos amigos estrangeiros. E só. Lamentavelmente.

 

E porque ao redor do AO90 muito se diz e se faz, vou aqui transcrever algumas conversas lúcidas, que vamos tendo por aí...

 

Um destes dias, Rosa Maria Brandão fez um comentário muito curioso, numa das páginas do Facebook, onde lutamos pela eliminação da mixórdia ortográfica promovida pelo governo português, a propósito da utilização dessa mixórdia, pelo próprio primeiro-ministro de Portugal: «Até o Sr. Primeiro-Ministro se encarrega de demonstrar a que ponto, o chamado "acordo" é absurdo, impulsionador da ignorância e do analfabetismo. Obrigada sr. Primeiro-Ministro. Estou certa de que vai fazer alguma coisa para reverter a situação e repor o nosso património linguístico. É verdade que um povo analfabeto é fácil de manobrar, mas, com toda a certeza, o "nosso" chefe do Governo, não quer nem vai permitir isso».

 

Esperemos que não. Aguardamos que o senhor primeiro-ministro reflicta sobre esta matéria e recue, só lhe ficará bem, para não ter de vir novamente a público pedir desculpas forçadas pelas circunstâncias, ou «arrancadas a ferro pelo que todos viam, excepto o senhor e o seu governo», como salientou e muito bem, Teresa Araújo Costa, na mesma linha de conversa.

 

Entretanto, a propósito do despropósito de um elemento do PCP, José F. Ferreira que, numa conversa, referiu que para esse partido o AO90 não era prioritário, António Sérgio Marques fez este brilhante discurso:

 

«O património imaterial de um povo, um bem colectivo identitário e imensurável como é o caso da Língua Materna desse povo, não pode ser apropriado por grupos de interesses privados, vendido por quem não é seu dono, depois de esquartejado e estropiado. E isto não é uma questão prioritária para o PCP?

 

O Estado Português rouba o mais importante e valioso bem colectivo do povo e entrega-o a mercenários disfarçados de académicos, que o retalham e mutilam, para depois o vender (a troco de…) aos privados que mandam na política de educação deste submisso país desde sempre – as editoras que lideram, e monopolizam a seu bel-prazer o negócio criminoso e imoral dos manuais escolares e dicionários deste país – e o PCP considera isto uma questão menor? Os ideais foram para a gaveta? O país precisa de um PCP coerente, idealista e combativo!

 

Não precisa de um PCP suspeitamente pragmático, amarrado às conveniências das “geringonças”, descredibilizado pelo grotesco folclore em torno de regimes brutais e nepotistas, que de marxistas genuínos nada têm, como a Coreia do Norte ou a Venezuela. Embora considere Marx um pensador fundamental na História da Humanidade, não sou, de forma alguma marxista. Contudo, ao pé de pessoas como V. Exas. parecê-lo-ei, com certeza, tal é a vossa proximidade e/ou tolerância com os fascismos nepotistas angolano, norte-coreano ou venezuelano e a vossa condescendência com o ultraliberalismo de um país que vende o património colectivo ao sector privado, como é o caso da negociata cobarde e inqualificável do Acordo Ortográfico de 1990».

 

Grande discurso o do António Sérgio Marques. Concordo absolutamente com ele.

 

E continuemos outras conversas.

 

A propósito de um português-brasileiro, de nome João José da Silva, que estando a viver no Brasil considerou que a unificação da língua seria o ideal… e da discordância de vários interlocutores, nos quais me incluo, o Carlos Karlos disse, e muito bem, de sua justiça:

 

«Li tudo. E gostei de perceber que as pessoas estão muito bem informadas sobre esta história do AO90, excepto, claro o sr. Joao Jose da Silva (será João José da Silva?). É óbvio que alguém ganhou uns trocos com esta aberração; o Macaca Pasteleiro? Desculpem, o Malaca Casteleiro? Certamente. E mais uns tantos, com certeza. Não vou falar aqui do que já foi falado; pois concordo com todas as razões de carácter científico e com as outras de carácter lógico. Também estudei Latim, o que me faz doer ainda mais, no que respeita aos abusos que esta estupidez nos veio trazer. Não estou completamente de acordo quando alguns de vós dizem que a nossa ortografia se subjugou à ortografia brasileira [em 90% a grafia é brasileira]. É óbvio que na palavra Egito, já aqui mencionada, isso acontece, mas por exemplo em recepção é exactamente o contrário: os brasileiros escrevem e pronunciam o "p" e os portugueses não. Porque aquele "p", para nós, tem outra função: abrir a vogal "e", e agora obrigam-nos a escrever receção.

 

Já há muitos anos que eu tenho vindo a verificar a expansão do PT-BR, quando me dei conta que havia muitos brasileiros a ensinar Português nos Estados Unidos da América do Norte. E faziam-no sem qualquer pudor e/ou qualidade; mas era mais barato. Foi pena que os nossos governantes da altura estivessem mais preocupados em encher os bolsos do que com a nossa língua. Em jeito de observação, li há pouco tempo algures na Net, que pediam pessoas para um call center no estrangeiro, que falassem Português. E acrescentavam: de preferência com sotaque brasileiro. Isto diz muito. Reparem nas legendas dos filmes e séries que passam, sobretudo na Televisão por cabo. Mas como é mais barato, não faz mal que as legendas sejam mal traduzidas e escritas. Mas adiante: o que aqui ainda não foi falado prende-se com a responsabilidade das editoras, que mesmo antes do AO estar em vigor, se apressaram a usá-lo em todos os seus livros, incluindo os livros escolares. Se pensarmos no dinheiro que elas iriam perder a refazer tudo, torna-se fácil compreender porque isto não anda para trás. Não se esqueçam que foram feitas gramáticas a justificar o AO. E agora? Como sabem, o dinheiro pode quase tudo. Sei do que falo pois também sou autor de livros escolares que contra minha vontade tiveram que ser publicados com este acordo. E tenho pena não poder fazer nada contra isso. Quando são os próprios professores de Língua Portuguesa e literatos a não conseguirem voltar atrás... fora os que estão de acordo com o AO, que os há. Isto é uma traição ao País. Diz-se que a História acaba por nos julgar; já cá não estarei para ver. Quanto ao sr. João José da Silva, aconselho-o a tentar perceber, junto de um Professor de Português, o que realmente se está a passar. Fiquem bem.»

***

 

Pois ficar bem... Ficar bem como? Depois de um discurso destes, onde se traça o mais negro panorama em que se encontra a nossa amada Língua, como podemos ficar bem?

 

Claro que temos de lutar para que “isto ande para trás”, porque não pode ir mais para a frente sem que Portugal corra o risco de cair no abismo, de desaparecer, de perder a sua identidade.

 

E não me falem em dinheiros já (mal) gastos, na aplicação desta mixórdia ortográfica (que está a atolar o país na mais profunda ignomínia) e que não possam ser atirados também ao lixo.

 

Se o governo português esbanja tanto dinheiro em coisas absurdas, ignominiosas, atira milhares de euros ao ar, terá de o poupar para devolver a Grafia Portuguesa a Portugal. E quem perder nesta devolução, que perca, pois Portugal perderá muito mais, se vier a perder a sua identidade ao adoptar a grafia brasileira adulterada e desuniformizada, pois há algumas palavras que os brasileiros escrevem correctamente, e os portugueses, não. Como recepção, por exemplo...  De resto, todos os vocábulos, aos quais se retiraram os cês e os pês, pertencem ao Formulário Ortográfico Brasileiro de 1943.

Se o AO90 vingar em Portugal é triste, porque só Portugal está a aplicá-lo de facto, pois já se verificou que mais nenhum outro país lusófono o faz, e o Brasil nem precisa de fazê-lo, pois já aplica esta ortografia desde 1945, quando decidiu rasgar o acordo que fez com Portugal.

Só Portugal, por uma inconcebível subserviência bacoca, não está disposto a rasgar este negócio que fez com o Brasil, à revelia dos Portugueses.

 

Entretanto, Júlio Isidro diz isto:

 

Júlio22853239_1395525017215829_153617467564443596

 

Mas o grande e grave problema não é o modo como Júlio Isidro escreve ou deixa de escrever. O grande e grave problema é como as filhas dele estão a desaprender a escrever a Língua Materna delas. Então, há que actuar, firmemente.

 

A mim, nunca ninguém ouviu dizer que continuarei a escrever como sempre escrevi, porque isso é mais do que ÓBVIO. A minha luta não é por mim. Mas pelas filhas do Júlio Isidro, pelos meus netos, e pelos filhos de todos os que têm filhos a frequentar escolas portuguesas que, neste momento, não são um lugar de aprendizagem, mas de caos, no que respeita ao ensino da Língua com que se expressam. E a Língua é necessária para TODAS as disciplinas. A Língua é fundamental. A Língua é o pilar de toda a aprendizagem. E quando este pilar falha, falha tudo o resto.

 

Portanto, não podemos permitir que se forme uma geração de semianalfabetos, (já agora, no Brasil escreve-se semi-analfabetos), que são aqueles que têm apenas os rudimentos da escrita e da leitura e não são capazes de ler, escrever e interpretar corrente e correctamente.

 

Por isso, é imperioso que rasguemos os manuais escolares acordizados, os dicionários acordizados, os livros acordizados. Levemos à falência as editoras acordizadas, os jornais e revistas acordizados. Exijamos que o governo português devolva a Portugal a Grafia Portuguesa. As crianças e os jovens portugueses merecem e precisam que façamos isto por eles.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:07

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Janeiro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. «Os Lusíadas não esperam ...

. Nunca como hoje Portugal ...

.arquivos

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

. «Português de Facto» - Facebook

Uma página onde podem encontrar sugestões de livros em Português correCto, permanentemente aCtualizada. https://www.facebook.com/portuguesdefacto

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. Comentários

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

.Os textos assinados por Isabel A. Ferreira, autora deste Blogue, têm ©.

Agradeço a todos os que difundem os meus artigos que indiquem a fonte e os links dos mesmos.
blogs SAPO