Domingo, 24 de Novembro de 2019

Esta é que é esta: Jorge Jesus, treinador do “Flamengo”, honra muito mais Portugal, a Língua e a Bandeira Portuguesas, do que Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República Portuguesa

 

É sempre conveniente estar a par daquilo que nos interessa, mas também daquilo que não nos interessa. Sempre ouvi dizer. E eu sou uma dessas. Não me interessa nada o futebol, mas dado o que se passou ontem em Portugal, a propósito da Final da Copa Libertadores da América de 2019, onde o treinador português, Jorge Jesus, estava a ser endeusado, andei a fazer zapping pelas nossas televisões, para apreciar a extensão deste fenómeno.

 

E, por aquilo que vi, ouvi e li, tenho de louvar Jorge Jesus (para além dos seus feitos futebolísticos). Tenho de o louvar essencialmente pelo seu patriotismo, pelo seu amor a Portugal e à sua Língua Portuguesa, à sua Bandeira. Foi algo que gostei de ver.   

 

E imediatamente tracei um paralelo entre o treinador português e o nosso presidente da República, que se estivesse no lugar do JJ comportar-se-ia de um modo muito distinto, e envergonharia Portugal, como já envergonhou.

 

Vejamos porquê.

 

Jorge Jesus.png

 

Jorge Jesus é português, tal como Marcelo Rebelo de Sousa, e ambos, cada um à sua maneira obviamente, representam um pedaço do povo português.

 

Contudo, o treinador de futebol, sabe honrar Portugal, ainda que esteja no Brasil, a treinar um clube brasileiro. E o presidente da República Portuguesa, ainda que esteja em Portugal, não sabe honrar o País.

 

Porquê?

Porque:

 

1 – Jorge Jesus foi para o Brasil, está rodeado de Brasileiros por todos os lados, e tem de comunicar com eles.  E como faz isto? Em Língua Portuguesa. A sua. Sem sotaquezinho nenhum. E os futebolistas não entenderão o Mister? Pelo que vi, ouvi e li, entendem-no perfeitamente. O Português dele pode não ser o mais erudito. Mas é o NOSSO Português.

 

2 – Jorge Jesus esteve enrolado na Bandeira Portuguesa, enquanto dirigia, na bancada, o jogo entre o Flamengo e o River Plate. E se estivesse enrolado na Bandeira Brasileira eu até entenderia, pois estava ali por um clube brasileiro. Nada tinha a apontar. Mas fiquei deveras comovida com aquele gesto português.

 

3 – No final ganhou a Taça, e dedicou a vitória aos Portugueses, que ele sabia estarem a torcer por ele em Portugal, tal como os flamenguistas e os não flamenguistas. Poderia tê-la dedicado aos Brasileiros. Não lhe ficava mal. Mas dedicou-a aos Portugueses. E esse sentimento, todos os Brasileiros, que vivem actualmente em Portugal, entenderão. Estar fora da nossa Pátria, faz-nos exacerbar os vínculos com as nossas mais profundas raízes.

 

Como declarei ontem a um acordista, que disse que o meu patriotismo (ou seja, o meu exacerbado amor pela Língua Portuguesa) cheirava à naftalina e infelicidade:  se não temos amor à nossa Pátria, à nossa Língua, aos nossos Valores Culturais, somos uns sem-abrigo, sem eira, nem beira, uns apátridas, que andam no mundo só por ver andar os outros. Uns zombies, uns alienados… E Jorge Jesus provou que, além de ser um bom treinador de futebol (a sua profissão), não é um sem-abrigo, um sem eira, nem beira, um apátrida, não anda no mundo só por ver andar os outros. Não é um zombie, um alienado. É um cidadão português que merece o meu respeito.

 

4 – E numa entrevista a um jornal desportivo, JJ disse “tenho muito orgulho em ser português”, algo que o nosso PR não tem.

 

E o que me ficou desta história foi que, apesar de estar ali em nome do Brasil, foi em Portugal que JJ pensou, neste momento tão importante da carreira dele.

 

E isto foi algo que me tocou a alma. E se Jorge Jesus, até agora, para mim, que não sou dada a futebóis (embora torça pela SeleCção Portuguesa, porque vivo no mundo real) era apenas um treinador de futebol, como tantos outros, subiu na minha consideração, porque podia estar todo virado para o Brasil (e nada se poderia apontar-lhe, pois é no Brasil que vive e exerce a sua profissão de treinador), mas num momento tão importante para si e para a sua carreira, não esqueceu Portugal, as suas raízes, os seus símbolos.  E isto não é algo que qualquer um possa fazer. Tem de ser muito especial.

 

E se Jorge Jesus subiu na minha consideração (antes disto eu nem considerava, nem desconsiderava JJ, porque não é o futebol que é a minha “pátria”), Marcelo Rebelo de Sousa desceu ainda mais na desconsideração que lhe dedico há muito, devido à sua atitude absolutamente antitudo no que respeita a Portugal, à Língua Portuguesa, e aos símbolos portugueses, como a Bandeira Portuguesa (que já desapareceu da Internet, quando se trata de indicar a Língua) e que para ele nada valem. Ele, que é o Chefe do Estado Português!

 

Aqui deixo um vídeo, onde podemos ouvir Jorge Jesus a ser entrevistado por um jornalista brasileiro, e a responder no NOSSO Português.

 

 

E aqui, neste link, está o vídeo onde Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém, na qualidade de presidente da República Portuguesa, dá uma entrevista ao jornalista brasileiro Pedro Bial, num brasuquês, de envergonhar as pedras da calçada portuguesa.

https://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/presidente-da-republica-portuguesa-em-182286

 

E agora respondam-me: quem honra mais Portugal, a Língua Portuguesa e a Bandeira Portuguesa?  O treinador do Flamengo ou o presidente da República Portuguesa?

 

Faço uma vénia ao primeiro.

 

E apupo o segundo, pelo seu laxismo, pela sua indiferença, pelo seu desrespeito, pela sua cumplicidade com as mentiras e fraudes do AO90, pelo seu virar costas a Portugal e aos Portugueses, aos seus valores linguísticos e culturais, à Constituição da República Portuguesa, aos símbolos portugueses, e andar por aí a brasucar, como se Portugal fosse uma colónia brasileira.

 

Envergonho-me disto.

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:25

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

Como poderá Marcelo Rebelo de Sousa ter tempo para dedicar às fraudes da Língua Portuguesa, com tantas “influencers” à sua volta a quererem tirar “selfies”?

 

Este é o prenúncio de um Portugal em franca decadência, nos Valores, na Identidade, na Língua.

 

marcelo-influencers-696x464.jpg

Fonte da Foto:

https://www.delas.pt/marcelo-rebelo-de-sousa-convida-30-influencers-a-belem-e-nao-evita-selfies/atualidade/699450/

 

Nós, que andamos preocupados com o inacreditável rumo decadente que o Estado Português está a dar à Língua Portuguesa; e com o pacto de silêncio que existe à volta desta tragédia linguística, que se abateu sobre Portugal; e estamos perplexos com a impassibilidade em relação às fraudes que têm sido denunciadas, envolvendo o AO90 e governantes portugueses, agora sabemos por que o Chefe de Estado Português, Marcelo Rebelo de Sousa, que mete o bedelho (para usar uma expressão bem portuguesa, e lembrar a todos que temos uma Língua, que é a nossa, e muito rica) em tudo e mais alguma coisa, está-se nas tintas para as fraudes,  para a ilegalidade e  inconstitucionalidade da aplicação do AO90 em Portugal, e para que Portugal caia no abismo e no descrédito, porque, para ele, é muito mais importante para o país tirar selfies com o rosto coladinho aos rostos de jovens mulheres, que,  essas sim, podem pôr Portugal no topo dos países mais inverosímeis do mundo.

 

«Que sinal político quer dar o Presidente da República quando convida para o Palácio de Belém cerca de 40 influencers das redes sociais e o que dali sai são dezenas de selfies e fotografias, praticamente todas com Marcelo Rebelo de Sousa abraçado a mulheres bonitas, que se multiplicam em milhares de gostos, sobretudo no Instagram?»  (Leonete Botelho in Jornal Público)

 

Muito nos conta, senhor Presidente da República Portuguesa!

 

A História o julgará, mais do que nós, que ansiamos por ver Portugal nas mãos de HOMENS que saibam dignificar os altos cargos da Nação, para os quais foram eleitos.

 

«Lamentável! Sem verdadeiro sentido de Estado, este Presidente mostrou não ser o representante de todos os portugueses. Quantas e quantas pessoas, anónimas, tantas vezes com falta de recursos, dão continuadamente provas de solidariedade para com o seu semelhante, seja por acções de voluntariado, seja pelo abraço amigo a quem está só; e não foram, nem são, "influenciadas" por aquele tipo de gente, na maior parte, vazia. Aquelas (minhas) pessoas foram, por este Presidente, ignoradas. Quero (ainda) acreditar que Portugal não é o que esta abjecta "sessão" no Palácio Presidencial pretende mostrar. Mas poderá ser o prenúncio de perda de Valores.» (Manuel Figueiredo)

 

Este é o prenúncio de um Portugal em franca decadência.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:06

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 1 de Outubro de 2019

O Bom e o Mau na Gala dos “Globo de Ouro” no que à Língua Portuguesa diz respeito

 

No passado domingo, apeteceu-me, e vi a Gala dos “Globo de Ouro”, na SIC.

 

E ainda bem que vi, para ouvir o que lá se disse, porque de todo o espectáculo e dos prémios e das elegâncias, de umas coisas gostei, de outras não, e de uma, em particular (homenagem à memória de um torturador de Touros), abominei.

 

E o que é que o meu gosto ou desgosto interessa? Perguntarão.

Nada. Não interessa nada. Mas, mesmo assim, vou revelar o que gostei de ouvir, e o que me repugnou.

 

E vou começar pelo que gostei, daí deixar já aqui, antes de mais, o meu preito a Vera Holtz e Marcos Caruso, dois actores que sempre admirei, pelo elevado grau de profissionalismo, e pela simpatia e simplicidade com que se movimentam no mundo do brilho e do glamour…

 

ex1c0243_camila_mira_vera_holtz_marcos_caruso_770x

Origem da foto: Internet

 

Gostei de ouvir:

 

Vera Holtz e Marcos Caruso, dois excePcionais aCtores brasileiros, que subiram ao palco para anunciar o Globo de Ouro, na categoria de Melhor Peça / EspeCtáculo (que foi entregue a ‘Tio Vânia’), e dirigiram-se à plateia, na Língua deles, não sentindo a mínima necessidade de serem servis e falarem à portuguesa, para agradarem ou fazerem-se entender por uma plateia constituída, certamente, na sua maioria, por Portugueses.

 

Até porque, dizem por aí, que Brasil e Portugal falam a mesma Língua (oficialmente), se bem que com substanciais diferenças na fonética, na fonologia, na ortografia, no léxico, na sintaxe, na acentuação, algo que (oficiosamente) é já Língua Brasileira, mas não há necessidade nem de aportuguesar, nem de abrasileirar as falas, quando falamos uns com os outros.

 

Por isso, Vera e Marcos merecem o meu aplauso e a minha admiração: honraram a Língua e o País deles - o Brasil.

 

Não gostei de ouvir:

 

Ricardo Pereira.png

(Divulgação/ TV Globo)

 

O aCtor Ricardo Pereira, a entrevistar, em Brasileiro, Vera Holtz e Marcos Caruso, na Gala dos Globos de Ouro, como se eles fossem muito desprovidos de entendimento, como se não entendessem a fala portuguesa, não é mesmo? E o Ricardo Pereira demonstrou, deste modo, que não falamos a mesma Língua, pois se falássemos, não havia necessidade de estrangeirar.

 

Mas estrangeirou, e foi esta atitude servil que me repugnou. Vera e Marcos não são ignorantes, conseguem perfeitamente entender a fala portuguesa. Não precisam de legendas, nem que um português lhes fale à brasileira, para que o entendam. Ricardo Pereira esteve muito mal: insultou a inteligência dos aCtores brasileiros e desprezou a própria Língua e o seu País, a não ser que já não seja português.

 

Isto fez-me lembrar o nosso Presidente da República, que, também muito servilmente, no Palácio de Belém, deu, aqui há tempos, uma entrevista à TV Globo falando brasileiro, como se o entrevistador não soubesse Português. E com isto, o PR desonrou Portugal e a Língua Portuguesa.  Aposto que jamais Jair Bolsonaro daria uma entrevista à SIC aportuguesando a sua fala.

 

Gostei de ouvir:

 

E soou-me bem, os vários Olá, a todos! Naquela plateia constituída por homens e mulheres. Quem assim saudou o público presente no Coliseu dos Recreios é gente que sabe falar.

 

Não é como uns e outros (ou teremos de dizer uns, umas, e outros, outras?) que andam por aí a parvoar numa linguagem a que chamam inclusiva, para reforçar uma visibilidade ainda reduzida das mulheres no contexto social nacional (foi a explicação que me deram). Então, para dar visibilidade às mulheres, desatam a dizer olá a todos e a todas”, demonstrando uma gigantesca ignorância da Língua Portuguesa, porquanto o vocábulo TODOS é um substantivo masculino plural, que significa toda a gente, incluindo a Humanidade. Significa totalidade numérica de pessoas (e pessoos?) ou coisas (e coisos?), dizem os dicionários. E um grupo de pessoas pode incluir apenas mulheres, ou apenas homens, ou homens e mulheres, crianças (e crianços?) jovens, e idosos.

 

Dizer todos e todas é uma muito infeliz redundância, assente na ignorância.

 

Mas até o nosso primeiro-ministro, que devia dar lições de bem falar a língua do país que representa, um destes dias, a discursar no Algarve, dirigiu-se aos Algarvios e Algarvias, como se os Algarvios não fossem os habitantes (e as habitantas?) do Algarve.

 

Fico-me por aqui, porque esta parte final já não pertence aos “Globos de Ouro”, que, contudo e obviamente, os adeptos da parva linguagem dita inclusiva, não ganhariam jamais, se houvesse tal distinção para os bons falantes de Língua Portuguesa.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:50

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 9 de Maio de 2019

Presidente da República Portuguesa dá entrevista com sotaque brasileiro

 

Ler o que Sua Excelência disse é uma coisa. Ouvir é outra.

«Lá vem a Nau Catrineta, que tem muito que contar, ouvi agora senhores uma história de pasmar»…

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República Portuguesa (ou deverei dizer República Luso-Brasileira?) dá uma entrevista no Palácio de Belém, usando um sotaquezinho brasileiro, e diz ele: «Estou a fazer um enorme esforço para não falar à brasileira». Mas falou.

(Ver vídeo mais abaixo).

 

Untitled.png

 

Sim, senhor Presidente da República Portuguesa, deve ficar preocupado, preocupadíssimo, porque são muitos os Portugueses que, depois do que ouviram, na entrevista que deu ao jornalista brasileiro Pedro Bial, ficaram surpreendidos, decePcionados, estarrecidos, arrepiados, horrorizados, tristes, com a subserviência do Chefe de Estado Português a um país que, apesar de irmão, é estrangeiro. Ficará para a História com dois cognomes: «Celinho das Selfies" e Dom Marcelo Rebelo de Sousa, o Subserviente. 

 

 

Repare-se nas construções frásicas: meu irmão, meu avô, meus filhos, meu pai, minha campanha, de minha conta. Já não diz o meu irmão, o meu avô, os meus filhos, o meu pai, a minha campanha, da minha conta… (surripia os artigos, como fazem os Brasileiros).

 

E na fonética: prôfêssor, dêlirante, ôlhando, rêcandidátura, dêcido, considêrá, pôndêrá, Vêrão, Brásiu, eu me lembro, me levou, êducáção, subêsêcretário de estado, meu estilo é diferente, as duas comunidades se descobriram, uma relação muito formau, me adaptei, está acompanhando (usa os gerúndios).

 

O que é isto?

 

Este não é o Português Europeu. O Português do meu País. Não é o Português que o Chefe de Estado Português deva usar, quando está a representar Portugal, como Chefe de Estado Português.

 

Isto é inadmissível. Muito mau, senhor presidente. Não faça esforço. Já se espalhou. Está no Palácio de Belém, como Presidente da República, não como avô, ou pai, ou amigo dos brasileiros. Nem sequer está no Brasil. Também não está num "café" a bater um papo com um amigo brasileiro, ou com os netos.

 

Estava a dar uma entrevista no Palácio de Belém, como Presidente da República Portuguesa, a uma estação de televisão brasileira.

 

Pedro Bial não prescindiu da Língua dele, para entrevistar o PR português. Porém, o PR português prescindiu da sua Língua para dar a entrevista. Quanta subserviência!

 

Agora entende-se porque se remete ao silêncio, na questão do AO90, e despreza a opinião pública portuguesa, e não responde, como é de seu DEVER, às cartas que lhe escrevemos, a este respeito.

 

Não surpreende que a sua popularidade esteja a cair vertiginosamente. É que nem todos, em Portugal, são bajuladores.

 

Ao ouvir esta entrevista, senti vergonha do Chefe de Estado do meu País. E, inegavelmente, Marcelo Rebelo de Sousa não representa Portugal, nem milhares de Portugueses, que pensam como eu. Não me representa.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:49

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 7 de Maio de 2019

Presidente da República Portuguesa, em entrevista à Globo de Portugal, fala com um leve sotaque brasileiro

 

Ágórá si pêrrcébi pôrrquê Márcélu ândá tão cáládjinhu à prôpósitu du àcordô ôrrtôgráficô dji 1990.

 

Em entrevista a Pedro Bial, apresentador de televisão, jornalista, escritor, cineasta e poeta brasileiro, o nosso (?) presidente da República disse o seguinte (e reparem bem na construção frásica): "Não imagina, a esquerda portuguesa me ia comendo vivo", relata, explicando que utilizou essa expressão não por os dois pensarem o mesmo, mas porque brasileiros e portugueses são "povos irmãos".

Irrmãos gêmeos? Mônôzigóticos?

 

Contudo, isto não é tudo.

 

Marcelo.png

Naturalmente, o que vemos nesta imagem é uma brincadeirinha, que pode ser consultada no link mais abaixo. De qualquer modo é uma brincadeirinha assente em algo que transparece para a opinião pública, devido à postura que o presidente da República Portuguesa faz questão de ostentar, em relação a tudo o que é brasileiro, incluindo a Língua, principalemnte a Língua, da qual, sabemos, gosta pra burro e, pelo que vemos, também fala pra burro.. (*)

Origem da imagem:

http://www.penultima-hora.com/marcelo-rebelo-sousa-mostra-disponivel-presidente-do-brasil-part-time/

 

Nesta entrevista a Pedro Bial, pode ler-se: «Nesta conversa gravada há cerca de dois meses e meio, no Palácio de Belém, em Lisboa, o Presidente da República fala pausadamente, com um leve sotaque brasileiro, e recorda o seu breve encontro com o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, em Janeiro, em Brasília, à saída do qual "até disse que tinha sido um encontro entre irmãos"

 

Uns irmãos que antes da eleição caminhavam um para cada lado.


Muitos de nós temos irmãos a viver há anos no Brasil, e que falam Brasileiro (ou se preferirem, para não ferir os ouvidos dos que acham que tudu seri um (como dizia alguém que conheci) falam à moda brasileira, e quando nos juntamos, cada um fala à moda de cada um, e não à moda um do outro. Ou vão dizer-me que começamos a falar à brasileira, e eles à portuguesa, para demonstrarmos que somos irmãos de verdade?

 

Dizem-me: «Ah! Mas Marcelo Rebelo de Sousa estava apenas a ser gentil com o Bial, para que ele pudesse perceber o que o presidente estava a dizer

 

Não, não foi isso, porque o Bial não é daqueles que não percebem o que os Portugueses falam (penso eu, não conheço pessoalmente o Bial, mas pelo que sei dele, não é desses).

 

Então o que aconteceu? Que subserviência é esta?

 

Até concebia que Marcelo, como cidadão Marcelo, pudesse brazucar, assim como alguns Brasileiros portugam quando falam connosco, brincando aos irmãos.



Porém, Marcelo Rebelo de Sousa estava no Palácio de Belém, na qualidade de Presidente da República Portuguesa, a dar uma entrevista, e deu-a falando com um leve sotaque brasileiro. A troco de quê? Da irmandade luso-brasileira? Daquela subserviência que explica o silêncio a que Marcelo se remeteu, no que respeita ao desacordo que o acordo ortográfico gerou entre os países de expressão portuguesa?

 

Mas isto não é tudo. Diz a notícia: «Enquadra assim a sua intervenção: «Meu estilo é estar próximo das pessoas e, nesse sentido, eu interfiro, porque há um evento, há um drama, há uma tragédia, eu estou lá. E isso às vezes é um pouco incómodo para outros protagonistas políticos, é verdade".

 

Pois! Meu estilo, à brasileira. O PR já não diz o meu estilo, à portuguesa. Falta pouco para ele se dirigir aos Portugueses, do modo seguinte, para estar mais próximo dos irmãos e restante família:

 

«Quirido povo pôrrtugueis! Não estou brincando, não. Estou só fálando cômo nossos irrmãos brásilêirus, párá qui elis sáibam qui nós gôstâmus muito du módo dji fálá dêlis. Párá eu, fálá assim, é um prázê». (Atenção isto é uma simples transcrição fonética!)

 

Não estou a ver o presidente da República Federativa do Brasil, Jair Bolsonaro, a fâláre à tugâ pârâ âgrâdáre ao irmão purtugâ, numa entrevista a um jornalista português, ainda que a brincar. Não estou.

 

Também não estou a ver a Senhora May a deixar o seu peculiar british accent e empregar o american accent para agradar ao senhor Trump, em entrevistas a jornalistas norte-americanos, ainda que a brincar.

 

Mas, o nosso PR é assim: dado a agradar a todos, excePto a quem deve: aos Portugueses  que têm espírito crítico. Porém, sempre ouvi dizer que irmãos, irmãos, línguas à parte.

 

A citada entrevista pode ser lida, na íntegra, aqui:

https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/marcelo-o-meu-estilo-e-estar-proximo-das-pessoas-e-nesse-sentido-eu-interfiro-e-isso-as-vezes-e-um-pouco-incomodo-para-outros-protagonistas-politicos-e-verdade

 

(*) Pra burro – expressão brasileira, que já ouvimos Marcelo utilizar numa conversa informal, captada pelo jornalista Victor Moura-Pinto, no programa “Seis Por Meia Dúzia”, a qual significa muito, em grande quantidade ou em alto grau, e que eu também, por vezes, uso, no seio familiar.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:05

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 5 de Setembro de 2016

A FESTA DO LIVRO NO PALÁCIO DE BELÉM SERVIU A QUEM?

 

A ideia da Festa até não foi má.

Mas ficaram no ar algumas perguntas.

 

jsg_9880321813e5_base F LIVRO.jpg

Marcelo na Festa do Livro de Belém. Foto: José Sena Goulão/Lusa

Origem da imagem: http://rr.sapo.pt/noticia/62702/marcelo_recapitalizacao_resolve_problema_da_caixa

 

De quem foi realmente a ideia?

 

A “festa” serviria aos Autores Portugueses que estão a fazer um bom trabalho para manter a Língua Portuguesa na sua versão culta, desacordizada, ou aos editores acordistas que, não estando a vender os livros que editaram na versão inculta da língua acordizada, “mexeriam uns pauzinhos” no sentido de se fazer uma “festa” em Belém para poderem “despachar” os livros que estão encalhados?

 

Conseguiram alcançar esse objectivo?

 

Pelo que se consta, não.

 

A maioria das pessoas que foram à “Festa” do livro, disse que foram lá para ver os jardins e, claro, como não podia deixar de ser, ver também o presidente.

 

Os livros para a infância (que querem aliciar para o AO90) eram em número esmagador.

 

Estão a tentar despachá-los às inocentes crianças, que andam baralhadas com esta coisa da língua… As Avós oferecem-lhes livros em boa Língua Portuguesa. Em algumas (felizmente não todas) escolas ensinam-lhes um português mutilado… Em que ficamos?

 

Nas feiras do livro que pululam por aí, as edições infantis em acordês são mais que muitas, mas ficam por vender. Foi o que me disseram.

 

É que o mercado livreiro em Portugal está mau. Está péssimo.

 

É que, felizmente, cada vez mais, os Portugueses se recusam a comprar livros mal escritos.

 

E as novas edições em acordês, dos nossos clássicos (que nunca escreveriam fato por facto) estão todas encalhadas também.

 

Há que pôr termo a este descalabro.

 

Querem vender livros?

 

Apresentem-nos livros escritos em bom Português, ou seja, na versão culta da Língua Portuguesa. A Oficial. Não a ilegal, que anda por aí com o nome de AO90.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:01

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Esta é que é esta: Jorge ...

. Como poderá Marcelo Rebel...

. O Bom e o Mau na Gala dos...

. Presidente da República P...

. Presidente da República ...

. A FESTA DO LIVRO NO PALÁC...

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.Acordo Ortográfico

A autora deste Blogue não adopta o “Acordo Ortográfico de 1990”, por recusar ser cúmplice de uma fraude comprovada.

.

.Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 é uma fraude, ilegal e inconstitucional

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram oficialmente a não vigência do acordo numa reunião oficial e os representantes oficiais do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO