Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2019

APLICAÇÃO DO AO90 NAS ESCOLAS: «CHANTAGEM EXERCIDA PELAS CHEFIAS E A PRESERVAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO FALAM MAIS ALTO»

 

Recebi um e-mail de António Vieira, professor do Ensino Secundário até há cerca de um ano, no qual abordou questões bastante pertinentes no que respeita ao Acordo Ortográfico que, apesar de não ter pés nem cabeça, uns aplicam por cobardia, outros, por que não estão minimamente informados, outros, por subserviência ao Poder, outros, por medo de perder o emprego, e outros ainda porque recusam a informação, porquanto é mais cómodo ser seguidista do que opugnador.

 

É a troca de impressões que eu e o António Vieira então trocámos, que me proponho a transcrever, com a devida autorização, por se tratar de matéria que interessa a todos quantos estão a lutar contra a destruição da Língua Portuguesa.

 

ACORDO.png

Origem da imagem:

https://www.publico.pt/bartoon/11-01-2019?fbclid=IwAR1_sJzf_bI0lde3lTyE89K9ohuy57AG_-GgfwiOG2hU6cy48hXJ0Qb-czM

 

«Senhora Isabel A. Ferreira,

 

Não vou tomar-lhe tempo com os argumentos esgrimidos contra esta aberração (ou acordo "mortográfico" na lúcida e muito oportuna tirada jocosa do Dr. António Bagão Félix), dado que os mesmos são já sobejamente conhecidos.

 

Fui professor do Ensino Secundário até há cerca de um ano, na Esc. Secundária José Estevão, em Aveiro (actualmente sou empresário) e pude constatar diversas posturas de Colegas meus professores de Português: uns abertamente contra, mas "rumorejando" em silêncio (dado que a chantagem exercida pelas chefias e a preservação do posto de trabalho "falam sempre mais alto").

 

Outros arvorados em "progressistas" de "ideias avançadas e arejadas" apoiam a aberração em causa, mas furtam-se a um debate sério (presumo que alguns deles colaborem com Editoras de manuais escolares e os "trocos" suplementares vindos ao fim do mês venham sempre a calhar!, há sempre quem se venda por um prato de lentilhas).

 

Na minha modesta opinião, penso ser de aproveitar os seguintes pontos:

 

1º- O Ministro da Educação Tiago Brandão Rodrigues actual é contra o "AO90” e faz parte da plataforma no "Facebook" (foi uma agradável surpresa eu ficar sabedor deste dado crucial).

 

2º- Angola já declarou a não-conformidade com o AO90 e declarou que o não o irá ratificar (Moçambique, parece-me não ter uma posição muito definida, julgo que o que pretende é que lhe ofereçam os manuais escolares à borla, seja em que grafia for). Penso que se houver pressão por parte de algumas figuras políticas de peso no sentido de se moverem "nos bastidores" (é assim que as coisas se processam sempre) algum resultado poderá ser atingido). Mas do que não tenho dúvidas é que se houvesse um número suficiente de professores que declarassem uma resistência frontal e adoptassem uma atitude de desobediência deliberada (semelhante à de uma greve), o peso do número não deixaria de constituir um argumento inultrapassável, tanto mais que o Ministro da tutela também se encontra do mesmo lado da "barricada", assim, por meio duma "arregimentação" através das redes sociais (isto hoje é facílimo), numa iniciativa sincronizada, aí não tenho dúvidas de que a questão ganharia outros contornos, não de uma solução definitiva, mas lá que o barco apanhava um forte "rombo" não tenho quaisquer dúvidas.

 

Entrego-lhe em mãos estas duas sugestões, fico grato pela atenção dada a este breve e singelo libelo pessoal de inconformidade.

 

Com um abraço, subscrevo-me atenciosamente

 

António  Vieira

 

***

Caro Senhor António Vieira,

 

Começo por agradecer o seu e-mail.

Não podia estar mais de acordo com tudo o que o senhor escreveu, nomeadamente quanto à postura dos professores, que se quisessem, já tinham acabado com este desacordo.

 

A chantagem e as pressões das chefias são um vergonhoso modo de impor algo que está para além da racionalidade. Contudo, as pessoas não deviam aceitar placidamente essa chantagem, até porque ninguém seria despedido por desobedecer a algo que é ILEGAL.

 

Indo às sugestões que apresentou, com as quais concordo plenamente e estou disposta a pôr em prática, naturalmente com a ajuda de todos, diga-me, em qual plataforma do Facebook o Ministro da Educação está? Pode enviar-me o link dessa plataforma? Isso é algo muito bom.

 

Quanto a uma mobilização nas redes sociais, seria óptimo. Para começar: o senhor autoriza-me a publicar esta sua carta?  

Ela é demasiado preciosa, para a “escondermos”.


O que me diz?

E este seria o começo de uma acção, que eu poderia integrar no MPLP.

 

O senhor está a par do Movimento em Prol da Língua Portuguesa (MPLP), que já tem cerca de 90 subscritores, e do qual o Francisco Silva e eu somos coordenadores?

 

Poderá inteirar-se deste Movimento, nestes links, caso não tenha conhecimento:

 

https://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/movimento-em-prol-da-lingua-portuguesa-147014

 

https://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/a-atencao-de-todos-os-que-sao-contra-o-147580

 

https://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/no-pais-dos-lambe-botas-148659

 

https://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/engrenagem-do-movimento-em-prol-da-150838

 

Um abraço para o senhor também, e aguardo resposta.

Isabel A. Ferreira

 

***

 

«Sr.ª Isabel Ferreira, boa tarde, é evidente que tenho o maior gosto e empenho que divulgue o teor da minha comunicação. Eu não sou muito expedito na utilização da ferramenta informática, mas tenho a certeza absoluta de que vi algures a referência à pessoa, mas deixe-me fazer uma "varredela" nos sites que costumo ver e irei chegar lá. Tenho a certeza duma opinião emanada pelo Doutor Menezes Leitão (Prof. Catedrático de Direito em Lisboa e Presidente da Associação de Senhorios) segundo a qual "iremos passar pela vergonha de serem os Africanos, nossos ex-colonizados, a virem tornar a ensinar aos Portugueses a escrever correctamente a sua Língua (no site "Moçambique e o AO90).

 

E, sintomaticamente, é negativa a apatia e impavidez do nosso Povo totalmente "embrutecido" com a bola, com o Ronaldo, etc. que se acomoda e adopta uma postura totalmente distinta dos nossos vizinhos aqui do lado (galegos, catalães, etc.) que defendem os seus idiomas com unhas e dentes, embora já se assista a algum inconformismo (fui testemunha duma conversa de rua aqui em Aveiro, há algum tempo de pessoas falando contra o AO90), mas ainda há dias no escritório duma empresa na "receção (?)" questionei a funcionária que respondeu :...agora como o acordo ortográfico..." e eu perguntei-lhe: mas qual acordo? de quem, com quem? e ela não fazia a menor ideia do que estava a referir. E como esta, muitas outras pessoas, dentro do espírito de "carneirada e... Maria vai com as outras!".

 

Vou manter-me em contacto consigo, vou pesquisar a que atrás mencionei e vou inteirar-me sobre o M.P.L.P.; outras sugestões lhe farei chegar, dentro das minhas possibilidades: por exemplo, uma "vaga de fundo" como a que sugeri para os professores, também seria de ponderar para os autarcas, dado que diversos Presidentes de Câmara já se insurgiram abertamente contra a aberração em causa. É uma questão de pressão (a união faz a força) e de tentar achar as pontas destas "meadas". Agradeço a atenção para o texto e peço desculpa pela sua extensão.

 

Despeço-me, subscrevendo-me; com um abraço do

 

António Vieira

 

***

Na verdade, o que se passa em Portugal é uma autêntica vergonha, fruto de uma subserviência canina, e de um esquema de desinformação bem montado, para manter o povo português na ignorância. E é como comprovou o Professor António Vieira, e eu estou farta de comprovar também: quando perguntamos, por que escrevem daquela maneira incorreCta, que nada tem a ver com o nosso Português, a conversa é sempre a mesma: «Ah! agora é assim, com o acordo.» Mas se formos mais fundo e questionarmos: «Que acordo?» as respostas são espantosas e denotam uma ignorância profunda sobre isto do acordo: «Ora, o acordo, agora temos de escrever assim». Mas porquê? «Porque mandaram». E se mandassem atirar-se a um poço, o que faria? «E por que mandariam atirar a um poço?». Do mesmo modo que mandaram escrever incorreCtamente a Língua Portuguesa. É reparar na expressão interrogativa com que reagem a esta provocação.

 

O povo obedece e nada questiona. Mas que o povo não questione, enfim, porque a mais não é obrigado, dada a alienação total a que os programas televisivos o lançam (futebol, telenovelas e deploráveis reality shows) com algum esforço, ainda se compreende.

 

O que é incompreensível, inacreditável, inaceitável, é que os meios de comunicação social servilistas e os professores aceitassem esta aberração, sem questionar, sem se informarem, sem o mínimo espírito crítico, sem lutarem, numa obediência absolutamente cega, estando a ser cúmplices de uma fraude e contribuindo para a destruição gratuita, do mais valioso Património Cultural Imaterial de Portugal: a sua Língua Materna, apenas pelo porque-sim de políticos ignorantes.

 

E isto é o que mais dói.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:42

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2019

LÚCIA VAZ PEDRO QUER MAIS PORTUGUÊS E MENOS ESTRANGEIRISMOS

 

«Temos uma das línguas mais ricas do Mundo. Uma das línguas mais faladas do Mundo. Uma das línguas mais bonitas do Mundo!», diz Lúcia Vaz Pedro, em mais uma das suas “aulas” de língua abrasileirada, no JN.

 

Hello.jpg

 

Mentira. TÍNHAMOS uma das línguas mais ricas e mais bonitas do mundo. Não temos mais. ACtualmente temos uma língua MUTILADA, DESFEADA, EMPOBRECIDA. E o que adianta ser uma das mais faladas, se é a mais mal falada e mal escrita?

 

E Lúcia Vaz Pedro diz mais:

«Então por que motivo utilizamos tantos estrangeirismos, quando temos alternativas em português

Vamos ver algumas soluções para os evitarmos:

App: aplicação móvel; Blog: blogue; Bold: negrito; Click: clique; Like: gosto; Login: iniciar sessão; Password: palavra-passe; Press release: nota de Imprensa; Username: nome de utilizador.

 

Então vejamos:

Mais Português, menos estrangeirismos? Muito bem, Lúcia Vaz Pedro.

 

Então comece por eliminar os seguintes estrangeirismos (brasileiros): setor, fatura, diretor, atividade, ação, atual, adotar, direto, correto, parabenizar, alô, né, etc., etc., etc., e passe a escrever as  alternativas seCtor, faCtura, direCtor, aCtividade, aCção, aCtual, adoPtar, direCto, correCto, felicitar, olá, não é, etc., etc., etc., porque estes é que são vocábulos portugueses.

 

Os que recomenda que se traduzam, fazem parte da linguagem informática de comunicação internacional, que não faz mossa nenhuma ao Português. É como a Coca-Cola e outros termos que tais. Não se traduzem. Há estrangeirismos que enriquecem a Língua (caso da linguagem informática). Outros, que a empobrecem, como os estrangeirismos brasileiros, constituídos por palavras mutiladas aleatoriamente.

 

É com este estrangeirismo que tem de preocupar-se. Não com uma linguagem de comunicação internacional, adoPtada no mundo inteiro, e que não destrói a Língua Portuguesa.

 

Isabel A. Ferreira

 

Fonte da notícia:

https://www.jn.pt/artes/dossiers/portugues-atual/interior/mais-portugues-por-favor-e-menos-estrangeirismos-10422831.html?fbclid=IwAR0MTAZQVBP0ZQGHhLU9E-QtvTeOf2hrswiHStosQhKhkXP_FMxTvzVgQQ8

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:35

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2019

A IRREVERSIBILIDADE DO (DES)ACORDO ORTOGRÁFICO É UMA FALÁCIA SUSTENTADA POR NÃO-PENSANTES

 

Pensemos:

Se foi possível destruir o que levou séculos a ser construído racionalmente, mais possível ainda é reconstruir o que foi destruído irracionalmente, em menos de 10 anos.

 

O argumento da irreversibilidade do AO90 que, ardilosamente, andam por aí a espalhar com o fito de se pensar que, lá pelo facto de já estar instalado, não é mais possível voltar atrás, é coisa para mentes mirradas e medíocres, porque o caos sempre pôde ser ordenado, e a fénix pode ressurgir das cinzas.

 

CAOS.jpg

FÉNIX.png

Origem das imagens: Internet

 

Quando olhamos para a destruição de Berlim, por exemplo, depois da II Guerra Mundial, parecia impossível reconstruir a cidade a partir daquele caos, de tantos destroços, das cinzas. No entanto, quando a vontade, aliada à capacidade dos HOMENS (reparem que não disse homenzinhos) são poderosas, tudo é possível. Ressuscitar seres vivos mortos é que não é possível.

 

 

Uma Língua, ainda que morta ou mutilada, é sempre possível ressuscitar.

 

Dizem que o Latim é uma língua morta. Designação errada. O Latim é uma língua adormecida. Pode ser acordada a qualquer momento e ser activada nas escolas, o que seria bem necessário, para se compreender por que não se deve SUPRIMIR as consoantes ditas mudas.

 

Portanto, abortar a questão do AO90, não só é possível, como desejado por milhares de falantes e escreventes de Língua Portuguesa, nos oito países, ditos lusófonos. O estrago que já se fez à Língua não  é irrecuperável. Portugal ainda vai muito a tempo de desfazer o malfeito acordo.

 

Ainda ontem, foi espalhada por aí, a notícia de que os candidatos à Educação nos Cursos Superiores são os que têm pior desempenho a Português. Pudera!!!!

 

Esta notícia devia ser considerada por aquele grupo (fantasma?) que foi criado para avaliar o impacto do AO90, e que nunca mais deu o ar da sua graça, para que daí tirasse conclusões objectivas, ou seja, que a aplicação ilegal o AO90 é de tal modo caótica que, hoje em dia, e a começar pelos governantes ao mais alto nível, incluindo o Chefe de Estado português, são poucos aqueles que, em Portugal, sabem escrever correCtamente a sua Língua Materna, a Língua Portuguesa. Aliás, o que se escreve por aí nem sequer é acordês. A linguagem (escrita e falada) que anda por aí vulgarizada é um mixordês de fazer corar as pedras.

 

E a tendência é para piorar.

E não se pense que o que está instalado por aí é o sucesso do AO90, Não. O que está instalado por aí é o seu bestial insucesso.

 

De modo que, repito, se foi possível destruir o que levou séculos a ser construído racionalmente, mais possível ainda é reconstruir o que foi destruído irracionalmente, em menos de 10 anos, e fazer a Língua Portuguesa ressurgir dos destroços a que o AO90 a reduziu.


E isto em nome de um ensino de qualidade, a começar pela Língua Materna, consignado na Constituição da República Portuguesa, e a que TODOS os Portugueses têm direito. E está a falhar desastrosamente.

 

O que, neste momento, o Estado Português está a permitir, nas escolas portuguesas, é um ensino caótico, baseado numa aprendizagem INCORRECTA da Língua Materna, que engloba todas as outras disciplinas, lançando o caos e fomentando a ignorância.

 

E será que não existe em Portugal um governantezinho sequer, que se aperceba deste caos que está a transformar o nosso país no paraíso dos analfabetizados? Dos que vão para a escola desaprender a escrever?



Pensem nisto, senhores governantes e senhores professores, porque isto é uma vergonha.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:02

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quarta-feira, 9 de Janeiro de 2019

AO90 BEM-SUCEDIDO NO INSUCESSO DA SUA APLICAÇÃO ILEGAL NO MUNDO LUSÓFONO

 

A 2 de Janeiro de 2019 a “Folha de S. Paulo” publicou um artigo sob o título «Bem-sucedido, acordo ortográfico completa 10 anos e espera por ajustes».

Vamos lá pôr os pontos nos is.

 

AO90-2.jpg

 

A data da efectiva aplicação do AO90 foi apenas a 1 de Janeiro de 2016 no Brasil, e a 13 de Maio de 2015, em Portugal.

 

Além disso, o acordo não está em vigor em lado nenhum, se o Direito dos Tratados foi respeitado, porque o mundo lusófono é composto por oito, e não por apenas três países. Se o Direito dos Tratados não foi respeitado, e se tudo isto é a fingir, então estamos diante de uma fraude, com consequências graves, porque não se destrói uma Língua culta e europeia, em nome de uma fraude. Em nome de um porque-sim político.

 

O texto de a “Folha de S. Paulo” é altamente falacioso, cheio de imprecisões, que conduzem ao erro, porquanto o acordo ortográfico não completa 10 anos, e foi apenas bem-sucedido no INSUCESSO que em Portugal levou ao caos ortográfico, em Cabo Verde atirou o Português para língua estrangeira, e no Brasil? No Brasil quem o aplica? O pôvão? Os estudantes? A elite intelectual? Os paus-mandados aplicam-no, mas aplica o quê, deste acordo baseado na ortografia brasileira estabelecida em 1943, que agora querem impingir aos restantes países lusófonos, que não cederam a esta imposição ilegal, e que aplicam (e muito bem) a ortografia preconizada pela Convenção Ortográfica Luso-brasileira de 1945, que o Brasil assinou, mas logo rejeitou, fixando-se na ortografia de 1943, que suprimiu as consoantes mudas onde elas eram necessárias, destruindo a matriz da língua e as suas raízes europeias, e que serve de base ao AO90.

Estes são os factos. Irrefutáveis.

 

No texto diz-se que não existiam diferenças muito expressivas entre uma e outra ortografia, mas as distinções emperravam a difusão internacional do idioma, entre outros obstáculos.

Emperravam o quê? Porquê? Como? Que difusão internacional de que língua?

 

Apenas porque UM escreve setor, e TODOS os outros, seCtor (que todos os estrangeiros reconhecem como sendo um vocábulo europeu); o que UM escreve anistia e TODOS escrevem aMnistia (que todos os estrangeiros reconhecem, porque todos escrevem o vocábulo com M); o que UM escreve AmazÔnia, e TODOS escrevem AmazÓnia; o que UM diz e escreve “beija eu” e “nós vai” e TODOS os outros, beija-me e nós vamos? Enfim, era isto que emperrava a difusão da língua?

 

Os Brasileiros, apesar do acordo, continuarão a escrever anistia, Amazônia e a dizer beija eu e nós vai. E os portugueses e africanos de expressão portuguesa, continuaremos a escrever aMnistia, AmazÓnia, e a dizer beija-me e nós vamos. E os brasileiros continuarão a dizer e escrever uma infinidade de outras palavras que americanizaram, italianizaram, castelhanizaram e afrancesaram, apenas para se afastarem do Português do ex-colonizador, por motivos POLÍTICOS.

Estes são os factos.

 

Pode ver-se no texto as alterações que os Brasileiros tiveram de fazer APENAS na ACENTUAÇÃO e HÍFENES. Ao passo que TODOS os outros países lusófonos teriam de fazer alterações (TERIAM porque não fazem, a não ser o portuguesinho servil ou o portuguesinho desinformado ou o portuguesinho ignorante optativo) não só na acentuação e hifenização, assentes na maior das parvoíces, como em centenas de vocábulos que os Brasileiros mutilaram aleatoriamente (porque, no Brasil, alguns poucos safaram-se da mutilação, conforme se vê na imagem que ilustra este texto, e em Portugal deformaram-nos) para simplificar a aprendizagem, devido ao elevado índice de analfabetismo e iliteracia, que continua a existir no Brasil e em Portugal, com tendência para aumentar cada vez mais, nomeadamente em Portugal, com uma geração de analfabetos escolarizados, que aprenderam as letras e juntam-nas (mal) sem a mínima lógica. Uma autêntica tragédia linguística.

 

É que ao contrário dos Brasileiros, o problema português além da acentuação e hifenização assente na maior das ignorâncias, temos o grave problema dos vocábulos mutilados, que o Brasil não tem, pois já aplicam a “ortografia acordista”, desde 1943 (com as excePções quer vê na imagem).



A Língua Portuguesa é uma língua europeia, e jamais permitiremos que seja sul-americanizada, apenas para satisfazer a fantasia (para ser simpática) de políticos ignorantes.

 

A aplicação do AO90 é um enorme FALHANÇO em Portugal e no Brasil, de acordo com o que dizem os meus amigos Brasileiros mais cultos. Cabo Verde não conta, porque a língua oficial é o Crioulo Cabo-Verdiano, se bem que como língua estrangeira, o Português esteja abrasileirado, para agradar ao editor mais poderoso lá do sítio.



Nos restantes países o problema nem se põe, porque não é verdade que avancem lentamente para a UNIFICAÇÃO (como se lê no texto), porque não avançam. Jamais poderá existir unificação na diversidade dos linguajares dos oito países ditos lusófonos, porque isso seria MATAR a riqueza linguística que existe nas línguas dos OITO países lusófonos, e que não interessa a nenhum, excePto ao Brasil.

 

Portanto, dizer que o bem-sucedido, acordo ortográfico completa 10 anos e espera por ajustes, é uma grande falácia. E os ajustes a que os Brasileiros se referem são apenas no que respeita aos hífenes e ao tão saudoso trema. Mas para nós, Portugueses, que não deixaremos morrer a nossa Língua, e cada vez há mais publicações em BOM PORTUGUÊS, reivindicamos, não ajustes, mas a reposição integral, nas escolas portuguesas, para que as nossas crianças não estejam a ser enganadas, da ortografia que está, de facto, em vigor em Portugal, a de 1945, pois esta não foi revogada por nenhum decreto.

 

A Língua Portuguesa não é mercadoria barata, que esteja à mercê de negócios sujos entre políticos ignorantes e editores e livreiros mercenários. A Língua Portuguesa é Património Cultural Imaterial de Portugal, consignado na Convenção da UNESCO.

 

O que os órgãos de comunicação social servis, as escolas, pela mão de professores desprovidos do sentido de MISSÃO, e os desinformados, e os ignorantes optativos andam por aí a aplicar ilegalmente, não servirá de bitola para nada, porque a desunificação é total, o CAOS é total, e o que estava naturalmente unido, DESUNIFICOU-SE artificialmente, por via da ignorância POLÍTICA. E isto acabará por acabar, cheio te tiros nos próprios pés.

 

Isabel A. Ferreira

 

Fonte da notícia:

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/01/bem-sucedido-acordo-ortografico-completa-10-anos-e-espera-por-ajustes.shtml?fbclid=IwAR0kD_33UxGkKzfnf7C5ycmME5OLuPb2OS9XFP32T-uoH_Alw7XxDR__fuU

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:48

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sábado, 29 de Dezembro de 2018

A PROPÓSITO DE PORTUGAL CONTINUAR NA CAUDA DA EUROPA EM QUESTÕES DE EDUCAÇÃO

 

E em que matéria Portugal não está na cauda da Europa?

Mas em questão de Cultura, Educação e Ensino Portugal deixa muito a desejar, porque não tem uma política cultural e educacional de primeiro-mundo.

 

LEITURA.jpg

 

Os maiores veículos de cultura são as televisões, que só oferecem futebol, novelas brasileiras e luso-brasileiras, e programas muito "pimba", que deixam o povo em banho-maria, e usam uma linguagem bastante inculta e incorreCtamente escrita e falada. Um péssimo exemplo para as crianças.

 

Nas escolas não se incentiva nem ao saber (os manuais escolares são um monumento à imbecilidade) nem à leitura, porque também não se incentiva à aprendizagem da Língua Portuguesa na sua versão culta e europeia. E se não se aprende a ler e a escrever um Português correCto, para que servirá a leitura?

 

E a culpa é nossa? Minha não será, que não voto em inscientes, apesar de ser povo, como todo o povo.

 

Mas o povo, altamente "analfabetizado", contribui para que se mantenha a iliteracia, e o statu quo político, desastrosamente impróprio para consumo de primeiro-mundo.

 

Daí que não me admira nada este rastejar de Portugal na cauda da Europa.

 

Origem da notícia:

https://www.jn.pt/nacional/interior/portugal-continua-na-cauda-da-europa-em-questoes-de-educacao-9972246.html

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:44

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 28 de Dezembro de 2018

SE TODOS OS OBJECTIVOS DO AO90 FALHARAM POR QUE SE TEIMA EM MANTER O FALHANÇO?

 

Existe um vocábulo bem português para designar isto, o qual me dispenso a proferir, porque será óbvio para as mentes pensantes.

 

A nossa guerra não está perdida. Faltam (ainda) algumas poucas batalhas a vencer, por isso, em 2019, continuaremos a dizer o que centenas já disseram e redisseram, porque há mentes que não encaixam as coisas à primeira.

 

Nesta imagem, que encontrei na Internet, podemos ler os quatro principais pretensos objeCtivos do acordo ortográfico que impingiram a sete países da dita lusofonia (excluo o Brasil, porque a grafia preconizada pelo AO90 é a grafia brasileira (excePtuando algumas excePções), e eles, lá no Brasil, só tiveram de mudar as mal-amanhadas acentuação e hifenização, e o protesto deles limita-se unicamente a elas).


Então vejamos:

 

 

PORTUGUÊS.png

 

Nota prévia: o vocábulo objetivo (lê-se obrigatoriamente ôb’j’tivu) pertence à grafia brasileira, introduzida no Brasil em 1943. Em Língua Portuguesa escreve-se objeCtivo (lê-se ôb’jétivu) palavra que deriva do Latim objectus + sufixo -ivo.

 

ObjeCtivo um:

Pôr fim à existência de duas normas ortográficas oficiais divergentes.

 

ObjeCtivo falhado, porquanto, em vez de duas normas ortográficas divergentes, temos agora umas quantas normas ortográficas divergentes: a norma ortográfica portuguesa (intocável nos países africanos de expressão portuguesa, e mantida em Portugal pelos Portugueses que não se vergaram à imposição ilegal de um acordo que nem sequer existe); a norma ortográfica do acordês assente na grafia brasileira, e que, em Portugal, criou palavras que nem na norma brasileira existem (ex.: receção, exceção, perceção, etc.), continuando a grafar-se diferentemente AmazÔnia e anistia (Brasil) e AmazÓnia e amnistia (restantes países lusófonos); a norma do mixordês (a mistura da grafia brasileira com a grafia portuguesa numa mesma frase (actual, mas atualidade) intercalando palavras inexistentes cá (ex.: fato por faCto; contato por contaCto; intato por intaCto, etc.); e a norma do à vontade do freguês, a mais generalizada, ou seja, cada um escreve conforme lhe dá na gana (ex.: corrução, exeto, interrução, invita, etc.); fora as numerosas grafias que as chamadas facultatividades proporcionam.

 

ObjeCtivo dois:

Permitir que um único documento, numa grafia única, represente todos os países da CPLP internacionalmente.

 

Objectivo falhado. Porquê? Porque nenhum país da dita CPLP (uma comunidade muito colonial, para países que lutaram pela sua independência, com o intuito de se livrarem do colonizador, mas esquecendo-se de cortar o cordão umbilical) escreverá numa grafia única, simplesmente porque não existe uma grafia única, como ficou demonstrado. E se quisessem escrever numa grafia única qual grafia escolheriam: AmazÔnia ou AmazÓnia? ExcePção ou exceção? Anistia ou amnistia? (Isto apenas para simplificar a ideia).

 

ObjeCtivo três (o mais estúpido dos objeCtivos):

Facilitar a aprendizagem no ensino do Português como língua estrangeira.


ObjeCtivo falhadíssimo. Nunca nenhum país do mundo e arredores mutilou ou simplificou a sua grafia para facilitar o ensino da sua Língua aos estrangeiros. Até porque um inglês, um francês, um alemão, um espanhol ou mesmo um oriental aprenderá mais facilmente a Língua Portuguesa original, uma língua greco-latina, com todas as consoantes mudas nos respeCtivos lugares, do que uma língua sul-americanizada, mutilada, desenraizada, que nada tem a ver com a grande família linguística Indo-Europeia, que deu origem às línguas europeias mais faladas do mundo, na qual está incluída a Língua Portuguesa e a Língua Inglesa, a língua de comunicação INTERNACIONAL, e jamais a Língua Portuguesa acordizada será uma língua de comunicação internacional, simplesmente porque essa não é uma Língua, mas tão-só um dialecto que já foi Língua e, por uma questão político-económica com muita ignorância à mistura, passou de cavalo para burro. E um dialecto jamais poderá ser língua de comunicação internacional. E, porque não pode, o que é dialecto (brasileiro) passará a língua, que, contudo, não terá a designação de Portuguesa, muito brevemente. Além disso, qualquer estrangeiro aprenderá muito mais facilmente o Português correCto, do que o Português mutilado. Para eles, o termo correto à brasileira (lê-se obrigatoriamente currÊtu) não tem o mínimo sentido. E a razão é bastante óbvia.

 

ObjeCtivo quatro (outro objeCtivo dos mais parvos):

Promover a unidade ortográfica do Português, concedendo-lhe assim uma maior visibilidade internacional.

 

ObjeCtivo com falhanço total. Porquê? Porque jamais haverá uma unidade ortográfica do Português, conforme já ficou demonstrado. E ainda que isto pudesse acontecer, a maior visibilidade internacional que se pretende dar à língua é à da norma brasileira, que se afastou substancialmente do Português, e o que circularia por aí seria (será) em breve designado por Língua Brasileira, conforme já se vê, ouve e lê. Quando se ouve um brasileiro a falar diz-se que fala brasileiro. Ou não?

 

Ainda ontem, no YouTube, e a este propósito, um cidadão brasileiro dizia-me isto num comentário:

 

Pedro13 Há 4 horas

@Isabel A. Ferreira Aliás, que coisa feia, hein, Dona Isabel! Cuspindo no prato que comeu. Viveu um pedacinho da infância no Brasil e fala mal desse jeito da nossa variante. A senhora não sabe que não se deve cuspir no prato que comeu? Repense seus conceitos.

Ler mais

Mostrar menos

E eu respondi-lhe isto:

Responder 1

Denunciar

Isabel A. Ferreira Há 1 hora

Sinto muito que não saiba INTERPRETAR o que escrevi. A Literacia não é o seu forte, estou a ver. Sim, eu vivi parte da minha infância e parte da minha adolescência e juventude no Brasil, e aprendi a ler e a escrever no Brasil, sim. O Brasil é a minha segunda pátria, e tal como a minha primeira pátria (Portugal) é passível de CRÍTICAS. Não tenho nada contra o DIALECTO BRASILEIRO, desde que não lhe chamem PORTUGUÊS. Para dialeCto, a palavra "dialeto" (como vocês escrevem) está muito bem. Em Português essa palavrinha sem o CÊ, lê-se OBRIGATORIAMENTE dialÊtu, e "dialÊtu” não faz parte do vocabulário PORTUGUÊS. E já agora, QUEM CUSPIU NO PRATO EM QUE COMERAM foram os brasileiros, ao mutilarem a Língua dos seus antepassados: o Português. Nenhuma outra ex-colónia o fez.  

Fui clara?

***

Ainda não obtive resposta.

 

O problema aqui é essencialmente este: o Brasil quer impor-se ao mundo através da Língua do ex-colonizador, deslusitanizada, reduzida a dialecto, mutilada, afastada das suas raízes europeias greco-latinas, como o preconizou Antônio Houaiss, tudo isto assente numa inconcebível lusofobia, introduzida no Brasil pelos marxistas brasileiros que, ignorantemente, lêem a História à luz dos valores actuais, e não à luz dos valores da época dos Descobrimentos. Isto é como criticar o Homem das Cavernas por usar a moca para resolver problemas, e não o diálogo, como as gentes civilizadas hoje fazem (e apenas as civilizadas, as outras, as incivilizadas, usam armas nucleares).

 

E este é o busílis da questão, que os governantes portugueses, enceguecidos pelo deslumbre de eles (os Brasileiros) serem milhões e nós milhares, se recusam a ver. E jamais a quantidade foi bitola para descartar a qualidade. Em parte alguma do mundo e, quiçá, do Universo.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:10

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Terça-feira, 4 de Dezembro de 2018

NESTE NATAL OFEREÇA LIVROS LIVRES DO AO90

 

Sugestões de Português de Facto (link):
https://www.facebook.com/pg/portuguesdefacto/posts/?ref=notif

 

Os GRANDES AUTORES recusam-se a adoptar o AO90.

Nem todos são servis e escravos do Poder.

Ainda há quem seja livre.
Ainda há quem ame a Língua Portuguesa. Nem tudo está perdido, em Portugal.

Uma vez que há o hábito de oferecer livros, no Natal (como já li algures), ao menos que sejam em Português escorreito.

Em permanente actualização:

 

Natal%20É%20Nacional.png

47157253_2140961996120651_1599223659552047104_n.jp

47576215_1990458301040700_8218655207794409472_n.jp

48088545_2002628586490338_1424837915636137984_n.jp

48361578_2002241016529095_5812680370423857152_n.jp

48364630_2001145603305303_7350355181529202688_n.jp

48365295_2001148813304982_7581548933155913728_n.jp

48370671_2003919606361236_5835192849527734272_n.jp

48388317_2005058416247355_1241115943610875904_n.jp

48332744_2002502186502978_2202462085542051840_n.jp

48357271_2000980409988489_1773243626873159680_n.jp

48344993_1999799496773247_3727462018660171776_n.jp

48247947_2000711703348693_3989164104106377216_n.jp

47571486_1997037207049476_568252524339920896_n.jpg

47580505_1995345807218616_363126634334650368_n.jpg

48046769_1999800283439835_5848174078942248960_n.jp

48059758_1995709937182203_1191410733770866688_n.jp

 

47390759_2221095734589616_7919978315832623104_o.jp

47422970_1993019377451259_4134649111871750144_n.jp

47574820_1994568430629687_485800387891167232_n.jpg

47579332_1991872727565924_7524251569756307456_n.jp

47580505_1995345807218616_363126634334650368_n.jpg

47688499_1995307583889105_6474338250084319232_n.jp

48059758_1995709937182203_1191410733770866688_n.jp

21116342_E71hH.jpg

21129948_k8KTN.jpg

46007325_2014660738590645_5674335634118934528_n.pn

46190514_1965731833513347_8830101604049879040_n.jp

46332263_1833622446734905_2841994183479132160_n.jp

46482685_1968998293186701_1458440739032662016_n.jp

46486122_1974195862666944_5397945645283672064_n.jp

46526104_1971705252916005_6944836318039900160_n.jp

47320574_1991166124303251_3844699769549094912_n.jp

47370978_1990347291051801_1260610825937223680_n.jp

47375585_1991494797603717_2726262973973659648_n.jp

47576215_1990458301040700_8218655207794409472_n.jp

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:02

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

PORQUÊ SETE PAÍSES LUSÓFONOS TÊM DE SE SUBMETER À GRAFIA BRASILEIRA?

 

Façamos um raciocínio e (porque não?) um juramento de sete, para um outro acordo: em vez de sete cederem a um, esse um cede a sete…

(Este meu texto está baseado na leitura deste outro texto: «Toda a lógica instrumental do AO90 é brasileira», de Marco Nunes Carreiro (repórter e escritor brasileiro), que pode ser lido neste link:

http://cedilha.net/ap53/?p=4096

 (É preciso acrescentar que a grafia usada por Marco Nunes Carreiro (efetivo, ação, atual, janeiro, reflete, didáticos) é a que o Brasil utiliza desde 1943, quando começaram a suprimir as consoantes mudas, ou seja, a mesma que o AO90 defende, mais acento, menos acento, mais hifene, menos hifene, mais e numa ou outra palavra. E atenção! No Brasil, com o AO90, os Brasileiros apenas têm de mudar hífenes e acentuação. Nós, Portugueses, mudamos os mesmos hifenes e acentuação, e suprimimos as consoantes mudas que os brasileiros suprimiram, mas também as que os brasileiros não suprimiram), e tudo isto para UNIFICAR.)

JURAMENTO.png

O Juramento dos sete chefes, de Alfred Church (inspirado num episódio da tragédia de Ésquilo Os Sete Contra Tebas).

 

São oito os países que fazem parte da Lusofonia: Portugal, Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Brasil e Timor-Leste, único país que ficou a leste do acordo. Certo?

 

Destes oito países lusófonos, apenas o Brasil, por motivos que já todos nós conhecemos (mas que nunca é demais repetir), ou seja, para facilitar a aprendizagem da Língua que foi escolhida para língua oficial depois da independência, em 1822 (poderiam ter escolhido uma das línguas tupi-guarani, por exemplo), com o intuito de diminuir o elevado índice de analfabetismo que então grassava no país (e que permanece até hoje, apesar de…), adoptou a estratégia simplista de suprimir consoantes mudas, atropelando a Etimologia de vocábulos que têm uma história, transformando a Língua Portuguesa numa espécie de Dialecto Brasileiro, assente nessa escrita mutilada, onde as mais básicas regras gramaticais são também atropeladas.

 

Ora é este Dialecto Brasileiro, designado, erradamente, por Português do Brasil, agora apelidado de AO90, que Portugal e Brasil querem, impor aos seis outros países que sempre se mantiveram fiéis à versão culta e europeia da Língua Portuguesa, e quando digo culta e europeia, não quero dizer com isto que a versão brasileira seja inculta; europeia sabemos que não é. E inculta não será, se falarmos de dialecto.

 

Portanto a pergunta que se faz é a seguinte: por que carga de água é que sete países têm de deixar de escrever correCtamente a Língua Oficial deles, apenas porque um país que a escreve mutilada, assim o entende, e por razões das mais absurdas, como se pode atestar no texto que escrevi sob o título «Eu acuso o governo português de tentativa de homicídio da Língua (Oficial) Portuguesa» que pode ser consultado neste link:

 http://olugardalinguaportuguesa.blogs.sapo.pt/eu-acuso-o-governo-portugues-de-42284

 

 Então, o que proponho é que Portugal, Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Timor-Leste se unam e, em vez de sete países, que sempre escreveram correCtamente a Língua Oficial, que faz parte da identidade desses países, passarem a escrever incorreCtamente a língua, seja o Brasil, que se desviou da matriz dessa mesma Língua, a regressar às origens e, deste modo, a Língua Portuguesa ficaria, de facto, unificada nos oito países lusófonos.

 

Os Brasileiros são milhões? São.

 

Mas são milhões a escrever incorreCtamente uma Língua que milhares (talvez também abeirando os milhões, se exceptuarmos os milhares de analfabetos ainda existentes no Brasil) escrevem correCtamente.

 

Não queiramos passar de cavalo para burro, que significa ficar pior do que se está, trocar o que se tem de bom por coisa pior ou descer de categoria... Neste caso, trocar uma Língua pelo dialecto de uma ex-colónia.

 

E diz-nos a lógica que não se deve impor a sete povos o que apenas um só povo não faz certo.

 

Nunca entendi esta vergonhosa subserviência do governo português a um país que não respeitou a língua que herdou de antepassados comuns. Que a desfez, desenraizando-a, apartando-a das suas origens: na pronúncia, na sintaxe, na gramática, na ortografia, no vocabulário que afrancesaram, americanizaram, italianizaram, castelhanizaram, enfim, deslusitanizaram a Língua Portuguesa, como o pretendeu o linguista Antônio Houaiss.

 

Sete países não podem vergar-se à vontade de um.

 

Sete países têm em comum uma ortografia unificada. Por que estes sete países deveriam destruir essa união, apenas para fazer o jeito a editores/livreiros e políticos brasileiros e portugueses impatriotas que apenas pretenderam encher os bolsos à custa desta negociata de dois contra seis?

 

Digo isto, e nunca é demasiado dizê-lo, porque a ortografia que o governo português quer impingir-nos ilegalmente não é mais do que a ortografia utilizada no Brasil, desde 1943, quando se começou a suprimir as consoantes mudas) com a agravante de desunificar mais do que unificar as duas grafias existentes, até porque os Portugueses já começaram a  escrever incorrectamente, palavras que os Brasileiros sempre escreveram correCtamente, dando, deste modo, uma no cravo, outra na ferradura.

 

Por exemplo: recepção, infecção, concepção, espectador… Mas porquê recePção, mas adoção (âdução – é assim que se lê isto), no Brasil? Por que os Brasileiros lêem o P de recePção e não lêem o P de adoPção? Isso não é motivo, é ignorância. Assim como é ignorãncia, os subservientes portugueses escreverem “receção” (lê-se rec’ção) em vez de recePção (lê-se recéção, se bem que eu leio o P de recePção).

 

Que seja então como na tragédia de Ésquilo: os sete países lusófonos que sempre tiveram a língua unificada, contra o AO90, engendrado no Brasil, e que só desunifica a língua comum.

 

Ou não seja este acordo a verdadeira tragédia do desacordo.

 

Contudo há que acrescentar um detalhe: se o AO90 se engendrou a partir do Brasil, foi em Portugal que ele assentou arraiais com a união do Malaca Casteleiro (traidor da pátria) a Evanildo Bechara, os engendradores-mores do AO90, que governantes incultos de Portugal e Brasil querem impor aos Portugueses e aos restantes países lusófonos.

 

(Observação: este texto foi escrito sem qualquer preconceito contra o Brasil, que tenho como minha segunda Pátria, e como tal, passível de ser criticada como a minha primeira Pátria – Portugal. É que para mim, amigos, amigos, negócios à parte. Não misturo negócios (neste caso, obscuros) com o meu relacionamento pessoal com os meus irmãos brasileiros. E quem me conhece sabe disso. Quero o melhor e na mesma medida, para o Brasil tal como quero o melhor para Portugal, o meu país natal. Apenas isso. E que o Brasil mantenha o seu Dialecto como Língua oficial).

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:50

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 3 de Dezembro de 2018

«SERÃO OS AFRICANOS DE EXPRESSÃO PORTUGUESA A VIREM ENSINAR AOS PORTUGUESES A ESCREVER CORRECTAMENTE A SUA LÍNGUA»

 

Recebi, via e-mail, uma carta de um ex-professor do Ensino Secundário, a qual aqui transcrevo, com a devida autorização, e que traça um retrato real da vergonhosa e inconcebível situação que se vive actualmente em Portugal, à conta do AO90.

A publicação desta carta insere-se numa acção a levar a cabo, brevemente, pelo Movimento em Prol da Língua Portuguesa (MPLP), que a seu tempo será divulgada.

Para já, fiquemos com a referida carta e com este grito de Pedro Barroso.

Sim, seremos milhões a não compreender o assassinato do NOSSO PORTUGUÊS.

 

PEDRO BARROSO.png

 

Carta de António Vieira

(Os excertos a negrito são da minha responsabilidade).

 

Sr.ª Isabel A. Ferreira

 

Não vou tomar-lhe tempo com os argumentos esgrimidos contra esta aberração (ou acordo "mortográfico" na lúcida e muito oportuna tirada jocosa do Dr. António Bagão Félix), dado que os mesmos são já sobejamente conhecidos.

 

Fui professor do Ensino Secundário até há cerca de um ano, na Escola Secundária José Estevão, em Aveiro (actualmente sou empresário) e pude constatar diversas posturas de Colegas meus professores de Português: uns abertamente contra, mas "rumorejando" em silêncio (dado que a chantagem exercida pelas chefias e a preservação do posto de trabalho "falam sempre mais alto").

 

Outros, arvorados em "progressistas" de "ideias avançadas e arejadas" apoiam a aberração em causa, mas furtam-se a um debate sério (presumo que alguns deles colaborem com Editoras de manuais escolares e os "trocos" suplementares vindos ao fim do mês venham sempre a calhar!, há sempre quem se venda por um prato de lentilhas).

 

Na minha modesta opinião, penso ser de aproveitar os seguintes pontos:

 

1º- O Ministro da Educação actual, Tiago Brandão Rodrigues, é contra o "AO 90” e faz parte da plataforma no "Facebook" (foi uma agradável surpresa eu ficar sabedor deste dado crucial).

 

2º- Angola já declarou a não-conformidade com o AO90 e declarou que o não o irá ratificar. (Moçambique, parece-me não ter uma posição muito definida, julgo que o que pretende é que lhe ofereçam os manuais escolares à borla, seja em que grafia for). Penso que se houver pressão por parte de algumas figuras políticas de peso no sentido de se moverem "nos bastidores" (é assim que as coisas se processam sempre) algum resultado poderá ser atingido). Mas do que não tenho dúvidas é que se houvesse um número suficiente de professores que declarassem uma resistência frontal e adoptassem uma atitude de desobediência deliberada (semelhante à de uma greve), o peso do número não deixaria de constituir um argumento inultrapassável, tanto mais que o Ministro da tutela também se encontra do mesmo lado da "barricada", assim, por meio duma "arregimentação" através das redes sociais (isto hoje é facílimo), numa iniciativa sincronizada, aí não tenho dúvidas de que a questão ganharia outros contornos, não de uma solução definitiva, mas lá que o barco apanhava um forte "rombo" não tenho quaisquer dúvidas.

 

Tenho a certeza duma opinião emanada pelo Doutor Menezes Leitão (Prof. Catedrático de Direito em Lisboa e Presidente da Associação de Senhorios) segundo a qual "iremos passar pela vergonha de serem os Africanos, nossos ex-colonizados, a virem tornar a ensinar aos Portugueses a escrever correctamente a sua Língua (no site "Moçambique e o AO90").

 

E, sintomaticamente, é negativa a apatia e impavidez do nosso Povo totalmente "embrutecido" com a bola, com o Ronaldo, etc. que se acomoda e adopta uma postura totalmente distinta dos nossos vizinhos aqui do lado (galegos, catalães, etc.) que defendem os seus idiomas com unhas e dentes, embora já se assista a algum inconformismo (fui testemunha duma conversa de rua aqui em Aveiro, há algum tempo de pessoas falando contra o AO90), mas ainda há dias na "receção (?)" do escritório duma empresa, questionei a funcionária que respondeu: «...agora com o acordo ortográfico..." e eu perguntei-lhe: mas qual acordo? de quem, com quem? e ela não fazia a menor ideia do que eu estava a referir. E como esta, muitas outras pessoas, dentro do espírito de "carneirada e... Maria vai com as outras!".

 

Entrego-lhe em mãos estas duas sugestões, fico grato pela atenção dada a este breve e singelo libelo pessoal de inconformidade.

 

Com um abraço, subscrevo-me atenciosamente,

 

António José Ferreira Simões Vieira»

 

***

Não podia estar mais de acordo com tudo o que António Vieira escreveu, nomeadamente quanto à postura dos professores, que se quisessem, já tinham acabado com este desacordo.

 

A chantagem das chefias são um vergonhoso modo de impor algo que está para além da racionalidade. Contudo, as pessoas não deviam aceitar placidamente essa chantagem, até porque ninguém seria despedido por desobedecer a algo que é ILEGAL.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:57

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Domingo, 25 de Novembro de 2018

AS RACIONAIS RAZÕES DE MIGUEL MATTOS CHAVES CONTRA O ACORDO ORTOGRÁFICO

 

Excelente razões, racionais razões, que apenas os cegos mentais não vêem, que também são as minhas, e que deviam ser as razões de todos os Portugueses que se prezam de o ser; dos que utilizam as palavras como instrumento de trabalho, nas profissões que exercem; e também dos que governam Portugal, para que a Língua Portuguesa retome o lugar que é dela, por direito, e que lhe foi abusivamente arrancado por ignorantes e  mercenários.

Um texto objectivo, que resume o essencial da argumentação contra a fraude ortográfica, chamada AO90.

(Isabel A. Ferreira)

 

12804631_10206300446965259_8104821643901750049_n M

 

«RAZÕES CONTRA O ACORDO ORTOGRÁFICO

  1. A Língua materna é o Português estabelecido ao longo de Séculos, neste sítio do Sudoeste Europeu;
  2. Esta Língua foi exportada para África, Ásia, Oceânia e América do Sul, a partir dos séculos XIV e XV;
  3. Foi adoptada como linguagem de comunicação comum, por vários povos;
  4. Foi tendo uma evolução de vocabulário e de escrita, tanto na origem, como nos povos adoptantes da mesma;
  5. Com a diáspora foi-se espalhando para outros países e territórios;
  6. Mas tendo sempre por base... a MATRIZ.
  7. Fazendo algum paralelismo com a expansão de outras línguas:

(A) O Castelhano expandiu-se, a partir da sua matriz europeia, para a América do Sul e Norte de África;

(B) O Inglês para a Ásia, Oceânia, América do Norte e África, a partir da sua matriz europeia;

  1. Nenhuma destas línguas é falada e escrita da mesma forma, nos territórios de origem e nos territórios (hoje países) de destino;
  2. Daí não advém nenhuma questão de comunicação; Não se dificultou, de nenhuma forma, a comunicação entre os vários Povos adoptantes e o Povo da matriz;
  3. Não há Nenhum Acordo Ortográfico que submeta qualquer das Línguas (Castelhano, Inglês ou Francês) à dimensão de outros territórios onde se adoptou a Língua Mãe;
  4. Isso não prejudicou, nem prejudica a Língua, nas suas diversas matizes, nem a sua força internacional;
  5. Todos respeitam os matizes diversos da língua comum e entendem-se bem na sua essência;
  6. Os EUA têm 300 milhões de habitantes, a Índia 1 bilião, a Inglaterra apenas cerca de 40 milhões, os Escoceses e Galeses cerca de 30 milhões;
  7. Nem por isso deixam de manter a sua autonomia Linguística;
  8. Não vejo, à face destes factos, nenhuma razão Teórica ou Prática, para Portugal adoptar (com carácter de Normas Positivas, de cumprimento obrigatório) as nuances da Língua falada e escrita noutras partes do Mundo;
  9. Não vejo a necessidade de se Desvirtuar a Língua Matriz;
  10. Por isso, e porque a Língua é um dos factores mais fortes da Identidade Lusíada.

Não vejo a utilidade de se atenuar a identidade de um Povo com 8 séculos de história, em favor de nuances com menos de 300 anos;

  1. Não vejo qualquer utilidade (a não ser pelo nacional-saloísmo) de adoptarmos um acordo que desvirtua a Língua Matriz do Mundo Lusófono.

Por mim nunca adoptarei a dita "nova" escrita.

Miguel Mattos Chaves»

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10206310261130607&set=gm.700266263410166&type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:22

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Janeiro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. APLICAÇÃO DO AO90 NAS ESC...

. LÚCIA VAZ PEDRO QUER MAIS...

. A IRREVERSIBILIDADE DO (D...

. AO90 BEM-SUCEDIDO NO INSU...

. A PROPÓSITO DE PORTUGAL C...

. SE TODOS OS OBJECTIVOS DO...

. NESTE NATAL OFEREÇA LIVRO...

. PORQUÊ SETE PAÍSES LUSÓFO...

. «SERÃO OS AFRICANOS DE EX...

. AS RACIONAIS RAZÕES DE MI...

.arquivos

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO