Segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2019

ADMIRÁVEL LÍNGUA NOVA (PARTE X)

 

Mais um admirável texto de Manuel Matos Monteiro, onde o AO90 e a sua irracional aplicação estão na berlinda.

 

Manuel Monteiro.jpg

Manuel Matos Monteiro *

 

«O Acordo e a sua aplicação encarregaram-se de aniquilar os seus apregoados objectivos. A impossível unificação traduziu-se no acentuar das diferenças ortográficas entre o português de Portugal e o português do Brasil.

 

— Vais comprar um carro novo?

— Vou. O meu carro para sempre.

 

Guarde bem a ideia do diálogo.

 

Leia agora:

 

— Vais comprar um carro novo? 

— Vou. O meu carro pára sempre.

 

Neste jornal, Francisco Miguel Valada, em 1 de Dezembro de 2018, apresentou dois exemplos que falam por si. Vejamos. “Bloqueio nos fundos da UE pára projecto de milhões na área do regadio” (um título deste jornal) — é evidente que “Bloqueio nos fundos da UE para projecto de milhões na área do regadio” será lido de outra forma. Tão evidente, que os jornais, as revistas, os canais televisivos que adoptaram o Acordo continuam a pôr abundantemente o acento no “pára” quando querem desmanchar a ambiguidade ou até a leitura errónea. Faz lembrar Ricardo Araújo Pereira: “Pode-se fazer, mas é proibido.” O outro exemplo vem de Saramago (Cadernos de Lanzarote II): “Ninguém pára para o socorrer.” Com o Acordo, ficará a parecer gralha ou gaguez: “Ninguém para para o socorrer.”

 

E já que falamos do Nobel da Literatura e do Acordo, mergulhemos em Bob Dylan traduzido (Canções — Volume I).

 

(Deixemos de lado o merecimento ou desmerecimento do Nobel, quando a poesia tem uma percentagem escassíssima na lista dos galardoados. Dylan será certamente um poeta maior do que Cummings, Herberto Helder, Auden. E terá até dado um contributo à literatura que, por exemplo, Tolstói, Joyce, Borges, Proust, Fitzgerald, Nabokov, Conrad, Virginia Woolf, Lawrence Durrell não deram.)

 

Oh, a Primeira Guerra Mundial, rapazes

Desperdiçou a sua sorte

A razão para a luta

[…][1]

 

Imagine que era uma edição acordizada. Imagine que no original estava “A razão pára a luta”. Ficaria igual à fiel tradução do que Dylan realmente escreveu: The reason for fighting.

 

Alguém consegue explicar porque desaparece obrigatoriamente o acento de “pára”, enquanto se preservam os acentos de “pôr” e “pôde” e se decreta — pasme-se — a facultatividade do acento de “dêmos”? Ninguém.

 

Camilo Castelo Branco, em O Santo da Montanha: “Já que morreu a serpente, demos duas cabriolas; que, medrosos de seus olhos, nada até ora fizemos.”

 

Sem tirar o acento e como Camilo escreveu: “Já que morreu a serpente, dêmos duas cabriolas; que, medrosos de seus olhos, nada até ora fizemos.”

 

Alguém consegue explicar a vantagem da facultatividade do acento em “dêmos”?, em “lavámos”, “jogámos”, “ganhámos”, “trocámos”? Ninguém.

 

Que ornamento ortográfico é este que só serve para confundir o tempo pretérito com o tempo presente e até futuro? “Não ganhamos” poderá ser, com o Acordo, “não ganhamos” (no presente), “não ganhamos” (opinião sobre algo que se realizará futuramente, passe a redundância) ou… “não ganhámos” (no passado).

 

Que ganha a Língua Portuguesa com isto?

 

Que ganha a Língua Portuguesa por “descaracterizámos” (no pretérito perfeito) passar a dispor de um cardápio de quatro ortografias: “descaracterizámos”, “descaraterizámos”, “descaracterizamos” e “descaraterizamos”?

 

Alguém consegue explicar a razão que presidiu a estas decisões? Ninguém.

 

Não tendo sido aprovado o Acordo de 1986 (que pretendia abolir os acentos das palavras graves e esdrúxulas), o Novo Acordo — o de 1990… porque porque será que, em 2019, ainda se fala tanto do dito?, será pelos seus inexcedíveis méritos? — lá condescendeu que se mantivessem acentos nas palavras graves e esdrúxulas: “análise (s.[2])/analise (v.[3]), fábrica (s.)/fabrica (v.), secretária (s.)/secretaria (s. ou v.), vária (s.)/varia (v.), etc., casos que, apesar de dirimíveis pelo contexto sintáctico [eis o Acordo a não seguir o Acordo], levantariam por vezes algumas dúvidas e constituiriam sempre problema para o tratamento informatizado do léxico”.

 

No caso do “pára”, porém, o acento desaparece, porque “tratando-se de pares cujos elementos pertencem a classes gramaticais diferentes, o contexto permite distinguir claramente tais homógrafas”. Mas esperem lá, os exemplos de “análise/analise”, “fábrica/fabrica”, “secretária/secretaria [que pode ser forma verbal], “vária/varia” não pertencem também a classes gramaticais diferentes?! E o “para” que é “pára” não levanta “por vezes algumas dúvidas”?! Continuando nesta lógica de manicómio: e “pôde”, que é palavra grave e tem uma frequência muito menor na escrita do que “pára”/”para”, porque manteve o acento para não se confundir com “pode”?

 

Tudo isto serviu para internacionalizar a Língua Portuguesa? Quem é tão tolo que possa acreditar nisso? Tudo isto serviu apenas para a abandalhar.

 

O Acordo e a sua aplicação encarregaram-se de aniquilar os seus apregoados objectivos. A impossível unificação traduziu-se no acentuar das diferenças ortográficas entre o português de Portugal e o português do Brasil, com a criação de palavras num laboratório exclusivo para o português de Portugal, porque os Brasileiros pronunciam muitas consoantes etimológicas que nós não pronunciamos; na destruição dos vestígios do nosso património cultural e no consequente afastamento ante as línguas que preservaram as raízes etimológicas; numa proliferação diária e omnipresente de erros em falsas “consoantes mudas” (nasceram milhões de “contatos”); num português falado que vai fabricando pronúncias inauditas com o fechamento de vogais (revelou-se que, afinal, era bem mais fácil ensinar que “recepção” se escrevia com p do que ensinar que “receção” se deve ler “recéção” e não “recessão”, como por aí crescentemente se vai dizendo).

 

Continuemos a exigir dos políticos discussão e acção quanto ao Acordo. Não esqueçamos, porém, a arma essencial: a resistência de cada indivíduo e instituição: não adoPtar o Acordo. É o combate de quem rejeita que a estupidez vingue sobre a inteligência.

 

[1] Agradeço ao professor João Esperança Barroca o envio da fotografia da página do livro.

[2] Substantivo.

[3] Verbo.

* Autor, jornalista, formador e revisor

 

Fonte:

https://www.publico.pt/2019/02/23/culturaipsilon/opiniao/admiravel-lingua-nova-parte-x-1863129?fbclid=IwAR1LtntyAB6Nouu-MajxiR2TcE5czcocH8SxHtPqEQbC--OmfGwwHErznXM#gs.a854ol2l

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:03

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 6 de Setembro de 2018

JÁ NÃO HÁ PACHORRA PARA AS IGNORÂNCIAS DOS ACORDISTAS

 

Recebi dois comentários insólitos, que me proponho esmiuçar e divulgar, para servir de LIÇÃO a todos os que acham que todos os Portugueses são parvos ou ignorantes.

 

Se querem argumentar comigo sejam racionais e tenham um mínimo de conhecimento sobre as matérias que pretendem comentar.

 

É que já não há pachorra para tanta ignorância optativa, uma doença social que, no entanto, tem cura (já hoje é a segunda vez que digo isto).

 

ALBERT.png

 E  a minha vontade de ver devolvida a grafia portuguesa a Portugal é mais poderosa do que o vapor, a electricidade e a energia atómica. Podem crer.

 

Se repararem, os comentários chegaram-me num espaço de segundos, no mesmo dia, e no mesmo estilo.

 

Gonçalo comentou o post A “SEMIRRÊTA” (***) às 14:42, 05/09/2018 :

Eu fico de boca aberta com comentários como o seu aqui e o próprio artigo do A M Pires Cabral. É essa xenofobia tão característica de nosso amado e triste Portugal. Triste como o nosso fado. É por isso que ainda evoluimos pouco e talvez nunca cheguemos ao que sonhamos ser como país: um país moderno. As diferenças entre o Português de Portugal e o Português do Brasil são dialetais. Existem, mas não justificam de maneira alguma a consideração do Português do Brasil como língua diferente. O resto é isso mesmo, xenofobia. É algo que tem acontecido entre vizinhos, como na Sérbia e na Croácia. Como se diz moeda no Brasil? Moeda. Em espanhol Moneda. Como se diz Lua no Brasil? Lua. Em Espanhol Luna. Como se diz Engraçado no Brasil? Engraçado. Como se diz em Espanhol: Gracioso. O Espanhol é uma língua diferente. O PortuguÊs do Brasil NÃO é. É uma variedade dialetal da mesma língua. Como o Flamengo e o Holandês. E tantos outros exemplos. A ignorância do povo, que é incapaz de aceitar mudanças positivas, por essa alergia que as pessoas fechadas têm às mudanças é a verdadeira causa dessa reação em Portugal ao Acordo Ortográfico. Unificar a ortografia da nossa língua favorece o aprendizado por parte de estrangeiros (que até hoje não entenderam essa parvoíce de ter duas ortografias para a mesma língua). Favorece o comércio. Favorece o intercâmbio cultural. Só os retrôgrados que não conseguem sequer se adaptar a mudar como escrevem 1% DAS PALAVRAS(!!! Oh meu Deus, que enorme sacrifício) são contrários a isto. As crianças aprenderão a ortografia atual e nem mais vão lembrar daquela velha ortografia, que é desnecessária. Como quando Portugal mudou a ortografia de palavras como producto para produto e não aconteceu ABSOLUTAMENTE NADA. Então, querida, velha um pouquinho além do seu nariz. A vida não é apenas sobre VOCÊS. Viram outras geração e usufruirão este Acordo Ortográfico. Enquanto isso, seria bom s e darem conta do antiquados e rabugentos que vocês são. Estamos fartos de tanta parvoíce.

 

***

Bem, pelo estilo da linguagem deste comentário e pelo que se diz na parte final, é um autêntico papo de brasileiro.

 

Pois, senhor Gonçalo, não me surpreende nada que fique de boca aberta com o que nós, defensores da Língua Portuguesa, comentamos ou escrevemos. Vivemos em mundos diferentes, com opções e saberes muito diferentes.

 

O senhor Gonçalo, por exemplo, não sabe o significado de xenofobia. Mas de lusofobia, sabe, com toda a certeza, tanto sabe que deixou escapar, no final deste seu brilhante comentário, essa lusofobia que vos revolve as entranhas.

 

Pelo choradinho da sua prosa, triste Portugal, triste como o fado (isto até dava letra de fado) vê-se que é alguém que ama Portugal tanto como eu amo um monte de lixo. E na verdade, com gente como o senhor Gonçalo, um país não tem condições de evoluir.

 

Os acordistas, coitados, no seu fraco e pobre entendimento, acham que para se ser moderno tem de se ser idiota e ignorante. Mas enfim, cada um opta pelo que lhe dá mais jeito para encher os bolsos e o ego.

 

Depois alapam-se na ignorância, e não se interessam por ler, por se informarem, por se cultivarem. Os linguistas (os verdadeiros) portugueses e brasileiros (e há publicações sobre esta matéria, que já citei no meu Blogue) dizem claramente que o que se escreve e fala no Brasil é o Dialecto Brasileiro, e até já há linguistas brasileiros, que lhe chamam Língua Brasileira (e se já não é, muito brevemente será) de tão distanciado que está da Língua Portuguesa. E não há Português de Portugal, e muito menos Português do Brasil. O que há é Língua Portuguesa e Dialecto Brasileiro. E quem não sabe isto é ignorante. E quem sabe isto não é xenófobo. É esclarecido. Vá esclarecer-se, senhor Gonçalo, para não andar por aqui a ignorantar.

 

O seu argumento para explicar o inexplicável, é tão infantil, mas tão infantil, que mete dó. O senhor que idade tem? Se já escreve (se bem que muito mal) terá uns sete anos?

 

Olhe a sua lógica: como se diz eléCtrico no Brasil? Bonde. Como se diz comboio no Brasil? Trem. Como se diz rebuçado no Brasil? Bala. Como se diz quarto-de-banho no Brasil? Banheiro. Bem, podia estar aqui o dia todo. Mas chega desta conversa, porque não nos interessa esta parte. O que nos interessa é a grafia. Como é que se grafa António, Amazónia, ideia, no Brasil? Antônio, Amazônia, idéia… E como se grafa seCtor, direCto, excePto, Setembro, no Brasil? Setor (s’tôr), direto (dirêtu), exceto (excÊtu), setembro.

 

E chamar a isto mudanças positivas é como dizer que existe luz nas trevas.

 

Depois, chamar a isto UNIFICAÇÃO para facilitar a vida aos estrangeiros, é passar um atestado de uma monumental estupidez a si próprio. Quem troca uma Língua por um dialecto, para favorecer a aprendizagem de estrangeiros, é a coisa mais estúpida que já ouvi na vida.

 

Ó senhor Gonçalo, que o senhor tenha vocação para a estupidez, nada contra, mas vá ser estúpido assim lá na Cochinchina. Isso não é um argumento é uma monumental idiotice.

 

E pensar que a Língua Portuguesa está ameaçada (ainda não foi, e garanto-lhe, não será destruída) por uns ignorantes deste calibre!

 

E se você, como brasileiro que parece ser, acha que os portugueses são antiquados e rabugentos, imagine o que nós, Portugueses, pensamos dos gonçalos brasileiros. Nem lhe digo, nem lhe conto! Dos Brasileiros, dos outros, pensamos que devem estar muito envergonhados deste seu comentário tão ignorante quanto idiota.

 

***

Quatro segundos depois, chega-me este outro comentário, também do lado de lá e do mesmo estilo:

 

vincedee comentou o post HOJE (2 DE SETEMBRO DE 20016) NUM TELEJORNAL DA SIC às 14:46, 05/09/2018 :

Isto é apenas conhecido como uma EXCEÇÃO. Todas as regras têm exceções. O acordo ortográfico reconhece de maneira específica o termo FACTO usado em Portugal. Dever ser escrito e pronunciado em Portugal posto que é efetivamente pronunciado em Portugal. Parece-me que não conheces bem o Acordo. Leste bem? O Acordo aplica-se, neste caso, apenas ao que não é pronunciado. Como o "p" de EXCEPÇÃO". Escrever aqui sem ter conhecimentos adequados, é um pecado

 

Primeiro: não lhe dei confiança alguma para me tratar por tu. Isso é coisa de gente sem educação.

 

Pois, EXCEÇÃO (EXC’ÇÃO). Se soubéssemos o que isso significa, poderia dizer alguma coisa. Infelizmente, este monstrinho ortográfico, sem família, sem origens, sem raiz, não significa NADA.

 

Segundo: o acordo ortográfico NÃO reconhece coisa nenhuma, porque o acordo mortográfico é uma FRAUDE. É um nado-morto. Em Portugal usamos fatos. Não usamos ternos. E um faCto é um acontecimento, tal como o é em Inglaterra e no vosso tão amado “States”.

 

If’tivâmente” (transcrição fonética do que escreveu) eu conheço demasiado bem o que este acordo fajuto propõe, porque aprendi a ler e a escrever no Brasil. A vossa “rêcépição” salvou-se. No Brasil continua recePção, nem sei por alma de quem. Cá em Portugal, perdeu o PIO, quero dizer o PÊ, e a coisa ficou preta, ou seja, ficou receção (que se lê r’c’ção) que é um monstrinho ortográfico à portuguesa. Como os há à brasileira, por exemplo, anistia, mas se me dizem que isto faz parte do tal Dialecto Brasileiro, retiro o monstrinho.

 

Para terminar, digo-lhe que tem toda a razão: é um pecado escrever mal a Língua Portuguesa. Para se escrever comentários no meu Blogue é preciso ter conhecimentos profundos de Língua Portuguesa, que é algo que os gonçalos demonstraram não ter.

 

Passem bem. E cultivem-se. E principalmente abandonem a ideia obtusa de que para se ser moderno é preciso ser-se idiota.

 

Isabel A. Ferreira

 

Do mesmo autor destes dois comentários acima referidos (já confirmado) eis outro texto:

O QUE CONCLUIR QUANDO UM CIDADÃO CONFUNDE INDIGNAÇÃO COM ÓDIO, E ESPÍRITO CRÍTICO COM NEGATIVIDADE?

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:18

link do post | comentar | ver comentários (10) | adicionar aos favoritos
partilhar
Sábado, 4 de Março de 2017

ACORDO ORTOGRÁFICO

 

 

Um claríssimo artigo de Maria João L. Gaspar de Oliveira, sobre o AO90, o qual foi publicado, há pouco, no Diário de Coimbra, um jornal anti-acordista, do qual a autora é assinante, e onde publica os seus textos.

 

AO90.jpg

 

Texto de Maria João L. Gaspar de Oliveira

 

«Sabe-se que os índices de leitura, em Portugal, ainda são muito baixos, pelo que se verifica uma grande falta de vocabulário, sobretudo nos adolescentes que, para comunicar, utilizam pouco mais de 300 palavras (há 20 anos, tinham cerca de mil...). Esta situação é preocupante, sobretudo porque há uma relação estreita entre o vocabulário e o pensamento. A linguagem organiza, ordena, produz o próprio pensamento. Nós pensamos com palavras, obviamente. E, não ter palavras para dizer a realidade, é como não ter conhecimento dela. Não podemos sequer dizer que conhecemos, seja o que for, se não tivermos palavras para traduzir tal conhecimento. Sem elas, o intelecto vai-se tornando cada vez mais pobre, e a liberdade do pensamento fica, seriamente, comprometida. Sem capacidade de argumentação, sem acesso à autonomia do pensar, tornamo-nos presas fáceis de qualquer ditadura fonética, política, etc....

 

Para cúmulo, o "acordo" ortográfico, fiel servidor de interesses políticos e económicos, impõe uma ortografia fonética das palavras em detrimento da ortografia etimológica, pelo que, não pode, de modo algum, contribuir para a evolução da Língua Portuguesa, uma língua que tem, no mundo, mais de 240 milhões de falantes.

 

Este "acordo" provoca também uma enorme confusão entre palavras distintas (retractar, por exemplo, significa, agora, tirar o retrato...), regras que se contradizem e outras que provocam dúvidas, eliminação de acentos gráficos fundamentais, alterações na maiúscula inicial, reformulação do uso do hífen que nem ao diabo lembra, caos linguístico instalado nas escolas e por todo o país, onde já coexistem três grafias, pelo menos (a do Português correCto, a do AO90 e as multigrafias pessoais...), normas ortográficas provisórias que os alunos têm de aprender, novas regras gramaticais, inviabilização do vocabulário formado por via erudita, devido ao afastamento da etimologia, etc., etc.

 

Como diz Fernando Paulo Baptista, não será fácil para um inglês ou francês, relacionar "actuality", ou "actualité" com "atualidade"... "Multiplique-se o exemplo e será possível descobrir que, afinal, o futuro está no passado, ou seja, na etimologia, naquilo que nos une, portanto", acrescentou.

 

Além disso, este "acordo" incoerente, sem fundamento científico, e que é fruto da prepotência do poder político, não é um Acordo, visto que a grande maioria dos especialistas em Língua Portuguesa se opõe, assim como a maioria dos falantes do português de Portugal. A ortografia "unificada" (uma "unificação" que admite múltiplas grafias...), não vai ser usada por todos os países lusófonos, incluindo Angola, que é o segundo país com maior número de falantes da nossa língua.

 

Perante tal insulto à Língua Portuguesa, a revogação deste "acordo" é, absolutamente, necessária e urgente.»

 

Maria João L. Gaspar de Oliveira – COIMBRA

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1228674137249850&set=a.259749900808950.60720.100003218261430&type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:24

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

«O AO90 É UM TRATADO DE IMBECILIDADE»…

 

… diz Miguel Sousa Tavares, e eu acrescento: defendido por imbecis… que não sabem distinguir a Língua Portuguesa (o trigo) do AO90 (o joio) …

 

IMBECILIDADE.jpg

 (E os Portugueses, que se prezam de o ser, também deviam ser remunerados pelo mesmo motivo...)

 

Texto de Miguel Sousa Tavares

 

«O que sempre me impressionou mais no AO de 90 — além da absoluta estupidez intrínseca das soluções propostas — foi a sua própria génese: o AO de 90 nasceu sem que nenhum dos sete países oficialmente falantes de português o tenha pedido ou de algum modo tenha manifestado a sua necessidade, mas sim por estrita iniciativa pessoal de meia dúzia de "sábios" aparentemente sem nada de mais relevante com que se ocuparem.

 

[...] Do alto do seu saber intocável, meia dúzia de iluminados resolveu mudar a ortografia de 15 milhões de portugueses de Portugal e da emigração e das outras dezenas de milhões que aprenderam connosco a falar e escrever português. E, perante a diversidade inevitável que a língua adquiriu naturalmente — na fala e na escrita — e que, em si mesma, é uma riqueza acrescentada, eles resolveram empobrecê-la, definindo um impossível, inaplicável e idiota código comum de grafia. [...]

 

 

Do ponto de vista linguístico, o AO é um tratado de imbecilidade; do ponto de vista comercial, é uma rigorosa inutilidade; do ponto de vista político, é uma humilhação sem sentido.

 

Rejeitado durante 27 anos pela esmagadora maioria dos escritores e dos que utilizam profissionalmente a língua no dia-a-dia, denunciado em todas as suas vertentes por incansáveis movimentos de cidadãos, o AO manteve-se porém sempre em vigor e declarado como facto consumado por sucessivos governos, ministros da Cultura, Presidentes da República e parlamentares, como tábua sagrada. Porquê? Porque os seus benefícios se tinham tornado evidentes, porque os contestatários se tinham enfim rendido às suas vantagens, porque todos os países envolvidos tinham aderido, porque tinham feito da língua portuguesa unificada um trunfo à escala geopolítica?

 

Não. Por inércia, por ignorância, por falta de paciência para se ocuparem do assunto. Nunca terei visto uma decisão política imposta pela força por tão poucos a tantos mais e levada avante, não pela razão, mas pela simples demissão do poder político.

 

Veja-se a posição do actual MNE, Santos Silva, idêntica à de todos os seus antecessores: o AO é um tratado internacional, está em vigor e ponto final. Não interessa se é bom ou se é mau, se serve ou des-serve o interesse nacional ou até o facto de a sua entrada em vigor ser ilegal, nos termos do próprio tratado. Revê-lo, denunciá-lo, declará-lo caduco, seria uma chatice: eis o argumento decisivo. [...]

 

 

Na sessão ocorrida na AR, a deputada socialista e ex-ministra da Cultura Gabriela Canavilhas, defensora do AO, veio trazer à colação o seu exemplo pessoal: foi dar um concerto ao Brasil e "traduziram-lhe o texto para brasileiro" (que texto, sra. deputada?). Donde, terá ela concluído, que nada melhor do que um acordo que unifique a grafia — o que, no caso concreto, não seria outra que não a grafia brasileira. Perante este argumento demolidor, e apenas por causa dele, permito-me apresentar também o meu caso pessoal. Em 2005, quando publiquei o meu primeiro livro no Brasil, o todo-poderoso editor brasileiro começou por me propor que todo o texto fosse em português do Brasil, a pretexto de que os leitores brasileiros não iriam entender nem aderir ao português de cá. Não obstante a vontade e o grande orgulho que tinha em ser editado no Brasil, recusei liminarmente.

 

O editor propôs-me então uma lista de 50 palavras ou expressões portuguesas que deveriam ser traduzidas para brasileiro. Recusei outra vez. No fim, propôs-me mudar duas palavras, apenas duas, e eu voltei a recusar. Desde então, editei oito livros no Brasil e todos abrem com uma declaração do editor brasileiro: "Por expressa vontade do autor, este livro é escrito no português de Portugal e sem obediência ao Acordo Ortográfico de 1990". Doze anos e oito livros depois, com "o português de Portugal", vendi centenas de milhares de exemplares no Brasil, e participei lá em dezenas de palestras, conferências e feiras literárias, onde conheci dezenas de editores e livreiros e centenas de leitores, sem que um só, alguma vez, se me tenha queixado de não entender a minha escrita de cá. Pelo que, sra. deputada, talvez o problema seja seu.

 

Porque não experimenta antes defender a sua língua? Ou, por acaso, leu Machado de Assis ou Jorge Amado traduzidos para o nosso português?»

 

Miguel Sousa Tavares

 

Fonte:

http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=acordoortografico90

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:34

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Sexta-feira, 21 de Outubro de 2016

OS PORTUGUESES TÊM O DIREITO E O DEVER DE RESISTIR À IMPOSIÇÃO DO AO90 ATRAVÉS DA DESOBEDIÊNCIA CIVIL

 

 

 

Um texto para ler e reflectir o absurdo da imposição do AO90 aos portugueses

 

“Todos os cidadãos portugueses (em particular os que assumem especiais responsabilidade na transmissão do património linguístico às gerações futuras) têm, mais que o direito, o dever da desobediência (art.º 21º CRP: “Todos têm o direito de resistir a qualquer ordem que ofenda os seus direitos, liberdades e garantias...”) e de objecção de consciência (art.º 41º nº 6 CRP) a recomendações ministeriais ilegais, além de prematuras e de impraticáveis em muitos aspectos.”

 

EUGÉNIO.jpg

 

Por Eugénio Lisboa

 

Antígona ou O Coração Indomável

 

Num prestimoso serviço à cultura, transcreve-se este artigo, do académico e ensaísta Eugénio Lisboa, publicado no “Jornal de Letras” do passado dia 1 de Maio:

 

Desobediência, a mais rara

e corajosa das virtudes”

George Bernard Shaw

 

Numa carta admirável e meticulosamente fundamentada, dirigida ao Ministro da Educação, a propósito da suposta entrada em vigor do famigerado Acordo Ortográfico, a médica Madalena Homem Cardoso, na sua qualidade de mãe de uma filha de sete anos, agora a iniciar-se na arte de escrever em língua portuguesa, informa aquele Ministro de que não poderá “anuir a que a aprendizagem da [sua] filha seja perturbada pelo autodenominado “Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1990)” (...) o qual não é “acordo”, pois conta com a oposição quase unânime dos especialistas em língua portuguesa  e da esmagadora maioria dos falantes-escreventes de Português de Portugal(...)”.

 

Não vou aqui esmiuçar a argumentação lúcida e magnificamente articulada, que a Dra. Madalena Cardoso desenvolve, ao longo de nove páginas, e que eu sugeriria ao Sr. Ministro da Educação que lesse, ele mesmo, com atenção e cuidado, em vez de a mandar analisar pelos seus colaboradores. Creia que é uma boa sugestão!

 

O meu ponto é outro: na carta referida, a autora, por mais de uma vez – e isto poderá chocar alguns leitores e, provavelmente, o Ministro e os seus directores-gerais – incita, em termos nada ambíguos, “todos os cidadãos portugueses” à desobediência civil, relativamente àquele Acordo. Eu cito uma passagem só: Todos os cidadãos portugueses (em particular os que assumem especiais responsabilidade na transmissão do património linguístico às gerações futuras) têm, mais que o direito, o dever da desobediência (art.º 21º CRP: “Todos têm o direito de resistir a qualquer ordem que ofenda os seus direitos, liberdades e garantias...”) e de objecção de consciência (art.º 41º nº 6 CRP) a recomendações ministeriais ilegais, além de prematuras e de impraticáveis em muitos aspectos.”

 

O conceito de “desobediência civil” vem de longe e as suas raízes filosóficas estão profundamente enraizadas no pensamento ocidental, em obras de Cícero, S. Tomás de Aquino, John Locke, Thomas Jefferson, Henry David Thoreau ou Bertrand Russell. A “desobediência civil” não é mais do que uma resistência passiva – de carácter simbólico – a actos tidos por injustos e iníquos praticados pelo Estado – actos que podem ser “legais” mas que são eticamente reprováveis. Em África, na América e na Índia, a “desobediência civil” tem sido uma táctica usada, com êxito, ainda que morosa e dolorosa, na obtenção dos resultados almejados. Gandhi, na África do Sul e na Índia, e Martin Luther King, entre outros, nos Estados Unidos, usaram de resistência passiva, isto é, de desobediência civil, para atingirem os seus objectivos.

 

Em muitos países do mundo de hoje e, em particular, na Europa (incluindo Portugal), os cidadãos sentem-se tentados, perante as medidas de sacrifício promulgadas, não equitativamente, para remediar uma situação económico-financeira de quase catástrofe – de que muitos deles não foram nem cúmplices nem culpados - , muitos deles, dizia, sentem-se seriamente tentados a praticar actos de desobediência civil, em relação a Estados que não consideram “pessoas de bem”: a injustiça persistente gera sempre o desejo de resistência àquilo que se considera “o mal”.

 

O conceito, repito, vem de longe, dos tempos míticos da Grécia Antiga, em que Antígona, filha de Édipo, afrontou o Rei de Tebas, Créon, em dilema dilacerante, que marcou a fogo a inteligência e o imaginário dos homens, ao longo dos séculos. O conflito, glosado na tragédia de Sófocles, resume-se em poucas palavras: regressando a Tebas, após a morte do pai (Édipo), Antígona e sua irmã Ismena tentam reconciliar os seus irmãos Etéocles e Polinices, que se encontravam desavindos – Polinices, atacando a cidade e Etéocles, defendendo-a. Ambos morrem em combate e o tio Créon, tornado Rei, pune Polinices, proibindo o seu enterro. Antígona, movida pelo amor ao irmão e pelo horror à iniquidade do decreto real, enterra secretamente o irmão. Entre a lei do Estado e a lei divina (a da sua consciência, a da Justiça), optou por esta, arriscando a vida.

 

O centro da peça, que ainda hoje serve de medalha às consciências em luta e dilacera espíritos e corações, é o diálogo entre Antígona e Créon. Antes de desferir a sentença de morte, por desobediência, o rei pergunta: “E tu, responde-me, numa palavra e sem rodeios: conhecias a proibição que fiz publicar?” Antígona responde com altivez. ”Conhecia. Como podia ignorá-la? Toda a gente a conhecia.” O Rei desfere, então, a pergunta final: “E ousaste infringir as minhas ordens?” A resposta de Antígona ficou sendo o fundamento ardente de todas as futuras “desobediências civis”: “Ousei, porque elas não emanavam de Zeus nem da Justiça, que habita junto às divindades infernais; e não acreditei que um simples mortal como tu pudesse ter suficiente autoridade para se permitir transgredir as leis não escritas mas imortais dos deuses.”

 

A postulação da princesa é clara e pode “traduzir-se” deste modo: entre um mandato falível do Estado e o imperativo mais alto da nossa consciência (o nosso íntimo conceito de justiça e de bem), a escolha só pode ser uma: seguir o imperativo da consciência.

 

Este princípio de “desobediência civil”, a que outrora ficaria bem apelidar de “desobediência divina”, atingiu algum estatuto de lei internacional, por ocasião dos famosos julgamentos de Nuremberg, nos quais não foi considerado como atenuante aos crimes cometidos pelos réus nazis o facto, por eles alegado, de terem apenas “cumprido ordens”. Nesse famoso e controverso tribunal, foi afirmado, de modo imperativo, o princípio de que um indivíduo pode, em certas circunstâncias, ter que responder, em tribunal, por não ter desobedecido às leis do seu país.

 

Numa belíssima versão contemporânea do mito de Antígona, da autoria do grande dramaturgo francês, Jean Anouilh, a protagonista, pouco antes de ser mandada para a morte, envia, por intermédio de um dos guardas, uma mensagem a seu noivo Hémon, nos seguintes termos: “Sim. Perdão, meu querido. Sem a pequena Antígona, vós estaríeis todos muito tranquilos. Amo-te...” É, precisamente, o papel das Antígonas deste nosso mundo impedir-nos de ficarmos demasiado tranquilos, quando aquilo que as iniquidades vigentes estão a pedir é o desassossego, a intranquilidade geradora de acção e justiça. O coração indomável de Antígona é uma luz ao fundo do túnel.

 

Na fotografia: Eugénio Lisboa.

 

Fonte:

http://dererummundi.blogspot.pt/2012/05/antigona-ou-o-coracao-indomavel.html

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:11

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar
Quinta-feira, 23 de Junho de 2016

O QUE OS POLÍTICOS PORTUGUESES PRECISAM DE SABER SOBRE O AO90

 

3003_200416124415_Palavras[1] AO90.jpg

 

Aqui há tempos, por ocasião das eleições legislativas, perguntei a um determinado líder político, qual a posição do seu Partido acerca do AO90.

 

A resposta veio assim: “Eu, pessoalmente, escrevo e continuarei a escrever como sempre escrevi, mas o Partido, constituído maioritariamente por gente mais jovem, entende que a língua é um organismo vivo em evolução, portanto, estando o AO90 nessa linha evolutiva, optaram por aplicá-lo».

 

Esta seria a resposta perfeita, se o AO90 tivesse alguma coisa (ainda que muito remota) a ver com a linha evolutiva da língua.

 

Acontece que o AO90 nada tem a ver, nem de perto nem de longe, nem pouco mais ou menos, com evolução alguma. Muito menos da língua.

 

E porquê?

 

Simplesmente porque o AO90 não foi engendrado a partir de motivações evolucionistas da língua, ou assente nas Ciências da Linguagem, mas tão-só em interesses económicos de uns tantos editores/livreiros brasileiros e portugueses (reparem que eu não incluo aqui os africanos de expressão portuguesa, porque esses não foram para ali chamados) e, por arrasto (porque nestas coisas de interesses económicos sempre se vai por arrasto), de uns tantos políticos portugueses que, sem o menor pejo, patriotismo ou sentido de Estado, decidiram vender a Língua Portuguesa, culta e europeia (é bom referir este detalhe, porque anda por aí uma imitação muito mal ataviada, a que chamam português do Brasil) e impor ilegalmente, vergonhosamente, impatrioticamente uma ortografia apelidada de AO90, tirada, à força, da ignorância mais profunda sobre a Língua Portuguesa, um dos maiores símbolos da Identidade de Portugal, aquele que exprime o ser e o sentir de todo um povo, porque sem a Língua, expressão oral e escrita, como saberíamos dos feitos tão excelentemente cantados por Luiz Vaz de Camões?

 

A Língua de um povo diz da dignidade desse povo. Não pode ser o simples linguajar que os iletrados utilizam para se comunicarem entre si.

 

Quis o destino que Portugal, por ser um pequeno país, entalado entre o Oceano Atlântico e a gigantesca Espanha, ousasse rasgar as águas do mar em busca de outros mundos, para poder sobreviver.

 

Quis igualmente o destino que os Portugueses fossem um povo destemido e dotado para as marinhagens, e que «navegando mares nunca dantes navegados», de légua em légua, foram descobrindo terras, nelas se fixando e deixando a “marca” de Portugal.

 

Não caberá aqui discutir o mérito ou o demérito da colonização portuguesa, que não foi nem pior nem melhor do que a dos outros povos colonizadores.

 

Chegados aqui, falemos da Língua que deixámos aos povos que foram sendo colonizados, e que, no caso do Brasil (o grande responsável pela disseminação do mau Português, perdoem-me os meus quase conterrâneos brasileiros) foram primeiramente os indígenas (os mais genuínos brasileiros), e depois os colonos portugueses e de muitas outras origens, que foram assentando arraiais no gigantesco território que os Portugueses conseguiram tornar seu.

 

Até 1822, o Brasil (achado em 1500) existiu sob o “domínio português”. Mas depois desta data, já com brasileiros de terceira geração, libertaram-se desse domínio, e o que fizeram com essa liberdade também não é agora para aqui chamado.

 

O que é para aqui chamado é que esses brasileiros, por vontade própria, adoptaram a Língua Portuguesa como língua oficial (e poderiam ter escolhido qualquer uma das muitas línguas indígenas que então existiam) a qual foi sendo enriquecida pelo léxico autóctone e dos vários povos que no Brasil se foram fixando.

 

E isso foi muito bom para a Língua Portuguesa.

 

O que não foi bom foi o facto de, a dada altura, os políticos brasileiros, para baixarem o elevado índice de analfabetismo, decidirem simplificar, arbitrariamente, a língua escrita, retirando-lhe as consoantes mudas, sem terem a mínima noção de que, ao fazerem-no, estavam pura e simplesmente a mutilar a língua, introduzindo palavras que antes tinham nexo e, bruscamente, por mera vontade política, deixaram de ter, e transformaram-se em erros ortográficos (e passo por cima dos outros erros, incluindo os da concordância, espelhados na linguagem oral).

 

E são precisamente essas palavras mutiladas, sem qualquer motivação científica, que os políticos portugueses impatriotas e completamente desinformados (se é que me entendem) querem impingir-nos, porque sim, por teimosia, por ignorância, por meros interesses económicos, por conveniências obscuras.

 

Concluindo: não existe, nem pode coexistir um Português de Portugal e um Português do Brasil.

 

O Português é Português em qualquer país lusófono. Ponto final.

 

Dentre os oito países que fazem parte da Lusofonia (Portugal, Brasil, Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Cabo Verde e Timor) apenas o Brasil desvirtuou a Língua Portuguesa, e não foi por motivos evolucionistas, como já referi.

 

O Português, dito do Brasil, não é mais do que o Português na sua versão mais pobre e inculta. E que me perdoem os Brasileiros, porque aprendi a ler e a escrever no Brasil e passei a minha infância, adolescência e juventude a aprender e a desaprender a minha própria língua, de cada vez que me mudava de cá para lá, e de lá para cá.

 

Não existe um Português de Angola, ou de Moçambique ou de Cabo Verde, ou da Guiné, ou de São Tomé e Príncipe, ou de Timor.

 

O que há é muitos modos de dizer. A expressão oral pode variar até de cidade para cidade, dentro de um mesmo país. Mas não a escrita.

 

Os brasileiros até podem dizer “mulé”, “muié”, “mulherrr”, mas se escreverem mulher, menos mal.

 

Não critico o modo de falar, se bem que falar bem não fica mal a ninguém.

 

Reduzir a língua escrita ao modo de dizer, não tendo em conta a etimologia das palavras, é um acto de incultura.

 

É trise, muito triste, vermos a nossa bela Língua Portuguesa escrita por aí, em documentos oficiais, em (algumas) estações televisivas, em (alguns) jornais e revistas, em (alguns) livros de escritores menores, com a puerilidade de uma criança que acaba de se sentar nos bancos da escola primária, para aprender as primeiras letras, e junta-as conforme as ouve:

 

«Çaberão voçax eisçelênciax u tamanhu da inurmidade da voça falta de cunheçimento da língua purtugeza

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:32

link do post | comentar | adicionar aos favoritos
partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar neste blog

 

.Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
14
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. ADMIRÁVEL LÍNGUA NOVA (P...

. JÁ NÃO HÁ PACHORRA PARA A...

. ACORDO ORTOGRÁFICO

. «O AO90 É UM TRATADO DE I...

. OS PORTUGUESES TÊM O DIRE...

. O QUE OS POLÍTICOS PORTUG...

.arquivos

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

.ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

.

.CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt

. AO/90 É INCONSTITUCIONAL

O Acordo Ortográfico 1990 não tem validade internacional. A assinatura (em 1990) do texto original tem repercussões jurídicas: fixa o texto (e os modos como os signatários se vinculam), isto segundo o artº 10º da Convenção de Viena do Direito dos Tratados. Por isso, não podia ser modificado de modo a entrar em vigor com a ratificação de apenas 3... sem que essa alteração não fosse ratificada por unanimidade! Ainda há meses Angola e Moçambique invocaram OFICIALMENTE a não vigência do acordo numa reunião OFICIAL e os representantes OFICIAIS do Brasil e do capataz dos brasileiros, Portugal, meteram a viola no saco. Ora, para um acordo internacional entrar em vigor em Portugal, à luz do artº 8º da Constituição Portuguesa, é preciso que esteja em vigor na ordem jurídica internacional. E este não está!
blogs SAPO